9,95Mb (rv. 12set)

Transcripción

9,95Mb (rv. 12set)
e
d
o
n
a
ic
r
e
m
a
it no
a
L
lo
ta
I
o
s
s
e
gr
XX
n
o
C
RESUMOS
Realização:
COMISSÃO CIENTÍFICA DO CONGRESSO
Coordenação:
Dr. Ely Eduardo Saranz Camargo
Realização:
Responsável:
Dr. Jaldo de Souza Santos
Presidente do CFF
SEÇÃO 1
ETNOMEDICINA E ANTROPOLOGIA
APRESENTAÇÃO ORAL:
Segunda-feira, 19 de setembro, das 16h00-18h00
APRESENTAÇÃO POSTER:
Segunda-feira, 19 de setembro, das 17h00-18h00
ESTUDO ETNODIRIGIDO SOBRE O USO POPULAR DE PLANTAS MEDICINAIS E
FITOTERÁPICOS E SEU EMPREGO NAS UNIDADES BÁSICAS DE
SAÚDE DE ORIXIMINÁ-PARÁ-BRASIL
Pimentel, F.1*, Costa, J. C.2
¹ Autora - Universidade Federal do Pará, UFPA, Oriximiná, PA, Brasil.
² Orientadora - Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil.
*
[email protected]
Introdução
A ciência do uso e manipulação de plantas medicinais com finalidades terapêuticas é conhecida como Fitoterapia.
Várias ações se destacam no Brasil no sentido de sua institucionalização. Atualmente com maior reflexo desse
processo temos a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) e a Política Nacional de Plantas
Medicinas e Fitoterápicos (PNPMF). Dessa forma este estudo teve como objetivo avaliar o uso e conhecimento de
plantas medicinais e fitoterápicos pela população e pelos profissionais de saúde nas Unidades Básicas de Saúde (UBS)
do município de Oriximiná-Pará por meio de um levantamento etnodirigido.
Método
A pesquisa foi realizada no município de Oriximiná-Pará. Trabalho de cunho quantitativo, descritivo e de campo.
Como instrumento de coleta foi usado impresso padronizado no período de 14 de Outubro a 17 de Novembro de
2010.
Resultados
Foram entrevistados seis profissionais de saúde, priorizando os médicos, e 260 habitantes da malha urbana do
município, tomando como unidade amostral postos de saúde para os profissionais e o domicílio para a população.
Foram listadas 114 plantas com suas respectivas indicações, parte usada e forma de uso. Apesar do conhecimento
da população sobre as plantas medicinais, pouco são os médicos da rede pública que fazem prescrição das mesmas
aos seus pacientes, e os que prescrevem recomendam o uso para as doenças relacionadas a cálculo renal, pneumonia
e resfriado e avaliam com bons os resultados terapêuticos. Todos os profissionais afirmam que não há fornecimento
de fitoterápicos pelo serviço de saúde do município, contudo na sua maioria gostariam que esse serviço fosse
disponibilizado. Somente dois médicos afirmaram ter realizado na universidade cursos que abordaram o uso de
plantas medicinais. Sobre a PNPIC a PNPMF, todos afirmaram não conhecê-las, porém reconhecem a necessidade
do desenvolvimento das diretrizes dessas políticas no município.
O cultivo e uso das plantas medicinais integram a cultura do povo oriximinaense. Sendo assim, o estudo demonstrou
ser possível a implantação das PNPIC a PNPMF, uma vez que a população conhece e faz uso das plantas medicinais
e os profissionais de saúde, embora não indicando estas como forma de tratamento alternativo para muitas
doenças, reconhecem sua importância para assistência primária a saúde. E apesar do município apresentar algumas
informações e começo de iniciativas de projetos nesse sentido, não são conhecidas ações reais que indiquem a
implantação dessas políticas. Para isso, é imprescindível que o poder público municipal, dê uma atenção especial
ao assunto e defina recursos para a prática dessas políticas para que os aspectos sócio-econômica-ambiental da
população oriximinaense sejam respeitados e valorizados, pois essas atividades promovem a conservação de suas
práticas medicinais populares e incentivam seu uso estratégico como alternativa econômica para a sustentabilidade
desta população.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Conclusão
3
O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA MEDICINA POPULAR PRATICADA EM
ASSENTAMENTOS DO MST DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO:
UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O SUS
Ricardo L.M.1
1 Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos (DAF) / Secretaria de Ciência,
Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE) / Ministério da Saúde (MS), Brasil.
Correio eletrônico: [email protected]
Introdução
O presente resumo se refere à pesquisa de mestrado em Saúde Pública desenvolvida na Escola Nacional de Saúde
Pública Sérgio Arouca / Fiocruz - Rio de Janeiro, entre 2009 e 2011. O Movimento dos Trabalhadores Rurais SemTerra (MST) agrega trabalhadores rurais de diversas origens e os assentamentos e acampamentos mantêm diferentes
relações com a rede pública de assistência à saúde. Nas áreas há amplo uso de plantas medicinais e introdução de
elementos de diferentes racionalidades médicas pelo setor de saúde do MST. Nesse contexto, o objetivo geral da
pesquisa foi estudar a concepção do processo saúde-doença-cuidado no uso de plantas medicinais pelos Agentes
de Cura em assentamentos do MST / RJ. Os Agentes de Cura são sujeitos de referência para se obter indicações
de remédios caseiros e orientações sobre o processo saúde-doença-cuidado. Tal pesquisa possibilita, dessa forma,
compreender a utilização do Sistema Único de Saúde (SUS) e de outros sistemas de cura pelos assentados.
Métodos
Realizou-se uma pesquisa qualitativa que buscou promover o encontro de dois métodos - Representações Sociais,
segundo a Psicologia Social, e Educação Popular - com a finalidade de compreender a Medicina Popular praticada
em sua relação com a “situação-limite” vivida pelos assentados do MST. A Educação Popular como método de análise
favorece a identificação de “palavras-geradoras”, que nessa pesquisa têm um significado profundo para compreender
os elementos componentes da Medicina Popular. Seis Agentes de Cura moradores de três áreas organizadas pelo
MST / RJ foram entrevistados. Utilizou-se entrevistas semi-estruturadas com roteiro-guia e observação participante.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
4
Observou-se diferentes elementos sobre a utilização de plantas medicinais, como coleta, indicações, precauções,
ampliação do conhecimento e uso religioso. Buscou-se relacioná-los às concepções de etiologia, diagnóstico, eficácia,
recursos e sistemas terapêuticos - elementos constituintes do processo saúde-doença-cuidado. Muito embora seja
polissêmica e heterogênea, elementos comuns observados nas práticas de Medicina Popular baseada em plantas
medicinais permitem caracterizá-la como um sistema médico não formal, em disputa permanente, numa situaçãolimite. Aspectos conflitantes entre a Medicina Popular e a Biomedicina evidenciam que a convivência entre sistemas
médicos não é harmônica, uma vez que estão em permanente disputa pelo monopólio do cuidado. O conceito
de “campo” desenvolvido por Bourdieu foi utilizado a fim de compreender tal situação. Nota-se que a “unidade”
conferida ao campo da saúde é dada pelos demandantes, que ao perfazerem itinerários terapêuticos se apropriam
e conferem legitimidade aos diferentes sistemas médicos. Nesse sentido, torna-se fundamental para a Saúde Pública
buscar compreender as reflexões dos diversos grupos sociais sobre o processo saúde-doença-cuidado e, mais
especificamente, sobre os usos dos recursos terapêuticos, uma vez que isso influencia consideravelmente as opções
terapêuticas feitas. Ampliar os espaços de diálogo entre profissionais e usuários de serviços, além de articular os
diferentes conhecimentos, torna-se essencial.
Financiamento: Bolsa de mestrado fornecida pela CAPES.
GRUPOS DE PESQUISA SOBRE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS NO
ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES
Assis M.A.1, Alencar M.S.M.1, Guimarães M.C.S.1, Amaral V.F.M.2,
Henze I.A.M.1, Azevedo F.T.1 [email protected]
1 Laboratório de Informação Científica Tecnológica em Saúde. Instituto de Comunicação e Informação
Científica e Tecnológica em Saúde, FIOCRUZ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
2 Instituto de Tecnologia em Fármacos - Farmanguinhos, FIOCRUZ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Introdução
Uma das diretrizes apontadas pelo Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos é a identificação da
base de pesquisa atuante neste domínio (p.e., que temas/plantas são pesquisados por que pesquisadores em quais
instituições). Este é o foco deste estudo: uma pesquisa exploratória para identificação dos grupos de pesquisa
que atuam em plantas medicinais e fitoterápicos no Estado do Rio de Janeiro. O objetivo do projeto é mapear e
caracterizar a pesquisa cientifica e tecnológica no tema, visando o fortalecimento dessa cadeia produtiva no Estado.
A identificação foi realizada através de informações disponíveis no CNPq, obtendo-se resultados preliminares que
oferecem um panorama da pesquisa no Rio de Janeiro. Espera-se assim contribuir para a formulação política e para
gestão dos investimentos no setor de fitoterápicos e plantas medicinais.
Método
Foi realizada busca na base de dados do Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq com um conjunto de termos
relacionados a fitoterápicos e plantas medicinais, restrito a grupos localizados no estado do Rio de Janeiro. Os dados
obtidos caracterizaram graficamente os grupos de pesquisa no Rio de Janeiro, através das instituições com maior
concentração de grupos e as áreas predominantes de conhecimento identificadas.
Resultados e conclusões
Foram localizados 135 grupos com pesquisas relacionadas a fitoterápicos/plantas medicinais no Estado do Rio de
Janeiro. As instituições que se destacam são a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com 40 grupos de
pesquisa, a Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), com 24 e a Universidade Federal Fluminense (UFF) com 20 grupos.
Na UFRJ, 16 grupos, que representam 46%, estão na área predominante de Química, e os demais 24 grupos estão
dispersos em 16 áreas de conhecimento. Já na FIOCRUZ, observa-se maior concentração nas áreas de Farmacologia
(5), Parasitologia (5) e Microbiologia (4), estando os demais 10 grupos em 9 diferentes áreas.
Conclui-se que o Estado do Rio de Janeiro apresenta uma boa infra-estrutura de pesquisa em plantas medicinais e
fitoterápicos, em especial na área de Química, com destaque também para Farmácia e Botânica.
Como continuidade deste projeto, demais informações sobre os grupos de pesquisa, como, por exemplo, dados
sobre ano de formação dos grupos, volume de recursos humanos empregados, as linhas de pesquisa e interações
com o setor produtivo serão coletados.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Na UFF, as áreas de Química e Farmácia se apresentam com 4 grupos de pesquisa cada, e os demais 12 grupos estão
distribuídos em 9 áreas.
5
PLANTAS SILVESTRES: COMESTIBLES Y MEDICINALES
MSc. Coral Barrios Silva. (Ing. Agrónoma).
(Lic. Informática) Pinar del Río. Cuba.
Resumen:
La lista de plantas silvestres comestibles es enorme, muchas de ellas, ahora consideradas silvestres y malas hierbas,
fueron cultivadas durante siglos para la alimentación humana y dolencias de muchos males. De los países Antillanos,
la flora de la República de Cuba es la más rica en especies, además posee un alto por ciento de especies que solo viven
en nuestro territorio (endémicas) 51,3%, sin embargo no se ha explotado todo el potencial alimentario y medicinal
que poseen.
Es por ello que pretendemos con este estudio brindar la posibilidad de mostrarles plantas que han servido como
alimento y medicina natural a nuestra población, muy especial, a los antiguos nativos pobladores, a nuestros
mambíes y al Ejército rebelde como fuente eficaz para la supervivencia. El libro recoge la mayoría de las plantas
silvestres posibles a utilizar en la alimentación humana y para la cura de algunas dolencias, por lo que no excluimos
la posibilidad que existan otras no citadas por nosotros que hallan sido utilizadas por el hombre en periodos difíciles.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Consideramos que el momento es oportuno para fomentar la educación alimentaría adecuada que requiere cada
hombre, mujer y niño en nuestra patria y posibilitar que se conozca la utilidad de la flora que los rodea para que
se pueda obtener los mayores beneficios de ella, sin olvidar el cuidado y la conservación de la misma, ya que nos
proporciona entre sus múltiples utilidades alimento y albergue, desarrollando una conciencia ambiental hacia lo que
nos rodea.
Puesto en práctica en el Proyecto Comunitario Silva, municipio San Juan y Martínez, Pinar del Río.
6
PRODUCTOS DE ORIGEN VEGETAL UTILIZADOS PARA ADELGAZARCO
MERCIALIZADOS EN UN RAMAL DEL METRO DE LA CIUDAD DE MÉXICO
1
Arenas P. M. 1, Molares S.2, A. Aguilar Contreras3, B. Doumecq1, Florencia Gabrielli1
Laboratorio de Etnobotánica y Botánica Aplicada, Facultad de Ciencias Naturales y Museo, Universidad
Nacional de La Plata, Argentina. e-Mail: [email protected]
2
. INIBIOMA (CONICET-UNComahue). Quintral 1250. Bariloche (8400), Río Negro. Argentina.
3
Herbario Medicinal del Instituto Mexicano del Seguro Social, México DF.
Introduction
Las prácticas tendientes a combatir la obesidad son cada vez más extendidas y diversas, al menos en varios países
de Occidente. Entre ellas se destaca el consumo de diversos productos promocionados como “naturales” como
los suplementos dietéticos y las mezclas de herboristería. El objetivo del presente trabajo fue relevar los productos
comercializados con fines adelgazantes presentes en las tiendas de “productos naturales” así como el conocimiento
asociado a los mismos e identificar taxonómicamente la composición vegetal de dichos productos.
Methods
El mismo se llevó a cabo en México DF, en la línea del metro denominada CU (dirección Ciudad Universitaria - Indios
Verdes), en el mes de junio de 2010. Se aplicó la metodología etnobotánica convencional con el auxilio de técnicas
de observación, observación participante, entrevistas semiestructuradas y enlistados a responsables y expendedores
de las tiendas, considerados calificados. Se relevó un total 19 estaciones del metro en las que se localizaron 22 centros
naturistas de expendio, registrándose 31 productos del tipo de suplementos dietéticos utilizados para adelgazar.
Se consignó la composición completa de cada uno de esos productos, las indicaciones de uso (dosis y forma
de administración), precio y otros datos de interés. Asimismo, se adquirieron productos para su posterior análisis
microscópico a los fines de efectuar la identificación taxonómica de sus componentes. Los aspectos explorados
mediante la entrevista principalmente fueron: cuál es el más recomendado para adelgazar, cuáles son sus efectos
(benéficos y adversos), quién los compra, cuál es la época de mayor venta.
Results and discussion/conclusions
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Se relevó la presencia de 64 especies vegetales consignadas en los productos adelgazantes. A modo de tablas se
presentan los resultados de las especies, propiedades etnomedicinales, actividad farmacológica, parte utilizada,
origen geográfico así como la información etnobotánica derivada del trabajo de campo. Se discute el valor asignado
a las especies empleadas.
7
USES OF MEDICINAL PLANTS BY HAITIAN IMMIGRANTS AND THEIR
DESCENDANTS IN THE PROVINCE OF CAMAGÜEY, CUBA
Daimy Godínez-Caraballo1* y Gabriele Volpato2.
Address: 1CIMAC, Centro de Investigaciones de Medio Ambiente de Camagüey,
Cuba. Calle Cisneros No. 105 e/Ángel y Pobre, Camagüey, Cuba.
2CERES Research School, Department of Social Sciences, Wageningen University,
Hollandseweg 1, NL-6706 Wageningen, the Netherlands
e-mail: [email protected]
* Corresponding author
Abstract
Background: Haitian migrants played an important role shaping Cuban culture and tradicional ethnobotanical
knowledge. An ethnobotanical investigation was conducted to collect information on medicinal plant use by Haitian
immigrants and their descendants in the Province of Camagüey, Cuba.
Methods: Information was obtained from semi-structured interviews with Haitian immigrants and their descendants,
direct observations, and by reviewing reports of traditional Haitian medicine in the literature.
Results: Informants reported using 123 plant species belonging to 112 genera in 63 families. Haitian immigrants and
their descendants mainly decoct or infuse aerial parts and ingest them, but medicinal baths are also relevant. Some
22 herbal mixtures are reported, including formulas for a preparation obtained using the fruit of Crescentia cujete.
Cultural aspects related to traditional plant posology are addressed, as well as changes and adaptation of Haitian
medicinal knowledge with emigration and integration over time.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Conclusion: The rapid disappearance of Haitian migrants’ traditional culture due to integration and urbanization
suggests that unrecorded ethnomedicinal information may be lost forever. Given this, as well as the poor availability
of ethnobotanical data relating to traditional Haitian medicine, there is an urgent need to record this knowledge.
8
PROYECTO COMUNITARIO SOCIO-CULTURAL SILVA
MSc. Coral Barrios Silva. (Ing. Agrónoma). (Lic. Informática)
El Cafetal. San Juan y Martínez. Pinar del Río. Cuba.
Resumen:
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Con el surgimiento y desarrollo de la Batalla de Ideas se desarrollan múltiples programas dirigidos a elevar la cultura
de la población y su masificación por lo que requiere de nuevas formas de participación de las comunidades en
la solución de sus problemas, se produce un enriquecimiento del contenido de conceptos como: participación,
integración, coordinación y aprendizaje, formando parte del núcleo de acciones y eventos protagonizados por los
actores sociales, expresión máxima de la praxis-transformadora de la sociedad y en la cual el proceso de educación
comunitaria es distintivo. Un proyecto comunitario es el conjunto de actividades orientadas a satisfacer o resolver
las necesidades más urgentes y apremiantes de una comunidad. Está orientado fundamentalmente por quienes
forman parte de la comunidad, puesto que son quienes conocen la situación real de la zona. Uniendo todos estos
factores es que un grupo de personas de diferentes organismos y sectores sociales nos hemos unido para crear y
desarrollar un proyecto socio-cultural en la comunidad el Cafetal que si bien no tenemos soluciones mágicas a los
problemas materiales de nuestra gente si queremos promover y reanimar la vida socio-cultural porque el hombre no
se conforma con mejorar sus condiciones materiales de vida sino además lucha por elevar su espiritualidad. Objetivo
General: Elevar la esperitualidad y la ocupación del tiempo libre de los vecinos de la comunidad “El Cafetal” a través
de la reanimación de la vida sociocultural. Objetivos específicos: -Propiciar el disfrute, el intercambio y al creación
de espacios para las actividades socioculturales de la comunidad. -Organizar actividades de creación infantil, juvenil
y adultos vinculados a los diferentes talleres de creación artística. -Propiciar el intercambio entre artesanos y la
comunidad utilizando las facilidades en instalaciones rústicas para el desarrollo de actividades culturales variadas.
-Crear una galería donde se exhiban las obras producto de la creación de los vinculados al proyecto. -Diagnosticar
y enriquecer las tradiciones de la comunidad en función de fortalecer la oralidada, la música campesina, el arte
culinario y las manualidades. Impacto: En el caso del proyecto entendemos que tiene un gran impacto social dentro
de la comunidad con un fuerte arraigo espiritual, enmarcados dentro de los beneficios además socializadores del
mismo. Ello redunda así mismo en un impacto ambiental relativo a una mejor representación de las relaciones
naturaleza - sociedad en función de la gestión. Resultados esperados:-Propiciar nuevos espacios para encuentros,
la recreación, el mejoramiento del entorno, ocupación del tiempo libre y del desarrollo de las capacidades creativas
de la población local.-Convertido el taller de trabajo en pieles de los artesanos Juan de Dios Hernández y Deisy Silva
en espacio socio-cultural en beneficio de la comunidad.-Incorporado a la población infantil y la tercera edad a las
actividades en el área de proyecto.-La galería funcionando en obras de los creadores locales.-La sala de etnología
expone las piezas más significativas del entorno.-Las acciones de capacitación de los grupos meta más importantes
de la comunidad, funcionan con regularidad en el área del proyecto y las escuelas primarias del Consejo Popular.
9
“PROPIEDADES ANTI-INFLAMATORIAS DE LAS ALGAS:
HERRAMIENTA DE LA ETNOMEDICINA”
Dutok Sánchez, Carlos Manuel1; Frías Vázquez, Ana Iris 2; García Delgado, Neivys 2;
Suárez Alfonso, Ana María3; Cabrera Sánchez, Hiran 4; Chil Núñez, Idelsy1.
Departamento de Farmacia. Facultad de Ciencias Naturales.
Universidad de Oriente. Patricio Lumumba y Avenida de Las Américas. Santiago de Cuba.
Departamento de Fisiología Animal y Humana. Facultad de Biología. Universidad de
La Habana. Calle 25 entre/ J e I. Vedado Plaza de La Revolución. Ciudad Habana.
Centro de Investigaciones Marinas. Universidad de La Habana.
Laboratorio Central de Farmacología. Facultad de Ciencias Médicas “Salvador Allende”
Contactos: [email protected], [email protected], [email protected]
Modalidad: Poster
RESUMEN
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Desde los orígenes de la humanidad el hombre ha utilizado organismos, tanto del reino animal, vegetal y protoctistas,
como fuentes importantes para combatir sus enfermedades. Varias patologías como artritis reumatoidea, osteoartritis,
migraña, asma, entre otras, en su evolución tienen asociadas procesos inflamatorios, siendo el dolor uno de sus
signos clásicos. Su presencia en las afecciones inflamatorias agrava la situación del paciente por lo que se trabaja en
la búsqueda de fármacos que combinen en su acción potencialidades anti-inflamatorias y analgésicas.Existen dos
grandes grupos de fármacos que se utilizan en la clínica en el tratamiento de enfermedades donde participen los
mecanismos de la respuesta inflamatoria: los antiinflamatorios no esteroideos y esteroideos, los cuales tienen asociados
efectos adversos que incluyen insuficiencia renal, hepatotoxicidad, sangrado y úlcera gástrica. Resulta importante
continuar la búsqueda de nuevos compuestos con propiedades antiinflamatorias que pudieran no presentar estos
efectos adversos. Las investigaciones con productos naturales marinos, entre ellos los precedentes de algas, han
evidenciado una gran gama de actividades farmacológicas como: antibacterianas, anti-fúngicas, antivirales, antiinsecticidas, antioxidantes, hipoglicemiantes, hipocolesterolémicas, antitumorales, anti-inflamatorias y analgésicas.
Esto los convierte en potenciales agentes terapéuticos para el tratamiento de múltiples enfermedades, entre ellas,
aquellas que cursan con procesos inflamatorios asociados. Desde hace algunos años nuestro grupo de trabajo realiza
estudios encaminados a la determinación de las propiedades anti-inflamatorias y analgésicas de productos obtenidos
a partir de ciertas especies de algas con resultados prometedores. Estos organismos marinos constituyen un recurso
renovable a partir de los cuales se pudieran elaborar fármacos, cuyos efectos tóxicos resultan menos dañinos al
hombre y constituyen una opción más en función de la calidad de vida. Entre las especies estudiadas en el presente
trabajo se encuentran Halimeda opuntia, Dichotomaria obtusata y Galaxaura rugosa.
10
ALTERNATIVAS TERAPÉUTICAS PARA EL CONSUMO DEL TABACO
Hilda Esther Silva Darcourt, Osvaldo Cintra Cala
Universidad de Ciencias Médicas: Dr.Salvador Allende, Ciudad de la Habana, Cuba e-mail:
[email protected]
RESUMEN
La presente investigación tiene como objetivo Demostrar la efectividad de las alternativas terapéuticas en la
Deshabituación Tabáquica en un grupo de estudiantes de Medicina, pertenecientes a la Universidad de Ciencias
Medicas Dr.Salvador Allende, que fuman sin tener en cuenta la gravedad de esta sustancia nociva para la salud. Las
adicciones son “dependencias” con graves consecuencias en la vida, deterioran y afectan la salud. Un adicto es una
persona “dependiente” de aquella cosa que domina sus pensamientos, deseos, su comportamiento y la pretensión
de la sustancia, se convierte en la actividad más importante de su vida.
Para llevar a cabo este estudio utilizamos el método experimental y nos apoyamos en la acupuntura y la terapia
de Grupo. Realizamos un diagnóstico inicial de la variable a modificar (Hábito de Fumar), aplicamos las terapias
(dinámica grupal y la Auriculoterapia). La estadía para aplicar el tratamiento fue de 4 semanas, evaluamos al final el
comportamiento de la variable en cada grupo. Además trabajamos con vista a modificar conductas y estilos de vida
no saludables, así como reactivamos el interés de los estudiantes con respecto a este tema tan importante hoy en
día, que causó un impacto positivo con la finalidad de disminuir el consumo de sustancias tóxicas. La Auriculoterapia
logró en la generalidad del grupo la deshabituación o disminución del hábito de fumar ayudando de esta manera a
mejorar la calidad de vida de los estudiantes y demostrando su efectividad.
Quitting Smoking. Therapy Alternatives
To carry out this research the empirical method was used, and assisted by the acupuncture technique as well as
group therapy. A diagnostic of the variable to be modified (the smoking habit) was done. Then dynamic-group
and the auricular therapies were applied. The term for its application lasted four weeks and at the end, the final
assessment of the variable behavior in each group. Moreover, the members of the team worked towards fostering
behavioral change and a healthier life style along with the students’ education in such an important topic in today’s
life. This brought about a critical positive impact on the students’ quitting of toxic substances consumption. The
auricular therapy helped the groups decrease and eventually quit the smoking habit, and contributed to improving
the students’ quality of life as a proof of its effectiveness.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The current Research Paper is aimed at proving the effectiveness of the therapeutic alternatives in helping medical
students from Dr. Salvador Allende Medical Studies University - quit smoking. They smoke while ignoring the harmful
nature of tobacco. Addictions make people dependent and bring about terrible consequences in a person’s life and
deteriorate his or her health. An addict is a person dependent on something which controls his or her thoughts,
desires and behavior. Just trying to get “it” becomes the most important thing in his or her life.
11
ESTUDIO ETNOBOTÁNICO DE LAS PLANTAS MEDICINALES UTILIZADAS POR
UNA COMUNIDAD INDÍGENA EN ALTAMIRA, PARÁ, BRASIL
1
Martins D.1*, Nunez C.V.1, Costa R.C.2
Laboratório de Bioprospecção, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, AM,
Brasil.* [email protected]
2
Laboratório de Estudos Sociais, Instituto Nacional de Pesquisas
da Amazônia, Manaus, AM, Brasil.
Introducción
Estudios etnobotánicos en Brasil constituyen un gran desafío, ya que la variada flora brasileña ha sido muy destruida y
la medicina popular, una rica mescla de conocimientos basados en plantas medicinales tropicales, está cada vez más
modificada por una cultura que olvida los conocimientos tradicionales. Este estudio fue una demanda de la propia
comunidad y tuvo como objetivo identificar y revitalizar el conocimiento sobre el uso de las plantas medicinales
entre los habitantes de una comunidad indígena, denominada Xipaia, localizada en las márgenes de la Volta Grande
do Xingú, no sitio Jurucuá, Altamira, PA.
Metodos
Los datos fueron obtenidos por medio de entrevistas con cuestionario abierto, con posterior colecta de las plantas,
para identificación botánica. En campo fueron considerados el nombre vulgar, las partes de la planta utilizadas y las
indicaciones de uso.
Resultados y Discussión
Fueron registradas 46 especies utilizadas para fines medicinales. De acuerdo con el levantamiento, las enfermedades
más comunes son: malaria, diarrea y enfermedades del sistema respiratorio (gripe, neumonía, tuberculosis...) las cuales
también son las principales afecciones tratadas con remedios caseros. Con relación a la parte utilizada, observase
la predominancia del uso de las hojas. Observase también, que el uso combinado con otras plantas es bastante
frecuente. Las familias botánicas más citadas fueron: Fabaceae, Rubiaceae y Asteraceae. Las informaciones obtenidas
con este estudio serán base para la creación de un material de difusión científica para la comunidad. Por todo eso,
tenemos mucho más que aprender con los indios que viven en la floresta Amazónica. Ellos tienen un conocimiento
fundado por su cultura y condiciones sócio economicas, que también debemos respetar y valorizar, así como su
modo de vida, para que puedan continuar reproduciéndose como seres sociales y culturales en sus territorios.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Agradecimientos: PPBio/INPA/MCT, CT-Agro/CNPq por el financiamiento del proyecto y FAPEAM por el
apoyo. A los señores Aricafu Xipaia y Miguel Xipaia, por las prestimosas informaciones.
12
PREVALÊNCIA DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS POR PACIENTES HIPERTENSOS
MORADORES DE ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO-PE
Nunes1, MGS, Martins2, RD
Estudante de Enfermagem da Universidade Federal de
Pernambuco - Centro Acadêmico de Vitória
2
Professor Adjunto da Universidade Federal de Pernambuco - Centro Acadêmico de Vitória
[email protected]
1
INTRODUÇÃO: Diversas plantas medicinais são utilizadas pelas diferentes populações no controle da hipertensão
devido à suas propriedades calmantes ou anti-hipertensivas, tais como a colônia (Alpinia zerumbet - Pers); ervacidreira (Melissa officinalis); capim-limão (Cymbopogon citratus) e maracujá (Passiflora SP). O objetivo deste estudo é
caracterizar o uso de plantas medicinais entre pacientes Hipertensos cadastrados no Programa de Saúde da Família na
zona rural de Pirituba do Município de Vitória de Santo Antão- PE e comparar este conhecimento etnofarmacológico
com estudos descritos na literatura científica.
MATERIAL E MÉTODOS : Estudo epidemiológico descritivo de corte transversal, realizado em um distrito de zona
rural do município de Vitória de Santo Antão - PE, Zona da Mata Sul do estado de Pernambuco, localizado a 53 km
da capital Recife. O estudo de campo ocorreu entre os meses de Janeiro e Abril de 2011. No momento das entrevistas
foram coletadas os seguintes dados: informações sociodemográficas, plantas medicinais utilizadas, conhecimento do
entrevistado sobre a planta utilizada, forma de preparo e uso, indicação e fonte de aquisição.
CONCLUSÃO: O perfil de prevalência do uso de plantas medicinais é de fundamental importância para subsidiar
estudos experimentais que esclareçam o potencial terapêutico destas plantas e ampliem as opções terapêuticas para
tratamento da hipertensão, além de avaliar o potencial toxicológico e interações com fármacos antihipertensivos, a
fim de fortalecer a atenção primária à pacientes hipertensos.
Financiamento: MEC/SESu
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
RESULTADOS E DISCUSSÃO: Prevaleceram na amostra estudada pacientes com idades superiores a 60 anos
(59,90%), entre os quais 36% são do gênero masculino e 64% do gênero feminino, com média de idade superior entre
as mulheres (62,03±14,99 vs. 59,71±15,62 anos, com p>0,05). A pesquisa revelou que o uso de plantas medicinais
para controle da hipertensão arterial foi relatado por 39,5% dos entrevistados (predominância de mulheres - 70,60%),
dentre os quais 57,4% fazia uso de uma única espécie medicinal como adjuvante no tratamento. Como monoterapia
prevaleceu o uso do chuchu (Sechium edule (Jacq.) Sw. - 47,40%), seguido por capim-santo (Cymbopogon citratus (DC.)
Stapf - 18,40%) e hortelã-da-folha-miúda (Mentha pulegium L.-18,40%). Entre os pacientes em uso de associações,
a combinação mais prevalente ocorreu entre chuchu e hortelã-da-folha-miúda (23,33%), cujo uso era simultâneo,
entretanto em preparações distintas e/ou conjuntas. Entre os pacientes entrevistados 14,70% utilizavam apenas
ervas medicinais para o tratamento de hipertensão. Aqueles em uso de plantas medicinais predominaram usos
concomitantes de chuchu e captopril (30,88%) e chuchu e hidroclorotiazida (29,41%). A associação mais comum
ocorreu entre chuchu, hidroclorotiazida e captopril (19,12%).
13
DIÁLOGO DE SABERES: ETNOFARMACOLOGÍA, ANÁLISIS FITOQUÍMICO
PRELIMINAR Y ACTIVIDAD ANTIMICROBIANA DE EXTRACTOS DE CYPERUS
ARTICULATUS L. EN LAS COMUNIDADES INGA Y SIONA DEL
DEPARTAMENTO DEL PUTUMAYO - COLOMBIA
1
Diana Paola Amaya Panche1; Taita Orlando Gaitán Camacho2; Antonio José Guzmán3
Universidad Distrital Francisco José de Caldas, Bogotá, Colombia., 2Médico Tradicional Indígena
de la comunidad Carare, Santander, Colombia., 3 Profesor de la Universidad Distrital Francisco
José de Caldas, Bogotá, Colombia. [email protected]
Abordar el pensamiento ancestral desde una perspectiva científica, implica desentrañar dos visiones de mundo
que en apariencia son diferentes pero convergen en un mismo fin: encontrar la esencia de la vida; permitir que el
conocimiento ancestral con sus prácticas certeras sea conocido desde la ciencia para entenderlo y comprenderlo,
a partir de diálogos de saberes que acercan cada vez más las dos visiones de mundo, ya que el conocimiento es
uno solo y diversos saberes siempre tienen un punto de encuentro para generar acuerdos de manejo, estrategias,
validación de conceptos y prácticas de aquellos.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Waira Chundur (Cyperus articulatus) es una planta medicinal y de uso ritual utilizada entre las comunidades
indígenas del piedemonte amazónico en el tratamiento del “mal aire”1, algunos desórdenes gastrointestinales como:
diarrea y vómitos; tratamiento del paludismo, regulación del periodo menstrual, así como en prácticas culturales
y tratamiento de enfermedades propias de estos pueblos. Con el objetivo de validar desde y para la ciencia el uso
de esta planta a nivel medicinal y de generar un encuentro de conocimientos entre áreas del saber, se realizó el
estudio etnofarmacológico de C. articulatus, a partir del acercamiento etnográfico a las comunidades indígenas
Inga y Siona del departamento del Putumayo-Colombia, obteniendo información inédita de las prácticas médicas
en las comunidades mencionadas. Se describe el uso de la especie como planta medicinal en su contexto natural,
la cosmovisión de las comunidades en torno a la planta y al ser humano y las dinámicas de uso in situ, a través de
entrevistas semiestructuradas a los sabedores locales, abordando un eje biológico (especie vegetal), etnofarmacológico
(preparación, suministro y posología) y un eje cultural (usos rituales de la planta); dando así respuesta al para qué del
uso de la planta. Posteriormente ex situ, se da respuesta al por qué de los usos de la planta mediante la realización de
una marcha fitoquímica y la determinación de la actividad antimicrobiana por la técnica cilindro-placa empleando
cepas de referencia: S. aureus (ATCC 6538), E. coli (ATCC 8739), el hongo A. brasiliensis (ATCC 16404) y la levadura C.
albicans (ATCC 10231).
14
Una muestra del material vegetal colectado en el Departamento del Putumayo fue llevada al Herbario Nacional
de Colombia donde fue registrado bajo el número COL544583. La caracterización química muestra la presencia
de: taninos, flavonoides, quinonas, saponinas, cardiotónicos, cumarinas y alcaloides. El extracto etanólico presenta
actividad contra cepas de S. aureus en concentraciones de 25, 50 y 100mg/ml. Este estudio permitió el intercambio
y puesta en marcha de diálogos de saberes en torno a C. articulatus; la metodología implementada permitió dar
a conocer la importancia de la sabiduría ancestral en torno al uso de esta planta en directa correlación con los
compuestos químicos encontrados en la especie, que a su vez le confieren actividad antimicrobiana a la planta.
1
Enfermedad cultural que en las comunidades obedece a un desequilibrio espacio ambiental y desbalances térmicos que se adquiere cuando se pasa por
lugares de energía negativa o donde hay ‘malos espíritus’, lo cual se manifiesta como enfermedad produciendo vómito, diarrea y dolor de cuerpo.
ETHNOBOTANY AND TRADITIONAL USE OF HERBAL GREENS BY THE GOND
TRIBES OF BILASPUR DISTRICT CHHATTISGARH, INDIA
Kanchan lata Vishwakarma* , Veenapani Dubey
* Main author and Corresponding author [email protected]
Herbal medicine has been widely practiced throughout the world since ancient times. These medicines are safe and
eco-friendly. According to WHO about 80% of the world’s population relies on traditional medicine for their primary
health care. This paper concerned with the use of herbal green plants and related lay of traditional health knowledge
and their practices among the Gond tribal community in Bilaspur district of Chhattisgarh, India. The newly formed
Chhattisgarh state of India has a tremendous biological wealth and valuable heritage of herbal remedies. The
district is inhabited by many tribes. Gonds are the dominant tribes of the district. Most of them are dependent on
the surrounding forests for their day-to-day needs. They utilize a number of medicinal plants like Abrusprectorius,
Andrographis paniculata, Alestonia scholaris, Tinospora cordifolia, Holarrhena antidysentrica, Acorous calamus, Lucas
aspera, etc. to treat a wide range of discomforts like fever, cough/cold, skin diseases, rheumatism, snakebite,
jaundice, dysentery, snake bite ,asthma, etc.
Methods:
An Ethnobotanical semi-structure interview was conducted and structured questioner was administered in the
different areas. Interviews are carried out in the period of February 2004 to November 2008. A total 68 interviews and
24 plant collection walks were conducted in 26 villages belonging to one ethic group “Gond”. Information obtained
from 152 local informants including male, female, medicine-man, experienced older native inhabitants of the area.
A total number of 175 plant species of ethnomedicinal importance, belonging to 155 genera,175 species and 69
families have been included in the study. The most commonly used plant part was the leaves(86.36%) followed by
the root(50.96%), seed(30.98%), bark(30.94%), fruit(29.12%), flower(21.82%), whole-plant(29.12%), rhizome(12.74%),
stem(10.92%), latex(10.92%), tuber(3.64%), corn(3.64%) and pollen(1.82%). It is observed that a particular plant is
sometimes prescribed for different ailments in different localities. Some medicine-men apply a mixture of plants
for remedy of a disease. According to tribal healers leaf-juice of Andrographis paniculata is an excellent remedy
for liver disorders but its leaf powder is also effective in warts. Gum of Butea monosperma is used in dysentery and
the flowers are in fever during pregnancy. It is interesting to note that the medicine men of some village prescribe
Cynodon dactylon in many cases. They use whole plant extract in jaundice and the extract of leaves is given to treat
diarrhoea. In the same way, Ricinus communis, Lowsonia inermis, Tinospora cordifolia, Datura metel, Cyprus rotundus,
Jatropha gossypifolia, Leucas cephalotes, Ficus benghalensis, Boerhaavia diffusa, Achyranthes aspera, Abutilon indicum,
Gymnema sylvestre, Terminalia arjuna, Aloe vera, Plumbago zeylanica are some plants which have more than one
ethno-medicinal uses.
Conclusion:
The present study indicates that the tribes have good knowledge of medicinal uses of the plant species available in
the region. This traditional knowledge is a wealth for the mankind and has great value in the context of today’s trade
and patents scenario. Like other botanical aspects, it also offers scope for further research. They may prove to be
the base for potential drugs to provide health for all in the new millennium. But, unfortunately their knowledge has
not been documented and there is an urgent need for documentation of their knowledge on priority basis. Efforts
should be made to conserve this indigenous knowledge. If this knowledge is not flows on to the next generation,
a time will come when this knowledge pool will be lost forever. Hence there is an immediate need that this
treasure of knowledge should be conserved and inherited in such a way that we may be able to preserve this
age-old cultural heritage.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Result and Discussion:
15
L’ECHINACEA NELLE INFEZIONI RESPIRATORIE RICORRENTI DEL BAMBINO
Dessì Angelica, Ottonello Giovanni, Fanos Vassilios
Dipartimento di Scienze Pediatriche, Patologia e TIN,
Puericultura e Nido, Università di Cagliari, Italy
[email protected]
Introduzione
L’Echinacea è una pianta della famiglia delle Composite Tubiflore e rappresenta una delle piante più conosciute e
utilizzate nella medicina popolare. Ne esistono diverse specie ma quelle più attive dal punto di vista medicamentoso
sono l’Echinacea angustifolia, l’Echinacea purpureae l’Echinacea pallida. Recenti studi scientifici dimostrano che le tre
suddette specie contengono un trio di ingredienti attivi: l’acido ceffeinico, l’acido cicorico e l’echinacoside. Questi,
insieme con altre sostanze vegetali, sarebbero i responsabili dell’azione antivirale, antibatterica e immunostimolante
dell’Echinacea. Il “National Institute of Health” riporta che in media i bambini prendono da 6 a 10 raffreddori all’anno,
mentre gli adulti da 2 a 4. L’influenza, inoltre, durante la sua diffusione invernale, può manifestarsi in circa il 50% della
popolazione totale. Sebbene numerosi studi clinici abbiano esaminato l’utilità dell’Echinacea nella prevenzione e nel
trattamento delle infezioni delle alte vie respiratorie, la maggior parte di questi lavori è stata realizzata su pazienti
adulti. Questo studio si è proposto di analizzare le prove dell’efficacia dell’Echinacea per il trattamento e la prevenzione
di infezioni respiratorie ricorrenti nei bambini attraverso una revisione della letteratura.
Metodi
Sono stati esaminati tutti i risultati ottenuti in studi recensiti su pubmed che hanno valutato l’utilizzo dell’Echinacea
nelle infezioni respiratorie in bambini. Sono state raccolte informazioni sui metodi, pazienti, interventi, antibiotici
utilizzati, effetti collaterali, aderenza alla terapia e risultati. Lo studio ha incluso tutte le pubblicazioni scritte a riguardo
e sono state analizzate per tipo di studio (studio caso-controllo, studio ranzomizzato controllato, studio non
controllato ecc..)
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Risultati e discussione/conclusioni
16
In 5 su 8 studi pediatrici esaminati, i prodotti a base di Echinacea hanno ridotto significativamente l’incidenza di
infezioni respiratorie. I risultati dei diversi studi suggeriscono che il trattamento con estratto di Echinacea determina
effetti positivi sulla riduzione e alleviamento di eventi infiammatori delle prime vie respiratorie riscontrando un’effettiva
efficacia del rimedio erboristico nel ridurre la frequenza e la durata del raffreddore comune. In tutti i lavori esaminati
L’Echinacea è stata ben tollerata e c’è stata una buona compliance sia da parte dei pazienti che dei genitori. È da
considerare favorevolmente anche il minor utilizzo di terapia antibiotica. Da tempo si sta cercando di ridurre l’uso di
tali farmaci sia per i loro effetti collaterali intrinseci, che per il crescente sviluppo di ceppi batterici resistenti. Gli estratti
di Echinacea sono ampiamente utilizzati nei Paesi europei e negli Stati Uniti come agenti immunostimolanti, tuttavia
fino ad oggi non è stato ancora pienamente chiarito il ruolo dell’Echinacea nel trattamento di queste patologie ad
alta diffusione. E’ necessario inoltre condurre studi clinici correttamente potenziati per confermare i loro benefici
nella riduzione della durata e della gravità delle infezioni respiratorie ricorrenti in pediatria.
Bibliogrfia
Minetti AM, Forti S, Tassone G, Torretta S, Pignataro L. Efficacy of complex herbal compound of Echinacea angustifolia (Imoviral® Junior) in recurrent upper
respiratory tract infections during pediatric age: preliminary results. Minerva Pediatr. 2011 Jun;63(3):177-82.
Saunders PR, Smith F, Schusky RW. Echinacea purpurea L. in children: safety, tolerability, compliance, and clinical effectiveness in upper respiratory tract infections.
Can J Physiol Pharmacol. 2007;85 (11):1195-9.
DIAGNOSE OF THE PROGRAM LIVING PHARMACIES
IN THESTATE OF CEARÁ - BRAZIL
Ely Eduardo Saranz Camargo1,2*, Mary Anne Medeiros Bandeira3,
Anselmo Gomes de Oliveira1
Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho-Unesp,
Rodovia Araraquara-Jaú, km 01, 14801-902, Araraquara, SP. [email protected]
Conselho Federal de Farmácia, SCRN 712/713, Bloco G, 30, Brasília, Distrito Federal.
Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem,
Rua Alexandre Baraúna, 949, Fortaleza, CE.
Introduction
The Living Pharmacy Program was created by Prof. Dr. Francisco José de Abreu Matos, in 1984, based on the
reproduction of species of medicinal plants in the garden of the Federal University of Ceará, added to thelaboratory
of natural products and to ensure the people of Ceara secure access and rational use of medicinal plants and
herbal medicines. The program was considered the first work to develop a pharmaceutical care based on scientific
employment of medicinal plants and products being developed in Brazil. This program served as a model for drafting
the National Policy on Herbal and Medicinal Plants, strengthening and consolidating the state policy of herbal
medicine in the State of Ceará.
Methods
This work has as objective diagnose programs Living Pharmacies in activity in the state of Ceará, evaluating-if the
general situation of the same, aimed at creating subsidies for the construction of paths for regulating the same, in
line with the National Policy of Medicinal Plants and Medicines Phytotherapic Drugs, published by the Ministry of
Health. Data were collected by technical visit to the Nucleus of Herbal Medicine Department of Health of Ceará,
which obtained the data relating to the municipalities that were in activity in phytotherapy.
Were detected 21 municipalities which were in activities, because of the total of 38 found-that 17 abandoned for lack
of financial resources and political impetus. This total, observed-that 71% have horto own and 9% horto Community,
and the other or one or another or still receive plants of suppliers and 86% of medical species cultivated are intended
for the production of material-prime, 57% are also used for preparations homemade and 38% are intended for the
formation of seedlings to be distributed in the community. As the production of phytotherapic drugs, observed-81%
have pharmaceutical workshops for manipulation and these only 77% are in accordance with the standards of health
surveillance prevailing in the country. Of the total of programs in activities, only 2 (9%) have monitoring of the
patient clinical use of phytotherapic drugs, 17 (81%) do not have any type of monitoring the patient. On the issue
of the presence of a pharmacist, was observed in 95% of the total of the programs and for the maintenance of all
activities in the programs, 50% of them replied not hold financial resources.
The programs of medicinal plants and phytotherapic drugs implanted in the state of Ceará have problems chronic
infra-structure, management, operational capacity and self-supporting. These facts can be direct consequences of
the lack of a policy directed to programs of medicinal plants and medicines phytotherapic drugs.
Thanks to the Federal Council of Pharmacy and Nufito
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion / conclusion
17
LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS
POPULARMENTE EM COMUNIDADES DO MUNICÍPIO DE ARAPIRACA-AL
Pereira L. S. ¹, Oliveira A. C. S.¹, de Faria, F.M3., Ferreira Júnior, W. S. 2, Silva M. S. ¹
1
Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL, Campus Arapiraca, Brasil
2
Universidade Federal Rural de Pernambuco- UFRP, Brasil
3
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
Introdução
A etnobotânica tem se apresentado como uma abordagem de grande valor para o conhecimento sobre a biodiversidade acumulado pelas populações locais, contribuindo significativamente para manutenção das espécies nativas e do saber popular a elas associado, que é transmitido oralmente de geração em geração. Este trabalho tem
como objetivo estudar o conhecimento e uso das espécies de plantas medicinais nas comunidades de Flecheiras
e Varginha, Município de Arapiraca-AL, Nordeste do Brasil, assim como o resgate do mesmo, contribuindo para a
preservação da flora e da cultura locais.
Métodos
O método utilizado foi o etnográfico qualitativo rápido (Rapid Assessment Procedure - RAP), constituído por trabalho de campo com informantes da comunidade. As variáveis analisadas foram nível sócio-econômico, origem
do conhecimento, faixa etária, grau de instrução e tempo de uso da medicina popular. Foi utilizado o método de
listagem livre, no qual cada informante citou individualmente as espécies mais usadas para fins medicinais. A coleta
do material botânico foi feita na presença dos informantes, identificando as plantas no campo por seu nome vulgar, sendo preparadas exsicatas das espécies selecionadas para estudo. A análise dos dados foi realizada a partir da
saliência, que determina as plantas mais importantes, baseando-se na posição e nas freqüências das mesmas nas listas
livres, com o uso do ANTHROPAC 4.0.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão / Conclusões
18
No Sitio Flecheiras foram realizadas 13 entrevistas, indicadas 81 plantas e detectadas 47 indicações terapêuticas. O
índice de saliência (SI) mostrou para a classe terapêutica inflamação as espécies Hyptis pectinata (0,444), Alternanthera brasiliana (0,236) e Myracrodruom sp (0,233); para dor de barriga as espécies Mentha piperita L. (0,519), Lippia
alba (Mill.) Brow (0,167) e Psidium guajava L. (0,111); para gripe Plectranthus amboinicus (0,418), Ocimum basilicum
L. (0,223) e Eucalyptus globullus Labil. (0,112). No Sitio Varginha foram realizadas 14 entrevistas e indicadas 45 plantas
e detectadas 31 indicações terapêuticas. O SI para inflamação destacou as espécies Myracrodruom sp (0,563), Hyptis pectinata (0,479) e Aloe vera L. (0,229); para dor de barriga Lippia alba (Mill.) Brow (0,469), Peumus boldus Mol.
(0,254) e Mentha piperita L (0,246); para gripe as espécies Mentha piperita L. (0,500), Plectranthus amboinicus (0,417)
e Chenopodium sp (0,375). As principais indicações terapêuticas foram comuns nas duas comunidades, porém estas
não apresentaram as mesmas espécies de plantas como as mais importantes. Observa-se que essas comunidades
detêm um vasto e diversificado conhecimento sobre plantas para fins medicinais. Dessa forma, é de fundamental
importância à valorização da cultura local, detentora do conhecimento sobre plantas medicinais, permitindo o compartilhamento do saber entre as gerações e a sustentabilidade dos recursos naturais.
Apoio Financeiro: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas- FAPEAL.
*Correspondence author: [email protected]
PLANTAS MEDICINAIS MAIS VENDIDAS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS-MA
CARNEIRO, B.S.1; GOMES, A.F.M.¹; RÊGO, T.J.A.S.²
¹Acadêmicos de Farmácia. Programa de Extensão de Fitoterapia - UFMA
² Coordenadora do Programa de Extensão de Fitoterapia - CCBS - UFMA
E-mail: [email protected]
INTRODUÇÃO
No Brasil há crescente interesse e busca pela medicina tradicional e pela Fitoterapia (Almeida 2003) que ocorre
devido à vigente carência de recursos dos órgãos públicos de saúde e incessantes aumentos de preços nos medicamentos alopáticos, bem como dos efeitos colaterais apresentados por alguns destes medicamentos (Parente &
Rosa 2001). Segundo Martin (1995), estudos detalhados sobre os recursos biológicos vendidos em mercados locais
são fundamentais para uma pesquisa econômica completa, pois muitas plantas úteis apresentam valor estritamente
regional que só pode ser descoberto a partir de conversas diretas com os produtores, consumidores e vendedores
(AZEVEDO & FONSECA-KRUEL, 2007).
OBJETIVO
O presente estudo teve como objetivos, identificar as plantas medicinais vendidas em bancas do Município de São
Luís; verificando as suas respectivas indicações terapêuticas.
METODOLOGIA
Foi aplicado um questionário aos proprietários de cinco bancas de ervas medicinais cadastradas pela Prefeitura de
São Luís. A técnica de listagem livre foi utilizada para cada informante que citou as dez plantas mais vendidas possibilitando a obtenção de informações detalhadas sobre as espécies, como principais indicações terapêuticas.
CONCLUSÃO
As Plantas da família Moraceae, Morus nigra L. (Amora), com indicação terapêutica para reposição hormonal, Sorocea guilleminiana (espinheira-santa) e Ximenia americana (Oleaceae) a ameixa, indicadas para o tratamento de
gastrite foram as mais vendidas no período de um ano, seguidas de Pau tenente (Quassia amara L. - Simaroubaceae)
e Aroeira (Astronium urundeuva- Anacardiaceae) com indicações para colesterol/diabetes e inflamação respectivamente. A partir das entrevistas, observou-se um expressivo interesse não só das plantas medicinais, como as associadas a rituais. Este fato, já havia sido ressaltado nos levantamentos etnomédicos realizados por Almeida (2003) em
regiões metropolitanas como Salvador, onde registrou intenso consumo de espécies vegetais, de origem africana,
através de terreiros afro-brasileiros, sendo estas plantas compradas em barracas de mercados populares e/ou de rua.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
PALAVRAS-CHAVE: Plantas Medicinais; São Luís - MA; indicação terapêutica;
19
PLANTAS USADAS POR LA COMUNIDAD CIUDAD HITOMA
PARA EL TRATAMIENTO DE LA MALARIA
1
Cárdenas P.A1*, Rojas M.A1, Garavito G.1
Departamento de Farmacia, Universidad Nacional de Colombia, Bogotá D.C,Colombia.
*Email de contacto: [email protected]
Introducción
La malaria o paludismo, sigue siendo la enfermedad parasitaria más frecuente del planeta. En Colombia la malaria es
endémica en gran parte del territorio, adicionalmente Colombia junto con Brasil y Guyana tienen los menores logros
en cuanto a la reducción de la enfermedad en el periodo de 2000 a 2009 [1]. En Colombia existen 1´392.323 de indígenas distribuidos en todo el territorio nacional, poblaciones conocedora de las plantas y demás recursos naturales
útiles para el cuidado y mantenimiento de la salud. Este conocimiento se transmite de generación en generación por
tradición oral; esto puede llevar a que la pérdida del mismo sea fácil si no existen descendientes interesados en el
mantenimiento de su cultura.
El presente trabajó realizó una aproximación etnofarmacológica a la comunidad Ciudad Hitoma de la Amazonía
Colombiana con el fin de conocer las percepciones de salud y especificamente de la malaria y las plantas usadas por
ellos para el tratamiento de esta enfermedad.
Métodos
Se accedió al médico tradicional de la comunidad y su familia. Inicialmente se presentó el proyecto, los objetivos, y
se explicó la importancia de su colaboración para la conservación de sus conocimientos, se solicitó consentimiento
informado con el fin de poder documentar la información suministrada por la comunidad. Junto con el médico
tradicional, se realizó la colecta de material vegetal para su clasificación botánica.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión/conclusiones.
La comunidad Ciudad Hitoma se ubica en el municipio de Leticia, Departamento de Amazonas, Colombia. La información obtenida fue suministrada por el médico tradicional y su familia, descendientes de la etnia Murui- Muinane.
Se evidenció claridad en el conocimiento de la malaria, es claro para ellos que es una enfermedad transmitida por la
picadura de un mosquito y sorprendentemente logran la diferenciación de la clase de mosquito que la transmite, por
la forma como este se para al momento de picar . La descripción de la sintomatología narrada en su propio dialecto,
en general es similar a la descrita para la enfermedad; principalmente la fiebre es asociada con la malaria, el escalofrío,
el dolor de cabeza, y la falta de apetito son identificados como síntomas de la enfermedad. Logran diferenciar la malaria de una fiebre común y por tanto el tratamiento es diferente en cada caso. Tres plantas usadas para el tratamiento
de la enfermedad Aspidosperma excelsum (Costillo), Abuta grandifolia (Aifo), Curarea toxicofera (Bejuco de llaño), y se
conoció su forma de preparación por parte del médico tradicional. A. excelsum há sido reportada en ensayos in vitro
de actividad antimalárica, encontrandose inactivo el extracto hidroalcohólico de la madera [2, 3]. Estudios previos,
desarrollados por nuestro grupo de investigación, reportaron la actividad del extracto alcaloidal de A. grandifolia,
IC50 (Concentración inhibitoria) <1- 2,1 µg/mL, y un porcentaje de inhibición del 66 % in vivo a una dosis de 250
mg/kg/día [4]. En cuanto a C. toxicofera no se encontraron reportes previos de uso como antimalárico; sin embargo
otra planta del género (Curarea tecunarum) es utilizada por la comunidad Waorani del ecuador, para el tratamiento
de infecciones por hongos y para el tratamiento de infestaciones por parásitos [5], de esta planta la corteza ha sido
evaluada, encontrando una alta actividad IC50 < 10 µg/mL [6].
Apoyo Financiero: División de investigación sede Bogotá,
Universidad Nacional de Colombia, Apoyo a tesis de posgrado.
Bibliografía.
1.
2.
3.
4.
5.
6.
20
WHO: World Malaria Report. In. Geneva, Switzerland: World Health Organization; 2010.
Gutierrez Y D, Sosa F F, Paco G MA, Ruisz P GE, Gimenez T A: Actividad antipalúdica de plantas procedentes de la Amazonía peruana. BIOFARBO 2004,
12(12):33-38.
Peréz D: Etnobotánica medicinal y biocidas para malaria en la región de Ucayali. Folia Amazónica 2002, 13(1):87-108.
Garavito G, Rincón J, Arteaga L, Hata Y, Bourdy G, Gimenez A, Pinzón R, Deharo E: Antimalarial activity of some Colombian medicinal plants. Journal of
Ethnopharmacology 2006, 107(3):460-462.
Davis EW, Yost JA: The ethnomedicine of the waorani of Amazonian Ecuador. Journal of Ethnopharmacology 1983, 9(2-3):273-297.
Kvist LP, Christensen SB, Rasmussen HB, Mejia K, Gonzalez A: Identification and evaluation of Peruvian plants used to treat malaria and leishmaniasis.
Journal of Ethnopharmacology 2006, 106(3):390-402.
DESARROLLO DE BUENAS PRÁCTICAS DE MANEJO AGRÍCOLA E INDUSTRIAL DE
CUATRO PLANTAS (PHYLLANTHUS NIRURI (RIÑONCILLO), SENNA RETICULATA
(SARAGUNDÍ), PETTIVERIA ALLIACEAE (AJILLO), PSYCHOTRIA IPECACUANA
(RAICILLA) CON POTENCIAL BIOACTIVO EN LAS REGIONES
HUETAR NORTE Y ATLÁNTICA DE COSTA RICA
Arnaez E., Moreira I., Hidalgo N., Carmona M.,
Navarro M., Cordero M., Loaiza J., Cordero J., Quesada A. y Alarcón S.Y.
[email protected]
Instituto Tecnológico de Costa Rica, Universidad de Costa Rica
Universidad de Educación a Distancia
Centro Universitario de Sarapiquí, Universidad Nacional, Heredia, Costa Rica
Consejo Nacional de Producción Herbario Nacional; Museo Nacional de Costa Rica
Este proyecto fomenta el vínculo entre asociaciones comunales y las universidades públicas de Costa Rica. Para su
desarrollo se cuenta con la participación de las mujeres de la población del Millón, en la Provincia de Limón, quienes
se unieron en un grupo denominado Amandes y que implementaron un vivero de plantas medicinales y un pequeño
laboratorio para la producción de extractos vegetales. También participan la Asociación Esperanza Verde, Ampalec,
Finca las Pailas y la Asociación de Mujeres de las Colinas, en Palmitas de Cariari, quienes se han integrado al trabajo
con plantas medicinales. Las especies incluidas en el proyecto son: (Phyllanthus niruri (riñoncillo), Senna reticulata
(saragundí), Pettiveria alliaceae (ajillo), Phyllanthus acuminatus (chilillo) Los objetivos de estos grupos comunitarios
son brindar un buen producto y lograr un mejor ingreso para sus hogares. Las universidades contribuyen al alcance
de estos objetivos a través de la evaluación de las condiciones de producción, natural y bajo manejo agroecológico de
las especies en diferentes zonas, al igual que la determinación del nivel de producción de biomasa de las plantas a dos
y tres años, también se desarrollan estudios fitoquímicos y de seguridad y eficacia de las especies, la caracterización de
la forma de usos tradicionales de las plantas en estudio y la capacitación interdisciplinaria en las áreas agroecológica,
educativa, productiva y económica, que beneficien a las comunidades meta en forma sostenible con el ambiente.
Asimismo este conocimiento podrá ser usado como base para la elaboración de algunos fitofármacos. Los resultados
transferidos a los grupos meta fortalecerán los encadenamientos productivos que en este momento se están tejiendo
en el seno de las comunidades, como una alternativa de subsistencia, propiciando el desarrollo científico-académico a
través de los resultados de investigación básica, además del desarrollo socio económico y ambientalmente sostenible.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Palabras clave: asociaciones comunales, Phyllanthus acuminatus, Phyllanthus niruri, Pettiveria alliaceae, Senna
reticulata,
21
CHILILLO (PHYLLANTHUS ACUMINATUS VAHL.): USO MEDICINAL EN COSTA
RICA E IMPACTO SOBRE SU CONSERVACIÓN
Alarcón S.Y., Chuprine A., Castro J., Spinola M.
[email protected]
Instituto Internacional en Conservación y Manejo de Vida Silvestre,
Universidad Nacional, Heredia, Costa Rica
Introducción
Desde hace algunas décadas, en el cantón central de Heredia se viene presentando un fenómeno en torno al chilillo
(Phyllanthus acuminatus Vahl). Las raíces de este pequeño árbol nativo de América, son empleadas para el tratamiento
de ciertos tipos de cáncer. Lo particular de este uso medicinal es que su origen se deriva de la investigación científica
y no del conocimiento tradicional. A diferencia de otras latitudes, principalmente en Suramérica, donde los usos para
la especie varían desde el empleo en actividades de subsistencia, control de plagas a nivel doméstico y productivo
hasta el tratamiento de enfermedades, los registros sobre usos tradicionales en Costa Rica son escasos. El chilillo se
ubica ocasionalmente como cerca viva separando fincas, o como individuos aislados en estado silvestre. Es poca la
información disponible sobre sus características biológicas y ecológicas y se considera que tiene un grado de manejo
incipiente. Sin embargo, la alta incidencia del cáncer dentro de la población costarricense, ha provocado su demanda
y la de otros recursos naturales para tratar esta enfermedad. Se busca caracterizar las relaciones de uso y manejo del
chilillo en Costa Rica, para tratar de entender como este “nuevo uso” podría afectar su conservación.
Métodos
Se desarrollaron entrevistas semiestructuradas para identificar las características biológicas, ecológicas, de uso y de
manejo asociadas al chilillo. A partir de puntos de colecta y las características determinadas previamente, y utilizando
los programas de Sistemas de Información Geográfica (SIG) Arc View 3.3 y Maxent, se determinó la distribución
potencial de la especie en el país. Se evaluó la actividad citotóxica de diferentes extractos de la raíz de la especie,
empleando el bioensayo de reducción metabólica del bromuro de 3-(4,5-dimetiltiazol-2-ilo)-2,5-difeniltetrazol
(MTT) para determinar la concentración de inhibición celular 50 (IC50). Se analizaron los registros nacionales sobre
la incidencia y mortalidad para los últimos once años de los tumores que son actualmente tratados con chilillo,
también se determinó el número aproximado de tratamientos que en promedio se obtienen por cada árbol de
chilillo, y a partir de allí, se estimó el número de árboles que se requerirían para tratar a este grupo poblacional.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión/conclusiones
22
Los entrevistados reconocen que popularmente la especie se desconoce, por tanto es poco usada y aunque se
reproduce fácilmente por estaca, es poco manejada en la actualidad. En términos ecológicos y biológicos se reconoce
que el chilillo se encuentra en estados tempranos de sucesión de bosque, especialmente en los bordes y se adapta
muy bien a las condiciones que se presentan en las cercas vivas. De acuerdo con los datos de distribución, podría ser
cultivado en la mayoría del territorio del país, en regiones entre los 0 y 1700m, con precipitaciones anuales de 2500
5500 mm de agua y temperaturas superiores a los 17°C, se adapta a diferentes tipos de suelo, siempre y cuando tengan
buen drenaje. Los bioensayos mostraron que el extracto total presenta mayor selectividad sobre células tumorales
de estómago (AGS) del 70.29% y de mama (MCF7) 71.57%, respecto células no tumorales (Vero) de 56.23% a la
concentración de 16.625 mcg/mL sin embargo no permitieron determinar la IC50. Actualmente se está determinando
el número de tratamientos que se obtienen por raíz de cada árbol.
Financiamiento: Universidad de Costa Rica, United States Fish and Wildlife Service.
CREENCIAS POPULARES DE LOS EFECTOS UTEROACTIVOS DE FICUS
CARICA L. (HIGO) REFERIDOS POR MUJERES EN PUERPERIO
INMEDIATO. ESTADO ARAGUA, VENEZUELA
Martínez, Nubilde 1, 2,3 y Castañeda, Yorbhys1,2,4
Universidad de Carabobo.Facultad de Ciencias de la Salud. Escuela de Medicina “Dr. Witremundo Torrealba”. 2Instituto de Investigaciones Biomédicas (BIOMED-UC). Sección Fitofarmacología.
3
Depto de Farmacología 4Dpto. de Morfología Microscópica.
E-mail: [email protected]
1
Introducción
Según la cultura popular el cocimiento de ficus carica (higo) posee efectos aceleradores en el trabajo de parto, desde
esta creencia el objetivo de esta investigación es conocer desde los mismos actores sus experiencias vividas o conocidas
en relación con la ingestión del cocimiento de Ficus carica (higo) y los efectos uteroactivos que durante el embarazo
pudiera ejercer.
Construcción Metodológica
Esta investigación se plantea desde la Epistemología de lo complejo aplicando la metódica de la Hermenéutica a
través de las creencias narradas por las mujeres encuestadas en puerperio inmediato del Hospital Central de Maracay
y del Hospital José María Benítez de La Victoria, estado Aragua, Venezuela.
Para aproximarnos a las creencias en cuanto al uso del cocimiento de las hojas de ficus carica (higo) se aplicó una
encuesta a sesenta y tres (63) mujeres en el Hospital Central de Maracay, en el tiempo comprendido de abril a septiembre del 2009 y a ciento ocho (108) mujeres que se encontraban en iguales condiciones en el Hospital José María
Benítez de La Victoria durante los meses de Abril a Septiembre del 2010.
La muestra es probabilística de tipo intencional, con un criterio de inclusión de solo encuestar aquellas mujeres que
se encontraban hospitalizadas en puerperio inmediato en el momento de aplicar la encuesta. Las preguntas estuvieron dirigidas a conocer cuales son los posibles efectos del cocimiento de las hojas de higo, conocer los modos de
preparación, cantidad utilizada y con que finalidad se ingirió.
Concluyendo el análisis desde las referencias aportadas por las actoras y comparando las experiencias del grupo de
mujeres encuestadas en el Hospital Central de Maracay y en el Hospital José María Benítez de La Victoria se develó
que aún cuando muchas conocían por referencia de familiares el cocimiento de Ficus carica L, para iniciar o acelerar
el trabajo de parto, el número de mujeres que lo ingirió con esa finalidad fue muy bajo. Pudiera explicarse porque los
hospitales seleccionados como objeto de estudio están circunscritos a dos ciudades del estado Aragua, por lo que el
acceso a los medios de comunicación es masivo y en consecuencia la población está mejor informada sobre el uso
adecuado de las plantas y esta creencia popular está más arraigada a nivel de las comunidades rurales.
Todas las mujeres coincidieron en cocinar las hojas en un litro de agua y en cuanto a la cantidad de hojas utilizadas
no existió un criterio uniforme. Las mujeres del hospital central de Maracay sintieron que los efectos tanto en la frecuencia como en la intensidad de las contracciones uterinas fue mayor que en el grupo de mujeres del hospital José
María Benítez, se puede inferir según lo revelado por ellas que utilizaron un puñado de hojas sin precisar el número
y que tomaron una cantidad mayor de tazas del cocimiento. Finalmente estos resultados podrían conducir a otras
investigaciones que permitan someter a prueba el cocimiento en animales de experimentación. Así como también
evaluar si al ingerir este cocimiento puede producir reacciones adversas al recién nacido.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Conclusiones
23
CHEMICAL COMPOSITION OF THE ESSENTIAL OIL OF CLUSIA SP
FROM GROWN IN COLOMBIAN PACIFIC
Pino B. N.1 & Stashenko E. E.2
Department of Biological and Chemistry, natural products Laboratory,
Technological of University of Chocó, Colombia. [email protected]
2
Research Center of Excellence CENIVAM, Chromatography Laboratory,
CIBIMOL Industrial University of Santander
1
Introduction
The Clusiaceae are known conserved name Guttiferae, a great tropical family, life forms include hemiepiphytes
(sometimes stranglers), lianas, shrubs and trees. In Colombian Pacific, this family has about 14 genera and 109
species, but the neotropical genus Clusia L., comprises about 250 - 300 species. This family have been reported with
numerous traditional uses (medicinal, food, magic-.religious, coloring, combustible, wood exploitation and artisanal);
e. g., Clusia congestiflora, commonly known as “Guandera”, is naturally used in the treatment of different diseases: as
upper respiratory tract infections, fever, pneumonia, and diarrhea. The essential oil of adventives roots of Clusia sp
were collected in the corregimient of Pacurita in the Municipality of Quibdó (Colombian Pacific).
Methods
The essential oil obtained by microwave-assisted hydrodistillation (MWHD) and analyzed by Gas ChromatographyMass Spectrometry (GC-MS).
Results and conclusions
The results of the chemical composition of this essential oil presents 93.9% of nonane, 5.8% of undecane with traces
of decane 0.2% and terpinoleno 0.1%. Nonane is a volatile liquid that burns easily, it is mainly used as an organic
solvent and as a compound of fuels like kerosene. There is currently a lot of interest on the production of agrofuel
also called biofuel, It is then concluded that the lands of the Colombian Pacific Coastline, in the jungles of the
Colombian Pacific Coastline the vegetal specie Clusia sp present a potential good to produce a true biofuel.
Financial Support: UTCH, Colciencias
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
24
PHYSICOCHEMICAL PROFILES OF PROPOLIS COLLECTED
IN A CARIBEAN REGION OF COLOMBIA
1
Rodríguez Y.A.1, Sánchez-Catalán F.1, Rojano B.1, Durango D.L.1, Gil J.H.1, 2, Marín-Loaiza J.C.3*
Grupo de Química de los Productos Naturales y los Alimentos. Escuela de Química. Facultad de
Ciencias. Universidad Nacional de Colombia-Sede Medellín.
2
Departamento de Ingeniería Agrícola y Alimentos. Facultad de Ciencias Agropecuarias.
Universidad Nacional de Colombia-Sede Medellín.
3
Departamento de Farmacia. Facultad de Ciencias.
Universidad Nacional de Colombia-Sede Bogotá.
*Author whom correspondence should be addressed: [email protected]
Introduction
Propolis is one of the many products that can be obtained from a beehive, and it is used by Apis mellifera bees to
protect their hives from enemies and as a draught excluder. There is a wide array of publications that support their
uses in folk medicine. Moreover, biological and pharmacological activities of the propolis have been extensively
analyzed with good results. Propolis is a complex mixture of resin, balsam, pollen, vitamins, proteins, aminoacids and
some minerals. Additionally, it contains many different secondary metabolites depending on factors such as the
geographical location, collecting time, and surrounding flora of the beehive.
In Colombia only a few studies on propolis characterization have been done. Continuing with our previous analysis
of Colombian propolis, we have established the physicochemical profile of propolis collected from different regions
of the Atlántico region of Colombia. The aim of this work is to determinate the content of waxes, ashes, moisture,
insoluble materials, and resins in raw propolis extracts according to international protocols, quantify the phenolic
compound content, such as phenols, flavonoids and flavanones, using spectrophotometric and chromatographic
techniques. Additionally we want to analyze the antioxidant capacity of the extracts.
Methods
Propolis samples were collected in different regions of Atlántico (Colombia) using the technique of scraping. The
physicochemical characterization was done following the Norma del Ministerio de Agricultura de Brasil (1999).
Results and discussion/conclusions
The results obtained in this work are a contribution to the characterization of the Colombian propolis content, in
order to establish quality parameters in better agreement with the Colombian scenario.
Reference
1.
MINISTERIO DE AGRICULTURA DE BRASIL-APACAME-Assiciação Paulista de Apicultores Criadores de Abelhas Melíferas Européias (1999) Regulamentos
técnicos para fixação de identidade e qualidade de própolis. Revista Mensagem Doce, n 52, p13-14.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The preliminary results on the physicochemical analysis showed that the ethanol extract of propolis (EPP) and insoluble materials content are above the Brasilian protocol standard values, but they are similar to other Colombian
propolis values. Furthermore, regarding to waxes and ashes, all the propolis extracts tested fulfill the international
standards of quality.
25
PLANTAS MEDICINAIS NA ATENÇÃO BÁSICA A SAÚDE
Siqueira L.P.1, Alves A.E.G. 1, Freire R.A.1, Júnior R.A.A.O.1, Melo A.F.M2,
[email protected]
1
Faculdade Asces, Caruaru, Pernambuco, Brasil
2
Professor/Orientador Faculdade Asces, Caruaru, Pernambuco, Brasil
Introdução
As plantas medicinais são popularmente utilizadas para tratar pequenas enfermidades, ou na prevenção de algumas
doenças. É comum as pessoas possuírem uma pequena horta medicinal em casa, o que pode ser bom e ruim,
pois muitas vezes o tratamento com plantas medicinais é relativamente barato - em relação aos tratamentos
medicamentosos tradicionais - no entanto muitas vezes são utilizadas de maneira inadequado, acarretando sérios
riscos ao usuário. O erro mais comum entre os usuários é o horário da coleta da droga, o seu preparo adequado, e a
forma de administração. Com os estudos já existentes e algumas novas descobertas, este projeto auxilia a população
sobre os cuidados básicos para a utilização de plantas medicinais na atenção básica a saúde, assim esse trabalho
comunitário é uma prestação serviço a população e onde ocorre troca de conhecimentos entre os integrantes do
grupo e a população.
Métodos
O inicio do projeto foi implantar uma horta medicinal da Faculdade ASCES está horta encontra-se no Campus da
faculdade, em uma área de aproximadamente 100m². As plantas existentes na horta são a Citronela (Cymbopogon
winterianus Jowitt); Capim-santo (Cymbopogon citratus); Insulina vegetal ( Cissus sicyoides L.); Hortelã da folha miúda
(Mentha villosa); Hortelã da folha graúda (Plectranthus amboinicus); Alfavaca (Ocimum basilicum); Babosa ( Aloe vera
); Rabo-de-raposa (Conyza bonariensis);
Mastruz (Chenopodium ambrosioides). A definição para a utilização dessas plantas foi feito através de um breve
estudo sobre quais as plantas mais facilmente encontradas em nossa região, que possuíam fácil cultivo e preparação
de mudas.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussões/Conclusão
26
O grupo de extensão em plantas medicinais da Faculdade ASCES foi formado há 2 anos pelo Professor Arquimedes
Melo, com o objetivo de levar a população o conhecimento sobre as plantas medicinais e os seus benefícios, bem
como advertir seu uso de forma indiscriminada e sem informações. A implementação de uma horta medicinal, a
pouco mais de 1 ano, fez com que estreitasse a relação do grupo de extensão com a população, nos encontros com
a comunidade são realizadas palestras e ao final a distribuição de mudas e panfletos com as referidas informações
passadas anteriormente. Nesse período de atividade o projeto atingiu um grupo de aproximadamente 600 pessoas,
com a entrega de mais de 500 mudas de plantas medicinais.
LEVANTAMENTO ETNOFARMACOLÓGICO DE PLANTAS MEDICINAIS
COM INDICAÇÃO CALMANTE EM FEIRAS DE ERVAS,
NO ESTADO DE PERNAMBUCO-BRASIL
Silva J.E.S.1, Silva C.H.T.P.2
Faculdade ASCES, CEP: 55016-400, Caruaru-PE, Brasil
2
Faculdade ASCES, CEP: 55016-400, Caruaru-PE, Brasil
[email protected]
1
Introdução
O uso de produtos calmantes tem aumentado muito na população, este fator se deve aos maiores índices de estresse
observados no dia a dia moderno. Várias plantas apresentam-se como detentoras de atividade calmantes, embora
sejam escassos estudos específicos tanto no Estado de Pernambuco quanto no Brasil. Vem sendo transmitidos,
desde as antigas civilizações ate os dias atuais, os conhecimentos empíricos sobre a ação terapêutica dos vegetais
e a utilização de plantas medicinais tornaram-se uma prática generalizada na medicina popular. Além disso,
as informações populares sobre o uso e a eficácia de plantas medicinais contribuem de modo significativo para
a divulgação das ações terapêuticas dos vegetais e auxilia os pesquisadores na seleção de espécies para estudos
botânicos, farmacológicos e fitoquímicos.
Métodos
As entrevistas foram realizadas através de um questionário feito a 81 vendedores de ervas espalhados por 14 cidades
de Pernambuco, sendo três cidades no litoral, três na zona da mata, cinco no agreste e três no sertão. Indagou-se o
nome popular das plantas, partes utilizadas, formas de uso e outras atividades atribuídas à planta e realizou-se revisão
na literatura, através da busca de artigos científicos, utilizando-se os bancos de dados da Bireme, Scielo e Science
direct para as plantas mais citadas no estudo.
Resultados e discussão
Foram citadas 34 espécies pertencentes a 26 famílias destacando-se a família da lamiaceae. As plantas mais citadas
como calmante foram Matricaria chamomilla L. (95,06%), Erythrina mulungu (49,38%), Pimpinella anisum L. (41,97%),
Citrus aurantium L. (30,86%) e Melissa offcinalis L (20,98%). As partes das plantas mais citadas foram: folha (31,44%),
flor (30,03%) e casca (18,72%) com preferência para os chás (95,25%). Das 34 espécies citadas no estudo 25 (71,42%)
foi citada pelos entrevistados como tendo outras atividades além da atividade calmante. A revisão bibliográfica
apontou a necessidade de aprofundamento nos estudos sobre atividade calmante, para as plantas mais citadas pelos
erveiros das feiras pesquisadas.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Suporte financeiro: Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica-PIBIC/ASCE
27
CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS
EM UMA COMUNIDADE QUILOMBOLA DA BAHIA: CONTRIBUIÇÃO PARA A
RELAÇÃO ESTADUAL E MUNICIPAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS
Almeida M.Z.1,4, Lessa G.M.1,2, Silva M.Q.O.R.1,3,Guedes M.L.4, Lisboa,M.4, Pinto A.S.1, Brito, R. J.5
1
Programa Farmácia da Terra, Faculdade de Farmácia, UFBA, Bahia, Brasil.
2
Escola de Enfermagem, UFBA, Bahia, Brasil. [email protected]
3
Núcleo Estadual de Plantas Medicinais e Fitoterápicos do
Estado da Bahia - FITOBAHIA/SESAB, Bahia, Brasil
4
Herbário Alexandre Leal Costa, Instituto de Biologia, UFBA, Bahia, Brasil
5
Pesquisador Local, membro da Comunidade Quilombola
Introdução
A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra
possuem dentre suas diretrizes a promoção do reconhecimento dos saberes e práticas populares de saúde. As
plantas, no universo das religiões de matriz africana possuem grande valor por serem utilizadas tanto para propósitos
ritualísticos como para fins de cura pelas comunidades quilombolas. Nessa perspectiva, destaca-se o resgate das
práticas de saúde tradicionais de matriz africana como ferramenta auxiliar na implementação de ações que favoreçam
a inserção da Fitoterapia na Atenção Básica dos municípios baianos, para estimular a eqüidade em saúde, promover a
igualdade étnico-racial e, dessa forma, contribuir para diminuição das desigualdades sociais.
Métodos
A coleta de informações, baseada em etnopesquisa utilizou metodologias antropológicas como a identificação do
Informante Chave, de territórios e de especialistas de notório saber da comunidade, em reuniões de mobilização
social. A princípio, depois de realizada a abordagem inicial ao primeiro especialista, indicado pelo Informante Chave,
outros considerados com potencial conhecimento sobre plantas medicinais e fitoterápicos foram abordados através
de sucessivas indicações entre os participantes, caracterizando assim a Metodologia da Bola de Neve.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussão/Conclusão
28
A pesquisa desenvolvida na comunidade identificada e certificada como de origem quilombola localizada em São
Francisco do Conde - BA obteve resultados importantes com indicações diversificadas para os usos de plantas
medicinais e remédios caseiros através de preparações características da medicina popular oriundos do conhecimento
tradicional. Foi possível perceber que, mesmo sem se conhecerem diversos entrevistados utilizavam as mesmas plantas
para igual patologia ou sintoma, o que reforça o indicativo terapêutico com base no conhecimento tradicional
ainda presente nestas populações. Portanto é necessário destacar a importância desse conhecimento para o resgate
das identidades ancestrais, autonomia, cuidado com o meio ambiente e mobilização social para as comunidades
tradicionais. As informações levantadas neste trabalho indicam uma diversidade de uso de plantas medicinais no
Estado da Bahia apontando para a necessidade de pesquisas sobre sua utilização pelas comunidades e alinhamento
com o SUS. Além disso, a qualificação e ampliação destas informações contribuirão para o enriquecimento da
identificação taxonômica das plantas locais e regionais, de acordo com a cosmovisão da população local, facilitando
a sua inserção no Horto e na Lista de Fitoterápicos Estadual/Municipal com respeito à tradicionalidade.
Apoio Financeiro: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB
ETHNOPHARMACOLOGICAL EVALUATION OF MEDICINAL
PLANTS USED AGAINST MALARIA BY QUILOMBOLA
COMMUNITIES FROM ORIXIMINÁ, BRAZIL
Oliveira D.R.1,4, Krettli A.U.2, Leitão G.G.1, Krettli L.G.2, ARQMO3 and Leitão S.G.4
1 Núcleo de Pesquisas de Produtos Naturais, Universidade
Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brazil;
2 Laboratório de Malária, Centro de Pesquisas René Rachou,
Fundação Oswaldo Cruz, Belo Horizonte, MG, Brazil;
3 Associação de Comunidades Remanescentes de Quilombos do
Município de Oriximiná, Oriximiná-PA, Brazil;
4 Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ,
[email protected]
Introduction
Malaria is the most important infectious endemic disease in the Brazilian Amazon for its high incidence, widespread
and difficult to control in the region, and provide a negative impact on local morbidity and mortality. The vast
Amazonian biodiversity together with the traditional knowledge of the forest people could represent a potential
source for the discovery of new therapeutic agents, including against malaria. The municipality of Oriximiná, located
in northern Brazil, Pará State, has 33 quilombola communities in remote areas, endowed with wide experience in the
use of medicinal plants.
Methods
An ethnobotanical survey was carried out in five of these communities. The ethnobotanical data was collected
through semi-structured interviews, participating observation and walk in the woods. Free-listing method directed
for the survey of species locally indicated against malaria and related diseases and symptoms was also applied. Data
were analyzed by quantitative techniques: saliency index and major use agreement. The antiplasmodial activity
of each extract was assayed against Plasmodium falciparum, W2 strain, resistant to chloroquine. A total of six
independent experiments were performed to calculate the concentration capable of causing 50% of parasite growth
inhibition (IC50 value). The extracts with IC50 ≤ 5μg/ml were considered active; those with IC50 between 5 and 25μg/
ml as partially active; and those with IC50 ≥ 25μg/ml were considered inactive.
Thirty four informants related 254 ethnospecies. Among these, 35 were surveyed for possible antiplasmodial activity.
The species with more species indicated for malaria and related diseases were Asteraceae and Euphrobiaceae (4
species); Apocynaceae and Fabaceae (3 species), Meliaceae, Rutaceae and Curcubitaceae (2 species). However, the
family most frequently cited and with the major use agreement was Apocynaceae, especially the widespread use of
Aspidosperma spp. - “carapanaúba” and Geissospermum argenteum - “quinarana”. As a result of those informations,
12 extracts regarding 7 ethnospecies obtained from the ethnodirected approach were assayed against Plasmodium
falciparum. An antiplasmodial activity was obtained by ethnopharmacological approach, where 30% of samples were
considered active and or partially active, showing IC50 < 10μg/mL, with highlighted to the extracts of Aspidosperma
excelsum Benth. (Apocynaceae) - IC50 2,5-6μg/mL, Bertholletia excelsa Kunth (Lecythidaceae) - IC50 2,0-7,5μg/mL. The
results show a great potential of these species for a biodirected chemical isolation of the active metabolites.
Financial Support: CNPq e FAPERJ
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
29
A ETNOTAXONOMIA DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS
DE ORIXIMINÁ-PA, BRASIL
Oliveira D.R.1,4; Leitão G.G.1, ARQMO2; Silva M.C.R.3; Leitão S.G.4
Núcleo de Pesquisas de Produtos Naturais, Universidade Federal do
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil;
2
Associação de Comunidades Remanescentes de Quilombos do
Município de Oriximiná, Oriximiná, PA, Brasil;
3
Herbário INPA, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, AM, Brasil;
4
Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
[email protected]
1
Introdução
O município de Oriximiná, localizado no oeste do Pará, possui 33 comunidades quilombolas que vivem em áreas
remotas e de difícil acesso, sobrevivendo da agricultura e pesca de subsistência e do extrativismo da castanhadaAmazônia. O presente trabalho objetivou realizar um levantamento etnobotânico em 5 destas comunidades
tendo como um dos desdobramentos, uma análise etnotaxonômica.
Metodologia
Foram realizadas 34 entrevistas semiestruturadas, observação participante e turnê guiada. As espécies vegetais foram
coletadas junto aos informantes e aos mateiros das comunidades e encaminhado ao Herbário INPA para identificação
botânica e depósito das exsicatas.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussão
30
Foram relatadas 254 etnoespécies e identificadas 233 espécies vegetais, pertencentes a 211 gêneros e 72 famílias
botânicas, sendo Fabaceae (25 espécies) e Euphorbiaceae (15 espécies) as mais bem representadas. As observações
de campo e a identificação das espécies vegetais permitiram vislumbrar uma complexa etnotaxonomia quilombola,
como por exemplo: (1) diferentes espécies coletadas junto aos informantes são conhecidas como uma única
etnoespécie, de modo consciente ou não, sendo estas do mesmo gênero/família, ou não (Ex: marapuama Ptychopetalum olacoides e Strychnus cf. subcordata); (2) diversas espécies possuem dois ou mais nomes populares
em uma mesma comunidade, ou seja, várias etnoespécies podem representar uma única espécie (Ex: diabinho,
corama, são-raimundo, folha-santa - Bryophyllum calycinum); (3) espécies com algum nível de similaridade podem
dar origem aos etnogêneros, se o correspondente termo empregado for acompanhado de outro que a diferencie,
completando assim o “epíteto específico” e dando origem às diversas etnoespécies relacionadas (Ex: Amapá-doce
- Brosimum potibile e Amapá-amargo - Brosimum sp.); (4) a especificação incompleta dos nomes populares, em
nível de etnogênero, pode causar confusão quanto à verdadeira espécie utilizada (Ex: japana - japana-branca =
Eupatorium triplinerve x japana-roxa = Gomphrena elegans); (5) quimiotipos, formas e variedades em alguns casos
são designados pelos quilombolas como etnoespécies distintas, embora a semelhança morfológica torne difícil a
diferenciação mesmo por taxonomistas (Ex: erva-cidreira - Lippia alba e carmelitana - Lippia alba fo. intermedia); (6)
diversas espécies sofreram o processo de “medicalização” dos nomes, ou foram assim introduzidas nas comunidades
(ex: tetrex - Alternanthera brasiliana). Os resultados obtidos podem contribuir para uma melhor compreensão das
taxonomias populares no Brasil e mostra a necessidade de coletar as etnoespécies junto ao maior número possível
de entrevistados.
Apoio: CNPq
PERCEPCIÓN URBANA DEL USO DE PRODUCTOS HERBARIOS
EN UNA CIUDAD DE LA PATAGONIA ARGENTINA:
COMODORO RIVADAVIA, CHUBUT, ARGENTINA
1
2
Gratti, A. 1, López Gutiérrez, B.N. 2
Cátedra Farmacobotánica. Facultad de Ciencias Naturales. UNP SJB,
Comodoro Rivadavia, Chubut, Argentina. [email protected]
Laboratorio de Etnobotánica. Centro de Investigaciones Biológicas. U.
Autónoma del Estado de Hidalgo, Hidalgo, Méjico.
Introducción.
Comodoro Rivadavia ubicada en el centro de la Patagonia, al SE de la provincia de Chubut, es una de las ciudades
más importantes de la región. Se caracteriza por la heterogeneidad de población reflejada en la presencia de distintos
grupos inmigrantes. Pese a que en las zonas urbanas la interacción entre la gente y la naturaleza se reduce cada día,
el uso de plantas medicinales aún es perceptible y se refleja en la existencia de comercios que proveen a la población
de productos herbarios y plantas medicinales.
Métodos.
Con el objetivo de determinar el conocimiento que poseen las personas encargadas de los establecimientos y
las características de los productos comercializados, se realizaron entrevistas estructuradas, investigando el grado
de saberes locales compartidos por los vendedores. Se registraron los productos vendidos, sus usos, los nombres
vernáculos y científicos de las plantas medicinales, las marcas que se ofrecen y los aspectos socio-económicos de las
personas dedicados a la venta.
En Comodoro Rivadavia, las personas consumen plantas medicinales así como productos derivados, adquiridos en
herboristerías, dietéticas y santerías. La mayoría de los establecimientos, tienen más de 10 años abiertos al público, por
lo que ofrecen confianza para la adquisición de plantas medicinales y productos naturales. Sin embargo ninguno de
estos negocios cuenta con especialistas o profesionales relacionados a su administración y su conocimiento surge de
la experiencia personal y a través de de revistas, folletos, cursos y libros. La relación más estrecha que mantienen estos
negocios con especialistas en este ámbito, es con dietistas y médicos naturistas, los cuales remiten a los pacientes a
las herboristerías y dietéticas para la compra de productos. Se registraron siete categorías de productos a la venta,
resultando las plantas medicinales con el mayor porcentaje y con diferencia significativa con el resto. En relación
a forma de presentación y venta de las plantas medicinales, las plantas secas son las que se venden con mayor
frecuencia. Se registró el uso y el nombre común de 82 plantas medicinales, de las cuales se obtuvo el nombre
científico de 71, a partir de la información que contenían los envases de las mismas, según cada marca. Se registró
más de un nombre común para una misma especie y mismo nombre común para diferentes especies. Se obtuvieron
las afecciones tratadas con cada una, ordenándolas por aparatos, sistemas y otros usos. El aparato digestivo resultó
el citado con mayor frecuencia de mención de plantas para su tratamiento y muestra diferencia significativa con
el resto de los padecimientos. La investigación realizada, constituye el primer reporte sobre la comercialización de
productos herbarios en la ciudad de Comodoro Rivadavia y las características de los comercios que los venden. En
concordancia con lo que ocurre en otras regiones, las herboristerías y dietéticas locales ofrecen una amplia gama
de productos elaborados con plantas medicinales y se pone de manifiesto la valoración de la población de estos
establecimientos para proveerse los mismos.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión.
31
GONOARTROSI: EFFETTI TERAPEUTICI DELLA FANGO-BALNEO-TERAPIA
ASSOCIATA A TRATTAMENTO RIABILITATIVO IN AMBIENTE TERMALE
V. Panico1, L. Russo2, P. Attianese2, V. Nastos3, F. De Simone2, L. Rastrelli2
Direttore Sanitario Terme Capasso, Via Nazionale Bagni, 84024, Contursi Terme (SA), Italy
2
Università degli Studi di Salerno, LICA (Laboratorio di Idrologia e Chimica degli Alimenti), Dipartimento di
Scienze Farmaceutiche e Biomediche, Via Ponte Don Melillo, 84084, Fisciano (SA), Italy [email protected]
3
Master in Idrologia e Medicina Termale e dello Sport, Dipartimento di
Scienze Farmaceutiche, Università degli Studi di Salerno
1
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Lo studio che abbiamo realizzato era teso ad analizzare gli effetti a breve termine della fangobalneoterapia con
acqua solfurea bicarbonato alcalina e l’efficacia del trattamento riabilitativo chinesiterapico in acqua delle Terme
Capasso (site in Contursi Terme - SA-) su pazienti affetti da gonartrosi. Lo studio ha previsto un arruolamento
nell’anno 2010 (da aprile a ottobre) di una popolazione di 31 soggetti, di cui 15 (48%) di sesso femminile e 16 (52%)
di sesso maschile, di età compresa tra i 50 e i 72 anni, con età media pari ad 60,9 anni. I soggetti del campione
considerato erano tutti affetti da gonartrosi primitiva diagnosticata secondo i criteri dell’ A.C.R.- “American College
of Rheumatology”. Nessuno presentava criteri di esclusione allo studio. I pazienti dopo opportuni controlli medici e
previo consenso informato, sono stati sottoposti ad un ciclo sia di fango e balneo-terapia sia di riabilitazione in acqua
termale. Lo studio ha avuto la durata di 12 giorni con un giorno di interavallo dopo il sesto trattamento. Al mattino e
a digiuno veniva effettuata la fangobalneoterapia, mentre nel pomeriggio il percorso vascolare riabilitativo.
32
L’estensione della fangatura alla temperatura di 41-42°C era limitata alle ginocchia con uno spessore di 4-6 cm. La
durata è stata di circa 20 min., seguita da un bagno con acqua solfurea alla temperatura di 37°-38°C, di durata media
di 15 min. a cui seguiva infine un periodo di reazione di 20 min. Il percorso vascolare riabilitativo era costituito da 2
corridoi d’acqua, uno caldo (37°C) e l’altro freddo (27°C) della lunghezza ciascuno di 8 m provvisti di pavimento in
gomma antiscivolo; le pareti laterali erano provvisti di idrogetti a base di ozono. La durata della terapia era di circa
30 minuti. Alla conclusione del ciclo di dodici giorni, i risultati ottenuti dai vari indicatori di efficacia sono stati poi
elaborati sottoforma di media statistica, sia come dato totale di tutti i pazienti arruolati nello studio, sia come media
statistica suddivisa per maschi e per femmine. Per quanto riguarda la scala VAS, che valuta il dolore spontaneo (0 =
nessun dolore, 10 = massimo dolore) si è avuto una riduzione del punteggio medio totale, da 7.5, a 5.2; nello specifico,
per i maschi: da 7,4 a 4.4, mentre per le femmine da 7,5 a 5,9. In riferimento alla scala VAS che valuta la qualità della
vita (0 = pessima, 10 = eccellente) si è avuto un incremento del punteggio medio totale da 4.8 a 7; nello specifico,
per i maschi da 4.8 a 7.3, mentre per le femmine da 4.8 ad uno di 6.7. Il successivo indice di efficacia considerato è
stato l’Indice di Lequesne atto a valutare il grado di severità della gonartrosi. Dai risultati ottenuti si è registrato che
si è passati da un punteggio medio totale prima della terapia termale pari a 13.7 ad un punteggio medio dopo tale
terapia pari a 8.5 (maschi: prima della terapia 12.3, dopo la terapia 7.3; femmine: prima della terapia 15, dopo la terapia
9.7). Con l’utilizzo dei su elencati indicatori di efficacia, siamo stati in grado di valutare le variazioni del quadro clinico
di tutti i pazienti arruolati, confermando, attraverso i risultati ottenuti, il miglioramento della patologia e quindi
della qualità di vita. Pur essendo questo uno studio a breve termine, osservazionale e non in doppio cieco, si evince
come una adeguata terapia termale possano migliorare i quadri clinici senza l’utilizzo di terapia farmacologica e, di
conseguenza, assenza di interazioni o reazioni avverse.
USO DE ÁLCOOL E TABACO: COMPORTAMENTO PREVENTIVO ENTRE
ADOLESCENTES GRÁVIDAS EM FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL
Gondim, A.P.S.1, Lima, M.B.1, Sampaio, A.S.1, Galeno, M.E.N.1,
Belchior, A.B.1, Ferreira, B.S.P.1 Sousa, R.A.1, Costa, F.F.1, Rego, G.P.1
1
Centro de Ciências da Saúde. Mestrado em Saúde Coletiva. Universidade de Fortaleza, UNIFOR,
Fortaleza, Ceará, Brasil. [email protected]
Introdução
A gravidez na adolescência representa um desafio para as políticas públicas. Nessa fase da vida, evidencia-se que a
exposição a substâncias psicoativas, sejam elas ilícitas ou lícitas, aumenta a vulnerabilidade a experimentação que
podem estar associados a riscos e danos. Os achados da literatura mostram que, aproximadamente, 10% das mulheres
grávidas consomem bebida alcoólica, sendo o período gestacional relevante diante das conseqüências para o feto,
como o retardo do crescimento. O tabaco, quando usado na gestação, constitui-se fator de risco à saúde materna,
além de complicações ao feto como alterações funcionais respiratórias que podem persistir no recém-nascido por
toda a vida. Nesse sentido é importante conhecer a prevalência e os padrões de consumo de tais substâncias pelas
gestantes, especialmente entre as adolescentes. O objetivo foi analisar a prevalência do comportamento preventivo
do uso do álcool e do tabaco por adolescentes grávidas inscritas no programa pré-natal dos serviços de saúde do
SUS em Fortaleza, Ceará.
Método
Estudo descritivo com uma amostra estratificada de 320 adolescentes grávidas, no período de setembro/2008 a
março/2010. Utilizou-se um formulário para identificar as variáveis independentes (estado conjugal, número de
gestações, se estuda) e variável dependente (comportamento preventivo do uso do álcool e do tabaco). Os dados
foram inseridos e analisados no programa Epi Info versão 3.5.2. Realizou-se análise bivariada empregando a razão de
prevalência como medida de associação.
Observou-se a prevalência de comportamento preventivo em 30,3% e 62,5% entre as adolescentes que fazem uso
de tabaco e álcool, respectivamente. A análise do comportamento preventivo do álcool detectou forte associação
positiva. As adolescentes grávidas que estudam apresentam comportamento preventivo maior em relação as
que não estudam, com razão de prevalência 2,01 (IC 95%=1,03-3,92). Quanto ao uso do tabaco observou-se uma
fraca associação positiva no grupo das que estudam com razão de prevalência 2,79 (IC95%=0,77-10,07). O estudo
evidenciou maior proporção de gestantes com comportamento preventivo em relação ao álcool do que ao tabaco.
Destacam-se dados significativos de razão de prevalência do comportamento preventivo, entre as adolescentes que
estudam, enquanto o estado conjugal e o número de gestações estão associados a comportamento não-preventivo.
Ressalta-se, que no âmbito da saúde da mulher e da criança, o estudo pode contribuir para a inclusão de orientações
de caráter reflexivo, em serviços de saúde pública, sobre os riscos que o uso do álcool e do tabaco pode causar à
gestante e ao recém-nascido.
Suporte de financiamento: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
33
ESTUDO ETNOFARMACOLÓGICO NA COMUNIDADE DO CARIJÓ,
MATA DE SÃO JOÃO, BA, BRASIL
Rezende A.C.R.1, Costa J.F.O.²
União Metropolitana de Educaçãoe Cultura, UNIME, Lauro de Freitas, BA, Brasil.
2
Fundação Osvaldo Cruz, Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz,
Laboratório de Engenharia Tecidual e Imunofarmacologia, Salvador, BA, Brasil.
[email protected]
1
Introdução
A percepção sobre as propriedades farmacológicas de algumas plantas, observada em diferentes culturas, é uma
das formas de relação entre populações humanas e vegetais. Essa relação é objeto de estudo da etnofarmacologia,
área do conhecimento que estuda a utilização de produtos naturais em medicina popular. A comunidade do
Carijó, localizada no município de Mata de São João, BA, Brasil é uma área dotada de recursos naturais ainda não
catalogados cientificamente. Assim, o objetivo deste trabalho foi realizar estudo etnofarmacológico no referido local,
com o intuito de conhecer a flora medicinal da região, seus usos terapêuticos pelos habitantes do local, bem como
possibilitar melhor aproveitamento e maior segurança no uso desses recursos.
Métodos
Este trabalho avaliou, numa perspectiva etnofarmacológica descritiva e quantitativa, como ocorre a transmissão oral
do conhecimento tradicional das espécies vegetais utilizadas de modo terapêutico pelos habitantes da comunidade
Carijó, localizada em uma área de Mata Atlântica.Para a coleta de dados utilizou-se as técnicas de observação
participante, listagem livre, entrevista semi-estruturada, turnê guiada, registro fotográfico e coleta botânica. As
identificações das espécies foram realizadas por comparação com as exsicatas do herbário RADAMBRASIL do Jardim
Botânico de Salvador HRB/JBSSA e posteriormente confirmadas com especialistas. A revisão de nomenclatura deuse através do site The PlantList- 2010 (versão 1) de acordo com o sistema APGIII. O cálculo do “valor de uso”(VU)
foi atribuído para cada espécie.Termos de consentimento livre e esclarecido foram assinados pelos participantes
entrevistados.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/Considerações Finais
34
Este estudo possibilitou a documentação do conhecimento tradicional e dos sistemas de manejo e conservação
dos recursos vegetais. Realizou-se 18 entrevistas com moradores da comunidade, foram identificadas 97 espécies
de plantas medicinais, pertencentes a 43 famílias botânicas. Dessas, 67% são espécies nativas.A forma de preparo
seguida do órgão vegetal mais utilizado foi a infusão, (94%)e folha,(56%). As famílias citadas e mais representativas,
neste estudo, foram Lamiaceae, Compositae, Leguminosae, Rubiaceae e Myrtaceae. Segundo a literatura, essas
famílias estão entre as sete citadas com maior representabilidade utilizadas por grupos nativos da América do Sul.
As plantas mais citadas com maior VUforam o quiôiô (Ocimumgratissimum L.), amesca (Protiumheptaphyllum
(Aubl.) Marchand) e o cajueiro branco (Anacardiumoccidentale L.). As espécies levantadas foram ainda organizadas
de acordo com a CID-10(Classificação Internacional de Doenças), que possibilita a classificação de doenças em
categorias. Dessa forma, foram registradas 160 indicações terapêuticas. Entre as mais citadas estão asafecções do
estômago(21,4%) e doenças do aparelho respiratório(15,4%).A transmissão do conhecimento tradicional demonstra
uma rica herança cultural local sobre plantas medicinais, sobretudo entre os mais idosos, tendo inclusive a citação de
espécies ainda pouco estudadas sob o ponto de vista farmacológico.
ETNOMEDICINA E O MERCADO DE PLANTAS MEDICINAIS EM MANAUS-AM
Ferreira, B.E.S. Bolsista de Iniciação Cientifica do
CNPq - Laboratório de Estudos Sociais (LAES)/Instituto Nacional de
Pesquisas da Amazônia (INPA), Manaus, AM, Brasil.
[email protected]
Introdução
No mercado das plantas medicinais em Manaus - AM há a ligação de religiões que utilizam a Etnomedicina para curar
certas doenças. As plantas medicinais são matérias-primas para diversos segmentos da biodiversidade em Manaus.
No Ervanário Sant’Ana (zona Centro-Sul) é desenvolvido um trabalho com plantas medicinais, no qual as freiras da
igreja Sant’Ana utilizam o método da Bioenergia (“energia que vem da vida”). O procedimento utilizado pelas freiras é
tocar com uma vareta de metal no paciente, para “sentir a energia do paciente”, e com outra mão toca uma plaqueta
com identificação de diversas doenças, e dizem qual é o resultado. A etnomedicina é fundamental neste processo,
porque as freiras fazem semi-elaborados (espécie de fitoterápicos sem a utilização de grandes técnicas/tecnologias)
para serem comercializados aos pacientes. O circuito espacial produtivo das plantas medicinais inicia-se no campo,
pois as matérias-primas necessárias à produção (folhas, cascas, sementes das plantas medicinais) vêem do espaço
rural.
Método
Para o desenvolvimento do trabalho são abordados aspectos espaciais e territoriais que compreendam esta cadeia
produtiva. Desta maneira foram realizados trabalhos de campo no Ervanário, levantamento de bibliografias que
abordem aspectos econômicos, agrários, para que se possa compreender a cadeia produtiva das plantas medicinais
em Manaus.
Para a produção dos semi-elaborados há pouco capital territorializado, em um mercado que está em crescimento,
principalmente, por causa do ideário que se tem em torno da “Amazônia”. A partir disto é agregado valor a estes
recursos naturais, e as plantas medicinais, adquirem valor para a sociedade. Sendo assim, o etnoconhecimento
é fundamental para o desenvolvimento desta atividade, pois a partir dele são produzidos os semi-elaborados
comercializados pelas freiras da igreja Sant’Ana. As matérias-primas necessárias para produzir os semi-elaborados
são de diversos municípios do Amazonas, concretizando a relação campo-cidade que está intrínseca no mercado
da biodiversidade. As plantas medicinais são apropriadas comercialmente para a produção dos semi-elaborados,
contudo, uma das grandes questões que envolvem este mercado, principalmente dos fitoterápicos, são a eficácia
e segurança do que é produzido a partir destas matérias-primas, e isto envolve outras questões como os estudos
farmacológicos, que necessitam de bastante tempo e capital para que se tenha algum resultado. Este mercado
abrange diversos sujeitos sociais, econômicos, políticos, que são desde os camponeses, atravessadores, as freiras que
produzem os semi-elaborados, que fazem parte da Associação Beneficente das Filhas de Sant’Ana. Desta maneira,
o mercado das plantas medicinais envolve hoje, diversos entraves, principalmente, em relação à regularização dos
produtos produzidos a partir destas plantas, porém, a etnomedicina, ainda resiste baseado no conhecimento
tradicional e no uso tradicional destas plantas.
Agência Financiadora: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussões/Conclusões
35
LEVANTAMENTO ETNOFARMACOLÓGICO DAS PLANTAS
MEDICINAIS UTILIZADAS NAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS E
ASSENTAMENTOS DO NORTE FLUMINENSE
1
Neves F.S.1, Oliveira R.R.1, Gonçalves, F.T. 1, Martins A. H. 1, Duarte, J. M. 1
Centro de Ciências Químicas, Universidade Estadual do Norte Fluminense,
UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasil.
[email protected]
Introdução
O uso das plantas medicinais na atenção primária à saúde está cada vez mais incorporado na população do Norte
Fluminense, pois além de ter baixo custo, resgata o conhecimento popular na tentativa de reconstruir a cultura
descaracterizada ao longo dos anos. Assim, o conhecimento acumulado pelas sociedades tradicionais, através
de séculos de estreita relação com a natureza, desempenha papel fundamental na conservação dos recursos
naturas e na manutenção da diversidade biológica. Neste contexto, este trabalho visa, através de uma perspectiva
etnofarmacológica descritiva, levantar por meio do conhecimento tradicional, as espécies vegetais utilizadas na
terapêutica de Comunidades do Norte Fluminense.
Métodos
As informações referentes a essa pesquisa foram coletadas pelo método de contato direto entre os pesquisadores e
os entrevistados em sete Comunidades Quilombolas, tais como Barrinha (São Francisco de Itabapoana-RJ), Cafuringa
e Conselheiro Josino (Campos dos Goytacazes-RJ) e três Assentamentos, como Zumbi dos Palmares, Travessão e
Chequevara (Campos dos Goytacazes-RJ), amparados pela Rede Fitovida, entre os meses de abril de 2009 a junho de
2011. Os dados foram coletados por meio de questionário individual realizado pelo método de contato direto entre
os pesquisadores e os entrevistados, com o intuito de identificar as práticas populares de uso de plantas medicinais
e remédios caseiros nas comunidades.
Resultados e discussão/conclusões
Foram identificadas 75 espécies vegetais pertencentes à cerca de 40 famílias, encontradas em áreas de Mata Atlântica.
Das plantas identificadas no estudo, empregadas pela população da região Norte Fluminense para diversos fins
medicinais, as mais citadas apresentaram atividade anti-inflamatória, vermífuga, calmante, antigripal, antidiarreica,
hipoglicemiante e anti-hipertensiva. Os dados botânicos referentes a estas plantas estão em fase de confirmação ainda.
Destas espécies, são poucas que apresentam comprovação científica sobre os seus respectivos usos, necessitando
assim de estudos complementares para garantir a segurança quanto a sua utilização.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Financiamento: Proex/UENF e FAPERJ
36
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIULCEROGÊNICA DO EXTRATO
AQUOSO DAS FOLHAS DE SOLANUM STIPULACEUM
Araujo CA¹, Silva DM¹, Vilar ELS¹, Palmeira KDF1, Santos KN¹,Oliveira TF¹, Rocha MO1,
Ferreira Júnior WS³, Batista JS², Silva MS¹.
¹ Universidade Estadual de Alagoas, UNEAL, Brasil. [email protected]
²Universidade Federal de Sergipe, UFS, Brasil.
3
Universidade Federal Rural de Pernambuco,UFRPE, Brasil.
Introdução
A Etnofarmacologia busca validar o conhecimento da medicina popular através de testes laboratoriais de
compostos biologicamente ativos para descoberta de novas drogas. Solanum stipulaceum ( Solanaceae) é uma
planta endêmica e nativa do Brasil predominante em cinco estados do nordeste. Lisboa et al. (2006) relatou
o uso desta espécie contra úlcera gástrica na comunidade Povoado Capim, Arapiraca-AL e o levantamento
etnofarmacológico realizado neste estudo no referido local, confirmou que a espécie continua sendo utilizada
contra úlcera gástrica, baseando-se na sintomatologia citada pelos informantes. Nesse sentido o objetivo deste
trabalho foi estudar a espécie medicinal Solanum stipulaceum utilizada contra úlcera gástrica pela medicina
popular do Povoado Capim, município de Arapiraca-AL, Nordeste do Brasil, visando o conhecimento científico dos
seus efeitos, através de ensaios farmacológicos.
Métodos
Foram selecionados 15 informantes - chave pela técnica de bola de neve, os quais são mulheres, donas de casa, com
faixa etária entre 34 e 88 anos, as quais são rezadeiras, garrafeiras e carpideiras. Realizou-se o preenchimento de um
formulário socioeconômico e utilizou-se a técnica de listagem livre de plantas utilizadas popularmente contra úlcera
gástrica, as quais foram submetidas a uma análise de saliência utilizando do software Anthropac 4.0. Amostras da
planta mais saliente foram coletadas, através de uma turnê-guiada, para o preparo de exsicata e de extrato aquoso
bruto (EAB). Para os testes farmacológicos utilizaram-se ratos Wistar machos (n=5) no modelo de lesão gástrica
aguda induzida por etanol absoluto. O controle positivo recebeu lansoprazol (30 mg.kg-1), o controle negativo salina
(NaCl a 0,9%) , 10 mL.kg-1, e o grupo experimental foi tratado com EAB. Foi realizado teste de toxicidade aguda. Os
dados dos testes farmacológicos foram analisados pela ANOVA uma via, seguido do teste de Tukey.
Por meio das entrevistas realizadas foram indicadas 15 espécies medicinais para o tratamento de úlcera gástrica. A
análise de saliência das espécies destacou Solanum stipulaceum (Roem. & Schult) (0,300), Solanum tuberosum (0,217)
Hyptis pectinata (0,180) e Schinus terebinthifolia (0,150), como as espécies mais salientes. A sintomatologia relatada
pelos informantes que indicaram a espécie S. stipulaceum foi: ardor no estômago, seguido de crise de vômito. Esta
espécie foi submetida aos testes farmacológicos, testando-se o EAB das folhas nas doses de 100, 200 e 400 mg.kg-1,
porém apenas a dose de 200 mg.kg-1 apresentou atividade antiulcerogênica significativa (p<0.05) versus salina. No
experimento de toxicidade aguda não foi constatado sintomas ou sinais de toxicidade em 14 dias de observação. A
partir dos resultados obtidos, observa-se o valor do conhecimento da comunidade estudada, particularmente no
tratamento de úlcera gástrica, para descoberta de novas drogas com finalidade terapêutica.
Apoio financeiro: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico -CNPQ.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
37
LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS
POPULARMENTE NO POVOADO CANGANDU, NO MUNICÍPIO
DE ARAPIRACA-AL, NORDESTE DO BRASIL
Oliveira A.C.S.¹, Pereira L.S.¹, Cavalcante, M. F., Ferreira Júnior W. S.2 Silva M.S.¹
1
Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL, Brasil.
2
Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE, Brasil.
[email protected]
Introdução
O conhecimento sobre as plantas medicinais é transmitido oralmente através das gerações, o qual tende à diminuição
e ao desaparecimento com o advento da modernidade. A prática do uso de plantas medicinais no município de
Arapiraca-AL faz parte de sua cultura, sendo importante o resgate desse conhecimento visando contribuir com o
desenvolvimento de estratégias de manutenção dessas áreas, diante da rica biodiversidade existente na região. Assim,
este trabalho tem por objetivo estudar as plantas medicinais utilizadas popularmente na comunidade de Cangandu,
município de Arapiraca - AL, buscando promover alternativas para a conservação das espécies e melhoramento da
qualidade de vida da população.
Métodos
As informações foram coletadas através de entrevistas semi-estuturadas aplicadas a informantes-chave, que
são pessoas reconhecidas pela comunidade como conhecedoras de plantas medicinais. Foram entrevistados
43 informantes, sendo 2 homens e 41 mulheres. As variáveis analisadas foram: nível socioeconômico, origem do
conhecimento, idade dos informantes e grau de instrução. Durante as entrevistas também foi utilizada a técnica de
listagem livre, na qual cada informante citou individualmente as espécies utilizadas para fins medicinais. A coleta do
material botânico foi realizada com o auxílio dos informantes e foram preparadas exsicatas para herborização. Os
dados foram analisados utilizando-se o software ANTHROPAC 4.0, que calcula o Índice de Saliência (SI)[1], indicando
as plantas mais importantes baseando-se na frequência de citação e posição da planta nas listas livres.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão / conclusões
38
A comunidade identificou 130 espécies, distribuídas em 82 indicações terapêuticas, dentro das quais foi analisado
o índice de saliência das espécies citadas. A análise mostrou que as indicações terapêuticas que obtiveram um
número maior de plantas citadas foram gripe (25,38%, 33 sp), dor de barriga (16,45%, 21 sp), cólica (10%, 13 sp), febre
(11,53 %, 15 sp) e inflamação (14,61%, 19 sp). As plantas mais salientes indicadas para o tratamento de gripe foram
Plectranthus amboinicus (0,366) e Ocimum basilicum (0,190); para dor de barriga Mentha piperita L.(0,258) e Melissa
officinalis (0,216); para cólica Ocimum gratissimum L. (0,361) e Mentha piperita L.(0,258); para febre Sambucus nigra L.
(0,462), Eucalyptus alba (0,182) e para inflamação Hyptis pectinata L. (0,306) e Stryphnodendron barbatiman (0,269).
Algumas plantas obtiveram consenso de citação de uso entre os informantes, o que pode indicar a presença de
princípios ativos que justifiquem sua utilização. Este estudo aponta as plantas mais importantes para a comunidade,
sem relacionar diretamente o conhecimento obtido com o uso real dos recursos naturais.
Referências
1
Smith, J.J., 1993. Using ANTHROPAC 3.5 and a spreadsheet to compute a free-list
salience index. Cultural Anthropology Methods 9, 8–12.
Apoio Financeiro: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas FAPEAL
ALGUMAS REFLEXÕES ACERCA DA LÓGICA E OPERACIONALIZAÇÃO
DE SISTEMAS MÉDICOS TRADICIONAIS
Guimarães, S. M. F1, Silva, G. S.2, Barbosa, E.R.2, Dias, L. S.F.F2.
Doutora em Antropologia, professora do curso de Saúde Coletiva da FCE/UnB
2
Graduando do curso de Saúde Coletiva da FCE/UnB
[email protected]
1
Introdução
Nos centros urbanos brasileiros, encontram-se em plena atividade parteiras, rezadeiras, benzedeiras, raizeiros,
farmacêuticos populares, massoterapeutas, entre outros, atuando com um universo de pessoas que não se satisfazem
com a exclusividade dos modos de operação da biomedicina. A proposta deste projeto é refletir sobre como a(o)s
raizeira(o)s do bioma cerrado operacionalizam seu sistema médico, entendido aqui como suas práticas terapêuticas.
Pretende analisar a lógica ou racionalidade que inter-relaciona o uso de plantas medicinais, o manejo do cerrado e
as práticas terapêuticas.
Método
Como antropóloga do IPHAN, em 2006, acompanhei a solicitação de registro como patrimônio cultural do Brasil
do “Ofício das raizeiras e raizeiros do cerrado”, a partir dessa ação passei a fazer uma análise da documentação
encaminhada e de bibliografia referente ao tema sobre este ofício e os modos de fazer e os saberes deste raizeiros
sobre as plantas medicinais e suas práticas terapêuticas. O foco principal dessa análise documental e bibliográfica
foi a lógica estruturante desse sistema médico. Portanto, nesse período, o método usado foi análise documental
e bibliográfica sobre o ofício de raizeiros. Agora, complementando esta investigação inicial e como professora do
curso de Saúde Coletiva da UnB, desde 2010, dei início à pesquisa intitulada “O sistema médico de terapeutas
populares na região do DF e entorno”, com um grupo de alunos do curso de Saúde Coletiva da FCE/UnB, que abarca
o conhecimento de raizeira(o)s do bioma cerrado. O método que está sendo utilizado nesta segunda etapa da
pesquisa é o método etnográfico, portanto, está baseada na observação participante e na tentativa de compreender
a totalidade da prática terapêutica.
Os terapeutas populares dominam saberes tradicionais que, de acordo com Loyola (1978), não são reconhecidos
muitas vezes pela medicina oficial, ou biomedicina, o que faz suas ações serem mediadas por relações de força. Nesse
sentido, esse saber constrói-se nos centros urbanos em oposição ao conhecimento científico. No entanto, segundo
Carneiro da Cunha (2009), ambos os saberes, os tradicionais e o científico são formas/modos de conhecer, entender
e agir sobre o mundo. São obras abertas, inacabadas, se fazendo constantemente e legítimos para seus praticantes
e usuários. No caso dos saberes da(o)s raizeira(o)s do bioma cerrado, percebe-se, até o momento, que se trata de
um regime de conhecimento baseado em unidades perceptuais, isto é, cheiros, cores, sabores, sonhos, sensações
experimentadas pelo corpo, enquanto o científico opera por meio de unidades conceituais. Além disso, é importante
ressaltar que os saberes tradicionais se fazem ou se recriam por meio da troca de conhecimento. Essa pesquisa
pretende aprofundar essas mais ainda essas questões.
Bibliografia
CARNEIRO DA CUNHA, M. 2009. “Relações e dissensões entre saberes tradicionais e saber científico”. In: Cultura com aspas e outros ensaios. SP: Cosac & Naify
LOYOLA, M. A. 1978. “Medicina Popular”. In GUIMARÃES, R. (Org.). Saúde e medicina no Brasil. Rio de Janeiro: GRAAL, 1978, pp. 225-250.
Financiamento: CNPq
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultado e discussão/Conclusão
39
CARACTERIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE PLANTAS
MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DE CINCO
UNIDADES DE SAÚDE DO DISTRITO ITAQUI, SÃO LUÍS-MA - BRASIL
Waleska Regina Machado Araujo
Araújo, W.R.M.¹, Barros, C.S.¹, Pereira, R.R.¹, Barroso, W.A.¹,
Lima, C.C.C.F.¹, Vilanova C.M.², Rêgo, T.J.A.S.³
¹Alunos de Graduação em Farmácia da Universidade Federal do Maranhão, Brasil
²Professora do Departamento de Farmácia da Universidade
Federal do Maranhão (UFMA), Brasil
³Coordenadora do Programa de Fitoterapia da UFMA, Brasil
[email protected]
Introdução
Estudos sobre a sabedoria popular vêm merecendo atenção cada vez maior devido ao contingente de informações e
esclarecimentos que vem sendo oferecido à Ciência. Esse fenômeno deve ocorrer aliado à formação de profissionais
aptos e assim, devem estar capacitados em relação às atividades farmacológicas, a toxicidade das plantas medicinais e
sua adequada forma de preparo. A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos estabeleceu a perspectiva
do uso sustentável da biodiversidade para a produção de medicamentos de origem vegetal, além da disponibilização
no sistema de saúde e qualificação dos profissionais de saúde e demais envolvidos na produção e uso de plantas
medicinais e fitoterápicos para o uso seguro e racional. Desta forma, tem-se como objetivo a caracterização do
conhecimento e utilização dos profissionais de saúde de Unidades de Saúde de São Luís no que diz respeito as
plantas medicinais e fitoterápicos.
Metodologia
A pesquisa foi do tipo investigativa-descritiva, com informações colhidas por meio da aplicação de questionários
com questões estruturadas e semi-estruturadas. Foram aplicados 28 questionários direcionados aos profissionais de
saúde em cinco Unidades de Saúde do Distrito Itaqui, São Luís-MA, Brasil. A pesquisa foi realizada no mês de junho
de 2011. A análise dos dados foi realizada com auxílio do programa Excel 2007.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussão/Conclusões
40
Os profissionais da saúde se enquadraram dentro das categorias: farmacêuticos (28,57%), enfermeiros (28,57%),
técnicos (28,57%), agentes de saúde (7,14%), assistentes sociais (3,57%) e médicos (3,57%). A maioria (82,14%) nunca
fez cursos de aperfeiçoamento em Fitoterapia. Apesar de 75% dizerem ter confiança na Fitoterapia, 46,43% não
indicam plantas medicinais e 67,85% e 78,57% desconhecem os 8 medicamentos fitoterápicos aprovados pelo SUS e
RENISUS, respectivamente. Dos entrevistados, 47,72% adquire as plantas medicinais por compra e quase a totalidade
(96,43%) foi favorável a implantação de horto comunitário. As indicações mais comuns foram: desconforto intestinal,
menopausa, antiinflamatório, resfriados, cólicas, cicatrizante, calmante, emagrecimento e colesterol. As reações
adversas mais relatadas quanto ao uso de plantas medicinais e/ou fitoterápicos observadas por eles foram: náuseas,
vômitos, diarréia, cefaléia e prurido. Os resultados evidenciam que esses profissionais em sua maioria necessitam de
cursos de capacitação e atualização em Plantas medicinais e Fitoterapia para implantação efetiva do exigido pela
política pública nacional.
Apoio: Pró-reitoria de Extensão da Universidade Federal do Maranhão
MÉDIA DO CRESCIMENTO DA DISPENSAÇÃO DE TINTURAS FITOTERÁPICAS
DISPENSADAS PELO HERBÁRIO ÁTICO SEABRA NOS ÚLTIMOS 5 ANOS
CARNEIRO, Bruno Santos¹; GOMES, Amora Fernanda Mendes ¹; RÊGO,
Terezinha de Jesus Almeida Silva².
¹Acadêmicos de Farmácia. Programa de Extensão de Fitoterapia - UFMA
² Profa. Dra. Terezinha de Jesus Almeida Silva Rêgo. Coordenadora do Programa de
Extensão de Fitoterapia - UFMA
*Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal do Maranhão.
[email protected]
INTRODUÇÃO
Atualmente, observa-se um crescimento na utilização de fitoterápicos pela população brasileira. Temos como fatores
que podem explicar o aumento no uso de fitoterápicos os avanços ocorridos na área cientifica que permitiram o
desenvolvimento de fitoterápicos reconhecidamente seguros e eficazes, como também uma forte tendência de
busca, pela população, por terapias menos agressivas destinadas ao atendimento primário a saúde (Yunes; Pedrosa;
Cechinel Filho, 2001). O Herbário Ático Seabra da Universidade Federal do Maranhão, na intenção de promover
saúde através das plantas medicinais oferece à população de São Luís serviços que vão desde da consulta clínica à
dispensação de medicamentos fitoterápicos.
OBJETIVO
Expor o crescimento do uso de fitoterápicos na forma de tinturas, dispensados pelo Herbário Ático Seabra da
Universidade Federal do Maranhão.
METODOLOGIA
Através do registro de movimentações de tinturas dispensadas pelo herbário Ático Seabra, no período de janeiro
de 2006 a setembro de 2010, foi contabilizada a venda de todas as unidades de tintura a cada ano e calculou-se por
regra de três simples a porcentagem do crescimento da venda ano após ano e ao final calculou-se a média desse
crescimento.
O herbário dispõe de 38 diferentes especialidades de tinturas as quais foram mantidas constantes durante os anos.
No ano de 2006 foram vendidas 3.371 tinturas. Já no ano de 2007 foram vendidas 3.803 tinturas, apresentando um
crescimento de 12,81%. No ano de 2008 foi atendida a demanda de 4.333 tinturas mostrando um crescimento em
relação ao ano anterior de 13,93%. No ano de 2009 o numero mais que dobrou, 6.800 tinturas, com o crescimento de
56,93% e até o mês de setembro de 2010 foram vendidas 8.444 tinturas com o crescimento de 27,94% em relação ao
ano anterior, gerando assim uma média de crescimento na venda das tinturas de 26,65%.
PALAVRAS-CHAVE: Tintura, fitoterápicos, Herbário Ático Seabra.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
CONCLUSÃO
41
DESENVOLVENDO EDUCAÇÃO EM SAÚDE VOLTADA À FITOTERAPIA
GOMES, A.F.M.¹; CARNEIRO, B.S.¹; RÊGO, T.J.A.S.²
¹Acadêmicos de Farmácia-Bioquímica da Universidade Federal do Maranhão (UFMA); Bolsistas do
Programa de Fitoterapia-UFMA.
² Profª. Drª. Terezinha de Jesus Almeida Silva Rêgo. Coordenadora
do Programa de Extensão de Fitoterapia - UFMA
*Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal do Maranhão.
[email protected]
Introdução: A educação, apesar da infinidade de recursos hoje disponíveis, não atinge a todos de forma homogênea.
O programa de fitoterapia da Universidade Federal do Maranhão leva à sociedade, seja ela adjacente ou até mesmo
inter-municipal, a educação em fitoterapia visto que seu ensino na graduação e especialização são superficiais e
deficientes, quando existentes . A fitoterapia caracteriza-se pela utilização de plantas medicinais com finalidade
terapêutica. No decorrer de sua história, essa metodologia terapêutica teve apogeus e declínios devido à sua base
argumentativa, em sua grande maioria ser apenas proveniente de sabedoria popular passada de geração em geração.
Contudo, a fitoterapia vem ganhando grande relevância nas últimas décadas. O Conselho Federal de Medicina,
por meio do Parecer nº. 04/92, aprovado em 17 de janeiro de 1992, reconheceu a fitoterapia como método
terapêutico. Em 03 de maio de 2006, o Ministério da Saúde, através da Portaria 971, formulou a Política Nacional
de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) para o Sistema Único de Saúde. Por meio do Decreto da
Presidência, nº. 5813, de 22 de junho de 2006, foi aprovada a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos.
Tais oficializações têm o objetivo de tornar conhecida a fitoterapia como terapêutica alternativa de atenção primária
à saúde, providenciando o acesso de plantas medicinais e fitoterápicos aos usuários do SUS, valorização da mesma
resgatando a cultura popular e subsidiando pesquisas que transformem em conhecimento científico o saber popular,
prover formação e educação permanente dos profissionais da saúde em fitoterapia e plantas medicinais, promoção
de uso racional, acompanhamento e avaliação do processo de inserção da fitoterapia no SUS, entre outros.
Objetivo: Disseminar o uso correto das plantas medicinais, com embasamento científico, em benefício de milhares
de famílias orientando sua real atividade farmacológica, posologia e via de administração, visto que muitas vezes a
população as utiliza de forma incorreta e sem cuidados necessários à garantia da eficácia. Promover o intercâmbio
técnico-científico entre acadêmicos e profissionais da saúde vislumbrando uma melhor formação da graduação e
especialização.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Metodologia: São aplicadas aulas expositivas com material áudio- visual, palestras com temáticas específicas,
distribuição de material de apoio- como apostilas, folhetos, livros-, distribuição de mudas, discussão de artigos
científicos, aulas práticas em laboratórios, visitas acompanhadas em hortos medicinais.
42
Conclusão: A fitoterapia tem significativa importância à sociedade, contudo sua aceitação enfrenta alguns
inconvenientes e sua utilização, quando feita de forma incorreta, se dá à insuficiência de estudos científicos acerca
do assunto. Portanto, torna-se necessário uma maior integração entre pesquisadores e instituições no tocante a
estimular a realização de estudos na finalidade de obter resultados, tão importantes, em esfera de indivíduo, quanto
da sociedade como um todo no fortalecimento da fitoterapia.
Palavras-chave: Fitoterapia, educação, saúde.
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DAS PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS
PELA POPULAÇÃO DE MACARANÍBAHIA
Damasceno J.P.L.1, Oliveira D.R.1, Leitão S.G.1
Departamento de Produtos Naturais e Alimentos, Faculdade de Farmácia, UFRJ
[email protected]
1
Introdução
Dentre as várias definições existentes para o temo Etnobotânica, pode-se citar a que a define como “o estudo do
conhecimento e dos conceitos desenvolvidos por qualquer sociedade a respeito do mundo vegetal, englobando
tanto a maneira como o grupo social classifica as plantas, quanto os usos que dá a elas.” Este tipo de estudo permite
o registro do conhecimento tradicional antes que este se perca frente à pressão cultural e econômica de nossa
sociedade, além de fornecer embasamento para estudos em fitoquímica e direcionamento para o desenvolvimento
de medicamentos pela busca de novas substâncias bioativas. O objetivo deste trabalho foi avaliar o perfil de uso
de plantas medicinais pela população urbana e rural de Macarani através de um levantamento etnobotânico e
etnofarmacológico.
Metodos
Foram realizadas 47 entrevistas com moradores locais amostrados ao acaso, sendo também empregado o método
da bola-de-neve, por meio da identificação de lideranças (erveiros, mateiros, benzedeiras etc) à medida que foram
sendo identificados. Foi aplicado um questionário semi-estruturado sobre situação socioeconômica e uso de plantas
medicinais com listagem livre para calculo do Índice de Saliência (S.I). Foram coletadas amostras do material vegetal
para identificação botânica e confecção das exsicatas para depósito em herbário, além de posteriores estudos em
fitoquimica. O projeto foi aprovado em comitê de ética autorizado (QUAL?).
Os resultados apontam um total de 811 citações distribuídas entre 49 famílias e 169 espécies com uma média de
citação de 22 plantas por informante. A família Lamiaceae foi a mais citada, seguida pelas famílias Verbenaceae e
Asteraceae. As etnoespécies mais citadas foram: boldo (Plectranthus barbatus), com 22 indicações como digestivo;
erva cidreira (Lippia alba) com 23 indicações como calmante (8), digestivo (6), analgésico (4), hipotensor (3),
antitussígeno (1) e cicatrizante (1); santa-bárbara (Kalanchoe brasiliensis) com 23 indicações como antiinflamatório
(11), digestivo (8) e antibiótico (4); e mastruz (Chenopodium ambrosioides) com 19 indicações como antiinflamatório
(8), antiparasitário (7) e digestivo (4). O Índice de saliência (IS) aponta a erva cidreira (IS 0,409) como a planta medicinal
mais presente no dia a dia dos entrevistados, seguida pelo mastruz (IS 0,307), pelo boldo (IS 0,288) e pelo hortelãzinho
(Mentha sp.) (IS 0,282). As indicações etnofarmacológicas mostram que, de acordo com a Classificação Estatística
Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10), as maiores referências foram a doenças do
sistema digestivo (13,88%), doenças do sistema geniturinário (9,7%), doenças do sistema circulatório (8,3%), doenças
do sistema respiratório (8,33%) e fatores que influenciam a saúde e contato com serviços de saúde (12,49%), que
representa indicações como banhos de limpeza e energização. De acordo com o censo IBGE 2009, do total de terras
próprias no município de Macaraní, 93,5% são aplicados na produção de gado de corte, e apenas 4% são de matas
preservadas, mostrando o grande desmatamento na região e a necessidade de conhecer e estudar os remanescentes
de mata nativa e do conhecimento tradicional associado.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Conclusões
43
LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO E ETNOFARMACOLÓGICO DE PLANTAS
MEDICINAIS USADAS EM SINOP, MATO GROSSO
1
Leitzke, R.C.Z.1, Albuquerque, M.C.F.2, Mendonça, E.A.F.2
Departamento de Farmácia, Iuni Educacional - Unic Sinop Aeroporto, Sinop, MT, Brasil. 2 Faculdade de
Agronomia e Medicina Veterinára, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, Brasil.
[email protected]
Introdução
O município de Sinop, Mato Grosso, está situado na região considerada como mata de transição, com uma flora
mista, tendo elementos da Amazônia e do Cerrado. Esta região apresenta grande diversidade, e é esperado que em
tal ambiente sejam encontradas espécies de um e outro bioma e também espécies restritas. Porém o desmatamento
e a conseqüente fragmentação florestal, ocasionados pelas elevadas taxas de degradação provocadas pela atividade
extrativista e agropecuária, tem diminuído a diversidade de algumas espécies de plantas da flora nativa, que ameaçam
desaparecer, principalmente devido à ausência de técnicas de manejo sustentável para seus usos. Sem dúvida, uma
considerável atenção tem sido dada em distintos estudos para a conservação destes recursos vegetais, entre estes os
etnobotânicos, que contribuem fornecendo informações sobre o uso e manejo desta diversidade. Neste contexto
o presente trabalho teve como objetivo realizar um levantamento etnobotânico das plantas e dos seus usos como
medicinais, as quais são utilizadas com fins terapêuticos na saúde-doença-cura.
Métodos
A coleta de dados consistiu de entrevistas semi-estruturadas com perguntas abertas e fechadas. A amostragem
foi não aleatória intencional. Foi aplicada a técnica de amostragem do tipo “bola de neve” (“Snow ball”) pela qual
foram definidos os entrevistados. Foram entrevistados 25 informantes, totalizando a maioria dos colaboradores do
município. Os formulários foram compostos pelos seguintes elementos: informações sobre o entrevistado, abordando
aspectos socioeconômicos como nome, idade, naturalidade, profissão, tempo de trabalho com plantas medicinais;
informações sobre usos das plantas, enfocando as espécies conhecidas com seus respectivos usos, preparos e partes
utilizadas, como também contra-indicações caso relatadas. Os nomes das plantas foram registrados conforme
pronunciados pelos informantes. Foi usada a técnicas de turnê-guiada com alguns informantes de campo (“walk-inthe-woods”) e a fotografia para documentar e registrar dados. Realizou-se a coleta de material botânico, identificação
taxonômica e anotações no diário de campo.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
44
Foram entrevistados 25 informantes, residentes nas zonas rural e urbana, com idade média de 56 anos, sendo cerca
de 80% do sexo feminino. Os informantes totalizaram 1024 citações de usos referentes a 340 espécies vegetais
registradas em 97 famílias botânicas. As espécies mais citadas foram caninha-do-brejo (Costus arabicus L.) e hortelã
(Mentha × villosa Huds.). A Família mais citada foi a Lamiaceae seguida pela Asteraceae. Dentre as espécies citadas
238 foram mencionadas por mais de um entrevistado. As formas de preparo mais comum foram o chá ou infusão
e a maceração, sendo as folhas e cascas as partes mais utilizadas. O conhecimento empírico demonstrado pelos
informantes abre caminhos para o desenvolvimento de novos estudos, como os agronômicos para seu cultivo e de
suas propriedades terapêuticas.
USO DE LAS PLANTAS MEDICINALES EN LOS GRUPOS AFROCARIBEÑOS,
MESTIZOS Y AMERINDIOS DE LA CUENCA CARIBEÑA
Torres-Avilez W. M1, Méndez-González M 1, Durán R 1 y Robineau-Germosén L2.
Centro de Investigación Científica de Yucatán A.C. Unidad de Recursos Naturales.
2
Universidad de las Antillas y Guyana (UAG).
[email protected] 1
1
Introducción
La Cuenca del Caribe es una región con gran diversidad tanto cultural como florística, atribuida a su complejidad
geológica, su ubicación geográfica y sus relaciones fitogeográficas, además de la mezcla de culturas y grupos humanos
resultado del proceso de colonización. En el marco de los sucesos históricos ocurridos en esta región y considerando
que la selección del recurso medicinal está influenciado por la cultura de los grupos nativos, así como la de los grupos
que arribaron a estos territorios, en este estudio se pretende conocer, a) si existen diferencias en la composición y
uso de las especies con uso medicinal entre los grupos afrocaribeños, amerindios y mestizos de la Cuenca, b) si en
aquellos países donde predominan los grupos amerindios se utiliza una mayor proporción de especies nativas, y c) si
en aquellos países de la Cuenca Caribeña donde predominan los grupos afrocaribeños y los mestizos se usa un mayor
número de especies introducidas y menor número de especies nativas.
Metodología
En el marco del proyecto TRAMIL (Programa para la Investigación Aplicada y la Difusión de Plantas Medicinales
en el Caribe), se analizó la información de ocho localidades con mayor influencia afrocaribeña, ocho en los que
prevalecen los grupos amerindios y ocho que denominamos mestizas. Se construyó una base de datos conformada
por tres apartados, uno taxonómico, otro etnobotánico y uno geográfico. Mediante la consulta de 14 floras se
determinó la distribución natural de las especies vegetales y se clasificaron en nativas e introducidas. Para saber si
existen diferencias en el uso de especies nativas entre los grupos se empleó una X2, se estimó el valor de uso de las
especies, se calculó el índice de similitud y se realizó un análisis de ordenación para ver si existen diferencias en el uso
de especies entre los tres grupos.
Existen diferencias significativas (X2=30.024, P=0.0001) entre el número de especies nativas utilizadas por los tres
grupos, siendo los amerindios los que utilizan un mayor número de especies nativas (247) a diferencia de los
afrocaribeños (200) y los mestizos (139), lo que indica un amplio conocimiento de su entorno natural, así como
la resistencia de estos grupos ante el proceso de aculturación de han experimentado. También se observó un bajo
índice de similitud entre los grupos y en la ordenación se muestra una clara separación de los grupos con relación al
valor de uso de las especies, estos grupos están determinados por aquellas especies que presentan un mayor valor
de uso y las exclusivas en cada grupo; lo que sugiere que hay que tener en cuenta las diferencias encontradas entre
los grupos para difundir el uso de las especies medicinales y la conservación de éste recurso en la Cuenca Caribeña.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión / conclusión
45
ABORDAGEM SOBRE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS E
SUAS APLICABILIDADES PELA POPULAÇÃO DE UM
ASSENTAMENTO RURAL NO NORTE DO PIAUÍ
AURELIO, A.V.1, AURELIO, F.K.F.1, SOUZA, J.J.I.1, SOUZA, C.S1 OLIVEIRA, S.V.F.2
Departamento de Analises Clinicas, Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. CEEPMPP, Parnaíba,
Piauí, Brasil Departamento de Psicologia, FAP, Parnaíba, Piauí, Brasil.
[email protected]
Introdução:
As plantas medicinais, no Brasil, costumam ser uma alternativa barata e de fácil acesso principalmente para populações de baixa renda, devido a fatores culturais e a própria estrutura do sistema de saúde que infelizmente ainda
dificulta a garantia do direito a uma terapia eficaz e racional pelo povo. A utilização de plantas medicinais com fins
curativos ou não, são conhecimentos passados verbalmente ao longo de gerações, fazendo parte da cultura de varias
comunidades. A percepção e a relevância deste tema e como este faz parte do cotidiano dos alunos, foi o marco
inicial que direcionou as atividades que pudessem ser trabalhadas na pesquisa e extensão de um curso profissionalizante.
Metodologia:
Foi realizado um questionário onde se buscava saber dos pesquisados: “Você conhece Plantas Medicinais?”, onde
através de depoimentos orais, avaliou - se o conhecimento dos alunos, definindo como uma segunda etapa da pesquisa, um estudo etnobotânico das plantas de uma comunidade. Assim foram realizadas entrevistas com 60 pessoas
de um assentamento, localizado ao sul no município de Parnaíba, no estado do Piauí, com um questionário semi
estruturado, onde se abordava questões sócias econômicas, a freqüência de uso de plantas medicinais, quais as partes
utilizadas, a forma de consumo, as finalidades e o resultado obtido após sua utilização. Na terceira etapa buscou-se
analisar os dados obtidos, identificando as famílias vegetais, construindo um banco de dados e um herbário formando evidencias para que atividades interdisciplinares fossem desenvolvidas com os alunos.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussões / Conclusões:
46
A partir dos questionários, verificou-se que das 60 pessoas entrevistadas, 75% conheciam plantas medicinais e 66,7%
faziam uso na sua rotina e o conhecimento era de domínio feminino, passado de geração a geração. De 21 espécies
catalogadas, as folhas eram as mais utilizadas na forma de chás. Cascas e raízes em garrafadas, chás, cataplasma, xaropes caseiros, etc. Estes dados levaram a desenvolver na comunidade, palestras e oficinas educativas baseadas nas
observações feitas, como: Hipertensão e Diabetes; Higiene; Construção de Hortas Medicinais Orgânicas; Farmácia
Caseira; dando ao aluno a possibilidade de buscar respostas para suas indagações e contribuir visando seu papel
como pessoa formadora de opinião na comunidade, através dos conhecimentos obtidos e ao professor a trabalhar
conteúdos relacionados a diversas disciplinas de forma dinâmica, melhorando o processo de aprendizagem e facilitando o uso racional das espécies estudadas e catalogando as demais, que ainda não tiveram sua eficácia terapêutica
comprovada pela ciência.
ETNOBOTÂNICA URBANA: ESPÉCIES MEDICINAIS COM
POTENCIAL ANTIMICOBACTERIANO
Leitão, F. 1, Leitão, S.G. 1, Almeida, M.Z. 2, Nogueira, G. 1, Coelho, T.S 3, Cantos, J. 3, Silva, P.E A 3.
1
Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ;
2
Universidade Federal da Bahia, UFBA;
3
Fundação Federal do Rio Grande, FURG.
Introdução
A Etnobotânica tem se mostrado uma boa ferramenta para direcionar o estudo do conhecimento tradicional
em práticas populares de saúde, podendo apoiar a busca racional para o desenvolvimento de novos fármacos e
medicamentos. Uma das fontes de informação para a pesquisa etnobotânica é o estudo de feiras livres e mercados
populares, pois nelas são encontradas informações sobre o uso de plantas medicinais e outros produtos que possuem
valor regional. Este estudo relacionou as espécies medicinais comercializadas nas feiras livres do Estado do Rio de
Janeiro com indicação para tuberculose (TB). Plantas e produtos naturais podem ser uma importante fonte para o
desenvolvimento de novos fármacos a serem utilizados no tratamento da TB.
Métodos
O presente estudo foi realizado nas feiras livres do Estado do Rio de Janeiro. O estado possui 92 municípios, mas
por se tratar de um estudo de Etnobotânica Urbana, foram selecionados apenas os municípios com mais de 100
mil habitantes. Durante a pesquisa foram utilizadas com os trinta comerciantes de plantas medicinais as técnicas de
observação direta, listagem livre e entrevistas. Um formulário foi desenvolvido com foco nas plantas para o tratamento
de “pulmão”, “tosse” e “tuberculose”, que poderiam indicar atividade antimicobacteriana. O cálculo da Saliência foi
realizado utilizando o programa Visual Anthropac-Freelists 4.0. Os ensaios biológicos para determinação da atividade
antimicobacteriana dos extratos de Struthanthus marginatus, S. concinnus e Vernonia phaeoneura (espécies que se
destacaram no estudo etnobotânico) contra M. tuberculosis (H37Rv) foram realizados pela técnica da microdiluição
usando resazurina como indicador de viabilidade celular.
A TB é uma doença com alta prevalência no Rio de Janeiro, sendo o segundo estado do Brasil em número de casos
notificados. Durante as entrevistas os informantes relacionaram 36 espécies para o tratamento de “tosse”, “pulmão”
e “tuberculose”, distribuídas em 12 famílias. As famílias mais representativas foram Asteraceae e Lamiaceae, ambas
muito comuns em estudos etnobotânicos. As preparações mais frequentes foram o chá, o xarope e o sumo “batido
no liquidificador”. As plantas citadas para tosse e pulmão com o maior valor de Saliência foram o Assapeixe (Vernonia
phaeoneura, V. polyanthes, V. westiniana e Vernonia sp.) e o Guaco (Mikania laevigata). As plantas citadas para
tuberculose com o maior valor de Saliência foram a Erva de passarinho (Struthanthus concinnus e S. marginatus) e o
Assapeixe. Quando buscamos informações na bibliografia sobre as plantas indicadas no presente trabalho observamos
que apenas três foram ensaiadas contra o M. tuberculosis, tais como: Bidens pilosa, Chenopodium ambrosioides e
Mentha piperita. Neste estudo, foi observado que o extrato etanólico das espécies Struthanthus marginatus (100 µg/
mL), S. concinnus (25 µg/mL) e Vernonia phaeoneura (200 µg/mL) apresentaram atividade antimicobacteriana frente
a cepa padrão (H37Rv), indicando a provável presença de compostos ativos, que isolados ou em conjunto podem
atuar como antimicrobiano. Esse estudo demonstra a importância de pesquisas etnobotânicas em feiras livres no
desenvolvimento de novos fármacos.
Financiamento: Capes, FAPERJ, CNPq.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussões/conclusões
47
RESGATE DO CONHECIMENTO ETNOBOTÂNICO DAS PLANTAS MEDICINAIS
E ATENÇÃO FARMACÊUTICA VEGETAL ATRAVÉS DO PROJETO FOLHAS
VIVAS NA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA, VASSOURAS, RJ
OLIVEIRA, L. S.1, MARQUES, M. M.1, AZEVEDO, C. D.2 , JESUS, L. A. S.3
1
UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA
2
PESAGRO/CEPAO, RJ
3
UNIVERSIDADE IGUAÇU
[email protected]
Introdução
Desde os nossos primórdios, a humanidade busca na natureza recursos para melhorar suas próprias condições de
vida. A etnobotânica é o estudo das inter-relações entre humanos e plantas em suas práticas e tradições culturais. O
Projeto Folhas Vivas vem resgatando o conhecimento das plantas medicinais no município de Vassouras - RJ, além de
desenvolver atenção farmacêutica vegetal em diversas localidades da região. A Universidade Severino Sombra através
da implantação do Projeto Folhas Vivas vem se destacando por ser a primeira instituição particular a desenvolver
atenção farmacêutica vegetal no Estado do Rio de Janeiro. Este projeto tem como objetivo a implantação do horto
medicinal para manipulação das espécies. Além da atenção farmacêutica vegetal no atendimento as comunidades
locais.
Metodologia
Através do beneficiamento primário das espécies cultivadas no horto o preparo das manipulações baseadas na
cultura popular como: vinho medicinal, pomada, creme hidratante, sabonete sólido, sabonete liquido, xampu e
xarope, manipulados pelos alunos do curso de farmácia da Universidade e doados a comunidade de Vassouras.
Resultados e Discussão/ Conclusão
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Atualmente são cultivadas no horto 20 espécies medicinais como: erva baleeira, babosa, guaco, cavalinha, mil folhas,
tomilho, hortelã, manjerona, poejo, manjericão. São produzidos por ano cerca de 500 produtos manipulados no
laboratório de farmacotécnica da Universidade Severino Sombra. Dentre os produtos, o vinho medicinal tem
apresentado excelente resultados como tonificante e em caso de cansaço físico. A pomada de erva baleeira também
já apresenta resultados terapêuticos positivos em caso de reumatismo e dores lombar. Os alunos através da atenção
farmacêutica vegetal, que é uma inovação do projeto, orientam a comunidade na utilização das plantas e o uso correto
de suas manipulações caseiras. Através do Projeto Folhas Vivas, tem-se obtido excelentes resultados terapêuticos
com as plantas medicinais no município de Vassouras. Além de incentivar os alunos as pesquisas cientificas com
produtos naturais.
48
ABORDAGEM ETNOFARMACOLÓGICA DA AZADIRACHTA INDICA A JUSS
Emerenciano, D.P.1*, Maciel M.A.MS.1, Moura M.F.V.1
Instituto de Química, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Natal/RN, Brasil.
[email protected]
1
Introdução
A Etnofarmacologia é o ramo da Etnobiologia/Etnobotânica que trata das práticas médicas, especialmente remédios
utilizados em sistemas tradicionais de medicina (SIMÕES et al, 2007). A definição mais aceita da Etnofarmacologia é “a
exploração científica interdisciplinar dos agentes biologicamente ativos, tradicionalmente empregados pelo homem”
(SIMÕES et al, 2007). Neste trabalho foram avaliados aspectos relevantes da espécie medicinal Azadirachta indica
A. Juss, objetivando a divulgação de seus dados etnofarmacológicos. Azadirachta indica A. Juss pertence à família
Meliaceae, é amplamente cultivada na Ásia, África e outras partes tropicais do mundo, inclusive no Brasil, onde
vem ganhado cada vez mais destaque, devido as suas propriedades medicinais. Estudos científicos desenvolvidos
por vários grupos de pesquisa em todo o mundo, levou ao isolamento e elucidação estrutural de mais de 100,
metabólitos especiais, dentre eles destacam-se os pertencentes à classe dos terpenóides.
Farmacologia de Azadirachta indica A. Juss (Meliaceae)
Dentre as várias aplicabilidades medicinais, encontram-se as seguintes atividades: antiulcerogênica, antiinflamatória,
anticâncer, hipolipidêmica e hepatoprotetora. Apesar da exata composição do extrato de Neem ser ainda
indeterminada, os componentes da folha solúveis em água têm provado ser eficazes no controle de várias doenças,
incluindo câncer (MOSSINI et al, 2005).
Resultados e discussão/Conclusões
Azadirachta indica A. Juss (Meliaceae) é utilizada como antimalária, antiinflamatória, antipirético, antitumoral,
antihelmíntica, febrífuga , bem como adstringente e para tratamentos de úlceras e doenças de pele. Esta planta
é amplamente conhecida por suas propriedades inseticidas e pesticidas. Estudos recentes reportam o isolamento
de tetranorterpenóides e triterpenoídes (RAGASA, 1997). O levantamento bibliográfico realizado com a espécie
medicinal revelou ainda, que esta planta vem se tornando importante na terapia herbal alternativa, principalmente
na agroindústria, graças aos seus comprovados efeitos medicinais e inseticida.. Desta forma, produtos obtidos de
Azadirachta indica A. Juss estão sendo estudados para o desenvolvimento de drogas seguras e agentes agroquímicos
que não afetam o meio ambiente.
BUTTERWORTH, J.H. et al. Chem. Soc., Chem. Commun. p. 23-24, 1968./ MOSSINI, S. A. G. et al. Acta Farm. Bonaerense
24, 1, 139-48, 2005./RAGASA, C. Y. et al. Phytochemistry, Vol. 46, No.3, pp. 555-558, 1997./SIMÕES et al. Porto Alegre:
UFSC-UFRGS, 2007./KRAUS, W. et al. Tetrahedron Lett, v. 52, n.26, p.6435-6438, 1985.
Suporte Financeiro: CAPES/UFRN
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Do ponto de vista químico, uma característica comum às espécies da família Meliaceae é a presença de triterpenos
oxigenados, conhecidos como meliacinas ou limonóides, devido ao seu sabor amargo, sendo uma das atividades
mais relevantes relatadas para as plantas dessa família, a ação fagoinibidora. Dentre os variados compostos isolados,
o mais promissor agente antialimentar descoberto até o momento atual, foi denominado azadiractina tendo sido
detectado nas folhas, frutos e sementes de Azadirachta indica A. Juss Neem. A natureza química de azadiractina
assemelha-se a um esteróide tetranortriterpenóide (limonóide) e foi inicialmente isolada por Butterworth (1968) e
posteriormente, revisada por Kraus et al. (1985) (SIMÕES, 2004).
49
PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELOS PACIENTES
HIPERTENSOS DO CENTRO DE SAÚDE DA UFOP
Maia, L.F.; Castro, Q.J.T.; Resende, F.M.F.; Ramos, C.S.; Rodrigues-das-Dôres, R.G.; Gabriel, J. V.1.
1. Centro de Saúde. Universidade Federal de Ouro Preto. MG. 35400-000.
[email protected]
Introdução
A população da cidade histórica de Ouro Preto, Minas Gerais, utiliza como recurso terapêutico plantas medicinais,
principalmente nas doenças prevalentes hipertensão e Diabetes. Tal prática, associada a medicamentos prescritos
durante o tratamento, não é relatada aos profissionais de saúde, nem ao prescritor durante a anamnese tão pouco
ao farmacêutico quando da assistência farmacêutica. Assim, fez-se através de entrevistas semi-estruturada, com
pacientes hipertensos do Centro de Saúde/UFOP. O Centro de saúde da UFOP é vinculado ao SUS (UBS-Bauxita) e
atende a população de três bairros de Ouro Preto (Bauxita, Poçinho, Vila Aparecida), além da comunidade ufopiana.
Metodologia
O projeto foi registrado no CEP/CONEP/MS (CAAE-0057.0.238.000-10). Nas entrevistas, fez-se nos pacientes
avaliação de nível pressórico, frequência cardíaca, antropometria (circunferência abdominal, altura, peso) verificando
a terapêutica medicamentosa e o uso de plantas medicinais (in natura e droga vegetal) e fitoterápicos. Entrevistou-se
120 pacientes. Após as entrevistas, avaliou-se os prontuários médicos individuais, anotando-se os dados relevantes
durante todo o processo de tratamento. Em seguida, fez-se palestras no programa HIPERDIA e COM-TATO®,
alertando sobre o uso de plantas medicinal e fitoterápicos, e atendimento individual domiciliar.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/ Conclusão
50
Dos pacientes, 72,5% são do sexo feminino e 27,5% masculino, com faixa etária entre 29 e 85 anos. 3,29% dos pacientes
têm obesidade mórbida (grau III); 25,27% tem IMC normal. O nível pressórico médio, de pacientes tratados, foi
de 130/90mm de Hg. Os medicamentos mais utilizados eram hidroclorotiazida (25mg) e captopril (25mg) com
frequência de dose de 2 comprimidos por dia e ansiolítcos (Diazepam, Bromazepam e Fluoxetina, 1 comprimido
por dia). Dentre as plantas medicinais mais usadas como droga vegetal destacam-se hortelã (Mentha sp.), melissa
(Melissa officinalis), camomila (Matricaria recutita), erva-doce (Pimpinella anisum), macaé (Leonurus sibiricus),
alecrim (Rosmarinus officinalis), boldo (Peumus boldus), pata-de-vaca (Bauhinia forficata), algodão (Gossypium sp.)
e folha de carambola (Averrhoa carambola).As principais interações medicamentosas foram de medicamentos
antiplaquetários (32,5%), como AAS® e plantas medicinais, 21% dos pacientes utilizavam erva-cidreira (Melissa
officinalis) como calmante juntamente com ansiolíticos. A análise dos dados indica os pacientes não comunicam
ao médico sobre a utilização de práticas integrativas e complementares em saúde. Este estudo permitiu conhecer
melhor o perfil dos pacientes hipertensos, prestando assistência farmacêutica aos pacientes e demais profissionais
que atuam no Centro de Saúde conscientizando sobre o uso racional da Fitoterapia, sem perder o tradicionalismo
regional e valorizando práticas integrativas de saúde.
Suporte financeiro: FAPEMIG e UFOP-PIPES.
ETNOFARMACOLOGIA E FITOQUÍMICA DE ALPINIA ZERUMBET PERS.
B.L. BURTT & R.M. SM., ZINGIBERACEAE: INTEGRAÇÃO ENTRE
A TERAPÊUTICA POPULAR E ELUCIDAÇÃO ESTRUTURAL
Almeida M.Z.1, Velozo E.S.¹, Guedes M.L.², Santos F.A.1, Cardoso D.C.N.1
Faculdade de Farmácia, Universidade Federal da Bahia, UFBA, Salvador, Bahia, Brasil.
²Instituto de Biologia, Universidade Federal da Bahia, UFBA, Salvador, Bahia, Brasil.
[email protected], [email protected]
1
Introdução
Uma das maiores possibilidades geradas no estudo de plantas medicinais é a intercomunicação científica entre
conhecimento acadêmico e popular. Alpinia zerumbet (Pers.) B.L. Burtt & R.M. Sm., Zingiberaceae (AZ), é uma
espécie de origem asiática adaptada em território brasileiro, sendo largamente utilizada para fins ornamentais,
ritualísticos e medicinais. A pesquisa “Levantamento Etnofarmacológico na Região do Baixo Sul da Bahia” obteve
5 citações de AZ como Lipurdina no total de 38 entrevistados, indicando seu uso sob a forma de chá para o tratamento de gripes, resfriados e problemas do coração. Este trabalho relaciona as informações do estudo etnodirigido com resultados espectrométricos de investigação fitoquímica.
Métodos
O espécime utilizado foi devidamente identificado e herborizado no Herbário Alexandre Leal Costa/UFBA. As folhas
foram fragmentadas e submetidas a uma hidrodestilação. A água resultante desta decocção foi particionada com
acetato de etila, concentrada e seca. A partir da fração orgânica realizou-se uma cromatografia em coluna aberta
com sílica-gel como fase estacionária e sistema de eluição estabelecido por gradiente de concentração de diclorometano e metanol. Frações selecionadas foram analisadas por ressonância magnética nuclear ¹H, Varian, 400MHz.
Resultados e discussão
Dentre os espectros obtidos observou-se a presença da 5,6-dehidro-kavaina (DK) e outras kavalactonas. Os estudos
farmacológicos demonstram a atividade antiviral de DK pela inibição da enzima neuraminidase, assim como atividade hipotensora e antiagregante plaquetária. Sabe-se da importância do fitocomplexo na eficácia da terapêutica
com plantas medicinais. Entretanto, a presença da DK na água do decocto mimetizando o uso popular da planta na
comunidade, mostra como a fitoquímica aplicada à etnopesquisa pode proporcionar resultados complementares,
evidenciando a importância da tradicionalidade na validação de eficácia e segurança das plantas medicinais, seja na
realização de pesquisas básicas ou aplicadas proporcionando as condições de qualidade para uso terapêutico.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Apoio Financeiro: CAPES/REUNI
51
AVALIAÇÃO DOS MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS MAIS DISPENSADOS NAS
FARMÁCIAS DA REGIÃO ADMINISTRATIVA DE CEILÂNDIA
1
Guimarães N.C.1, Carneiro R.G.1, Martins P.M.1
Curso de Farmácia, Faculdade Ceilândia, UnB, Brasília, DF, Brasil.
[email protected]
Introdução
Cerca de 25% das drogas prescritas no mundo são obtidas direta ou indiretamente de plantas. Além disso,
49% das drogas desenvolvidas entre 1981 a 2002 foram obtidas a partir de produtos naturais ou análogos semisintéticos1. Atualmente, mesmo que as drogas sintéticas ainda representem a maioria dos medicamentos utilizados
pela população, os fitoterápicos também têm conseguido espaço cada vez maior dentro dos estabelecimentos
farmacêuticos. Buscando analisar a realidade atual sobre o mercado de fitoterápicos e sua dinâmica na Região
Administrativa de Ceilândia, Distrito Federal, objetivou-se conhecer os medicamentos fitoterápicos mais vendidos
em farmácias e drogarias dessa localidade analisando suas bulas e embalagens à luz da legislação vigente no Brasil.
Métodos
O estudo realizou levantamentos em estabelecimentos farmacêuticos (exceto farmácias de manipulação) em
diferentes locais da Região Administrativa de Ceilândia, escolhidos de maneira aleatória e que perfizeram uma
amostra de 20% do total de estabelecimentos. A coleta de dados foi feita por meio de entrevista direta com o
atendente do balcão - balconista ou farmacêutico utilizando questionário semi-estruturado. Os dados obtidos foram
analisados com auxílio do software EPI INFO, que confrontou os dados levantados com os critérios estabelecidos
pela legislação vigente e literatura científica.
Resultados e discussão/conclusões
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Dos 20 estabelecimentos visitados, em 11 deles (55%) o farmacêutico estava presente no momento da entrevista.
Cada entrevistado apresentou cerca de 4 medicamentos fitoterápicos mais dispensados, sendo ao total, 94 citações de
50 apresentações distintas. Dos 50 medicamentos, apenas 80% eram fitoterápicos. No montante de 40 fitoterápicos,
identificou-se a presença de 45 espécies vegetais em associação e como monodrogas. Espécies como Hedera helix
(13,1%), Ginkgo biloba (8,33%) e Aesculus hippocastanus (7,14%) apareceram como monodroga. As espécies em
associação mais citadas foram: Passiflora incarnata, Crataegus oxyacantha e Salix alba (11,7%); Aconitum napellus,
Nasturtium officinale, Myroxylon balsamum, Mikania glomerata, Cephaelis ipecacuanha e Polygala senega, Crataegus
oxyamcanha, Erythrina mulungu e Passiflora alata (5,95%). Concluiu-se que, das 84 citações de fitoterápicos, somente
35,1% foram dispensados sem apresentação de receita. Os entrevistados apresentaram dificuldade para responder
sobre posologia e duração do tratamento, porém 90,5% das respostas sobre indicação dos medicamentos citados
estavam de acordo com a literatura científica.
52
Referência bibliográfica
1. Koehn, F. E.; Carter, G. T. The evolving role of natural products in drug discovery. Natural Review of Drug Discovery, 4(3): 206-220, 2005.
CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS
MEDICINAIS EM UMA COMUNIDADE QUILOMBOLA DA
BAHIA: ERVAS USADAS PARA HIPERTENSÃO
Silva,M.Q.O.R.1,3,, Almeida M.Z.1,3, Lessa G.M.1,2, Araúo,H.J,2,
Guedes M.L.4, Lisboa,M.4, Pinto A.S.1, Brito, R. J.5
1
Programa Farmácia da Terra, Faculdade de Farmácia, UFBA, Bahia, Brasil.
2
Escola de Enfermagem, UFBA, Bahia, Brasil. 3Núcleo de Plantas Medicinais e Fitoterápicos do
Estado da Bahia - FITOBAHIA/SESAB, Bahia, Brasil
4
Herbário Alexandre Leal Costa, Instituto de Biologia, UFBA, Bahia, Brasil
5
Pesquisador Local, membro da Comunidade Quilombola
[email protected]
Introdução
O Programa Nacional de Atenção a Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus visa estimular o conjunto de ações e
medidas de controle, prevenção, promoção da saúde, diagnósticos e tratamento dessas doenças na Atenção Básica.
A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra
possuem dentre suas diretrizes a promoção do reconhecimento dos saberes e fazeres nas práticas populares de saúde.
As plantas possuem grande valor por serem utilizadas tanto para fins ritualísticos e medicinais pelas comunidades
quilombolas. Destaca-se nesse estudo o levantamento dos usos de plantas medicinais através de etnopesquisa como
ferramenta na implantação da Fitoterapia na Atenção Básica no Distrito de Monte Recôncavo em S. Francisco do
Conde/Bahia, dentre as mais citadas estão as espécies vegetais usadas para auxiliar o tratamento de hipertensão.
Métodos
A coleta de informações com etnopesquisa utilizou metodologias antropológicas como a identificação do Informante
Chave e dos especialistas de notório saber pela metodologia de Bola de Neve. As espécies indicadas foram coletadas,
identificadas e herborizadas no Herbário ALC/UFBA. Após sistematizar os dados e quantificar as plantas mais citadas
e seus respectivos usos, realizou-se a mobilização entre servidores e usuários da Unidade de Saúde da Família, através
do grupo de Hiperdia e produção de folder educativo para distribuição com a comunidade.
A pesquisa obteve resultados com indicações diversificadas para as plantas medicinais e remédios caseiros tradicionais.
Há concordância de uso para os mesmos sintomas, indicativo do conhecimento tradicional. As informações desse
trabalho destacam as espécies úteis no controle da hipertensão(45%): Alpinia zerumbet B.L. Burtt., Cymbopogon
citratus L., Citrus aurantium L., Lippia Alba Mill, Bidens pilosa L., Bryophyllum pinnatum, Tamarindus indica L., Averrhoa
bilimbi L., Peperomia pellucida(L.) Kunth. Muitas dessas espécies estão indicadas para a Relação Estadual de Plantas
Medicinais da Secretaria de Saúde Bahia pelo Núcleo de Plantas Medicinais e Fitoterápicos da Bahia - FITOBAHIA/
SESAB/SUS.
Apoio Financeiro: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussão/Conclusão
53
ABORDAGEM ETNOBOTÂNICA ACERCA DO USO DE PLANTAS
MEDICINAIS PELOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DO
BANANAL, RIO DE CONTAS, BAHIA, BRASIL
Almeida M.Z.1,3, Silva H. B. T. 1, Silva M.Q.O.R.1,2, Silva, N.C.B. 1,4
Programa Farmácia da Terra, Faculdade de Farmácia, UFBA, Bahia, Brasil.
2
Núcleo Estadual de Plantas Medicinais e Fitoterápicos do Estado da Bahia - FITOBAHIA/SESAB, Bahia,
Brasil3Herbário Alexandre Leal Costa, Instituto de Biologia, UFBA, Bahia, Brasil
4
Departamento de Produtos Naturais e Alimentos, Faculdade de
Farmácia, UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil.
[email protected]
1
Introdução
O uso de plantas medicinais com propriedades medicinais vem caminhando paralelamente ao desenvolvimento
da humanidade. Nos últimos anos vários marcos regulatórios tem apoiado e fomentado o uso seguro e racional
de plantas medicinais e fitoterápicos, com Políticas cujas diretrizes possuem orientações para o respeito às práticas
tradicionais e saberes e fazeres da medicina. Nessa perspectiva, realizou-se um levantamento etnobotânico avaliando
o uso de plantas medicinais na comunidade remanescente quilombola do Bananal, situada no município de Rio
de Contas, Bahia, identificando influências de seus antepassados, de onde, provém à base das tradições sobre a de
utilização de plantas para fins curativos.
Métodos
Foram realizadas entrevistas de janeiro a fevereiro de 2011, na comunidade quilombola do Bananal, a qual possui
38 residências sendo visitadas todas aquelas habitadas. A população em estudo constitui-se de senhoras. Uma
vez selecionadas, seus conhecimentos sobre métodos de diagnose e cura, bem como as questões associadas às
suas crenças foram obtidas por meio de entrevistas e observações participantes, enquanto os dados pessoais e
etnofarmacológicos foram obtidos durante entrevistas semi-estruturadas e estruturadas.
Resultados e Discussões/Conclusão
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
O trabalho desenvolvido na comunidade quilombola do Bananal obteve resultados importantes com indicações
diversas de plantas medicinais e o seu preparo, conhecimento adquirido com seus antepassados, avós e mães, e são
transmitidos para nova geração dos descendentes. Pode-se verificar o uso comum de muitas plantas medicinais
para tratar as mesmas doenças entre as entrevistadas, o que afirma suas propriedades ativas, reforçando o indicativo
terapêutico com base no conhecimento tradicional ainda presente nesta população. Todas as senhoras entrevistadas
disseram ter o costume de transmitir seus conhecimentos sobre as plantas medicinais a outras pessoas interessadas,
porém relataram a falta de interesse entre os mais jovens da própria família.
54
As informações levantadas neste trabalho indicam uma diversidade de uso de plantas medicinais nesta comunidade,
apontando para a necessidade de manutenção das tradições e pesquisas sobre sua utilização pelos descendentes
quilombolas na região.
LEVANTAMENTO ETFARMACOLÓGICO NA COMUNIDADE
RURAL DE SÃO JOSÉ DA FIGUEIRAMG, BRASIL
Tuler, A.C,1 Silva, N.C.B.2
Universidade Federal do Espírito Santo, CCA-UFES , Espírito Santo, Brasil
2
Depto de Produtos Naturais e Alimentos, Faculdade de Farmácia, UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil.
[email protected]
1
Introdução
O conhecimento acumulado pelas sociedades tradicionais vem sendo mantido através de séculos de estreita relação
com a natureza, sendo assim, fonte de informação acerca do uso dos recursos naturais. Nesse contexto a Etnobotânica
é a ciência que estuda as interações dinâmicas entre as plantas e o homem, consistindo também na compreensão
dos usos e aplicações tradicionais dos vegetais pelas pessoas. A comunidade rural de São José da Figueira, distrito
de Durandé, Minas Gerais, tem a economia baseada na agricultura (café, feijão e milho) e na pecuária (leite). As
atividades são desenvolvidas em pequenas e médias propriedades por núcleos familiares lá estabelecidos há tempos.
As mulheres além de cuidar da casa e dos filhos, trabalham na lavoura de café na época da colheita e cultivam outras
espécies para consumo familiar. O objetivo deste trabalho foi levantar o conhecimento adquirido e acumulado na
comunidade sobre as espécies vegetais e suas utilidades medicinais.
Métodos
Foram entrevistadas 34 mulheres com idades entre 28 e 83 anos no período de julho de 2009 a abril de 2010,
distribuídas por quatro pontos distintos da comunidade. Foram feitas visitas às residências para a realização de
entrevistas semi-estruturadas com auxílio de um formulário. Buscou-se obter dados acerca do conhecimento
sobre as plantas medicinais, bem como modo de preparo, uso além de informações sócio-econômicas. Durante as
entrevistas o material vegetal foi coletado, quando fértil, e encaminhado para identificação e depósito de exsicatas
nos herbários VIES (UFES) e RFA(UFRJ).
Resultados e discussões/Conclusão
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultaram do levantamento 206 espécies medicinais, sendo a Laranja (Citrus sinensis (L.) Osbeck) a espécie mais
citada. Asteraceae foi a família mais representativa, somando 30% de todas as citações. Folha foi a parte mais utilizada
(52%), seguida de inflorescência, raiz, fruto, caule e semente. Quanto à preparação citou-se chá, infusão, além de
xaropes, macerados em água, vinho ou álcool vegetal, fricções, emplastos, pomadas e farinhas sendo chá (41%) a
forma de preparo mais utilizada.
As informações obtidas nesse estudo demonstram que as mulheres da comunidade possuem amplo conhecimento
sobre as espécies medicinais, sendo necessário a realização de mais estudos em etnobotânica, a fim de registrar esse
conhecimento popular para que não seja esquecido ao longo das gerações.
55
USO TRADICIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS EM TRÊS COMUNIDADES
REMANESCENTES DE QUILOMBO EM ITACARÉ, BA
1
Santos M.R.C..1*, Costa L.B.C.2, Said R.A.1
Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais, Universidade
Estadual de Santa Cruz (UESC)–Ilhéus(BA).
2
Departamento de Ciências Biológicas, UESC - Ilhéus (BA).
[email protected]
Introdução
A palavra quilombo, em sua etimologia bantu, significa acampamento guerreiro na floresta. No Brasil, este termo foi
popularizado pelos portugueses para se referir às unidades criadas pelos rebeldes africanos em oposição ao regime
escravagista. Nos dias atuais os descendentes de africanos, reivindicam o direito à permanência e ao reconhecimento
legal de posse das terras ocupadas para moradia e sustento, bem como o livre exercício de suas práticas, crenças e
valores. Tendo como base a condição histórica e o conhecimento tradicional dos descendentes de quilombolas,
associados à miscigenação cultural e à dinâmica das transformações ao longo do tempo, objetivou-se descrever e
analisar o uso de plantas no contexto da etnomedicina e etnoveterinária, por comunidades remanescentes de quilombos do município de Itacaré - BA.
Métodos
O trabalho foi realizado em três comunidades remanescentes de quilombo denominadas Santo Amaro, Fojo e João
Rodrigues localizadas no município de Itacaré - BA, e inseridas em região de domínio de Mata Atlântica. A coleta de
dados realizou-se no período de julho de 2010 a maio de 2011, em viagens de campo semanais. A seleção dos entrevistados foi intencional e se deu através do método “bola de neve” definindo uma amostragem não-probabilística,
sendo selecionado um total de 20 informantes-chave. Foram realizadas entrevistas semi estruturadas e conversas
abertas, abordando informações a respeito das plantas medicinais que a população local usa e/ou conhece para
tratar problemas de saúde dos humanos e dos animais, e informações complementares sobre as partes usadas, fonte
de coleta, modo de preparo e indicações. As entrevistas foram gravadas, em gravador de voz, e posteriormente transcritas. Todos os dados obtidos foram tabulados e analisados.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados, discussões/Conclusões
56
Foram catalogadas 91 plantas compreendidas em 47 famílias e 78 gêneros, sendo as mais citadas Lamiaceae (11%),
Asteraceae (9%), Fabaceae (4%) e Anacardiaceae e Amaranthaceae (4%). O uso de folhas representou um total de
55% nas citações, seguida da planta inteira (18%), raiz 8%, flor 6%, “cavaco” (casca) 5%, fruto e semente 3% e látex 1%.
As indicações médicas de maior destaque foram para o tratamento de dor (40%), dor de cabeça, dor de dente, dor
de ouvido, dor de barriga, dor no corpo, dor muscular e dor em geral. As indicações para doenças do sistema digestório como disenteria, diarréia, dor no estômago, gastrite e “quentura”, totalizaram 25%, fato que pode relacionar-se à
falta de saneamento básico nestes locais. 13 espécies foram citadas para uso veterinário, sendo que 5 foram indicadas
como de uso exclusivo para animais, a saber, Caladium bicolor; Desmodium adscendens, Manihot sp., Musa sp. e Coffea sp. Comparações entre os resultados do presente trabalho e de trabalhos etnobotânicos realizados em países do
continente africano revelaram similaridade no uso de alguns gêneros de plantas principalmente o gênero Ocimum, o
que pode indicar uma intersecção de conhecimentos entre Brasil e África. Por fim, confirmou-se a existência de conhecimentos tradicionais nas comunidades estudadas e a sua manutenção através das gerações apesar de também
existirem influências da medicina moderna.
Apoio financeiro: CAPES
USE OF MEDICINAL PLANTS IN THE INFANTILE DISEASES
Chaves E.M.C1, Silva D. O.2 , Honorío Júnior J.E.R3, Santos N.J1 ,
Dias K.C.F.1, Amaral J.F.2, Macedo D.S1 Vasconcelos S. M. M.1
1
Department of Physiologia and Pharmacology, Federeal University of Ceará, Brazil
2
Metropolitan College of Greater Fort of Ceará Brazil
3
State University of Ceará Brazil
[email protected]
Introduction
The medicinal plants have been used in the treatment of the infantile diseases, in form of teas, lambedor and baths.
The Knowledge of the use of the plants has been reviewed mainly by the families through the generations. The
children can present several reactions to the use of especially if this to present metabolism incomplete for the substances contained in the preparation. The present work aimed at to identify the medicinal plants and your use in
the treatment of diseases in the childhood.
Methods
It is a quantitative descriptive study, accomplished in a Basic Unit of Health. Sample was constituted 100 by the children’s legal responsible assisted in the unit. A questionnaire was used during the interviews. The data were collected
from April to May of 2011. The results were presented in tables with absolute and percentile statistics. The study
was approved with number of protocol 090209/11.
There was children’s of the feminine sex predominance (52%) in relation to the masculine sex (48%). the age, school
from 1 to 5 years presented larger percentile (53%), coming in second place the school age from 6 to 11 year (33%).
in relation to the relationship degree, the mothers presented percentile index (77%), grandmother (13%), father (7%).
The reason of search of the unit was related to the vaccination (61%), followed by general consultations (39%). In the
indication of the natural products for they be used in the child the grandmother he/she obtained larger percentile
index (81%), followed by neighbors (8%), I practice medicine (5%) and other. Mothers responded that 92% the
children presented improvement after the use, and 8% affirmed not to have had any answer. 99% told that there
was not any adverse reaction before the use of the products. One percent told that there was reaction, due to not
appropriate orientation of the use. Of the interviewees 43% told the ingestion as principal forms of use, being this
represented in your majority by the lambedor form (72%) honey (30%), pepaconha (14%), white green onion, pineapple and garlic (13%), mallow (10%), Rome (9%), lemon (8%), beet and copaíba (6%), própolis and sucupira (4%),
eucalyptus (3%). the inhalation was in second place (27%), being this represented by the infusion of the alfavaca
combination and eucalyptus (50%). The principal mentioned problems were cough (80%), fever (29%) and agitation
(17%), nasal congestion (13%), colic (10%), diarrhea (9%), bronquite(9%), asthma (5%) and he/she coughs productive (5%). The uses of medicinal plants are part of the therapeutic arsenal in the childhood, and the tea, followed by
the inhalation was the forms more used for the treatment of the infantile diseases.Key word: Medicinal plants, child,
forms of preparation.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
57
IMPLANTAÇÃO DO HORTO DE PLANTAS MEDICINAIS E AROMÁTICAS
NO CAMPUS CEILÂNDIA, UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
1
MARTINS, Paula Melo¹; OLIVEIRA, Naiara Araújo 1;
Curso de Farmácia, Faculdade de Ceilândia, UnB, Brasília, DF, Brasil
[email protected]
Introdução
Ceilândia é uma cidade satélite de Brasília com aproximadamente 600.000 habitantes. Surgiu da Campanha da
Erradicação de Invasões (CEI) em 1971 pelo governo. A renda média per capita, em 1997, era de R$ 198 reais. O
campus Ceilândia é um projeto REUNI da Universidade de Brasília que agrega cursos da área da saúde: Farmácia,
Enfermagem, Fisioterapia, Terapia Ocupacional e Gestão em Saúde, atualmente situado em área provisória junto
ao Centro de Ensino Médio 04. O projeto de implantação do horto foi inicialmente pensado devido à necessidade
de espaços didáticos para o curso de Farmácia, além de material vegetal para as disciplinas de Farmacognosia e
Farmacobotânica. O projeto conta com outros objetivos específicos que são o resgate do conhecimento tradicional
por meio de projetos de extensão junto à comunidade local e ações de educação ambiental com crianças, jovens e
adultos.
Métodos
A UnB como signatária da Declaração de Talloirs, visa contribuir com a educação, pesquisa, formação de políticas e
intercâmbio de informações para enfrentar os desafios da sustentabilidade para uma sociedade baseada no respeito
à natureza, aos direitos humanos universais, fomentando a cultura da paz e solidariedade que convoca os cidadãos
do planeta para a adoção de um estilo de vida sustentável. O local onde o horto se encontra atualmente era uma
área devoluta, sem utilidade e local de deposição de entulhos. A inauguração se deu no dia 13 de julho de 2011,
com a presença de estudantes, professores da faculdade e colaboradores. Assim que inaugurado, iniciamos ações
com estudantes de escolas públicas próximas a faculdade. Tais ações têm sido realizadas essencialmente no horto,
com diferentes visões e maneiras de educar: com as crianças, plantio de mudas e como cuidar das mesmas; com
adolescentes e jovens, ações terapêuticas, uso e cuidados de diversas plantas medicinais do horto; com adultos e
idosos, resgate de conhecimentos populares, mas também lhes dando um conhecimento científico do uso dessas
plantas, com intuito de promover o uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e conclusões
58
Atualmente o horto tem 300 m² com 32 espécies de plantas medicinais e aromáticas, divididas em 17 famílias. A
maioria das espécies pertence às famílias Lamiaceae e Asteraceae, como Plectranthus barbatus (boldo), Ocimum
basilicum L. (manjericão) e Lychnophora ericoides (arnica brasileira). Ainda existem espécies aromáticas como a
Curma longa (açafrão) e o Rosmarinus officinalis (alecrim). Vê-se, desde já, um impacto positivo sobre a comunidade
e os alunos da faculdade, que de forma interdisciplinar estão promovendo ações dentro do espaço envolvendo
os alunos e a comunidade em geral. Dessa maneira, conseguimos alcançar os objetivos iniciais propostos e ter a
comunidade como parceira, divulgando a importância das plantas medicinais, de seu uso correto e, sobretudo da
valorização do saber popular como agente transformador da realidade individual e coletiva.
Colaboradores: EMBRAPA/CENARGEN, DEX/NAA/UnB
MAPEAMENTO DA CADEIA PRODUTIVA DAS PLANTAS MEDICINAIS
COMERCIALIZADAS POR HERBANÁRIOS DO MERCADO
PÚBLICO DE SÃO JOSÉ EM RECIFEPE
1
Viana D.C.F.1, Fernandes A.C.A.2
Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Inovação Terapêutica,PPGIT/UFPE,
Recife, PE, Brasil. [email protected]
2
Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação
em Inovação Terapêutica, PPGIT/UFPE, Recife, PE, Brasil.
Introdução
Os herbanários são figuras comuns nos mercados públicos das cidades do Nordeste do Brasil. Ainda que tenham
pouca escolaridade e não estejam formalizados, são popularmente reconhecidos por sua sabedoria e atuam como
profissionais de saúde populares. Nas ervanarias, local onde trabalham, encontra-se uma variedade de espécies
vegetais, que são prescritas pelos mesmos sob as formas de chás, banhos, garrafadas, lambedores, pomadas e outros.
Além de serem verdadeiros relicários da sabedoria popular, esses profissionais são responsáveis pela comercialização
de inúmeras espécies vegetais, sendo, portanto, parte importante da Cadeia Produtiva das Plantas Medicinais.
Nesse sentido, o presente trabalho tem por objetivo mapear a cadeia produtiva das principais plantas medicinais
comercializadas por herbanários do Mercado Público de São José em Recife- PE.
Métodos
Para alcançar o objetivo proposto foi elaborado e aplicado um questionário contendo perguntas sobre quais as
20 plantas mais comercializadas pelos herbanários do Mercado de São José, quais os fornecedores dessas plantas
e qual o local de origem das mesmas. O questionário foi respondido por 12 dos 15 herbanários que trabalham
no local. Em seguida, as plantas identificadas foram classificadas em: cascas, raízes, ervas verde (in natura) e ervas
seca (desidratada), de acordo com proposição dos herbanários. Por fim, buscou-se identificar o local de origem de
cada planta, elaborando um mapa da cadeia produtiva das plantas medicinais comercializadas pelos herbanários do
Mercado de São José.
Foram identificadas 36 plantas, das quais 9 são cascas, 6 raízes, 10 ervas verdes e 11 ervas secas. As plantas são
fornecidas por 15 agentes intermediários que as adquirem de agricultores, mateiros extrativistas e importadores.
De acordo com os herbanários, as cascas são extraídas por mateiros localizados em 3 cidades da Mesorregião do
Sertão de Pernambuco, essas plantas são espécies típicas da caatinga e são fornecidas aos herbanários por agentes
intermediários oriundos, também, do Sertão. As ervas verdes e raízes são produzidas em quintais da cidade do Recife
ou por agricultores localizados em 6 cidades da Região Metropolitana do Recife e em 3 cidades da Mesorregião do
Agreste de Pernambuco. As ervas secas são produzidas fora do Estado de Pernambuco, essas plantas são compradas
pelos próprios herbanários em atacados da cidade do Recife. Esses atacados por sua vez, obtêm as plantas de
importadoras e distribuidoras localizados na Região Sudeste do Brasil.
Apoio: Projeto Pró-Cultura: Ministério da Cultura/CAPES.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussões/conclusão
59
CADEIA PRODUTIVA DE PLANTAS MEDICINAIS, USO E SUAS
POTENCIALIDADES NA COMUNIDADE PAU ROSA NO
ASSENTAMENTO DO TARUMÃ MIRIM, MANAUSAM
Amorim, B.C.1, Taveira, A.V1.
Laboratório de Estudos Sociais, Instituto Nacional de Pesquisas
da Amazônia, Manaus, AM, Brasil.
[email protected], [email protected]
1 Introdução
O uso de plantas medicinais na comunidade Pau Rosa no Assentamento do Tarumã Mirim está ligado principalmente
ao uso do Etnoconhecimento, ou seja, conhecimento transmitido de geração a geração de famílias camponesas que
tem seu modo de vida no meio agrário, em contato e observando a natureza, mas esse conhecimento é permeado e
plasmado pela cultura (Costa, 2008). A comunidade Pau Rosa, no Assentamento de Reforma Agrária, sofre pressões
com a infra-estrutura, principalmente na questão da saúde pública, por conseguinte, a forma de driblar as dificuldades
encontradas é a utilização de plantas medicinais para o tratamento e cura de doenças. O uso de plantas medicinais
em suas diversas formas, como xaropes, lambedores, garrafadas, chás, entre outros, implica nas relações sociais e
como os camponeses utilizam o Etnoconhecimento para a reprodução de seu cotidiano.
Métodos
Para este trabalho foram realizados trabalhos de campos na comunidade Pau Rosa, no Assentamento do Tarumã
Mirim em Manaus, AM. Foi realizada pesquisa com aplicação de questionário aberto com o objetivo de compreender
a cadeia produtiva e as forças políticas, econômicas e sociais que atuam direta e indiretamente sobre as plantas
medicinais na forma de mercadoria. Durante os trabalhos de campos as informações coletadas foram sistematizadas
e também foram realizadas pesquisas bibliográficas para embasar os estudos.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
60
O uso de plantas medicinais compreende escalas que vão desde o simples uso para tratamento de uma gripe, até
câncer e outras doenças graves, e também a produção para um mercado consumidor em Manaus. A escala no
uso do âmbito familiar faz parte do Modo de Vida Camponês, onde a produção sai da escala da circulação para o
consumo, fazendo parte das necessidades de primeira ordem, como se alimentar e manter boa saúde. Mas as plantas
medicinais não compreendem uso diário e constante, por isso, as que não são utilizadas na constância, ou existem
em excesso passam para a esfera de mercadoria, sendo produzidas para a demanda das feiras locais, onde existe
público interessado em remédios alternativos para tratamento ou cura de diversas doenças. Nesse sentido, temos
principalmente a busca por plantas que ofereçam tratamento eficiente e rápido para doenças que apresentam
padrão de incidência. Entre as mais procuradas, estão Arruda, Hortelã, Corama, Erva Cidrera, Boldo, e outras diversas
plantas. Os preços das plantas mais populares variam entre R$ 1,00 a R$ 5,00 reais. As feiras na cidade de Manaus são
organizadas pelo poder público e abrem espaço para a venda dessas mercadorias, tendo o trabalhador apresentado
a mercadoria como resultado de seu trabalho. Além do uso doméstico e comercial, diversas são as pesquisas de
bioprospecção desenvolvidas principalmente pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia que buscam
desenvolver princípios ativos, que ajudem a garantir o uso e preservação das plantas medicinais.
Apoio Financeiro: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
SEMEAR CIÊNCIA NA FUNDAÇÃO DE MEDICINA
TROPICAL DO TOCANTINS, ARAGUAÍNATO
Santos. J.F.L.¹, Machado, A. J. B.¹, Mota, I.F.¹, Pereira, T.M.²
¹ Coordenação de Produtos Naturais e Bioativos, Fundação de
Medicina Tropical do Tocantins, Araguaína/TO
² Associação Comunitária de Plantas, Saúde e Vida, Araguaína/TO.
[email protected]
Introdução
Diante da necessidade de informar, incentivar e capacitar o público em geral, sobre o uso racional de plantas
utilizadas na terapêutica e na promoção do bem estar, propõe-se a implantação de um Horto de Plantas Medicinais,
Aromáticas/ Condimentares, Tóxicas e Alimentícias Não-Convencionais, na chácara da Fundação de Medicina
Tropical do Tocantins.
Métodos
O espaço possui 10 canteiros e um minhocário. Para a seleção e levantamento das espécies a serem cultivadas, parcerias
e visitas foram realizadas a algumas Experiências Comunitárias do estado dentre elas: Associação Comunitária de
Plantas, Saúde e Vida, Araguaína/TO; Casa de Saúde Popular, Araguaína/TO e Associação de Trabalhadores Rurais
do Vale do Corda, Wanderlândia/TO.
Resultados e Discussão/ Conclusão
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Observou-se o uso de 70 espécies que são utilizadas nas formulações dos remédios caseiros por estas experiências,
a maior parte destas plantas é cultivada em canteiros medicinais nas próprias unidades e outras são coletadas em
determinadas épocas do ano no Cerrado. As mudas para a implantação do Horto na Funtrop - foram doadas por
estas experiências. Cerca de 50 espécies foram transplantadas e dividas por categorias, entre elas citam-se algumas
medicinais (carqueja, quebra-pedra, pacová e arruda); aromáticas/condimentares (alecrim, alecrim-pimenta, hotelãvick e mirra; tóxicas (comigo-ninguém-pode, costela-de-adão, trombeta-dos-anjos) e; alimentícias não-convencionais
(cubiu, taioba e ora-pro-nobis). Este local, também se destinará como Pólo de Capacitação através de cursos e
oficinas sobre boas práticas de cultivo e manejo para a população, comerciantes, manipuladores e produtores de
plantas medicinais da região, promovendo assim a padronização, eficácia e segurança das drogas comercializadas e
utilizadas.
61
POTENCIAL LEISHMANICIDA DE ESPÉCIES VEGETAIS DA REGIÃO PRÉ
AMAZÔNICA: ASPECTOS DA ETNOFARMACOLOGIA E BIOPROSPECÇÃO
Santos, T. L. 1; Castro, A. T. O. 2; Ribeiro, M. N. S. 2; Nascimento, F. R. F. 1; Neiva, V. A. 2; Costa, G.C. 1; Freitas
Junior, L. M. 2; Amaral, F. M. M. 1,2
1
Laboratório de Imunofisiologia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal do
Maranhão, Avenida dos Portugueses s/n, Prédio do Integrado, Campus do Bacanga, CEP 65085-580, São
Luís, MA, Brasil, , tel.: +55 98 33018592; 2 Laboratório de Farmacognosia I, Departamento de Farmácia,
Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, UFMA
[email protected]
Introdução
Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) representa importante agravo à saúde pública, com alta prevalência,
especialmente no estado do Maranhão, Brasil. Dentre os municípios maranhenses um dos mais afetados é Buriticupu,
com expressivas taxas de morbi-mortalidade. No arsenal terapêutico constatamos a inexistência de droga ideal, com
comprovação de efeitos colaterais e moderada eficácia; exigindo investimento na pesquisa e desenvolvimento de
novos fármacos. A busca de compostos bioativos de origem vegetal representa alternativa promissora, exigindo
estratégias na definição de critérios para seleção de material para investigação científica. Nesse sentido, este estudo
objetivou realizar estudo etnofarmacológico sobre espécies vegetais empregadas em LTA no município de Buriticupu,
Maranhão; e, avaliar atividade leishmanicida das espécies utilizadas terapeuticamente pela população em estudo.
Metodologia
Na primeira etapa da investigação foram empregadas entrevistas estruturada e semi-estruturada para coleta de
dados etnofarmacológicos em amostra de conveniência, sendo selecionados pacientes atendidos em 2010 no
Núcleo de Medicina Tropical da Pré-Amazônia da Universidade Federal do Maranhão (NMTPA/UFMA), serviço
público de referência no tratamento de leishmaniose em Buriticupu, MA. Na segunda etapa, folhas de Stachytarpheta
cayennensis (Rich.) Vahl. (gervão) e Capsicum frutescens L. (pimenta malagueta), coletadas em habitat natural, foram
secas, moídas e submetidas à maceração em etanol a 70%, seguido da determinação do rendimento e avaliação
da atividade leishmanicida in vitro. As promastigotas de Leishmania amazonensis foram cultivadas em presença de
500, 250, 125, 62,5, 31,25 e 15,62 μg/mL dos extratos de S. cayennensis e C. frutescens por 24 horas e calculada a
concentração inibitória do crescimento (IC50).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados, discussão e conclusão:
62
Dentre os entrevistados com LTA no NMTPA/UFMA, 79,3% referiram conhecer alguma espécie vegetal no
combate a doença. Stachytarpheta cayennensis e Capsicum frutescens foram as espécies vegetais mais citadas pelos
entrevistados, predominando uso das folhas, submetidas a maceração em água e álcool, aplicadas sobre as lesões.
Quanto à inibição de crescimento de promastigotas de L. amazonensis viáveis após 24h, os extratos hidroalcoólicos
das folhas de S. cayennensis e C. frutescens apresentaram IC50, respectivamente, de 44,69 μg/mL e 136,72 μg/mL,
indicando moderada atividade leishmanicida in vitro. A abordagem etnofarmacológica pode ser empregada como
ferramenta útil na seleção de material vegetal para investigação da atividade leishmanicida, indicando S. cayennensis
e C. frutescens como espécies com efeito inibitório significativo contra formas promastigotas de L. amazonensis.
Financiamneto: CNPq
PERSPECTIVA DE IMPLANTAÇÃO DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS NO
SISTEMA ÚNICO E SAÚDE  SUS, DA VILA DE MARUDÁ, NO LITORAL DO PARÁ,
A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE MULHERES “ ERVA VIDA”
MONTEIRO M. M.1, BARBOSA W.L.R.2 Médica, Mestre,
Profª do Curso de Medicina da Universidade do Estado do Pará/Brasil Farmacêutico,
Doutor Profº do Curso de Farmácia da
Universidade Federal do Pará/Brasil
[email protected]
Introdução
A perspectiva da implantação da opção terapêutica com plantas medicinais no Sistema Único de Saúde-SUS, na vila
de Marudá, no litoral nordeste do Pará, a partir da experiência de quinze anos, em etnofarmácia e etnomedicina, do
grupo Erva Vida, formado por mulheres que antes de serem erveiras, eram pescadoras artesanais, foi o objetivo desse
estudo. A crença nos efeitos terapêuticos das plantas medicinais resultou na conquista da autonomia de gênero
pelas mulheres erveiras, configurada no domínio da cadeia produtiva, que perpassa pelo manejo, produção, prescrição e comercialização de remédios elaborados com plantas medicinais. O saber popular sobre plantas medicinais,
transmitido pela cultura da conversa, entre as sucessivas gerações, foi revitalizado como alternativa terapêutica, na
comunidade amazônida de Marudá, produzindo conquistas sociais e econômicas para o Erva Vida.
Método
A experiência do Erva Vida foi trabalhada como estudo de caso, utilizando-se técnicas de levantamento qualitativo,
como entrevistas semi estruturadas, observação participante e rodas de conversa durante a pesquisa de campo, que
perdurou por 18 meses. Foi traçado um cenário de pesquisa que privilegiou o protagonismo da mulher, amazônida,
como detentora do saber popular sobre a ritualística e o conhecimento terapêutico das plantas medicinais. O referencial teórico prestigiou a boa bibliografia de autores regionais onde a temática é apresentada como um saber vivo
e interligado à comunidade amazônida ( BARBOSA,2009).
O estudo proposto gerou conhecimentos sobre: o uso rotineiro de plantas medicinais, pela comunidade nativa, na
cura de suas doenças; o vocabulário peculiar utilizado na identificação dos sintomas e das doenças; a ritualística empregada na plantação, colheita e preparo dos remédios, herdada em parte, segundo Furtado (1987) pelos primeiros
habitantes da vila de Marudá, os índios Tupinambás; a etnomedicina presente no local, na figura das benzedeiras,
consultadas e respeitadas por nativos e visitantes do local. Com seus chás, banhos e rezas, curam entre outros, a
chamada ”panema”, espécie de depressão que acomete os pescadores artesanais. A demanda do uso de plantas medicinais como alternativa terapêutica, motivou a construção do memento fitoterápico - ferramenta necessária por
conter informações úteis ao prescritor oficial do SUS - que elenca: as plantas medicinais regionais mais utilizadas pela
comunidade local, as partes dos vegetais utilizadas, o modo de elaboração e a posologia dos remédios. A experiência
do Erva Vida gerou crescimento sócio-econômico, autonomia e visibilidade para as mulheres pescadoras-erveiras, a
partir do saber popular sobre o uso de plantas medicinais.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultado e Discussão
63
FARMÁCIAESCOLA UNIVATES: UMA PROPOSTA PARA A PROMOÇÃO DO
USO RACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS
1
Dall’Agnol R.1,2, Kauffmann C.1,2, Souza J.2, Castro L.C.1,2, Amaral R.E.1,2,
Nonnenmacher F.1,2, Santos S.I1
Curso de Farmácia, Graduação, UNIVATES, 95900-000, Lajeado, RS, Brasil.
2
Farmácia-Escola, UNIVATES, 95900-000, Lajeado, RS, Brasil.
[email protected]
Introdução
A Organização Mundial da Saúde (OMS) tem estimulado, através de suas agendas de saúde, a prática da medicina
tradicional como forma de proporcionar o acesso à saúde para toda a população. Tal fato tem encontrado reflexos
positivos nas políticas de saúde de vários países, entre eles o Brasil que, por meio da Política Nacional de Plantas
Medicinais e Fitoterápicos, incorporou recentemente a Fitoterapia às práticas terapêuticas oferecidas pelo Sistema
Único de Saúde (SUS). Considerando-se que a Farmácia-Escola UNIVATES, no momento do início de suas atividades,
será encarregada da manipulação e dispensação de medicamentos fitoterápicos aos usuários do SUS no município
de Lajeado, o curso de Farmácia do Centro Universitário UNIVATES, assumindo sua função de espaço de formação
profissional e, reconhecendo o significado dos fitoterápicos como recursos terapêuticos de importância similar a dos
medicamentos convencionais ou sintéticos, propôs-se a desenvolver uma série de trabalhos visando a promoção da
prescrição, dispensação e uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos. O presente trabalho tem como objetivo
apresentar as atividades atualmente desenvolvidas por professores e alunos do curso de Farmácia envolvidos na
criação da Farmácia-Escola bem como no estabelecimento das propostas de atividades a serem desenvolvidas
através da mesma.
Métodos
O trabalho envolve a descrição das atividades, desenvolvidas por acadêmicos e professores do curso de Farmácia,
vinculadas à Farmácia-Escola UNIVATES, relacionando as mesmas à promoção do uso racional de plantas medicinais
e fitoterápicos. Além da descrição das atividades em andamento, propostas de atividade s a serem desenvolvidas
futuramente também são consideradas bem como o estabelecimento e discussão das perspectivas e expectativas
decorrentes destas iniciativas
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
64
Este trabalho reflete o início de um projeto destinado à coleta de informações e à promoção do uso racional de
plantas medicinais e fitoterápicos a ser desenvolvido e mantido pela Farmácia-Escola UNIVATES. Tal iniciativa
vai de encontro a uma demanda crescente por profissionais capacitados para o exercício de suas habilidades no
atendimento ao paciente. Nesse sentido, a formação de profissionais qualificados e alinhados com o conceito de
fitoterápico como medicamento é um desafio a ser assumido, exigindo um comprometimento permanente por
parte da comunidade acadêmica. Este é, portanto, um trabalho em desenvolvimento e será mantido enquanto
houver a necessidade e o interesse dos profissionais envolvidos tanto na elaboração quanto na utilização das mesmas
durante a prática profissional.
CONHECIMENTO LOCAL SOBRE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE A POPULAÇÃO
DO VALE DO JURUENA, AMAZÔNIA LEGAL, MATO GROSSO, BRASIL
Martins D.T.O.1 Albuquerque U.P.2, Oliveira D.O. 1, Souza D.S. 1, Ribeiro, A.B.1, Januário-Santos,
A.B.S.1, Pereira L.O.M. 1, Bieski I.G.C.1,
1
Departamento de Ciências Básicas em Saúde, Faculdade de Medicina da
Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, Brasil.
2
Departamento de Biologia, Laboratório de Etnobotânica Aplicada,
Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, PE, Brasil
[email protected]
Introdução
A Amazônia foi considerada pela UNESCO em 2000, Patrimônio da Humanidade. Representa mais da metade das
florestas tropicais remanescentes no planeta, sendo a mais biodiversa floresta tropical do mundo. É um dos seis
grandes biomas brasileiros, ocupando 49,29% do território e abrange três (Norte, Nordeste e Centro-Oeste) das cinco
divisões regionais do país, sendo o maior bioma terrestre de Mato Grosso (54%). O presente estudo visa determinar
quantitativamente o conhecimento de plantas medicinais da população do Vale do Juruena, Amazônia Legal, Mato
Grosso, Brasil.
Metodos
Os dados etnobotânicos dos 393 informates, selecionados ao acaso num estudo de corte transversal, foram coletados
pela aplicação de formulário semi-estruturado, aos moradores do Vale do Juruena, no período de dezembro/2010 à
janeiro/2011. A homogeneidade de conhecimento entre os informantes e as espécies de plantas medicinais utilizadas
e de maior importância para as diferentes categorias de doença, foram determinadas, utilizando a Importância
Relativa (IR) e o Fator de Consenso do Informante (FCI).
Trezentos e vite sete plantas medicinais, usadas em 305 diferentes, onde 20 espécies alcançaram IR >1,0, com destaques
para Arrabidea chica (H. B. K.) Verlot e Mentha piperita L., ambas com IR=2,0. A categoria de doença que alcançou o
maior valor de FCI foi a perinatal (FCI=0,94), tendo a Bidens pilosa L. como a espécie mais citada para tratar icterícia,
nesta categoria. Transtornos mentais e comportamentais foi a segunda categoria de uso mais relevante com FCI=0,84,
tendo a Lippia alba (Mill.) N.E.Br.ex Britton & P. Wilson como a principal espécie usada como calmante. Problemas
do sistema respiratório foi a terceira categoria de doenças, com FCI=0,82, onde Mentha pulegium L. foi a espécie mais
usada para gripe. A grande variedade de plantas medicinais e suas principais aplicações em humanos refletem o rico
conhecimento etnomedicinal da população do Vale do Juruena. Os resultados mostram que o conhecimento sobre
plantas medicinais é distribuido não são homogeneamente entre a população do Vale do Juruena. Essa população
dispõe de plantas medicinais para a maioria das categorias de doenças, com maiores concordancias para problemas,
perinatais, mentais e comportamentais e respiratórios.
Agradecimentos: CNPq, FAPEMAT, UFMT, CPP, INAU/MCT.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultado/Conclusões
65
CONHECIMENTO LOCAL SOBRE PLANTAS MEDICINAIS DA REGIÃO
DO PANTANAL DE POCONÉ, MATO GROSSO, BRASIL
Bieski I.G.C.1*, Espinosa M.M.2, Januário-Santos, A.B.S1, Oliveira R.M.1, Monteiro J.F.A.1, Fernanda Holland
F. Araújo M.A.F1, , Martins D.T.O1,
1
Departamento de Ciências Básicas em Saúde,
Faculdade de Medicina, UFMT, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil
2
Departamento de Estatística, Instituto de Ciências Exatas e da Terra,
UFMT, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil
[email protected]
Introdução:
O conhecimento e o uso de plantas medicinais vêm se perpetuando ao longo da história e renasce fortemente
no final do século XX, amparados nos avanços da medicina e da química modernas e no rápido desenvolvimento
da biotecnologia e da biologia molecular, propiciando o lançamento de novos bioprodutos fitoterápicos e/ou
fitofármacos. O Pantanal não só se caracteriza pela sua exuberante biodiversidade, constituída por um complexo
vegetacional, como também pela rica etnocultura oriunda das comunidades tradicionais que lá habitam. O presente
estudo visa determinar quantitativamente o conhecimento de plantas medicinais da população do Vale do Juruena,
Amazônia Legal, Mato Grosso, Brasil.
Métodos:
Os dados etnobotânicos dos 262 informates, selecionados ao acaso num estudo de corte transversal, foram coletados
pela aplicação de formulário semi-estruturado, aos moradores do Vale do Juruena, no período de novembro/2009
à fevereiro/201o. A homogeneidade de conhecimento entre os informante e as espécies de plantas medicinais
utilizadas e de maior importância para as diferentes categorias de doença, foram determinados, utilizando o indice
de Importância Relativa (IR) e o Fator de Consenso do Informante (FCI).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões:
66
Foram citadas 376 espécies de plantas medicinais, pertencentes a 285 gêneros e a 102 famílias, com destaque para
Fabaceae (10,2 %), com 42 espécies. As plantas citadas abrangem 18 das 20 categorias de doenças. A IR das espécies
variaram entre 0,17 a 1,87, sendo a Himatanthus obovatus (Müll. Arg.) Woodson de maior IR (1,87). A categoria de
doença que alcançou o maior valor de FCI foi a categoria relacionada às lesões, envenenamento e algumas outras
conseqüências de causas externas (FCI=0,78), sendo, Scoparia dulcis L., a planta mais citada nessa categoria de
doença, principalmente para o tratamento de fraturas ósseas (IR=1,5). Os resultados indicam relevância significativa
da biodiversidade vegetal e etnocultural existente no DNSAC servindo como banco de dados para futuros estudos
da cadeia de desenvolvimento sustentável de plantas medicinais, com potencial uso para desenvolvimento de
bioprodutos de interesse farmacêutico.
Palavras-chave: Plantas medicinais, etnobotânica, importância relativa, fator de consenso, Pantanal e Poconé,
Agradecimentos: CNPq, FAPEMAT, UFMT, CPP, INAU/MCT e SMS/POCONÉ.
LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS NA
AMAZÔNIA LEGAL, VALE DO JURUENA, MATO GROSSO, BRASIL
Bieski I.G.C.1, Albuquerque U.P.2, Mafioleti L.1, Joazeiro S.S. 1Silva A.O.1,
Silva T.C1., Balogun S.O1., Martins D.T.O.1
1
Departamento de Ciências Básicas em Saúde, Faculdade de Medicina da
Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, Brasil
2
Departamento de Biologia, Laboratório de Etnobotânica Aplicada,
Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.
[email protected]
Introdução:
O Brasil é o país detentor da maior diversidade biológica e cultural da Terra, tendo a maior floresta tropical, a
Amazônia. Os vários grupos sociais existentes possuem vasto conhecimento tradicional sobre as diferentes formas
de aproveitamento e manejo dos recursos naturais, principalmente sobre as espécies vegetais. Realizar levantamento
etnobotânico das espécies vegetais utilizadas como medicinais pela população dos municípios do Vale do Juruena,
Mato Grosso, Brasil.
Métodos:
Tratou-se de um estudo etnobotânico, de corte transversal, envolvendo 393 informantes com idade ≥ 18 anos,
sorteados aleatoriamente das Unidades Básicas de Saúde dos 7 municípios que compõem o Vale do Juruena,
localizado na região Norte de Mato Grosso (Aripuanã, Brasnorte, Colniza, Castanheira, Cotriguaçu, Juína e Juruena).
Utilizou-se formulário semi-estruturado, composto de três partes: sócio-demográfica, etnobotânica e farmacêutica,
aplicado aos moradores (um por domicílio), sorteados aleatoriamente, no período de dezembro 2009 a janeiro 2011.
Resultados e Discussão/Conclusões:
Observou-se que 93,0% afirmaram utilizar plantas medicinais no autocuidado à saúde. As mulheres citaram mais
plantas, com um mínimo de 1 citação e o máximo de 86 plantas e os homens com no mínimo de 1 e máximo de 81
citações, num total de 3.764 citações, resultando em 327 espécies vegetais, pertencentes a 254 gêneros e 89 famílias.
Maior representatividade foi registrada para a família Asteraceae (9,2%), espécies nativas do Brasil (61%) e herbáceas
(41%). A população que habita o Vale do Juruena utiliza uma ampla variedade de plantas medicinais com potencial
fitoterápico e/ou fitofármaco.
Palavras-chave: Plantas medicinais, etnobotânico, Vale do Juruena, Mato Grosso, Amazônia Legal.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Agradecimentos: CPP, INAU, CNPq e FAPEMAT
67
CADEIA PRODUTIVA DE BIOPRODUTOS.
1
Costa, R. C.1,
Laboratório de Estudos Sociais - LAES,INPA,Manaus, AM, Brasil.
[email protected]
Introdução
A lógica dos mercados fez da biodiversidade uma mercadoria, utilizando técnicas/tecnologias é agregado valor para
sua inserção nos mercados com forte propaganda e marketing de saúde, beleza e preservação da floresta. A base
da mercadoria é oriunda da diversidade vegetal e está envolvida em diferentes escalas e circuitos econômicos de
diferentes mercados, seja farmacêutico, nutracêutico, cosméticos, alimentícios, entre outros. A relação sociedadenatureza é um dos aspectos da formação sócio-espacial local, nesse conjunto de interações a natureza ligada aos
mercados ou de algumas partes da natureza por algum setor do mercado e da sociedade são utilizados no processo
de formação do lucro. As estruturas (sociais, econômicas, políticas, culturais, entre outras) internas e externas e seus
processos são o que fazem a diferenciação de área, isto é, o fato de uns terem e outros não, mas especificamente
estamos nos referindo aos diferentes acessos e usos que o mercado direciona gerando, não raro, desigualdades sociais.
Método
O fundamento desse trabalho é a análise do circuito espacial produtivo do bioproduto e suas territorialidades e
estrutura produtiva cuja gravitacionalidade está em Manaus, capital do estado do Amazonas, lugar de decisão
política, de maior concentração de capital e de acesso à circuitos maiores de economia, de política e do poder. Para
isso, foi utilizado a formação social como teoria e método.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
68
Esse mercado tem diferentes níveis escalares, o que mostra que a territorialização do bioproduto ocorre de forma
heterogênea em diferentes espaços. O desenvolvimento técnico-científico é parte constituinte do bioproduto,
pois sem a biotecnologia não há o valor de uso dessa mercadoria. E para isso exige-se conhecimento fitoquímico,
biotecnológico, agrícola e farmacológico. Dessa forma, a bioindústria de Manaus se encontra em crescimento
econômico, mas ainda tem dependência de outros estados brasileiros, entre eles, São Paulo. E as empresas de
São Paulo não possuem um monopólio de mercado em relação ao bioproduto. O Estado se apresenta como um
agente espacial primordial para a movimentação desse mercado, pois em Manaus, com poucos investimentos, as
bioindústrias precisam dos mecanismos de divulgação da mercadoria em feiras, organizadas por órgãos do Estado
ou de contribuição para a instalação da empresa nos Distritos Industriais organizados territorialmente na cidade. As
empresas não realizam investimentos em melhoria dos seus produtos, muitas vezes esperando que as universidades
ou institutos de pesquisas realizem as pesquisas de forma gratuita para elas. Algumas aceitam participar em projetos
científicos, como os financiados pela FINEP, sendo ainda uma raridade. Há um pequeno avanço neste sentido
observado nos últimos anos pela indústria brasileira, pois enquanto a indústria não investir em pesquisa, não terá
novos produtos.
Financial Support: CNPq
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS COMERCIALIZADAS
EM UM MERCADO PÚBLICO DE FORTALEZACE.
1
Fernandes-Vieira V.M.S.1, Bandeira M.A.M.1,2, Fonteles M.M.F.1,2
email para correspondência - [email protected]
Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal do Ceará, UFC, Fortaleza, CE, Brasil.
2
Departamento de Farmácia, Universidade Federal do Ceará, UFC, Fortaleza, CE, Brasil.
Introdução
Entre os elementos que compõem a biodiversidade brasileira, as plantas são a matéria-prima para a fabricação de
medicamentos caseiros utilizados em práticas populares conhecidas como medicina tradicional, a qual, segundo
a Organização Mundial de Saúde, é definida como a soma dos saberes e experiências próprias de uma cultura,
utilizada para prevenir, tratar e curar doenças físicas e mentais. Na região Nordeste, o uso de plantas medicinais como
prática terapêutica está difusamente presente nas famílias, incorporando um misto de crendice e fé. Nesse contexto,
encontram-se os herbanários, figuras marcantes em mercados públicos, atuando como orientadores do uso e do
preparo das plantas, conservando a tradição secular da transmissão oral dos saberes populares. A Etnobotânica
surge como mediadora entre os discursos científico e tradicional, já que estuda o conhecimento e as conceituações
desenvolvidas por qualquer sociedade a respeito do mundo vegetal. O presente trabalho tem como objetivo levantar
informações sobre o uso medicinal de plantas e a importância relativa desses recursos em um mercado público do
nordeste brasileiro.
Métodos
Realizou-se um estudo observacional, descritivo e exploratório com os herbanários cadastrados no Mercado
São Sebastião, em Fortaleza-CE, durante o mês de fevereiro de 2011. Aplicou-se um questionário dividido em
três blocos temáticos: dados sócio-econômicos; sobre o mercado público e sobre as plantas comercializadas por
estabelecimento. Para cada espécie citada, calculou-se a importância relativa (IR) com base na proposta de Bennett
e Prance, a qual aponta a planta mais versátil como a mais importante do mercado (valor máximo atribuído à IR=2).
O questionário foi respondido por 7 dos 11 herbanários que trabalham no local. Os participantes assinaram um
termo de consentimento livre e esclarecido de acordo com a Resolução CNS nº196/96. Este estudo foi aprovado pelo
Comitê de Ética em Pesquisa da UFC.
Foram mencionadas 55 plantas. Avaliando as propriedades terapêuticas referidas, a planta medicinal mais versátil do
mercado foi o Eucalipto (Eucalyptus tereticornis), apresentando 6 indicações: expectorante; tratamento de sinusite;
bronquite; tosse; cansaço e febre. Em relação ao tratamento de sistemas corporais, a mais versátil foi a Aroeira-doSertão (Myracroduon urundeuva), apresentando 5 indicações: sistemas respiratório; digestivo; geniturinário; pele e
tecido subcutâneo e dores não definidas. Após a identificação das espécies mais versáteis, calculou-se a IR de cada
planta, sendo as que apresentaram maiores índices: Angico (Anadenanthera colubrina) IR=1,80 e a Aroeira-do-Sertão
(Myracroduon urundeuva) IR=1,66. Ambas são espécies nativas do bioma Caatinga, ricas em tanino, conferindo
as propriedades antiinflamatória, cicatrizante e antimicrobiana. Dessa forma, evidenciou-se um sistema médico
compartilhado pela maioria dos herbanários dentro do mercado, chamando a atenção para o reconhecimento de
práticas populares tradicionais.
Suporte Financeiro: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
69
CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS PELOS USUÁRIOS
DA UNIDADE MISTA ITAQUIBACANGA, SÃO LUÍSMA  BRASIL
Silva l.A.C1., Barroso w.A.1, Lima c.C.C.F1, carvalho, l. S 1, araújo w.R.M1, barros c.S.1, Pereira r.R.1, Vilanova
c.M.1 ¹Discente do curso de farmácia, universidade federal
Do maranhão, ufma, são luís, ma, brasil 2Docente do departamento
de farmácia, universidade Federal do maranhão, ufma, são luís, ma, brasil
[email protected]
Introdução
O uso de plantas medicinais é considerado uma das primeiras formas de cuidado da saúde usada pela espécie
humana. A partir do conhecimento e uso popular foram descobertos alguns dos principais medicamentos utilizados
na medicina tradicional. A organização mundial da saúde (oms) relata que cerca de 80% da população mundial faz
uso de algum tipo de erva na busca de alívio de agravos à saúde. São muitos os fatores que vêm colaborando para
o desenvolvimento de práticas de saúde que incluam plantas medicinais, principalmente econômicas e sociais. O
objetivo deste estudo foi verificar o conhecimento e uso popular de plantas medicinais pelos usuários da unidade
mista itaqui-bacanga, em são luís, ma, brasil.
Metodologia
O estudo foi realizado por meio de entrevistas, utilizando-se questionário estruturado e semi-estruturado após o
consentimento verbal dos participantes. Foram aplicados 44 questionários direcionados aos usuários da unidade
mista itaqui-bacanga. A pesquisa foi realizada no mês de junho de 2011. A análise dos dados foi feita com auxílio do
programa excel 2007.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
70
A maioria dos entrevistados tinha entre 40 e 68 anos de idade (56,81%) e eram do sexo feminino (68,19%). Foram
mencionadas 38 plantas usadas, sendo aqui relatadas as oito mais citadas: “boldo” (peumus boldus), “erva cidreira”
(melissa officinalis), “laranja” (citrus sinensis), “capim-limão” (cymbopogon citratus), “mastruz” (chenopodium
ambrosioides), “eucalipto” (eucalyptus globulus), “hortelãzinho” (mentha piperita) e “aroeira” (schinus terebinthifolius).
Entre as finalidades de uso, das 29 indicações, destacaram-se: dor de estômago (20,90%), calmante (11,81%), antiinflamatório (10,90%), gastrite (6,36%), febre (6,36%) e fígado (6,36%). Dos entrevistados, 54,54% apresentaram renda
familiar menor que um salário mínimo, justificando os 95,45% de utilização de plantas como tratamento de baixo
custo ou que não faça mal, pois 81,81 % afirmaram que o tratamento não faz mal e 79,54% não sentem nada ao
fazer o uso e que é sempre eficaz (79,55%). Ainda, 87,23% aprenderam sobre plantas medicinais com avós, pais e
tios, 65,90% usam há mais de dez anos e 50,88% das pessoas têm o hábito de cultivá-las no quintal de casa. Sobre o
preparo, 61,36% citaram o chá, revelando na maioria das vezes a utilização de forma errônea, já que o farmacógeno
usado mais citado foi as folhas (76,47%). Verificou-se que 95,45% compartilham a ideia de criar uma horta medicinal
comunitária. As observações populares sobre uso e eficácia de plantas medicinais contribuem de forma significativa
para a difusão das virtudes terapêuticas que produzem, no entanto, é necessário uma população melhor informada
quanto às formas de preparo e riscos de uso das plantas medicinais. A criação de uma horta comunitária traria este
benefício, pois seria um local para troca de informações e experiências, propagando a utilização correta de plantas
medicinais.
PERFIL DA DISPENSAÇÃO QUANTITATIVA DE XAROPES FITOTERÁPICOS
DO HERBÁRIO ÁTICO SEABRA NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍSMA
GOMES, Amora Fernanda Mendes¹; CARNEIRO, Bruno Santos¹;
RÊGO, Terezinha de Jesus Almeida Silva².
¹Acadêmicos de Farmácia. Programa de Extensão de Fitoterapia - UFMA
²
Profa. Dra. Terezinha de Jesus Almeida Silva Rêgo. Coordenadora
do Programa de Extensão de Fitoterapia - UFMA
*Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal do Maranhão.
[email protected]
INTRODUÇÃO
A utilização de plantas medicinais encontra-se em um território que favorece sua expansão pela busca de hábitos
de vida mais saudável, por ser economicamente mais acessível a todas as classes sociais, e principalmente, por estar
sendo utilizada com embasamento científico e, não mais, apenas através do conhecimento empírico. O Herbário
Ático Seabra da Universidade Federal do Maranhão disponibiliza serviços, à população, relacionados com plantas
medicinais que vão desde a consulta clínica, passando por orientações sobre plantas medicinais e visitas ao horto
medicinal, até a venda de medicamentos fitoterápicos. Onde a cada ano se observa maior procura por tais serviços.
OBJETIVO
Mencionar o crescimento da utilização de fitoterápicos na forma de xaropes, dispensados pelo Herbário Ático Seabra da Universidade Federal do Maranhão.
METODOLOGIA
Fez-se uso da documentação do registro de movimentação dos xaropes fitoterápicos entre os anos 2006-2009, contabilizando todas as espécies vendidas a cada ano e extraindo por regra de três a porcentagem de crescimento a
cada ano.
CONCLUSÃO
Todos os quatro anos disponibilizaram do mesmo arsenal de xaropes fitoterápicos, constando 13 tipos diferentes
de xaropes. No ano de 2006, foram vendidos 4223 xaropes no total. No ano de 2007, foram vendidos 4954 xaropes
no total (apresentando crescimento de 17,31% em relação ao ano anterior). No ano de 2008, foram vendidos 6219
xaropes no total (apresentando crescimento de 25,53% em relação ao ano anterior). E por fim, no ano de 2009 foram
vendidos 7941 xaropes no total (apresentando crescimento de 27,69% em relação ao ano anterior).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
PALAVRAS-CHAVE: Xarope, fitoterápicos, Herbário Ático Seabra.
71
O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NO PROJETO DE
ASSENTAMENTO DO TARUMÃ  MIRIM MANAUSAM
Freitas, O Guilherme¹
¹ Laboratório de Estudos Sociais, Instituto Nacional de
Pesquisas da Amazônia, INPA, Manaus, AM, Brasil.
[email protected]
Introdução
O Projeto de Assentamento do Tarumã-Mirim foi formalizado pelo INCRA no ano de 1997 (Fonte: INCRA). Localizado no quilômetro 21 da BR 174, o PA possui 17 comunidades e uma grande diversidade em plantas medicinais.
Existe apenas um posto de saúde na comunidade do Pau Rosa e devido à falta de políticas públicas as outras comunidades não possuem posto de saúde e na maioria das vezes os moradores da região exercem seus costumes, entre
eles um costume milenar: o uso das plantas medicinais. Um conhecimento que na maioria das vezes foi aprendido
de geração em geração e cada vez mais vem perdendo força para a tecnologia do uso dos medicamentos farmacológicos. Na maioria das comunidades o uso de plantas medicinais é bem utilizado, encontram-se plantas como o Capim Santo (Cymbopogon densiflorus) que tem função de calmante e analgésico (Fonte: Moradora da região). Outra
planta popularmente conhecida é o Boldo (Peumus boldus) que é indicada contra dores no estômago, entretanto,
existe uma grande diversidade de plantas medicinais no local. De uma maneira mais ampla é um exemplo da relação
sociedade-natureza.
Métodos
O processo sobre o estudo de plantas medicinais foi feito por maio de entrevistas que o grupo de pesquisas fez em
nove comunidades do projeto de assentamento do Tarumã - Mirim. Na lógica da relação sociedade-natureza, isto é,
o uso da natureza pelas pessoas em seu cotidiano.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussões
72
O presente estudo buscou identificar o uso de plantas medicinais pelos moradores. Encontraram-se diversas espécies no local como: Arruda (Ruta Graveolens), Malva do Rei (Malva sylvestri),Manjericão (Ocimum Basilicum),
Noni (Morinda citrifolia), Anador (Rosmarinus Officinal), Pimenta (Piper Nigrum), Chicória (Chichorium Endivia), Malvarisco (Persea americana Mill), Embauba (Cecropia Pachystachya), Corama (Bryophyllum Calycinum), Vassourinha
(Scoparia Dulcis), Copaíba (Copaifera Landesdorffi), Jatobá (Hymenaea Courbari), Escada do Jabuti (Chelonoidis Carbonaria), Pau Rosa (Aniba Rosaeodora Ducke), Limão (Citrus Aurantifolia), Quebra Pedra (Phyllanthus Niruri), Elixir Paregórico (Piper Callosum), Mangarataia (Zingiber Officinalis Rosc), Jucá (Caesalpinia Ferrea Mart) e Mastruz (Lepidium
Virginicum). O presente estudo tem o objetivo de estudar as espécies encontradas e avaliar o uso destas plantas nas
unidades territoriais de trabalho familiar em decorrência do advento da tecnologia das indústrias farmacêuticas que
atualmente são a principal referência no mercado dos medicamentos. O uso de plantas sendo parte do cotidiano
deveria ter um apoio de políticas públicas ligadas principalmente á saúde.
Agradecimentos: Ao Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (CNPq) pelo financiamento da
pesquisa.
ASPECTOS ETNOBOTÂNICOS DA RELAÇÃO ENTRE COMUNIDADES
URBANAS E A PALMEIRA BABAÇU EM TERESINAPI.
1
Pinheiro, r. J de j.1; Carvalhaes, m. A.2
Instituto federal do piauí-ifpi, campus teresina-central.
2
Embrapa meio-norte.
[email protected]
Introdução
Encontrado principalmente em estados do meio-norte brasileiro, o babaçu (Attalea speciosa Mart. ex Spreng), é uma
espécie vegetal de expressiva importância econômica e cultural no Piauí. O extrativismo desta palmeira é hoje uma
das mais importantes atividades para as famílias de baixa renda, que retiram da espécie sua renda, parcial ou total,
representando uma importante alternativa econômica, sendo a amêndoa o produto comercial não madeireiro mais
comercializado no Brasil. Considerando a escassez de estudos sobre a interação do babaçu com populações urbanas,
visou-se neste trabalho avaliar a interação entre os extrativistas e o babaçu em área urbana da capital piauiense,
atentando para a importância da espécie bem como suas utilidades.
Material e Métodos
O estudo foi realizado na zona urbana do município de Teresina, na área pertencente EMBRAPA Meio Norte. Há 12
anos, moradores da Associação do Bairro Buenos Aires têm o direito de explorar os recursos vegetais presentes nas
áreas de vegetação secundária nos limites do centro de pesquisa, sendo o babaçu a espécie mais importante nesse
contexto. Dessa forma a Embrapa Meio-Norte garante à população dos bairros vizinhos o livre acesso às palmeiras
babaçu, adotando o principio do babaçu livre. Aplicou-se um questionário sócio-econômico semi-estruturado, e
outro estruturado com questões mistas objetivando entender a importância e a utilização da espécie junto aos
extrativistas que trabalham diretamente com a coleta e manufatura do babaçu.
Foram entrevistados 14 associados com idade entre 40 e 65 anos, sendo uma parcela significativa destas (35%) de
analfabetos e beneficiados por algum tipo de auxílio governamental (37%). Quase metade destes (43%), afirmaram
ter aprendido a coleta e quebra de coco na infância, com os pais e portanto a atividade extrativista desenvolvida
hoje em dia na cidade de Teresina representa um resgate de suas histórias de vida, de sua cultura. Para uma parcela
significativa (64%) a etapa mais difícil de ser realizada é a coleta e o transporte do fruto. Apesar de ser realizada de
forma rudimentar, com machado, uma parcela menor considerou como etapa mais difícil a quebra do coco (22%).
Da amêndoa, citada como a parte mais utilizada, se retiram o leite e o azeite, esta atividade foi considerada difícil por
14% dos entrevistados. Foi apontado o uso medicinal do azeite proveniente das amêndoas na cicatrização de feridas,
das folhas no estancamento sanguíneo, da massa do mesocarpo no tratamento de doenças como câncer, úlceras,
diabetes e inflamações e da casca no tratamento de gripes e resfriados. Além disso, foram descritos também os usos
da folha na confecção de coberturas de casas e abanos e do caule na produção de adubo orgânico. Estes resultados
indicam a importância sócio-econômico-cultural da palmeira babaçu mesmo em áreas urbanas e deixa claro que
independente do grau de urbanização, esta atividade contribui de maneira positiva para o desenvolvimento e renda
da população de baixa renda no Piauí.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussões
73
ENTOMOTERAPIA NO MUNICÍPIO DE CRATO, CEARÁ, NORDESTE DO BRASIL
Oliveira O.P.1*, Teles D.A.2, Araújo Filho J.A.2, Sousa J.G.G.2, Sales D.L.1, Almeida W.O. 3;
1
Programa de Pós-Graduação em Bioprospecção Molecular,
Universidade Regional do Cariri - URCA, Crato, CE, Brasil.
2
Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Regional do Cariri - URCA, Crato, CE, Brasil.
3
Departamento de Química Biológica, Universidade Regional do Cariri - URCA, Crato, CE, Brasil.
[email protected]
Introdução
Através dos tempos as populações humanas têm criado diversas interações com os insetos. Dentre estas relações,
destaca-se a entomoterapia, que trata-se do uso medicinal de insetos e seus subprodutos como recursos para o
tratamento ou prevenção de enfermidades. A entomoterapia, assim como outras práticas e conhecimentos
tradicionais, é transmitida culturalmente, geração após geração como resultado de conhecimentos acumulados e
de troca de informações e experiências. Nesta prática os insetos são utilizados vivos, cozidos, em partes, moídos, em
chás ou em pomadas, visando o tratamento de inúmeras doenças. Neste contexto, o estudo científico de práticas
entomoterapêuticas pode oferecer importantes informações para impulsionar a descoberta de novos fármacos a
partir da comprovação científica da eficácia de seus compostos, como também subsídios para a conservação da
fauna, pois as espécies usadas para fins terapêuticos, em sua grande maioria, são animais silvestres, sendo necessária
a exploração intensa de suas populações ou sua morte para fins medicinais. O objetivo deste trabalho foi inventariar
os insetos utilizados na entomoterapia local.
Material e Métodos
O presente estudo foi realizado no município de Crato (07° 14’ 02” S 39° 24’ 32” W ), estado do Ceará, Nordeste
do Brasil e foram entrevistados 17 pessoas através da técnica “bola de neve” (snowball). A importância relativa do
conhecimento para cada espécie foi calculada através de um método quantitativo chamado Valor de Uso (VU)
(adaptado de Phillips et al., 1993) que relaciona o número de citações de cada espécie e o número de informantes.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
74
Foram registradas 06 espécies de insetos usados na medicina tradicional neste município, apresentando o seguinte
valor de uso: Apis mellifera (abelha-italiana) VU igual a 0.29, Melipona scutellaris (uruçu), M. subnitida (jandaíra) e
Tetragonisca angustulata (jataí) com VU de 0.23. A Solenopsis saevissima (formiga) e Acheta domesticus com VU igual
a 0.05. As espécies relacionadas são indicadas para o tratamento de doenças do aparelho respiratório e visão. Das
abelhas utiliza-se o mel para o combate de gripes, tosses e resfriados. A formiga pode ser ingerida viva para problemas
na visão e, por sua vez, do grilo é ingerido somente as patas para falta de ar. Estudos que visem essa temática são
imprescindíveis visto que conhecimentos sobre entomoterapia podem subsidiar ações conservacionistas e de manejo
na região estudada, bem como impulsionar a descoberta de novos fármacos se comprovada a eficácia científica de
seus compostos.
Suporte financeiro: Funcap
KNOWLEDGE LOST? COMMERCE OF NATIVE
MEDICINAL PLANTS IN POPULAR MARKETS
Brandão M.G.L1, Vasconcelos A.S. 1, Grael C.F.F. 2, Fagg C.W. 3
DATAPLAMT, Museu de História Natural e Jardim Botânico & Laboratório de Farmacognosia, Faculdade
de Farmácia, Universidade Federal de Minas Gerais, 30180-010, Belo Horizonte, Brazil; 2 Departamento de
Farmácia, Universidade dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, Brazil, 3Faculdade de Ceilandia
& Departamento de Botânica, Universidade de Brasília, Brasília, Brazil.
[email protected]
1
Introduction
The Brazilian flora represents one of the world’s richest sources of material for pharmacological use, owing to the
mega-diversity and cultural traditions. For decades several native medicinal species have been used by pharmaceutical
companies in Brazil to create commercial products. However, very often these preparations may not meet the
minimal standards of the WHO recommendations for products for traditional use and new sanitary rules led to
these products being discontinued. In a previous study we show the beneficial consequences of these situation on
the use and conservation of the native plants, especially those described in the 1st Edition of the Brazilian Official
Pharmacopoeia (1926). In the present study we have verified if these species are still commercialized in popular
markets from different regions of Brazil.
Methods
Surveys were performed from July 2001 to June 2011 in markets of 14 cities: Boa Vista (RR), Manaus (AM), São Félix
do Xingu (PA), São Luis (MA), Salvador (BA), João Pessoa (PB), Recife (PE), Belo Horizonte (MG), Montes Claros
(MG), São Paulo (SP), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR), Brasília (DF) and Campo Grande (MS). In each market, samples
of 39 different species were collected using their popular names. The samples, acquired as vegetal drugs (dried
seeds, flowers, fruits, leaves, roots and rhizomes), were transported to the laboratory and submitted to botanical and
chemical analysis for authentication. In several cases, the samples were not authenticated because the commercialized
part does not correspond to that described in FBRAS. The results were then compared with other 30 similar studies,
performed from 1920 to 2011.
A total of 272 samples of the 39 species were acquired in the markets. From these, only 11 species (28,2%) had
all their samples authenticated by laboratory analysis: guaraná (Paullinia cupana, 16 samples), sucupira (Pterodon
emarginatus, 15), macela (Achyrocline satureoides, 14), copaíba balsam (Copaifera spp., 10), mate (Ilex paraguariensis,
9), carqueja (Baccharis trimera, 7), capeba (Pothomorphe umbellata, 4), sabugueiro (Sambucus australis, 4), chapéude-couro (Echinodorus sp., 3), quassia (Picrasma sp., 2) and carapia (Dorstenia sp., 2). No sample in 22 other species
was authenticated. The 18 samples of catuaba and 15 of jaborandi, for example, do not correspond to species
of Amenopaegma or Pilocarpus, described in FBRAS. For 8 samples of jurubeba (Solanum paniculatum) and 7 of
cajueiro (Anacardium sp.) leaves were sold while FBRAS described only the use of roots and wood, respectively.
The bibliographic review has shown that many species not found now in markets from some cities were already
commercialized there before 1970. The study showed a strong change in knowledge, use and commerce on native
medicinal plants in Brazil.
Financial Support: FAPEMIG and CNPq
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
75
SABER MEDICO TRADICIONAL: ACTITUDES Y PRÁCTICAS SOBRE LA
MALARIA DE LOS SABEDORES DEL VAUPES MEDIO, COLOMBIA
Ramírez M.O1, 2, Cardona N.F.3, Pabón V.A2, Blair T.S2, Sabedores Vaupés Medio4
1
Estudiante de Maestría de la etnia Cubeo
2
Grupo de Investigación Malaria, Universidad de Antioquia Medellín, Colombia.
3
Grupo de Investigación Estudios Botánicos, Universidad de Antioquia Medellín, Colombia.
4
Grupo sabedores Vaupés Medio
[email protected]
Introducción
La Malaria permanece como una de las enfermedades parasitarias más importantes del mundo afecta a cientos
de millones de personas y causa hasta tres millones de muertes anualmente. Unas de las causas que ha ayudado al
aumento de la mortalidad son las dificultades en el acceso al tratamiento, la perdida de confianza de los jóvenes
sobre el conocimiento tradicional para su tratamiento, por el proceso de aculturación al cual están sometidas las comunidades indígenas. En este contexto el saber ancestral sobre el uso de plantas para tratar esta enfermedad, es una
fuente importante de alternativas terapéuticas en las regiones donde no hay acceso a los medicamentos. Teniendo
en cuenta la coexistencia de 23 grupos étnicos en el departamento del Vaupés (Colombia) y la acumulación a través
de la historia de los conocimientos tradicionales sobre el uso medicinal y la fragilidad de la pérdida de este saber y
el interés manifiesto por las comunidades al grupo de investigación malaria de querer conservar el conocimiento
ancestral sobre la malaria, por tal razón, se realizó un estudio etnomedico en diez comunidades del Vaupés Medio,
con ellos se implementó la metodología de entrevistas semiestructuradas para recopilar los conocimientos tradicionales sobre la Malaria. El propósito es, contribuir a la conservación del conocimiento tradicional sobre la malaria, al
explorar como es concebida, quienes manejan los conocimientos tradicionales y cuáles son los métodos preventivos
y curativos que conservan para combatir este mal, y recopilar la información en una cartilla para ser usadas en las
comunidades.
Métodos
Se realizaron entrevistas semiestructuradas a 25 colaboradores de diez comunidades del Vaupés medio, con el fin de
recopilar la información sobre la concepción de la enfermedad de la malaria.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión / conclusiones
76
Los 25 sabedores elegidos en diez comunidades del Vaupés medio, nos muestran la conceptualización holística e integradora de sus conocimientos sobre la malaria y la importancia de las cosmovisiones para sus representaciones de
la naturaleza. En este estudio se realizaron registros para entender la concepción nativa de la malaria, en este contexto
el concepto de enfermedad son representaciones y creencias específicas acerca de la naturaleza del ser humano. El
concepto de la Malaria no se restringe a la relación entre individuos y su propio cuerpo, involucra una red social de
relaciones que incluyen entidades no humanas así como grupos étnicos diferentes.
Entre los grupos étnicos estudiados los orígenes de la malaria es debido a causas naturales influenciado con el ritual
del payé (chamán) y la manipulación de poder para hacer daño. Esta se puede considerar como la guerra de la brujería, es la consecuencia de conflictos entre parientes o de otros pueblos, también personajes de diferentes grupos
étnicos considerados enemigos, por lo tanto la muerte o enfermedad no es considerado por los grupos étnicos como
un mero hecho biológico.
FINANCIADO POR: COLCIENCIAS, PROGRAMA DE SOSTENIBILIDAD DE LA UNIVERSIDAD DE ANTIOQUIA.
EL APRENDIZAJE DE LA FITOTERAPIA BASADA EN
EVIDENCIA EN UNA UNIVERSIDAD MEXICANA
José F. Rivas-Vilchis, Rubén Román-Ramos, Jorge A. Cervantes-Reyes
Especialización en Acupuntura y Fitoterapia, División de Ciencias Biológicas y de
la Salud, Universidad Autónoma Metropolitana - Iztapalapa
San Rafael Atlixco 186, Iztapalapa DF, México 04390.
[email protected]
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
La enseñanza de la fitoterapia clínica requiere como elemento primario un marco teórico para el empleo de fitomedicamentos en los servicios médicos. Existen en el mundo diversas cosmovisiones y teorías médicas de las cuales
derivan reglas para el empleo de fitomedicamentos, destacan la medicina tradicional china, la medicina ayurvédica,
entre otras. En México, las plantas medicinales y los fitomedicamentos se emplean con diferentes enfoques, uno de
ellos es la medicina tradicional y popular mexicana que basa la utilización de las plantas medicinales en síndromes
de filiación tradicional. También en México son empleadas plantas medicinales de origen europeo traídas a América
por los invasores españoles en el siglo XVI. En la Universidad Autónoma Metropolitana dentro del curso de posgrado
Especialización en Acupuntura y Fitoterapia se enseña la fitoterapia con un enfoque diferente basado en el conocimiento que se tiene acerca de los mecanismos fisiopatológicos que son antagonizados por los fitomedicamentos.
En esta estrategia es necesario primero conocer a) los mecanismos básicos de lesión celular y tisular, y b) los mecanismos generales de daño orgánico. Respecto a los primeros tenemos como ejemplos los siguientes: estrés oxidativo,
disminución de acción vasodilatadora, alteraciones de la diferenciación celular, daño epitelial, daño endotelial, migración celular patológica, reparación celular y tisular patológica, carcinogénesis y fragilidad capilar. Respecto a los
mecanismos generales de daño orgánico mencionamos las siguientes deficiencias: inmunológica, de función renal,
función metabólica, de función hepática, de función excretora biliar, de función digestiva, de la función eliminatoria
y hemostática. El conocimiento empírico y académico actual sobre las indicaciones y acciones farmacológicas de
las plantas medicinales permite ahora hacer una selección y prescripción de los fitomedicamentos basada en el
antagonismo y reversión de las lesiones celulares y tisulares, así como de los mecanismos generales de daño que son
los componentes de las enfermedades. Lo anterior permite hacer una proceso de aprendizaje de la fitoterapia clínica
basada en evidencia empírica o experimental.
77
FITOTERÁPICOS TRADICIONAIS NO BRASIL
1
CARVALHO, A.C.B1, SILVEIRA,D.2
Coordenação de Medicamentos Fitoterápicos e Dinamizados,
Agência Nacional de Vigilância Sanitária
2
Faculdade de Farmácia, Universidade de Brasília
[email protected]
Introdução
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) tem com atribuição legal (definida pela Lei 9782/1999) autorizar o comércio de produtos que tenham interface com a saúde, dentre eles, os medicamentos, saneantes, alimentos,
cosméticos e produtos para saúde. Por ser uma agência reguladora não pode legislar, apenas regulamentar os assuntos legalmente instituídos no país pela Lei 6360/1976. O comércio de produtos não regulamentados pela ANVISA
no País constitui crime conforme prescrito pelo Código Penal. Desde 2006, com a publicação da Política Nacional
de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e a Política Nacional de Práticas Integrativas no Sistema Único de Saúde (SUS),
a ANVISA buscou adequar seus regulamentos, republicando ou criando oito novas normas, além de três consultas
públicas referentes a fitoterápicos. Porém, mesmo com essas modificações, uma grande parcela de produtos obtidos
de plantas medicinais ainda não foi contemplada, tais como os fitoterápicos elaborados em comunidades tradicionais, a agroindústria e os produtos da agricultura familiar. Considerando tal fato, a legislação internacional foi avaliada
para verificar se há regulamentação para produtos tradicionais em outros países e em que categoria os mesmos se
encontram.
Métodos
Foram avaliadas as normas para registro de fitoterápicos dos países e organizações seguintes: Argentina, Paraguai
(por fazerem parte do Mercosul, o Uruguai não possui regulamentação específica), México, Canadá e Comunidade
Européia.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussões/Conclusões
78
México, Canadá e Comunidade Européia possuem regras específicas para fitoterápicos tradicionais, todos regulados
na classe de medicamentos. Argentina e Paraguai não possuem classificações específicas, mas utilizam o uso tradicional para comprovar a segurança e eficácia de medicamentos fitoterápicos. Os dados que são utilizados nesses países
para comprovação de tradicionalidade abarcam referências na literatura científica e de uso tradicional, presenças em
farmacopéias, comprovação de registro prévio de produto similar (ou seja, obtido da mesma espécie vegetal) e pareceres de peritos que informem a segurança de uso do produto por um determinado período. Canadá e Comunidade
Européia estabeleceram listas de registro simplificado para algumas espécies vegetais de uso tradicional disponíveis
nos sítios eletrônicos de suas agências reguladoras, respectivamente, Health Canada e European Medicines Agency
(EMA). O Brasil possui, na sua legislação de registro de medicamentos fitoterápicos, a possibilidade de comprovação
de segurança e eficácia por tradicionalidade. Porém, esses produtos são enquadrados como medicamentos, tendo
que seguir regras rígidas de certificação de boas práticas de fabricação e autorização de funcionamento, aplicados a
qualquer medicamento a ser produzido no Brasil. Assim, a ANVISA precisa estabelecer uma nova categoria de produtos, fora da classe de medicamentos, ou ainda, dentro da classe de medicamentos, mas com critérios de liberação
mais brandos pro uso tradicional, porém, para tanto, precisa-se discutir se são necessárias modificações legais para
isso, ou se é possível prever essa modificação no nível dos regulamentos.
GRUPO DE FITOTERAPIA DO CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA:
CONTRIBUIÇÃO PARA OS AVANÇOS DA FITOTERAPIA NO BRASIL
Camargo E. E. S., Carvalho A. C. B., Luz Netto N., Bandeira M. A. M., Silveira D., Brandão M. G. L.
Grupo de Fitoterapia do Conselho Federal de Farmácia.
[email protected]
Introdução
O Conselho Federal de Farmácia (CFF), considerando a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos
(PNPMF) (Decreto no. 5813/2006) e a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde (SUS) (Portaria no. 971/2006) publicou a Resolução no. 477, de 28 de maio de 2008, que dispõe
sobre as atribuições do farmacêutico no âmbito das plantas medicinais e fitoterápicos. O farmacêutico é o profissional apto para atuar nesta área, considerando possuir na sua formação disciplinas que tratam do tema, como a Fitoterapia, a Farmacognosia e Farmacobotânica e, assim, “garantir à população brasileira o acesso seguro e o uso racional
de plantas medicinais e fitoterápicos”, objetivo da PNPMF. Para contribuir e assessorar o CFF na área de Fitoterapia,
por meio da Portaria no. 3, de 30 de janeiro de 2010, foi nomeado o Grupo de Trabalho de Fitoterapia. Nesse contexto, este grupo, entendendo que a ciência é um ponto estruturante da área de Fitoterapia, desenvolve trabalhos de
assessoramento à atuação farmacêutica de acordo com as necessidades de saúde da população brasileira.
Metodologia
O Grupo de trabalho se reúne mensalmente, por dois dias, para discutir e deliberar sobre assuntos pautados no CFF,
como respostas técnicas a questionamentos nacionais vindos da sociedade civil, órgãos reguladores, profissionais de
saúde, entre outros; avaliação de propostas de resoluções para melhor definição do âmbito farmacêutico; e organização de eventos que contribuem com a atualização na área de plantas medicinais e fitoterápicos.
Diversas respostas técnicas, tais como avaliação de programas televisivos, denúncias fiscais, correta atuação farmacêutica em estabelecimentos de plantas medicinais e fitoterápicos foram avaliadas. Na área de eventos, foram realizados três Simpósios de Assistência Farmacêutica em Plantas Medicinais e Fitoterápicos no Sistema Público de
Saúde no Brasil, como também a organização técnica e administrativa do XX Congresso Ítalo-Latinoamericano de
Etnomedicina “Prof. Dr. Francisco José de Abreu Matos” (SILAE). Na parte normativa, o Grupo assessorou o CFF na
elaboração da Resolução 546/2011 que dispõe sobre a indicação farmacêutica de plantas medicinais e fitoterápicos
isentos de prescrição e seu registro, fornecendo ao farmacêutico mais uma área rica de conhecimentos para sua
atuação. Componentes do grupo também participam de eventos de capacitação de recursos humanos na área. O
Grupo de Fitoterapia continuará assessorando o CFF, contribuindo para que o país consiga desenvolver suas políticas públicas em plantas medicinais e fitoterápicos, de modo que os mesmos sejam ofertados a população de forma
segura, eficaz e com qualidade.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussão/Conclusão
79
ORIENTAÇÃO FARMACÊUTICA SOBRE PREPARAÇÕES CASEIRAS COM PLANTAS
MEDICINAIS: UMA ESTRATÉGIA PARA A SAÚDE DA FAMÍLIA
1
Sousa F. L. C.1; Pinto F. A. 2; Castro M.K. 1; Marinho D. R. S. 1; Bandeira M.A.M. 1
Departamento de Farmácia, Pró-Reitoria de Extensão, UFC, Fortaleza, Ce, Brasil.
2
Prefeitura Municipal de Fortaleza, Fortaleza, Ce, Brasil
Introdução
O Projeto de Fitoterapia do CEDEFAM (Centro de Desenvolvimento Familiar) surgiu pela necessidade de medicamentos
na comunidade do Planalto do PICI e foi estruturado com a finalidade de prestar assistência farmacêutica na área
da Fitoterapia em Saúde Pública. Consta de um Horto de Plantas Medicinais, o qual é constituído por plantas que
possuem eficácia e segurança terapêuticas comprovadas, baseado no Projeto Farmácias Vivas da UFC (F. J. A. Matos).
Consta também de uma pequena oficina farmacêutica com sala para orientação farmacêutica sobre preparações
caseiras com plantas medicinais. O presente trabalho tem como objetivo desenvolver uma estratégia para a saúde
da família através da orientação farmacêutica sobre preparações caseiras com plantas medicinais.
Métodos
A orientação farmacêutica sobre preparações caseiras foi realizada através de folheto explicativo para cada planta
medicinal indicada e tipo de preparação, como lambedor, tintura caseira, pó, chá e cozimento. No momento da
orientação os usuários receberam gratuitamente o material vegetal fresco e foram cadastrados em fichários.
Resultados e discussão/ conclusões
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
A preparação caseira mais indicada foi o lambedor de chambá. Outras preparações foram também orientadas:
infusão de alfavaca, infusão de eucalipto, chá de colônia, chá de cidreira entre outras. A maioria das pessoas que
receberam esse tipo de orientação foram mães (89%). As plantas medicinais por fazerem parte do arsenal terapêutico
familiar despertam o interesse e aceitação da comunidade, para esse tipo de orientação farmacêutica científica, que
educa e conscientiza as pessoas envolvidas, verificando-se assim, o valor terapêutico e sócio-econômico das plantas
medicinais no contexto social vigente.
80
ESTUDO FARMACÊUTICO DOS BROTOS DE MYRACRODRUON
URUNDEUVA ALLEMÃO AROEIRADOSERTÃO
1
Aguiar,W.R.1, Sousa,F.L.C.1, Bandeira,M.A.M1, Fonseca,S.G.C.1, Santos Filho,E.A.1
Departamento de Farmácia, Universidade Federal do Ceará, UFC, Fortaleza, CE, Brasil.
Introdução
A aroeira-do-sertão (Myracrodruon urundeuva Allemão) é uma árvore típica do nordeste brasileiro, cuja entrecasca
tem uso popular bastante difundido. Estudos farmacológicos pré-clínicos e clínicos comprovaram suas ações
antiinflamatória, analgésica, cicatrizante e antiúlcera, sendo responsável por estas ações um complexo fitoterápico
constituído por taninos e chalconas diméricas urundeuvinas A, B e C. Tendo em vista que esta árvore é hoje uma
espécie ameaçada de extinção, outros estudos químicos e farmacológicos foram realizados e estes demonstraram que
os caules dos brotos de 40 cm possuem as chalconas diméricas urundeuvinas A e B e ação farmacológica semelhante
a da entrecasca. Embora na literatura consultada não existam registros sobre o uso medicinal das folhas, em estudos
realizados anteriormente foram identificados os flavonóides quercetina, aromadendrinol e aghastiflavonanas nas
folhas dos brotos, os quais apresentam comprovada ação anti-inflamatória. O estudo teve, portanto, o objetivo de
caracterizar e desenvolver técnicas de doseamento de chalconas diméricas e taninos como marcadores químicos
para o controle de qualidade do caule dos brotos de aroeira-do-sertão e contribuir com a sua possível substituição
pela entrecasca, além de caracterizar e quantificar os flavonóides presentes nas folhas dos brotos visando seu uso
farmacêutico.
Métodos
Inicialmente, preparou-se o extrato acetato de etila da entrecasca, através do qual obteve-se o padrão de urundeuvinas
com a aplicação de dois métodos de purificação: coluna cromatográfica sob média pressão e placas preparativas de
amido. Realizou-se, através de técnica espectrofotométrica, a dosagem dos marcadores químicos da aroeira-dosertão, os taninos e as chalconas diméricas, comparativamente, na entrecasca e nos caules dos brotos para viabilizar
a substituição. Realizou-se, também, a dosagem de flavonóides e taninos nas folhas dos brotos de aroeira-do-sertão,
através de espectrometria, visando seu uso medicinal.
Tendo em vista que as urundeuvinas A, B e C são substâncias inéditas na natureza, é necessário o isolamento destas
substâncias para uso como padrão nas dosagens espectrofotométricas. Desta forma, a técnica de isolamento
através das placas preparativas de amido demonstrou maior praticidade e rapidez nos resultados. A técnica
espectrofotométrica demonstrou ser viável para a dosagem de flavonóides, taninos e chalconas diméricas, sendo
para esta última classe de substância, necessário que os extratos de aroeira-do-sertão sejam precedidos de purificação
em cromatografia preparativa de amido (CPA) para evitar a interferência de outros polifenóis. As folhas de aroeira
demonstraram apresentar teores de flavonóides comparáveis aos de muitas drogas vegetais amplamente usadas,
como Ginkgo biloba, Castanha da Índia (Aesculus hippocastanum Lineu) e Carqueja (Baccharis trimera Less. DC),
entre outras, o que demonstrou a viabilidade do uso medicinal das folhas dos brotos de aroeira-do-sertão.
Suporte Financeiro: Universidade Federal do Ceará (UFC)/CNPq/Funcap
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussão/Conclusão
81
INDICAÇÕES E USOS DE PLANTAS MEDICINAIS PELOS PROFISSIONAIS DE
SAÚDE DO CENTRO DE SAÚDE DA FAMÍLIA CSF DR. RAIMUNDO MELQUÍADES
COSTA MUNICÍPIO DE IPUEIRAS, CEARÁ, BRASIL
Mourão E.B. , Moreira, M. P. J; Morais, R. S; Parente Filho, E. G; Parente, K. M. S.
Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
Introdução
As plantas medicinais têm um importante papel na saúde da população mundial, pois vendo usada ao longo da
história como principal recurso na cura de patologias. Apesar dos grandes avanços observados na medicina moderna,
nas últimas décadas, elas continuam sendo utilizadas (VEIGA-JUNIOR & MELLO, 2008). Devido o grande avanço no
uso de fitoterápicos pelas comunidades mais carentes, que tem os mesmos como primeira fonte de tratamento
contra enfermidades, foi aplicado um questionário com o objetivo de verificar o conhecimento dos profissionais de
saúde a respeito do tema. A sede do Centro de Saúde da Família (CSF) fica localizado no município de Ipueiras, CE,
Brasil o qual localiza-se a 298 km da capital Fortaleza, e possui cerca de 37.874 habitantes (IBGE, 2010).
Métodos
A pesquisa foi realizada na sede do Centro de Saúde da Família (CSF) do Município de Ipueiras, CE, durante o mês
de junho de 2011, onde foram aplicados os questionários. O questionário era composto por dez questões objetivas
sobre a forma de uso, recomendações e eficácia das plantas medicinais.
Resultados e Discussões/Conclusão
Dos profissionais entrevistados, 75% já fizeram uso de alguma planta medicinal no tratamento de doenças, porém
apenas 12,5% já fez cursos a respeito do tema. Com relação a recomendação das plantas medicinais 75% indicam o
uso dessas plantas para o tratamento de patologias e 87,5% afirmam confiar na eficácia das plantas por não acreditar
que estas possuem muitas reações adversas, uma vez que nenhum caso de intoxicação por planta medicinal foi
registrado no município pesquisado. A utilização é frequente, pois 37,5% usam as plantas medicinais quinzenalmente
e/ou mensalmente. A infusão é a forma de uso mais indicada tendo sido citada por 62,5% dos entrevistados. Sobre
o uso correto de plantas medicinais 70% não possuem informações e 63,5% dizem nunca terem pesquisado sobre o
assunto. Com levantamento dos dados foi possível perceber que apesar da falta de informação, a indicação de plantas
medicinais por profissionais de saúde não deixa de ser utilizada, contudo percebe-se a carência de treinamento e
capacitação como, cursos, oficinas e aulas preparatórias para que os mesmos possam de maneira correta assistir as
comunidades nas quais atuam.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Referências
82
IBGE 2010. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br. Acesso em: 29/Junho/2011.
VEIGA-JUNIOR, V.F, Mello, J.C.P 2008. As monografias sobre plantas medicinais.
USO DE PLANTAS MEDICINAIS PELA POPULAÇÃO DO
MUNICÍPIO DE IPUEIRAS, CEARÁ, BRASIL
Mourão E.B.¹ , Moreira, M. P. J¹; Morais, R. S²; Parente Filho, E. G3; Parente, K. M. S³.
¹Discente do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil;
²Discente do Curso de Enfermagem, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
³Docentes do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
Introdução
O uso terapêutico das plantas medicinais na cura de patologias constitui-se como uma prática milenar, construída
ao longo da história, pela sabedoria dos mais velhos e passada de geração em geração de forma cultural, uma vez
que esses aspectos não ocorrem de maneira isolada. As plantas medicinais servem como acesso primário à saúde
para muitas comunidades e representam a principal matéria médica utilizada pela medicina popular (HAMILTON,
2003). O objetivo desta pesquisa foi identificar a utilização de plantas medicinais pelos habitantes do município de
Ipueiras, CE, Brasil que localiza-se a 298 km da capital Fortaleza, CE e possui cerca de 37.874 habitantes (IBGE, 2010).
Métodos
A pesquisa foi realizada no bairro do centro devido a grande variedade cultural e econômica das pessoas
frequentadoras do local, durante o mês de Junho de 2011, mediante a aplicação de questionários destinados à
população do município de Ipueiras, CE, Brasil. Os questionários continham onze questões, sendo dez objetivas e
uma subjetiva.
Resultado e discussão/Conclusão
Entre as pessoas entrevistadas 66,7% eram mulheres e 33,3% eram homens, ambos com faixa etária entre 24 e 62 anos.
Os resultados mostraram que 80% da população possuem renda familiar entre 1 a 2 salários mínimos e 20% possui
renda menor que um salário mínimo. Com relação a utilização ou uso, 86,7% fazem uso de alguma planta medicinal
no tratamento de enfermidades na própria família. Levando-se em conta os conhecimentos a respeito do tema, 80%
afirmaram ter adquirido os mesmos através de familiares e 20% aprenderam com o vizinho. Já em relação a frequência
de utilização 53,3% utilizam plantas medicinais mensalmente; 26,7% usam semanalmente e 20% usam quinzenalmente.
As plantas utilizadas, em sua maioria (53,3%) eram adquiridas nas feiras livres. Alguns entrevistados (46,7%) atribuem
o uso de fitoterápicos ao alto custo de medicamentos alopáticos, contudo 73,3% preferem os alopáticos por fazerem
efeito mais rápido. Com relação as espécies mais citadas destaca-se o Chenopodium ambrosioides, Lineu. com 46,7%
das indicações. Através da pesquisa foi constatado que grande parte da população faz uso das plantas medicinais,
apesar de não possuir os conhecimentos básicos necessários para o uso correto das mesmas.
IBGE 2010. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br. Acesso em: 29/Junho/2011.
SILVA, M.S Uso e Avaliação Farmacológica de Plantas Medicinais Utilizadas na Medicina Popular do Povoado Colônia Treze em Lagarto/SE 2006.
HAMILTON, Medicinal plants and conservation: issues and approaches. International
Plants Conservation Unit, WWF-UK, 2003.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Referências Bibliográficas
83
USO DE PLANTAS MEDICINAIS POR PROFISSIONAIS DO HOSPITAL MUNICIPAL
DR. FERNANDO TELES CAMILO, MUNICÍPIO DE COREAÚ, CEARÁ, BRASIL
Morais, R. S²; Moreira, M. P. J¹; Carmo, J. S¹; Galvão , F. R¹; Parente Filho, E. G3; Parente, K. M. S³.
¹Discente do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil;
²Discente do Curso de Enfermagem, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
³Docentes do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
Introdução
As plantas medicinais vem sendo utilizadas para a cura de doenças desde muito tempo pelo homem. O uso de
tais plantas hoje serve de auxílio no tratamento com medicamentos alopáticos e até mesmo como alternativa
em situações onde as condições econômicas não permitem a compra de fármacos (SILVA, 2008). Sendo assim
observamos a necessidade de realizar um estudo sobre o conhecimento que os profissionais de saúde possuem
acerca de plantas medicinais, uma vez que estes são tidos como referência em termos de saúde para a população. O
presente estudo foi realizado na cidade de Coreaú, Ceará, Brasil localizada a 374 km da capital Fortaleza, tendo uma
população de aproximadamente 21 mil habitantes (IBGE, 2010). O objetivo do trabalho foi averiguar a utilização de
plantas medicinais pelos profissionais de saúde do Hospital Municipal Dr. Fernando Teles Camilo.
Métodos
A pesquisa foi realizada durante o mês de junho de 2011, no Hospital do Município de Coreaú, Ceará. O instrumento
de coleta de dados foi sete questionários contendo questões objetivas sobre a participação dos profissionais de
saúde em cursos sobre plantas medicinais, a confiança na eficácia destas plantas, sua indicação para o tratamento de
doenças, registro de casos de intoxicação pelas mesmas, conhecimento sobre o uso correto, o interesse em procurar
informação sobre o assunto e as formas de uso mais comuns destas plantas pela comunidade pesquisada.
Resultados e Discussões/Conclusão
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Foi observado que 85,7% dos profissionais nunca participaram de nenhum curso sobre plantas medicinais. No entanto,
todos eles acreditam na eficácia das plantas na cura de doenças. Quando perguntados sobre a recomendação do
uso das ervas, 71,4% afirmaram indicá-las, porém a maioria não recomenda a sua associação com medicamentos
alopáticos. Os profissionais não relataram nenhum caso de intoxicação. Com relação ao uso correto 57,1% afirmaram
não ter conhecimento e mesmo assim raramente procuram informações sobre o assunto. Sobre a forma de uso
42,8% indicam ou utilizam a infusão sem mencionar o motivo desta indicação. Diante das informações obtidas
percebemos a necessidade de uma capacitação desses profissionais com relação ao uso das plantas medicinais,
tendo em vista que os mesmos possuem pouco conhecimento sobre o assunto e mesmo assim indicam a sua
utilização para a comunidade.
84
Referências Bibliográficas
IBGE 2010. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br. Acesso em: 29 Jun. 2011.
SILVA, F. L. A; OLIVEIRA, R. A. G; ARAÚJO, E. C. Uso de plantas medicinais pelos idosos em uma estratégia saúde da família. Revista de Enfermagem UFPE On
Line. 2008, vol.2, n.1, p. 9-16. ISSN 1981-8963.
USO DE PLANTAS MEDICINAIS POR PROFISSIONAIS DO CENTRO DE SAÚDE DA
FAMÍLIA CSF DO MUNICÍPIO DE SANTANA DO ACARAÚ, CEARÁ, BRASIL
Morais, R. S²; Moreira, M. P. J¹; Sabino, A. A. S¹; Mourão, E. B¹; Parente Filho E. G3; Parente, K. M. S³.
¹Discente do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil;
²Discente do Curso de Enfermagem, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
³Docentes do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
Introdução
As plantas medicinais, seus óleos essenciais e demais compostos, constituem fonte viável de medicamentos
para enfermidades das mais variadas possíveis. Essas plantas surgem como alternativa em locais onde a falta de
medicamentos é uma constante e o seu custo é elevado (FONTENELLE, 2005). Diante desse fato, realizamos pesquisas
nos centros de saúde no Município de Santana do Acaraú, Ceará, Brasil que se localiza a 228 km de Fortaleza e
tem cerca de 28 mil habitantes (IBGE, 2010). A Atenção Básica de Saúde possui 09 centros de Saúde da Família,
distribuídos em distritos e sede. O objetivo desta pesquisa foi averiguar o uso de plantas medicinais por profissionais
de saúde para tratamentos de patologias.
Métodos
A pesquisa foi realizada nos Centros de Saúde da Família (CSF) na Sede do Município de Santana do Acaraú, CE durante
o mês de junho de 2011. Foram aplicados 10 questionários apenas com perguntas objetivas junto aos Profissionais de
Saúde do referido Centro de Saúde da Família (CSF) sobre seu conhecimento sobre plantas medicinais, a freqüência,
a forma do uso, a confiabilidade da eficácia e a recomendação para o tratamento de enfermidades.
Resultados e Discussões/Conclusão
Segundo os dados coletados, constatou-se que 30% dos profissionais utilizam plantas medicinais; 10% já participaram
de cursos sobre o tema; 30% acreditam em sua eficácia; 20% indicam seu uso; o mesmo percentual usam corretamente
afirmando, porém que não procuram informação sobre o assunto e 30% fazem essa utilização como infusão, no
entanto, não foi relatado nenhum caso de intoxicação. Diante dos dados coletados, observamos a falta de informação
e de interesse dos profissionais de saúde em relação ao uso de plantas medicinais. Essa constatação nos fez perceber
a necessidade de cursos e disciplinas preparatórias na formação desses profissionais, tendo em vista que estes são
provavelmente os responsáveis pela orientação da comunidade levando-se em consideração o poder aquisitivo das
famílias assistidas por esses profissionais de saúde.
IBGE 2010. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br. Acesso em: 29 Jun. 2011.
FONTENELLE, R. O. S. Avaliação do potencial antifúngico de óleos essenciais de plantas do nordeste brasileiro frente a diferentes cepas de dermatófitos e
leveduras. Fortaleza, 2005. Dissertação (Mestrado em Ciências Veterinárias) - Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Veterinária. 81 p.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Referências Bibliográficas
85
PERFIL SÓCIOECONÔMICO DOS VENDEDORES DE PLANTAS MEDICINAIS DO
CENTRO COMERCIAL CHAGAS BARRETO EM SOBRAL, CEARÁ, BRASIL
Moreira, M. P. J¹; Mourão, E. B1; Mota, A. C. S¹; Morais, R. S²; Parente Filho, E. G3; Parente, K. M. S³.
¹Discente do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil;
²Discente do Curso de Enfermagem, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
³Docentes do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
Introdução
O acúmulo de conhecimentos empíricos sobre a ação dos vegetais vem sendo transmitido desde as antigas
civilizações até os dias atuais e a utilização de plantas medicinais tornou-se uma prática generalizada na medicina
popular (DORIGONI et al., 2001). Dentro deste contexto, destaca-se a figura do raizeiro ou herbolário, no que diz
respeito ao conhecimento sobre o preparo, indicação e comercialização de plantas medicinais (TRESVENZOL et al.,
2006). O presente estudo foi realizado na cidade de Sobral, CE, Brasil localizada a 235 km da capital Fortaleza (IBGE,
2010). O objetivo foi identificar o perfil socioeconômico dos vendedores de plantas medicinais do Centro Comercial
Chagas Barreto, Sobral - CE.
Métodos
A pesquisa foi realizada durante o mês de julho de 2011, no Centro Comercial Chagas Barreto. O instrumento de
coleta foram 09 (nove) questionários contendo questões subjetivas e objetivas sobre dados sociodemográficos,
origem do conhecimento sobre fitoterapia, tempo de atuação como herbolário, conhecimento sobre as principais
doenças e o respectivo fitoterápico indicado para o tratamento.
Resultados e Discussões/Conclusão
Os vendedores possuem faixa etária entre 20 e 78 anos; 67,4% tem o ensino fundamental incompleto e 32,6% não
possui grau de escolaridade. Quanto ao valor obtido pela venda diária das plantas, 52,3% vendem entre R$ 10,01 a
20,00 e 47,7% vende de R$ 30,01 a 40,00. O tempo de comercialização de plantas medicinais, varia entre 9 meses e 30
anos, mas no local pesquisado varia de 8 meses a 6 anos. Com relação as partes das plantas medicinais comercializadas,
77,7% vendem casca, folha, raiz e semente. Dentre os 29 tipos de plantas citadas o Eucalyptus globulus Labil. é
comercializado por todos os vendedores sendo indicado para gripe. Observou-se, porém, que a comercialização de
plantas medicinais pelos vendedores no Mercado Público de Sobral é importante para os entrevistados, mas esses
vendedores necessitam de capacitações para orientar melhor e com mais segurança seus clientes.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Referências Bibliográficas
86
DORIGONI, P. A. et al. Levantamento de dados sobre plantas medicinais de uso popular no município de São João do Polêsine, RS, Brasil. I - Relação entre
enfermidades e espécies utilizadas. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. v. 4, n. 1, p. 69-79, 2001.
IBGE 2010. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br. Acesso em: 28 Jul. 2011. TRESVENZOL, L. M.
et al. Estudo sobre o comércio informal de plantas medicinais em Goiânia e cidades vizinhas. Revista Eletrônica de Farmácia. v. 3, n. 1, p. 23-28, 2006.
PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA POPULAÇÃO DO
MUNICÍPIO DE SANTANA DO ACARAÚ, CEARÁ, BRASIL
Moreira, M. P. J¹; Sabino A. A. S¹; Mourão, E. B¹; Morais, R. S²; Parente Filho E. G3; Parente, K. M. S³.
¹Discente do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil;
²Discente do Curso de Enfermagem, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
³Docentes do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
Introdução
As plantas medicinais com valores terapêuticos são usadas empírica e tradicionalmente, passando o conhecimento de
geração para geração. As práticas relacionadas ao uso popular de plantas medicinais são o que muitas comunidades
tem como alternativa viável para o tratamento de doenças ou manutenção da saúde, devido ao alto custo dos
medicamentos (GUERRA, 2010). O objetivo do presente trabalho foi realizar um levantamento das plantas medicinais
utilizadas pelos habitantes da cidade de Santana do Acaraú, Ceará, Brasil que se localiza a 228 km de Fortaleza e tem
cerca de 28 mil habitantes (IBGE, 2010).
Métodos
O presente estudo foi realizado através de 30 questionários aplicados em bairros de Santana do Acaraú, CE, durante
o mês de junho de 2011. Foram feitas perguntas objetivas aos entrevistados com relação a utilização, forma de uso,
obtenção do conhecimento, nível de conhecimento e frequência de utilização de plantas medicinais.
Resultados e Discussões/Conclusão
Nos bairros onde foram realizadas as pesquisas, 20% dos entrevistados são homens entre 18 e 53 anos e 80% são
mulheres que se encontram na faixa etária entre 17 e 85 anos. A renda de 76,6% dos entrevistados é de um a dois
salários mínimos e 23,4% possuem renda de três a quatro salários. Sobre a utilização de plantas medicinais 63,3%
utilizam, sendo que destes 16,6% obtêm o material em casa, 30% com o vizinho e 16,7% nas proximidades de casa.
Quanto ao nível de conhecimento sobre as plantas, 46,6% dizem ser insuficiente; 50% obteve o conhecimento com a
família e 20% com o vizinho. Com relação a frequência de utilização das plantas, 36,7% não utilizam, 25,4% raramente
utilizam, 18,6% uma vez por mês, 15,7% quinzenalmente e 3,6% utilizam todo dia. Quanto a utilização de remédios
feitos a base de plantas medicinais, 27,3% optam por estes porque os remédios comprados nas farmácias são caros,
19,6% dizem que remédios naturais não provocam reações indesejáveis e 16,4% utilizam por tradição. Dentre os 29
tipos de plantas citadas, o Plectranthus barbatus Andr. (boldo) é utilizado por 86,2% dos entrevistados. Observouse que a maior parte da população de baixa renda faz algum tipo de uso de plantas medicinais, tendo obtido esse
conhecimento através de familiares.
IBGE 2010. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br. Acesso em: 29/Junho/2011.
GUERRA, A. M. N. M; PESSOA, M. F; SOUZA, C. S. M; MARACAJÁ, P. B. Utilização de plantas medicinais pela comunidade rural Moacir Lucena, Apodi-RN.
Bioscience Journal. Uberlândia, vol.26, n.3, p 442-450, 2010.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Referências Bibliográficas
87
USO DE PLANTAS MEDICINAIS POR PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO PSF
SEDE DO MUNICÍPIO DE ALCÂNTARAS, CEARÁ, BRASIL
Albuquerque, J. C. S¹; Mourão, E. B1; Silva, J. E. F.¹; Mota, A. C. S¹; Parente Filho, E. G2; Parente, K. M. S2;
¹Discente do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil;
2
Docente do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
Introdução
A utilização de plantas medicinais nos programas de atenção primária à saúde pode se constituir numa alternativa
terapêutica muito útil devido a sua eficácia aliada a um baixo custo operacional (MATOS, 1994). A utilização de tais
plantas faz parte da história da humanidade, tendo grande importância no que se refere aos aspectos medicinais,
bem como culturais. O Sistema Único de Saúde (SUS) já adota o uso de medicamentos à base de plantas medicinais
no Brasil (BRASIL, 2006) O objetivo do presente trabalho foi observar o uso de plantas medicinais por profissionais
de saúde do Posto de Saúde da Família (PFS) da Sede do Município de Alcântaras, Ceará, localizado cerca de 223 Km
da capital Fortaleza, com população estimada de 10 mil habitantes (IBGE, 2010).
Métodos
A pesquisa foi realizada durante o mês de junho de 2011, no Posto de Saúde Família (PSF) da Sede do Município
de Alcântara, Ceará. Cada profissional de saúde respondeu a um questionário composto por 10 (dez) perguntas
objetivas.
Resultados e Discussões/Conclusão
Dos profissionais de saúde entrevistados, 75% não fizeram curso ou oficina sobre plantas medicinais, mas 87,5%
confiam na sua eficácia e utilizam ou já as utilizaram no tratamento de doenças; 75% recomendam seu uso para o
tratamento de enfermidades, entretanto 50% indicam este uso associado a medicamentos sintéticos. Todos afirmam
nunca terem realizado atendimentos com caso de intoxicação por plantas medicinais. Dos entrevistados 62,5% dizem
não ter conhecimento sobre o uso correto, 37,5% sempre pesquisam sobre o assunto e 62,5% já indicaram o seu uso.
Pode-se concluir que, mesmo cientes que não tem o conhecimento correto sobre o uso de plantas medicinais, os
profissionais fazem utilização de plantas medicinais para uso pessoal e as indicam para seus pacientes. Estas plantas
indicadas de forma errônea podem causar intoxicações ou agravar o estado do paciente, demonstrando assim a
necessidade de cursos de capacitação sobre o uso adequado de plantas medicinais destinada à profissionais do
Sistema Único de Saúde (SUS).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Referências Bibliográficas
88
MATOS, F.J.A. Farmácias vivas: sistema de utilização de plantas medicinais projetado para pequenas comunidades. 2. Ed. Fortaleza: EUFC, 1994.
BRASIL, Ministério da Saúde. Secretária de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. A Fitoterapia no SUS e o
Programa de Pesquisa de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 148 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde).
IBGE 2010. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br. Acesso em 28 de julho de 2011.
PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA POPULAÇÃO DO
BAIRRO BETÂNIA NO MUNICÍPIO DE SOBRAL, CEARÁ, BRASIL
Sousa,R.K.T¹; Moreira, M. P. J¹; Sousa,R.T¹; Morais, R. S²; Parente Filho E. G3; Parente, K. M. S³.
¹Discentes do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil;
²Discente do Curso de Enfermagem, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
³Docentes do Curso de Biologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, Ceará, Brasil.
Introdução
O uso das plantas medicinais, conhecido hoje como fitoterapia sempre esteve presente ao longo da história da
humanidade. As origens dessa prática terapêutica datam dos primórdios da espécie humana, já que esta sempre
usou de plantas tanto na sua alimentação quanto com fins medicinais (ALMASSY et al, 2005). O objetivo do
presente trabalho foi realizar um levantamento das plantas medicinais utilizadas pela comunidade do bairro Betânia
em Sobral, Ceará, Brasil que se localizada a 235 km da capital Fortaleza (IBGE, 2010).
Métodos
O trabalho foi realizado através da aplicação de 18 questionários aplicados no bairro Betânia na cidade de Sobral CE,
durante os meses de junho e julho de 2011. Foram feitas perguntas claras e objetivas aos entrevistados com relação
à forma de uso, obtenção do conhecimento, nível de conhecimento, frequência de utilização e se utiliza remédios
feitos de plantas medicinais.
Resultados e Discussões/Conclusão
Referências Bibliográficas
ALMASSY, A.A. et al. Folhas de chá - plantasmedicinais na terapêutica humana, Editora UFV, 2005, 233P.
IBGE 2010. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br. Acesso em: 28 Jul. 2011.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
No bairro Betânia onde foi realizado a pesquisa, 11,2% dos entrevistados são homens entre 20 e 73 anos e 88,8%
são mulheres que se encontram na faixa etária entre 31 e 71 anos. A renda de 61,1% dos entrevistados é de um
a dois salários mínimos e 22,2% possuem renda menor que 1 salário mínimo, 11,2% possui outros valores e 5,5%
possuem renda de três a quatro salários. Sobre a utilização de plantas medicinais 88,8% utilizam, sendo que destes
33,3 obtêm o material na feira, 27,7% com o vizinho, 22,2% obtêm em casa e 5,5% em outros locais. Quanto
ao nível de conhecimento sobre as plantas, 5,5% dizem ser insuficiente e 94,5% dizem ser bom; 55,5% obteve o
conhecimento com a família e 16,6% sozinho e 11,2% com outros. Com relação a frequência de utilização das plantas,
55,5% raramente utilizam, 16,6% não utilizam, e 5,5% utilizam todo dia, o mesmo percentual utilizam uma vez na
semana e com com outras frequências. Quanto à utilização de remédios feitos a base de plantas medicinais, 27,7%
dizem que as plantas cultivadas em casa são confiáveis e o mesmo percentual relatam que utilizam por tradição,
16,6% utilizam por outros motivos e 11,2% dizem que remédios naturais não provocam reações indesejáveis . Dentre
os 19 tipos de plantas citados, o Plectranthus barbatus Andr. (boldo) e Melissa officinalis (erva cidreira) são os mais
utilizados pelos entrevistados. Através desse trabalho observou-se que mesmo em bairro de cidades de porte médio
ainda se utiliza com bastante freqüência as plantas medicinais como alternativas para cura de doenças.
89
ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DO PROGRAMA
FARMÁCIA VIVA DO MUNICÍPIO MARACANAÚCE
1
PEIXE, J.C.O.1; BANDEIRA, M.A.M.2
Escola de Saúde Pública do Ceará, ESP-CE.
2
Depto. de Farmácia, FFOE-UFC.
Introdução
Segundo Matos (1998), documentos divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) revelam que o total de
pobres e muito pobres nos países em desenvolvimento chega a 80% da população, constituindo um enorme conjunto de pessoas que não têm recursos suficientes para a aquisição de medicamentos. Em termos de Nordeste, com
uma população alcançando os 50 milhões (1/3 da população brasileira), isto significa quase 40 milhões de pessoas
das quais, estima-se que metade seja atendida pelos programas governamentais de saúde (SUS). Assim, ficariam
fora do sistema de atenção primária de saúde cerca de 20 milhões de nordestinos que têm como única opção de
tratamento de si mesmo e da família as plantas medicinais disponíveis no meio onde vivem. Para melhoria desses
dados o Prof. Fco. José de Abreu Matos (1998) idealizou o Projeto Farmácias Vivas. Um programa de assistência social
farmacêutica baseado no emprego científico de plantas medicinais e fitoterápicos, organizado sob a influência da
OMS (MATOS, 1998). No estado do Ceará, a expressiva repercussão social desse projeto, levou governos municipais e
estadual a institucionalizarem as Farmácias Vivas, como exemplo o município de Maracanaú. Este município integra
a região metropolitana de Fortaleza, localizado a 20 km em linha reta ao sul do centro desta capital. Sua população,
aproximada é de 201.690 habitantes, com área geográfica de 105,6 km², e densidade demográfica de 1.890, 40 habitantes por km², a segunda maior do estado. No âmbito da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (SESA), integra a
Macrorregional de Fortaleza e a 3ª Microrregional de Saúde do Estado, que congrega ainda os municípios de Barreira,
Acarape, Redenção, Guaiuba, Pacatuba, Palmácia e Maranguape. O presente trabalho visa prestar uma Atenção Farmacêutica Fitoterápica aos munícipes de Maracanaú e a viabilidade econômica deste programa.
Métodos
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Este estudo é do tipo descritivo, quantitativo com base exploratório documental e cujos dados secundários de aquisição de insumos e distribuição de fitoterápicos entre os meses de Janeiro a Dezembro 2009, através de uma análise
retrospectiva de base de dados. Como fonte de coleta de dados foram utilizados os bancos de dados da Farmácia
Viva e da Secretaria de Saúde do Município de Maracanaú (SSMM), assim como notas fiscais, cotações de insumos
de empresas do município de Fortaleza, relatórios técnicos, planilhas de demandas atendidas pelas Unidades Básicas
de Saúde da Família - UBASF. Os dados foram coletados no período de Janeiro a Dezembro de 2009. Primariamente
foram realizadas análises descritivas dos dados de distribuição dos fitoterápicos nas seis Áreas de Vigilância Sanitária
- AVISA e vinte e seis UBASF. Para cada medicamento fitoterápico dispensado foi calculado o seu valor monetário.
90
Resultados e discussão/conclusões
No ano de 2009 foram dispensadas 73.539 unidades de medicamentos fitoterápicos ao custo de R$ 118.479,13. Ao
comparar este custo com os dos medicamentos fitoterápicos da indústria farmacêutica, este sairia por R$ 567.105,58.
Assim, percebemos uma grande diferença de custo em torno de R$ 448.626,45, proporcionando uma economia em
percentual de 378,65%. Com estes resultados observou-se uma grande viabilidade econômica da Farmácia Viva do
Município de Maracanaú, um exemplo a ser seguido por outros município do país.
SEÇÃO 2
FITOQUIMICA E FARMACOLOGIA
APRESENTAÇÃO ORAL:
Quarta-feira, 21 de setembro, das 16h - 18h
APRESENTAÇÃO POSTER:
Quarta-feira, 21 de setembro, das 17h - 18h
PHYITOCHEMICAL OF ESPELEITA NANA CUATRE. A MIDGET ESPELETIINAE
FROM PARAMO LA CRISTALINA, TRUJILLO STATE, VENEZUELA
Alexis Peña, 2Libia Alarcón, 2José Gregorio Baptista, 3Rosa Aparicio,
1
Thayded Villasmil, 3*Alfredo Usubillaga
1
Postgrado Interdisciplinario de Química Aplicada, Facultad de Ciencias,
Universidad de Los Andes, Mérida, Venezuela.
2
Núcleo Universitario Rafael Rangel, Universidad de Los Andes, Trujillo, State Trujillo.
3
Instituto de Investigaciones de la Facultad de Farmacia y Bioanálisis,
Universidad de Los Andes, Mérida Estado Mérida.
[email protected],
1
Introduction
Espeletia nana is a resinous plant that grows above 3000 m of altitude at Páramo La Cristalina Trujillo State. It is a
member of the Subtribe Espelletiinae, popularly known as frailejón, The components of the resin of this plant have
not been reported.
Materials and Methods
Espeletia nana was collected at páramo La Cristalina at 3085 m of altitude. Leaves and tubercules were dried, ground,
and extracted with hexane:diethyl ether (3:1). The extracts were separately shaken with 5% NaOH, The aqueous layer
was taken to pH 3.0 by addition of HCl and shaken with hexane to recover the kaurenic acids. The leaves yielded
4.5 g of acid fraction and the tubercules 15.2 g. A sample of each acidic fraction was methylated with diazomethane
and analized (GC-MS). The components of the acid fraction were separated by flash chromatography over a silica gel
column. The leaves neutral fraction weighted 6.3 g and that of the tubercules was 10.9 g. Upon GC-MS analysis. The
components of the neutral fraction were also separated by flash chromatography over silica gel.
Results / Discussion and Conclusions
The leaves acidic fraction contained kaurenic acid (36%), ent-kaur-9(11)-dien-19-oic acid (42%), 15a-acetoxy-kaur16-en-19-oic acid (8%), and 15a-hydroxy-kaur-16-en-19-oic acid (14%). A similar GC-MS analyses of the tubercules
mixture indicated that it contained 38.0% of kaurenic acid, 39.6% of ent-kaur-9(11)-dien-19-oic acid, 8.5% of
15a-acetoxy-kaur-16-en-19-oic acid and 13.9% of and 15a-hydroxy-kaur-16-en-19-oic acid. A GC-MS analysis of
the neutral fractions of leaves and tubercules indicated that its most abundant component is ent-kaur-16-en-19-al
(55%), which made up 88% of the neutral fraction. Minor components are kaurenol (14.1%), ruilopeziol (7%) and
waxes. On this respect E.nana is also different from other Espeletiinae which usually contain large quantities of waxes.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Financial Support: The authors acknowledge the financial support of Misión Ciencias (Proyect ULA-2007000881)
93
IDENTIFICATION OF KAEMPFEROL 3ORUTINOSIDE AND FATTY ACIDS IN
TRIGLYCERIDS ISOLATED FROM ANCHUSA ITALICA RETZ.
COLLECTED IN IRAQI KURDISTAN
Gozzini D., Shafiq P., Hussain F. Vidari G., Vita Finzi P.
Dipartimento di Chimica, Università degli Studi di Pavia, via Taramelli 10, 27100, Pavia
Department of Chemistry, College of Science, Salahaddin University, Erbil - Iraqi Kurdistan
[email protected]
In the present work we report the very preliminary data of a project done in collaboration with the Salahaddin
University at Erbil (Iraqi Kurdistan), which has recently been financed by Regione Lombardia.
The genus Anchusa belongs to the family of Boraginaceae, and it includes about 40 species. From a phytochemical
point of view the species Anchusa italica Retz. has been almost neglected so far and it was thus considered worthy
of study. Leaves and seeds of the plant were collected in the Kurdish region. The dry leaves were extracted with
aqueous EtOH and the extract was subsequently partitioned with hexane, chloroform, and EtOAc. The residue
from evaporation of EtOAc was separated by reversed phase MPL chromatography to give a polar flavonoid.
Standard UV experiments allowed for the identification of the substitution pattern of the aglycone moiety, while
different NMR spectra let us to identify the sugar components and the interglycoside linkage. The compound was
eventually identified as kaempferol 3-O-rutinoside, though part of the spectroscopic data present in the literature
were reassigned.[1]
In a parallel study seeds of Anchusa italica Retz. were extracted with petroleum ether, followed by chloroform
and methanol. Preliminary work on the first extract allowed for the isolation of a mixture of triglycerides, which
were submitted to hydrolysis, followed by methylation of free fatty acids. GC-MS analysis showed that the main
components were oleic, palmitic, and palmitoleic acids, and two ω-9 acids, 11-eicosenoic and erucic acids.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
1.
94
Kazuma K., Naonobu N., Masahiko S., Phytochemistry, 2003, 62, 229.
NEW TRITERPENIC ACIDS FROM THE ECUADORIAN
PLANT COUSSAREA MACROPHYLLA
GOZZINI D., GILARDONI G., CHIRIBOGA X., VIDARI G., VITA FINZI P.
Dipartimento di Chimica, Università degli Studi di Pavia, via Taramelli 12, 27100, Pavia
[email protected]
The study of Coussarea macrophylla is part of a wider work on the secondary metabolites of Ecuadorian plants.
Though Coussarea macrophylla is not used in traditional medicine, it belongs to Rubiaceae, a family described in
literature for the antiviral properties. Preliminary studies on an ethanolic extract of the bark showed a moderate
antimicrobial and antimycotic activities, and a good toxicity towards Artemisia salina with an LC50 of 26µg, justifying,
indeed, the interest on the secondary metabolites.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
In a previous work on C. macrophylla, different new anthracene derivatives were identified.[1] Continuing our studies
on the plant, we examined the most polar components of an EtOAc extract of the bark. Four new compounds (1),
(3), (4), (5), in addition to (2)[2] and (6),[3], [4] already described in literature, have been isolated and identified on the
basis of extensive NMR experiments. The compounds belong to the rather rare families of secodammarane and
secocycloartane triterpenic acids.
1.
2.
3.
4.
Chiriboga X., Gilardoni G.,Magnaghi I., Vita Finzi P., Zanoni G., Vidari G., J. Nat. Prod., 2003, 66, 907.
Grougnet R., Magiatis P., Mitaku S., Loizou S., Moutsatsou P., Terzis A., Cabalion P., Tillequin F., Michel S., J. Nat. Prod., 2006 , 69, 1711.
Takata R.H., Scheuer P.J., Tetrahedron, 1976, 32, 1077.
Aoki T., Ohta S., Suga T., Phytochemistry, 1988, 27, 2915.
95
XX° ITALOLATIN AMERICAN CONGRESS OF ETHNOMEDICINE“PROF. DR.
FRANCISCO JOSÉ DE ABREU MATOS TITLE ANTITHROMBOTIC
POTENTIAL OF MEDICINAL PLANTS ORAL PRESENTATION
Garcia M a, Armenteros DMa, Méndez BG b, González R b, Dupeyrón D c, Sanchez D M c, Rodriguez. D,c
Ramirez R d, Alfonso MA a, Hernández J a, Fleitas Aa, Diaz Aa, Mahia M, a Piccinelli A e, Rastrelli Le
a
National Institute of Angiology and Vascular Surgery .. 1551 Calzada del Cerro,
Cerro, Havana City, Cuba. E mail: milagros.
Pharmaceutical Laboratory “Saul Delgado” , Havana City., Cuba.
Pharmaceutical Laboratory from Cerro, Havana City., Cuba.
Pharmaceutical Enterprise from Marianao, Havana City, Cuba
University of Salerno, Salerno, Italy.
[email protected]
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The atherothrombotic diseases (myocardial infarction, stroke, lower limb thrombosis) are among the first causes
of death and disability around the World., therefore there is a need for preventive strategies Antiplatelet drugs are
prescribed for this purpose, however, the inter-individual differences with respect to the efficacy of the available
drugs makes the search for new therapeutic options a current matter of investigation. Some phenolyc compounds
isolated from plants inhibit platelet aggregation Therefore, the aim of the Group for Research on Natural Products
and Traditional Medicine of the National Institute of Angiology and Vascular Surgery of Cuba is to characterize the
potential antiplatelet agents among polyphenol-rich plants with traditional use. The plant extracts were prepared
from Citrus aurantifolia Ch., Morinda citrifolia L and Wendita calysina leaves, Citrus sinensis L fruit peels and Zingiber
officimale Rosc. rhizhome in 50 % ethanol. Ethanol was removed by roto-evaporation. Their antiplatelet effects were
assessed by the turbidimetric method of platelet aggregation in platelet-rich plasma (PRP). For “In vitro assays 285
µL of human PRP were incubated with 10 µl of an extract by two minutes before the addition of ADP , collagen,
epinephrine or arachidonic acid) as platelet agonists. The “ex vivo “effects of plant extracts on platelet aggregation
were evaluated by adding ADP to 400 µL of PRP obtained from pretreated rats. The “in vitro” assays demonstrated
a concentration –dependent inhibition of platelet aggregation and differences among the extracts with respect to
their effects against different platelet agonist used...The “ex vivo” experiments have demonstrated that the “in vitro
results are not “experimental artifacts” and suggest that this effect may be clinically relevant. This is a confirmation
that this research strategy is useful for discovering of new antithrombotic agents from the Nature.
96
ISOLATION OF ARISTOLACTAMS FROM ROOTS OF PIPER MALACOPHYLLUM
BY COUNTERCURRENT CHROMATOGRAPHY
André M. Marques1*, Raphael Neves, Leosvaldo S. M. Velozo1,
Elsie F. Guimarães2, Maria Auxiliadora C. Kaplan1
1- Núcleo de Pesquisas de Produtos Naturais (NPPN), Universidade Federal
do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
2- Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
[email protected]
Introduction:
The chemistry of Piperaceae from Brazilian Atlantic Forest of Rio de Janeiro State, Brazil, have been studied by our
research group on chemical and biological point of view. Piper, the most important genus of the family is found
as shrubs and herbs in hot and humid tropical and subtropical forest of the planet. Species of the genus Piper
are widely used in traditional medicine for the treatment of snake bite venom, filariasis, rheumatism, hemorrhoids,
desmenorreia and pains. Chemical investigations of Piper species revealed many bioactive metabolites as amides,
lignans, neolignans, hydroquinones, alkaloids, terpenes, flavonoids among others. Piper malacophyllum is an
herbaceous plant well distributed in Brazilian Tropical and Sutropical regions.
Methods:
These compounds were obtained using a HSCCC equipament consisting of a PTFE 80mL coil, a HPLC pump, a low
pressure injection valve and a PTFE 5mL sample loop. This system was coupled to a fraction collector programmed to
collect at 1min intervals. Hexane: methanol: ethyl acetate: H2O (4: 4: 2: 3), were vigorously hand-mixed in a separator
funnel, transferred to a flask and degassed (ultrasonic bath) for 30min. Isocratic elution was conducted in a tail-tohead manner. The coil was entirely filled with the lower phase of the solvent system with no rotation. Rotation of the
coil was then started at 860 rpm, and the upper phase was pumped at a flow rate of 1.0 ml/min.
Results and discussion/conclusions
The ethyl acetate fraction from methanol extract of roots yielded 4 aristolactams that were isolated using a CCC
apparatus: cefaradione A; cefaranone B; aristolactam AII and piperolactam S. The isolated compound structures
were established by CG-MS, IR, 1D, 2D 1H NMR and literature data survey. The knowledge about native Piperaceae
species in Brazil has great value since some of them are used in folk medicine in many communities and aristolactams
have been described by their anti-platelet activating, carcinogenic and nephrotoxic properties.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Financial Support: CAPES and CNPq.
97
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE HEPÁTICA EM USUÁRIOS
DE NONI MORINDA CITRIFOLIA
Jansem Filho S.S
Graduado em Farmácia - Faculdade Cathedral Boa Vista, RR - 2010 Núcleo de pesquisas clínicas do Laboratório Labclin.
Av: Nazaré filgueiras,2519, Pintolandia CEP: 69.316-715 Boa Vista - RR - Brasil.
[email protected]
Introdução
A Morinda citrifolia pertence à família Rubiaceae, é originária do sudeste asiatico e cresce como arbusto pequeno de
folhas elípticas de até 30 centímetros. Os seus princípios ativos têm sido utilizados desde a antiguidade pelos povos
polinésios para o tratamento de varias doenças e ainda hoje é empregada na medicina tradicional destas regiões
como alternativa popular para cura de alergias, artrites, asma e também doenças crônicas como câncer, depressão,
diabetes, hipertensão. Seus compostos possuem atividade inibidora seletiva da cicloxigenase-2 (COX-2) e atividade
antiangiogênica. Estas atividades alertam para possíveis efeitos prejudiciais em várias etapas do processo de biotransformação e eliminação hepática dos seus subprodutos devido à presença de antraquinonas na sua raiz e casca além
de quantidades elevadas de proxeronina que atribuem efeitos de ativação de enzimas catalisadoras do metabolismo
celular.
Métodos
Foram realizados testes bioquímicos laboratoriais em 20 pacientes adultos normais, saudáveis e sem histórico de
doenças hepáticas ou crônicas que diariamente utilizavam o suco de Noni (Morinda citrifolia). Foram atendidos pelo
laboratório de análises clínicas do grupo Labclin da rede particular de atendimento a saúde em Boa Vista Roraima e
divididos em dois grupos por sexo. Foram coletadas as amostras de sangue total sem anticoagulante, centrifugado,
separado o coágulo do soro livre de hemólise que foi encaminhado para as dosagens bioquímicas das transaminases:
ALT-TGP (alanina aminotransferase), AST-TGO (aspartato aminotransferase) pelo método cinético-UV e da enzima
GAMA–GT (Gama Glutamil Transferase) pelo método Szasz Modificado seguindo as metodologias do fabricante
dos reagentes da marca BIOCLIN®. As analises foram repetidas em intervalos de vinte dias por seis meses.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e conclusões
98
A continuidade e o prolongamento do uso de suco de Noni podem predispor ao aumento das enzimas e aumentar
as possibilidades de surgimento de dano hepático. Essa elevação foi maior no grupo masculino devido à variação
biológica e atividade hormonal característica do grupo feminino. Em ambos os grupos a atividade hepática elevou as
transaminases ALT-TGP e AST-TGO em 8%, já a enzima GAMA-GT foi elevada em 20%. Os efeitos da exposição ao
suco, observados, foram causados principalmente e minimamente com relação à dose utilizada terapeuticamente
por cada um dos pacientes, pois, o suco é feito do fruto in-natura não sendo possível padronizar a doses de cada
composto bioativo. Além da necessidade de avaliar a segurança para o uso terapêutico desta planta, é importante
acrescentar que o aumento gradativo da atividade hepática pode levar a níveis tóxicos ao sistema hepático.
Suporte Financeiro: Grupo Labclin
CROTOFOLANOS AISLADOS DE CROTON CARACASANA
CON ACTIVIDAD ANTIBACTERIANA
Chávez Katiuska1, Suárez Alírica I.1, Compagnone Reinaldo S.2, Tadey Antonieta3.
1
Facultad de Farmacia, Universidad Central de Venezuela, Caracas, Venezuela.
2
Escuela de Química, Facultad de Ciencias, Universidad Central de Venezuela, Caracas, Venezuela.
3
Departamento de Biología, Universidad Simón Bolívar, Edo. Miranda, Venezuela.
[email protected]
Introducción
El género Croton es el segundo más grande de la familia Euphorbiaceae. En los estudios fitoquímicos realizados
se ha reportado el aislamiento de una gran variedad estructural de diterpenoides incluyendo los de tipo labdano,
clerodano, abietano y kaurano. Estructuras menos comunes como los cembranoides y crotofolanos también han
sido encontradas en las especies de este género. Croton caracasana Pittier es un arbusto que crece en la zona norte de
Venezuela y como parte de un macroproyecto dirigido a encontrar metabolitos secundarios bioactivos aislados de
especies Croton presentes en nuestro país, en este trabajo se reporta el aislamiento y caracterización de tres diterpenos
de tipo crotofolano identificados como crotocarasin A, B y D y la evaluación de su actividad antibacteriana.
Metodología experimental
Los tallos secos y molidos fueron sometidos a maceración con metanol, posteriormente el solvente se evaporó a
presión reducida para obtener el extracto crudo el cual fue particionado con hexano, diclorometano y acetato de etilo.
La fracción de CH2Cl2 fue separada mediante columna cromatográfica para obtener los compuestos crotocarasin A, B
y D cuyas estructuras fueron elucidadas mediante técnicas espectroscópicas. Se evaluó la actividad antibacteriana de
estos compuestos utilizando el método de difusión sobre placas de agar, contra los microorganismos Gram-positivos:
Staphylococcus aureus y Bacillus cereus y los microorganismos Gram-negativos: Escherichia coli y Pseudomonas
aeruginosa. P. aeruginosa y B. cereus fueron incubados a 30 ºC, mientras que E. coli y S. aureus fueron incubados
a 37 ºC. Como controles positivos se utilizaron los antibióticos comerciales: Amikacina, Ampicilina, Ofloxacina y
Nistatina; como control negativo se empleó el solvente/mezcla de solventes utilizada para solubilizar cada muestra.
El análisis de los datos obtenidos con los experimentos de RMN 1H y 13C en 1D y 2D, GC-MS, IR y Rayos X permitió
proponer esqueletos diterpénicos de tipo crotofolano con una estructura similar al compuesto crotofolin E aislado
de Croton corylifolius. La comparación de los datos espectroscópicos con los descritos en la literatura revelaron que
los compuestos que se identificaron como crotocarasin A, B y D son nuevos diterpenos de tipo crotofolano. La
estructura de crotocarasin B fue comprobada a través de un análisis de Rayos-X. En los bioensayos realizados, los
compuestos crotocarasin A, B y D mostraron tener actividad antibacteriana específica contra los microorganismos
empleados, siendo más potente el compuesto crotocarasin D con diámetros de inhibición entre 15 y 18 mm, valores
similares a los obtenidos con ampicilina usado como control positivo.
Agradecimientos: Este trabajo es financiado por el Consejo de Desarrollo Científico y Humanístico de la Universidad
Central de Venezuela PG O6.7342.2008.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y Discusiones
99
ESTUDIO FITOQUÍMICO DE PHANIA MATRICARIODES L.
Hiran Cabrera Suárez, Armando Cuellar, Cuellar, Ana Iris Frías, Neivys García Delgado,
Maria del Carmen Amador, Francisco J. Morón Rodríguez.
Laboratorio Central de Farmacología, FCM Dr. Salvador Allende,
Carvajal s/n y Agua Dulce, Cerro, La Habana, Cuba
[email protected]
Introducción:
Phania matricariodes es conocida popularmente como manzanilla de la tierra, es empleada por la población para
trastornos digestivos entre otras propiedades y no cuenta con un aval científico sobre sus usos tradicionales.
Objetivo:
Explicar la importancia del estudio fitoquímico en el proceso de aval de las propiedades atribuidas a P. matricariodes.
Materiales y Métodos se procedió a la identificación botánica de la especie, se realizó el estudio farmacognóstico que
contó con el estudio de secado tanto a la estufa (40°C), como a la sombra, determinación de humedad residual por
el método azeotrópico, determinación de cenizas totales, determinaciones extraíbles, y caracterización cualitativa de
los grupos de metabolitos presentes en las hojas de la planta así como en la decocción, se realizó las determinaciones
de aceites esenciales. Se diseño el método por hidrodestilación para obtener fracciones que permitan caracterizar
potenciales principios activos
Resultados:
Como resultado del secado se determinó que el secado a la estufa permite alcanzar hasta un 12% de humedad
residual en 17 horas, no así el de la sombra para lo cual se necesitan 40 horas y se alcanza 19% de humedad, las cenizas
totales fue de un 2%, y las determinaciones cualitativa permitió conocer la presencia de Flavonoides, Triterpenos y/o
esteroides, compuestos reductores, catequina y alcaloides, evaluándose la acción antiinflamatoria y antiespasmódica
de los extractos.
Conclusión:
Los estudios fitoquímico han contribuido a avalar la actividad antiinflamatoria y antiespasmódica del la especie P.
matricariodes.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Palabras Claves: Phania matricariodes (L.), Manzanilla de la tierra, fitoquímica, antiespasmódica, antiinflamatorio.
100
FUENTES NATURALES EN LA OBTENCION DE GANGLIOSIDOS PARA LA
ELABORACION DE UNA VACUNA TERAPEUTICA QUE MEJORA
LA CALIDAD DE VIDA DE PACIENTES ONCOLOGICOS
José A. González Lavaut, Julia M. Gutiérrez Anillo, Layda González Villanueva,
Nelson García González, Yanelis Navarrete Pita, Ovaronay Suárez Valdés,
Raine Garrido Arteaga, Evys Delá Herrera, Harold Curiel Hernández,
María del Carmen Rodríguez Montero, Vicente Verez Bencomo
Centro de Química Biomolecular (CQB)
Calle 200 y Ave. 21, Atabey, Playa, Ciudad de la Habana, Cuba.
[email protected]
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
En el sistema nervioso y en la sangre se encuentran los gangliósidos en abundancia, como constituyentes normales de
la membrana plasmática de la célula en vertebrados. Los gangliósidos están constituidos de una porción hidrofóbica
formada por un ácido graso y un a base nitrogenada de cadena larga que participa en procesos de transducción de
señales, y otra hidrofílica representada por una cadena oligosacarídica que juega un papel importante en fenómenos
de reconocimiento. Se ha demostrado que estos compuestos están involucrados en la regulación de importantes
funciones celulares, por lo que estos sistemas antigénicos han sido muy estudiados. Dentro de las formas más comunes
de los gangliósidos con ácido siálico se encuentran los N-glicolilados [GM3(Neu5Gc)] que representan un antígeno
carbohidrato asociado a tumores en humanos y los N-acetilados [GM3 (Neu5Ac)] que es el principal gangliósido de
los tejidos humanos no neuronales y actúa como un modulador del crecimiento celular; además muestra actividad
inmunosupresora. En los eritrocitos de mamíferos, particularmente en caballos y perros, se encuentran en abundante
presencia estos compuestos. Tomando como base un procedimiento de laboratorio se ha desarrollado en el Centro
de Química Biomolecular (CQB) un proceso eficiente que permite la producción de manera reproducible y con
alta calidad de N-Acetil y N-Glicolil GM3, utilizando sangre canina y equina, respectivamente. Recientemente
estos compuestos han sido utilizados como antígenos en vacunas terapéuticas contra el cáncer, cuyos resultados
muestran un incremento significativo en la supervivencia de los pacientes y una reducción en el crecimiento tumoral,
redundando en el mejoramiento de la calidad de vida de pacientes oncológicos.
101
NUEVO HÍBRIDO FRIEDELINAARTESUNATO Y EVALUACIÓN
DE SU EFECTO ANTIPLASMODIAL
Mesa-Vanegas A.M.,1 Arroyave Gil J.,1 Angulo-Pachón C.A.,2
Díaz-Oltra, S.,2 Blair S.1, Carda M., 2 Pelaez C.1*
1
Grupo Malaria, Sede de Investigación Universitaria (SIU),
Universidad de Antioquia, 050010, Medellín, Colombia.
2
Dpto. de Química Inorgánica y Orgánica, Universitat Jaume I, 12071, Castellón, España.
* Autor a quien se debe dirigir la correspondencia: Sede de Investigación Universitaria (SIU). Universidad
de Antioquia. Medellín, Colombia. A.A 1226. Tel/FAX: 574-2196487.
[email protected]
Introducción
La falla terapéutica, la aparición y dispersión de la resistencia de P. falciparum a los antimaláricos y a sus combinaciones
ha llevado a que se promueva en todo el mundo la búsqueda de compuestos antimaláricos a partir de plantas.
Recientemente, se han desarrollado una innovadora clase de híbridos basados en productos naturales y antimaláricos
convencionales como las artemisininas que tienen un alto potencial antimalárico pero una pobre biodisponibilidad.
Las moléculas híbridas están tomando fuerza en la investigación y nuevas entidades se han reportado, en su mayoría
mejorando el efecto antiplasmodial e ilustrando el concepto de moléculas híbridas y sus potenciales aplicaciones. En
este sentido el diseño de una nueva molécula híbrida entre la friedelina aislada de una planta medicinal Calophyllum
brasilense y un antimalárico, el artesunato, puede presentar doble modo de acción, mejorar su biodisponibilidad
y ser una prometedora molécula para el tratamiento de la enfermedad en el descubrimiento de nuevos fármacos
antimaláricos.
Métodos
La friedelina (0.1mmol) obtenida a partir del extracto etéreo de las hojas de la planta Calophyllum brasilense, fue
reducida a alcohol y esterificada mediante las condiciones de reacción de Yamaguchi con el ácido artesúnico
(0.1mmol), utilizando el cloruro del ácido 2,4,6-triclorobenzoico y trietilamina en THF anhidro. La reacción se siguió
por cromatografía en capa fina. El híbrido se aisló de la mezcla de reacción mediante extracciones con cloruro
amónico acuoso y diclorometano, y se purificó mediante técnicas de separación cromatográfica. La caracterización
del hibrido se realizó mediante el análisis espectroscópico por resonancia magnética nuclear (RMN) a 500 MHz
para el RMN de 1H y de 125 MHz para el RMN de 13C, usando como disolvente CDCl3. La actividad antiplasmodial,
se realizó en cultivos continuo de cepas de Plasmodium falciparum FCB-2 resistente a la cloroquina, mediante el
método radio-isotópico.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión / conclusiones
102
Es el primer estudio donde se reporta la formación de un nuevo hibrido friedelina-artemisinina. Como resultados
preliminares se confirmó la formación del hibrido por el desplazamiento químico en RMN, de 1H y de 13C, mostrado
por las señales del CH de la friedelina unido al oxígeno que forma parte de la nueva función éster. Se observa el
desplazamiento en RMN de 1H del triplete del CH oxigenado a 3.81 ppm, y del carbono a 76.4 ppm, además del
carbono carbolínico a 172.5 ppm. Se analizará el resultado de actividad de las moléculas individuales, la combinación
de las dos y el hibrido formado dado que este puede representar una oferta conjunta más sencilla y, posiblemente,
más eficaz para administrarlos como agentes con alto potencial antimalárico.
Apoyo Financiero: Ministerio de agricultura y desarrollo rural Colombia
EVALUACIÓN LEISHMANICIDA DE POLIFENOLES
AISLADOS DE CROTON HIRCINUS
Blanco Z.1, Compagnone R. S.2, Ponte Sucre A.3 Suárez A.I.1
Facultad de Farmacia, Universidad Central de Venezuela. Venezuela.
2
Escuela de Química, Facultad de Ciencias, Universidad Central de Venezuela. Venezuela.
3
Instituto de Medicina Experimental, Facultad de Medicina, Universidad Central de Venezuela.
1
Introducción
Croton es el segundo género más grande de la familia Euphorbiaceae con un estimado de 1300 especies por todo
el mundo. La mayoría de estas especies se encuentran como hierbas, árboles y arbustos en países tropicales y
subtropicales. De varias especies del género Croton se han aislado diversidad de metabolitos secundarios, siendo
los más abundantes los diterpenos (kaurano, clerodano, labdano), muchos de los cuales han presentado efectos
farmacológicos importantes como antitumorales, antiespasmódicos, antimaláricos, leishmanicidas, entre otros. En
Venezuela se han estudiado, entre otras plantas, una serie de especies del género Croton que han presentado los
efectos farmacológicos descritos. Croton hircinus Vent. es un arbusto que se encuentra en Guadaloupe, Martinique,
St. Lucia, St. Vincent, Grenada, Mesoamérica y Sur América; hasta hoy no se han reportado estudios fitoquímicos
y farmacológicos de C. hircinus. Como parte de este proyecto se presentan resultados en los estudios preliminares
sobre la evaluación leishmanicida de polifenoles aislados de C. hircinus colectada en las faldas del Ávila de nuestro
país.
Métodos
En el ensayo in vitro para promastigotes de Leishmania braziliensis LTB 300, la cepa se cultivó en agar sangre
suplementado con medio suero glucosado. Para evaluar el efecto de los metabolitos aislados de los tallos de la
planta C.hircinus sobre L. braziliensis se agregaron los compuestos 1-(4´-hidroxifenil)-propan-1,2-diol (1) 1mM y
4-[1-(2-hidroxi etoxi)-2-metil propil] fenol (2) 1mM a los parásitos en fase estacionaria de crecimiento en un período
de incubación de 24 horas. Se empleó como control negativo suero glucosado y control positivo anfotericina B. El
número de células vivas se estimó cada 24 horas empleando la cámara de Neubauer y se expresó como porcentaje de
células vivas. Para evaluar la capacidad de los compuestos sobre el crecimiento exponencial del parásito la densidad
de población inicial fue de 1 x 107 células/mL, y los datos fueron analizados en función de la densidad de población
por día, los cuales se expresan en porcentaje de células vivas.
La actividad in vitro de los compuestos 1 y 2 sobre promastigotes de L. braziliensis resultó ser poco significativa.
El compuesto 1 afectó en un 21% el crecimiento de los parásitos mientras que el compuesto 2 en un 35%. En
conclusión, se puede decir que los compuestos 1-(4´-hidroxifenil)-propan-1,2-diol y 4-[1-(2-hidroxi etoxi)-2-metil
propil] fenol no afectaron el crecimiento de los promastigotes de Leishmania braziliensis.
Financiamiento: Este trabajo es financiado por el Consejo de Desarrollo Científico y Humanístico de la Universidad
Central de Venezuela bajo el n° PG-06-7342-2008/1.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión/conclusiones
103
SEMILLAS DE THEVETIA THEVETIODIDES H.B.K. K. SCHUM ESTEROIDES
CARDIOTÓNICOS Y EVALUACIÓN DE LA TOXICIDAD AGUDA
Molina-Torres J., Ramírez Chávez, E.
Laboratorio de Fitobioquímica, Departamento de Biotecnología y Bioquímica. Cinvestav
Unidad Irapuato. México. Author for correspondence
[email protected]
Introducción
Los denominados glucósidos cardiotónicos son esteroides con el hidroxilo (OH) en posición 14b. En estos tetraciclos,
los anillos C y D son cis en contraste con la mayoría de esteroides. En la posición 17b se ligan a una lactona insaturada
de cinco miembros (cardenólidos) o de seis miembros (bufadienólidos). Presentan en posición 3b azúcares deoxi
u O-metil, poco comunes, características de los cardenólidos. Los glucósidos cardiotónicos se presentan en varias
familias de plantas eg. Scrophulariaceae, Ranunculaceaae, Asclepiadaceae, Apocynaceae y Liliaceae. Los cardenólidos
son los derivados mas comunes.
En América tropical, entre una variedad de especies conteniendo cardenólidos destaca la presencia del género Thevetia
(Apocynaceae). De amplio comercio se conoce Thevetia peruviana sinónimo de Thevetia neriifolia (Yellow oleander)
distribuida desde la parte norte de Sudamérica a la parte templada de Norte América hasta Florida. Thevetina ha
encontrado uso frecuente en Europa, ya que se considerada particularmente útil en los casos de intolerancia a Digitalis.
Probablemente la toxicidad de esta planta ha sido exagerada. Evans en 1996 menciona el uso de esta especie en
intentos suicidas donde la ingestión de ocho o mas semillas puede ser fatal. Bruneton, (1999a) menciona que 3-4
semillas y más semillas de Thevetia neriifolia pueden ser fatales. Por otra parte este mismo autor comenta que existe
el registro de que en niños, dos semillas de Thevetia peruviana indujeron alteraciones en el ritmo cardiaco que fueron
reversibles sin tratamiento (Bruneton, 1999b).
En México se encuentra Thevethia thevetioides, especie endémica del centro y sur de nuestro país, en los estados
de Guanajuato, Querétaro, Hidalgo, Michoacán, México, Morelos, Puebla y Guerrero. Es una planta poco común
al estado silvestre en el Bajío, pero su cultivo no es raro en muchos poblados de la región. Es reconocido su uso en
medicina popular contra varias afecciones (Rzedowski y Rzedowski, 1998). Esta especie, aunque es de gran interés
farmacológico y medicinal no ha sido estudiada en su fitoquímica.
Mesoamériica a pesar de tener una gran riqueza florística y conocimiento de la herbolaria tradicional, cuenta con
pocos estudios sobre la toxicidad de las especies comercializadas y su farmacopea herbolaria pone poca atención a
las mas de 3000 especies que se utilizan en México con este fin.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Apoyo financiero: Easy-Figure
104
IDENTIFICAÇÃO DOS METABÓLITOS SECUNDÁRIOS NO EXTRATO
METANÓLICO DE CAPÍTULOS E ESCAPOS DE PAEPALANTHUS
GIGANTEUS SANO POR HPLC/ESIMS
Zanutto F.V. 1, Sano P.T.2, Vilegas W. 1, Varanda, E. A.3; Santos L.C.1
UNESP-Univ Estadual Paulista, Instituto de Química, Departamento de
Química Orgânica, Araraquara, São Paulo, Brasil.
2
Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, SP, Brasil.
3
UNESP-Univ Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Departamento de Ciências
Biológicas, Araraquara, São Paulo, Brasil.
1
Introdução:
Paepalanthus giganteus Sano é uma espécie pertencente à família Eriocaulaceae possuindo ocorrência na Serra do
Cipó, Estado de Minas Gerais, Brasil. Estudos realizados com espécies do gênero Paepalanthus demonstraram que
a maioria destas espécies possui atividades: antioxidante, antiulcerogênica e em algumas, citotoxidade para células
mutagênicas. Devido à importância dos estudos químicos e biológicos apresentados até o presente momento com
espécies de Paepalanthus, neste trabalho realizou-se o perfil por HPLC/ESI-MS do extrato metanólico de capítulos
e escapos de P. giganteus com o objetivo de identificar seus principais componentes químicos, uma vez que esta
espécie não possui dados na literatura.
A espécie foi coletada e identificada pelo Prof. Paulo T. Sano da USP de São Paulo (voucher 3736 SPF). Prepararam-se
os extratos de capítulos e escapos por maceração com metanol. Em seguida, 5 mg extrato foram dissolvidos em 2mL
de metanol e filtrados em uma membrana de PTFE com poros de 0,22 μm. Para as análises HPLC/ESI-MS, foi utilizado
um cromatógrafo de marca LCQ Fleet LC/MS (Thermo Analítica®), com HPLC Accela equipado de uma Bomba
Quaternária; Detector com Arranjo de Diodo e coluna Hypersil BDS RP18 (250 x 2.1 mm, 5 μm) (Thermo, Bellefonte,
PA, USA) vazão de 1mL min-1. Utilizou-se como fase móvel metanol/ácido acético 0,1% em gradiente exploratório.
Os espectros de massas foram obtidos em um espectrômetro de massas LCQ Fleet da Thermo Analitica, equipado
com dispositivo de inserção direta da amostra via análise por injeção em fluxo contínuo. A amostra foi analisada
no modo de ionização por electrospray (ESI) e as fragmentações em múltiplos estágios (MS2, MS3) realizadas em
uma interface do tipo ion-trap (IT). O modo negativo foi escolhido para a geração e análise dos espectros de massas
em primeira-ordem (MS), bem como para os demais experimentos em múltiplos estágios (MSn), sob as seguintes
condições: capilar –4 V a 280 °C , spray –5 kV, gás de arraste (N2) fluxo 60 (unidades arbitrárias). A faixa de aquisição
foi m/z 50-1000, com eventos de varredura realizados simultaneamente no espectrômetro de massas. O primeiro
evento foi uma varredura completa (full-scan) do espectro de massas para adquirir os dados dos íons na faixa m/z
estabelecida. Os demais eventos foram experimentos MSn realizados a partir dos dados da primeira varredura
para íons precursores pré-selecionados com energia de colisão entre 25 e 30% da energia total do instrumento. O
software Xcalibur 2.1 Thermo Scientific Foundation 1.0.1 foi utilizado durante a aquisição e processamento dos
dados espectrométricos.
Resultados e discussão/Conclusão:
A partir do perfil por HPLC/ESI-MS dos extratos metanólicos de capítulos e escapos de Paepalanthus giganteus,
verificou-se a presença de naftopiranonas derivadas da paepalantina e de flavonóides derivados da quercetina, assim
como flavonas derivadas da luteolina. Tal determinação foi possível devido a comparação dos tempos de retenção
com a co-injeção de padrões, comparação dos perfis dos espectros no UV e dos fragmentos apresentados nos
espectros de MSn.
Suporte Financeiro: FAPESP e CNPq
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Material e Métodos:
105
EVALUATION OF ESTROGENIC ACTIVITY OF A NEW SAPONIN
FROM SOLANUM PANICULATUM
1
Vieira-Júnior G.M.1*, Resende F.A.2, Varanda E.A.2, Vilegas W.1
Institute of Chemistry, UNESP - Univ. Estadual Paulista, Araraquara, SP, Brazil.
2
Department of Biological Sciences, Faculty of Pharmaceutical Sciences,
UNESP - Univ. Estadual Paulista, Araraquara, SP, Brazil.*
[email protected]
Introduction
As part of our ongoing research on bioactive compounds from Brazilian plants for develop of the phytotherapics, we
were investigated the species Solanum paniculatum (Solanaceae). S. paniculatum, known popularly as either jurubeba,
jurupeba, jubeba or juna is a widespread plant species used in Brazilian folk medicine as a tonic, antifever agent, bitter,
and eupeptic to treat liver and gastric dysfunctions. The plant is a component of various pharmaceutical formulations
including: syrups, infusions or decoctions, ethanolic extracts, and elixirs. Many steroidal compounds have been isolated
from this species, specially glycoalkaloids and saponins. This work describes the structure elucidation of a new saponin
(1) isolated from the EtOH (70%) extract, and a know phenolic compound, caffeic acid. The estrogenic activity of the
compound 1 was evaluated.
Methods
Plant material (twigs - 66,0 g) was dried, ground and percolated with ethanol (70%). The ethanolic extract was
lyophilized and chromatographed (2,7 g) on Sephadex LH-20 column, using MeOH/H2O (7:3) as eluent. The fraction
48 (108,0 mg) was subjected to EFS-C18, using gradient H2O (100%) to MeOH (100%), resulting in 19,0 mg of 1. The
fraction 57 (350,0 mg) was chromatographed in HPLC (reverse phase C-18, eluent: MeOH/H2O (25:75) + 0,1% HAc,
flow 2 mL.min-1, l = 254 nm), resulting in 25,0 mg of caffeic acid. The structure elucidation of the compound 1 was
based in NMR 1D and 2D and mass. The caffeic acid was identified by comparison of NMR 1D data with literature.
The estrogenic activity was assayed using recombinant yeast assays (RYA). In this work, we used the gene LacZ from
E. coli, which encodes the enzyme b-galactosidase and the results were expressed as estradiol equivalents (EEQ).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
106
The aglycone moiety of 1 was determined by comparison of RMN 13C data with literature. The correlations observed
in the gHMBC between the anomeric hydrogens and carbons possible to locate the sugar moieties. The interaction
observed in the gNOESY between anomeric hydrogens of two quinovose units indicated that both would be linked.
The proposed structure was confirmed by mass (m/z: 1041.08 [M+Na]+). The compound 1 showed significant
interaction with estrogen receptor (3.3 ± 1.2 nM EEQ). Thus, is necessary to clarify the mechanisms and the conditions
that mediate the biological effects of the compound, before considering them as therapeutic agents. Compound 1 is
a new saponin isolated for the first time of S. paniculatum.
Financial Support: FAPESP and CNPq
ORAL PRESENTATION. FARMACOGENETICS
AND HERBAL MEDICINES
Diadelis Remirez, PhD
Institutions(s): National Centre of the State Quality Control of
Drugs (CECMED). Ave 17 and 200, Playa, Havana City, Cuba
[email protected]
The science of pharmacogenomics has advanced significantly in the last five years, but it is still in infancy and is
mostly used on research basis. The Pharmacogenomics helps identify interindividual variabilities in drug response
(both toxicity and effectiveness). Due to the fast growing in the consumption of phytomedicines, it is necessary the
investigation of mechanism of actions of these products with more rigor. The herbal medicines like synthetic drugs
have been showed their bioactivation through cytochrome P-450, the main enzyme involved in the metabolism of
xenobiotics. In this work, the main enzymes involved in the metabolism of phytomedicines, the advantages and
disadvantages of bioactivation to metabolites less or more toxics are described as well as the pharmacodynamic
interactions involving herbs. Moreover, the herbs which affect the P-glycoprotein activity in vitro will be showed.
These studies strengthen and optimize the safety of herbal medicines.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The hope for the future is that through personalized medicine, doctors and patients will be able to make betterinformed choices about treatment. This treatment will avoid the adverse drug reaction to the medication and will
improve the diagnosis diseases as well as the prevention and treatment of diseases.
107
ESTUDIO FITOQUIMICO DE VERNONANTHURA PATENS KUNTH
H. ROB DE ORIGEN ECUATORIANO
P. Manzano Santana (1), T. Orellana (1) , M. Silva (2), E. Peralta (1).
(1)Centro de Investigaciones Biotecnologicas de la ESPOL (CIBE). Escuela Superior
Politecnica del Litoral (ESPOL) Km. 30.5 Via Perimetral, Campus Proserpina, Apartado:
09-01-5863. Fax: (593-4) 2 854629. Guayaquil . Ecuador.
(2)Laboratorio de Productos Naturales de la Facultad de Ciencias Naturales y
Oceanograficas de la Universidad de Concepcion-Chile.
[email protected], [email protected]
Resumen
Vernonanthura patens (Kunth) H. arbusto de origen sudamericano, crece silvestre en el sur ecuatoriano, los moradores
del Canton Marcabeli, provincia de el Oro la conocen como glaritaco h, utilizando las cocciones acuosas de las hojas
de la especie para lavar y cactrizar heridas, para calmar el dolor de cabeza, como antiinflamtorio, para calmar la
tos y para combatir ciertos tipos de cancer. Las investigaciones biologicas preliminares realizadas han demostrado
una buena actividad antimalarica, sin embargo, no existen antecedentes de estudios quimicos para la especie.
El estudio se inicia con la obtencion de fracciones de las hojas de V. patens, mediante extracciones sucesivas en
columna cromatografica con disolventes organicos de distinta polaridad para su posterior evaluacion microbiologica
(antifungica), empleandose la tecnica de difusion en agar y siembra enpocillos en caja petri. La caracterizacion
quimica de la fraccion con bioactividad se analizo por cromatografia gaseosa-espectrometria de masas (GC-MS). Para
determinar si existen diferencias significativas entre los grupos estudiados, se obtuvo el porcentaje de crecimiento
de Fusarium oxysporum y Penicillium notatum frente a la fraccion hexanica de la especie y del solvente (DMSO)
a 100 g y 200 g observados a 15 y 21 dias de incubacion, posteriormente se realizaron las respectivas pruebas de
analisis de varianza y de Tukey. Se determino que la mayor inhibicion observada para Penicillium notatum y Fusarium
oxysporum en la fraccion hexanica fue del 80,2% y 81,5% a 200 g y a 15 dias de incubacion, evidenciandose diferencias
significativas (p.0,05) entre los grupos evaluados. En esta fraccion se identificaron fundamentalmente el hidrocarburo
terpenico escualeno junto a otros hidrocarburos. Los resultados de la presente investigacion se informan por primera
vez para la especie.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Palabras claves: Vernonanthura patens, laritaco, Penicillium notatum, F. oxysporum, antifungico.
108
ESTUDIO DEL EFECTO HIPOGLICEMIANTE DE PLANTAS
MEDICINALES COLOMBIANAS
Gil J.F. 2, Balcázar N. 1, Guillen A. 1, Granados S.2, Echeverri F. 2
Facultad de Medicina, Grupo de Endocrinología y Metabolismo SIU,
Universidad de Antioquia, Colombia
2
Instituto de Química, Grupo de Química Orgánica de Productos Naturales- SIU,
Universidad de Antioquia, Colombia
1
Introducción
La Diabetes Tipo 2 (DT2) ha alcanzado proporciones endémicas; se estima una prevalencia de 350 millones para el
año 2025. La obesidad es la alteración metabólica más crítica en el establecimiento de resistencia a la insulina y en el
desarrollo potencial de la DT2. En Colombia existen 12 millones de personas con sobrepeso u obesidad y cerca del
7% de la población con diabetes. Recientemente, el gobierno Colombiano clasificó la obesidad y las enfermedades
crónicas no transmisibles asociadas a ésta, como una prioridad de salud pública que requiere mejoras en cuanto a la
cantidad y calidad de tratamientos farmacológicos disponibles.
Métodos
El uso de plantas como agentes antidiabéticos es una práctica muy extendida en el mundo entero y la validación
científica de estas plantas no siempre genera resultados positivos, debido en parte a la carencia de un modelo experimental que permita discernir sobre que tipo de afección sobre la cual se está haciendo la evaluación, Diabetes
Tipo I o Diabetes Tipo 2. En este trabajo, se analizó la captación de glucosa en células de músculo de ratón (C2C12),
pre-tratadas con extractos de plantas catalogadas como antidiabéticas en el vademécum colombiano.
Resultados
De las plantas analizadas, los extractos provenientes de la corteza de Hymaenea courbaril y de las hojas de Eucalyptus
globulus demostraron tener un pronunciado efecto en la captación de glucosa, disminuyendo considerablemente la
cantidad de glucosa en el medio en comparación a los respectivos controles.
Conclusiones.
Agradecimientos. Los autores agradecen a COLCIENCIAS (Colombia CODIGO-111551929137) por la financiación
de este trabajo.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Los datos suministrados por estos ensayos preliminares in vitro justifican la implementación de investigaciones en
modelo animal, por tal motivo, en la actualidad se está evaluando el efecto hipoglicemiante de estos extractos en un
modelo murino de DT2; así mismo, se adelantaron ensayos bioguiados tendientes al aislamiento e identificación de
las sustancias que poseen esa actividad, para buscar hit moleculares que permitan el desarrollo de nuevas alternativas
terapéuticas.
109
EVALUATION OF INDIGO ALKALOIDS IN ARACHIDONIC ACID EAR MODEL, A
CLASSIC MODELO OF INFLAMMATION BY PROSTAGLANDINS SYNTHESIS
Dunder, R.J.1, Luiz-Ferreira, A2., Manzo, L.P1, Almeida, A.C.A2.,
De Faria, F. M1, Souza- Brito, A.R M1.
1 Department of Pharmacology UNICAMP, St. Tessália Vieira de Camargo, 1
26 Campinas- SP- Brazil CEP 13084-971.
2 Department de Anatomy, Cell Biology, Physiology e Biophysics
Av. Bertrand Russel, s/nº Campinas - SP- Brazil CEP 13083-865.
[email protected]
The inflammatory prostaglandin (PGE2) is an important eicosanoid in the inflammatory process and responsible
for peripheral sensitization of nocipetors and cellular infiltration in damaged tissues. The PGE2 is not free in tissues,
but, instead, is synthesized through a membrane perturbations that cause the release of free fatty acids, generally
arachidonic acid (AA), the AA is converted into PGE2 by the action of ciclooxigenasis enzymes (COX-1 and COX-2),
these enzymes are the Non Steroidals Anti-Inflammatory (NSAIDs) targets. These drugs blockade the COX-2 and
prevent PGE2 formation. Some plants have potential anti-inflammatory properties by reducing PGE2 levels. Indigofera
truxilensis showed important activity at reducing cellular infiltration, this plant is a source of indigo, a bis-indolic
alkaloids. This work aimed at the evaluation of the anti-inflammatory properties of indigo alkaloids in ear oedema
induced by AA. Mice UNIB: SW were separated in groups which, orally, received indigo at doses of 1,5; 3,0 and 6,0
mg/ kg, positive controls indometacin (INDO) 5 mg/kg and one group received only vehicle (saline). One hour after
the treatment, the mice received 20 µl of AA (2mg) in their ears. Three hours later, the animals were sacrificed and an
8 mm diameter section of the right and left ears were excised and weighed. The ears were frozen and macerated to
evaluate the levels of MPO and EPO (respectively neutrophills and eosinophill markers). The indigo alkaloids reduced
by 35%, 45% e 42% (doses of 1,5; 3,0 and 6,0 mg/kg) respectively, the positive control reduced by 37%. The dosages
of MPO did not show significant differences, but EPO was reduced by 55%, 64% and 77 % for the three doses (1,5,
3,0 and 6,0), the positive control INDO reduced by 50%. The results indicate an anti-inflammatory potential of indigo
against AA ear model, western blot analysis will be performed to evaluate whether indigo reduces COX activity in
this model of inflammation.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Acknowledgments: This study was supplied by FAPESP.
110
ANTINOCICEPTIVE EFFECTS OF ÍNDIGO ALKALOIDS FROM
Indigofera truxilensis (Kunth) In Classic Model Of Pain.
Dunder, R.J.1, Luiz-Ferreira, A2., Manzo, L.P1., Almeida, A.C.A2., Dos Santos,
R.C3 De Faria, F. M1, Souza- Brito, A.R M2.
1 Department of Pharmacology UNICAMP, St. Tessália Vieira de Camargo,
126 Campinas- SP- Brazil CEP 13084-971.
2 Department de Anatomy, Cell Biology, Physiology e Biophysics Av. Bertrand Russel,
s/nº Campinas - SP- Brazil CEP 13083-865.
3 Department of Physiology, Biosciences Institute,
Universidade Estadual Paulista, Botucatu, São Paulo, Brazil.
[email protected]
Painful experience is a complex entity made up of sensory, affective, motivational and cognitive dimensions. The
neural mechanisms involved in pain perception act in a serial and parallel way, discriminating and locating the
original stimulus and also integrating the affective feeling, involved in a special situation, with previous memories.
Non steroidals anti-inflammatory drugs (NSAIDs) or opioids such as morphine are the current treatments of pain.
Medicinal plants are an alternative for the control of pain; Indigofera truxilensis in popular medicine, has been used
to treat gastrointestinal pain and is an important source of indigo, a bis-indolic alkaloids. The aim of this work is to
evaluate the antinociceptive properties of indigo in classic models of pain. The analgesic investigations were carried
out in four types of noxious stimuli. Mice UNIB: SW were separated in groups which received indigo (1,5; 3,0 and
6,0 mg/ kg), positive controls (indometacin- INDO 5mg/kg or morphine 10 mg/kg) and negative control (saline).
Three chemical stimulus and one thermal test were performed: acid-induced writhing test (0,6 %), formalin test
(1%), capsaicin test (2mg/ml) and tail flick test respectively. All experiments were in concordance with the ethical
committee on animal experimentation (CEUA). The results showed that indigo significantly reduced abdominal
writhing by 38%, 40% e 38 % (at doses of 1,5; 3,0 and 6,0 mg/kg respectively) the positive control (INDO) reduced
by 64%. The indigo alkaloids reduced response of second phase in the formalin model for doses of 3,0 and 6,0 mg/
kg by 60 % and 53 % respectively and the positive control, morphine, inhibited by 97 % and INDO by 56 %. For the
capsaicin model, three doses showed a significant activity in reducing the liking time 40%, 21% e 22 % and morphine
reduced by 98%. For the tail flick test, three doses increased the latency time, 66%, 70% and 65 % for 1,5; 3,0 and
6,0 mg/kg doses respectively and positive control, morphine, increased latency time by 90 %. The results showed
that indigo alkaloids has an analgesic activity for chemical and thermal agents on the central nervous system. New
tests will be carried out to evaluate and confirm which analgesic mechanisms are involved in the action of indigo in
models of pain.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Acknowledgments: This study was supplied by FAPESP.
111
LA COMMIPHORA ERYTHRAEA: PROFILO FITOCHIMICO E BIOLOGICO
Federica Messina, Maria Carla Marcotullio, Massimo Curini
Dipartimento di Chimica e Tecnologia del Farmaco-Università di
Perugia Via del Liceo 1, 06123 Perugia - Italia
[email protected]
Abstract: Under request from Ipo and Infarmazone ONLUS, Commiphora erythraea resin was studied. Phytochemical
profiles of oils and extracts were elucidated. Several and different biological activities were screened with the aim to
scientifically confirm the traditional medical use of this kind of myrrh.
La C.erythraea (Burseracee) è una pianta resinifera originaria dell’Africa Orientale; endemica nel Corno d’Africa, è
particolarmente diffusa in Etiopia, paese in cui l’uso della resina di C. erytrhaea trova ampio spazio nella medicina
popolare tradizionale dove si ritrova, tra i molteplici usi, come antifungino, antinfiammatorio e antiparassitario.
Da due associazioni ONLUS operative in Etiopia (IPO e INFARMAZONE)1 è arrivata la richiesta di definire la
composizione chimica e le proprietà biologiche della resina, vista la mancanza di lavori scientifici su questa mirra.
Lo studio fitochimico ho evidenziato la presenza di furanosesquiterpenoidi come componenti maggioritari, sia per
quanto riguarda gli oli essenziali che gli estratti. La valutazione biologica degli oli ed estratti è mirata a confermare
o meno i molteplici usi presenti nella medicina tradizionale. E’ stata valutata l’attività antifungina nei confronti di
alcuni ceppi di Candida, e nei confronti di alcuni ceppi di funghi fitopatogeni, nell’ottica di utilizzare oli ed estratti
come conservanti ottenendo in entrambi i casi risultati positivi2. E’ stata contestualmente valutata anche l’attività
antimicrobica, risultata assente.
O
O
MeO
MeO
O
O
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
1
112
O
O
2
3
O
O
O
4
O
5
Gli oli ed estratti sono stati saggiati per la loro eventuale attività radical scavenger e azione inibitoria sulla 5-LOX,
ottenendo buoni risultati. Seguendo un procedimento di frazionamento bioguidato è stato possibile individuare nei
composti 1 e 2 i principali responsabili della attività inibitoria sulla 5-LOX; questi composti si sono dimostrati anche in
gradi di ridurre le produzione di NO in cellule stressate da LPS3. L’attività antinfiammatoria mediante è stata saggiata
mediante un test di riduzione dell’edema causato dall’olio di croton nell’orecchio di topo. In questo caso l’attività
risulta essere media, ma significativa. Sempre attraverso frazionamento bioguidato si sono individuati nelle molecole
3, 4, e 5 gli effettori di questa attività antinfiammatoria. E’ stato altresì saggiato il potenziale antivirale nei confronti del
virus parainfluenzale PIV3. Anche in questo caso l’attività è risultata essere apprezzabilmente presente, ed ascrivibile
principalmente alle molecole 1 e 34.
1
2
3
4
www.ipoassociazione.org , www.infarmazone.org
Fraternale D, Sosa S, Ricci D, Genovese S, Messina F, Tomasini S, Montanari F, Marcotullio MC Fitoterapia, 2011, 82,654-661
Marcotullio MC,Messina F, Curini M, Macchiarulo A, Cellanetti M, Ricci D, Giamperi L, Bucchini A, Minelli A, Mierla AL, Bellezza I (2011) Insights into the
molecular basis of biological properties of furanosesquiterpenoids from Commiphora erythraea resin. Phytochemistry - submittedCenci E, Messina F, Rossi E, Epifano F, Marcotullio MC (2011) Bioassay-Guided Isolation of Antiviral Furanosesquiterpenes from Commiphora erythraea (Ehrenb.)
Engl. Resin Extract. Phytotheraphy research –submitted-
CHEMICALBIOLOGICAL STUDY OF CEDRELA ODORATA
Gualtieri M.J.1, Malafronte N1, Vassallo A2, Araque M3, Dal Piaz F1, De Tommasi N1
Dipartimento di Scienze Farmaceutiche e Biomediche, Università degli Studi di Salerno, Italia.
2
Dipartamento di Chimica, Università degli Studi della Basilicata, Italia.
3
Departamento de Parasitologia y Microbiologia, Universidad de Los Andes,Venezuela.
[email protected]
1
Introduction
Cedrela odorata L. is a tree belonging to the Meliaceae family, native of tropical American region. The infusion of
the bark is used in South America traditional medicine as a remedy for diarrhea, inflammatory stages, vomiting
and bleeding. In Africa the whole plant is used for the treatment of malaria [1]. Previous phytochemical studies on
Meliaceae family report the presence of limonoids, compounds with triterpenoid skeleton highly oxygenated, having
insecticidal activity [2,3,4].
Methods
C. odorata leaves and barks were subjected to extraction with solvents polarity increased, hexane, CHCl3, CHCl3MeOH (9:1) and MeOH. The study of the extracts was carried out using different chromatographic techniques such
as Sephadex LH-20, MPLC, and rp-HPLC. From CHCl3-MeOH (9:1) extract preliminary study led to isolation of some
pure compounds whose structures were elucidated by 1D- and 2D-NMR Spectroscopy (1H, 13C, 13C DEPT, DQFCOSY, HSQC, HMBC, ROESY ) and confirmed by mass spectrometry. The study of all C. odorata fractions to isolate
other metabolites will be performed. On the basis of literature data, the minimal inhibitory concentration (MIC) and
minimal bactericidal concentration (MBC) of C. odorata extracts was studied. The study were conducted using the
dilution-in-broth method (Mueller Hinton) according to the Clinical Laboratory Standard Institute (CLSI, 2011). MIC
was determined in the range of 0.006–512 µg/ml.
Results and discussion
The phytochemical study of CHCl3-MeOH (9:1) extract led to the isolation of three compounds (1, 2, 3) two of them
new natural compounds. Figure 1.
OH
OH
O
HO
O
O
O
1
OH
O
O
OH
OH
O
O
2
O
O
O
O
3
Figure 1. Chemical structures
The extract CHCl3:MeOH (9:1) of leaves of C. odorata showed antibacterial activity against Gram-positive bacteria (E.
faecalis 904, S. aureus 906 and S. aureus 29213) with a MIC 32 µg/ml, while CHCl3:MeOH (9:1) barks extract showed
antibacterial activity against Gram-positive bacteria (E. faecalis 904, S. aureus 29213 and S. aureus 906) with a MIC 4
µg/ml.
References
[1] N. Tienabe, T. Iwagawa, H. Okamura, M. Doe, Y. Morimoto and M. Nakatani. Phytochemistry, (2008), 69 , 1782–1787; [2] M. Carpinella, M. Defago, G.
Valladares, and S. Palacios, Biosci Biotechnol Biochem., (2002) 66 1731-1736; [3] S. Abdelgaleil and A. El-Aswad, Manag. Sci (2005) 61 186-190; [4] G. Manners,
Jacob D, R. Breksa; A. Schoch, T. Hasegawa, J.Agric.Food Chem. (2003), 51, 4156-4161.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
O
HO
OH
OH
O
OH
113
A NEW DERIVATIVE OF 12OXOPHYTODIENOIC ACID FROM
SALVIA ADENOPHORA FERNALD
Bisio°A.1, Damonte°G.2, Giacomelli°E.1, Mele°G.1, Pozzo°E.1, Cafaggi°S.1, De Tommasi°N. 3, Romussi°G.1
1
Dipartimento di Chimica e Tecnologie Farmaceutiche e Alimentari, Università di Genova,
Via Brigata Salerno 13, 16147 Genova, Italia,
2
Dipartimento di Medicina Sperimentale e Centro di Eccellenza per la Ricerca Biomedica, Università di
Genova, Viale Benedetto XV 7, 16132, Genova, Italia,
3
Dipartimento di Scienze Farmaceutiche,Università di
Salerno, Via Ponte Don Melillo, 84084 Salerno, Italia.
[email protected]
Introduction
In course of a research devoted to the identification of natural pesticides in the surface exudates [1] of aromatic plants,
we considered Salvia adenophora Fernald [2], which previously showed herbicide activity [3]. In this work we focused
on the more lipophylic part of the exudate in order to isolate cyclic metabolites of the polyunsaturated fatty acids.
As a matter of fact, due to their great structural variety, oxylipins may have various biological roles as antimicrobial,
anti-insecticidal and antifungal compounds [4, 5]; these compounds have also shown effects of inhibition of root
elongation, alteration of seedling growth and photosynthetic activity [6].
Methods
The surface exudate (36 g), obtained by rinsing the plant material with CH2Cl2, and washed with n-hexane, was
subjected to column chromatography on Sephadex LH-20 (CHCl3/CH3OH 7:3), and then on silica gel (CHCl3),
affording compound 1, that was purified by means of HPLC-MS followed by semi-preparative RP HPLC (CH3OH/
H2O 80:20, RT 9 min, 6.7 mg).
Results and discussion/conclusions
The compound 1 was identified by 1H and 13C NMR, including TOCSY, COSY, HSQC, HMBC experiments, ESI-TRAPMS, MS2 and HR-MS analysis. The relative stereochemistry of 1 was inferred on the basis of the 1H and 13C NMR
data of pentenil and cyclopentenil moieties, consistent with those published in the literature for 12-oxo-trans-10,15phytodienoic acid (13-epi-12-oxo-PDA) [7, 8, 9] and for its methyl ester [10, 11].
Financial Support: EU PO Italia Francia MARITTIMO: “Pyrgi”.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
References: 1. Dayan, F.E., Duke, S.O. Pesticide Outlook, 2003, 8, 175-178; 2. Epling, C. In Fedde F., University of California Press: Berkley, California, 1940, Vol.110;
114
3. Bisio, A., Fraternale, D., Giacomini, M., Giacomelli, E., Pivetti, S., Russo, E., Caviglioli, G., Romussi, G., Ricci, D., De Tommasi, N. Crop Protection, 2010, 29, 1434-1446;
4. Jahn, U., Galano, J.M., Durand, T., 2008. Angewandte Chemie International Edition 47, 5894-5955; 5. Göbel, C., Feussner, I., 2009. Phytochemistry 70, 1485-1503;
6. Mueller, M.J., Berger, S., 2009. Phytochemistry 70, 1511-1521; 7. Ainai, T., Matsuumi, M., Kobayashi, Y., 2003. The Journal of Organic Chemistry 68, 7825-7832; 8.
Baertschi, S.W., Ingram, C.D., Harris, T.M., Brash, A.R., 1988. Biochemistry 27, 18-24; 9. Kobayashi, Y., Matsuumi, M., 2002. Tetrahedron Letters 43, 4361-4364; 10.
Bohlmann, F., Borthakur, N., King, R.M., Robinson, H., 1982. Phytochemistry 21, 125-127; 11. Chu, X.-J., Hong, D., Liu, Z.-Y., 1995. Tetrahedron 51, 173-180.
EVALUACIÓN FÁRMACOTOXICOLÓGICA DEL ASMACAN
Guevara I. 1, Pérez M.R.1, González I.2, Martínez M.2
Grupo Empresarial LABIOFAM, Ave Independencia km 16½
Santiago de las Vegas, La Habana Cuba.
2
Instituto de Farmacia y Alimentos, Universidad de la Habana
Email:[email protected] ó
[email protected]
1
Introducción
En los últimos años ha existido un incremento en la frecuencia de enfermedades respiratorias a nivel mundial. En
la terapia de dichas enfermedades respiratorias también son de gran utilidad los productos naturales, existiendo
un incremento de su uso como terapias complementarias y/o alternativas en el tratamiento de las mismas. Esta
tendencia ha dado lugar al fortalecimiento de nuevas generaciones de productos terapéuticos de origen natural.
ASMACAN, jarabe desarrollado por el grupo Empresarial LABIOFAM a partir de una mezcla heterogénea de
diferentes productos naturales que presentan actividades antinflamatorias, antioxidantes, inmunomoduladoras,
expectorantes, entre otras, constituye una alternativa terapéutica en el tratamiento de diferentes enfermedades del
tracto respiratorio. Este trabajo tuvo como objetivo la evaluación fármaco-toxicológica del ASMACAN.
Materiales y métodos
Para el estudio toxicológico se desarrolló el método alternativo de las Clases Tóxicas Agudas utilizando una dosis
límite de 2000 mg/kg y el ensayo de Irritabilidad sobre la mucosa oral. En la evaluación farmacológica, la actividad
antiinflamatoria se evaluó en un modelo agudo de inflamación auricular y se utilizaron dosis de 250 y 500 mg/kg
por vía oral de ASMACAN.
Resultados/discusión/conclusiones
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
En el ensayo de toxicidad aguda por vía oral, el ASMACAN fue NO CLASIFICADO (DL50>2000 mg/kg) y no ocasionó
irritabilidad sobre la mucosa oral. El ASMACAN mostró una significativa reducción del edema a la dosis de 500 mg/
kg con un 63,15 % de inhibición de la inflamación. Las evaluaciones realizadas permitieron concluir que el ASMACAN
administrado por vía oral es potencialmente no tóxico y posee una significativa actividad antinflamatoria.
115
SECOLIMONOIDES AISLADOS DE RAPUTIA HEPTAPHYLLA RUTACEAE Y
ACTIVIDAD LEISHMANICIDA IN VITRO FRENTE A LEISHMANIA PANAMENSIS
COY C.A.1, COY E.D.1, CUCA L.E. 1, GRANADOS D.2, DELGADO G.2.
Universidad Nacional de Colombia, Facultad de Ciencias, Departamento de Química,
Laboratorio de Investigación en Productos Naturales Vegetales; Bogotá D.C., Colombia.
2
Universidad Nacional de Colombia, Facultad de Ciencias, Departamento de Farmacia,
Grupo de Investigación en Inmunotoxicología, Bogotá D.C., Colombia
1
Introducción
Los seco-limonoides son compuestos químicos que han sido aislados de especies de la familia Rutaceae, se caracterizan
por su variedad estructural teniendo un amplio rango de actividades biológicas, tales como antimicrobiana,
antineoplásica y antimalárica [1]. Investigaciones fitoquímicas previas realizadas a la especie R. prateermisa una especie
vegetal con usos etnobotánicos en Brasil para el tratamiento de chagas y la leishmaniosis [2], mostraron la presencia
de este tipo de compuestos. Teniendo en cuenta que en Colombia la leishmaniosis es una enfermedad común
en gran parte del territorio nacional, se encuentra subvalorada y los medicamentos utilizados para su tratamiento
poseen rangos variables de eficiencia y baja seguridad, en el presente estudio se evalúa la actividad leishmanicida a
nivel in vitro frente a L. panamensis de extractos de R. heptaphylla y compuestos aislados de tipo seco-limonoide, con
el fín de buscar posibles alternativas terapéuticas que puedan generar nuevas soluciones frente a esta problemática.
Métodos
Los limonoides aislados de la corteza de R. heptaphylla fueron obtenidos a partir del extracto etanólico y purificados
mediante métodos convencionales. Sus estructuras fueron elucidadas utilizando técnicas espectroscópicas (IR, UV,
RMN y EMAR). Con el fin de estudiar la especificidad del efecto leishmanicida de los extractos y compuestos se llevó
a cabo ensayos de citotoxicidad por el método de metabolismo de Resazurina sobre células de murino (J774). Para
establecer la actividad promisoria de los extractos y compuestos evaluados se determinó la CE50 en promastigotes
y amastigotes intracelulares de L. panamensis, utilizando como controles de comparación medicamentos
convencionales para el tratamiento (estibogluconato de sodio ® y pentamidina ®).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión/ Conclusiones
116
Se caracterizaron estructuralmente dos seco-limonoides denominados ichangina 1 y raputiólido 2, a este último se
le determinó la configuración relativa con el análisis de las correlaciones espaciales observadas en el espectro NOESY
y cálculos DFT, además 2 presentó una actividad leishmanicida promisoria mostrando una CE50 sobre amastigotes
intracelulares de 8.7 µg/mL sin evidenciarse ningún efecto sobre la forma extracelular del parásito (CE50 sobre
promastigotes > 60 µg/mL). Estos resultados preliminares sugieren la necesidad de continuar con más estudios a
nivel in vitro e iniciar ensayos in vivo para confirmar la posible actividad leishmanicida de dicho compuesto y discernir
el posible mecanismo de acción.
Bibliografía
1.
1.
Roy, A.; Saraf, S.; Limonoids: Overview of significant bioactive triterpenos distributed in plants kingdom; Biological Pharmaceutical Bulletin, 2006, 29, 191-201.
Rosas, L.V.; Silva, M.F.; Fernandes, J.B.; Vieira, P.C. NMR of limonoids from roots of Raputia praetermisa. Annals of Magnetic Resonance. 2003. 3, 73-75.
SYNTHESIS AND ANTIHERPETIC ACTIVITY OF SIMPLE AND HETEROFUSED
TERPENYL1,4NAPHTHOQUINONE AND 1,4ANTHRACENEDIONE DERIVATIVES
Betancur-Galvis L.A 1,*, Castro M.A 2,*, García P.A 2, Agudelo-Gómez L.S 1,
Miguel del Corral J. M. 2, and San Feliciano A2
1
Grupo de Investigación Dermatológica. Facultad de Medicina. Departamento de Medicina Interna.
Universidad de Antioquia, Medellín, Colombia.
2
Departamento de Química Farmacéutica. Facultad de Farmacia - CIETUS.
Universidad de Salamanca, Salamanca, Spain.
[email protected]
Introduction
Quinones are common secondary metabolites of plants that have been associated to many types of biological activity.
A number of anthracenedione and anthrones isolated from plants and lichens have shown to exhibit virucidal or
virustatic activity against enveloped viruses, including human herpes simplex virus (HHV). An anthracenedione
derivative as doxorubicin was earlier shown to be active against a variety of viruses, such as HIV and HHV. Emodin,
other anthracenedione, specifically inhibited the activity of UL 12, a viral protein involved in DNA processing and capsid
egression of HIV-1, and exerted its antiviral activity by accumulating nucleocapsids in the nucleus, thus reducing HSV-1
yields. Since only a few reports were found related to antiviral assays of 1,4-naphthoquinones and 1,4-anthracenediones
containing an alkyl side-chain attached to the aromatic ring, the aim of the current study was to investigate the in vitro
antiherpetic activity of 20 prenylquinone derivatives on HHV-1.
Experimental
Acknowledgments. Financial support came from COLCIENCIAS, Bogotá, Colombia (Grant RC No 366-2011) and
Junta de Castilla y León, Spain (Ref.: SA 114A06).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Chemistry. Quinones being evaluated were selected as representative members of different families of simple
and heterocycle-fused 1,4-naphthoquinone (NQ) and 1,4-anthracenedione (AD) derivatives. The synthesis of the
intermediate prenyl-NQs was based on the Diels-Alder condensation between myrcene and p-benzoquinone (or
2,5-dichlorobenzoquinone) in the presence of BF3.OEt2, followed by oxidation of the cycloadducts with MnO2 and further
functionalization. The formation of ADs was attained through the same oxidation procedure carried out in presence
of the Lewis catalyst. Antiviral activity. two-fold dilutions of the quinone derivatives and a viral suspension of one
TCDI50/0.1mL were mixed and incubated for 0.5 h at 37 ºC before they were added to confluent monolayer cells and
further incubated at 37 °C for 48 h. Acyclovir and Heparin were used as positive reference standards. Results. Quinone
compounds NQ6 [2,3-dichloro-6-(4-methylpentyl)-1,4-naphthoquinone] and NQ8 [3-Chloro-2-(4-methoxyanilino)-6-(4methylpentyl)-1,4-naphthoquinone] were the most potent antivirals found within those evaluated series, attaining a
reduction factor Rf = 1 x 102 of the viral titer (Rf: ratio of the virus titer in the absence over virus titer in the presence of
the tested compound). Acyclovir and Heparin showed Rf values of 1 x 104 and 1 x 102, respectively.
117
RHIZOPHORA MANGLE L. AMELIORATES TNBSINDUCED COLITIS IN
RATS THROUGH THE EXPRESSION OF NFKAPPAB
de-Faria, F.M.1, Luiz-Ferreira, A.2, Socca, E.A.R.2, Dunder, R.J.1, Almeida,
A.C.A.2,Manzo, L.P.1, Silva, M.A.3, Vilegas, W.3, Souza-Brito, A.R.M.2
1
Department of Pharmacology, UNICAMP, Campinas, SP, Brazil.
2
Department of Physiology and Biophysics, UNICAMP, Campinas, SP, Brazil
3
Institute of Chemistry,UNESP, Araraquara, SP, Brazil.
[email protected]
Introduction
Apart from genetic and environmental factors, the immune system of the gut plays a central role in the pathogenesis
of inflammatory bowel diseases (IBD). The chronic mucosal inflammation in IBD is caused by hyperactivation of
effector immune cells, which produce high levels of pro-inflammatory cytokines like tumour necrosis factor-α and
interleukin-6, resulting in colonic tissue damage. The nuclear transcriptional factor kappaB (NF-kB) was identified as
one of the key regulators in this immunological setting, and to influence the course of mucosal inflammation (Atreya
et al., 2008). In this context, natural products became an attractive source of drugs to the treatment of inflammation.
It’s well known that the polyphenolic compounds have significant anti-inflammatory activity, which the predominant
effect is an inhibition of NF-kB signaling and the downregulation of the expression of pro-inflammatory markers
(González et al., 2011). Mangrove plants are well-known as a rich source of tannins; in various Caribbean countries,
Rhizophora mangle, the red mangrove, has long been known as a traditional medicine. The aim of the present work
was to assess the anti-inflammatory properties of R. mangle on TNBS-induced colitis in rats.
Methods
TNBS-induced colitis was performed according to Morris et al. (1989). Five groups of rats were used (n=6); noncolitic (NC) and control group (T) did not receive treatment; one group received orally, 0,5 mg.Kg-1 of R. mangle
bark butanolic fraction (Bu), another group received 1,5 mg.Kg-1 of the ethyl acetate fraction (EA) and the last group
received 10,0 mg.Kg-1 of catechin (Cq). After two weeks, colitis was induced by intra-colonic administration of TNBS
(10,0 mg) and one week after, damage score and biochemical parameters were evaluated.
Results and discussion/conclusions
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The treatments ameliorates the intestinal inflammation, this was evidenced by the damage score. Despite this, only
Bu e Cq showed effects on the downregulation of NF-kB. The results suggest that phenolic substances present
in treatment with EA have anti-inflammatory effects in this model, but this effect cannot be linked to the NF-kB
regulation.
118
References
Atreya, I., Atreya, R., Neurath, M.F. NF-kB in inflammatory bowel disease. Journal of Internal Medicine, 263: 591-596, 2008.
González, R., Ballester, I., López-Posadas, R., Suárez, M.D., Zarzuelo, A., Martínez-Augustin, O., Sánchez-Medina, F. Effect of flavonoids and other polyphenols on
inflammation. Critical Review in Food Science and Nutrition, 51: 331-362, 2011.
Financial Support: FAPESP
PRODUCTOS NATURA®: RESULTADOS DE SU EVALUACIÓN TOXICOLÓGICA
Guevara I. 1, Pérez M.R.1, Rodríguez C.C. 1, Merino N.2, Álvarez D.2, Fraga J.A.1
1
Grupo Empresarial LABIOFAM, Ave Independencia km 16½
Santiago de las Vegas, La Habana Cuba.
2
Instituto de Farmacia y Alimentos, Universidad de la Habana
[email protected] ó [email protected]
Introducción
El grupo Empresarial LABIOFAM a partir de fuentes naturales ha desarrollado la línea de productos natura®, los cuales
constituyen una alternativa terapéutica para diferentes afecciones. Entre ellos se incluyen ASMACAN, NUTRISOL,
PROPOLINA, FERRICAL, ACITAN. Este trabajo tuvo como objetivo la evaluación toxicológica de estos productos a
través de ensayos de primera barrera.
Materiales y métodos
Se desarrolló el método alternativo de las Clases Tóxicas Agudas utilizando una dosis límite de 2000 mg/kg, en ratas
SD de ambos sexos, y el ensayo de Irritabilidad sobre la mucosa oral en hámster Sirio dorado.
Resultados/discusión/conclusiones
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Como resultado del ensayo de toxicidad aguda por vía oral se obtuvo que estos productos no ocasionan mortalidad,
hay un incremento normal de peso corporal, y no hay evidencias de manifestaciones clínicas en los animales de
experimentación durante el período del ensayo. ASMACAN, NUTRISOL, PROPOLINA, FERRICAL, ACITAN se
ubican dentro de la categoría toxicológica SIN CLASIFICAR (DL50>2000 mg/kg). Adicionalmente, estos productos
no ocasionaron irritabilidad sobre la mucosa oral después de un período de exposición 5 días. Las evaluaciones
realizadas permitieron concluir que los productos natura® administrados por vía oral son potencialmente no tóxicos
119
ANTINOCICEPTIVE ACTIVITY OF METHANOL EXTRACT
OF MUCUNA PRURIENS L. DC. LEAVES
Erick Vicente da Silva Motta; Paula Maria Quaglio Bellozi; Nícolas de Castro Campos Pinto;
Ana Paula do Nascimento Duque; Renata de Freitas Mendes; Elita Scio.
Laboratory of Bioactive Natural Products - Department of Biochemistry - Institute of
Biological Sciences - Federal University of Juiz de Fora - Juiz de Fora - MG - Brasil.
[email protected]
Introduction
The specie Mucuna pruriens (L.) DC. belongs to the family Fabaceae and it is popularly known as “mucuna” and
“pó de mico” in Brazil. Most parts of this plant have medicinal properties. It is used to treat depression and nervous,
mental and reproductive system disorders, such as male infertility. It also has anthelmintic, aphrodisiac, astringent,
analgesic and carminative properties. In order to increase our knowledge about M. pruriens, the aim of this study was
to evaluate the antinociceptive activity of the methanol extract of its leaves.
Materials and Methods
The test was conducted with male Swiss mice weighing between 25 and 35 g, divided into 3 groups (n = 8): group I,
treated with vehicle (saline 0.9%), group II, treated with indomethacin (10 mg/kg) and group III, treated with extract
(300 mg/kg). The antinociceptive activity was evaluated by the writhing induced by acetic acid. Treatments were
made orally and after one hour a solution of acetic acid 0.6% (v/v) in saline was administered intraperitoneally. The
total number of writhing was observed for 30 minutes to quantify the intensity of nociception. The results were
expressed as the mean of the number of contortions ± S.E.M., and analyzed by one-way ANOVA and Tukey test
(P<0.05).
Results and Discussion
The mean of contortions was 54 ± 12 in group I, 13 ± 8 in group II, and 20 ± 5 in group III. The number of contortions
in groups II and III were not significantly different but they were significantly different from the vehicle (group I). Thus,
the extract significantly inhibited the writhing number in mice. The writhing inhibition percentage of indomethacin
and extract groups were 75,92% and 62,96%, respectively (P<0.05).
Conclusion
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The results indicate a considerable antinociceptive activity of Mucuna pruriens leaves extract. Therefore, more
detailed studies are required on the species to identify the bioactive substances.
120
Financial Support: FAPEMIG, PROBIC/PROPESQ/UFJF.
HYPOGLYCEMIC EFFECTS OF CECROPIA PACHYSTACHYA IN NORMAL AND
ALLOXANINDUCED DIABETIC RATS AND ITS ANTIOXIDANT ACTIVITY
Danielle Maria de Oliveira Aragão; Gabriela da Silva Gonçalves; Elita Scio.
Laboratory of Bioactive Natural Products - Department of Biochemistry - Institute of
Biological Sciences - Federal University of Juiz de Fora - Juiz de Fora - MG - Brazil.
[email protected]
Introduction
Cecropia species are fast-growing and short-lived trees native to tropical Central and South America regions. Leaves
and bark of Cecropia pachystachya Trécul, in particular, are described in the folk medicine as possessing antitusive,
expectorant, antiasthmatic and hypoglycemic effects. The present study focused to investigate the hypoglycemic
and antioxidant effects of methanolic extract of the leaves of C. pachystachya and also its phytochemical profile.
Methods
The hypoglycemic effect of the extract (80 mg/kg) was tested in normal, glucose loading and alloxan-induced
diabetic rats. The antioxidant activity was assessed by DPPH free radical scavenging and reducing power assays. The
total amount of phenolic and flavonoids compounds was determined by Folin-Denis and AlCl3 reagent method,
respectively. The qualitative composition of the extract was analyzed using a HPLC-DAD system.
Results and discussion/Conclusions
The glucose tolerance test demonstrated that basal glycemia remained high in the diabetic control group, whereas
glibenclamide and metformin caused a reduction of blood glucose (77 and 84%, respectively) after 12 h. However, in
diabetic rats, the extract of C. pachystachya caused a significant hypoglycemic effect throughout the period studied,
reaching glycemic levels below 116 mg/ml after 12 h with a blood glucose reduction of 68% when compared to the
respective zero time. The extract also presented relevant antioxidant activity with IC50 = 3.1 µg/ml (DPPH assay) and
EC50 = 10.8 µg/ml (reducing power). Results were compared with the reference antioxidants quercetin, rutin, and
ascorbic acid. The content of flavonoids was 83 mg/g plant and of phenolics was 326 mg/g plant. Chlorogenic acid
and the C-glycosylated flavones, orientin and isoorientin, were identified in the extract. In conclusion, the findings
showed that the folk medicinal plant C. pachystachya possesses hypoglycemic and antioxidant effects which
confirmed the traditional use of the plant in the treatment of diabetes. Chlorogenic acid and the C-glycosylated
flavonoids may explain these activities.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Financial Support: FAPEMIG
121
CHEMICAL PROFILE OF BARKS FROM THE AFRICAN PLANT
PARKIA BIGLOBOSA JACQ. G.DON MIMOSACEAE
1-
Tala V.R.S. 1, Carneiro C.D.1, Santos, L.C.1, Vilegas W.1
São Paulo State University - UNESP, Institute of Chemistry, Organic Chemistry
Department, CP 355, CEP 14800-900, Araraquara, SP - Brazil.
[email protected]
Introduction
Parkia biglobosa belongs to the Mimosaceae family. The natural distribution of Parkia biglobosa extends from Senegal
and Guinea in Western Africa eastwards to Uganda. The fermented seed (dawadawa or soumbala) is a popular,
protein-rich condiment in many Western African countries. Studies with species of the genus Parkia showed that
most species have antioxidant, anti-ulcerogenic, antimicrobial, and some antisnake venom activities. The present
study aimed to investigate the chemical profile of the ethyl acetate fraction of barks from P.biglobosa using direct
injection electrospray ion-trap tandem mass spectrometry (ESI-IT-MSn).
Methods
Barks of P.biglobosa were collected in Cameroon, Africa and authenticated by Professor Dr. Jean François Villier of
University of Yaounde, Cameroon, Africa. A voucher specimen (HCN 5894/SR Cam) was deposited at National
Herbarium of Cameroon. .For the preparation of the sample, the dichloromethanolic extract (10 g) was partitionated
with ethyl acetate: methanol (1:1, v:v, 200 mL). The solutions were evaporated to dryness in vacuo to give 3.0 g of
ethyl acetate fraction. The ethyl acetate fraction (1mg) was diluted with methanol:H2O (2:8, v:v) to final volume of
1 mL. The solution was ultrassonificated for 5 min and filtered through a PTFE membrane with pores of 0.22 mm
and introduced by direct flow injection at 5 μL min–1 in the Thermo LCQ Fleet Analytic mass spectrometer in the
negative mode.
Results and discussion/conclusions
Direct flow injection ESI-IT-MSn of the ethyl acetate fraction of barks from P. biglobosa led to the detection of peaks
showed in Figure 1. MSn experiments evidenced displayed fragment ions corresponding to proantocyanidins. This
class of secondary metabolite is responsible for a large number of pharmacological properties. They are also known
for their radical scavenging and antioxidant capabilities. These results can also justify the folk use against gastric
problems as well as antimicrobial.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The uses of ESI-IT-MS points toward the possibility of identifying key-compounds directly from the ethyl acetate
fraction, without the need of extensive clean-up. Moreover, by performing a limited number of experiments, a
significant gain in terms of time and reliability was achieved.
122
Financial Support: TWAS-CNPq
ACHYROCLINE SATUREIOIDES LAM. D.C. MARCELA REDUCE EL DAÑO
CEREBRAL EN LA ISQUEMIA FOCAL PERMANENTE EN RATAS
Rivera F.L. 1 2, Abin-Carriquiry J.A.1, Prunell G. 1, Tejera D. 1,
Martínez M. 1, Rodirguez, M. A3., Dajas F. 1
Dpto. Neuroquímica. Instituto de Investigaciones Biológicas “Clemente Estable”. Unidad Asociada a
Facultad de Ciencias. Universidad de la República. Montevideo. Uruguay.
Dpto. Fisiología. Facultad de Medicina CLAEH. Maldonado. Uruguay
Polo Teconológico Pando, Facultad de Química,
Universidad de la República, Montevideo, Uruguay.
[email protected] ; [email protected]
Introducción
Achyrocline satureioides (As) es una planta de amplio uso popular en Suramérica y estudios experimentales han
confirmado sus efectos antioxidantes y anti-inflamatorios justificados por su contenido en flavonoides. Estos
compuestos constituyen una terapia neuroprotectora prometedora frente a patologías como los accidentes cerebrovasculares (ACV) isquémicos, donde el estrés oxidativo y la inflamación provocan daños al tejido nervioso y muerte
neuronal. Hasta el presente en los preparados de As, no se han descritos efectos neuroprotectores frente a los ACV.
En tal sentido el objetivo de este trabajo es acumular evidencias de los beneficios sobre el tejido nervioso de un pretratamiento oral crónico, con una decocción de As al 2%.
Métodos
Ratas Sprague Dawley fueron pre-tratadas con la decocción durante 7, 14 y 21 días y posteriormente sometidas
a la oclusión permanente de la Arteria Cerebral Media (opACM) durante 24 horas. Se diseñaron 4 grupos
experimentales: (1) Sham, (2) sometidas a opACM, (3) pre-tratadas con la decocción y posteriormente la opACM y
(4) tratadas solo con la decocción. Se cuantificaron las deficiencias motoras de los animales mediante una prueba de
comportamiento motor y el volumen de la lesión isquémica utilizando una sal de tetrazolio. Para analizar el estado
del tejido cerebral y cuantificar la población neuronal conservada utilizamos la técnica de Nissl; el Fluoro Jade para
evaluar la neurodegeneración e investigamos además las afectaciones somato-dendríticas y el papel modulador de
As en estas estructuras, utilizando para ello un marcador temprano de daño como es la proteína MAP2 (Microtubuleassociated Protein 2). Se cuantificaron los niveles de los principales flavonoides contenidos en la decocción de As
y sus metabolitos en plasma y cerebro de los animales tratados con la decocción durante 21 días por la técnica de
HPLC-ECD.
Los resultados obtenidos mostraron una disminución significativa de las deficiencias motoras de los animales durante
todos los días de tratamiento y del volumen del infarto cerebral a los 21 días de ingestión de la decocción. Los
beneficios de la decocción en el tejido cerebral isquémico se evidenciaron en el número de neuronas conservadas, en
la disminución de la neurodegeneración y en la reactividad de la MAP2. La identificación de flavonoides y metabolitos
detectados deberá ser confirmada mediante espectrofotometría de masas. Estos resultados nos permiten avanzar
en la dilucidación de la presencia y el mecanismo neuroprotector de los flavonoides constitutivos de esta planta. A
partir de estos resultados es posible proponer la realización de un estudio clínico que permita evaluar esta decocción
como una terapia preventiva, económica, natural y segura para personas con factores de riesgo de sufrir un ACV
isquémico.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y Discusión/Conclusiones
123
PURIFICAÇÃO DA GALACTOMANANA DE CAESALPINIA PULCHERRIMA
PARA FINS DE VISCOSSUPLEMENTAÇÃO
Castro R.R.1*, Lima E.L.1, Lima C.P.C.1, Feitosa J.P.A.2
Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos, Universidade Estadual do Ceará,
Limoeiro do Norte, CE, Brasil. * Autor para correspondência: [email protected]
2
Departamento de Química Orgânica e Inorgânica, Universidade
Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.
[email protected]
1
Introdução
A viscossuplementação é um tratamento de elevado custo para a osteoartrite de joelhos se substitui o fluido sinovial
por derivados do ácido hialurônico de elevada viscosidade. A pesquisa com outros polissacarídeos permitiria fontes
mais abundantes e viáveis. Em pesquisas anteriores (CUNHA et al, 2005; CASTRO et al., 2007), caracterizamos um
hidrogel da galactomanana (GM) de Cyamopsis tetragonolobus (guar), eficaz em promover analgesia em osteoartrite
experimental em ratos. Todavia, sendo a guar uma árvore asiática, restringido sua aquisição a matérias-primas comercialmente disponíveis, torna-se interessante explorar outras fontes de GM, como as sementes Caesalpinia pulcherrima, árvore ornamental amplamente presente no território cearense. O presente trabalho, assim, procede à extração
e purificação da GM de C. pulcherrima, a fim ser utilizada no preparo de hidrogéis viscossuplentadores.
Métodos
Extração 1: O endosperma das sementes C. pulcherrima foram homogeneizados em água (1:8 m/v). A GM foi precipitada do sobrenadante por adição de etanol. Dois processos distintos de purificação foram aplicados: 1a) método
simples - 1,0 g de GM foi ressolubilizada em água fervente e recuperada do sobrenadante por adição de etanol. 1b)
método físico - 1,0 g de GM foi pré-tratada etanol 80% (v/v) e ressolubilizada em água. Após adição de acetona fria,
o precipitado foi ressolubilizado em água. A GM foi recuperada do sobrenadante por adição de etanol. Extração 2: os
endospermas foram desidratados e triturados. 5,0 g desse material foi solubilizado em água fervente. A GM foi precipitada do sobrenadante por adição de etanol. Para cada amostra obtida, procedeu-se às seguintes determinações:
teor de nitrogênio (marcador de contaminação protéica), análise termogravimétrica, massa molar por cromatografia
em permeação de gel, e turbidez e viscosidade aparente de suas soluções.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
124
O rendimento da extração 1 mostrou-se superior à extração 2 (15,51% e 5,21%, respectivamente). As purificação 1a
e 1b, ao mesmo tempo em que reduziram a contaminação por proteínas (de 2,94% para 2,64% e 2,11%, respectivamente) e a turbidez das soluções a 0,1%m/v (23,7 NTU para 15,3 NTU e 12,1 NTU respectivamente), elevaram consideravelmente o teor de GM (80-90%). Todas as amostras apresentaram comportamento reológico pseudoplástico,
mesmo na concentração de 0,1% m/v. A manutenção da ordem de grandeza da massa molar (~106g/mol) indica a
preservação das cadeias polissacarídicas durante os processos. Em vista da aplicação biomédica, será conveniente
remover resíduos protéicos, haja vista poderem produzir respostas inflamatórias. Assim, as amostras obtidas pela
extração a frio e purificadas pelo método físico serão o material de base para novas purificações e posterior preparo
dos hidrogéis.
Referências
Cunha et al. Int J Biol Macromol 37 (2005) 99-104; Castro et al. Clin Rheumatol 26 (2007) 1312-9.
Apoio Financeiro: FUNCAP, CNPq.
PURIFICAÇÃO DA GALACTOMANANA DE DELONIX
REGIA PARA FINS DE VISCOSSUPLEMENTAÇÃO
Castro R.R.1*, Lima E.L.1, Lima C.P.C.1, Feitosa J.P.A.2
Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos, Universidade Estadual do Ceará,
Limoeiro do Norte, CE, Brasil. * Autor para correspondência: [email protected]
2
Departamento de Química Orgânica e Inorgânica, Universidade
Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.
[email protected]
1
Introdução
A viscossuplementação é um tratamento de elevado custo para a osteoartrite de joelhos se substitui o fluido sinovial por derivados do ácido hialurônico de elevada viscosidade. A pesquisa com outros polissacarídeos permitiria
fontes mais abundantes e viáveis. Em pesquisas anteriores (Cunha et al., 2005; Castro et al., 2007), caracterizamos um
hidrogel da galactomanana (GM) de Cyamopsis tetragonolobus (guar), eficaz em promover analgesia em osteoartrite
experimental em ratos. Todavia, sendo a guar uma árvore asiática, restringido sua aquisição a matérias-primas comercialmente disponíveis, torna-se interessante explorar outras fontes de GM, como as sementes Delonix regia, árvore
ornamental amplamente presente no território cearense. O presente trabalho, assim, procede à extração e purificação da GM de D. regia, a fim ser utilizada no preparo de hidrogéis viscossuplentadores.
Métodos
Extração 1: O endosperma das sementes D. regia foram homogeneizados em água (1:8 m/v). A GM foi precipitada do
sobrenadante por adição de etanol. Dois processos distintos de purificação foram aplicados: 1a) método simples - 1,0
g de GM foi ressolubilizada em água fervente e recuperada do sobrenadante por adição de etanol. 1b) método físico
- 1,0 g de GM foi pré-tratada etanol 80% (v/v) e ressolubilizada em água. Após adição de acetona fria, o precipitado
foi ressolubilizado em água. A GM foi recuperada do sobrenadante por adição de etanol. Extração 2: os endospermas foram desidratados e triturados. 5,0 g desse material foi solubilizado em água fervente. A GM foi precipitada
do sobrenadante por adição de etanol. Para cada amostra obtida, procedeu-se às seguintes determinações: teor de
nitrogênio (marcador de contaminação protéica), análise termogravimétrica, massa molar por cromatografia em
permeação de gel, e turbidez e viscosidade aparente de suas soluções.
Os métodos de extração apresentaram rendimentos semelhantes (7,65% e 7,03% para 1 e 2, respectivamente). As purificação 1a e 1b, ao mesmo tempo em que reduziram a contaminação por proteínas (de 3,34% para 2,58% e 1,23%,
respectivamente) e aturbidez das soluções a 0,1% m/v (de 16,3 NTU para 10,1 NTU e 8,2 NTU, respectivamente),
elevaram consideravelmente o teor de GM (80-90%). Todas as amostras apresentaram comportamento reológico pseudoplástico, mesmo na concentração de 0,1% m/v. A manutenção da ordem de grandeza da massa molar
(~106g/mol) indica a preservação das cadeias polissacarídicas durante os processos. Em vista da aplicação biomédica,
será conveniente remover resíduos protéicos, haja vista poderem produzir respostas inflamatórias. Assim, as amostras obtidas pela extração a frio e purificadas pelo método físico serão o material de base para novas purificações e
posterior preparo dos hidrogéis.
Referências
Cunha et al. Int J Biol Macromol 37 (2005) 99-104; Castro et al. Clin Rheumatol 26 (2007) 1312-9.
Apoio Financeiro: FUNCAP, CNPq.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
125
ANTIINFLAMMATORY AND ANTINOCICEPTIVE ACTIVITIES OF THE HEXANE
EXTRACT OF LACISTEMA PUBESCENS MART. LEAVES
Josiane M. da Silva, Erick V. da S. Motta, Renata F. Mendes,
Paula M. Q. Bellozi, Isabel V. de A. Lima, Antônia Ribeiro, Elita Scio
1
Department of Biochemistry, Institute of Biological Sciences, UFJF, Juiz de Fora, MG, Brazil
[email protected]
Introduction
Originally from Brazil, Lacistema pubescens Mart. is widely distributed in other countries such as Bolivia, Guyana
and Venezuela. In Brazil, it takes different popular names as “espeto vermelho”, “canela vermelha”, “sabãozinho” and
“cafezinho”. Despite several records on popular use of species of Lacistema, there are no phytochemical records on
chemical composition and/or pharmacological properties of L. pubescens. Therefore, the aims of this study were to
identify the major constituents of the hexane extract (PHEX) of the leaves of L. pubescens, and to evaluate its in vivo
antinociceptive and anti-inflammatory properties.
Methods
The antinociceptive effects were carried out using acetic acid-induced abdominal constriction, formalin and tail
flick tests and the anti-inflammatory effect was investigated employing the croton oil induced ear edema in mice.
The phytochemical screening was performed by TLC and the total amount of flavonoids was determined by AlCl3
reagent method.
Results and discussion/conclusions
PHEX (300 mg/kg) significantly decreased the number of acetic acid-induced abdominal contortions being more
potent than indomethacin used as reference drug. Also PHEX decreased the paw licking time in early (0 - 5 min)
and late (15 - 30 min) phases of formalin-induced nociception, similar to morphine. No effect was observed using
tail flick test. PHEX showed a topical anti-inflammatory effect on croton oil induced ear edema similar to the antiinflammatory drug, dexametasone, but when administered orally, no effect was observed. Besides the presence of
terpenes and sterols, phytochemical screening also showed the presence of flavonoids, which constituted 32.7 ± 2.8
mg/g of PHEX. In conclusion, the findings support some of L. pubescens traditional use involving anti-inflammatory
and antinociceptive effects. This study also represents the first report on the chemical profile and biological activities
not only for L. pubescens but also for the Lacistema genus.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Financial Support: FAPEMIG
126
ANTITUMOR ACTIVITY AND CHEMICAL ANALYSIS BY HYPHENATED
TECHNIQUES OF THE METHANOL EXTRACT FROM FLOWERS
OF PIPER CLAUSENIANUM PIPERACEAE
André M. Marques1, Leonardo M. da Fonseca2, Marcia A. M. Capella2, Elsie F. Guimarães3,
Davyson de L. Moreira4, Maria Auxiliadora C. Kaplan1
1- Núcleo de Pesquisas de Produtos Naturais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio
de Janeiro, RJ, Brasil; 2- Instituto de Biofìsica Carlos Chagas Filho,Universidade Federal do
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil; 3- Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de
Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil; 4- Instituto de Tecnologia de Fármacos, FIOCRUZ, Rio
de Janeiro, RJ, Brasil.
[email protected]
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Species of the genus Piper, the most important genus of Piperaceae Family, are widely used in traditional medicine
for treatment of many conditions, including inflammatory and diarrhea. Chemical investigations of Piper species
revealed several bioactive metabolites such as amides, lignans, alkaloids, flavonoids and chromenes. In an effort to
investigate Brazilian native Piper species, phytochemical analysis of Piper claussenianum methanolic flower extract
were performed. Previous TLC analysis usisng NP/PEG reagent indicated the presence of free and glycosylated
flavonoids in the crude methanolic extract. Analysis of cellular viability was carried out for this sample. The viability
of the human breast cancer cell line MCF-7 was evaluated by MTT (thiazolyl blue) assay in order to investigate the
potential of these natural agents to stimulate or inhibit cell viability and growth. The results suggest the crude extract
as a potential natural source for compounds with content inhibition agents for breast tumor cells since this extract
displays a high level of inhibition in concentrations varying from 1mM to 100mM. In order to evaluate the chemical
composition of the methanolic extract a sample of 10mg/ mL was submitted to HPLC-DAD (Shimadzu) and to
HPLC-MS (Micromass ZQ Waters), both using gradient of acetonitrile (A) and water (B) as mobile phase (A: 5%; B:
95% and then to 95% of A in 80 minutes) at a flow rate of 1.0mL/ min. HPLC-MS operated in positive mode with 3.5 kv
ionization energy, source temperature of 100oC and desolvation temperature at 250oC. HPLC-DAD analysis monitoring
at 240 nm and 340 nm showed six major signals between 34 and 47 minutes, with UV spectra corresponding to
dihydroflavones, flavones and chalcones. HPLC-MS analysis allowed to identify dihydroflavones with molecular
weight of 270 (hydroxy-methoxy-substituted in ring A) and 256 (dihydroxy-substituted in ring A) as well as 272 due
to chalcone (dihydroxy-methoxy in ring A). This same analysis also showed mass spectra with signals corresponding
to C-glycosylflavones (MW 432 and 474) and O-glycosylfavones (MW 490). The methanolic extract was purified over
silica gel column affording pure 5-methoxy-7-hydroxydihydroflavone (MW 270), 5,7-dihydroxydihydroflavone (MW
256) and 2´,6´-dihydroxy-4´-methoxychalcone (MW 272), as well as glycosylated flavones. These compounds were
characterized by 1D and 2D NMR spectroscopy. Combination of HPLC-DAD and HPLC-MS analysis allowed making
fast characterization of flavonoids in the biological active crude methanolic extract from flowers of P. clausenianum.
127
ESTUDIO DE LOS EFECTOS CITOGENOTÓXICOS DEL EXTRACTO
ACUOSO FRÍO DE ACHYROCLINE SATUREIOIDES
Sabini M.C.1, Escobar F.1, Cariddi N.1, Sutil S. 1, Acosta A.1, Torres C1., Zanon S.1, Sabini L.1
1
Departamento de Microbiología e Inmunología. UNRC.
Ruta 36 Km 601. (5800). Río Cuarto, Córdoba, Argentina.
[email protected]
Introducción
Achyrocline satureioides “marcela del campo” es tradicionalmente utilizada como antiinflamatoria, antiséptica,
antiespasmódica, para tratar infecciones intestinales y asma bronquítica. Científicamente se ha demostrado que
posee numerosas propiedades bioactivas tales como: antiinflamatoria, hepatoprotectora, antiviral, otras. Marcela es
originaria de América, crece en Europa y África. En estudios previos hemos demostrado fuerte actividad antiviral y
ausencia de citogenotoxicidad por el test de Allium cepa L. Sin embargo, en toxicología genética se requiere más de
un estudio para conocer los efectos genotóxicos de una sustancia en el hombre. Por este motivo, el objetivo de este
trabajo fue determinar la capacidad citogenotóxica del extracto acuoso frío (EAF) de A. satureioides por el ensayo de
micronúcleos en médula ósea de ratón.
Métodos
Se utilizaron ratones Balb/C, de 2 meses de vida y con peso promedio de 20 g. Se conformaron 7 grupos de 6 individuos,
con igual cantidad de machos y hembras. Los animales recibieron, mediante inyección intraperitoneal, 0,2 ml de 50,
100, 250, 500 y 750 mg kg-1 de peso corporal de EAF. Los controles negativo y positivo se inocularon con solución
fisiológica y con ciclofosfamida (20 mg kg-1), respectivamente. Los animales se sacrificaron por dislocación cervical a
las 24 h post-inyección. Se realizaron extendidos que fueron teñidos con May-Grünwald y Giemsa, y observados al
microscopio óptico registrándose 2000 eritrocitos policromáticos por animal. Se determinó índice de genotoxicidad:
número de eritrocitos policromáticos micronucleados (EPCMN) en un total de 1.000 eritrocitos policromáticos,
e índice de toxicidad (IT) relación entre eritrocitos policromáticos (EPC)/eritrocitos normocromáticos (ENC). Se
calculó la Dosis letal 50%(DL50) evaluando la tasa de mortalidad y expresando la DL50 calculada según Reed-Muench.
La significación estadística se determinó mediante análisis de varianza (ANOVA) aplicando el software GraphPad
Prism 5.0.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión/Conclusión
128
El estudio de toxicidad aguda permitió determinar la DL50 que fue de 500 mg kg-1. Los índices de genotoxicidad de los
tratamientos 50, 100 y 250 mg kg-1 fueron 4,67 (±1,73); 2,83 (±1,11) y 1,75 (±0,86) respectivamente y no mostraron
diferencia significativa con el control negativo 4,25 (±0,89). Los ratones tratados con ciclofosfamida mostraron un
alto índice de genotoxicidad, igual a 20,7 (±3,2) (p<0,001). El análisis estadístico del IT no reveló diferencia significativa
entre 50, 100 mg kg-1 y el control negativo, mostrando valores de 2,78 (±0,528), 2,11 (±0,236) y 3,40 (±0,804), por el
contrario hubo diferencia significativa respecto al tratamiento de 250 mg kg-1 (p<0,05) cuyo IT fue 1,54 (±0,244). En
todos los grupos no se observó diferencia significativa de toxicidad entre sexos. Este estudio de citogenotoxicidad
demostró que EAF de A. satureioides a las concentraciones ensayadas no induce efectos mutagénicos en células
de la médula ósea de ratón. Además, por el análisis de IT se demostró ausencia de citotoxicidad (50 y 100 mg kg-1)
aportando seguridad y ampliando los conocimientos sobre las propiedades biológicas de la especie, contribuyendo
a la estimación del riesgo-beneficio que puede derivarse del uso de esta planta como fitoterápico por el hombre.
Agradecimientos: SECyT de la Universidad Nacional de Río Cuarto y CONICET.
ACTIVIDAD ANTIHERPÉTICA IN VITRO DE DERIVADOS
DEL ÁCIDO ABIÉTICO Y GÁLICO
Agudelo L.S1, González M.A2, Betancur-Galvis L.A1
Grupo de Investigación Dermatológica (GRID). Facultad de Medicina. Universidad de
Antioquia. CR 51D # 62 - 29 LAB 283. Medellín - Colombia. A.A. 1226. 2 Departamento de
Química Orgánica. Facultad de Química. Universidad de Valencia.
C/ Dr Moliner 50, 46100 Burjassot, Valencia, España.
[email protected]
1
Introducción
Los herpes simplex 1 (HHV-1) y 2 (HHV-2), son patógenos humanos de distribución mundial, pertenecientes a la familia
herpesviridae, son virus persistentes y ejercen latencia en neuronas sensoriales, característica clínicamente importante
en infecciones de: neonatos, pacientes trasplantados e inmunocomprometidos. En Colombia un único estudio, reporta
para HHV-1 y 2 una seroprevalencia en mujeres jóvenes de 89.2% y 56.9% respectivamente. El medicamento de elección
es el Aciclovir y derivados, sin embargo la presencia de cepas HHV-resistentes con una prevalencia del 4 al 7%, complican
el manejo a nivel clínico. El acido gálico (AG) es un compuesto polihidrofenólico presente en las hojas del té. El ácido
abiético, es el principal agente irritante del pino. Investigaciones indican una óptima actividad anti- HHV-1 y HHV-2
en las etapas de adhesión y entrada viral, para el AG y galatos con átomos de carbono menores a cinco en la cadena
alquílica y, actividad post-infección para moléculas semisintéticas producto de la oxidación del ácido abiético (AA).
Objetivo General
Evaluar la actividad anti-HHV-1 y HHV-2 in vitro de diterpenos derivados del ácido abiético y gálico; y moléculas híbridas.
Metodología
La evaluación in vitro de la actividad anti-herpética de derivados hemisintéticos del AG y el ácido abiético, se realizó
mediante la técnica de titulación del punto final (EPTT), en células Vero infectadas con una dosis infecciosa cultivo
celular 50% (1DICC50) de HHV-1 y HHV-2 durante 48 horas. El Aciclovir®, y la Heparina, se utilizaron, en todos los ensayos,
como controles positivos.
Resultados
Conclusiones
En general los derivados AA, dehidroabietanos y AG evaluados fueron más activos contra el virus HHV-2 que contra
HHV-1. La molécula híbrida entre las dos cabezas de serie evaluadas no presentó mayor actividad antiviral. Se plantean
éstos compuestos como posibles candidatos para agentes con actividad antiherpética, para lo cual se procederá a
determinar el índice de selectividad antiviral.
Agradecimientos: CODI- Mediana Cuantía 2010/ codigo2515- Universidad de Antioquia, y al programa ENLAZA
MUNDOS de la Alcaldía de Medellín.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
El AG y ácido abiético redujeron 100 (Rf de 1x102) y 10 veces (Rf de 1x101), respectivamente, la carga viral de 1DICC50 de
HHV-2 en concentraciones ≤ 25µg/mL. El hibrido de síntesis entre el acido gálico metilado y el alcohol abiético redujo tan
solo 100.5 veces. En cuanto a los derivados del AA, el 8,13(15)-Abietadienol redujo 102 veces en concentraciones 12.5µg/
mL la carga viral 1DICC50 de HHV-2. Los controles positivos, sulfato de heparina y aciclovir, redujeron el titulo viral con
valores de Rf, en orden, de 1x102 y 1x104.
129
EVALUACIÓN DE LA ACTIVIDAD ANTIHERPÉTICA IN VITRO DE
MOLÉCULAS  HÍBRIDAS DE LA COMBRETASTATINA A4
Agudelo L.S1, Brand Y. M1, González M.A2, Betancur-Galvis L.A1
Grupo de Investigación Dermatológica (GRID). Facultad de Medicina. Universidad de
Antioquia. CR 51D # 62 - 29 LAB 283. Medellín - Colombia. A.A. 1226. 2
Departamento de Química Orgánica. Facultad de Química.
Universidad de Valencia. C/ Dr Moliner 50, 46100 Burjassot, Valencia, España
[email protected]
1
Introducción
Las combretastatinas son principios activos aislados de la corteza del árbol Combretum caffrum. La combretastatina
A-4 (llamada CA-4), es un agente citotóxico que actúa como inhibidor de la polimerización de la tubulina.
Recientemente, nuevos derivados de la CA-4 han evidenciado causar detención del ciclo celular. Entre las dianas
terapéuticas reguladoras del ciclo celular, están las ciclínas dependientes de quinasas (CDKs), que activan también la
replicación del herpesvirus y que potencian la actividad antiviral y/o citotóxica de pro-drogas como el Aciclovir. Los
herpesvirus 1 (HHV-1) y 2 (HHV-2), son virus persistentes y ejercen latencia en neuronas sensoriales, característica
clínicamente importante en infecciones de: neonatos, pacientes trasplantados e inmunocomprometidos. La
presencia de cepas HHV-resistentes a Aciclovir con una prevalencia del 4 al 7%, complican el manejo a nivel clínico.
Así mismo, se obtuvo el mayor porcentaje de resistencias a Aciclovir, en pacientes con trasplante de medula ósea,
alcanzando cifras entre el 14 y 30%.
Objetivo General
Evaluar la actividad anti HHV-1 y HHV-2 in vitro de diterpenos de moléculas hibridas derivadas de labdanos y CA-4.
Metodología
La evaluación in vitro de la actividad anti-herpética de los derivados hemisintéticos se realizó mediante la técnica de
titulación del punto final (EPTT), en células Vero infectadas con una dosis infecciosa cultivo celular 50% (1DICC50)
de HHV-1 y HHV-2.
Resultados
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Entre los labdanos evaluados el labdadienedial y la CA-4 redujeron 100 veces (Rf de 1x102) la carga viral de 1DICC50
de HHV-2 en concentraciones ≤ 25µg/mL. El hibrido de síntesis entre el labdano y la CA-4 redujo también 100 veces
la carga viral de 1DICC50 de HHV-2 en concentraciones similares a las cabezas de serie. Los controles positivos, sulfato
de heparina y aciclovir, redujeron el titulo viral con valores de Rf, en orden, de 1x102 y 1x104, respectivamente.
130
Discusión y conclusiones
En general los derivados de labdanos, CA-4s, e híbridos evaluados fueron más activos contra el virus HHV-2 que contra
HHV-1. Aunque la molécula híbrida hemisintéticos labdano-CA-4 no mostro mayor actividad que sus moléculas de
partida, para candidatizar estas moléculas hibridas como agentes con actividad anti-herpética, se requiere evaluar el
índice de selectividad antiviral, para lo cual los valores validados deben ser al menos mayores de diez.
Agradecimientos: agradecimientos por los recursos económicos a la UdeA- Medellín: Colciencias- Bogotá (Contrato
RC. No. 366-2011), y AL PROGRAMA ENLAZA MUNDOS de la Alcaldía de Medellín.
EFEITO DO ÓLEORESINA DE COPAÍBA ROXA COPAIFERA SP. SOBRE O TEOR
DE GRUPOS SULFIDRILA NÃOPROTÉICOS DA MUCOSA GÁSTRICA
DE RATTUS NORVEGICUS TRATADOS COM ETANOL
Carvalho, T.T.A., Brito, A.K.S., Soares P.F.C., Siewe, J.R.H.N., Nunes P.H.M., Martins M.C.C.
Departamento de Biofísica e Fisiologia, Centro de Ciências da Saúde,
Universidade Federal do Piauí - UFPI, Teresina, PI, Brasil.
Departamento de Biofísica e Fisiologia, Universidade Federal do Piauí, Campus Universitário Ministro
Petrônio Portella, Bloco SG 8, Bairro Ininga, Teresina, PI, 64049-550, Brasil.
[email protected]
Introdução
O óleo-resina das copaibeiras é amplamente utilizado na medicina popular, como anti-inflamatório, antibacteriano
e cicatrizante. O óleo da copaíba roxa (Copaifera sp), mostrou atividade anti-ulcerogênica no modelo de úlcera
gástrica induzida por etanol e a caracterização química e identificação da espécie estão sendo providenciadas.
Dados preliminares indicam que seus constituintes majoritários são os sesquiterpenos β-cariofileno, α-humuleno
e β-elemeno. Substâncias contendo grupos sulfidrila (como a glutationa), atuam como antioxidantes contra efeitos
tóxicos de agentes agressores da mucosa gástrica, tais como o etanol. Pretende-se com este trabalho avaliar o efeito
da administração do óleo-resina da copaíba roxa sobre o teor de grupos sulfidrila não-proteicos (GSH-NP) da mucosa
gástrica de ratos tratados com etanol.
Métodos
Rattus norvegicus fêmeas linhagem Wistar (184 ± 3,3 g), mantidas em jejum de 24 horas, foram divididas em grupos de
sete a oito cada e tratadas por via oral com água (5 mL/kg, grupo controle-C), Tween 80 1% (5 mL/kg, grupo controle
veículo-V), óleo de copaíba (100 mg/kg, grupo experimental-CopR), e N-acetilcisteína (500 mg/kg, grupo padrãoNAC). Após 60 minutos de tratamento os animais foram submetidos à administração oral de etanol a 99,6% (5 mL/
kg), à exceção do grupo controle, que recebeu água em igual volume. Trinta minutos depois foi realizada eutanásia
de todos os animais por sobredose de tiopental sódico (100 mg/kg) e seus estômagos foram removidos. Fragmentos
do segmento glandular do corpo do estômago foram retirados, pesados, homogeneizados, centrifugados e a seguir,
o teor de GSH-NP (µM/g de tecido) foi determinado pelo método de Sedlak e Lindsay, utilizando-se uma curva
padrão estabelecida com cisteína. Os dados (Média ± DPM) foram analisados por ANOVA, seguindo de pós-teste
de Bonferroni. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Experimentação com Animais da UFPI (Protocolo
Nº 085/2010).
O teor de GSH-NP da parede gástrica foi significativamente reduzido (p<0,05) pelo tratamento com etanol (V:
33,23 ± 1,48) quando comparado com o do grupo C (40,87 ± 2,97). O tratamento com óleo de Copaíba resultou
em um nível de GSH-NP (47,07 ± 3,06) significativamente maior (p<0,001) em relação ao grupo V e semelhante
ao do grupo C. O tratamento com NAC elevou significativamente (p<0,001) o teor de GSH-NP na parede gástrica
(149,30 ± 23,68) em relação ao grupo C. O óleo de copaíba roxa é capaz de manter o teor de GSH-NP da mucosa
gástrica de ratas tratadas com etanol, indicando participação dos grupos sulfidrila no mecanismo da sua atividade
antiulcerogênica contra agentes agressores, como o etanol. A presença de sesquiterpenos na espécie estudada pode
estar relacionada com a sua atividade protetora da mucosa gástrica.
Suporte Financeiro: UFPI
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/Conclusão
131
ISOLATION AND EVALUATION OF BIOLOGICAL ACTIVITY OF
COMPOUNDS FROM CREPIS LACERA IN BOVINE KIDNEY CELLS
1
Russo R.1*, Malafronte N.2, Cotugno R.2, Belisario M.A.2, Ciarcia R. 1, De Tommasi N.2, Severino L.1
Department of Pathology and Animal Health, Division of Toxicology, School of Veterinary Medicine,
University of Naples Federico II, Naples, NA, Italy.
2
Department of Pharmaceutical and Biomedical Sciences,
School of Farmacy, Uiversity of Salerno, Fisciano, SA, Italy.
[email protected]
Introduction
Crepis lacera (Asteraceae) is a plant commonly found in Italy from the coast to an altitude of 1200 m; it shows
properties common to many bitter herbs, such as detoxifying, purifying, diuretic, hypoglycaemic ones1. Farmers
claim that this plant is the cause of death for domestic ruminants in many areas of South Italy. Therefore, in our
previous study, we carried out a necropsy on two sheep died following ingestion of large quantities of the plant. The
examination revealed different lesions in particular in the kidney and liver, consisting of degenerative, necrotic and
hemorrhagic injuries2. No scientific evidence can be found in literature supporting C.lacera toxicity; moreover, only
few active principles were isolated from Crepis spp.. The current study was aimed to investigate the biological activity
of compounds isolated from C.lacera in Madin Darby Bovine Kidney (MDBK) cells in vitro.
Methods
The aerial parts of C.lacera were subjected to classical extraction by maceration using solvents of increasing
polarity from n-exane, chloroform, chloroform:methanol (9:1), methanol. The extracts were purified using different
chromatografic techniques (Sephadex LH-20, Silica gel; rp-HPLC).The structural characterization of the isolated
compounds was achieved by using different spectroscopic techniques (1H, 13C, 13C DEPT, DQF-COSY, HSQC, HMBC,
2D-ROESY) and confirmed by mass spectrometry. From chromatographic separation of Chloroform:methanol
residue sesquiterpenes and phenolic compounds were obtained. MDBK cells were cultured at 37 °C and 5% CO2 and
incubated with different concentration of each compound (25-150 µM) solubilized with DMSO for 24 and 48 hours.
The cellular viability was evaluated by MTT colorimetric assay. Data were statistically elaborated (Student t-test).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion
132
Scientific evidence able to prove the relationship between the ingestion of Crepis lacera and pathological lesions in
domestic animals is lacking in the scientific literature. The in vitro study undertaken to evaluate the possible toxicity
of compounds isolated from the plant in MDBK cells represents, in fact, the first study on the effects of Crepis spp.
in ruminant cells. The results of the current research showed that none of the examined compounds altered the
viability of MDBK cells after 24h of incubation. Nevertheless, three sesquiterpenes: 3-epidesacylcynaropicrin-8-Oβ-glucopyranoside, 8-epigrosheimin and 8-hydroxydehydrozaluzanin C3 reduced the cells viability in a significant
manner after 48h. Further studies are necessary for understanding the molecular mechanisms underlying the
nephrotoxic effects of C. lacera.
References
M. Kapiszewska, E. Soltys, F. Visioli, A. Cierniak, G. Zajac, J. Physiol. Pharmacol. 2005, l 1,.56;
R. Russo, B. Restucci, N. Malafronte, N. De Tommasi, L. Severino, J. Vet. Pharm. Ther., 2009, 32(1):256; 3)
3
.W. Kisiel, K. Zielin skaa, S. P., Joshib , Phytochemistry 2000,54 ,763-766
1
2
ESTUDO FARMACOLÓGICO SOBRE O EFEITO ANTIINFLAMATÓRIO DA PLANTA
KALANCHOE PINNATA, CONHECIDA POPULARMENTE COMO COIRAMA
Oliveira L.C ¹*, Liberal S.S.², Picanço-Diniz D.L.W, da Silva, A.H.O..³
¹ Universidade Federal do Pará, UFPA, Oriximiná, PA, Brasil.
² Universidade Federal do Oeste do Pará,UFOPA, Oriximiná, PA, Brasil.
² Universidade Federal do Oeste do Pará,UFOPA, Oriximiná, PA, Brasil.
³ Universidade Federal do Pará, UFPA,lCB, Laboratório de Neuroendocrinologia, Belém, PA, Brasil
[email protected]
Introdução
A Kalanchoe pinnata (Kp), um vegetal de folhas verdes escuras e carnudas é denominada popularmente de Coirama,
vem sendo utilizada como recurso medicinal na Amazônia, no combate a febre e inflamações em geral. Entretanto,
ainda existem poucos estudos que comprovem essas aplicações. O objetivo deste trabalho é avaliar os efeitos do
extrato aquoso de Kp em modelo inflamatório induzido por carragenina em bolsa de ar.
Método
Os efeitos antiinflamatórios de Kp nas diluições de 0,1%, 1% e 10%, em ratos Wistar machos adultos, foram avaliados
em modelo inflamatório na bolsa de ar, em inflamação induzida por carragenina (1%). O modelo de bolsa de ar,
consiste na inflação do espaço subcutâneo a altura do dorso interescapular com ar estéril em 3 injeções (no dia
1º- 20 ml e nos dias 3º e 6º- 10 ml). A dexametasona (600 μg/kg) (antiinflamatório de referência), foi utilizada como
controle positivo, bem como para comparação da potência da atividade antiinflamatória de Kp. O teste consistiu
na administração dos extratos aquosos e da dexametasona 1h antes do agente flogístico (carragenina) em todos
os grupos experimentais. O exsudato foi coletado 16 h após a injeção de carragenina, para as seguintes análises: 1.
Contagem do número de células (câmara de Neubauer) e volume de exsudato (proveta de 5 ml); 2. Quantificação
dos níveis de nitrito por fotocolorimetria (espectrofotômetro - 540 nm).
A administração dos extratos (Kp 1 ou 10 %) resultou em inibição dose-dependente do volume de exsudato em 35% e
55% respectivamente, produzido em resposta à carragenina. Diminuição de 61 a 75% do número de células infiltradas
no exsudato ocorreu sem, no entanto, perfil dose-dependente. Quanto à potência dos efeitos antiinflamatórios de
Kp comparados à dexametasona, a inibição na produção do volume de exsudato provocado pelas diluíções de 0.1%
e 1% foi de 66% do efeito da dexametasona, enquanto que a dose de Kp 10% foi mais eficiente: 80%. Em relação
aos níveis de nitrito presentes no exsudato, observou-se uma acentuada inibição sendo da ordem de 81%, 84% e
87%, após os tratamentos de Kp 0,1%, 1% e 10%, respectivamente. Essa inibição foi similar àquela provocada pela
dexametasona, sugerindo que Kp possa atuar diminuindo a resposta inflamatória via mecanismo dependente da
inibição da produção de óxido nítrico.
Conclusão
O extrato aquoso de Kalanchoe pinnata inibe a produção de exsudato, infiltrado inflamatório e produção de nitrito
em modelo inflamatório de bolsa de ar, induzido por carragenina.
Apoio Financeiro: Prefeitura Municipal de Oriximiná, FAPESPA, UFPA.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados
133
RELAXANT EFFECTS OF LIPPIA MICROPHYLLA CHAM.
VERBENACEAE ON RAT TRACHEA AND AORTA
Antunes R.O.G.1, Silva A.C.S.1, Oliveira P.R.1, Silva L.P.S.1, Magalhães B.S.1, Silva A.P.S.1,
Tavares J.F.2, Aboulafia J.3, Nouailhetas V.L.A.3, Silva J.L.V.1
1 Farmácia-Bioquímica, Universidade Nove de Julho, UNINOVE, São Paulo, SP, Brazil.
2 Depto. Ciências Farmacêuticas, Centro de Ciências da Saúde,
Universidade Federal da Paraíba, UFPB, João Pessoa-PB, Brazil.
3 Depto. Biofísica, Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, São Paulo, SP, Brazil.
[email protected]
Introduction
The great number of Lippia is used to treat gastrointestinal and respiratory diseases in folk-medicine (MORTON,
1981). The essential oils and phenol compounds obtained from extracts that plants are principles actives responsible
for those uses (PASCUAL et al., 2001). Lippia microphylla is known as “alecrim-de-taboleiro”. There is only vasorelaxant
activity related to essential oil from Lippia microphylla (ARAÚJO et al., 2009), thus we decide to investigate the effects
of the ethanol crude extract from aerial parts of L. microphylla (LM-EtOH) on aorta and trachea rat.
Methods
The aorta and trachea were isolated from Wistar rats (250-300g). The organs were suspended glass cube bath
(5mL) and it contained Krebs solution, on 1g tension and O2 aeration, at 37°C. The contractions were induced by
phenylephrine (3x10-7 M) or KCl on aorta and carbachol (10-6M) or KCl (60mM) on trachea, all were monitored
by force isometric transducers connected to a data system AQCD. The EC50 values were obtained by non-linear
regression from % inhibition of the contraction induced by contractile agents. This study was approved by the Ethics
Committee in Research of UNIFESP (CEP 0038/10). All data were analyzed by GraphPad Prism 5.0 software, the
statistical analyses were realized by Student t-test, whatever p<0.05 was considered significant.
Results and discussion/conclusions
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
LM-EtOH (3, 9, 27, 81 and 243 µg/mL) relaxed in a concentration-dependent and equipotent manner the aorta
pre-contracted (n=4) both phenylephrine (EC50= 52.1±0.3 µg/mL) and KCl (EC50=70.7±12.4 µg/mL) and it also
relaxed the trachea pre-contracted (n=3) both carbachol (EC50= 53.6±7.8 µg/mL) and KCl (EC50= 28.5±1.0 µg/mL).
As LM-EtOH relaxed both organs pre-contracted by agonists (phenylephrine and carbachol) or depolarizing agent
(KCl), in addition, LM-EtOH showed equipotent effects, thus is suggestive that Lippia microphylla presents relaxant
effects non-selective. In conclusion, the aerial parts of Lippia microphylla contained principles actives responsible by
relaxant effects and corroborate it use in folk-medicine to respiratory diseases due to it is acting on trachea.
134
EFEITOS GASTROINTESTINAIS DE SERJANIA
CARACASANA JACQ. WILLD. SAPINDACEAE EM RATOS
Carvalho V.S.1, Silva M.P.P1, Sá A.N.D.1, Silva F.L.2, Barbosa-Filho J.M.2,3
Rigoni V.L.S.4, Nouailhetas V.L.A4, Silva J.L.V.1
1
Farmácia-Bioquímica, Universidade Nove de Julho, UNINOVE, São Paulo, SP, Brazil.
2
Pós-Graduação em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos, LTF, CCS, Universidade
Federal da Paraíba, UFPB, João Pessoa, PB, Brazil.
3
Depto. Ciências Farmacêuticas, CCS, Universidade Federal da Paraíba,
UFPB, João Pessoa, PB, Brazil.
4
Depto. Biofísica, Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, São Paulo, SP, Brazil.
Introdução
Os gêneros Paullinia, Cupania e Serjania fazem parte da família Sapindaceae, sendo a maioria das espécies usadas
popularmente para pescar. Serjania caracasana (Jacq.) Willd. é conhecida como “tingui-da-mata” e encontrada no
Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso (Brasil). É empregada para confecção de cestos e cordas rústicas, apícola,
ornamental e tóxica para peixes (Pott; Pott, 1994). Não existe nenhum relato farmacológico de S. caracasana, mas S.
erecta Radlk apresentou atividade antiúlcera e nenhum efeito tóxico. Assim, decidimos investigar os efeitos do
extrato etanólico bruto obtido das partes aéreas de S. caracasana (Sc-EtOH) sobre úlcera induzida por etanol em
ratos, além de observá-lo sobre íleo isolado de rato.
Métodos
Resultados e discussão/conclusão
Sc-EtOH (50, 150 ou 500 mg/kg, n=3) protegeu de maneira dependente de dose e significante a mucosa gástrica (AU=
1,1±1,1; 0,6±0,5; 0,02±0,02 cm2, respectivamente), bem como ranitidina (AU= 1,2±0,4 cm2), em relação ao controle
(AU= 5,5±0,8 cm2). Além disto, as análises histopatológicas confirmaram estas observações. Sc-EtOH (243 ou 500 µg/
mL) inibiu de maneira significante e não dependente de dose o íleo pré-contraído (n=3) com KCl (Emax= 49,7±7,5 e
66,3±8,3%, respectivamente). Estes resultados sugerem uma potencial atividade gastrointestinal dos princípios ativos
contidos nas partes aéreas de Serjania caracasana.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
In vivo: ratos Wistar (200–250g), em jejum (24h), foram divididos em quarto grupos e receberam etanol 95% (1 mL/
animal, v.o.), após 1 hora seguido de: veículo (10 mL/kg, v.o., controle); Sc-EtOH (50, 150 ou 500mg/kg, tratado);
ranitidina (50 mg/kg, i.p., controle positivo). Passado 1 hora dos tratamentos, os animais foram eutanaziados em
câmara de CO2, seus estômagos removidos e abertos ao longo da grande curvatura. A área de úlcera (AU) foi
calculada (Kauffman; Grossman, 1978) e os tecidos foram analisados histopatologicamente. Este estudo foi aprovado
pelo Comitê de Ética no Uso de Animais da UNINOVE (AN 0002/11). In vitro: o íleo foi isolado de ratos Wistar
(250-350g), em jejum (24h), transferido para cubas de vidro para órgão isolado (5mL) contendo solução de Krebs
modificado (Sun; Benishin, 1994), sob 1g de tensão e aerado com O2, a 37°C. As contrações foram induzidas por
KCl (40mM) na ausência ou (controle) presença do Sc-EtOH (27 - 500 µg/mL), monitoradas por transdutores de
força isométricos acoplados ao programa AQCD em computador. Os valores de Emax foram obtidos como a % da
contração na presença do extrato. Estes procedimentos foram aprovados pelo Comitê de Ética em Pesquisa da
UNIFESP (CEP 0038/10). Todos os dados foram analisados pelo programa GraphPad Prism 5.0 e as análises estatísticas
foram realizadas utilizando o Test “t” de Student ou ANOVA de uma via seguida do pós-teste de Dunnett, onde
valores de p<0,05 foram considerados significantes.
135
EFFECT OF THE ETHANOLIC EXTRACT FROM THE BARK OF TERMINALIA
FAGIFOLIA ON CATALASE ACTIVITY OF THE GASTRIC WALL OF
RATS TREATED WITH INDOMETHACIN AND ETHANOL
Carvalho, R.B.; 1Almeida, I. R.; 1Cordeiro, N. M.; 1Carvalho, T.T.A 2Martins, M.C.C;
2
Nunes, P.H.M. 1Medicine Undergraduate Students
2
Department of Biophysics and Physiology/Federal University of Piaui.
[email protected]
1
Introduction
Terminalia fagifolia Mart. et Zucc is a Combretaceae popularly known as “chapadeiro”, and it is used in folk medicine as
“digestive” and for the treatment of disorders of the estomach and intestine. The ethanolic extract of the bark of
this plant (TfEE) showed antiulcerogenic activity against gastric ulcer induced by ethanol in rats. The activity of
antioxidant enzymes such as catalase is an important gastric protection factor. This study aims to investigate the
effect of TfEE on catalase activity (aCAT) of the gastric wall of rats treated with indomethacin and ethanol.
Methods
Male (252 ± 4,1 g) and female (169 ± 2,5 g) Rattus norvegicus (n = 6-8/group) fasted for solids (24 h), received orally 5
mL/kg of water (SHAM and control group-C), TfEE (500 mg/kg) or carbenoxolone (Cbx-100 mg/kg) one hour before
absolute ethanol (1 mL/animal, p.o., female animals) and thirty minutes before indomethacin (30 mg/kg, s.c., male
animals). Thirty minutes and three hours after administration of ethanol and indomethacin, respectively, the animals
were euthanized with sodium thiopental (100 mg/kg, i.p.) and the stomachs were removed and opened by its lesser
curvature. Catalase activity was determined in fragments of the body of the stomach of each animal by the decrease
in absorbance at 230 nm of a solution of hydrogen peroxide. The results are presented as mean and SEM. Statistical
analysis was performed by ANOVA and Tukey’s post-test. The project was approved by the Ethics Committee for
Animal Experimentation (CEEA) of UFPI (Nº-042/09).
Results and discussion/conclusions
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Treatment with ethanol did not cause any change in the aCAT of the gastric mucosa (SHAM: 1.27 ± 0.10; C: 1.36
± 0.14). Neither carbenoxolone (Cbx: 1.35 ± 0.11) nor TfEE (TfEE: 1.35 ± 0.12) demonstrated some influence on
the level of aCAT in ethanol treated animals. Indomethacin significantly increased (p<0.05) aCAT in the gastric
mucosa (SHAM: 0.69 ± 0.05; C: 0.93 ± 0.13) and this increase was not changed by TfEE (0.97 ± 0.09). Carbenoxolone
abolished (p<0.05) the increase in aCAT caused by indomethacin (Cbx: 0.67 ± 0.06). These results suggest that
the antiulcerogenic activity of TfEE against ethanol and indomethacin gastric ulcers did not involve changes in the
catalase activity of the gastric mucosa.
136
Financial Support: UFPI
ANTIULCEROGENIC ACTIVITY OF THE AQUEOUS AND ETHANOLIC
EXTRACTS OF TERMINALIA TANIBOUCA ON GASTRIC ULCERS
INDUCED BY ETHANOL IN RATTUS NORVEGICUS
Carvalho, R.B.; 1Carvalho, T.T.A.; 1Ferreira, M.R.L. 1Silva, M.C.T.; 2Maia. E.P.;
2
Martins, M.C.C; 2Nunes, P.H.M.
1
Medicine Undergraduate Students
2
Department of Biophysics and Physiology/Federal University of Piaui.
[email protected]
1
Introduction
Terminalia tanibouca Smith is a plant belonging to the family Combretaceae. It is commonly called “pau d’água”,
“cuiarana” or “tanibouca” with multiple uses in popular culture for the treatment of various diseases, particularly those
involving the gastrointestinal system such as diarrhea and ulcers. Plants from the botanical family Combretaceae, like
Terminalia pallida Brandis (GUPTA, M., J Ethnopharmacol 97, p.405, 2005) and Combretum leprosum (NUNES,
P.H.M. et al, Pharmazie 64, p. 58, 2009) exhibit antiulcerogenic activity. This study evaluated the antiulcerogenic
effects of the aqueous (TtAE) and ethanolic extract (TtEE) of the bark of T. tanibouca on acute experimental model
of gastric ulceration in rats.
Methods
Rattus norvegicus (175-250 g) of both sexes (n = 6-8/group) fasted for solids for 24 hours, received orally 5 mL/kg
of water (control group), TtAE (1 g/kg), TtEE (250 and 500 mg/kg) or carbenoxolone (100 mg/kg) one hour before
absolute ethanol (1 mL/animal, orally). Thirty minutes after administration of the ulcerogenic agent, the animals
were euthanized with an overdose of sodium thiopental (100 mg/kg, i.p.) and the stomachs were removed and
opened by its lesser curvature. The intensity of the gastric wall ulceration induced by ethanol was evaluated by
the area of ulcerative lesions (AUL), expressed as a percentage of body area of the stomachs, using the software
ImageJ. Data were subjected to analysis of variance followed by Tukey’s post- test for comparison between pairs of
groups. The significance level was set at 5% (p<0.05). The project was approved by the Ethics Committee for Animal
Experimentation (CEEA) of UFPI (Nº-042/09).
The AUL (Mean ± SEM) showed significant reduction (p<0.001) in the animals treated with carbenoxolone 100
mg/kg (5.3 ± 1.79), TtEE at doses of 250 mg/kg (2.45 ± 0.89) and 500 mg/kg (1.34 ± 0.55) when compared to the
control group (17.1 ± 2.06). There were no statistical differences between the gastroprotection elicited by TtEE 250
mg/kg (85%), TtEE 500 mg/kg (92%) and carbenoxolone 100 mg/kg (68%). No significant differences were shown
between the groups TtAE (14.5 ± 1.95) and control. Only the ethanolic extract of the bark of Terminalia tanibouca
showed significant antiulcerogenic activity on gastric ulcers induced by ethanol. The protective effect of the extract
was similar to that of carbenoxolone. The effect of this plant extract is probably related to factors linked to the
preservation of mucus layer and the control of blood flow in the stomach, parameters altered by ethanol (OATES, PJ,
Gastroenterol., 94, p.10, 1988).
Financial support: UFPI
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/Conclusion
137
EFECTO DE LA FRACCIÓN DE ALCALOIDES LIBERADOS Y ERISOPINA,
ALCALOIDE AISLADO DE ERYTHRINA AMERICANA MILLER, SOBRE
UNA TAREA DE LABERINTO T ELEVADO
Garín-Aguilar M. E.1, Ruiz-López, C. X. 1, Garín-Aguilar N.3, Del Toro G. V.2
Facultad de Estudios Superiores Iztacala, UNAM. Av. de los Barrios Núm. 1. Los Reyes
Iztacala, Tlalnepantla Edo. México. 54090, México.
2
Unidad Profesional Interdisciplinaria de Biotecnología, IPN.
La Laguna Ticomán, D.F. 07340, México.
3
Escuela Superior de Medicina, IPN. Plan de San Luis y Díaz Mirón.
Casco de Santo Tomás, D.F. 11340, México.
[email protected]
1
Introducción
En la región Huasteca de México, las inflorescencias de E. americana son utilizadas empíricamente para combatir el
insomnio y como “tranquilizante de los nervios”. En el laboratorio, fracciones alcaloideas de las semillas disminuyeron
la conducta agresiva de ratas. También, se ha reportado que tratamientos agudos y crónicos con extractos alcohólicos
de otras especies del género, E. mulungus y E. velutina, producen efectos ansiolíticos. Por lo que este trabajo tuvo
como objetivo evaluar la actividad que la fracción de alcaloides liberados y el alcaloide erisopina, obtenidos de
semillas de E. americana, tienen sobre la ansiedad y la memoria en una tarea de laberinto T elevado.
Métodos
Se utilizaron ratas macho Wistar que se asignaron al azar a grupos independientes para recibir por vía i.p. 1 mL/
kg de vehículo; 2 mg/kg de diazepam (DZ); 0.3 mg/kg de nicotina; 2 mg/kg de la fracción de alcaloides liberados
(FALH) ó 0.5 mg/kg de erisopina; un grupo de animales no recibió tratamiento (Intacto). Treinta minutos después
de la inyección, cada animal se colocó al inicio del brazo cerrado del laberinto y se registró el tiempo (s) que tardó en
llegar a uno de los brazos abiertos (LB). Dos evitaciones (EV1 y EV2), a alguno de los brazos abiertos, fueron registradas
colocando nuevamente al animal por 2 ocasiones consecutivas al inicio del brazo cerrado. Inmediatamente, un
escape (ESC1) fue registrado (tiempo que gastó la rata para desplazarse ahora desde el brazo abierto al brazo cerrado).
Para evaluar la memoria, la EV3 y el ESC2 se midieron un día después, re-exponiendo a los animales al laberinto-T sin
la administración de tratamientos.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión/conclusiones
138
Los resultados mostraron que DZ (2 mg/kg) deterioró la evitación inhibitoria, sugiriendo un efecto ansiolítico que se
confirmó con la ausencia de amnesia anterógrada en la EV3 y con las latencias altas del ESC1. El agonista colinérgico
nicotina (0.3 mg/kg) no deterioró la adquisición ni la memoria de la evitación y del escape. La latencia de escape
alta durante el entrenamiento (ESC1) lograda con la administración de FALH (2 mg/kg), sugieren que alguno de los
componentes de la mezcla tiene efecto ansiolítico, en contraste con el alcaloide erisopina que no lo presentó. Los
efectos de deterioro en la memoria de la evitación al brazo abierto, ocasionados con 0.5 mg/kg erisopina (EV3), llevan
a proponerle como un antagonista de receptores nicotínicos que modulan los procesos de memoria. El laberinto
T-elevado permitió estudiar los efectos ansiolíticos y/o de memoria de la fracción de alcaloides liberados (FALH) y
del alcaloide erisopina obtenidos de semillas de E. americana.
Apoyo Finaciero: Proyecto IPN-SIP: 20110977 y Proyecto CONACyT CB-2008-105683. PAPCA 78 FES-Iztacala
y PAPIIT IN212906 DGAPA-UNAM
EFEITO DO EXTRATO ETANÓLICO DA CASCA DE TERMINALIA FAGIFOLIA
SOBRE O TEOR DE MUCO E DE GRUPOS SULFIDRILA NÃOPROTÉICOS
DO ESTÔMAGO DE RATAS TRATADAS COM ETANOL
Almeida A.L.R.¹, Almeida I.R.¹, Cordeiro N.M.¹, Almeida I.P.¹, Carvalho R.B.¹,
Almeida F.R.C.², Martins, M.C.C.¹ e Nunes P.H.M.¹
¹ Departamento de Biofísica e Fisiologia/CCS-UFPI. Teresina, Piauí.
² Departamento de Bioquímica e Farmacologia/CCS-UFPI. Teresina, Piauí.
[email protected]
Introdução
Terminalia fagifolia Mart. et Zucc (Combretaceae) é uma espécie utilizada na medicina popular como “digestivo”
e para o tratamento de afecções do estômago e do intestino. O extrato etanólico da casca dessa planta (EETF)
apresenta atividade anti-ulcerogênica no modelo de úlceras gástricas induzidas por etanol em ratos, com o
envolvimento parcial de óxido nítrico e prostaglandinas. O presente trabalho visa investigar o papel do muco e dos
grupos sulfidrila não-protéicos (GSH-NP) no mecanismo da ação antiulcerogênica do extrato etanólico da casca de
Terminalia fagifolia em ratas tratadas com etanol.
Métodos
Rattus norvegicus fêmeas (168 ± 3,0 g, n = 6-8/grupo), mantidos em jejum de sólidos por 24 h, foram tratados por
via oral com água (5 mL/kg, Controle-C e Controle Veículo-CV), EETF (500 mg/kg), carbenoxolona (Cbx-100 mg/kg)
ou N-acetilcisteína (NAC-500 mg/kg) uma hora antes de receberem etanol absoluto (5 mL/kg, v.o.) ou água (Grupo
C). Meia hora depois da administração de etanol, os animais foram eutanasiados com tiopental sódico (100 mg/kg)
e os estômagos foram retirados e abertos pela curvatura menor. A determinação do teor de muco (µg/g, método
do Alcian blue) e da concentração de GSH-NP (µM/g, método do DTNB) foi efetuada em fragmentos individuais
retirados do corpo gástrico. Os resultados (Média ± EPM) foram comparados por meio do teste de Mann Whitney.
Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Experimentação Animal da UFPI (Protocolo Nº 042/09).
GSH-NP: Nos animais do grupo CV, o nível de GSH-NP da mucosa gástrica (34,7 ± 0,8) foi significativamente menor
(p<0,05) que no grupo C (43,2 ± 2,1). Os animais tratados com EETF apresentaram concentração de GSH-NP (45,1 ±
1,7) significativamente (p<0,01) maior que a do grupo CV, mas não diferente da do grupo C. Nos animais do grupo
Cbx a concentração de GSH-NP (33,9 ± 1,3) foi significativamente (p<0,05) menor que a do grupo C e não diferente
da do grupo CV. Nos animais tratados com NAC, o nível de GSH-NP (117,6 ± 15,6) mostrou-se maior (p<0,001) que
nos grupos C e CV. Teor de MUCO: Nos animais do grupo CV, o teor de muco da parede gástrica (378,0 ± 17,6)
foi significativamente menor (p<0,05) que no grupo C (464,4 ± 29,7). Os animais tratados com EETF apresentaram
concentração de muco (89,5 ± 22,1) significativamente menor (p<0,001) que a dos grupos CV e C. Nos animais do
grupo Cbx o teor de muco (441,0 ± 41,1) foi significativamente (p<0,05) maior que a do grupo CV e não diferente
do grupo C. Nos animais tratados com NAC, o nível de muco (310,0 ± 30,2) mostrou-se mais baixo (p<0,01) que
nos grupos C e CV. Os dados obtidos indicam a participação dos GSH-NP no mecanismo de ação da atividade antiulcerogênica de T. fagifolia, mas revelaram um efeito inesperado e paradoxal do EETF, atuando sinergicamente com o
etanol na redução do teor de muco da parede gástrica dos animais tratados com este agente agressor.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussão/ Conclusão
139
EFEITO DO EXTRATO ETANÓLICO DA CASCA DE TERMINALIA FAGIFOLIA SOBRE
O TEOR DE MUCO E DE GRUPOS SULFIDRILA NÃOPROTÉICOS DO
ESTÔMAGO DE RATAS TRATADAS COM INDOMETACINA
Barros T.M.L.¹, Cordeiro N.M.¹, Almeida I.R.¹, Lages, R.B¹, Carvalho R.B.¹,
Almeida F.R.C.², Oliveira, R.C.M.¹ e Nunes P.H.M.¹
¹ Departamento de Biofísica e Fisiologia/CCS-UFPI. Teresina, Piauí.
² Departamento de Bioquímica e Farmacologia/CCS-UFPI. Teresina, Piauí.
[email protected]
Introdução
A doença ulcerosa péptica consiste em afecção multifatorial resultante do desequilíbrio entre fatores protetores da
mucosa gástrica, como o muco e os grupos sulfidrílicos não-protéicos da mucosa gástrica, e agentes lesivos, como o
álcool e os anti-inflamatórios não-esteroidais (AINE’s). A indometacina é útil no tratamento de inflamações em geral,
mas pode causar ulceração gastrointestinal, devido à sua habilidade em suprimir a síntese de prostaglandinas, as quais
atuam como mediadores dos processos de gastroproteção. Terminalia fagifolia Mart. et Zucc (Combretaceae) é uma
planta utilizada popularmente como “digestivo” e é encontrada em diversos estados brasileiros, incluindo o Piauí. O
extrato etanólico de sua casca apresentou atividade antiulcerogênica em modelo de úlcera gástrica experimental
induzida por etanol em ratos, com o envolvimento parcial de prostaglandinas e óxido nítrico. O presente trabalho visa
investigar o papel do muco e dos grupos sulfidrila não-protéicos (GSH-NP) no mecanismo da ação antiulcerogênica
do extrato etanólico da casca de Terminalia fagifolia (EETF) em ratas tratadas com indometacina.
Métodos
Rattus norvegicus machos (246 ± 5,3 g, n = 6-8/grupo), mantidos em jejum de sólidos por 24 h, foram tratados por
via oral com água (5 mL/kg, Controle-C e Controle Veículo-CV), EETF (500 mg/kg) ou carbenoxolona (Cbx-100 mg/
kg) meia hora antes de receberem indometacina (30 mg/kg, s.c., dissolvida em solução de bicarbonato de sódio 0,2
M) ou solução de bicarbonato de sódio 0,1 M (Grupo C). Três horas depois da administração de indometacina,
os animais foram eutanasiados com tiopental sódico (100 mg/kg) e os estômagos foram retirados e abertos pela
curvatura menor. A determinação do teor de muco (µg/g, método do Alcian blue) e da concentração de GSHNP (µM/g, método do DTNB) foi efetuada em fragmentos individuais retirados do corpo gástrico. Os resultados
(Média ± EPM) foram comparados por ANOVA e teste de Bonferroni. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em
Experimentação Animal da UFPI (Protocolo Nº 042/09).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussão/ Conclusão
140
Teor de MUCO: Nos animais do grupo CV, o teor de muco da parede gástrica (405,7 ± 19,6) foi significativamente
menor (p<0,05) que no grupo C (530,9 ± 57,8). Os animais tratados com EETF apresentaram concentração de muco
(149,3 ± 21,3) significativamente menor (p<0,001) que a dos grupos CV e C. Nos animais do grupo Cbx o teor de
muco (476,6 ± 35,3) foi significativamente maior (p<0,05) que a do grupo CV e menor (p<0,05) que a do grupo C.
GSH-NP: Não houve diferenças estatisticamente significativas nas concentrações de GSH-NP entre os animais dos
grupos estudados (C: 56,1 ± 1,7; CV: 57,8 ± 1,3, EETF: 55,5 ± 1,9 e Cbx: 59,9 ± 2,6) Os dados obtidos revelaram um
efeito inesperado e paradoxal do EETF, atuando sinergicamente com a indometacina na redução do teor de muco
da parede gástrica dos animais tratados com este agente agressor. Nem a indometacina (CV) e nem os tratamentos
testados (EETF e Cbx) provocaram alterações no teor de GSH-NP da mucosa gástrica dos animais nas condições do
protocolo experimental utilizado.
EXTRACTS OBTAINED FROM THE SKIN OF THE FRUIT OF BACURI
PLATONIA INSIGNIS MART. CLUSIACEAE HAVE VASORELAXANT
EFFECT IN ISOLATED RAT AORTA
Oliveira N.N.P.M.1), Ferreira-Filho E.S.1, Nunes A.F.1, Nunes-Filho D.M.1, Costa F.S.1, Chaves M.H.2, Oliveira A.P.1, 3, Oliveira R.C.M.1
1
Medicinal Plants Research Center, UFPI, Teresina, PI, Brazil.
2
Departament of Chemistry, UFPI, Teresina, PI, Brazil.
3
Campus Almícar Ferreira Sobral,UFPI, Floriano, PI, Brazil.
[email protected]
Introduction
Bacuri (Platonia insignis Mart. Clusiaceae) is a native fruit the Amazon region of Brazil and Guyana, but also grows
Colombia and Paraguay. In Brazil, the scattering center is the state of Para and may also be found in Maranhao, Mato
Grosso, Piaui and Goias. Bacuri occurs naturally in barren areas, indifferent to soil conditions resists pronounced
water deficit, as well as high temperatures. Phytochemical study of the skin of the fruit indicate the presence of acids
(palmitic, oleic, linoleic, stearic, myristic, and caprylic), alcohols, hydrocarbons and esters. Ethnopharmacological
studies show radical scavenging properties. Then, the aim of this study is to evaluate the vasorelaxant activity of
extracts ethanolic (Pi-EtOH), aqueous (Pi-H2O) and ethyl acetate (Pi-AcOEt) obtained from the skin of the fruit of
Platonia insignis Mart. in isolated rat aortic rings.
Methods
Male Wistar rats weighting 250 - 300g were kept under a 12–12h light:dark cycle and allowed free access to food
and water. Animals were used according with the guidelines of Ethical Animal Committee (Protocol 078/2010) from
Federal University of Piaui - Brazil. Aortic rings of 2-3mm, free of connective tissue, obtained from thoracic aorta were
suspended individually in pots containing Krebs solution at 37°C, aerated with carbogen mixture. The preparations
were stabilized for 60min maintained under a tension of 1gf, renewing the Krebs solution every 15min. Phenylephrine
10-6M was induced contraction, and during the tonic component was added 10-6M of acetylcholine to verify the
integrity of the endothelium. Then, contraction was induced with phenylephrine 10-6M and during the tonic
component, the extracts Pi-EtOH, Pi-H2O or Pi-AcOEt was added cumulatively and individually at concentrations
0.1 - 1000µg/mL. The results were expressed as means±sem. The values of EC50 were obtained by nonlinear regression
and values p<0.05 considered significant (Test t-student, PRISM 5.03).
All extracts tested and obtained from the skin of the fruit of Platonia insignis Mart. Clusiaceae inhibited concentrationdependent manner the contractions induced by phenylephrine 10-6M in isolated rat aortic rings in the presence of
functional endothelium Pi-EtOH EC50 = 364.5 ± 67.1µg/mL; Pi-H2O EC50 = 344.1 ± 58.6µg/mL; Pi-AcOEt EC50 = 541.8
± 275.9µg/mL and in the absence of functional Pi-EtOH EC50 = 855.8 ± 150.7µg/mL; Pi-H2O EC50 = 1230.4 ± 881.2µg/
mL and Pi-AcOEt EC50 = 4388.0 ± 1353.6µg/mL; (n = 5).
In summary, it is suggested that vasorelaxant activity of these extracts is endothelium-dependent and possible
caused by the stimulation of endothelial nitric oxide formation with involvements of EDHF activation.
Financial Support: UFPI/CAPES.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
141
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIINFLAMATÓRIA TÓPICA
DO ÓLEO FIXO DE RHINELLA JIMI STEVAUX, 2002
Sales, D. L.1*; Oliveira, O. P.1; Sampaio, R. S.1; Kerntopf, M. R.2; Menezes, I. R. A.2; Almeida, W. O.2
1
Programa de Pós-Graduação em Bioprospecção Molecular da Universidade
Regional do Cariri - URCA, Crato - CE, Brasil.
2
Departamento de Química Biológica da Universidade
Regional do Cariri - URCA, Crato - CE, Brasil.
dé[email protected]
Introdução
Animais inteiros ou partes deles são amplamente utilizados para o tratamento de várias doenças em muitos países
do mundo, prática conhecida por Zooterapia. No Nordeste o anfíbio Rhinella jimi, localmente chamado de “sapo
cururu” é um dos animais utilizados para tratamento de enfermidades, tanto humanas (inflamações, gastrites, cáries
dentárias, erisipela, acne, dores e infecções) quanto veterinárias (tratamento de feridas nas peles de eqüinos e bovinos). Para o tratamento da maioria das doenças, especialmente inflamações, a parte dos animais mais utilizada desses
animais é a gordura. Assim, o presente trabalho teve como objetivo, validar o uso popular da banha no R. jimi (ORJ),
para avaliar seu potencial de atividade antiinflamatória.
Material e Métodos
Os animais foram obtidos por coleta ativa nos municípios de Crato-CE e Exu-PE, mediante autorização prévia do
ICMBio - SISBIO (Nº: 27486-1), sacrificados por decaptação e sendo retirada a gordura cirurgicamente. A extração
dos ácidos graxos presente na gordura (óleo fixo) foi realizada em aparelho de Soxhlet, utilizando o hexano como
solvente por 3 horas. No ensaio de atividade inflamatória tópica foram utilizados camundongos Swiss, (machos e
fêmeas, 20-25g) usando o método clássico de edema de orelha induzida pelo óleo de Cróton. Os animais foram divididos em cinco grupos de seis animais cada, tratados com 20µL na orelha direita do ORJ puro e suas concentrações
de 200 e 100mg/kg (respectivamente grupos tratados ORJ puro, ORJ200 e ORJ100), dexametasona (4mg - controle
positivo) e solução salina (controle negativo), uma hora antes da aplicação do óleo de Cróton 5%, seguidos da aplicação de 20µL do veículo acetona na orelha esquerda. Passadas seis horas os animais foram sacrificados por decaptação
e discos de 6mm de diâmetro foram obtidos das orelhas através de um perfurador metálico e pesados para avaliação
do edema. Os resultados foram expressos pela média ± desvio padrão e análise feita pela ANOVA usando o teste de
comparação Newman Keuls no Graph Pad Prism 5.0. (USA).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/ conclusões:
142
Somente ORJ puro demonstrou redução significativa do edema de orelha em contato com o óleo de cróton (86,40
± 11,40), comparada com o grupo controle negativo (145,0 ± 4,398). A dexametasona apresentou redução no edema
(50,94 ± 3,569) também quando confrontada com o controle negativo. Resultados semelhantes foram encontrados
para o óleo fixo de Tupinambis merianae, quando testado em modelos de inflamação tópica. Com os resultados
obtidos pode-se demonstrar o efeito da ação antiinflamatória do óleo fixo de R. jimi (ORJ) em modelos de atividade
tópica. Entretanto, ensaios complementares seriam necessários para a determinação do mecanismo de ação.
Suporte financeiro: Funcap
ALTERAÇÕES HISTOPATOLÓGICAS RELACIONADAS À ADMINISTRAÇÃO
SUBCRÔNICA DE FOENICULUM VULGARE MILL. EM RATTUS NOVERGICUS
BRANCO, A.C.S.C.1; RAMALHO, J.A.2; DANTAS, J.G.2; XAVIER A.L.2; PITA, J.C.2;
SANTOS, H.B.2; ARAÚJO, M.S.T.2; MELO-DINIZ, M.F.F2.
1
Associação Teresinense de Ensino, Faculdade Santo Agostinho (FSA), Teresina-PI, Brasil.
2
Laboratório de Tecnologia Farmacêutica, Universidade
Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.
[email protected]
Introdução
A utilização de plantas medicinais no tratamento de enfermidades é tão antiga quanto à espécie humana. As plantas
medicinais possuem diversas formas de preparo, como o chá, especialmente na forma de sachês, que abrangem cerca
de 80% dos chás consumidos atualmente no mundo. Entre as espécies vegetais utilizadas, destaca-se a Foeniculum
vulgare Mill., conhecida popularmente como erva-doce ou funcho, que apresenta diversas ações farmacológicas,
como digestiva, carminativa e galactagoga. Este trabalho teve como objetivo realizar uma análise histopatológica da
administração subcrônica de Foeniculum vulgare Mill. em Rattus novergicus.
Métodos
Este estudo foi realizado com o fruto de F. vulgare comercializados em sachês na cidade de João Pessoa - PB, segundo
a RE 90/2004 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e aprovado previamente pelo Comitê de Ética em Pesquisa
Animal (CEPA), protocolo nº 0107/09. Foram selecionados ratos Wistar albinos (Rattus norvegicus), adultos, machos
e fêmeas, pesando entre 200 a 300 gramas fornecidos pelo Biotério Prof. Thomas George do Laboratório de Tecnologia Farmacêutica (LTF) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Os animais foram distribuídos em quatro grupos
de vinte animais cada, dez machos e dez fêmeas. Três grupos foram tratados diariamente com Extrato Hidroalcoólico
Bruto Liofilizado (EHABL) de F. vulgare, por via oral (gavagem) com as seguintes doses: equivalente a dose de uso popular (8,5 mg/kg), três (25,5 mg/kg) e nove (76,5 mg/kg) vezes a dose de uso popular, por um período de 13 semanas.
O quarto grupo (controle) recebeu apenas o veículo (água). Após treze semanas de tratamento, os animais foram
sacrificados por tração cervical (30% de cada grupo), com suas vísceras (coração, fígado, rins e pulmões) coletadas
para estudo anatomopatológico no Laboratório de Patologia Clínica do Hospital Universitário Lauro Wanderley
(HULW) da UFPB.
Os estudos macroscópicos dos órgãos permaneceram dentro dos limites da normalidade. Entretanto, na análise
microscópica evidenciou-se no hiperplasia do tecido linfóide associado aos brônquios (BALT) com pequenos adensamentos linfóides peribronquiolares e o parênquima apresentava-se como uma fina trama alveolar, com focos de
afluxo linfocitário intersticial septal. No fígado, identificou-se fibrose localizada, podendo ser consequência da hepatossiderose (grau 1 e 2) também evidenciada neste estudo. Observou-se também infiltrado inflamatório portal e
perisseptal e múltiplos focos de necrose, que podem levar a um comprometimento funcional do fígado. Estes resultados sugerem que o fígado e o pulmão podem servir como órgãos-alvo na toxicidade oral desta planta. Portanto,
estudos adicionais são necessários para elucidar eventuais mecanismos de toxicidade em nível molecular.
Apoio Financeiro: CNPQ
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussões/Conclusões
143
TOXICIDADE PRÉCLÍNICA AGUDA DE FOENICULUM
VULGARE MILL. EM RATTUS NOVERGICUS
BRANCO, A.C.S.C.1; RAMALHO, J.A.2; DANTAS, J.G.2; XAVIER A.L.2; PITA, J.C.2;
SANTOS, H.B.2; OLIVEIRA, K.M.2; MELO-DINIZ, M.F.F2.
1
Associação Teresinense de Ensino, Faculdade Santo Agostinho, Teresina-PI, Brasil.
2
Laboratório de Tecnologia Farmacêutica, Universidade
Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.
[email protected]
Introdução
As espécies vegetais destacam-se na medicina popular desde a antiguidade por suas qualidades alimentícia e/ou
curativa. As plantas medicinais em sachês correspondem à cerca de 80% dos chás vendidos atualmente no mundo.
Entretanto, informações científicas relacionadas à sua segurança são escassas. Foeniculum vulgare, conhecida popularmente como erva-doce e funcho, é uma espécie bastante utilizada pela população como digestiva, diurética,
galactagoga e antiespasmódica. Estes trabalho teve como objetivo realizar um estudo de toxicidade pré-clínica aguda
de Foeniculum vulgare Mill. em Rattus novergicus.
Métodos
Utilizaram-se para este estudo 12 ratos Wistar albinos (Rattus norvegicus), adultos, machos e fêmeas, pesando entre
200 a 300 gramas fornecidos pelo Biotério Prof. Thomas George do Laboratório de Tecnologia Farmacêutica (LTF)
da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Os animais foram divididos em dois grupos de seis cada (três machos e
três fêmeas): Um tratado, que recebeu a dose de 2 g/kg do Extrato Hidroalcoólico Bruto Liofilizado (EHABL) do chá
da planta e um controle, ao qual foi administrado apenas o veículo. Os protocolos foram realizados segundo a RE/90
da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, com aprovação prévia pelo Comitê de Ética em Pesquisa Animal (CEPA),
protocolo nº 0107/09. Após 14 dias de observação dos sinais gerais de toxicidade, os animais foram sacrificados, com
a coleta de sangue através de sangria do plexo braquial, para a análise dos parâmetros bioquímicos no LTF/UFPB, e os
seus órgãos (pulmão, fígado, rim e coração) foram retirados para a análise histopatológica realizada no Laboratório
de Patologia Clínica do Hospital Universitário Lauro Wanderley da UFPB.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussões/Conclusões
144
A análise bioquímica dos animais tratados de ambos os sexos evidenciou aumento nos níveis de aspartato transaminase (AST) e desidrogenase láctica (DHL), enzimas hepáticas utilizadas como indicadores de danos hepatocelulares.
Essas alterações possivelmente estão associadas aos danos hepáticos observados na análise histopatológica: Foco
de necrose hepatocelular, acompanhados de tumefação e infiltrado linfo-histiocitário. O estudo microscópico dos
cortes tissulares dos pulmões de ratos tratados na toxicidade aguda revelou uma arquitetura parenquimatosa lobular
normal com rede de bronquíolos alveolares íntegras, mas com uma discreta hiperplasia e reação inflamatória. Estes
resultados sugerem que fígado e pulmão podem ser órgãos-alvo desta planta. Portanto, estudos toxicológicos adicionais e em longo prazo são necessários para uma melhor elucidação de sua toxicidade.
Apoio Financeiro: CNPq
ESTUDO DO EFEITO ANTIPROLIFERATIVO E ANALGÉSICO DO PELARGONIUM
SIDOIDES EXTRATO EPS 7630 KALOBAÒ EM RATAS ENDOMETRIÓTICAS
1
Lopes E.M.S1, Duarte B.P1, Barros R.V1, Medeiros F.C2, Medeiros, M.A.S3.
Estudante de Medicina da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Ceará, Brasil.
2
Universidade de Federal do Ceará (UFC), Ceará, Brasil.
3
Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Ceará, Brasil.
e-mail: [email protected]
Introdução
A endometriose é definida como a presença de tecido endometrial em região ectópica. Por ser essencialmente
dependente de estrogênio, seu tratamento é baseado na redução de hormônios esteroidais, tendo, entretanto,
alguns efeitos adversos, como hipoestrogenismo e infertilidade. O Pelargonium sidoides D.C. é usualmente utilizada
no tratamento de doenças pulmonares crônicas. A atividade imunomoduladora é mediada principalmente pela
liberação de fator de necrose tumoral-alfa (TNF-a) e óxido nítrico (iNO), pelo aumento da liberação de interferonbeta (INF-ß) e pelo o aumento da atividade das células Natural killer. É possível que o tratamento com P. sidoides
extrato EPs 7630 melhore a sintomatologia da endometriose, uma vez que esta ocorreria como consequência de
imunodeficiência peritoneal. Considerando o efeito imunomodulador do P. sidoides, objetiva-se avaliar sua eficácia
na evolução da endometriose e na dor em um modelo experimental de endometriose.
Metodologia
O modelo de endometriose foi induzido por autotransplantes de fragmentos do endométrio provenientes de um
dos cornos uterinos na cavidade peritoneal. Após cinco dias, grupos de ratas foram tratadas com salina 0,9% ou P.
sidoides 6mg/kg/dia, via oral, por um período de 10 dias e, então, foram sacrificadas para avaliar o peso relativo dos
implantes. Grupos de ratas endometrióticas tratadas com P. sidoides, não tratadas e o grupo controle intacto foram
submetidos ao teste de contorções abdominais utilizando-se ácido acético a 0,8% em salina 0,9%, administrado via
intra-peritoneal.
A média dos pesos úmidos do grupo não tratado (± EPM) e tratado foi de 0,525 ± 0,121g% e 0,226 ± 0,0396g%,
respectivamente. A média dos pesos secos do grupo não tratado (±EPM) e tratado foi de 0,181 ± 0,027g% e 0,0534
± 0,000161g%, respectivamente. P. sidoides reduziu significativamente os endometriomas, provavelmente via atuação
na cascata bioquímica de formação de mediadores e, possivelmente, através de uma ação sobre as células NK. Na
avaliação da atividade analgésica, a média de contorções nos grupos intacto, endometriose e endometriose tratado
com P. sidoides foi de 49,40 ± 5,14, 43,50 ± 2,5 e 13,7 ± 2,96, respectivamente, com percentagem de inibição de
72,26%, comparando o grupo tratado e o controle intacto. As prostaglandinas possuem papel fundamental na dor,
e sua produção é significativamente aumentada em endometriomas em comparação ao endométrio eutópico. Por
mecanismos ainda desconhecidos, o P. sidoides, possivelmente, age inibindo a ação da COX-2 ou limitando sua
produção/liberação, diminuindo a intensidade da dor na endometriose. As atividades farmacológicas demonstradas
pelo P. sidoides fornecem fortes evidências para sua eficácia no tratamento da endometriose.
Apoio financeiro: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Programa de Iniciação
Cientifica da Fundação Edson Queiroz (PROBIC/FEQ), Universidade de Fortaleza - UNIFOR.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/Conclusão
145
EFEITO DO ÓLEORESINA DE COPAÍFERA SP. SOBRE A SECREÇÃO ÁCIDA
E O CONTEÚDO DE MUCO DO ESTÔMAGO DE RATTUS NORVEGICUS
Vilanova C.M.A, Damasceno D.C.F., Brito A.K.S., Almeida V.M., Almeida I.P.,
Leal D.F., Lima S.G.L.2, Nunes P.H.M.1, Martins M.C.C.1
1
Departamento de Biofísica e Fisiologia/CCS, Universidade
Federal do Piauí (UFPI), Teresina- PI, Brasil
2
Departamento de Química/CCN, UFPI, Teresina-PI, Brasil
Introdução
No Brasil, um grande número de plantas medicinais é usado na medicina popular para o tratamento de vários
tipos de distúrbios digestivos. As plantas do gênero Copaifera são plantas aromáticas bastante empregadas na
medicina popular brasileira, cujo óleo-resina é largamente utilizado como fitoterápico devido principalmente a suas
propriedades cicatrizante, anti-inflamatória, antibacteriana e antitumoral. Gastroproteção foi demonstrada no óleo
resina da Copaifera langsdorfii (0,63 mL/kg). Tais resultados evidenciam potencial ação de outras espécies do gênero
Copaifera sobre o trato gastrointestinal. A espécie ora estudada por nosso grupo, popularmente conhecida como
copaíba branca, mostrou atividade antiulcerogênica e encontra-se em processo de identificação e caracterização
química. Dados preliminares evidenciam que seus constituintes majoritários são β-bisaboleno, trans-α-bergamoteno
e β-selineno. O presente trabalho avaliou o efeito do óleo-resina de Copaifera sp. sobre o teor de muco e a secreção
ácida do estômago de ratos no modelo experimental de ligadura de piloro.
Métodos
Ratos Wistar machos (293,2±6,4 g) aclimatizados, por pelo menos sete dias, em gaiolas metabólicas individuais foram
mantidos durante as 24 horas antes da realização dos experimentos em jejum de sólidos e livre acesso a solução de
glicose 5%. Grupos com 6-8 animais cada, receberam por via intraduodenal, após ligadura do piloro, Tween-80 1%
(5 mL/kg), óleo de copaíba 50 mg/kg e 100 mg/kg, e carbenoxolona (250 mg/kg), respectivamente, grupos C, cop50,
cop100 e Cbx. Quatro horas após os tratamentos, foi realizada eutanásia de cada animal, e o conteúdo gástrico foi
coletado para determinação do volume, pH e acidez total. Segmentos glandulares dos estômagos foram retirados
para quantificação do muco da parede gástrica através do método de Alcian Blue. A comparação entre os grupos foi
realizada por meio de ANOVA e teste de Tukey. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Experimentação
com Animais (085/2010).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
146
Não foram observadas diferenças no volume (mL) de suco gástrico entre os grupos (C: 1,38±0,22; cop50: 1,06±0,09;
cop100: 1,21±0,11; Cbx: 1,20±0,13). O pH do suco gástrico foi significativamente maior (p<0,05) no grupo Cbxa
quando comparado com C, mas não em relação a cop50 e cop100 (C: 2,82±0,21; cop50; 3,14±0,21; cop100: 3,06±0,15;
Cbx: 3,93±0,35a). O nível de acidez (µEq/h) do suco gástrico foi significativamente menor (p<0,01) nos grupos cop50a,
cop100a e Cbxa quando comparados com C (C: 19,96±3,4; cop50: 10,43±1,07a: cop100: 11,16±0,96a; Cbx: 7,5±0,92a).
O teor de muco (mg/g) do grupo cop50b foi menor (p<0,05) em relação a Cbx, mas não quando comparado com C
e cop100 (C: 395,3±50,19; cop50: 297,7±27,26b; cop100: 317,6±16,36; Cbx: 392,8±20,49). O óleo-resina de Copaifera sp,
quando administrado por via duodenal apresenta atividade antissecretória no modelo de ligadura de piloro.
Apoio Financeiro: CNPq, UFPI
EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO COM SUCO DE ACEROLA SOBRE A
CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CUTÂNEAS EM CAMUNDONGOS
Bezerra C. F1, Gomes N. F 1, Oliveira M. L. M. De2, Vasconcelos M. Da S3,
Pinheiro, D. C. S.N2., Mota E. F4, Melo, D. F1.
1
Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular. Universidade Federal do Ceará.
2
Departamento de Ciências Veterinárias. Universidade Estadual do Ceará.
3 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará.
4
Departamento de Biologia. Universidade Federal do Ceará.
[email protected]
Introdução
A terapia nutricional desempenha papel fundamental no processo de cicatrização, tendo cada nutriente sua função
específica. A propriedade cicatrizante de algumas espécies vegetais pode ser atribuída a seus compostos fitoquímicos
e sua habilidade de reduzir o estresse oxidativo. O objetivo do presente estudo foi avaliar o efeito da suplementação
com suco acerola sobre a cicatrização de feridas cutâneas em camundongos.
Metodologia
Foram utilizados camundongos Swiss (machos com 29 ±1 g) distribuídos em três grupos (n=10): Acerola - animais
alimentados por via intragástrica (via i.g.) com 200 µL de suco acerola durante 35 dias consecutivos (14 dias antes e
21 dias após indução das feridas); Referência- animais que receberam por via i.g. 200 µL da suplementação por via i.g.
com Decubital ® durante 21 dias consecutivos após a indução das feridas; Água- animais que receberam por via i.g.
200 µL de água durante 35 dias consecutivos (14 dias antes e 21 dias após indução das feridas). As lesões cutâneas
foram induzidas no dorso dos animais e as análises morfométricas e macroscópicas foram realizada nos dias 0, 3, 7, 14
e 21 do pós-operatório. Os resultados foram expressos como média ± erro padrão. Foi aplicada análise de variância
(ANOVA) seguida pelo teste de Tukey. As diferenças foram consideradas significativas com um nível de confiança
de 95% (p< 0,05).
Resultados e Discussão
Suporte Financeiro: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
No 14º dia de análise, observou-se que o tratamento com suco de acerola reduziu a área não cicatrizada (10,1±1)
de maneira semelhante à terapia de referência (15,3± 6) e de forma mais efetiva que nos animais não tratados grupo Água (40,8±6; p<0,05). Nesse mesmo dia, as feridas dos animais dos grupos Acerola, Referência e Água
mostraram contração de 91,4%, 83,4% e 60,6% (p<0,05), respectivamente. Os resultados das análises macroscópicas e
morfométricas indicaram que a suplementação com suco de acerola mostrou-se eficaz na cicatrização de feridas. O
suco de acerola foi capaz de auxiliar e acelerar o processo de cicatrização e estes efeitos podem estar associados aos
altos níveis de vitamina C e polifenóis presentes no suco de acerola.
147
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIINFLAMATÓRIA E TOXICOLÓGICA
AGUDA DO EXTRATO HIDROALCOÓLICO 70% DE THITONIA
DIVERSIFOLIA HELMS A. GRAY
Wadt2 N.S.Y, Fernandes M.S.1, Maia S.K., Menezes1 P.L., Silva1 O.L., Santana1 C.F., Okamoto2 M.K.H.
1
Departamento de Saúde, Faculdade de Farmácia, Iniciação Científica,
Universidade Nove de Julho, S.P., Brasil.
2
Departamento de Saúde, Faculdade de Farmácia, Pesquisadores,
Universidade Nove de Julho, S.P., Brasil .
[email protected]
Introdução:
Tithonia diversifolia (Hemsl.) A.Gray, família Asteraceae, é um arbusto de textura semi-herbácea, ereto, vigoroso, ramificado, originário do México, mas que se adaptou ao Brasil e cresce por todo o estado de São Paulo como “mato”.
Possui folhas inteiras ou lobadas, com flores amarelas e vistosas, reunidas em capítulos solitários, grandes, semelhantes aos girassóis. Como esta planta é abundante na região (S.P), a população narra ações digestivas, antiinflamatórias, porém sem estudos que confirmem este uso. Estudos fitoquímicos realizados conseguiram isolar do extrato da
planta substâncias como: cadinanos, flavonóides, cromenos, sesquiterpenos eudasmano e germacranos. No Brasil, os
fitoterápicos estão inseridos na Política de Práticas Integrativas e há grande interesse em descobrir plantas ou formas
farmacêuticas fitoterápicas que possam ser utilizadas pela população, bem como a segurança das mesmas. O objetivo do trabalho foi verificar a toxicidade aguda em camundongos e a atividade anti-inflamatória tópica do extrato
hidroalcoólico 70% de Tithonia diversifolia.
Métodos:
A toxicidade aguda do extrato hidroalcoólico 70% de Tithonia diversifolia (Helms) A.Gray foi realizada em camundongos Swiss, administrada por gavagem (via oral), na dose de 1mL/Kg de massa corpórea, em administração única.
Os animais foram observados por 14 dias, sendo parâmetros acompanhados, a massa corpórea e dos órgãos dos
animais, morte dos mesmos, massa de ração e água consumidas. Os controles utilizados foram água e álcool 70% ,
diluído na proporção 1:1 (solvente do extrato). O ensaio anti-inflamatório foi realizado pelo método do granuloma
(algodão) em ratos Wistar, sendo administrado topicamente pomada com 10% do extrato hidroalcoólico por 7 dias,
e controles foram vaselina (veículo) e dexametasona (anti-inflamatório esteroidal) . Após este período os animais
foram sacrificados e retirados os granulomas, secos por 24hs e diferença de massa entre os grupos controle e amostra
foram avaliados. O método estatístico Tuckey/ Anova foi utilizado e todos os ensaios foram aprovados pelo Comitê
de Ética da UNINOVE (34-2010).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados/ discussão e conclusão:
148
Os resultados mostraram toxicidade, via oral, do extrato hidroalcoólico 70% de Tithonia diversifolia na dose de 1mL/
Kg, pois houve morte de 2 animais quando comparados ao grupo controle e variação no consumo de ração e água.
No ensaio anti-inflamatório a amostra não apresentou resultados significativos quando comparados ao controle
(p>0,05), sendo que a dexametasona, um potente antiinflamatório, apresentou resultado significativo (p<0,01%),
porém houve uma tendência anti-inflamatória, pois se forem comparados em porcentagem de inibição a dexametasona teria uma inibição de 25,63% e a amostra de 11,04%. Os resultados demonstram que não é segura a administração oral do extrato, mas estudos tópicos em concentrações maiores, devem ser realizados, pois indicam atividade
anti-inflamatória.
Suporte financeiro: UNINOVE (Universidade Nove de Julho)
ATIVIDADE ANTIINFLAMATÓRIA DO EXTRATO
HIDROETANÓLICO DE POIRETIA TETRAPHYLLA
Manfron, M.P.1, 2, Royer,L.A.J.2, Necchi, R.M.M2, Casoti, R.2, Dalmora, S.L2,
Departamento de Farmácia Industrial, Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil;
2
Pós Graduação em Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil..
[email protected]
1
Introdução
Poiretia tetraphylla classificada como uma erva a subarbusto ereto pertencente à família Leguminosae, subfamília Papilionoideae, nativa no Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Popularmente é conhecida como erva-de-touro-miúda,
utilizada em medicina tradicional como tônica, em afecções estomacais e verminoses. Na subfamília mais de 200
alcaloides quinolizidínicos foram identificados e juntamente com isoflavonóides e taninos mostram importantes
propriedades medicinais (Gottlieb et al., 1996; Kite, 2003). Foram relatadas a presença de vários tipos de aminas,
cumarinas, fenilpropanóides, antraquinonas, sesquiterpenos, diterpenos e triterpenos, aminoácidos não-protéicos,
inibidores de proteases e lectinas, que conferem atividades biológicas como anti-inflamatória, antialergênica, hipotensora e analgésica a estas espécies (Kuo et al., 1995; Del Sol et al., 2006). Em análise farmacognóstica preliminar das
partes aéreas de P. tetraphylla, foram identificados taninos, saponinas, óleos e flavonóides (Janke et al.,1988). Flavonóides demonstram atividade anti-inflamatória pela inibição da formação de granuloma em modelo experimental
em ratos (Rotelli et al., 2003).
O objetivo deste estudo foi avaliar a atividade anti-inflamatória do extrato das partes aéreas de P. tetraphylla em
modelo in vivo por indução de tecido granulomatoso.
Métodos
As partes aéreas de P. tetraphylla foram coletadas na cidade de Santa Maria/RS no mês de janeiro de 2011, secas,
moídas e maceradas em solução hidroetanólica 70%. O extrato obtido foi concentrado em evaporador rotatório e
liofilizado. Para a realização da atividade anti-inflamatória foi modelo de indução de tecido granulomatoso. Foram
usados 18 ratos machos Wistar, pesando entre 170-200g, e divididos em 3 grupos de seis animais cada: grupo do
controle positivo (nimesulida - 5mg/Kg/dia), controle negativo (propilenoglicol 20% - v/v) e grupo teste (Extrato P.
tetraphylla - 300mg/Kg/dia em propilenoglicol 20%). O tratamento foi realizado durante seis dias por gavagem oral,
com administrações diárias de 1,5 ml divididos em 3 doses de 0,5 ml com intervalo de 4 horas.
No experimento, houve uma significativa redução no peso do granuloma. Os animais do grupo padrão tratados com
nimesulida, obtiveram um processo de inibição da inflamação de 21,42±6,52%, enquanto o grupo teste tratado com
P. tetraphylla mostrou uma inibição de 31,20±4,71% quando comparados ao controle negativo propilenoglicol 20%
(p<0,05). Necchi et al. (2010), verificaram atividade anti-inflamatória de Nopalea cochenillifera pelo mesmo método
deste trabalho e atribuíram esta aos flavonóides presentes na amostra.
As partes aéreas de P. tetraphylla demostram atividade anti-inflamatória superior ao padrão a nimesulida, que pode
ser atribuída a presença de flavonoides e ou saponinas, identificados na espécie.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/ conclusões
149
ATIVIDADE ANTIINFLAMATÓRIA DO EXTRATO BRUTO DAS
FOLHAS DE MORUS ALBA MORACEAE
Manfron, M.P.1, 2, Pereira, C.B2, Marin, A.1, Necchi, R.M.M2, Dalmora, S.L2,
Departamento de Farmácia Industrial, Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil;
2
Pós Graduação em Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil.
1
Introdução
Morus alba conhecida como amoreira branca, pertence a família Moraceae e é originária das regiões temperadas da
China. Caracterizada por caule simples, com até 10 metros de altura, possui flores pequenas e folhas inteiras, alternas,
serreadas ou lobadas de cor verde-clara. As folhas são utilizadas na medicina tradicional como hipoglicemiante,
antioxidante, anti-inflamatória e no tratamento dos sintomas da menopausa (Choi et al., 2005). Em extrato de
amora foi isolado e identificado os flavonóides quercetina, rutina e astragalina, os quais são inibidores da inflamação
por combaterem radicais livres e regularem a produção de eicosanóides (Kim et al.,1999). A capacidade destes
compostos em inibir as vias ciclo-oxigenase e lipoxigenase no metabolismo do ácido araquidônico contribui para as
suas propriedades anti-inflamatórias. O objetivo deste estudo foi avaliar a atividade anti-inflamatória das folhas de
Morus alba.
Métodos
As folhas de M. alba coletadas em Santa Maria/RS no mês de março, foram secas, moídas e maceradas em solução
hidroetanólica a 70 %. O extrato obtido foi concentrado em evaporador rotatório e liofilizado. A atividade antiinflamatória foi avaliada pelo modelo de indução de tecido granulomatoso. Foram utilizados 18 ratos machos
Wistar, pesando de 180 a 200g, divididos em três grupos de seis animais. Controle positivo: nimesulida 5mg/Kg/dia,
controle negativo: propilenoglicol 20% (v/v) e grupo teste: extrato bruto 300mg/Kg/dia em propilenoglicol 20%. Os
tratamentos foram realizados por gavagem oral, sendo administrado 0,5 ml das amostras três vezes por dia, durante
seis dias.
Resultados e discussão/conclusão
Os animais do grupo teste e do controle positivo apresentaram inibição do processo inflamatório de 20,24±6,94% e
21,42±6,52%, respectivamente quando comparados com o controle negativo. Leite et al. (2010), através do mesmo
método com extrato hidroetanólico de folhas de Morus nigra encontrou uma inibição de 39,7% em relação ao
grupo controle (p<0,05). Na dosagem utilizada os animais tratados com extrato de M. alba, apresentaram inibição do
tecido granulomatoso, confirmando a atividade anti-inflamatória para essa espécie quando comparada ao padrão.
Referências Bibliográficas
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
CHOI EUN-MI, HWANG JAE-KWAN. Effects of Morus alba leaf extract on the production of nitric oxide, prostaglandin E2 and cytokines in RAW264.7
150
macrophages. Fitoterapia. v.76, p. 608-613, 2005.
KIM, H. B.; CHOUNG, W. Y.; RYU, K. S. Sensory characteristics and blood glucose lowering effect of ice-cream containing mulberry leaf powder. Korean J. Seric.
Sci. p. 129-134, 1999.
LEITE J.J.G., PADILHA M.M., VILELA F.C., SILVA M.J.D., ROCHA C.Q., GIUSTI P.A, SILVA G.A. Phytochemical study and evaluation of anti-inflammatory activity from
the Morus nigra leaves. Produtos Naturais e Toxinologia.UNIFAL. Ciências Biológicas.
Apoio Financeiro: CAPES
EFECTO VASODILATADOR DE LOS COMPUESTOS POLIFENÓLICOS
AISLADOS DE SOLANUM TUBEROSUM
Diana M. Buitrago1, Pilar Puebla2, Javier Rincon1, Mario F. Guerrero1*.
1
Departamento de Farmacia, Facultad de Ciencias, Universidad
Nacional de Colombia, Bogotá, Colombia.
2
Departamento de Química Farmacéutica, Facultad de Farmacia,
Universidad de Salamanca, Salamanca, España.
[email protected]
Introducción:
La hipertensión arterial primaria o esencial es un problema de salud pública de primera orden en todo el planeta,
asociada a una mayor probabilidad de eventos coronarios, que a su vez constituyen la primera causa de muerte. Los
productos naturales siguen constituyendo una fuente potencial de fármacos, dada la inmensa diversidad química
que aportan y pueden seguir ofreciendo alternativas terapéuticas que contribuyan a disminuir la morbimortalidad
de trastornos de alto impacto en salud pública, como los de orden cardiovascular. Solanum tuberosum, comúnmente
llamada “papa”, figura dentro de las especies utilizadas etnobotánicamente en Colombia para el tratamiento de la hipertensión arterial (HTA). Estudios previos han demostrado sus efectos anhitipertensivos e hipotensores en ratas, así
como sus efectos antiagregantes plaquetarios. Hasta la fecha son muy escasos los estudios realizados con el fin de determinar cuál o cuáles son los metabolitos responsable de la actividad antihipertensiva, el objetivo de este estudio fue
evaluar los efectos vasodilatadores de los polifenoles; ácido cafeico y ácido clorogénico en anillos aislados de aorta.
Metodología:
Para los experimentos en anillos de aorta, se sacrificaron ratas Wistar (250-300g), se extrajo la aorta, se diseco y seccionó en anillos de 4-6mm, los cuales se suspendieron en cámaras de Ahllin (inmersos en solución de Krebs (pH: 7,4)
a 37°C y gasificados con 02 95% y C02 5%), acoplados a un transductor isométrico conectado al sistema de amplificación de señal y de registro computarizado (lab trax, WPI®). Los anillos fueron estimulados con concentraciones acumulativas de Angiotensina II (AII, 3-12-5-5), Endotelina 1 (E1, 10-10-6-8) y U46619 (análogo de tromboxano A2, 10-10-10-6),
en presencia de los compuestos polifenólicos. Los resultados se expresan en términos de porcentaje con respecto a
la contracción alcanzada por los anillos previa administración de los agonistas, igualmente se obtuvo la constante de
potencia (pD`2) de los compuestos en estudio.
Ácido clorogenico inhibe la contracción en anillos de aorta precontraídos con AII (40±1,4; pD`2: 5,4), mientras que
frente a E1 y U46619 carece de efectos significativos. Ácido cafeico inhibe la contracción en anillos de aorta precontraídos con AII (51±5,5; pD`2: 4,9) y U46619 (52±4,5; pD`2: 5,0), y carece de efectos ante E1. Estos resultados señalan que
ácido clorogénico y ácido cafeico poseen efectos anti-angiotensina II y ácido caféico, adicionalmente, efectos inhibidores de tromboxano A2. Estos mecanismos ayudan a explicar los efectos hipotensores y antiagregantes plaquetarios
descritos en Solanum tuberosum.
Financiación: Fondo de investigación de la Universidad Nacional de Colombia (Código Hermes: 13723, 4595. 5580).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados, discusión y conclusiones:
151
EFFECT OF ESTRAGOLE OBTAINED OF CROTON ZEHNTNERI
PAX ET HOFFM. ESSENTIAL OIL ON THE ACUTE
INFLAMMATORY RESPONSE IN RODENTS
Nogueira de Melo G.A.1, Valer C.M.1, Pinho R.J.1, Silva F.M.S.1,
Grespan R.1, Bersani-Amado C.A. 1, Cuman R.K.N.1
1
Department of Pharmacology and Therapeutic, State University of Maringa, Maringá, PR, Brazil
[email protected]
Introduction
Aromatic plants are invaluable sources of new drugs. Plant essential oils and their constituents, products from secondary metabolism of plants, have many applications in ethno-medicine. These oils have been widely used in the
pharmaceutical, cosmetic, food and beverage industries. Essential oils have been used increasingly in the practice
of complementary therapies, such as aromatherapy. Different properties, such as antioxidant, antiviral, antibacterial, antidiabetic, anticancer, analgesic, sedatives and anti-inflammatory have been reported for essential oils. Croton zehntneri Pax et Hoffm., Family Euphorbiaceae, is an aromatic plant whose essential oil is mostly composed of
the following compounds: anethole, methyl-eugenol and estragole. Fewer studies evaluating biological activities of
isolated compounds have been performed. The objective of this study was to evaluate the anti-inflammatory activity of estragole (EST) (4-met-oxialilbenzeno) in different experimental models of acute inflammation.
Methods
The essential oil was extracted from fresh leaves of Croton zehntneri Pax et Hoffm., by conventional steam distillation using a Clevenger-type apparatus, during 2 hours. The essential oil was kept at 4oC in dark vials, and then used
in the experiments. Essential oil analysis and chemical identification were performed by Gas Chromatography-Mass
Spectrometry (GC/MS) and Nuclear Magnetic Resonance (NMR). The inflammatory response was studied by paw
edema and pleurisy tests. Male rats were pretreated with EST (125, 250, 500 ou 750 mg/kg) per os, 60 minutes before
carrageenan injection (100µg/paw or cavity). The inflammatory or irritative effects of estragole have also been investigated by mice ear edema method and by myeloperoxidase (MPO) activity determination.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusion
152
The results of the essential oil analysis showed a yield in 87,5% of estragole. In pleurisy, EST reduced the volume
of pleural exudate but did not interfere in the number of leukocytes migrated to the pleura. At doses of 125, 250
or 500 mg / kg, EST significantly inhibited the carrageenan-induced paw edema. EST topically administered (2.5
and 5 mg/ear) produced an irritation effect causing an increase in ear edema and in MPO activity, indicating an
edematogenic effect and intense migration of neutrophils, by this administration route. The results showed that
the EST has an antiedematogenic effect when administered systemically, however, when topically applied, an irritating effect was observed. The anti-inflammatory activity of EST may be related to inhibition of different mediators
synthesis/release, which are involved in acute inflammatory response; while that the irritative effect could be due to
the activation of these mechanisms and it is dependent of the injury site and of administration route of estragole.
Apoio financeiro: CNPq, CAPES.
INFLUÊNCIA DO ÓLEO-RESINA DE COPAIFERA SP. SOBRE A
GLICEMIA E FUNÇÃO RENAL DE RATOS DIABÉTICOS
Silva A.N.C.1 , Meireles D.A.1 , Ferreira Filho M. A.1, Sousa D. L. 1, Fernandes D. S.1 , Martins
B.O.1, Rêgo I. K. P. 1, Dias D. A.1, De Lima S. G.2, Souza Filho M.D.3, Martins M. C. C.1
1
Departamento de Biofísica e Fisiologia e 2 Departamento de Química,
Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil.
3
Campus Ministro Reis Veloso, Universidade Federal do Piauí, Parnaíba, PI, Brasil.
[email protected]
Introdução:
O diabetes é uma doença metabólica associada com numerosas complicações, as quais incluem lesões em diversos
órgãos, dentre eles os rins. O óleo de copaíba é muito utilizado como fitoterápico na medicina popular, podendo
auxiliar no tratamento do diabetes. O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos do tratamento com o óleo-resina de
Copaifera sp. sobre a controle glicemia e função renal de ratos diabéticos.
Métodos:
Ratos machos (230 a 270g) foram divididos em grupos de seis a nove/grupo e tratados durante 28 dias por via oral
com Tween 80 1 % em água 5 mL/kg (Controle Normal –CN e Controle Diabético -D), óleo de copaíba nas doses de
200 e 400 mg/kg (C200 e C400). O tratamento foi iniciado no 5º dia após indução do diabetes com estreptozocina
40 mg/kg i.v. em tampão citrato pH 4,5. Os animais de CN receberam igual volume de tampão. Foram avaliados
glicemia de jejum, níveis séricos de frutosamina, creatinina, uréia, ácido úrico e o peso dos rins. Projeto aprovado pelo
Comitê de Ética em Experimentação com Animais da UFPI (parecer 58/2010).
Não houve diferenças entre os grupos na glicemia pré-indução (CN: 94,1+2,4; D: 96,9+3,8; C200: 98,5+2,5; C400:
97,4+11,4). Após a indução, os grupos diabéticos (D, C200 e C400) apresentaram glicemia maior (p<0,05) em relação
a CNa (CN: 106,3+6,6; D: 386,4+22,1 a; C200: 413,5+11,3 a; C400: 372,3+26,6 a). A glicemia final de C400a,b foi menor
(p<0,05) em relação a D, e maior (p<0,05) quando comparada com CN (CN: 179,3±13,7; D: 361,2±38,28a; C200:
427,3±36,8a; C400: 262,6±50,2b). Frutosamina de Da, C200a e C400a foi maior (p<0,05) quando comparados com CN,
e reduzida em C400b,c em relação a D e C200 (CN: 110,3+10,6; D: 247,3+27,3 a; C200: 259,6+12,6 a; C400: 162,3+19,8 b,c).
O peso dos rins de Da, C200a e C400a foi maior (p<0,05) em relação a CN (CN: 0,69±0,02; D: 1,13±0,1a; C200: 1,01±0,1a;
C400: 1,30±0,1a). Uréia de Da e C200a foi maior (p<0,05) quando comparada com CN, e menor (p<0,05) em C200 e
C400 em relação a D (CN: 24,92±6,0; D: 120,0±12,3a; C200: 72,46±8,1a,b; C400: 34,70±0,9b). Não houve diferenças na
Cr entre os grupos (CN: 0,23±0,04; D: 0,47±0,1; C200:0,31±0,04; C400:0,34±0,05). Os grupos diabéticos (Da, C200a
e C400a) apresentaram diurese média aumentada (p<0,05) em relação a CN (CN: 13,74±2,57; D: 57,73±4,11; C200:
52,47±1,79; C400: 66,60±4,73). Ingestão hídrica média de Da, C200a e C400a foi maior (p<0,05) quando comparada
com CN, e menor em C200c em relação a C400 (CN: 51,31±3,69; D: 114,2±5,1a; C200: 103,3±4,1a,c; C400: 133,3±5,87a).
Peso corporal final dos grupos diabéticos foi menor (p<0,05) em relação a CN (CN: 280,6±12,2; D: 200,4±7,4a; C200:
209,2±10,6a; C400: 188,9±11,8a). AU de D (6,69±0,40) foi maior em relação ao grupo CN (1,90±0,47), mas não em relação a C200 (4,38±0,95) e C400 (4,43±0,68). O óleo-resina de Copaifera sp. reduziu a glicemia de animais diabéticos, e
resultou em alterações isoladas em parâmetros relacionados à função metabólica e renal no diabetes experimental.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões:
153
IN VITRO AND IN VIVO CHEMOTATIC ACTIVITY OF ESTRAGOLE
Silva F.M.S.1, Silva-Filho S.E.1, Kummer R1, Estevão-Silva C.F.1,
Bersani-Amado C.A.1, Grespan R.1, Cuman R.K.N.1
1
Department of Pharmacology and Therapeutic, State University of Maringá, Maringá, PR, Brazil.
[email protected]
Introduction
Estragole (EST), a terpenoid ether, is a major component of the essential oil of many plants such as Croton zehntner,
Artemisia dracunculus, Ravensara anisata, Ocimum basilicum and Foeniculum vulgare, which are widely used in folk
medicine and in aromatherapy. Many studies demonstrated biological activities of EST as sedative, anticonvulsant,
antimicrobicidal and blocking tumor necrosis factor. The aim of this study was to evaluate the in vitro and in vivo
chemotatic activity of EST.
Methods
To evaluate the estragole effects on chemotaxis, neutrophils were isolated from the peritoneal cavity of mice, 4 hours
after Zymosan injection (1mg/cavity, i.p). The cell number was adjusted to 1x106 cells /mL in RPMI/ BSA 0.01% and
pretreated with estragole (3, 10, 30 or 60 µg/mL) for 30 min. The cells were placed in a chemotaxis Boyden chamber
(48 wells; Neuro Probe, Inc., Cabin John, MD–USA) and LTB4 (10-8M) was used as stimuli to neutrophils migration
and medium RPMI 1640 as control of migration. The cells were incubated 1 h at 37 °C, 5% CO2. After cells incubation,
the membrane was washed and stained using the Instant Prov (Newprove). Neutrophils were counted by optical
microscopy (1000X), five fields in each well. The results were expressed as the number of neutrophils per field. Rolling and adhesion of leukocytes to the endothelium were evaluated in the internal spermatic fascia of rats 2 h after
carrageenan injection (100 µg) in the wall of the scrotal chamber. Estragole (250, 500, or 750 mg/kg), indomethacin
(5 mg/kg), or saline (0.9%) were administered orally 30 min before carrageenan injection to different groups of rats.
Animals anesthetized with chloral hydrate (500 mg/kg, i.p.) were maintained on a special board thermostatically
controlled at 37°C. The vessels selected for the study were postcapillary venules with a diameter of 15–25 lm. The
number of rolling and adherent leukocytes was determined at 10-min intervals. Results were statistically analyzed by
using one-way variance analysis (ANOVA) followed by Tukey’s test (p<0.05).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
154
The neutrophils viability (>95%) was determined by trypan blue method. EST pretreatment promoted a significant inhibition of neutrophils migration in all doses tested (3µg/mL:18.95±0.64*; 10µg/ml:18.98±0,83*; 30µg/mL:
14.46±0.55*; 60µg/mL:12.37±0.60* cells/field) when compared with fMLP treatment (23.14±0.79 cells/field), RMPI
(control): 3.3±0.21 cells/fiels. In the in vivo chemotaxis assay a marked increase of the rolling and adherent cells
number after inflammatory stimuli was observed. EST pretreatment (250, 500 or 750 mg/kg) reduced the number of
rolling and adherent cells when compared to saline-pretreated rats. Data showed that EST has a significant inhibitory
effect on leukocytes chemmotaxis influencing neutrophil behaviour during inflammatory response.
Financial Support: CAPES/CNPq.
EVALUATION OF ANTIINFLAMMATORY ACTIVITY IN VITRO AND
IN VIVO OF CAMPHOR 1,7,7TRIMETILBICICLO HEPTAN2ONE
Silva-Filho S.E.1, Fachini F.C.1, Kummer R.1, Silva F.M.S.1, Estêvão-Silva C.F.1,
Grespan, R. 1,Bersani-Amado C.A.1, Cuman R.K.N.1
1
Departament of Pharmacology and Therapeutics, State
University of Maringá, UEM, Maringá, PR, Brazil.
[email protected]
Introduction
Camphor (CAM) is a crystalline ketone obtained from the essential oils of the East Asian camphor tree (Cinnamonum
camphora). Many studies performed with plants extracts which contain camphor as constituent have showed
biological activities, such as: anti-inflammatory and antioxidant. In this work, we evaluated the anti-inflammatory
effect of isolated CAM by in vitro chemotaxis method and ear edema induced by croton oil.
Methods
Chemotaxis in vitro: Neutrophils were isolated from mice peritoneal cavity, 4 hours after zymosan injection (1mg/
cavity, i.p). The cell (1x106 cells/ml) in RPMI/ BSA 0.1% were pretreated with CAM at concentrations of 1, 3, 10, 30,
60 or 90 µg/µl during 30 min, and placed in a chemotaxis Boyden chamber (48 wells; Neuro Probe, Inc., Cabin John,
MD–USA). The neutrophils were allowed to migrate toward fMLP (10-6 M) or medium alone and the chamber was
incubated at 37°C with 5% CO2 for 1 h. The membrane was removed, washed and stained using the Instant Prov
(Newprove). Neutrophils that migrated through the membrane were counted by optical microscopy (1000X), on at
least 5 randomly selected fields. Data were expressed as the mean ± SEM of 3 separate experiments. Ear edema: CAM
(5, 10 and 20 mg/ear) was topically applied at mice’s right ear 1h before inflammatory stimuli (croton oil, 5% v/v). All
drugs were diluted or dissolved in acetone (vehicle). Eight animals were used for each group. Four hours after, the ear
weight was mesured (edema volume). Myeloperoxidase (MPO) activity: The MPO activity was evaluated according
to Bradley & Priebat’s method (1982), in the ear’s homogenates supernatant sections. The ear tissue was placed in
potassium phosphate buffer, ph 6.0 containing 0.5% hexadeciltrimethyl ammonium bromide in a homogenizer. The
supernatant was added to a 96-wells microplate, followed by addition of a potassium phosphate buffer solution
containing o-dianisidine dihydrochloride and 1% H2O2. The MPO activity was determined by optical absorbance
(460 nm) measure in an ELISA reader. Results were statistically analyzed by using one-way variance analysis (ANOVA)
followed by Tukey’s test (P<0.05*).
Our results showed that CAM pretreatment in lower concentrations (3, 10 and 30µg/µL) inhibited in vitro leukocytes
migration. However, in higher concentrations (60 and 90µg/ µL) an increased chemotaxis was observed. After topical
application of CAM, the ear edema and MPO activity were reduced. Our data suggested that CAM has an antiinflammatory activities in vitro and topically probably due to an inhibitory effect on leukocytes chemotaxis.
Financial Support: CNPq/CAPES.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
155
ATIVIDADE ANTINOCICEPTIVA DO EXTRATO HIDROALCÓOLICO DAS
FOLHAS DE ANNONA MURICATA L. NO MODELO DE HOT PLATE
Sampaio R.S.1,2 , Ramos A.G.B.1 , Nunes A.A.1 , Pereira, A.O.B.1,2,Sousa,
D.G.1,2, Menezes, I.R.A.1,2, Kerntopf M.R.1,2.
1
Departamento de Química Biológica, URCA, CE, Brasil.
2
Programa de Pós-Graduação em Bioprospecção Molecular, URCA, CE, Brasil.
[email protected]
Introdução
Annona muricata (Annonaceae), conhecida popularmente como graviola, é uma das importantes frutíferas
cultivadas no Nordeste do Brasil principalmente nos Estados da Paraíba, Ceará, Pernambuco e Bahia sendo seus
frutos utilizados na fabricação de diversos produtos como suco, sorvetes e geléias. As suas folhas são utilizadas
pelas populações mais carentes como antiinflamatória, analgésica, antiespasmódica, adstringente, calmante e,
principalmente, antitumorais. A graviola além de possuir metabólitos secundários como os alcalóides, possui uma
importante classe de substância responsável por vários de seus efeitos, as acetogeninas. Este trabalho teve como
objetivo avaliar a atividade antinociceptiva do extrato hidroalcóolico obtido a partir das folhas da Annona muricata
(EHFAM) usando como modelo o Hot Plate.
Métodos
O estudo foi realizado em camundongos Swiss, fêmeas, pesando entre 25 e 30g, sendo n=6 por grupo. As respostas
características avaliadas nos animais nesse teste é quando eles trocam o apóio dos pés rapidamente, pulam ou
lambe uma das patas. Os animais foram colocados individualmente na placa aquecida a uma temperatura constante
(55±0,5°C) no tempo 0 (zero) para obtenção de um valor basal. Feito isso, os animais foram tratados oralmente
com diclofenaco 10mg/kg, EHFAM (50, 100, 200mg/kg), veículo (salina) e morfina (6mg/kg) aplicada por via
intraperitoneal. A resposta foi novamente avaliada decorridos 30, 60 e 90 minutos da administração das drogas. Para
prevenir lesão tecidual utilizou-se um tempo de corte de 30s.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e conclusões
156
Esse teste serviu para verificar a eficácia do EHFAM contra a nocicepção térmica e de ação central. Os animais
tratados com o extrato hidroalcóolico das folhas de A. muricata na concentração de 200mg/kg apresentaram um
pequeno aumento do tempo de latência na placa no tempo de 90 min, indicando o pico de ação do extrato,
mostrando também que ele atua em dose-dependente. O grupo tratado com salina não apresentou nenhum
aumento no tempo de latência dos animais, já a morfina aumentou consideravelmente o tempo de permanência
dos animais na placa como já era esperado. O grupo tratado com diclofenaco também apresentou um aumento no
tempo de latência dos animais. Com isso, podemos concluir que o extrato na dose de 200mg/kg apresentou uma
pequena atividade antinociceptiva frente ao modelo com Placa Quente.
Apoio financeiro: Funcap
THE POSSIBLE MECHANISMS OF ACTION INVOLVED IN THE
ANTINOCICEPTIVE ACTIVITY OF LECYTHIS PISONIS
Brandão M.S.1, Lima D.F.1, Moura J.B.1, Reis P.H.L.1, Ferreira, E.L.F.2; Chaves, M.H.2, Almeida, F.R.C.1
1
Medicinal Plants Research Center, Federal University of Piauí, Teresina, Piauí, Brazil.
2
Department of Chemistry, Federal University of Piauí, Teresina, Brazil.
Fernanda Regina de Castro Almeida
Medicinal Plants Research Center, Federal University of Piauí, Av.
Nossa Senhora de Fátima s/n, 64049-550 Teresina, Brazil.
Phone: +55 86 3215 58 72, Fax: +55 86 3237 18 50
[email protected]
[email protected]
Introduction
Lecythis pisonis Cambess. (Lecythidaceae), also known in Brazil as sapucaia, is used in folk medicine against pruritus
(leaves), muscle pain (oil seeds) and gastric ulcer (stem bark). It has already been demonstrated that the ethanolic
extract (EEtOH) and its partition fractions (aqueous - AF and ethereal - EF) have an antinociceptive activity in animal
models. Phytochemical studies indicated that EF contains several triterpenes, among which are the ursolic and
oleanolic acids. In addition it is described in literature that this triterpenes have antinociceptive effect. The aim of this
study was investigate the antinociceptive activity of a mixture of ursolic and oleanolic acids (MT) obtained from EF in
models of acute pain in mice, besides some of the possible mechanisms involved in the antinociceptive effect of EF.
Methods
Swiss mice (20-30 g, n = 6-11 animals/group) were used. The writhings induced by acetic acid (0.75%, i.p.) were
quantified during 20 min, 1 h after oral treatment with MT or saline, and 30 min after use of morphine-MOR (2.5 mg/
kg, s.c.). In capsaicin test (2μg/20μL, i.pl.), the licking time of the stimulated paw was quantified during 5 min, after
administration of MT, saline and MOR. The paw licking time with glutamate (20 μmol/20μL, i.pl.) was measured (15
min) after treatment with MT, saline or MK801 (0.03 mg/kg, i.p.). In the study of the mechanisms, the animals were
treated with naloxone (2 mg/kg, i.p.), L-arginine (600 mg/kg, i.p.) and glibenclamide (3 mg/kg, i.p.) 20 min before EF (50
mg/kg, p.o.) and then submitted to the glutamate test. In order to assess any non-specific muscle-relaxant or sedative
effects of EF (50 mg/kg p.o.), it was performed the rota-rod task and open-field test.
MT (6.25, 12.5 and 25 mg/kg, p.o.) reduced the writhings in comparison to saline. In capsaicin test, EF (12.5-50 mg/kg,
p.o) and MT (6.25-25 mg/kg, p.o.) showed a significant antinociceptive effect. MT (12.5 and 25 mg/kg, p.o.) reduced
the glutamate-evoked nociceptive response. The previous treatment with naloxone, L-arginine and glibenclamide
reversed the effect of EF in glutamate test. EF did not alter the spontaneous locomotion of animals in open field
or rota rod tests, suggesting lack of central depressant effect. So, EF has an antinociceptive effect that involves the
opioid pathway, K+ATP channels and L-arginine-nitric oxide modulation. Besides, ursolic and oleanolic acids appear to
be some of the active constituents responsible for this effect. These results are related to ethnomedical use of Lecythis
pisonis.
Financial Support: Federal University of Piauí, CNPq,CAPES - Brazil.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
157
ATIVIDADE ANTIULCEROGÊNICA DE FRAÇÕES DE PARTIÇÃO DO
EXTRATO ETANÓLICO DA CASCA DE TERMINALIA FAGIFOLIA
Nunes, P.H.M.1(*); Ferreira, I.M.1; Pádua-JR, P.R.1; Pádua,
C.C. ; Melo-JR, J.A.C.1; Sousa, E.A.3; Martins, M.C.C.1, Almeida, F.R.C.2
1
Depto. de Biofísica e Fisiologia-CCS, 2Depto. de Bioquímica e Farmacologia-CCS, 3Depto. de
Química-CCN, Universidade Federal do Piaui. Teresina-PI, Brasil.
[email protected]
1
Introdução
Terminalia fagifolia Mart. et Zucc (Combretaceae), conhecida popularmente como “chapadeiro”, é utilizada no
tratamento empírico de distúrbios do trato gastrointestinal como gastrites, úlceras e diarreia. O extrato etanólico da
casca dessa planta (EETFc) apresenta atividade antiulcerogênica (AAU) em modelo de úlcera induzida por etanol
em ratos. O objetivo deste estudo é investigar a presença de AAU nas frações de partição obtidas após extração do
EETFc com acetoacetato e hexano.
Métodos
O EETFc foi preparado por extração da casca pulverizada de T. fagifolia com etanol, seguida de evaporação completa
do solvente. As frações de partição foram obtidas através da extração de uma solução hidrometanólica (2:1) do
EETFc com acetoacetato e da fração acetoacetato com hexano. As fases obtidas foram concentradas até evaporação
total dos respectivos solventes e resultaram nas frações aquosa (FAq), hidroalcoólica (FHA) e hexânica (FHEX) do
EETFc. Para a investigação da atividade antiulcerogênica, Rattus norvegicus (162 ± 4,2 g) de ambos os sexos (n =
6-8/grupo), mantidos em jejum de sólidos por 24 h, foram tratados por via oral com água (5 mL/kg, controle-C),
Tween80 1% (5 mL/kg, controle veículo-CV), EETFc (250 mg/kg), FAq (250 mg/kg), FHA (250 mg/kg), FHEX (250 mg/
kg, solubilizada em Tween80 1%) ou carbenoxolona (200 mg/kg-Carb,) uma hora antes de receberem etanol 99,6%
(1 ml/animal, v.o.). Trinta minutos após a administração do agente ulcerogênico, os animais foram eutanasiados por
sobredose de thiopental sódico (100 mg/kg, i.p.) e seus estômagos foram retirados e abertos pela curvatura menor.
A intensidade da ulceração da parede gástrica induzida pelo etanol foi avaliada pela área de lesão ulcerativa (ALU),
determinada através do software ImageJ e expressa como percentagem da área do corpo gástrica (Média ± EPM). Os
dados foram analisados por ANOVA e pós-teste de Tukey, estabelecendo-se um nível de significância de 5% (p<0,05).
O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Experimentação Animal (CEEA) da UFPI (Protocolo Nº 042/09).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão.
158
A extração da casca pulverizada de T. fagifolia (630 g) com etanol (6 L) resultou em 130 g de EETFc (20,6 % de
rendimento). O fracionamento de 80 g do EETFc, dissolvido em solução hidrometanólica (2:1), com acetoacetato e,
em seguida, com hexano resultou em três frações de partição: FAq (26,80 g; 33,50%), FHA (43,45 g; 54,31%) e FHEX
(1,70 g; 2,13%). Não houve diferença significativa entre a ALU dos grupos controle (C: 22,3 ± 1,89) e veículo (CV:
20,2 ± 4,17). A ALU dos animais tratados com EETFc (1,0 ± 0,18), FAq (6,4 ± 1,63), FHA (1,6 ± 0,82) e Carb (1,7 ±
0,72) foram significativamente menores (p<0,001) que a dos grupos C e CV, mas não diferentes entre si. Os animais
tratados com FHEX apresentaram uma ALU (14,5 ± 1,33) significativamente menor (p<0,05) que a do grupo C,
mas não diferente da do grupo CV e significativamente maior (p<0,05) que a dos demais grupos. Conclui-se que a
atividade antiulcerogênica do EETFc, detectada tanto na FAq (componentes mais polares) quanto na FHA, mas em
baixa proporção na FHEX, pode ser atribuída a princípio(s) ativo(s) com polaridade mediana ou com diferentes graus
de polaridade.
VASORELAXANT EFFECT OF ETHANOL EXTRACT AND FRACTIONS OF STEM BARK FROM
TERMINALIA FAGIFOLIA MART. & ZUCC. COMBRETACEAE IN ISOLATED RAT AORTA
Nunes, A.F.1*; Oliveira, N.N.P.M1; Filho, D.M.N1; Arcanjo, D.D.R. 1,2; Ponte, M.P.T.R.1;
Nunes, P.H.M.1,2; Oliveira, A.P.1; Oliveira, R.C.M. 1,2
1
Medicinal Plants Research Center, Federal University of Piauí (UFPI), Teresina-PI, Brazil 2
Department of Biophysics and Physiology, UFPI, Teresina-PI, Brazil
[email protected]
Introduction:
Terminalia fagifolia Mart. & Zucc. (Combretaceae) is a brazilian cerrado tree popularly known as “capitão-domato”, “mirindiba” and “pau-de-bicho” and has been used in folk medicine for treatment of aphtha, tumors and
gastrointestinal diseases. In previous studies, ethanol extract of T. fagifolia showed antidepressive and barbituratepotentiating activity, Gram-positive antimicrobial activity and low toxicity for Artemia salina, as well as inhibitory
activity on Leishmania major promastigotes proliferation. Considering the wide pharmacological potential of this
plant, the aim of this study was to evaluate the vasorelaxant effect of ethanol extract and fractions of stem bark from
T. fagifolia in isolated rat aorta.
Methods:
The study was conducted on male Wistar rats (Rattus norvegicus) weighting 250–300g (All experimental protocols
were approved by Ethics Committee for Animal Research of Federal University of Piaui, nº 43/11). Thoracic aorta
rings (2-3mm) were free of connective tissue, set up in organ baths containing Krebs solution at 37º C, pH 7.4
and gassed with carbogen mixture (95% O2, 5% CO2). The rings were suspended by cotton threads under a resting
tension of 1g, and attached to force transducers connected to a data acquisition system (AQCAD, AVS Projetos - SP,
Brazil) to record the tensions. After a 60 min equilibration period, endothelium-intact and -denuded rings (E+ and
E- respectively) were precontracted with phenylephrine (1 μM), and when the contraction reached the tonic phase,
ethanol extract or fractions were cumulatively added (0,1 μg/mL - 750 μg/mL). Data were shown as mean ± standard
error of the mean (S.E.M.) and comparison between two values was assessed by unpaired Student’s t test, considering
significant if p <0.05 value.
Ethanol extract and fractions induced a concentration-dependent vasodilation. The ethanol extract (EETF) induced
endothelium-independent vasorelaxant (E+: pD2= -1.93 ± 0.04, n=6; E-: pD2= -1.95 ± 0.04, n=6). The effects produced
by aqueous (FAQ) and water-soluble (FSA) fractions were endothelium-dependent and were the greatest ones
among all fractions (FAQ E+: pD2=-2.05 ± 0.04*, n=7; FAQ E-: pD2=-2.37 ± 0.03, n=5 / FSA E+: pD2=-2.3 ± 0.04*,
n=6; FSA E-: pD2 =-2.50 ± 0.02, n=5). The other fractions showed lower efficacy: insoluble-water fraction (FIA) (E+:
pD2=-2.72 ± 0.02, n=4; E-: pD2 =-2.70 ± 0.02, n=4), hydroalcoholic fraction (FHA) (E+: pD2=-2.79 ± 0.01; E-: pD2
=-2.76 ± 0.01; n=4) and hexanic fraction (FHEX) (E+: pD2=-2.85 ± 0.14; E-: pD2=-2.83 ± 0.05; n=3). In summary, EETF
and fractions induced a concentration-dependent vasorelaxant effect, endothelium-dependent for FAQ and FSA
and endothelium-independent for the other ones. Additional studies are needed to assess possible mechanisms
underlying this vasorelaxant effect.
Financial Support: CAPES/UFPI
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions:
159
ATIVIDADE ANTIULCEROGÊNICA DO ÓLEORESINA DE COPAÍFERA SP.
EM ÚLCERAS GÁSTRICAS INDUZIDAS POR ETANOL EM RATOS
Portela F.S.O.1, Fernandes D.S.1, Moura L.H.P.1, Lima S.G.2
Nunes P.H.M.1, Martins M.C.C..1
1
Departamento de Biofísica e Fisiologia, Universidade
Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil
2
Departamento de Química, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil.
[email protected]
Introdução
O óleo-resina de copaíba é utilizado na medicina popular como cicatrizante, anti-inflamatório, antisséptico,
antitumoral e como agente para tratar bronquites e doenças de pele. Dentre as ações já comprovadas, tem-se a
atividade gastroprotetora do óleo de Copaifera langsdorfii em lesões gástricas induzidas por etanol e indometacina
(VEIGA JÚNIOR, V. F.; PINTO, A. C. Química Nova. v. 25, 2002). As úlceras gástricas e duodenais são importantes
causas de morbidade na população mundial. Este estudo tem como objetivo avaliar os efeitos da administração do
óleo-resina de Copaífera sp., oriunda da região amazônica (Pará), sobre úlceras gástricas induzidas por etanol em
Rattus norvegicus, caracterizar seus principais componentes químicos.
Métodos
Rattus norvegicus fêmeas adultas (200 ± 30 g) foram mantidas em ciclo claro-escuro de 12 horas. Após um período
de jejum de 24 horas, os animais foram divididos em grupos (6-7 animais/grupo) e tratados por via oral com Água (5
mL/kg, grupo controle - C), Tween 80 1% em água (5 mL/kg, grupo veículo - V), Carbenoxolona (200 mg/kg, grupo
padrão - Cbx), ou óleo-resina de Copaífera sp. 100 e 200 mg/kg (grupos Cop100 e Cop200, respectivamente). Após
60 min dos tratamentos, as úlceras gástricas foram induzidas por administração oral de etanol a 95% (5 mL/kg). O
grupo controle recebeu água (5 mL/kg). Trinta minutos depois foi realizada eutanásia dos animais por sobredose de
tiopental sódico (100 mg/kg) e seus estômagos foram retirados e abertos pela curvatura menor para determinação
da Área de Lesão Ulcerativa (ALU), expressa como percentagem da área do corpo do estômago, utilizando-se o
software ImageJ. Os dados foram analisados através de ANOVA, seguida de pós-teste de Tukey. A caracterização
química do óleo-resina de Copaífera sp. foi realizada por Cromatografia Gasosa com Espectrometria de Massa (GCMS: Shimadzu GC-17 A/ MS QP5050A). Estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Experimentação com Animais da
Universidade Federal do Piauí (parecer 074/2010).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussão
160
As ALU’s (Média ± EPM) foram significativamente menores (p<0,001) nos grupos tratados com óleo-resina de
Copaifera sp nas doses de 100 (1,56 ± 0,75) e 200 mg/kg (1,40 ± 0,63) quando comparados aos grupos C (19,07 ±
2,04) e V (17,40 ± 1,71). Não houve diferença na ALU dos grupos cop100 e cop200 em relação ao grupo Cbx (1,26
± 0,37). O efeito gastroprotetor do óleo-resina de Copaifera sp nas doses de 100 (91,8 %) e 200 mg/kg (92,7 %) não
diferiu do efeito produzido pela carbenoxolona (93,4 %). Na caracterização química do óleo-resina os principais
componentes identificados foram β-cariofileno (68%), α-humuleno (15%) e ciclohexano (9%). O óleo-resina de
Copaifera sp apresenta atividade antiulcerogênica em úlceras gástricas induzidas por etanol.
AVALIAÇÃO DO EFEITO VASORELAXANTE E ANTIHIPERTENSIVO
DO EXTRATO ETANÓLICO DOS FRUTOS DE SYZYGIUM CUMINI
Herculano E.A.1*, Costa C.D.F. 1, Nascimento W.U.C.1, França P.H.B.2, Aquino P.G.V.2
Araújo-Júnior J.X.2, Sant’Ana A.E.G. 2 , Ribeiro Ê.A.N.1
1
Laboratório de Farmacologia Cardiovascular, Escola de Enfermagem e Farmácia,
UFAL, Maceió, AL, Brasil.
2
Intituto de Química e Biotecnologia,UFAL, Maceió, AL, Brasil.
[email protected]
Introdução
A Syzygium cumini planta conhecida popularmente como “jamelão” ou “brinco-de-viúva”, descrita na literatura
como antialérgica, adstringente, anti-mutagênica, hipoglicemiante, antifúngica e antimicrobiana, entretanto não há
dados que comprovem ou refutem alguma atividade anti-hipertensiva desta planta. Diante do exposto o objetivo
deste trabalho foi avaliar atividade anti-hipertensiva e vasorelaxante de S. cumini.
Métodos
Ratos machos Wistar e ratos espontaneamente hipertensos - SHR (250-350g) foram anestesiados com tiopental
sódico (45 mg/kg; i.p.) e cateteres de polietileno foram inseridos na aorta abdominal via artéria femoral esquerda
para medida da pressão. Após 24h extrato etanólico dos frutos de S.cumini (EEFSC) foi administrado (200 mg/kg,
v.o.) e os efeitos na pressão arterial média (PAM) e na freqüência cardíaca (FC) foram registrados durante 6 horas.
Para verificar o efeito vasorelaxante do EEFSC, anéis de artéria mesentérica superior isolada de ratos machos Wistar
(2-4 mm) foram mantidos em solução fisiológica Kreb’s a 37ºC, mistura carbogênica e suspensos através de fios de
algodão para registro das tensões isométricas, sob uma tensão de 0,5g.
O EEFSC promoveu efeito anti-hipertensivo, reduzindo a PAM apenas na primeira hora de administração do extrato
quando comparado ao controle (90.3 ± 2.3 % e 103.4 ± 3.3 % mmHg, respectivamente, n = 5), sem alterar a FC (p <
0,05). Em anéis de artéria mesentérica o EEFSC (1, 10, 50, 100, 500 e 1000 μg/mL) antagonizou, de maneira dependente de concentração, as contrações induzidas por fenilefrina (10-4 M) apenas em anéis com endotélio intacto (Emáx
= 54,61 ± 4,48 % e pD2 = 2,736 ± 0,1 n = 5), entretanto, não houve diferença significativa do efeito vasorelaxante
quando os anéis foram pré-incubados com L-NAME (100µM), um inibidor não seletivo da NOS (Emáx = 64,85 ± 7,17
% e pD2 = 2,92 ± 0,12 n = 5). EEFSC também inibiu de maneira dependente de concentração, as contrações induzidas
por KCl 80mM, no entanto, de forma mais eficaz e potente (Emáx = 136,04 ± 0,24 % e pD2 = 2,162 ± 0,06, n = 5) (p
< 0,001). Estes resultados demonstram que o extrato provavelmente promove vasorelaxamento, em artéria mesentérica superior isolada de rato, dependente de endotélio e que o mesmo está mais relacionado ao envolvimento de
canais, contudo, são necessários mais estudos para elucidar o mecanismo de ação envolvido na resposta.
Suporte financeiro: CNPq e FAPEAL
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
161
AVALIAÇÃO DOS EFEITOS CARDIOVASCULARES
DO CHÁ LIOFILIZADO AYAHUASCA
Herculano E.A.1*, Costa C.D.F. 1, Moura M.T.D.1, Netto S.M.2, Ribeiro Ê.A.N.1
1
Laboratório de Farmacologia Cardiovascular, Escola de
Enfermagem e Farmácia,UFAL, Maceió, AL, Brasil.
2
Departamento de Psicobiologia, UNIFESP, São Paulo, Brasil.
[email protected]
Introdução
O chá ayahuasca é uma bebida psicoativa de origem sul-americana, utilizada em rituais indígenas da região amazônica
e alguma religião brasileira. É preparada pela decocção do cipó Banisteriopsis sp (“mariri”) com as folhas do arbusto
Psychotria sp (“chacrona”), sendo as espécies Banisteriopsis caapi e Psychotria viridis as mais frequentemente utilizadas.
Não há dados na literatura quanto à ação do chá sobre o sistema cardiovascular. Diante do exposto o objetivo do
trabalho foi verificar as ações cardiovasculares do chá ayahuasca (CLA).
Métodos
Ratos machos espontaneamente hipertensos (SHR) e normotensos Wistar (250-350) foram anestesiados com
tiopental sódico (45 mg/kg, i.p.) e cateteres de polietileno foram inseridos no interior da aorta abdominal e veia
cava inferior via artéria e veia femorais esquerdas, respectivamente, para medidas da pressão arterial e administração
das drogas, respectivamente. Para verificar o efeito vasorelaxante do EEFSC, anéis de artéria mesentérica superior
isolada de ratos machos SHR (2-4 mm) foram mantidos em solução fisiológica Kreb’s a 37ºC, mistura carbogênica e
suspensos através de fios de algodão para registro das tensões isométricas, sob uma tensão de 0,5g.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
162
Em ratos wistar conscientes CLA (0,5; 1; 5; 10; 20; 30; 50 e 60 mg/kg-1 i.v.) produziu hipotensão significativa apenas
nas de doses 30; 50 e 60 mg/kg (5,1 ± 1,2; -0,4 ± 0,9; 5,3 ± 1,9; 3,0 ± 1,7; -2,2 ± 1,0; -16,3 ± 3,8; -15,2 ± 0,7 e -21,0 ± 0,7
mmHg, respectivamente) associado a um pequeno aumento da frequência cardíaca nas doses de 0,5; 1; 5 e 10 mg/kg
e bradicardia nas doses de 20; 30; 50 e 60 mg/kg (22,6 ± 3,0 ; 12,0 ± 0,4; 31,4 ± 3,9; 4,1 ± 2,2; -2,0 ± 0,8; -7,1 ± 0,2; -3,5
± 0,5; -3,8 ± 0,5 bpm, respectivamente). Em ratos SHR conscientes CLA também promoveu hipotensão nas de doses
de 20; 30; 50 e 60 mg/kg (-3, ± 1,5; -7,1 ± 0,8; -5,8 ± 2,0; -2,4 ± 1,3; -8,2 ± 0,6; - 18,4 ± 0,4; -9,5 ± 1,2; -22,8 ± 1,1 mmHg,
respectivamente), entretanto, diferente de ratos wistar, o efeito foi acompanhado de pequena bradicardia nas doses
de 0,5; 1; 5 mg/kg mais pronunciada na dose de 60 mg/kg e taquicardia nas doses de 10; 20; 30 e 50 mg/kg (-5,8 ± 0,5;
-3,8 ± 1,1; -3,0 ± 0,8; 6,3 ± 1,7; 4,4 ± 1,3; 11,8 ± 1,4; 13,0 ± 1,0 e -35,9 ± 0,3 bpm, respectivamente. Em anéis de artéria
mesentérica o CLE (1; 3; 10; 30; 100; 300 μg/mL) antagonizou, de maneira dependente de concentração, as contrações
induzidas por fenilefrina (10-4 M) apenas em anéis com endotélio intacto (Emáx = 95,08 ± 5,8 % e pD2 = 1,28 ± 0,18 n
= 5). Estes resultados demonstram que o chá promove efeito hipotensor nas maiores doses em ratos normotensos e
hipertensos e vasorelaxamento em artéria mesentérica superior isolada de rato, dependente de endotélio, entretanto,
são necessários mais estudos para elucidar a via relacionada ao efeito mencionado.
Suporte financeiro: CNPq e FAPEAL
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DO ÓLEO RESINA DE COPAIFERA SP.
SOBRE O ESVAZIAMENTO GÁSTRICO DE RATTUS NORVEGICUS
Ribeiro, S.M.* 1, Vilanova, C.M.A.1, Machado, R.C.S.1, Vieira, S.M.1,
Lima, S.G.2, Martins, M.C.C. 1, Nunes, P.H.M.1
1
Departamento de Biofísica e Fisiologia-CCS, UFPI, Teresina-PI, Brasil
2
Departamento de Química-CCN, UFPI, Teresina-PI, Brasil
[email protected]
Introdução
O óleo resina das copaibeiras (Copaifera sp.) é largamente utilizado como fitoterápico devido principalmente a
suas propriedades antiinflamatória, antibacteriana, antitumoral e cicatrizante. Gastroproteção foi demonstrada no
óleo resina da Copaifera langsdorfii (0,63 mL/kg), além de efeito diarréico. Tais resultados evidenciam potencial ação
de outras espécies do gênero Copaifera sobre o trato gastrointestinal. A espécie ora estudada por nosso grupo,
popularmente conhecida como copaíba branca, mostrou atividade antiulcerogênica e encontra-se em processo
de identificação e caracterização química. Dados preliminares evidenciam que seus constituintes majoritários são
sesquiterpenos (trans-α-bergamoteno, β-bisaboleno e β-selineno), compostos químicos que apresentam atividade
gastroprotetora. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito do óleo resina de Copaifera sp. sobre o esvaziamento
gástrico de Rattus norvegicus.
Métodos
Ratos machos (242-292 g), distribuídos em 3 grupos (n=6), submetidos a jejum de 24 horas, foram tratados por
via oral com Tween-80 1% em água (5 mL/kg, controle veículo-CV) e óleo resina de copaíba (100 e 200 mg/kg grupos experimentais Cop100 e Cop 200, respectivamente). Após uma hora, foi administrado vermelho de fenol
(VF) 0,5 mg/mL em glicose 5 g% (1,5 mL/animal). Depois de 20 minutos, o estômago e intestino delgado foram
retirados, distendidos e divididos em segmentos: estômago (G), porção proximal (P-40%), medial (M-30%) e distal
(D-30%) do intestino delgado. Cada segmento foi homogeneizado em 100 mL de NaOH 0,1N e 10 mL da suspensão
foi centrifugado (10 min, 3000 rpm). Do sobrenadante, uma amostra de 5 mL foi tratada com 0,5 mL de ácido
tricloroacético a 20% e centrifugada (20 min, 3000 rpm). Uma amostra de 3 mL do sobrenadante foi adicionada a
4 mL de NaOH 0,5 N. A concentração do VF foi determinada pela absorbância a 560 nm e o conteúdo do corante
expresso em %. Os dados foram analisados por ANOVA e pós-teste de Tukey. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética
em Experimentação com Animais da UFPI. (085/2010).
Os animais do grupo Cop200 apresentaram conteúdo de VF menor (p<0,05) em G, P e D e maior (p<0,01) em M
(G: 13,6 ± 2,8; P: 7,5 ± 1,2; M: 64,2 ± 10,0; D: 5,8 ± 0,8), quando comparados aos animais do grupo CV (G: 30,3 ± 3,1;
P: 19,3 ± 2,1; M: 35,1 ± 3,5; D: 13,3 ± 1,9). Os animais do grupo Cop100 não apresentaram alteração significativa dos
conteúdos de VF (G: 37,7 ± 3,8; P: 25,5 ± 2,4; M: 26,0 ± 2,8; D: 11,3 ± 1,1) em relação ao grupo CV. O óleo resina de
Copaifera sp., na dose de 200 mg/kg, aumentou a velocidade do esvaziamento gástrico em ratos.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/Conclusão
163
EFEITO DA CATEQUINA SOBRE ÚLCERAS GÁSTRICAS
INDUZIDAS POR ETANOL EM RATAS
Ribeiro, S.M. *1; Vilanova, C.M.A. 1; Matos, J.R.F.1; Oliveira, R.R.L.1; Martins, M.C.C. 1,2, Nunes, P.H.M.1,2
1
Departamento de Biofísica e Fisiologia e 2Núcleo de
Pesquisa em Plantas Medicinais, CCS, UFPI, Teresina,PI, Brasil
[email protected]
Introdução
A catequina é um composto flavonóide presente em diversas plantas, entre elas Brysonima crassa, Camellia sinensis
e Vitis sp. Estudos indicam que os flavonóides apresentam propriedade antioxidante e que esta propriedade pode
estar relacionada com atividade antiulcerogênica (AAU) em algumas plantas medicinais. Os extratos etanólicos das
folhas e da casca de Terminalia fagifolia apresentam AAU no modelo de úlcera induzida por etanol. A Catequina
(25 mg/kg) administrada por via intraperitoneal apresenta AAU em úlceras induzidas por histamina. A presença de
catequina foi detectada no extrato etanólico das folhas de Terminalia fagifolia. O objetivo deste estudo foi avaliar a
possível AAU da catequina administrada por via oral no modelo de úlcera gástrica induzida por etanol.
Métodos
Rattus norvegicus fêmeas (168 ± 2,5 g) distribuídas em grupos de 6-7 animais, submetidos a jejum de 24 horas, foram
tratadas por via oral com água (5 mL/kg, controle-C), Tween-80 1% em água (5 mL/kg, controle veículo-CV), catequina
(1, 10, 50 e 125 mg/kg, grupos experimentais-Cat1, Cat10, Cat50 e Cat125, respectivamente) e carbenoxolona (200
mg/kg, grupo padrão-P). Após 1 hora dos tratamentos, as úlceras gástricas foram induzidas pela administração
de etanol 99%, via oral (5 mL/kg).Trinta minutos depois, todos os animais sofreram eutanásia por sobredose de
tiopental sódico (100 mg/kg). Após laparotomia, os estômagos foram retirados e abertos pela curvatura menor
para a determinação da área de lesão ulcerativa (ALU), expressa como percentagem da área do corpo do estômago
(Média ± DPM), utilizando-se o software ImageJ. Os dados obtidos foram analisados por ANOVA seguida de pósteste de Tukey. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Experimentação com Animais da UFPI (Protocolo 042/09).
Resultados e discussão/conclusão
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Não houve diferença significativa (p>0,05) nas ALUs dos animais tratados com catequina nas doses 1, 10, 50 e 125
mg/kg (Cat1: 19,83 ± 3,42; Cat10: 18,70 ± 3,72; Cat50: 19,30 ± 6,16; Cat125: 26,28 ± 1,20) em relação aos grupos C
(20,94 ± 2,28) e CV (17,42 ± 1,71), ou entre os grupos controle. O grupo P apresentou redução significativa (p<0,001)
da ALU (1,67 ± 0,85) em relação aos grupos C e CV. Portanto, a catequina, administrada por via oral, não apresenta
atividade antiulcerogênica em úlceras gástricas induzidas por etanol em ratas, indicando que esta substância não está
relacionada à AAU demonstrada para o extrato etanólico das folhas e da casca de Terminalia fagifolia utilizando este
modelo experimental de úlceras gástricas em ratas.
164
EFEITO ANTIHIPERTENSIVO E VASORELAXANTE INDUZIDO PELO
EXTRATO HEXÂNICO DE ANACARDIUM OCCIDENTALE
Costa C.D.F. 1, Herculano E. A. 1, Silva J.C.G. 1, Paulino V.S.2, Araújo-Júnior J.X.2,
Sant’Ana A.E. G. 2, Ribeiro Ê. A. N.1
1
Laboratório de Farmacologia Cardiovascular, UFAL, Maceió-AL, Brasil.
2
Instituto de Química e Biotecnologia, UFAL, Maceió/AL, Brasil.2
[email protected]
Introdução
Anacardium occidentale L. (Anacardiaceae), conhecida popularmente como cajueiro, A literatura relata o uso
desta planta no tratamento de diversas enfermidades tais como: diarréia, tonsilite, bronquite, artrite, inflamação
e no tratamento de diabetes mellitus. Estudos farmacológicos revelam sua atividade antimicrobiana, assim como
antidiabética e anti-inflamatória. Estudos prévios em nosso laboratório, o extrato hexânico das folhas de Anacardium
occidentale (EHAO) apresentou efeito hipotensor e bradicárdico em ratos wistar. Diante do exposto, o objetivo deste
estudo foi investigar se EHAO é capaz de induzir efeito anti-hipertensivo e vasorelaxante.
Métodos
Ratos machos espontaneamente hipertensos (SHR) (250-350 g) foram separados em dois grupos, grupo um tratado
com salina, e o grupo dois tratado com uma única dose de 300 mg/kg do EHAO via oral, os efeitos na pressão arterial
média (PAM) e na freqüência cardíaca (FC) foram registrados através do método indireto utilizando “tail cuff ” após a
primeira, segunda, quarta e sexta horas. Para verificar o efeito vasorelaxante do EHAO, Os anéis (2-4 mm) de artéria
mesentérica superior isolados de ratos machos wistar (250-350 g) foram suspensos por linhas de algodão para o
registro da tensão isométrica e mantidos em solução de Kreb`s a 37ºC e aerados com 95% de O2 e 5% de CO2, tensão
de repouso constante de 0,5 g.
A administração oral de EHAO foi capaz de reduzir significativamente a PAM apenas na segunda hora (96,1 ± 0,4
mmHg) e PAD após a quarta hora (84,20 ± 2,1; 71,10 ± 11,5 mmHg) comparado com o controle (106 ± 3,2; 102,9
± 0,2; 98,2 ± 5,9; 92,8 ± 7,9 mmHg, para primeira, segunda, quarta e sexta hora, respectivamente) com significância
de p<0,01 para PAM e p<0,05 para PAD. No entanto não houve alteração significativa nos valores da FC. O EHAO
promoveu relaxamento, de maneira dependente de concentração, em anéis arteriais frente à contração induzida por
fenilefrina (100 mM) apenas em anéis com endotélio intacto (Emáx = 32,70 ± 2,3% n = 5). Entretanto, EHAO não
foi capaz de promover relaxamento significativo em anéis com endotélio desnudo pré-contraídos por fenilefrina
ou KCl 80 mM. Estes resultados revelam que o EHAO foi capaz de produzir efeito anti-hipertensivo e vasorelaxante
dependente de endotélio. Entretanto, mais estudos são necessários a fim de elucidar os mecanismos envolvidos no
efeito vasorelaxante induzido por EHAO.
Suporte Financeiro: CNPQ e FAPEAL.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
165
AVALIAÇÃO DOS EFEITOS CARDIOVASCULARES INDUZIDOS PELO
EXTRATO ETANÓLICO DE SIDA SANTAREMNENSIS
Costa C. D. F. 1, Herculano E. A. 1, Arcanjo D.D.R.2, Oliveira R.C.M.2, Oliveira A.P.2, Ribeiro, Ê. A. N.1
1
Laboratório de Farmacologia Cardiovascular, UFAL, Maceió-AL, Brasil.
Laboratório de Farmacologia - núcleo de pesquisa em plantas medicinais, UFPI, Piaui, Brasil.
[email protected]
Introdução
Sida santaremnensis H. é uma planta pertencente ao gênero Sida,conhecida popularmente como “guanxuma”
ou “vassourinha”, na literatura científica há relatos do uso de espécies deste gênero na medicina popular para
uma infinidade de enfermidades, dentre elas: asma, reumatismo e hipertensão, bem como diversas atividades
farmacológicas, tais como: anti-inflamatória, analgésica, antioxidante, hipotensora e bradicárdica. Em virtude do uso
popular de algumas espécies do gênero em questão como anti-hipertensivo, frente à inexistência de estudos na
literatura científica sobre a espécie Sida santaremnensis H. Monteiro e seus efeitos sobre o sistema cardiovascular,
o objetivo deste trabalho foi verificar os efeitos cardiovasculares induzidos pelo extrato etanólico da casca de Sida
santaremnensis H (EESSAN) em ratos, através de uma abordagem in vivo.
Métodos
Ratos machos espontaneamente hipertensos (SHR) (250-350) foram anestesiados com tiopental sódico (45 mg/
kg, i.p.) e cateteres de polietileno foram inseridos no interior da aorta abdominal e veia cava inferior via artéria e veia
femoral esquerdas, respectivamente, para medidas da pressão arterial e administração das drogas, respectivamente.
Resultados e discussão/conclusão
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Em ratos SHR conscientes, ESSAN (0,5; 1; 5; 10; 20 e 30 mg.kg-1 i.v.) produziu hipotensão (-15,8 ± 2,0; -23,5 ± 2,1; -23,0
± 1,8; -21,3 ± 3,2; -23,3 ± 2,7; -30,0 ± 2,0 mmHg, respectivamente) associado ao aumento da frequência cardíaca
(FC) (21,2 ± 1,7; 19,0 ± 1,1; 25,8 ± 1,5; 33,1 ± 1,8; 16,3 ± 4,0; 21,1 ± 3,2 bpm, respectivamente). A resposta hipotensora
de ESSAN foi significativamente atenuada após o bloqueio da síntese do óxido nítrico (NO) (L-NAME, 20 mg.kg-1,
i.v.) apenas na dose de 0,5 mg.kg-1 i.v. (-6.0 ± 0,9 mmHg) assim como houve um aumento significativo do efeito
taquicárdico na mesma dose (30,5 ± 2,2 bpm). Além disso, o efeito hipotensor induzido pelo extrato foi bloqueado
após um antagonista de receptores muscarínicos não seletivo (Atropina, 2 mg.kg-1, i.v.) bem como o efeito na
frequência cardíaca foi significativamente atenuado (10,1 ± 2,5; 7,0 ± 1,5; -1,0 ± 1,0; 9,5 ± 3,0; 1,7 ± 1,9; 0,3 ± 1,4 bpm).
Estes resultados sugerem que em ratos SHR, o efeito hipotensor provavelmente esta relacionado com o envolvimento
da via muscarínica. Embora, sejam necessários mais experimentos para elucidar os mecanismos envolvidos no efeito
hipotensor induzido por ESSAN.
166
Suporte finaceiro: CNPQ, FAPEAL
ANTINOCICEPTIVE ACTIVITY OF THE MONOTERPENE
αPHELLANDRENE IN RODENTS
Lima D.F*.1, Brandão M.S.1, Moura J.B.1, Fernandes H.B.1, Leitão J.M.S.R.1, Carvalho F.A.A.1, Miura L.M.C.V.2, Leite J.R.S.A2, Sousa D.P.3, Almeida F.R.C.1
1
Medicinal Plants Research Center, Federal University of Piauí, Teresina, Piauí, Brazil.
2
Biodiversity and Biotechnology Research Center, Biotec,
Federal University of Piauí, Parnaíba, Piauí, Brazil.
3
Department of Chemistry, Federal University of Sergipe, Aracajú, Sergipe, Brazil.
[email protected]
Introduction
Pain is an unpleasant sensory and emotional experience associated with actual or potential tissue damage. The
management of pain requires an analgesic drug that is effective and associate with few side effects. There are several
therapeutic approaches to treating pain and the currently available and most widely prescribed have important
side effects that limit their use, especially, in chronic pain. The research and development of analgesic drugs are
so important and the natural products seem to be a good source of biomolecules. Among these compounds the
essential oils (EO) are an important class that presents several pharmacological properties. Among million of EO
constituents we could find the monoterpene alfa-phellandrene (α-PHE) presents in several species in any varied
concentrations. The aims of the present work were to investigate the citotoxicity and therapeutic potential as
analgesic drug of α-PHE in experimental nociception models in rodents.
Methods
Mass spectrometry was used to evaluate the purity and exacta molecular mass of α-phellandrene Amazon SL
from Bruker Daltonics (Bremen, Germany). To evaluate the possible mammalian cells citotoxicity the MTT (3 - [4, 5
dimethylthiazol-2-yl] -2, 5-diphenyltetrazolium bromide) test was performed. Macrophages obtained from Swiss mice
peritoneal cavity were used. The antinociceptive tests (acetic acid-induced abdominal writhing, formalin, capsaicin
and glutamate) were carried out on Swiss mice using previously described method. Mechanical hypernociception
was evaluated in digital Von Frey test using Wistar rats as previously reported. To evaluate any non-specific musclerelaxant or sedative effects of α-PHE, mice were submitted to the open-field and rota-rod test.
α-PHE purity was 98.2% and molecular mass 136.1 Da. It was the first time this monoterpene was analyzed directly
by mass spectrometry Ion Trap ESI+. α-PHE did not show citotoxicity. In the writhing and capsaicin tests, α-PHE
promoted antinociceptive effect in all evaluated doses. In formalin test, α-PHE (50 mg/kg, p.o) was effective in
inhibiting both phases. In glutamate test (12.5 and 25 mg/kg p.o.), the α-PHE decreased the nociceptive response. In
carrageenan-induced mechanical hypernociception, α-PHE (25 and 50 mg/kg, p.o) decreased the hypernociception
index. α-PHE did not show muscle relaxant action or central depressant effects. The results provided, for the first
time, that orally administration of α-PHE, exerted pronounced antinociception in the chemical-induced nociception
models and mechanical hypernociception in rodents.
Financial Support: Federal University of Piauí, FINEP, CNPq and Nanobiomed Network CAPES/Brazil.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
167
FLAVONOIDES TOTAIS E ATIVIDADE CITOTÓXICA DAS
FOLHAS DE MIMOSA CAESALPINIAEFOLIA BENTH
1
Lustosa A.K.M.F.1, Monção N.B.N.2, Araújo B.Q.2, Lopes Jr C.A.2, Citó A.M.G.L.2
Núcleo de Tecnologia Farmacêutica,Universidade Federal do Piauí, UFPI, Teresina, PI, Brasil.
2
Departamento de Química,Universidade Federal do Piauí, UFPI, Teresina, PI, Brasil.
[email protected]
Introdução
A Mimosa caesalpiniaefolia é caracterizada como um arbusto arbóreo perenifólio que pode chegar até 7 m de altura,
os galhos apresentam acúleos em maior ou menor grau, as folhas são bipinadas e alternadas, as flores são brancas,
pequenas, perfumadas, melíferas e disposta na forma de espigas (inflorescências), além de frutos na forma de legumes
dotados de sementes. Dependendo da localização a Mimosa caesalpiniaefolia pode ser chamada popularmente de
unha-de-gato (PI), sabiá (CE, PE, PI e MG), angiquinho-sabiá (MG) e sansão do campo (MG, RJ e SP). A madeira é
utilizada como cerca viva e carvão, as folhas são utilizadas como forragem para alimentação de ruminantes, devido
aos elevados conteúdos protéicos. O presente estudo relata o teor de flavonoides totais e a atividade citotóxica das
folhas de M. caesalpiniaefolia.
Métodos
O material vegetal (154,24 g) coletado em setembro (2009) em Teresina-PI foi seco à t. a., reduzido a pó fino em moinho
de facas e macerado 5 x 1000 mL de EtOH, com filtração após 72 h, concentrado a pressão reduzida e liofilizado,
obtendo-se o extrato etanólico bruto das folhas (32,21 g). Realizou-se a quantificação do teor de flavonoides em
equivalente de rutina, utilizando-se curva padrão (3,0-21 mg/mL) com adição de AlCl3 a 5%, no λmáx = 420 nm. A
equação da reta foi A = 0,02844 . C - 0,03633, onde A é a absorbância e C a concentração, o coeficiente de correlação
linear R = 0,9994. A atividade citotóxica foi realizada frente a Artemia salina Leach, desenvolvida de acordo com a
metodologia de Meyer (1982) com modificações. A amostra foi preparada com a solução de Tween 40 a 1%. A
amostra foi analisada nas seguintes concentrações: 1000, 850, 700, 650 e 400 μg mL-1. O controle foi realizado com
água do mar (controle I) e a solução de Tween 40 a 1% (controle II), nas mesmas condições de análise da amostra.
Todos os ensaios foram realizados em triplicatas.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
168
O extrato etanólico bruto das folhas teve um rendimento de 20,88% em relação ao material inicial seco. O teor
de flavonoides foi 159,51 ± 1,61 mg de equivalente de rutina/g de extrato. Os flavonóides exercem uma função
fundamental na defesa antioxidante, minimizando a peroxidação lipídica e o efeito dos radicais livres prevenindo
doenças como a arteriosclerose, as enfermidades coronárias e câncer. As substâncias submetidas ao ensaio TAS que
apresentem uma dosagem letal média, ou seja, concentração letal de 50% dos espécimes (DL50) menor que 1000 µg
mL-1, são consideradas ativas. Assim, o extrato bruto das folhas apresentou uma DL50 de 1765,0 µg mL-1, o que indica
que a amostra não apresenta toxicidade, isto justifica as propriedades forrageiras através do consumo voluntário das
partes aéreas por ruminantes e como recurso trópico de abelhas Apis mellifera e meliponíneos.
Agradecimentos: Capes/CNPq
SCREENING FARMACOLÓGICO DA ATIVIDADE CITOPROTETORA DO
EXTRATO ETANÓLICO DAS FOLHAS DE DUGUETIA FURFURACEA
Pereira, A.O.B.1,2, Fernandes, C.N.1,2, Souza, H.H.F.1,2, Menezes, I.R.A.1,2,3, Kerntopf, M.R1,2,3.
Laboratório de Farmacologia e Química Molecular, Universidade Regional do Cariri,
URCA, Crato, CE, Brasil. 2 Programa de Pós-graduação em Bioprospecção Molecular,
Universidade Regional do Cariri, URCA, Crato, Brasil. 3Departamento de Química Biológica,
Universidade Regional do Cariri, URCA, Crato, CE, Brasil.
[email protected]
1
Introdução
Duguetia furfuracea (A. St. Hil.), Annonaceae, é um arbusto típico do cerrado da região central do Brasil,
conhecida popularmente como araticum-do-campo, araticum-do-cerrado, araticum-bravo, ata-brava e ata de lobo.
Na medicina popular, as folhas são utilizadas para combater cólica e diarréia. Estudos anteriores têm descrito a
atividade terapêutica da planta com ação tripanomicida, antiprotozoárica e antiplasmódica. Em consonância com
a revisão bibliográfica que mostrou o uso popular de suas folhas para problemas do trato digestivo, o objetivo
do presente trabalho foi avaliar a atividade gastroprotetora do extrato etanólico das folhas de Duguetia furfuracea
(EEFDF) em camundongos.
Métodos
O screening da atividade gastroprotetora se deu através dos modelos clássicos de úlcera induzida por etanolabs, HCl/
etanol e indometacina. Camundongos Swiss, fêmeas (n=8/grupo) em jejum de 18 h, foram pré-tratados por via oral
com veículo (0,9% salina), Omeprazol (30 mg/Kg) ou EEFDF (100 e 300 mg/kg). Uma hora após os tratamentos, foram
administrados os indutores de lesão gástrica (0,2 mL, v.o.) de etanolabs e HCl/etanol (0,3 M de HCl em etanol 60 %). Já
no modelo de úlcera por indometacina (10 mg/Kg, v.o.), um antiinflamatório não-esteroidal, os animais receberam
pré-tratamento (1h antes) e pós-tratamento (3h depois). Após 30 min., 1h e 3h respectivamente, os animais foram
anestesiados e sacrificados, os estômagos retirados, abertos ao longo da grande curvatura com posterior análise
no programa Image J. Para a verificação das diferenças estatísticas entre os grupos foi realizada análise de variância
(ANOVA) seguido do teste de Student-Newman-Keuls.
Após a realização do estudo da atividade antiúlcera nos modelos de úlcera induzida por etanolabs, HCl/etanol e
indometacina, os resultados demonstraram que o EEFDF na concentração de 100 mg/Kg reduziu significativamente
a percentagem de área lesionada em 64,34%, 60,43% e 55,23% respectivamente quando comparado aos grupos
tratados com seus respectivos veículos (25,75±3,14%, 24,06±2,52% e 6,00±1,46%). O extrato na concentração de 300
mg/Kg também inibiu de forma significativa a área lesionada nos modelos, com percentuais de inibição de 97,10%,
70,66 e 60,33% quando comparados aos grupos veículos. De acordo com os resultados obtidos, podemos concluir
que o extrato das folhas de Duguetia furfuracea demonstrou ter uma ação gastroprotetora diante dos três modelos
clássicos. Estudos posteriores serão realizados para determinar seu possível mecanismo de ação.
Suporte Financeiro: CAPES/Autor correspondente: Anita Oliveira Brito Pereira-
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
169
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE FITOESTROGÊNICA DE FRAÇÕES DE MORUS
NIGRA L. NO METABOLISMO DE RATAS OVARIECTOMIZADAS
Melo, D.N.S.¹; Benevides, R.O.A.¹; Vale, C.C.¹; Barroso, W.A.²; Abreu, I.C.¹; Cartágenes,
M.S.S.¹;Freire, S.M.F.¹; Silva, S.N.¹; Borges, M.O.R.¹; Borges, A.C.R.¹
1-Laboratório de Farmacologia.
2-Laboratório de Fisiologia.
Departamento de Ciências Fisiológicas. Universidade Federal do Maranhão.
[email protected]
Introdução
O climatério é a fase da vida da mulher em que ocorre a transição do período reprodutivo ou fértil para o não reprodutivo, devido à diminuição dos hormônios sexuais produzidos pelos ovários. O declínio da secreção estrogênica
desencadeia uma série de sintomas desagradáveis como fogachos, suores noturnos, alterações no metabolismo ósseo e cardiovascular que levam a uma piora na qualidade de vida da mulher. Na medicina popular brasileira, o chá
das folhas de Morus nigra L. vem constantemente sendo usado para regular os sintomas do período pós-menopausa.
O presente estudo objetiva verificar os possíveis efeitos estrogênicos das frações clorofórmica e hidroalcoolica de
Morus nigra L., determinado seus efeitos uterotróficos e suas ações no metabolismo lipídico e glicêmico de ratas
Wistar ovariectomizadas.
Métodos
O extrato hidroalcoólico foi submetido ao fracionamento com hexano, clorofórmio e acetato de etila. Em virtudes
dos seus perfis cromatográficos, as frações clorofórmica (FC) e residual hidroalcoolica (FH) foram selecionadas como
frações experimentais. Foram utilizadas ratas adultas (70 dias) da espécie Rattus norvegicus, distribuídas em 5 grupos (n=5-6): Falso-operado (SHAM), administrado com salina (0,1mL/100g); Ovariectomizado (OVX), administrado
com salina (0,1mL/100g); Ovariectomizado tratado com FC Morus nigra L. 150mg/Kg (OVX-FC); Ovariectomizado
tratado com FH Morus nigra L. 150mg/mL (OVX-FH) e Ovariectomizado tratado com estroprogestativo 50 μg/Kg
(OVX-EP), diariamente, por via oral, durante 4 semanas. Durante o tratamento foram avaliados freqüência do ciclo
estral por lavado vaginal, consumo alimentar e peso corpóreo. Ao final do tratamento foram analisados os parâmetros bioquímicos, o desenvolvimento uterino e coletada a gordura abdominal total.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Conclusão
170
No ciclo estral foi observado que o grupo OVX permaneceu com maior freqüência da fase diestro (66,67%). O grupo
OVX-FC apresentou aumento das fases estro e pró-estro em 10,66% e 34,67% em relação ao grupo OVX e, o grupo
OVX-FH prevaleceu com 72,09% na fase diestro. Na análise dos parâmetros bioquímicos foi observado que OVX-FH
diminuiu os níveis de triglicérides (23,86±1,517) em 54,84% com relação ao grupo SHAM (52,83±3,497) e em 65,67%
com relação ao grupo OVX (69,50±4,137). O tratamento crônico com a FC de Morus nigra L. promoveu redução na
gordura abdominal total em OVX-FC (1,26±0,28) de 60,26% quando comparado ao grupo SHAM (3,17±0,48). O presente estudo demonstrou que a fração clorofórmica de Morus nigra L. induziu a maturação do epitélio vaginal em ratas ovariectomizadas e que a fração hidroalcoolica da mesma planta melhorou o perfil lipídico dos referidos animais.
Apoio: PIBIC-UFMA
CENTRAL ACTION OF 6STYRYL2PYRONE FROM
ANIBA PANURENSIS SEED LECTIN IN MICE
Chaves E.M.C.1 Dias K.C.F1, Santos N.J1., Sena Filho J. G.2, Macedo D.S.1,
Barbosa-Filho J.M.2, Sousa F.F.C.1 , Vasconcelos S.M.M.1
1
Department of Physiologia and Pharmacology, Federeal University of Ceará, Brazil
2
Laboratory Pharmaceutical Tecnology, Federal University of Paraíba, Brazil
[email protected]
Introduction
The plant Aniba panurensis is a member of the Lauraceae is constituted by circa 52 genera and approximately 3000
species found Its main distribution centers are South America and Southeastern Asia and the plants of this family
are known for the production of a wide diversity of secondary metabolites. The objective of the present work was to
investigate the effects of 6-styryl-2-pyrone from Aniba panurensis in seizure in mice.
Methods
After administration of 6-styryl-2-Pyron from Aniba panurensis model of seizures induced by the latency to the PTZ
convulsions showed no difference in doses of 10mg (67.27 ± 3.090 (11) and 20mg (61.00 ± 3.494 (10) when compared
with the control (61.60 ± 4.785 (10) [F (3.40) = 1,308, P = 0.02863]. One hundred percent of the animals Administered
6-styryl-2-Pyron exhibited convulsions. The latency to death at the increased dose of 10 (343.7 ± 30.03, n = 10) or 20mg
(344.4 ± 69.68, n = 10) Compared with control (154.0 ± 17.27 (10) [F (3.39) = 5,736, P <0.0026]. Ten percent of the animals (Aniba 20 mg / kg) Survived, in comparison in comparison with the control group. The latency of seizures induced
by strychnine was increased by both doses of Aniba panurensis10mg (65.00 ± 10.63 (8) and 20mg (62.27 ± 5.128 (11)
compared to control (24.50 ± 1.759 (10) [F (3.39 = 5.567, P <0 , 0030)]. The latency to death at the larger dose it was
Increased 20mg (24.60 ± 1.771 (10) Compared with the control group (13.90 ± 1.767 (10) [F (3.39 = 4.995, P <0.0053)].
One hundred percent of the animals exhibited convulsions, all animals Died after strychnine-induced seizures.
Aniba. There was an increase in death latency and latency of seizures in models of seizures induced by PTZ and estricinina, respectively. Thus suggesting a protective effect in these models of seizures models of PTZ and strychnine
Key Words: plant, Aniba panurensis, central nervous system, seizure
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Female two-month-old Swiss mice (25–30 g), in groups of 8 to 11 animals, from the Animal House of the Federal
University of Ceará. A molécula de 6-Styryl-2-Pyrone isolada da Aniba panurensis was emulsified 4% tween 80
(Sigma-USA). Animals were treated with of 6-styryl-2-pyrone (1.0, 10.0 or 20.0 mg/kg, ip) or water (control, ip) 30 min
before administration of PTZ (85 mg/kg ip), or strychnine (20 mg/kg, ip), placed in individual cages, and observed for
60 min. The parameters measured were: latency to the first convulsion or death, percentage of animals convulsing,
and percentage of animals surviving. All results are presented as means ± SEM. ANOVA followed by Student–Newman–Keuls’s post hoc test. Results were considered significant at P < 0.05.
Results and discussion/conclusions
171
EVALUATION OF GASTRIC JUICE PARAMETERS AND MUCUS PRODUCTION
IN THE MENTHOL GASTROPROTECTIVE EFFECT
1
Rozza A.L.1, Pellizzon C.H.1
Department of Morphology, Institute of Biosciences, UNESP, Botucatu, SP, Brazil.
[email protected]
Introduction
The common therapies against gastric ulcers provide significant adverse effects. In this context, there is an increasing
search for natural products that heal the ulcers without producing collateral effects. The present work aimed to
evaluate and characterize the gastroprotective effect of Menthol (ME) 50 mg/kg, the main compound of Mentha
piperita essential oil.
Methods
Male Wistar rats (n=7) were used in all bioassays. The ME gastroprotective effect was assessed in the ethanol assay:
after fasting, the rats orally received vehicle, carbenoxolone 100 mg/kg or ME 50 mg/kg; after 1 hour, the rats orally
received 1 mL of ethanol and were sacrificed after 1 additional hour. The stomachs were removed and scanned to
measure the ulcer area with the aid of the software AVSoft BioView. The gastric juice parameters were evaluated by
pylorus ligature model. Thirty minutes after oral treatment or immediately after intraduodenal administration of a
single dose of vehicle, cimetidine 100 mg/kg or ME 50 mg/kg, the pylorus ligature was performed. Four hours later,
the rats were sacrificed, the stomach was removed and its contents centrifuged at 2000 g for 15 minutes. The total
acid content of gastric secretion was determined by titration to pH 7.0 with 0.01 N NaOH using a digital burette. To
determine the mucus adhering to the gastric wall, the rats orally received vehicle, carbenoxolone 200 mg/kg or ME
50 mg/kg and after 1 hour were submitted to pylorus ligature. After 4 hours, the animals were sacrificed; the glandular
portion of the stomach was weighed and immersed in Alcian Blue solution for the mucus quantification procedure.
The results were analyzed by ANOVA and Dunnett test, ap<0.01.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
172
ME presented 82% of gastroprotection, presenting ulcer area (mm2) of 54.06 ± 20.80a, while the positive control
presented ulcer area of 76.12 ± 52.56a (79% of gastroprotection) and the vehicle 376.27 ± 14.99. The oral treatment
with ME was able to diminish the H+ concentration (mequiv/mL/4h) in the gastric juice (5.90 ± 0.67a) in comparison
to vehicle group (9.60 ± 0.95) without modifying its volume (mL) (3.39 ± 0.63, vehicle 2.93 ± 0.36). Otherway, the ME
intraduodenally administrated was not able to significantly decrease the H+ concentration (9.05 ± 0.32, vehicle 10.23
± 0.44) but to diminish the gastric juice volume (2.95 ± 0.15a, vehicle 5.08 ± 0.21). Furthermore, there was a significant
increase in the gastric mucus adhering to the stomach (µg/g) in the ME group (3582.00 ± 89.73a) in comparison to
vehicle group (1633.42 ± 43.73). In conclusion, the gastroprotective effect of ME 50 mg/kg observed in the ethanolinduced assay is related to an antisecretory effect (inhibition of the acid secretion) and to an increasing in mucus
production, that is also able to neutralize the H+ secreted in the gastric lumen.
Financial Support: CAPES and FAPESP
EVALUATION OF GASTRIC JUICE PARAMETERS AND ROLE OF Α2 RECEPTORS,
K+ATP CHANNELS, NITRIC OXIDE AND SULFHYDRYL COMPOUNDS
IN THE GASTROPROTECTION OF EPICATECHIN
1
Rozza A.L.1, Tanimoto A.1, Pellizzon C.H.1
Department of Morphology, Institute of Biosciences, UNESP, Botucatu, SP, Brazil.
[email protected]
Introduction
Epicatechin (EC) is an antioxidant substance present in several medicinal plant species used in the treatment of gastrointestinal disorders. Therefore, our aim was to investigate the activity of EC in the gastroprotection and its main
mechanisms of action.
Methods
The involvement of α2 receptors, K+ATP channels, nitric oxide (NO) and sulfhydryl compounds (SH) in the gastroprotection were determined by the administration (i.p.) in male Wistar rats (n=7) of the respective antagonists yohimbine 3 mg/kg, glibenclamide 3 mg/kg, L-NAME 70 mg/kg and NEM 7 mg/kg one hour before the oral treatment’s
administration (vehicle 10 ml/kg, carbenoxolone 100 mg/kg or EC 50 mg/kg). The rats were killed after one hour, the
stomachs were removed and the ulcer areas were determined (mm2) with the aid of the software AVSoft BioView.
In another assay, after oral treatment or intraduodenal administration of vehicle, cimetidine 100 mg/kg or EC 50 mg/
kg, the pylorus ligature was performed. Four hours later, the rats were sacrificed, the stomach was removed and the
total acid content of gastric secretion was determined by digital burette. The results were analyzed by ANOVA and
Dunnett test, *p<0.05
Results and discussion/conclusions
Financial support: FAPESP.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The gastroprotective effect of EC was reversed by administration of yohimbine and NEM, indicating the strong
participation of the α2 presynaptic receptors and the SH compounds in the gastroprotection. However, in the rats
pretreated with glibenclamide or L-NAME, the ulcer area was not different from the control group, indicating there
is no involvement of K+ATP channels or NO on the EC mechanism. Furthermore, the EC oral treatment was able to
diminish the H+ concentration (mequiv/mL/4h) in the gastric juice (4.56 ± 0.56*) in comparison to vehicle group
(8.03 ± 1.28) without modifying its volume (mL) (1.80 ± 0.55, vehicle 1.22 ± 0.80), indicating an antisecretory effect.
The intraduodenal treatment did not present antisecretory activity. Through the results, we can conclude that the
gastroprotective action promoted by EC is directly related to the inhibition of acid secretion, which is probably related to the modulatory action of α2 receptors in the acid secretion and the maintenance of SH compounds, that are
able to neutralize the H+ secreted in the gastric lumen.
173
EFEITO HIPOGLICEMIANTE AGUDO DO EXTRATO AQUOSO DE
HANCORNIA SPECIOSA EM RATOS DIABÉTICOS
Martins M.C.C1, Monte B.S2, Junior F.J.A.C2, Sá J.C2, Neto J.J.R 2, Magalhães J.V 2,
Cunha L.V.T.C2, Ribeiro M.B2, Eulálio R.A.N2.
1Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição, UFPI; Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI,NOVAFAPI, Teresina, PI, Brasil.
2Faculdade de Saúde Ciências Humanas e Tecnológicas
do Piauí - NOVAFAPI, Teresina, PI, Brasil.
[email protected]
Introdução
No território brasileiro existe um grande número de plantas medicinais usadas popularmente para o tratamento do
diabetes melito. Contudo, a literatura relata que ainda existem muitas espécies vegetais utilizadas popularmente para
o tratamento do diabetes cujos efeitos hipoglicemiantes das mesmas ainda não foram comprovados devido à carência de estudos; uma dessas espécies é Hancornia speciosa, popularmente conhecida como mangaba ou mangabeira,
a qual é objeto de estudo deste trabalho.
Métodos
21 animais da espécie Rattus norvegicus machos ratos da linhagem Wistar foram distribuídos randomicamente em
3 grupos (n=7), estes animais foram submetidos a indução prévia de diabetes por Estreptozotocina, avaliando-se a
glicemia dos espécimes através de fitas de glicosímetro. Os grupos foram distribuídos da seguinte forma: Grupo 1 controle diabético no qual foi administrada solução fisiológica 0,9%%; Grupo 2 - tratado com metformina e Grupo
3 - tratado com extrato aquoso de Hancornia speciosa a 20%. A glicemia dos animais foi aferida imediatamente antes
do tratamento e 60,120 e 180 minutos após a administração das respectivas medidas terapêuticas.
Resultados
Não ocorreu redução significativa da glicemia dos animais diabéticos tratados com Hancornia speciosa quando comparado aos outros dois grupos. Análises estatísticas foram feitas por meio da aplicação do teste ANOVA seguida de
teste post hoc de Tukey. Foi adotado nível de significância de p< 0,05.
Conclusão
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
O extrato aquoso de Hancornia speciosa não se mostrou eficaz no controle glicêmico em curto prazo em Rattus
novergicus submetidos a diabetes por estreptozotocina.
174
ETNOFARMACOLOGIA DE LIPPIA MICROPHYLLA CHAM. VERBENACEAE:
POTENCIAL PROPRIEDADE GASTROINTESTINAL EM RATOS
Jacinto K.R.1, Silva I.A1, Carvalho V.S.1, Cavalcanti V.B.1, Tavares J.F.2,
Nouailhetas V.L.A.3, Beraldo J.1, Silva J.L.V.1
1
Farmácia-Bioquímica, Universidade Nove de Julho, UNINOVE, São Paulo, SP, Brasil.
2
Depto. Ciências Farmacêuticas, Centro de Ciências da Saúde, Universidade
Federal da Paraíba, UFPB, João Pessoa, PB, Brazil.
3
Depto. Biofísica, Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, São Paulo, SP, Brasil.
[email protected]
Introdução
Várias espécies do gênero Lippia são utilizadas, popularmente, para o tratamento de doenças que acometem o
trato gastrointestinal e respiratório (MORTON, 1981). Os óleos essenciais e compostos fenólicos são os prováveis
princípios ativos responsáveis por tais usos terapêuticos (PASCUAL et al., 2001). Lippia microphylla é conhecida
popularmente como “alecrim-de-taboleiro” e apenas a atividade vasorrelaxante foi relatada para seu óleo essencial
extraído das folhas (ARAÚJO et al., 2009). Diante disto, decidimos investigar os efeitos do extrato etanólico bruto
obtido das partes aéreas de L. microphylla (LM-EtOH) sobre úlcera induzida por etanol em ratos, além de observá-lo
sobre íleo isolado de rato.
Métodos
Resultados e discussão/conclusão:
LM-EtOH, apenas em 500mg/kg, protegeu a mucosa gástrica de maneira significante (AU= 15,3±9,9 mm2, n=3),
bem como ranitidina (AU= 8,8±3,9 mm2, n=4), em relação ao controle (AU= 88,0±19,2 mm2, n=4). Além disto, as
análises histopatológicas confirmaram estas observações. LM-EtOH (3-243µg/mL) inibiu de maneira dependente
de concentração e equipotente as contrações do íleo (n=3) induzidas tanto por carbacol (CI50= 36,6±10,5 µg/mL)
quanto por KCl (CI50=23,2±6,2 µg/mL). Os resultados mostram, pela primeira vez, que as partes aéreas de Lippia
microphylla contêm princípios ativos responsáveis por uma potencial atividade gastrointestinal corroborando o uso
etnofarmacológico desta espécie.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
In vivo: ratos Wistar (200–250g), em jejum (24h), foram divididos em quarto grupos e receberam etanol 95% (1
mL/animal, v.o.), após 1 hora seguido de: veículo (10 mL/kg, v.o., controle); LM-EtOH (50, 150 ou 500mg/kg v.o.,
tratado); ranitidina (50 mg/kg, i.p., controle positivo). Passado 1 hora dos tratamentos, os animais foram eutanasiados
em câmara de CO2, seus estômagos removidos e abertos ao longo da grande curvatura. A área de úlcera (AU) foi
calculada (Kauffman; Grossman, 1978) e os tecidos foram analisados histopatologicamente. Este estudo foi aprovado
pelo Comitê de Ética no Uso de Animais da UNINOVE (AN 0002/11). In vitro: o íleo foi isolado de ratos Wistar
(250-350g), em jejum (24h), transferido para cubas de vidro para órgão isolado (5mL) contendo solução de Krebs
modificado (Sun; Benishin, 1994), sob 1g de tensão e aerado com O2, a 37°C. As contrações foram induzidas por
carbacol (10-6M) ou por KCl (40mM) na ausência (controle) ou presença do LM-EtOH (27 - 500 µg/mL), monitoradas
por transdutores de força isométricos acoplados ao programa AQCD em computador. Os valores de CI50 foram
obtidos a partir da % reversa da contração na presença do extrato. Estes procedimentos foram aprovados pelo
Comitê de Ética em Pesquisa da UNIFESP (CEP 0038/10). Todos os dados foram analisados pelo programa GraphPad
Prism 5.0, utilizando o Test “t” de Student ou ANOVA de uma via seguida do pós-teste de Dunnett, onde valores de
p<0,05 foram considerados significantes.
175
AVALIAÇÃO DO GEOPRÓPOLIS DE MELIPONA FASCICULATA
SMITH TIÚBA NA INFLAMAÇÃO E DOR
Barroso W.A.1, Almeida M.C.M.1, Cartágenes M.S.S.1, Freire S.M.F.1,
Ribeiro M.N.S.2, Borges A.C.R.1, Borges M.O.R.1
1. Departamento de Ciências Fisiológicas, Laboratório de Pesquisa e Pós Graduação em
Farmacologia, UFMA, São Luís, MA, Brasil. 2. Departamento de Farmácia, Laboratório de
Farmacognosia I, UFMA, São Luís, MA, Brasil
[email protected]
Introdução
Própolis é um material resinoso elaborado pelas abelhas, a partir de várias fontes vegetais. Possui composição química
complexa e variada, estando relacionado à ecologia da flora de cada região visitada pelas abelhas e com o período
de coleta da resina. À própolis são conferidas propriedades terapêuticas como antiviral, antibacteriana e antioxidante. Destacam-se ainda pelas atividades anti-inflamatória, analgésica e cicatrizante. Melipona fasciculata Smith
(tiúba) utiliza barro ou terra na produção de sua própolis, denominando de geoprópolis. Em virtude do potencial
apícola e meliponícula do Estado do Maranhão, mais especificamente na baixada maranhense, faz-se necessário uma
avaliação dos aspectos químicos e biológicos do geoprópolis para garantir sua qualidade, eficácia e segurança para
validação do mesmo para a população maranhense. Tendo em vista, este trabalho objetivou avaliar a atividade anti-inflamatória, antinociceptiva e cicatrizante do extrato hidroalcoólico do geoprópolis de Melipona fasciculata Smith
(tiúba) de município da baixada maranhense.
Métodos
A coleta da amostra de geoprópolis de Melipona fasciculata Smith (tiúba) foi realizada em município da região da
baixada maranhense. Em seguida, foi obtido um extrato hidroalcoólico do geoprópolis usando técnica de maceração em etanol a 70%. O estudo da atividade antinociceptiva periférica do geoprópolis foi feito utilizado o modelo
experimental de contorções abdominais em camundongos. Estes foram tratados, por via oral, com o extrato de
geoprópolis (0,25 g/Kg; 0,5 g/Kg; 1,0 g/Kg), indometacina (0,01g/Kg) ou com salina em etanol 40% (0,1mL/10g). Para
demonstrar a atividade anti-inflamatória realizou-se o modelo de peritonite induzida por carragenina 1%, em camundongos, que foram tratados com salina 0,9%, extrato de geoprópolis (0,5g/Kg) ou dexametasona (0,001g/Kg, via
intraperitoneal). No teste de cicatrização em lesões cutâneas, os animais foram submetidos à anestesia com solução
de cloridrato de xilazina/quetamina (60mg/Kg; 7,5mg/Kg). A incisão, de diâmetro padronizado, foi realizada na região
dorsal, onde se administrou topicamente o creme de geoprópolis à base de Lanette (5mg/0,1g), durante oito dias.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
176
O extrato hidroalcoólico do geoprópolis, no estudo da atividade antinociceptiva, promoveu redução da dor e já na
menor dose observou-se efeito anti-álgico, reduzindo em 60% as contorções abdominais. Na avaliação da atividade
anti-inflamatória, observou-se redução de 32% na migração leucocitária, não havendo diferença significativa quando
comparado com a dexametasona, sugerindo semelhante efeito inibitório da quimiotaxia. Quanto à sua atividade
cicatrizante, o tratamento com creme à base de geoprópolis acelerou o reparo tecidual desde o segundo dia e a redução da área lesada ocorreu em menor período de tempo quando comparada ao grupo controle, que foi somente
a partir do quinto dia de tratamento. Os resultados sugerem que o extrato de geoprópolis de município da baixada
maranhense apresenta atividades antinociceptiva, anti-inflamatória e cicatrizante.
Apoio Financeiro: BASA, Banco do Nordeste, CNPq e UFMA
AVALIAÇÃO ANTIDEPRESSIVA E ANTICONVULSIVANTE
DE FOLHAS DA ANNONA MURICATA
Andrade T.A. 1; Almeida A.I.M. 1; Kerntorf,M.R. 1,2,3; FELIPE C.F.B²;
Menezes,I.R.A. 1,2,3; Rodrigues,C.K.S.¹; SOUZA, D.O1,2
1
Laboratório de Farmacologia e Química Molecular, Universidade Regional do Cariri,
URCA, Crato, CE, Brasil. 2 Programa de Pós-graduação em Bioprospecção Molecular,
Universidade Regional do Cariri, URCA, Crato, Brasil. 3Departamento de Química Biológica,
Universidade Regional do Cariri, URCA, Crato, CE, Brasil.
[email protected]
Introdução
Annona muricata, mais conhecida por graviola, é uma planta nativa das Antilhas, porém é cultivada em todo o Brasil.
Na região nordeste e, especificamente na região do Cariri, a planta é usada por comunidades locais para o tratamento
do reumatismo, de abscessos e como sedativa. O presente trabalho objetivou avaliar atividades antidepressiva e
anticonvulsivante (neuroprotetora) do extrato hidroalcoolico de Annona muricata (EHAM).
Métodos
Foram utilizados camundongos fêmeas, com peso médio de 25 g, os quais foram submetidos aos seguintes testes
comportamentais: nado forçado (NF) e teste das convulsões induzidas por pentilenotetrazol (PTZ 80 mg/kg, i.p.).
Para o NF, os animais foram divididos em cinco grupos com nove camundongos em cada. Os grupos foram tratados
respectivamente com solução salina, imipramina 30 mg/kg i.p. e EHAM (25, 50 e 100 mg/kg, i.p.). Após 30 minutos os
animais foram colocados um por vez em cilindros de 14 cm de diâmetro e 18 cm de altura, contendo 1,5 L de água
fresca a 23 ± 1ºC, onde se observou e cronometrou o tempo de imobilidade de cada animal durante 5 minutos. O
animal foi considerado imóvel quando estiver flutuando ou fazendo movimentos suaves. Para o teste das convulsões
induzidas por PTZ, os animais foram pré-tratados, respectivamente com solução salina, imiprmina 30 mg/kg i.p. e
EHAFAM (25, 50 e 100 mg/kg, i.p.). Trinta minutos após, cada animal recebeu uma injeção intraperitoneal de PTZ e,
analisados quanto à latência da primeira convulsão e o temo de morte (ambos em segundos).
No teste das convulsões induzidas por PTZ, foram observados os seguintes resultados para a latência de primeira
convulsão: controle (79,5 ± 5,4), diazepam 2 (1800 ± 0), EHAM 25 (121,2 ± 20,4), EHAM 50 (124,4 ± 25,2) e EHAM 100
(96,5 ± 7,8); para a latência de morte, foram observados os seguintes resultados: controle (824,8 ± 166,4), diazepam 2
(1800 ± 0), EHAM 25 (1683,8 ± 116,1), EHAM 50 (1292,7 ± 224,1) e EHAM 100 (1721 ± 79). Portanto conclui-se que
estes resultados indicam que, a despeito de o EHAM aumenta a latência de morte dos animais, de forma semelhante
ao diazepam, quando comparados ao grupo controle. No teste do NF, foram observados os seguintes resultados para
o tempo de imobilidade: controle (121,7 ± 8,6), imipramina 30 (20,8 ± 4,3), EHAM 25 (50,5 ± 4,7), EHAM 50 (32,1 ±
5,9) e EHAM 100 (36,3 ± 9,2). Os resultados anteriormente mostrados sugerem que o EHAM, ao reduzir o tempo de
imobilidade dos animais de maneira semelhante à imipramina, parece apresentar um possível efeito antidepressivo
no modelo do nado forçado.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão
177
AVALIAÇÃO CITOPROTETORA DAS FOLHAS DA ANNONA SQUAMOSA L.
Andrade T.A¹; Ramos A.G.B¹; Souza H.H.F.1,2.; Fernandes, C.N. 1,2;
Kerntopf, M.R.1,2,3; Martins, J.G.C2,3; Menezes, I.R.A. 1,2,3
1
Laboratório de Farmacologia e Química Molecular, Universidade Regional do Cariri,
URCA, Crato, CE, Brasil. 2 Programa de Pós-graduação em Bioprospecção Molecular, Universidade Regional do Cariri, URCA, Crato, Brasil. 3Departamento de Química Biológica,
Universidade Regional do Cariri, URCA, Crato, CE, Brasil.
[email protected]
Introdução
A espécie Annona squamosa L. pertence à família Annonaceae e é popularmente conhecida como pinha, ata ou
fruta-do-conde. No Brasil ocorrem 33 gêneros e cerca de 250 espécies. A Annona squamosa é bastante cultivada no
nordeste brasileiro por seu valor econômico, seu fruto é consumido “in natura”. Suas folhas são utilizadas na medicina popular como inseticidas, antiespasmódica, no tratamento de reumatismo, analgésico e antiinflamatório. Nesse
contexto o presente estudo objetivou avaliar a atividade citoprotetora das folhas da Annona squamosa.
Métodos
As folhas da Annona squamosa foram coletadas na cidade do Crato/CE, Brasil. Para realização dos ensaios foram
utilizados três modelos de lesão gátrica: etanol abs; etanol HCL e indometacina. Os animais permaneceram em jejum
de sólido por 18 horas. Os grupos (n=6) foram divididos e tratados com veículo (solução salina a 0,9%, 0,1mL/10g,
v.o), ou extrato etanólico das folhas de Annona squamosa (EEFAS) nas concentrações de 100 e 300mg/kg (v.o), ou
omeprazol (30mg/kg, v.o), 1h antes da administração do etanol abs (0,2mL/animal, v.o), ou 1h antes da administração
do etanol HCL (0,2mL de uma solução 0,3M de HCl em etanol 60%). No modelo de indometacina (10mg/kg, v.o) os
animais recebem um pré-tratamento (1h antes da indometacina) e pós-tratamento (3h após a indometacina). Após
30min, 1h e 3h respectivamente os animais foram anestesiados e sacrificados. Seus estômagos foram escaneados e
analisados no image j. As análises foram realizadas a partir do software GraphPad Prism versão 5.0.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
178
Nos modelos de lesão gástrica induzida por etanol abs, etanol HCL e indometacina, os grupos tratados com veículo
apresentaram lesões hemorrágicas na mucosa gástrica com índices de 25,75 ± 3,14; 24,06 ± 2,52 e 12,50 ± 2,38 respectivamente. O grupo tratado com omeprazol nos modelos de etanol abs, etanol HCL e indometacina exibiram
uma proteção de 84,11%, 75,81% e 83,13% respectivamente. Os grupos tratados com EEFAS na dose de 100mg/Kg
nos respectivos modelos exibiram efeito protetor de 84,32%, 52,86% e 64,51%. Já os grupos tratados com EEFAS na
dose de 300mg/Kg nos respectivos modelos apresentaram inibição de 89,55%, 63,21% e 74,52%. Todos os modelos
foram analisados em relação ao veículo. O EEFAS apresentou um efeito citoprotetor significativo nos modelos de
lesão gástrica realizados. No entanto se faz necessário outros ensaios para a elucidação dos prováveis mecanismos de
ação relacionados à gastroproteção.
DIMINUIÇÃO DA SECREÇÃO HEPÁTICA DE TRIGLICERÍDEOS EM
RATOS MSG  OBESOS: POSSÍVEL MECANISMO DA AÇÃO
HIPOLIPEMIANTE DO EXTRATO HIDROALCOÓLICO
DAS FOLHAS DE SYZYGIUM CUMINI
França, L.M.1; Freitas, L.N.C.1; Noleto, D.A.1; Chagas, V. T.1; Castro, A. S.1; Debbas, V.2; Laurindo,
F.R.M.2; Borges, M. O. R.1; Borges, A.C.R.1; Paes, A.M.A.1
1
Departamento de Ciências Fisiológicas (DCF) - UFMA, São Luís - MA
2
Instituto do Coração (InCor) - Faculdade de Medicina - USP, São Pulo - SP
[email protected]
Introdução
Syzygium cumini (L.) Skeels (Mytraceae) é uma espécie vegetal conhecida pela população como jambolão ou jamelão, sendo utilizada para o tratamento do diabetes, inflamações e dislipidemias. As ações hipoglicemiante e antimicrobiana de diferentes partes da planta já está bem documentada, porém poucos estudos tem avaliado os mecanismos do efeito hipolipemiante, especialmente em animais obesos. Neste trabalho, buscamos avaliar o efeito do
tratamento com o extrato hidroalcoólico (EH) das folhas de S. cumini sobre o perfil lipídico sérico e expressão de
proteínas hepáticas de ratos com obesidade induzida pelo L-glutamato monosódico (MSG).
Método
Filhotes machos de ratos Wistar receberam MSG (4 g/kg, s.c; MSG) do 2º ao 6º dia de vida ou salina equiosmolar
(0,1ml/10g, s.c; Magro). Aos 60 dias de idade, os animais MSG-obesos foram tratados (v.o) com o EH nas doses de 0,5
e 1,0 g.kg-1.dia-1 ou veículo (0,1 ml/100g), por 8 semanas. Os ratos magros também receberam veículo pelo mesmo
período. Cada grupo com 7 animais. Ao final do tratamento, amostras de sangue foram coletadas, em jejum, para
determinação da glicemia e perfil lipídico sérico. Os fígados também foram retirados para verificação, por Western
blotting, da expressão das seguintes proteínas hepáticas: MTP (proteína microssomal de transferência de triglicerídeos), PDI (proteína dissulfeto isomerase) e chaperonas KDEL (GRP94, GRP78 e calreticulina).
O tratamento com EH reduziu a glicemia de jejum dos animais obesos tratados (MSG/EH 0,5: 100,4 ± 7,6 mg/dL e
MSG/EH 1,0: 78,0 ± 6,8 mg/dL) em relação aos não tratados (MSG/CTR: 137,7 ± 2,5 mg/dL), p < 0,001. Não obstante,
promoveu efeito hipolipemiante tanto sobre as concentrações séricas de colesterol total (MSG/EH 0,5: 53,2 ± 2,2
mg/dL e MSG/EH 1,0: 52,8 ± 1,5 mg/dL), quanto sobre as de triglicerídeos (MSG/EH 0,5: 70,7 ± 9,2 mg/dL e MSG/EH
1,0: 65,5 ± 8,5 mg/dL), em comparação aos ratos MSG/CTR (colesterol total: 74,8 ± 5,6 mg/dL; triglicerídeos: 131,0 ±
2,8 mg/dL), p < 0,05. Os níveis de colesterol-VLDL também foram reduzidos (MSG/EH 0,5: 12,6 ± 2,2 mg/dL e MSG/
EH 1,0: 14,5 ± 2,0 mg/dL vs. MSG/CTR: 23,3 ± 1,5 mg/dL). Entretanto, não houve diferença dos níveis plasmáticos
do colesterol-LDL e colesterol-HDL entre todos os grupos. O tratamento com EH diminuiu a expressão hepática de
MTP em 33 e 40% nos animais MSG/0,5 e MSG/1,0, respectivamente. Quando avaliadas a expressão de proteínas
relacionadas ao estresse do retículo endoplasmático, observou-se que a GRP94 estava aumentada nos ratos MGS-obesos, condição que foi revertida com o tratamento com EH nas duas doses utilizadas. Sendo assim, nossos dados
são sugestivos que o efeito hipolipemiante do EH das folhas de Syzygium cumini pode estar relacionado à diminuição
da expressão da MTP e à redução do estresse celular hepático evidenciado nos animais MSG - obesos.
Apoio Financeiro: FAPEMA, CNPq, CAPES e UFMA
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão
179
AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA ATIVIDADE ANTIULCEROGÊNICA
DO GEOPRÓPOLIS DE MELIPONA FASCICULATA SMITH
SOUSA A.K.A.¹*, PESSOA D. L. R¹., CARTAGENES M.S.S¹.,
RIBEIRO M.N.S²., , MELO D.N.S¹., BARROSO W.A¹, BORGES M.O.R¹.
¹Laboratório de Pesquisa e Pós-Graduação em Farmacologia ,Departamento de Ciências Fisiológicas,
Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luis ,Maranhão, Brasil.
²Departamento de Farmácia, Laboratório de Farmacognosia, UFMA, São Luis, Maranhão, Brasil.
[email protected]
Introdução:
Melipona fasciculata Smith é uma abelha nativa do Estado do Maranhão, social e sem ferrão que produz cera, mel e
geoprópolis. Estudos sobre a composição química do geopropólis brasileiro revelaram presença de mais de cinqüenta
compostos, principalmente fenólicos e triterpênicos. O geopropólis maranhense é rico em substâncias químicas das
classes dos compostos fenólicos e dos triterpenos. Gomes et al. (2003) demonstraram as atividades antiinflamatória
e analgésica do extrato hidroalcoólico de geopropólis Melipona fasciculata Smith (tiúba) . O efeito terapêutico do
geopropólis tem sido atribuído aos diversos compostos polifenólicos que a compõem, dentre eles destaca-se o alto
teor de flavonóides.
Métodos:
A avaliação da atividade antiulcerogênica do extrato liofilizado de geopropólis (ELG) foi realizada através de lesão
gástrica induzida por etanol 75% , onde camundongos machos com peso médio de 30g em jejum de 18hrs foram
divididos em 5 grupos de 6 animais cada,onde foram administrados por via oral omeprazol 20mg/Kg controle
positivo, salina (0,1 mL/100g)controle negativo, extrato liofilizado de geopropólis 25, 50 e 100mg/Kg. Após uma
hora de tratamento os animais receberam v.o etanol75%(0,25ml/100g). Passados sessenta minutos realizou-se o
sacrifício dos animais para retirada dos estômagos e análise macroscópica das lesões. Análise estatística: ANOVA,
seguida pelo teste Newman-Keuls, com significância de 95%.
Resultados:
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
O ELG apresentou efeito dose-dependente, no qual as doses de 50 e 100mg/Kg reduziram, respectivamente, 38,46% e
84,62%, o número de lesões em relação ao grupo que recebeu apenas solução salina. A dose de 25mg não apresentou
efeito significante. Os animais apresentaram número de úlcera na média e 4,286(± 0,7143) e 1.00(± 0,378) nas doses
de 50 e 100mg respectivamente, os quais correspondem a 61,53% e 15,38% dos valores grupo controle. O efeito
gastroprotetor apresentado pelo extrato de geopropólis nas lesões provocadas por etanol pode ser devido ao alto
teor de flavonóides apresentado pelo extrato, visto que esses compostos apresentam ação antioxidante, um aumento
dos mecanismos de defesa da mucosa gástrica também deve ser considerado.
180
Apoio Finaceiro:UFMA, FAPEMA.
GASTROPROTECTIVE ACTIVITY OF THE   BORNEOL
IN ACUTE GASTRIC LESIONS MODELS
Silva, E.R.S. 1, Silva, F.V. 1, Diniz, J.A. 1, Machado, F.D.F. 1, Cavalcanti, S.C.H. 2,
Quintans-Júnior, L.J. 2, Santos, M.R.V. 2, Oliveira, R.C.M 1.
1
Medicinal Plants Research Center-NPPM, Federal University of Piaui, UFPI, Teresina, PI, Brazil.
2
Department of Physiology, Federal University of Sergipe, UFS, Aracaju, SE, Brazil.
[email protected]
Introduction
In folk medicine plants containing borneol is traditionally used to relieve symptoms of anxiety, fatigue and insomnia.
The borneol is used to improve analgesia and anesthesia for the treatment of abdominal pain, particularly pain in the
stomach, for application on wounds, burns and to treat encephalopathy. Based on data presented in the literature
and in various pharmacological studies of borneol, this study evaluated the gastroprotective activity of the monoterpene - (-) borneol in acute gastric lesions models induced by absolute ethanol, acidified ethanol in mice and ischemia
and reperfusion in rats.
Methods
Swiss albino mice (25-30 g, n = 6), both males and females, fasting for 18 solid hours (CEEA/UFPI 53/10), were treated
orally with vehicle (NaCl 0,9%), borneol (12.5, 25 and 50 mg/kg) and carbenoxolone (100 mg / kg). 60 minutes after
received 0.2 ml of absolute ethanol or acidified ethanol (0.3 M HCl in ethanol 60%) orally. 30 minutes after induction
of gastric lesions (absolute ethanol) and 60 minutes (acidified ethanol), animals were euthanized and the stomachs
removed and the lesion area. In the model of ischemia and reperfusion, Wistar rats (200-220 g, n = 6), both sexes
and fasting for solids for 18 h were treated orally with vehicle (NaCl 0,9%), borneol (25, 50 and 100 mg / kg) and Nacetylcysteine (NAC, 200 mg/kg). 30 minutes later they were anesthetized with sodium thiopental (25 mg/kg, i.p),
the celiac artery was clamped for 30 minutes using a “clamp” microvascular. Exactly after 30 minutes of ischemia, the
“clamp” was removed to allow reperfusion of the gastric mucosa for 60 minutes. The animals were euthanized, stomachs removed and opened along the greater curvature, the gastric glandular lesion area determined by planimetry
(mm²) and were expressed as a percentage. Values p<0.05 were considered significant.
The monoterpene - (-) borneol was able to reduce gastric lesions by absolute ethanol and acidified ethanol showed
gastroprotective activity achieving significance at doses of 25 (2.71±0.33*) and 50 mg/kg (1.93 ± 0.65*), in relation to
control (9.72 ± 0.69) and at doses of 25 (0.68 ± 0.20*) and 50 mg/kg (0.76 ± 0.12*), compared to control (8.70± 1.45);
carbenoxolone were effective in two models (1.28±0.36* and 0.60±0.14*, respectively), in relation to control. In the
model of ischemia/reperfusion borneol reduced the area of the lesions, resulting in significance at doses of 25 mg/kg
(2.68 ± 0.80*), 50 mg/kg (1.63±015*) and 100 mg/kg (3.65 ± 9.1*) compared to control (8.64 ± 1.51) and NAC (0.91
± 0.27 *). The monoterpene - (-) borneol showed gastroprotective activity, as suggested in models of ulcers ethanol,
acidified ethanol and ischemia/reperfusion, suggesting a profile antiulcerogenic. However, new protocols are needed
to investigate the possible mechanisms involved in the activity shown.
Financial Support: UFPI/UFS/CAPES
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
181
EFEITO ANTIEDEMATOGÊNICO DO αFELANDRENO EM MODELOS ANIMAIS
Silva, E.R.S. 1, Siqueira, H.D.S.1, Sousa-Neto, B.P.1, Silva, F.V.1,
Sousa, D.P.2, Oliveira, R.C.M.1, Oliveira, F.A.1
1
Núcleo de Pesquisa em Plantas Medicinais (NPPM), Centro de Ciências da Saúde (CCS),
Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, PI, Brasil.
2
Departamento de Fisiologia, Universidade Federal de Sergipe (UFSE),
São Cristóvão, Sergipe, Brasil.
[email protected]
Introdução
Os óleos essenciais são misturas voláteis, naturais e complexas caracterizados pelo odor pungente e produzidos por
plantas aromáticas. Muitos óleos essenciais possuem propriedades farmacológicas como analgésica, espasmolitica
e anti-inflamatória. O α-felandreno é um monoterpeno que está presente na composição de óleos essenciais de
espécies como o Foeniculum vulgare Mill e a Pimenta dioica L., utilizadas na medicina popular como anti-inflamatório.
O objetivo deste estudo foi investigar a atividade anti-edematogênica do α-felandreno nos modelos de edema de
pata (EP) induzido por carragenina em ratos e histamina em camundongos e edema de orelha (EO) induzido por
óleo de cróton em camundongos.
Métodos
Camundongos Swiss (25-30 g) e ratos Wistar (180-220 g), de ambos os sexos (n=7/grupo). No EP por carragenina
(CAR), os animais foram tratados v.o. com veículo, α-felandreno (50, 100 e 200 mg/kg) ou indometacina (10 mg/kg)
60 min antes da administração intraplantar (i.pl.) de CAR (1%; 0,1 mL). Os volumes das patas foram medidos por
paquímetro (mm) antes (t0) e após a aplicação de carragenina (1, 2, 3, 4, 5 e 6h). No EP por histamina os animais
foram pré-tratados v.o. com veículo, α-felandreno (50, 100 e 200 mg/kg) ou ciproheptadina (10 mg/kg). 1 h após,
receberam histamina (0,05 mL/i.pl.). Decorrido 1h, as patas foram retiradas e pesadas (mg). No EO os animais foram
tratados topicamente (20 µL) com veículo, α-felandreno (0,1; 0,2 e 0,4 mg/orelha) ou dexametasona (0,2 mg/orelha).
1h após, o EO foi induzido pela administração tópica de óleo de cróton (20 µL em acetona). Decorridos 4h as orelhas
foram cortadas (6 mm) e pesadas (mg).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultado e discussão/conclusão
182
Carragenina promoveu intenso edema com efeito máximo na 3ª h (4,77 ± 0,17) de seu desenvolvimento, mantendose elevado por até 6 h. O pré-tratamento dos animais com α-felandreno (100 e 200 mg/kg) inibiu significativamente
(p<0,05) o edema elicitado por carragenina nos tempos de 1 (27,3 e 31,5%), 2 (23,3 e 31%), 3 (13,2 e 18,7%), 4 (18 e
24,2%), 5 (20 e 30%) e 6 h (23,1 e 32%), respectivamente. Da mesma forma, indometacina (10 mg/kg), foi capaz de
reduzir o edema em todos os tempos observados 1 (60,7%), 2 (56,4%), 3 (46,5%), 4 (47,2%), 5 (31,6%) e 6 h (41,2%).
A dose de 50 mg/kg não mostrou inibição significativa. No modelo de EP por histamina, o α-felandreno (50 e 100
mg/kg) e a ciproheptadina (10 mg/kg) reduziram (p<0,001) o edema induzido por histamina (23,5; 23,1 e 63,8%,
respectivamente). No EO por óleo de cróton, α-felandreno (0,2 e 0,4 mg/orelha) inibiu (p<0,001) o edema por óleo
de cróton (57,4 e 62,4%, respectivamente). A dexametasona (0,2 mg/orelha) também reduziu o edema (81,3%). Esses
resultados sugerem ação antiedematogênica do α-felandreno, e dão suporte para o desenvolvimento de estudos
adicionais visando elucidar seu mecanismo de ação.
Apoio Financeiro: UFPI/CAPES
PARTICIPATION OF POTASSIUM CHANNELSATP SENSITIVE KATP IN
GASTROPROTECTIVE ACTIVITY OF ETHANOL EXTRACT OF
NEOGLAZIOVIA VARIEGATA MEZ. BROMELIACEAE
Melo-Júnior F.B.1, Machado F.D.F.1, Silva F.V.1, Lima J.T.2, Almeida J.R.G.S.2,
Oliveira F.A.1, Oliveira R.C.M.1
1
Medicinal Plants Research Center, NPPM, Federal University of Piaui, UFPI, Teresina, PI,
Brazil. [email protected]
2
University of San Francisco Valley, UNIVASF, Collegiate of
Pharmaceutical Sciences, Petrolina, PE, Brazil.
[email protected]
Introduction
Previous studies have shown that ethanol extract of Neoglaziovia variegata Mez (Bromeliaceae) (NV-EtOH), known
popularly as “caroá”, found semi-arid northeastern Brazil, presents antiulcerogenic activity in animal models of
ulcer induced by ethanol, acidified ethanol, ischemia and ibuprofen doses of 100, 200 and 400 mg/kg. The extract
also increased levels GSH and Catalase, suggesting antioxidant activity. Based on such data, and using the dose
that showed a better response this study aims to evaluate the participation of potassium channels-ATP sensitive (KATP)
in gastroprotective activity of NV-EtOH.
Methods
Swiss albino mice (25-30 g, n = 10), male and female, fasting 18 h, were treated intraperitoneally with vehicle (0.9 %
saline/10mL/kg) or glibenclamide (5 mg/kg) an inhibitor of KATP. After 30 min treatment, the animals received NVEtOH (400 mg/kg p.o), vehicle (0.9 % saline/10mL/kg p.o) or diazoxide (3 mg/kg, i.p), KATP activator. 1 h after treatment
with NV-EtOH or vehicle and 30 min later administration of diazoxide each animal was given orally 0.2 ml of ethanolabs.
They were euthanized 30 min later, the stomachs removed and opened by the greater curvature and area of injury
measured by planimetery (mm2). All animal experiments protocols were approved by Ethics Committee on Animal
Experiments of the Federal University of Piauí (Protocol CEEA Nº 076/10). The significance level was evaluated for
values of *p < 0.05.
Results and discussion/clonclusions
The results shown that NV-EtOH reduced significantly gastric lesions induced by ethanol in mice. The Glibenclamide
inhibited the protection gastric mucosa presented by NV-EtOH (1.0 ± 0.124*) to (12.967 ± 2.391) suggesting the
participation of KATP in gastroprotective activity evidenced.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Financial Support: UFPI / CAPES/FACEPE/CNPq
183
ATIVIDADE CICATRIZANTE DO CAJU ANACARDIUM OCCIDENTALE L.
Mota, E.F.1, Vasconcelos, M.S.2, Gomes, N. F.3, Oliveira M. L. M.4,
Nunes-Pinheiro, D. C. S.4, Melo, D. F.3
1
Departamento de Biologia. Universidade Federal do Ceará.
2
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará.
3
Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular. Universidade Federal do Ceará.
4 Departamento de Ciências Veterinárias. Universidade Estadual do Ceará.
[email protected]
Introdução
O cajueiro (Anacardium occidentale L.) é uma planta da região tropical que se destaca no contexto sócio-econômico
nordestino. Seu pseudofruto, o caju, tem grande potencial nutricional e algumas propriedades terapêuticas já
relatadas, o que despertou o nosso interesse em avaliar o efeito da suplementação com suco de caju em processos de
cicatrização. Esses processos são caracterizados por uma sequência de eventos biológicos, dinâmicos e complexos,
que visam promover o reparo da lesão. A suplementação de nutrientes na cicatrização de feridas é de extrema
importância e uma área de grande relevância clínica. O objetivo do presente estudo foi avaliar o efeito dos sucos de
caju verde e maduro sobre a cicatrização de feridas cutâneas em camundongos.
Metodologia
Foram utilizados camundongos Swiss machos (27-30 g), divididos em quatro grupos (n= 10): Grupo H2O - animais
que receberam por via i.g. 200 µL de água; Grupo REF - animais que receberam por via i.g. 200 µL da suplementação
de referência para cicatrização (Decubital ®). Grupo SCM- animais alimentados por via i.g. com 200 µL de suco de
caju maduro; Grupo SCV- animais alimentados por via i.g. com 200 µL de suco de caju verde. O tratamento foi feito
durante 14 dias consecutivos antes da indução da ferida e 21 dias consecutivos após a cirurgia. As lesões cutâneas
foram submetidas a avaliações clínicas através de análises morfométricas e macroscópicas nos dias 0, 3, 7, 14 e 21
do pós-operatório. A área não-cicatrizada foi mensurada em mm2 e contração das feridas em percentagem. Os
resultados foram expressos como média ± erro padrão. Foi aplicada a análise de variância, seguida pelo teste de
Tukey e as diferenças consideradas significativas com um nível de confiança de 95% (p < 0,05).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussões/ Conclusão
184
Observou-se no 14º dia de análise, uma redução significativa da área não cicatrizadas das feridas nos grupos REF
(12,38 ± 2,75 mm2) e SCV (13,60 ± 1,83 mm2), enquanto para o grupo H2O a área não cicatrizada era 4 vezes maior
(45,68 ± 3,87 mm2). O grupo SCM (44,10 ± 10,69 mm2) não diferiu do grupo H2O. O percentual de contração dos
grupos REF e SCV foram semelhantes (85,01% e 86,31%, respectivamente) e superiores ao do grupo H2O (55,78%;
p<0,05) e SCM (67,54%; p<0,05). Após 21 dias houve praticamente resolução da ferida nos grupos REF e SCV. A
suplementação com suco de caju verde teve efeito semelhante ao composto de referência utilizado, o que pode
estar associado aos compostos fenólicos, destacando-se os taninos hidrolisáveis, presentes no suco de caju verde.
Dentre os sucos de caju testados, o suco de caju imaturo mostrou-se o mais eficaz em antecipar a cicatrização de
feridas cutâneas.
Suporte Financeiro: CNPq, CAPES e FUNCAP.
ANTIULCEROGENIC ACTIVITY OF ETHANOL EXTRACT OF THE BARK
FROM TERMINALIA CATAPPA IN GASTRIC ULCER MODEL
INDUCED BY ETHANOL IN RATTUS NORVEGICUS
Nunes, A.F.1*; Viana, V.S.L. 1; BritoJúnior, E.C. 1; Rabelo, R.S. 1;
NunesFilho, D.M. 1; Maia, E.P.2; Nunes, P.H.M 2,3, Martins, M.C.C.2
1
Medical student of Federal University of Piauí (UFPI), Teresina-PI, Brazil
2
Department of Biophysics and Physiology, UFPI, Teresina-PI, Brazil
3
Medicinal Plants Research Center, UFPI, Teresina-PI, Brazil
[email protected]
Introduction
Currently medicinal plants are the most attractive sources for new drugs available as therapeutic agents. Terminalia
pallida Brandis. and Terminalia fagifolia Mart. exhibited antiulcerogenic activity (AUA), indicating that this genus
probably has others species with the same potential. Terminalia catappa L. (Combretaceae), commonly known as
castanhola, has antioxidant and hepatoprotective effects, but there is no reference regarding its possible AUA. Thus,
the aim of this study was to evaluate the AUA of ethanol extract (EETC) of T. catappa L. in Rattus norvegicus.
Methods
The project was approved by the Ethics Committee for Animal Experimentation (CEEA) of UFPI (042/09). Males
and females R. norvegicus (n = 6-10 animals per group) weighting 250-320 g, fasted for solids for 24 hours, received
orally 5 mL/kg of water (control group), EETC (250 and 500 mg/kg) or carbenoxolone 100 mg/kg one hour before
absolute ethanol (1 mL/animal, orally). Thirty minutes after administration of the ulcerogenic agent, the animals were
euthanized with an intraperitoneum overdose of sodium thiopental (100 mg/kg). After laparotomy, the stomachs
were removed and opened by lesser curvature. The contours of the body of the stomach and areas of ulcerative lesion
(ALU) were drawn on transparent sheets, and the ALU’s were calculated as percentage of body area of the stomach,
using the software ImageJ. The values were analyzed by ANOVA followed by post-test Tukey. The significance level
was set at 5% (p <0.05).
Results and discussion/conclusions
Financial Support: UFPI
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The reduction of the ALU (Mean ± SEM) found in animals treated with carbenoxolone 100 mg/kg (4.0 ± 0.98, p
<0.001) and EETC at doses of 250 mg/kg (2.5 ± 0.82, p <0.001) and 500 mg/kg (0.07 ± 0.03, p <0.001) were statistically
significant compared the control (17.1 ± 2.06). Moreover, the gastroprotection induce by EETC at a dose of 500 mg/
kg (99.9%) was higher than that of carbenoxolone in doses of 100 mg/kg (76.6%). Therefore, this results showed the
probable existence of active(s) principal(s) in EETC with AUA related to preservation of the mucus layer or on the
control of gastric blood flow, known to be altered by ethanol.
185
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIDIARRÉICA DO EXTRATO ETANÓLICO
DAS FOLHAS DA VITEX AGNUS CASTUS SOBRE O TRÂNSITO
INTESTINAL E A DIARRÉIA INDUZIDA POR ÓLEO
DE RÍCINO EM CAMUNDONGOS
1
Galvão S.M.P.1, Dantas R. L. 1, Almeida N.B. 1, Cavalcanti, P.M.S2
Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual do Piauí, UESPI, Teresina, PI, Brasil
2
Departamento de Bioquímica e Farmacologia, Universidade
Federal do Piauí, UFPI,Teresina, PI, Brasil
[email protected]
Introdução
A Vitex agnus-castus L. (Verbenaceae) é uma planta conhecida como pau-de-Angola e é utilizada contra reumatismo,
diarréia, gastralgia e disfunção da função sexual masculina e feminina e também, como tônico e afrodisíaco no
Estado do Piauí. Em experimentos anteriores, observamos que o extrato hidroetanólico da V. agnus castus (EHEVAC)
apresentou efeito estimulante geral em camundongos (ALVES e cols, SBFTE 2004), reduziu o grau de tremor induzido
pela oxotremorina, apresentou atividade antioxidante “in vitro”, reduziu a duração do ciclo estral e do número de ciclo
em ratas tratadas com EHEVAC, indicando possível atividade estrogênica (SOUSA e cols, SBFTE 2008). Considerando
as ações farmacológicas demonstradas da Vitex agnus castus, neste estudo investigamos o efeito antidiarréico do
extrato etanólico das folhas da Vitex agnus castus L. (EEVAC) sobre dois modelos experimentais: trânsito intestinal e
diarréia induzida pelo óleo de rícino.
Métodos
Quatro grupos de dez camundongos cada (12 h de jejum) receberem água ou solução do EEVAC 200, 400 e 800 mg/
kg, por via oral (vo) e após 30 min. administrou-se carvão ativado (10%, 0,1 mL/10g, vo). Após 1 h do tratamento
inicial esses animais foram sacrificados, removido o intestino delgado e determinado à distância percorrida pelo
carvão do piloro à última porção do intestino que continha pelo menos um centímetro contínuo de carvão. Quatro
grupos de animais receberam água (G1) ou óleo de Rícino 0,1mL (G2 a G4), vo e após 30 min. receberam água
(G1, G2), solução do EEVAC 800 mg/kg (G3), Loperamida 3mg/Kg (G4). Em seguida, os animais foram separados
em gaiolas de arame com papel branco em baixo para quantificar a excreção de fezes sólidas e líquidas por 4h,
sendo número total comparadas com o grupo controle. O número total de fezes diarréicas do grupo controle foi
considerado como 100%. Os resultados serão expressos em porcentagem de inibição.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
186
O tratamento com o EEVAC nas doses de 200 e 400 mg/kg reduziu significantemente o trânsito intestinal em
camundongos (59,4±12,1; 43,4±16,9), respectivamente em relação ao grupo controle (74,1±9,8) e no entanto, não foi
observado alteração do trânsito intestinal em animais tratados com o EEVAC na dose de 800 mg/kg (64,9±10,5) em
relação ao grupo controle. O tratamento com o EEVAC na dose de 400 mg/kg reduziu significantemente a diarréia
induzida pelo óleo de rícino (48,8%) em relação ao grupo controle (100%), mas a dose de 800 mg/kg do EEVAC não
inibiu a diarréia induzida pelo óleo de rícino (86,8%) em relação ao grupo controle (100%). Esses estudos demonstram
que o EEVAC apresenta ação sobre a motilidade intestinal entre as doses de 200 e 400 mg/kg, possibilitando o uso
deste extrato no tratamento de estados diarréicos.
Suporte Financeiro: UESPI, CNPq
EFEITO CARDIOVASCULAR DE ZANTHOXYLUM RHOIFOLIUM
LAM RUTACEAE EM RATOS
Ferreira Filho E.S.1,*, Oliveira N.N.P.M.1, Silva Filho J.C.1, Sabino C.K.B.1, Paulino E.T.2, Ribeiro
E.A.N.2, Arcanjo D.D.R1., Chaves M.H.3, Oliveira R.C.M.1, Oliveira A.P.1,4
1
Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais, Centro de Ciências da Saúde, UFPI, PI, Brasil.
2
Universidade Federal de Alagoas, UFAL, AL, Brasil. 3Departamento de Química, Centro de
Ciências da Natureza, UFPI, PI, Brasil. 4Campus Amílcar Ferreira Sobral, UFPI, PI, Brasil.
[email protected]
Introdução
Zanthoxylum rhoifolium Lam. (Rutaceae), é popularmente conhecida como “mamica de porca” e utilizada como antiinflamatória, antimicrobiana, anticancerígena e antimalárica. Algumas espécies do gênero Zanthoxylum são bastante
utilizadas pela população como hipotensoras. A espécie Z. rhoifolium apresenta alcalóides benzofenantridínicos,
aos quais são atribuídas diversas atividades farmacológicas, inclusive sobre o sistema cardiovascular. O objetivo deste
trabalho é caracterizar o efeito do extrato etanólico da casca do caule de Zanthoxylum rhoifolium (EEtOH-ZR) sobre
o sistema cardiovascular de ratos normotensos.
Em todos os protocolos, foram utilizados ratos (Rattus norvegicus), machos, pesando 275 ± 25 g (CEEA-UFPI
Protocolo 029/09). Sob anestesia com tiopental sódico (45 mg/kg i.p.), os ratos foram submetidos a procedimento
cirúrgico para implantação de cateteres de polietileno (4-5 cm) na veia cava e aorta abdominal via veia e artéria
femoral esquerdas. Os registros de Pressão Arterial (PA) e Frequência Cardíaca (FC) foram obtidos 24hs após o
procedimento cirúrgico através de transdutores de pressão TIM-40 acoplado a sistema de aquisição de dados (AVS
Projetos-SP). Após 60 minutos de estabilização dos parâmetros hemodinâmicos dos animais, administraram-se doses
de EEtOH-ZR (1, 5 e 10 mg/kg i.v.) de maneira randômica. Para os estudos in vitro, utilizaram-se anéis (1-3mm) de
artéria mesentérica superior. Os anéis foram colocados em solução de Tyrode a 37ºC, pH 7,4, aerados com mistura
carbogênica (95% O2 + 5% CO2), suspensos por linhas de algodão e fixados a transdutores de força acoplados a um
sistema de aquisição (AQCAD/AVS) sob tensão de 0,75 gf/1h. Considerou-se sem endotélio funcional (E-) anéis com
relaxamentos inferiores a 10% após a adição de acetilcolina (10 µM) sobre pré-contração com fenilefrina (10 µM). A
resposta relaxante do extrato foi verificada através da adição cumulativa de fenilefrina (10-9 - 10-5 M) antes e após a
incubação com concentrações isoladas de EEtOH-ZR (27, 81, 243 e 500 µg/mL). Em outra série de experimentos, os
anéis sem endotélio funcional foram pré-contraídos com solução despolarizante (KCl 80 mM) ou com ativador de
canais para cálcio sensíveis a voltagem tipo L (CaVL), S(-)-BayK8644 (10-7 M); na fase tônica das contrações, adicionouse cumulativamente EEtOH-ZR (0,1 - 750 μg/mL). Todos os resultados foram expressos como Média±EPM. Os
valores de CE50 foram obtidos por regressão não linear. Consideraram-se estatisticamente significantes valores de
p<0,05 (Teste t de Student, GraphPad Prism 5.03).
Resultados, discussão e conclusões
A administração do EEtOH-ZR (1, 5 e 10 mg/kg) induziu hipotensão não dependente de dose (15,8±2, 11,3±1 e
20,80±3,90%, respectivamente; n=5) e taquicardia nas doses de 1 e 5 mg (8,5±0,5, 44,1±15,4%, respectivamente)
e acentuada bradicardia na dose de 10 mg (62,7±4,9%). Em anéis de artéria mesentérica, observou-se que
concentrações isoladas de EEtOH-ZR (27, 81, 243 e 500 µg/mL) inibiram de maneira dependente de concentração as
contrações induzidas pela adição cumulativa de fenilefrina, como mostrados nos valores de Emáx: Controle: 100,0±0;
78,5±5***; 60,2±3,2***; 32,5±2,9*** e 10,4±3,0%***, respectivamente (***p<0,001 vs. Controle, n=5). EEtOH-ZR induziu
vasorelaxamento em anéis pré-contraídos com KCl 80 mM (CE50=262,7±6,3 µg/mL, n=8) e em preparações précontraídas com S(-)-Bay K 8644, um ativador de CaVL (CE50=307,7±28,8 µg/mL, n=8). Assim, concluímos que o extrato
etanólico da casca do caule de Z. rhoifolium possui efeito hipotensor e vasorelaxante envolvendo provavelmente a
inibição do influxo de cálcio na célula muscular lisa.
Apoio financeiro: UFPI/FAPEPI/CNPq
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Métodos
187
PARTICIPAÇÃO DOS CANAIS PARA CÁLCIO NO EFEITO VASORELAXANTE
DO MONOTERPENO BORNEOL EM ARTÉRIA
AORTA ISOLADA DE RATOS
1
Oliveira N.N.P.M1, Ferreira Filho E.S.1,*, Silva Filho J.C.1, Arcanjo D.D.R1, Cavalcanti S.C.H.2,
Santos M.R.V.2, Quintans-Júnior J.L.2, Oliveira, A.P.1, Oliveira, R.C.M.1
Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais, Centro de Ciências da Saúde, UFPI, PI, Brasil. 2
Departamento de Fisiologia, UFS, SE, Brasil
[email protected]
Introdução
O monoterpeno (-)-borneol (BOR, endo-(1S)-1,7,7-trimetilbiciclo[2.2.1]heptan-2-ol), presente em óleos essenciais de
diversas plantas medicinais, apresenta propriedades analgésicas, anti-inflamatórias, anti-hipertensivas e antioxidantes.
Estudos preliminares em nosso laboratório evidenciaram atividade vasorelaxante para o BOR dependente de
concentração e independente do endotélio vascular. Para melhor caracterizar este efeito, o presente estudo objetiva
avaliar a participação dos canais para cálcio nos efeitos de BOR sobre o músculo liso vascular, utilizando-se anéis de
artéria aorta isolada de rato.
Métodos
Ratos Wistar (275±25 g), machos, oriundos do Biotério Setorial do NPPM/UFPI, foram eutanasiados (CEEA-UFPI
Protocolo nº 053/10), e a artéria aorta retirada. Os anéis (1-3 mm) foram mantidos em cuba para órgão isolado
com solução de Krebs (pH 7,4; 37ºC), aerados por mistura carbogênica (95% O2 + 5% CO2), suspensos por hastes de
aço inoxidável e linhas de algodão fixadas a um transdutor de força acoplado a um sistema de aquisição (AQCAD/
AVS Projetos) para o registro das tensões isométricas. Após estabilização (60 min, 1,0 gf), verificou-se a ausência do
endotélio por meio do relaxamento após a adição de acetilcolina (1 µM), sobre a pré-contração com fenilefrina (1
µM); para relaxamento inferior a 10%, os anéis foram considerados sem endotélio. Depois disso, eles foram contraídos
com solução despolarizante (KCl 80 mM) e, na fase tônica da contração, foram administradas, de maneira cumulativa,
concentrações crescentes de BOR (10-9 - 10-3 M) para obter curvas concentrações-resposta. Em seguida, foi avaliado o
efeito de BOR frente às contrações induzidas por CaCl2 em meio despolarizante sem cálcio. A participação dos canais
para Ca2+ foi também verificada em preparações contraídas com S(-)-Bay K 8644 (10-7 M), um ativador de CaVL. Os
resultados foram expressos como média±EPM. Utilizou-se teste “t” de Student para avaliar a significância entre as
médias para valores de *p<0,05. Os valores de pD2 - cologaritmo da concentração que promove 50% da resposta
máxima - foram obtidos através de regressões não lineares das curvas traçadas a partir dos valores percentuais das
respostas obtidas nos respectivos testes, utilizando-se o programa estatístico GraphPad Prism 5.03.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados, discussão e conclusões
188
BOR induziu um efeito vasorrelaxante em anéis pré-contraídos com KCl 80 mM (pD2 = 4,46±0,11, n=5), sugerindo
uma possível participação de canais para cálcio. Tal hipótese é reforçada pela vasodilatação promovida sobre o
tônus de contração induzida com S(-)-Bay K 8644, um agonista de CaVL (4,32±0,10, n=5) e pelo fato de que as curvas
concentração-resposta para o CaCl2 foram deslocadas para direita com redução do efeito máximo na presença
de BOR (Emáx(%): 10-5 M: 73,98±7,95*; 3x10-5 M: 65,40±11,00*; 10-4 M: 40,61±9,68*; 3x10-4 M: 13,58±6,53* em relação
ao controle). Assim, é possível concluir que o efeito vasodilatador de BOR em aorta isolada de rato sem endotélio
funcional envolve provavelmente o bloqueio do influxo de cálcio através de canais para cálcio (CaVL) na membrana
plasmática.
Apoio financeiro: UFPI/UFS/CNPq
AVALIAÇÃO DE EFEITO CICATRIZANTE DO ÓLEORESINA DE COPAÍBA
BRANCA COPAIFERA SP. EM FERIDAS CUTÂNEAS EM
Rattus norvegicus.
Portela F.S.O.¹, Oliveira, G.P.1, Almeida, I.R.1, Oliveira, E.B.1, Lima, S.G. 2 Martins, M.C.C.1,
Veras-Silva, A.S.1, Nunes, P.H.M.1, Souza Filho, M.D.3
1
Departamento de Biofísica e Fisiologia, Universidade Federal do Piauí-UFPI, Teresina, Piauí, Brasil.
2
Departamento de Química, UFPI, Teresina, Piauí, Brasil.
3
Campus Ministro Reis Veloso, UFPI, Parnaíba, Piauí, Brasil
[email protected]
Introdução
No Brasil há uma grande quantidade de plantas medicinais utilizada na cicatrização de feridas cutâneas. O óleoresina de copaíba é largamente usado na medicina popular como cicatrizante, anti-inflamatório, antisséptico,
antiulcerogênico e antitumoral. A espécie ora estudada por nosso grupo, popularmente conhecida como copaíba
branca, encontra-se em processo de identificação e caracterização química. Dados preliminares evidenciam que seus
constituintes majoritários são β-bisaboleno, trans-α-bergamoteno e β-selineno. O presente estudo tem por objetivo
avaliar a cicatrização de feridas cutâneas abertas em ratos Wistar tratados com uso tópico do óleo-resina de copaíba
branca (Copaifera sp.).
Métodos
Rattus norvegicus (191,0±16,5g), adultos, do sexo feminino, mantidos em jejum de sólidos por 12 horas, foram
anestesiados com solução de quetamina (40mg/kg) e xilazina (5mg/kg) para produção de feridas cutâneas de 1cm2
na região dorsal. Os animais foram distribuídos em grupos de dez animais/grupo e tratados durante sete ou 14
dias com azeite de oliva em volume suficiente para cobrir a ferida (grupo controle -GC), óleo-resina de Copaifera
sp. 100 mg/mL (cop) ou acetato de clostebol/sulfato de neomicina (Trofodermin® - Padrão). O tratamento foi
iniciado imediatamente após a cirurgia e realizado uma vez ao dia conjuntamente com a avaliação clínica das feridas.
Foram considerados os seguintes parâmetros: medidas das lesões, presença ou ausência de secreção, reepitelização,
formação de tecido de granulação, presença de fibrina, ocorrência de hemorragia e presença de edema. Ao final do
experimento, a lesão residual foi fotografada por câmera digital, mantida em tripé a uma distância fixa. As imagens
foram importadas para o software IMAGEJ®, para o cálculo da área da lesão. Os dados foram analisados pelo teste não
paramétrico de Kruskal-Wallis (Dunn) e teste G para comparar as diferenças entre os grupos. O nível de significância
foi estabelecido em p<0,05. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Experimentação Animal da Universidade
Federal do Piauí (parecer 73/2010).
Não foi observada diferença entre os grupos nos parâmetros a seguir apresentados: médias das medidas (média
horizontal ± EPM x média vertical ± EPM) das feridas dos animais após 14 dias de experimento (GC: 7,46 ± 2,57 x
7,54 ± 2,67; Padrão: 7,16 ± 2,84 x 7,45 ± 2,50; cop: 7,45 ± 2,63 x 7,47 ± 2,49); presença de secreção (GC: 71,4; Padrão:
28,6; cop: 71,4), reepitelização (GC: 57,1; Padrão: 42,9; cop: 57,1), fibrina (GC: 28,6; Padrão: 14,3; cop: 14,3) e edema (GC:
57,1; Padrão: 57,1; cop: 28,6). Tampouco houve diferença entre os percentuais de redução das áreas das feridas dos
ratos. O óleo-resina de Copaifera sp. não apresentou atividade cicatrizante em feridas cutâneas em Rattus norvegicus.
Apoio: Iniciação Científica Voluntária (ICV-UFPI)
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussão/Conclusão
189
SEÇÃO 3
FARMACOGNOSIA
APRESENTAÇÃO ORAL:
Terça-feira, 20 de setembro, das 16h - 18h
APRESENTAÇÃO POSTER:
Terça-feira, 20 de setembro, das 17h - 18h
ACTIVIDAD ANTIBACTERIANA DE EXTRACTOS DE MULINUM
SPINOSUM CAV. Y MULINUM ECHEGARAYI
Satorres S.E.1, Chiaramello A.2, Mattana C.M.1 , Laciar, A.1, Rossomando P, Tonn C2.
Área de Microbiología Facultad de Química, Bioquímica y Farmacia. Universidad
Nacional de San Luis. Argentina.
Área de Química Orgánica. INTEQUI-CONICET. Facultad de Química, Bioquímica y
Farmacia. Universidad Nacional de San Luis
[email protected]
1
2
Introducción:
Desde tiempos remotos se conoce los beneficios de la medicina de origen natural, así las plantas han sido siempre
una fuente de productos beneficiosos para mantener la salud e incrementar la calidad de vida del hombre. Mulinum
es un género de la familia Apiaceae que incluye varias especies andinas, patagónicas y sudamericanas, caracterizadas
por sus hojas rígidas, punzantes y un hábito pulvinado. Mulinum spinosum (Cav.) Pers fue recolectada en la Cordillera
de Los Andes, Uspallata y Mulinum echegarayii Hieron en el Valle del Río Atuel, Malargüe (Mendoza, Argentina).
Estas especies son utilizadas en medicina popular como colagogo en afecciones del hígado, en el tratamiento de
la diabetes y en enfermedades intestinales. El objetivo de este estudio fue evaluar la actividad antibacteriana de
extractos de M. spinosum y M. echegarayii, frente a diferentes cepas bacterianas.
Metodología
Partes aéreas secas y molidas de especies de Mulinum, fueron extraídas con acetona a temperatura ambiente. Cada
extracto acetónico fue particionado por cromatografía “Flash” eluyendo con mezclas de n-hexano y acetato de
etilo (AcOEt) y mezclas de acetato de etilo y metanol (MeOH) de polaridad creciente. Se evaluó la actividad
antibacteriana in vitro del extracto de M. spinosum al 2% MeOH / AcOEt y extracto de M. echegarayii al 10% AcOEt
/n-hexano frente a cepas de Staphylococcus aureus meticilino-resistente ATCC 43300, Pseudomonas aeruginosa ATCC
27853, Listeria monocytogenes ATCC 74910, Escherichia coli y Bacillus cereus utilizando el método de microdilución en
placa. El TTC (Cloruro de 2,3,5-trifeniltetrazolio) 0,01% (v/v), fue utilizado como indicador de crecimiento bacteriano.
Las cepas se ajustaron a una concentración final de 1x106 UFC/ml. Los extractos fueron disueltos en dimetilsulfóxido
(DMSO) y testeados en un rango de concentración de 8 a 0,5 mg/ml. Luego de 24 horas de incubación a 37ºC, la
ausencia de coloración roja indicó actividad antibacteriana del extracto.
Resultados
Discusión y conclusiones
Los extractos de M. spinosum y M. echegarayii reflejaron actividad inhibitoria frente a S. aureus meticilino-resistente,
microorganismo protagonista de serios problemas epidemiológicos y terapéuticos. El estudio de la actividad
antimicrobiana en fuentes alternativas abre un camino hacia el aislamiento e identificación de principios activos
con actividad antibiótica.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Extracto de M. spinosum: B. cereus fue el microorganismo más sensible presentando una concentración inhibitoria
mínima (CIM) de 1 mg/ml. S. aureus y Listeria monocytogenes mostraron una CIM de 4 mg/ml. Pseudomonas
aeruginosa y E. coli no fueron inhibidos por este extracto.
Extracto de M.echegarayii: solo presentó actividad frente a S. aureus (CIM 2 mg/ml).
193
ACTIVIDAD DE EXTRACTOS ORGÁNICOS DE ZINNIA PERUVIANA L. FRENTE
A BACTERIAS GRAM POSITIVAS Y GRAM NEGATIVAS
Satorres S.E.1, Chiaramello A.2, and Tonn C.,2 Laciar A.L.1
Area Microbiología Facultad de Química, Bioquímica y Farmacia. Universidad Nacional
de San Luis. Argentina. e-mail: [email protected]
2
Area de Qca Orgánica-INTEQUI CONICET. UNSL. 5700 San Luis.
[email protected]
1
Introducción
Los países latinoamericanos tienen una importante tradición en el uso de especies vegetales las cuales contienen
compuestos con actividad biológica que pueden producir efectos terapéuticos variados. La resistencia microbiana
a los distintos antibióticos usados en la actualidad ha provocado una tendencia actual a la búsqueda de fármacos
de origen natural. Zinnia peruviana L. (Asteraceae) comúnmente conocida como “chinita del campo” es una planta
herbácea anual, ampliamente difundida en la región central de Argentina. Esta especie es utilizada en medicina
popular contra la malaria, el dolor de estómago, diarrea y para calmar la comezón producida por el sarampión.
Objetivo
Evaluar la actividad antibacteriana de extractos orgánicos de Z. peruviana frente a bacterias patógenas grampositivas
y gramnegativas.
Metodología
Los extractos fueron preparados por cromatografía “Flash” eluyendo con mezclas de acetato de etilo y n-hexano. Se
evaluaron los extractos orgánicos de Z. peruviana al 30% acetato de etilo/n-hexano, Z. peruviana al 40% acetato de
etilo/n-hexano y Z. peruviana 100% acetato de etilo. La actividad antibacteriana de los extractos frente a cepas de
Staphylococcus aureus meticilino-resistente ATCC 43300, Pseudomonas aeruginosa ATCC 27853, Listeria monocytogenes
ATCC 74910, Escherichia coli y Bacillus cereus, fue ensayada in vitro utilizando el método de microdilución en placa.
El TTC (Cloruro de 2,3,5-trifeniltetrazolio) fue utilizado como indicador de crecimiento bacteriano. Las cepas se
ajustaron a una concentración final de 1 x 106 UFC/m. Los extractos orgánicos fueron disueltos en dimetilsulfóxido
(DMSO) y testeados en un rango de concentración de 8 a 0,1 mg/ml. Luego de 24 horas de incubación a 37ºC, la
ausencia de coloración rojo intensa indicó actividad antibacteriana.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados
194
Los extractos de Z. peruviana al 30% y 40% de acetato de etilo/n-hexano evidenciaron un comportamiento similar,
es decir, significativa actividad antibacteriana frente S. aureus, L. monocytogenes y B. cereus en una concentración
de 0,2 mg/ml. Asimismo, se observó inhibición del crecimiento de P. aeruginosa presentando una concentración
inhibitoria mínima (CIM) de 4 mg/ml y E. coli una CIM de 8 mg/ml. Z. peruviana al 100% acetato de etilo, mostró
actividad frente a todas las cepas bacterianas ensayadas en una concentración de 4 mg/ml.
Discusión y conclusiones
Los extractos estudiados de Z. peruviana mostraron una importante actividad frente a bacterias Gram positivas
y Gram negativas patógenas. Cabe señalar que estos extractos fueron particularmente activos frente a S. aureus
meticilino-resistente, bacteria implicada en infecciones intrahospitalarias y que presenta generalmente multiresistencia,
lo que dificulta en gran medida las opciones terapéuticas. Estos resultados abren un camino al conocimiento de las
propiedades de las plantas medicinales y como recurso para obtener nuevas drogas antibacterianas.
ACTIVIDAD ANTIMUTAGÈNICA Y ANTITUMORAL IN VITRO DEL
EXTRACTO CRUDO DE SEDUM PRAELATUM
Silva-Torres Rafael,1Pacheco-Estrella Jonathan Josué1, Hernández-Hernández Félix1, Luna-Torres Ana Laura2, Espinoza-Laparra Miguel2, y Figueroa-Arredondo Paula2.
1
Departamento de Farmacia, Escuela Nacional de Ciencias Biológicas del Instituto Politécnico Nacional, México. Avenida Wilfrido Massieu Col. Zacatenco S/N C.P. 07738
México D.F. 2Departamento de Investigación, Posgrado Institucional de Biomedicina
Molecular. Escuela Nacional de Medicina y H del Instituto Politécnico Nacional, México.
Avenida Guillermo Massieu Helguera 234, Fracc. La Escalera CP 07320, México DF.
[email protected]
Introducción
En México en el 2007 los cánceres de diferentes tipos representaron la tercera causa de muerte entre las mujeres con
35,303 muertes (15.4%), mientras en los hombres fue la cuarta causa de mortandad con 33,509 defunciones, lo que
representa 11.8% del total de defunciones entre los varones. Los tumores, las células tumorales son células alteradas
que escapado a los mecanismos de regulación normal del organismo. Los tratamientos antitumorales actuales, son
muy agresivos, costosos y los pacientes están desarrollando resistencia a los mismos, por lo tanto, es de gran importancia buscar nuevas terapéuticas de origen natural. Nuestro grupo de investigación recientemente ha demostrado
que los metabolitos secundarios que se encuentran en los extractos crudos de Sedum praealtum DC. son ricos en
antioxidantes, lo que permite considerarlos como probables antitumorales, por tal motivo es de gran interés explorar
la capacidad antitumoral de ésta planta.
Métodos
El efecto anti-mutagénico de Sedum praealtum se evaluó mediante ensayos de competencia contra mutágenos
como la Mitomicina C (MMC) y el 4-nitro-o-fenilenediamina (NPD). Ensayo basado en un ensayo modificado de
Ames para la determinación de mutagénesis en Salmonella typhimurium cepas TA98 y TA102. Cinco diferentes dosis
de nemorosone se mezclaron con el cultivo de bacterias y el agente mutagenico (MMC o NDP) y se virtió en glucosa
agar. Las placas fueron incubadas y se estimó el número de colonias revertantes obtenidas por placa.
Se calculó el porcentaje de inhibición de mutagénesis y se consideró que el efecto no fue mutagénico cuando se
obtuvo un valor menor a 25%. Se consideró un como efecto moderado un valor entre 25% y 40% y valores mayores al
40% se consideraron como un valor mutagénico positivo. Para la determinación de citotoxicidad, los extractos se probaron en ensayos in vitro contra células A549 derivadas de cáncer pulmonar de células pequeñas y estos han mostrado
actividad citotóxica a concentraciones desde 50-60 pg por microlitro. La morfología del efecto citotóxico observado por
microscopía óptica (40X) parece corresponder a la de muerte celular tipo apoptosis, sin embargo es necesario corroborar
este resultado con ensayos específicos, como la prueba de TUNEL.
Apoyo financiero a la investigación. SIP y COFAA-IPN.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión/conclusiones
195
LEISHMANICIDAL AND ANTIOXIDANT ACTIVITY OF
HEMISYNTHETIC COMPOUNDS FROM DE DUGUETIA
COLOMBIANA MAAS ANNONACEAE
Sáez A. A.1,2*, Robledo S.3, Rojano B.4, Cortés D.5, Sáez J.1
Instituto de Química, Química de Plantas Colombianas, Universidad de Antioquia, A.A: 1226, Medellín, Colombia. 2Grupo de procesos Ambientales y Biotecnológicos, Departamento de Ingeniería de
Procesos, Universidad EAFIT, A.A: 3300, Medellín, Colombia.3PECET. 4Laboratorio de Ciencia de los
alimentos, Universidad Nacional de Colombia, sede Medellín. A.A.3840, Medellin, Colombia. 5Departamento de Farmacologia, Facultad de Farmacia, Universidad de Valencia,
Vicent Andres Estelles s/n, 46100 Burjassot, Valencia, Spain
[email protected]
1
Introduction
Duguetia (Annonaceae) were 27 species in Colombia. Duguetia colombiana Maas is a exclusive specie from this
country. (Murillo, 2001; Maas, 1996). Into this gender have been reported several compounds with diverse biologic
al activity (Maximo, 1997). This work show the hemisynthesis of stilbenes by cross metathesis reaction approaching
the presence of styrenes. Is known the different uses and applications of the stilbenes are those pharmacological
interest. (Andlauer, 2000).
Methods
Duguetia colombiana Maas (Maas, 1996) was collected in (Antioquia-Colombia). From dried bark were obtained five
compounds (1-5), Hemisynthesis were carry out with compound 1 and diverses comercial styrenes and Grubbs-II
catalyst to give 10 trans stilbenoids. The structures of compounds were identified using MS and NMR spectra, and
melting point (m.p.). Leishmania (Viannia) panamensis (strain UA140 epirGFP) and cytotoxic activity was measuring using (MTT) enzymatic micromethod (Weninger, 2001). The Antioxidant activity was determinated with DPPH
radical scavenging assay. (Brand-Williams, 1995), FRAP assay. (Benzie, 1996) and the ABTS (Ronald, 2005).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/Conclusions.
196
Five known compounds of bark of Duguetia colombiana Maas (Annonaceae) were obtained. 2,4,5-trimethoxystyrene (1), 3,4,5-trimethoxystyrene (2), Asaraldehyde (3), Pachypophyline (4) and O-methylmoschatoline (5). Being compound 1 most abundant wich react by cross metathesis with others comercial styrenes for obtain several
stereoselectively trans stilbenes, most of them were very active against axenics amastigotes of Leishmania Vianna
panamensis, (strain UA140 epirGFP) but too citotoxic against human promonocitic celular line U937. (E)-4´-fluor2,4,5-trimethoxystyrene and ((E)-3,3´-dimethoxystyrene exhibited the highest leishmanicidal activity with CE50 de
10.3-25.7 (mg/ml) against intracelulars forms and low citotoxicity (CL50 82.6 - >200(mg/ml)) respectively. The dimere
of the natural compound ((E)-2,2´,4,4´,5,5´-hexamethoxystyrene) has the best general antioxidant behavior with
83267 TEAC - DPPH activity (μmol Trolox/mol of compound), TEAC - ABTS activity, 391677 (μmol Trolox/mol of
compound) and a reducing capacity of 12108 mg a.a/100 g compound (FRAP assay).
CHARACTERIZATION OF MEXICAN LIME OILS C. AURANTIFOLIA SWINGLE AND
C. LATIFOLIA TANAKA BY MODERN CHROMATOGRAPHIC TECHNIQUES
1
Bonaccorsi I.L.*1, Schipilliti L.1, Sciarrone D.1, Dugo P.1,2, Mondello L. 1,2,
Haro-Guzman L.3, and Dugo G..1
Dipartimento Farmaco-chimico, Facoltà di Farmacia, Università di Messina, Italy.
2
Università Campus Bio-medico, Via Alvaro del Portillo, Rome, Italy.
3..
Josè Vasconcelos, 105, Col. Jard. Vista Hermosa, 28010 Colima Col., Mexico
[email protected]
Introduction
This study focuses on the genuineness assessment of Lime oils by means of GC-MS and GC-FID for the characterization
of the volatile components, by HPLC-PDA to determine the oxygen heterocyclic compounds, by enantio-MDGC
to determine the enantiomeric distribution, and by GC-C-IRMS to the determine the carbon isotopic ratios. The
study was carried out on numerous samples of Lime (C. aurantifolia Swingle and C. latifolia Tanaka) cold-pressed
and distilled oils produced in Mexico. To the author’s knowledge this represents the first attempt to assess the
authenticity and differentiate Persian lime from Key lime oils by GC-C-IRMS.
Methods
Authentic samples were analyzed to determine the range of variability of the composition of the volatile and nonvolatile components, and to assess an authenticity range relative to the values of δ13C and of the enantiomeric
distribution of the components analyzed. The analyses were carried out in triplicates to determine standard deviation
and the CV values.
GC and GC-MS analyses were carried out on conventional capillary columns SLB-5MS 30 m x 0.25 mm I.D. x 0.25 μm
df. (Supelco, Milan, Italy). The GC-C-IRMS device consisted of a Trace GC Ultra equipped with a TriPlus autosampler,
retrofitted to the combustion interface GC/CIII and hyphenated to the isotope ratio mass spectrometer Delta V
Advantage (Thermo Fisher Scientific, Milan, Italy). Data were collected in triplicate by the Isodat 2.5 software (Thermo
Fisher Scientific). GC column as for GC and GC-MS analyses. The MDGC system consisted of two GC2010 (defined
as GC1 and GC2) gas chromatographs, equipped with a Deans switch transfer device, an MS-QP2010 quadrupole
mass spectrometer. GC1 column was an SLB-5MS 30 m x 0.25 mm I.D. x 0.25 μm df . The GC2 chiral column was a
Megadex DETTBS-b-(diethyl-tert-butil-silyl b-cyclodextrin) 25 m x 0.25 mm I.D. x 0.25μm df (Mega, Legnano, Italy).
HPLC analyses were carried out on a partially porous column Ascentis Express C18, 150 x 4.6 mm i.d. with particle
size of 2.7 μm (Supelco, Bellefonte, P A).
The genuineness assessment was accomplished based on the range of authenticity determined from genuine samples
relative to the values of δ13C and to the enantiomeric excess (EE). The results show that EE and δ13C are useful tools
to assess the quality of the essential oils independently. In all cases both the techniques (enantio-MDGC and GCC-IRMS) confirmed genuineness or revealed adulteration. The advantage of both techniques is the low number of
components the analyst must evaluate, reducing the complexity of the data necessary to deal with. Moreover, the
conventional analytical approach based on the evaluation of the whole oil (volatile and non-volatile fractions) can,
in particular circumstances fail to reveal the genuineness of the oils.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
197
IN VITRO ACTIVITY OF DRIED EXTRACTS OF NEPETA CATARIA
AGAINST HELICOBACTER PYLORI STRAINS
Arce S1, Vega A.E.2, Mattana C.M.2, Acosta G.1,3, Ortega C.1, Llabot J1., Gomez M.R.1,3
Departamento de Farmacia, 2Área Microbiología. 3INQUISAL-CONICET. UNSL. Argentina.
[email protected]
1
Introduction
Nepeta cataria L. has been used for the treatment of colds, colic, antispasmodic in folk medicine. H. pylori can induce
peptic ulcers and gastric adenocarcinoma. The triple therapy for the eradication of H. pylori induce side-effects
and fails to eliminate infection. The use of herbs provides a therapeutic alternative. Spray drying and freeze-drying
present several pharmaceutical advantages over the conventional fluid form. In addition, spray-drying is the most
commonly used method in the herbal processing industries. With the aim of achieving more stable solids with
improved technological properties for pharmaceutical use, spray drying (SDE) and freeze-drying procedures (FDE)
were applied to N. cataria aqueous extracts. Also, the evaluation of the obtained products activities against H. pylori
was carried out.
Methods
Drying processes: infusions of two concentration levels (10 and 15% w/v) were subject to two different drying
methods: SDE and FDE. SDEs were prepared using a BÜCHI 290 Mini-spray Dryer under the following operating
conditions: pump setting 10% (3.2 ml min-1), airflow rate of 670 Nl h-1 (5 mm) and aspirator rate between 50100%. The inlet temperature was set at 140°C±2 and 100°C±2; the outlet temperature at 83°C ± 2 and 75°C ± 2.
Infusions were spray-dried in the presence of 15 and 30% (w/w) of colloidal silicon dioxide; 15% (w/w) of dibasic
calcium phosphate; 15% (w/w) of fumed silica and 30% (w/w) of maltodextrin. For FDEs preparation, the infusions
were placed on stainless steel trays and freeze-dried using a lyophilizer at -70 ºC at 0.025 mmHg of pressure. The
temperature conditions were: condensate temperature -45ºC, the initial product temperature -35ºC.
Antibacterial activity
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The MICs of Nepeta FDE(10% and 15%) and Nepeta SDE (10% and 15%) were determined by the microplate method
in tripticase soy broth supplemented with 5 % fetal calf serum and 0.01% (W/V) of 2,3,5-triphenyltetrazolium chloride
as visual indicator of bacterial growth. The inoculum of each strain of H. pylori (NCTC 11638 and two clinical isolates)
were tested (107CFU/ml). The FDEs and SDEs were dissolved in distilled water and tested in a concentration range
of 10 mg/ml to 0.310 mg/ml. After 72h incubation at 37ºC under the microaerophilic condition, the inhibition of
bacterial growth was defined as absence of red colour. The wells that showed no bacterial growth were confirmed by
agar plating and determined the minimum bactericidal concentration (MBC).
198
Results and discussion/conclusion
The FDEs (10% and 15%) were active and inhibited H. pylori at concentration of 10 mg/ml and 0.310 mg/ml
respectively. The MIC was coincident with MBC for all strains assayed. SDEs did not show antibacterial activity in the
investigated concentration. This study showed that the lyophilized extract of N. cataria can inhibit the growth of H.
pylori and can reduce the colonization of gastric mucosa. Further studies about antioxidant and citotoxicity activity
must be conducted to evaluate the possible use of these extracts on anti-Helicobacter pylori therapy.
Financial Support
CONICET-PROIPRO 2-0310 C y T-UNSL
ESTUDIO DEL ACEITE ESENCIAL DE HOJAS Y RAICES DE ALLIUM
SCHOENOPRASUM L., ALLIACEAE, COLECTADO EN MÉRIDA
(Essential oil study of Allium schoenoprasum L., Alliaceae, collected from Mérida)
J Rojas, A Buitrago, L Rodríguez, LB Rojas y R Aparicio
Grupo Biomoléculas Orgánicas, Instituto de Investigaciones, Facultad de Farmacia y
Bioanálisis. Universidad de Los Andes, Mérida 5101, Venezuela.
[email protected]
Introducción
El género Allium es uno de los más grandes de la familia Alliaceae, comprende 700 especies distribuidas a nivel
mundial. La mayoría de estas han sido utilizadas como condimentos, en la culinaria, en la medicina tradicional y
como plantas ornamentales. En Venezuela se encuentra ampliamente distribuido desde los climas más cálidos, a
nivel del mar, hasta los páramos andinos. Estudios previos han determinado diversas actividades farmacológicas,
entre las que se encuentran: antidiabética, antihipertensiva, antimicrobiana, antioxidante, antifúngica y antiviral.
Métodos
En la presente investigación se analizó por cromatografía de gases/espectrometría de masas (CG/EM) el aceite
esencial obtenido por hidrodestilación de las hojas (0.02 %) y raíces (0.03 %) de Allium schoenoprasum L. (Alliaceae)
colectada en el sector San Román, Mucuchies, Mérida.
Resultados, discusión, conclusiones
En el análisis por GC/EM se observaron cinco compuestos en las hojas y cuatro en las raíces, los cuales fueron
identificados por comparación de los espectros de masas con las bases de datos Wiley GC-MS y Nist 05 y por
comparación de sus índices de retención con los reportados en las referencias. El componente mayoritario en los dos
aceites estudiados fue el Bis-(sulfidietil)-disulfuro (72.06 % hojas y 56.47 % raíces), mientras que el 2,4,5-tritiahexano
(5.45 % hojas y 15.90 % raíces) y tri-(metiltio)-metano (4.01 % hojas y 12.81 % raíces) fueron detectados en menores
cantidades. Compuestos similares han sido reportados para Allium shoenoprasum colectado en China donde solo
observaron derivados del tipo azufrado, sin embargo, existe una diferencia importante ya que los compuestos
identificados en el presente estudio presentan cadenas lineales saturadas que no han sido reportadas anteriormente.
Soporte financiero: Consejo de Desarrollo Científico, Humanístico y Tecnológico, proyecto FA-455-09-03-A
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Palabras claves: Allium schoenoprasum, Alliaceae, aceite esencial, compuestos azufrados.
199
VARIATION IN ANTIOXIDANT AND PHYTOCHEMICAL PROPERTIES OF
DIFFERENT ORGANS FROM CUPHEA AEQUIPETALA, C.
AEQUIPETALA VAR. HISPIDA AND C. LANCEOLATA
Trejo-Tapia G.*, López-Laredo A.R., Cárdenas-Sandoval B.A., Bermúdez-Torres K.
Departamento de Biotecnología, Centro de Desarrollo de Productos Bióticos, Instituto
Politécnico Nacional, Morelos, México.
[email protected]
Introduction
The genus Cuphea (Lythraceae) comprises over 260 species, which are native of the Americas and are distributed
from Mexico through Brazil. Cuphea species are cultivated as source of oil rich in medium-chain fatty acids and
are used in folk medicine for their antioxidant, antihypertensive, cytotoxic, antiprotozoal and hypocholesterolemic
activities. Cuphea aequipetala (“hierba del cancer”)· and Cuphea lanceolata (“Atlanchana”) are native from Mexico
and used in folk medicine to treat tumors and as antidiarrheal, respectively. C. aequipetala aqueous extracts showed
strong activity against Helicobacter pylori whereas organic extracts showed cytotoxic activity against human larynx
carcinoma and human prostate carcinoma. Cytotoxic activity has been related to phenolic compounds such as
flavonoids and tannins. Here, we report the concentration of total phenolic compounds and flavonoids of various
different organs of wild-growing C. aequipetala, C. aequipetala var. hispida and C. lanceolata. Furthermore, the plant’s
antioxidant capacity was shown to correlate well to phytochemical content.
Methods
Cuphea aequipetala Cav. and Cuphea aequipetala Cav. var. hispida Koehne plants were collected at the flowering
stage from wild populations in Lagunas de Zempoala, State of Mexico, Mexico at 2400m a.s.l. Cuphea lanceolata
W.T. Aiton plants were collected at the flowering stage at Yautepec, State of Morelos, Mexico at 1260m a.s.l. Plants
were excised into roots, stems, leaves and flowers and dried at room temperature under shade for 1 week. Total
phenolic compounds and flavonoids content were determined using colorimetric methods. The antioxidant activity
was evaluated using three in vitro models: two assays of free radical scavenging, using DPPH and ABTS, and an assay
to assess reducing power using phosphomolybdenum.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
200
The highest concentration of phenolic compounds was found in the leaves of C. aequipetala and C. aequipetala
var. hispida (55.62±0.5 and 60.74±0.2 mg GAE/g DW, respectively), and in flowers of C. lanceolata (62.79 ±0.05 mg
GAE/g DW). Similarly, flavonoids were more abundant in the leaves of C. aequipetala and C. aequipetala var. hispida
(196.83±2.9 and 124.74±1.3 mg QE/g DW, respectively) and in the flowers of C. lanceolata (135.81±1.6 mg QE/g DW).
As expected, C. aequipetala and C. aequipetala var. hispida leaves presented the highest free-radical scavenging activity
against DPPH and ABTS (169-173 mmol Trolox/g DW) as well as the highest reducing power (1186.3±3.17 mmol
Trolox/g DW). To determine the relationship between the phytochemical content and the antioxidant capacity of
the extracts, we performed a correlation and regression analysis. Total phenol content correlated significantly (p <
0.05) with radical scavenging activity against DPPH (r = 0.794) and ABTS (r = 0.468) as well as with reducing activity
(r = 0.553). Similarly, flavonoid concentration correlated significantly (p < 0.05) with the scavenging activity against
DPPH (r = 0.742) or ABTS (r = 0.753) and the reducing power (r = 0.856).
Financial Support: SIP-IPN (20110153) and FOMIX-Morelos (79409). Authors from IPN thank COFAA and
EDI.
DETERMINACIÓN DE LA ACTIVIDAD INSECTICIDA Y/O ANTIALIMENTARIA DEL
ACEITE ESENCIAL DE TAGETES MINUTA EN DROSOPHILA MELANOGASTER
Cristian Cofre Santo, Cumandá Játiva, Sandra Escobar
Escuela superior Politécnica de Chimborazo- Facultad de Ciencias-Carrera de Bioquímica y Farmacia. Laboratorio de Farmacognosia,Biología de Agronomía .
Riobamba-Ecuador-Sudamérica.
[email protected]
Introducción
En el Ecuador el cultivo de frutas esta afectado por Drosophila melanogaster que produce pudrición de la fruta. En
Guano y San Andrés poblaciones de Riobamba Tagetes minuta cultivan como cerca viva de cultivos de maíz, frejol y
papas para ahuyentar a las moscas, dato aprovechado para este estudio.
Desarrollo experimental
Extracción del aceite esencial de la parte aérea por arrastre de vapor, y caracterización. Crianza de los ensayos plaga,
obtención de adultos, ensayo de la actividad insecticida, evaluación estadística.
Resultados
El contenido de aceite es de 1,73% de rendimiento, de color amarillo claro, transparente aromático, sabor amargo
mentolado. El pH 3,42; densidad 0,85 g/ml; índice de refracción 1,487, solubilidad el metanol 1:6,7 La composición
química por cromatografía de gas líquido indica 74% de trans tagetona y 8,712 de tran ocimeno. Se reprodujo moscas Drosophila melanogaster adultas para las pruebas isecticida y/o antialimentaria con diferentes concentraciones
de aceite frente a un insecticida Campex, es decir que al 100 y 96 % de aceite es similar a un producto convencional .
Conclusión
Se tiene efecto insecticida con 100 y 96% de concentración de aceite al cabo de tres horas de contacto, similar al
insecticida Campex. El análisis cromatográfico de gases indica la presencia eucaliptol, trans ocimeno, 2,2 dimetil del
ácido isopropánico, ciclo pentil ester, trans tagetona como compuestos mayoritarios.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Bibliografía
Origen de los pesticidas naturales. Insecticidas naturales a partir de extractos vegetales. Alcaloides. Insecticidas naturales de uso popular. Remedios naturales tradicionales para ahuyentar a los insectos. Plantas, especias, frutos y
sustancias que te serán de ayuda
201
DETERMINACIÓN DE LA SENSIBILIDAD IN VITRO DE MALASSEZIA GLOBOSA
FRENTE A LOS HIDRODESTILADOS DE CALENDULA OFFICINALIS,
ROSMARINUS OFFICINALIS Y SALIX ALBA
Roxana Alulema, Cumandá Játiva, Francisco Portero.
Escuela superior Politécnica de Chimborazo- Facultad de Ciencias-Carrera de Bioquímica y
Farmacia. Laboratorio de Microbiología Clinica, Farmacognosia.
Riobamba-Ecuador-Sudamérica.
Los hidrodestilados de Calendula oficinalis, Rosmarinus officinalis Y Salix alba y las mezclas de los vegetales anteriores con Calendula oficinalis tienen actividad antifúngica para el
hongo Malassezia globosa, causante de las enfermedades Dermatitis seborreica,
Pitiriasis vesicolor entre otras
[email protected]
Introducción
Una de las enferdades que afecta a más del 50% de personas a nivel mundial es la dermatitis seborreica producida
por una levadura conocida como Malassezia globosa.Actualmente para la micosis superficial es tópica mediante
imidazoles como el Ketoconqazol al 2%, pero los principales inconvenientes en su utilización son los efectos sobre el
sistema endócrino y reproductor, así como su toxicidad hepática y renal. El empleo de plantas medicinales de uso
ancestral fue convocado en 1977 realizado por la OMS.
Desarrollo experimental
Datos etnomédicos de Ecuador indican que Calendula oficinalis, Rosmarinus officinalis Y Salix alba eliminaba la dermatitis seborreica. Se preparan los hidrodestilados de vegetal fresco, evalúa los grupos fitoquímicos y sella en frascos
de vidrio. Evalúa la actividad antimicótica preparando el medio Dixon. Se obtiene Malassezia globosa de pacientes
enfermos por cultivo en caldo Dixon a 32°C por 7 días. La identificación fisiológica: reacción de catalasa, desdoblamiento de la esculina y capacidad de utilizar el Tween 20, 40 y 80 como única fuente de lípidos. Para la determinación
de la actividad antifúngica se utilizo el medio Mitszcher realizando la preparación de hidrodestilados por arrastre de
vapor, para ser prepadados con el medio Dixon y ser incubados a 32°C ±1°C por un período de 7 días. Los resultados
se analizan por aplicación de DCA
Resultados
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Los resultados de la actividad in vitro de la actividad antifúngica frente al blanco son positivcos fente a Romero
(Rosmarinus officinalis), Sauce lloron (salix alba) las mezclas de las anteriores con Calendula (Calendula officinalis) al
mismo nivel que Ketoconazol al 2%.
202
Se concluye que los hidrodestilados mencionados anteriormente tienen actividad antifúngica para el hongo Malassezia globosa, causante de las enfermedades Dermatitis seborreica, Pitiriasis vesicolor entre otras.
VOLATILE COMPOUNDS AND ANTIBACTERIAL ACTIVITY
OF THE ESSENTIAL OIL OF CALLISTEMON VIMINALIS
GAERTN. G. DON LEAVES FROM COLOMBIA
1
Quijano C.E.1, Gaviria M.2, Vanegas C.3, Pino J.A.4
Dpto. de Química, Grupo CALIM, Facultad de Ciencias, Universidad de los Andes.
2
Dpto. de Ciencias Biológicas, Universidad de los Andes.
3
Dpto de Microbiología. LEMA, Facultad de Ciencias. Universidad de los Andes.
4
Instituto de Investigaciones para la Industria Alimentaria. La Habana. Cuba.
[email protected]
Introduction
Callistemon viminalis (Gaertn.) G. Don, commonly named weeping bottlebrush, is a shrub or small tree. In the
flora of Colombia, C. viminalis was introduced as ornamental plant in garden and street trees due to its decorative
flowers. The leaf essential oil of C. viminalis exhibited in vitro anthelmintic activity against earthworms, tapeworms
and hookworms, while an aqueous extract of the flowers and leaves showed antibacterial activity against Grampositive bacteria. Although the essential oil of C. viminalis from different regions have been examined, to the best of
our knowledge no detailed GC-MS analysis of the leaf oil from Colombia has been carried out. This prompted us to
carry out the analysis of volatile constituents and antibacterial activity of the essential oil of C. viminalis leaves from
Colombia.
Methods
Leaves were collected in Bogotá, Colombia. The essential oil was obtained from 200 g of fresh material by
hydrodistillation. The oil was analyzed by GC-FID and GC-MS using two columns: HP-5MS and HP-Innowax.
Identification was based by comparing with the mass spectra of reference substances and by mass spectra library
searches, and the linear retention index. The determination of the bactericidal effect was tested against seven
reference bacterial strains: Listeria innocua, Listeria monocytogenes, Staphylococcus aureus, Bacillus cereus (Grampositive bacteria), as well as Escherichia coli, Salmonella spp., and Enterobacter sakazakii (Gram-negative bacteria).
The bactericidal effects were tested by a Kirby-Bauer Agar diffusion method. The Petri dishes were incubated at 37°C
for 24 h and the zones of inhibition were measured.
Eighty-nine constituents were identified in the essential oil of C. viminalis leaves (nearly 98 % of the total oil). The
major compounds were 1,8-cineole, α-pinene, α-phellandrene and α-terpineol. The abundance of 1,8-cineole in
the essential oil makes it similar to those obtained in all the previous studies, but a key difference in the essential oil
lies in the relative quantities of this oxide. The Colombian essential oil has significant amounts of α-phellandrene,
iso-leptospermone and leptospermone, which are reported for the first time in C. viminalis essential oil. In addition,
many aliphatic esters were present in the Colombian essential oil, which impart a fruity note to the fragrance of this
plant. The results obtained from the agar disc diffusion method for the essential oil revealed S. aureus, E. sakazakii
and L. innocua to be the most sensitive microorganism with the largest inhibition zones while the smallest inhibition
zones were exhibited by B. cereus, Salmonella spp., E. coli and L. monocytogenes. The antibacterial tests also reveal that
the essential oil has a broad spectrum antimicrobial activity against all the tested organisms. The antibacterial activity
showed by the essential oil could be attributed to the presence of the major components.
Financial Support: Facultad de Ciencias, U. Andes.
http://www.silae.it/main.php?action=silae2011
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
203
ESTUDIO DE ACTIVIDAD ANTIBACTERIANA Y ACCIÓN COMBINADA DE
EXTRACTOS DE ESPECIES VEGETALES AUTÓCTONAS DE ARGENTINA
Mattana C.M.1, Satorres S.E.1, Juan H.V.2, Cifuente D2, Tonn C2, Laciar A.L1. 1Área
Microbiología. 2Area Qca Orgánica, INTEQUI CONICET, UNSL, San Luis. Argentina.
[email protected]
Introducción
Los avances científicos y tecnológicos han revalorizado la importancia de la etnomedicina y el retorno a lo natural. La
aparición de microorganismos resistentes a los fármacos sintéticos ha estimulado la búsqueda de nuevos tratamientos
y el uso de agentes naturales como terapias alternativas. El objetivo de este trabajo fue evaluar las propiedades
antibacterianas de cuatro especies vegetales autóctonas de San Luis, Argentina y evaluar si diferentes combinaciones
mantienen o potencian dicho efecto.
Metodología
La actividad antibacteriana fue probada frente a cepas de E. coli, P. aeruginosa ATTC 27853, L. monocytogenes CLIP
74910 y S. aureus ATTC 43300 mediante la determinación de la concentración inhibitoria mínima (CIM) de extractos
acetónico, clorofórmico-metanólico (1:1) y metanólico de Euphorbia dentata, Euphorbia sckikendanzii, Baccharis
sagittalis y Berberis ruscifolia. En placas de 96 pocillos se colocaron 95 µl de caldo tripticasa de soja adicionado de 0,01
% de trifeniltetrazolio, 5 µl de cada inóculo bacteriano (106UFC/ml) y 100 µl de diluciones seriadas en base dos de
cada extracto orgánico (8 mg/ml a 1 mg/ml). También se probaron combinaciones 1:1 entre los extractos acetónicos
de las 4 especies vegetales: B. ruscifolia (A), B. sagittalis (B), E. dentata (C) y E. schickendanzii (D). Se incubaron 24 h a
37°C. Ausencia de color rojo indicó inhibición bacteriana. Para el análisis de la acción combinada de los extractos se
determinó un índice (I): donde IA=CIMA en la combinación /CIMA sola y IB= CIMB en la combinación /CIMB sola. Un
I <0,5 se consideró efecto sinérgico. Las experiencias se realizaron por triplicado.
Resultados/Conclusiones
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Las 4 especies vegetales mostraron actividad antibacteriana con CIM entre 2 mg/ml y 8 mg/ml. Los extractos
acetónicos mostraron mejor actividad inhibitoria con CIM de 2 mg/ml para B. ruscifolia frente a S. aureus y de 4 mg/
ml para las dos especies de Euphorbia frente a Pseudomonas, Listeria y Staphylococcus.
204
Las combinaciones A+B, A+C y A+D redujeron la CIM de 4 mg/ml a 2 mg/ml sólo para S. aureus con un I= 1,3. Las
posibles combinaciones restantes (B+C, B+D y C+D) resultaron indiferentes. La acción inhibitoria de crecimiento
anti Staphylococcus no demuestra que los extractos empleados en forma asociada presenten un efecto sinérgico,
comparándola con el estudio realizado por separado. El efecto sinérgico entre los extractos requiere que la
combinación sea significativamente mayor que los resultados individuales de cada uno. Esto equivale a que la CIM de
ambos extractos disminuya en la combinación al menos 2 diluciones. La disminución de la CIM en una sola dilución
observada en este trabajo puede ser considerada como sinergismo parcial.
ACTIVIDAD ANTIBACTERIANA Y CITOTÓXICA DE
EXTRACTOS DE ACACIA AROMA
1
Mattana C1, Satorres S1, Escobar F3, Sabini L3, Fusco M2, Alcaráz L1.
Area Microbiología, 2 Area de Farmacognosia, Fac de Qca, Bqca y Fcia. UNSL.
San Luis. Argentina. 3 Dpto de Microbiología e Inmunología,
Fac de Cs Ex. Fco-Qco y Nat. UNRC. Córdoba. Argentina.
[email protected]
Introducción
La evolución de cepas bacterianas altamente resistentes ha comprometido el uso de nuevas generaciones de
antibióticos. Las plantas medicinales pueden ser una posible fuente de nuevos compuestos bioactivos frente a los
cuales las cepas patógenas no presenten resistencia. Acacia aroma Gill. ex Hook et Arn., especie nativa de San Luis,
Argentina, es usada en la medicina folklórica como antiséptico y cicatrizante de heridas. El objetivo del presente
estudio fue conocer la actividad antibacteriana de extractos de A. aroma y determinar su potencial toxicidad sobre
células Vero.
Métodos
Ensayo bacteriológico: se determinó la concentración inhibitoria mínima (CIM) y concentración bactericida mínima
(CBM) de extracto etanólico (EE) y extracto acuoso (EA) de A. aroma frente a cepas de S. aureus ATCC 43300, S. aureus
ATCC 35556, L. monocytogenes ATCC 74910 y L. monocytogenes ATCC 4425 utilizando el ensayo de microdilución
en microplaca. Se adicionó a cada pocillo, 95 μl de caldo tripticasa de soja suplementado con 0,01% de cloruro de
2,3,5,-trifeniltetrazolio, 5 µl de una suspensión de 106 UFC/ml de las cepas y 100 μl de diluciones seriadas en base
dos (5000 - 78 μg/ml) de cada extracto. Las placas se incubaron a 37ºC 24 h, se añadió isopropanol y se leyó la
absorbancia a 655 nm en lector de Elisa.
Ensayos de citotoxidad: la máxima concentración no citotóxica (MCNC) se determinó por evaluación de cambios
morfológicos de las células tratadas y sin tratar.
Los ensayos de citotoxicidad de EE y EA, se realizaron por la técnica de reducción del MTT (3-(4,5 dimetiltiazol-2-il)2,5-bromuro de difenil tetrazolio). Se sembraron células Vero en policubetas de 96 pocillos (3 x 104 células/orificio),
se incubaron durante 24 h a 37ºC y se trataron por 48 h con diferentes concentraciones (100-5000 µg/ml) de cada
extracto. Las células fueron lavadas con 200 μl de PBS/pozo, incubadas con solución de MTT (1mg/ml en PBS)
durante 4 h a 37°C y lavadas con PBS. Se adicionó 100 μl de isopropanol y se midió la D.O a 570 nm.
La CIM de EE y EA para las cepas de S. aureus analizadas fue de 156 µg/ml y 625 µg/ml respectivamente. Los
valores de CBM fueron una dilución menor a la CIM en ambos extractos. Las cepas de Listeria estudiadas mostraron
valores de CIM y CBM de 78 µg/ml y 312 µg/ml respectivamente para EE, mientras que EA presentó menor actividad
antibacteriana para dichas cepas (CIM=1250 µg/ml y CBM=5000 µg/ml). Los valores de MCNC de ambos extractos
fueron de 500 µg/ml y 100 µg/ml respectivamente. La concentración citotóxica 50% (CC50) fue de 1020 µg/ml para
el EA y de 658 µg/ml para el EE.
Los extractos crudos de A. aroma ensayados in vitro presentaron actividad inhibitoria frente a Staphylococcus y Listeria,
aunque el EE fue activo a concentraciones ligeramente superiores a la MCNC. Estos resultados permiten validar el uso
externo de esta planta como desinfectante o antiséptico. Posteriores estudios de separación e identificación de los
principios bioactivos y su valoración en modelos in vivo podrían esclarecer las propiedades de A. aroma.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión/conclusiones
205
ACTIVIDAD FUNGICIDA IN VITRO DE EXTRACTOS DE TRICHODERMA
SP CONTRA FUSARIUM OXYSPORUM SCHTLD
ATTIVITÁ FUNGICIDA DI EXTRACTI DI TRICHODERMA SP CONTRO
FUSARIUM OXYSPORUM SCHTLD
FUNGICIDAL ACTIVITY FROM TRICHODERMA SP EXTRACTS AGAINST
FUSARIUM OXYSPORUM SCHTLD
Jorge R Palacios Atencio, Carlos R Romeu Carballo, Yamilka Pérez y Rebeca Ramírez
Instituto de Investigaciones de Sanidad Vegetal Calle,
110 no 514 e/ 5ta B y 5ta F. Playa. Ciudad de la Habana. Cuba. CP 11600,
[email protected]
Introduccion
El género Trichoderma, es ampliamente utilizado en todo el mundo como agente de control biológico de enfermedades
en plantas causadas por hongos fitopatógenos dentro de los que se pueden mencionar los generos Phytophthora,
Rhizoctonia, Sclerotium, Pythium, Fusarium entre otros. Esto se debe a su cualidad como hiperparásito competitivo
que le confiere la capacidad de realizar mecanismos para desplazar a los organismos con los que interactúa como
la producción de metabolitos antifúngicos, enzimas hidrolíticas entre otros. El presente trabajo tiene como objetivo
evaluar la actividad fungicida in vitro de metabolitos producidos por dos cepas del género Trichoderma spp. (801 y
916) contra Fusarium oxysporum Schtld, hongo patógeno en el cultivo del tabaco.
Método
Los hongos Trichoderma spp. (801 y 916) fueron inoculados en medio líquido papa dextrosa, se realizó una
fermentación estática por 21 días a 28ºC. El cultivo fue separado por filtración en biomasa y filtrado, este último
se extrajo con acetato de etilo y la biomasa con metanol. Los extractos fueron concentrados a sequedad y con el
residuo se evaluó la actividad antifúngica.
Resultados y discusión
Los crudos obtenidos a partir del filtrado de ambas cepas, a una concentración de 5mg/ml, inhibieron el crecimiento
micelial de F oxysporum en un 54.2% para la cepa 801 y un 39.5% para la 916 respectivamente. Los crudos obtenidos
a partir de la biomasa no provocaron efecto en el desarrollo del hongo fitopatógeno.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Palabras claves: actividad fungicida, Trichoderma, extractos
206
ANTIFUNGAL ACTIVITY OF CARNOSIC ACID AND CARNOSOL
AGAINST PHYTOPATHOGENIC FUNGI
1
Minuto G.1, Minuto A.1, Bruzzone C.1, Lanteri A.P.2, Bisio A.2, Romussi G.2
Centro Regionale di Sperimentazione e Assistenza Agricola , Regione Rollo 98, Albenga (SV), Italy
2
Dipartimento di Chimica e Tecnologie Farmaceutiche e Alimentari , Università di Genova ,
Via Brigata Salerno 13, 16147, Genova, Italia;
[email protected]
Intoduction
At present the use of chemical pesticides, including fungicides, is not fully accepted by end consumers because of
potential risks of chemical residues in fresh foods and foodstuff. Several evidences support that chemical substances
produced by the secondary metabolism of plants has evolved to protect them from attack by pest and disease. At
this regard research into plant secondary metabolites with anti-fungal activity is now intensified due to the enormous
potential to inspire and influence research in developing modern agrochemicals, hopefully characterized by low
environmental persistence. Since phenolic diterpenes of the carnosic acid oxidation cascade showed antimicrobial
activity [1], the antifungal activity of carnosic acid (CA) and carnosol (CAR) was investigated.
Methods
The antifungal activity against some phytopathogenic fungi (Colletotrichum coccodes, Fusarium oxysporum f. sp.
cyclaminis, Sclerotinia sclerotiorum, Botrytis cinerea, Rhizoctonia sp. AG-A) was investigated by comparison with four
standard classical fungicides, using the poisoned food technique. CA and CAR were tested at various concentrations:
5, 10, 50, 250, 500, 750, and 1000 mg/mL. The concentrations of the fungicides were those recommended by the
manufacturers: Bavistin FL (BASF) (carbendazim 41%), 500 mg/mL; Rovral FL (BASF) (iprodion 25%), 675 mg/mL;
Ortiva (Syngenta) (azoxystrobin 23%), 250 mg/mL; Switch (Syngenta) (ciprodinil 37% and fludioxonil 25%), 375 and
250 mg/mL respectively. After 5 days of incubation in the dark at 25°C, mycelium growth of selected fungi inoculated
in poisoned solid substrate (Potato Destrose Agar) was assessed in order to define MIC and EC50.
Against C. coccodes MIC threshold was 500 and 1000 mg/mL respectively for CA and CAR. Against F. cyclaminis it was
possible establish the EC50 respectively for CA and CAR at 30 mg/mL and at 40 mg/mL, against S. sclerotiorum at 35
mg/mL and at 1000 mg/mL, against B. cinerea at 50 mg/mL and at 200 mg/mL. Against Rhizoctonia sp. it was possible
define the MIC for CA at 500 mg/mL and the EC50 for CAR higher than 1000 mg/mL. CA and CAR were, at the same
concentrations, more effective than Bavistin, Rovral and Ortiva on C. coccodes. The activity of CA was similar to that
of Switch on C. coccodes and Rhizoctonia sp.. CA and CAR are natural antioxidants of commercial interest to the
food industry. From our results carnosic acid and carnosol may be considered as potential antifungal compounds
with an expected low environmental toxicity. Furthermore since low quantities of carnosic acid and carnosol used
as antioxidant food additives are not of safety concern [2] and these compounds are utilized as food supplements,
the possible presence of traces of these substances on edible plant material after phytoiatric application would not
represent a toxicological concern.
References [1] S. Weckesser, K. Engel; B Simon-Haarhaus; A. Wittmer; K. Pelz; C.M. Schempp Phytomedicine 2007,14, pag. 508-16; [2] The EFSA Journal 2008,
721, 1-3.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results an discussion
207
CHEMICAL COMPOSITION AND ANTIBACTERIAL ACTIVITY OF
THE ESSENTIAL OIL OF ESPELETIA NANA CUATREC
Alexis Peña,a Luis Rojas,b Rosa Aparicio,b Libia Alarcón,c José Gregorio Baptista,c Judith
Velasco,d Juan Carmona,e Alfredo Usubillaga.b*
a
Postgrado Interdisciplinario de Quimica Aplicada, Facultad de Ciencias,
Universidad de Los Andes, Mérida, Venezuela.
b
Instituto de Investigación, Facultad de Farmacia y Bioanálisis, Universidad
de Los Andes, Mérida, Venezuela.
c
Departamento de Química y Biología. Universidad de Los Andes, Trujillo, Venezuela.
d
Departamento de Microbiología y Parasitologia. Facultad de Farmacia y Bioanálisis, Universidad de Los Andes, Mérida, Venezuela.
e
Herbario Dr, Luis Ruiz Teran de la facultad de Farmacia y
Bioanálisis Universidad de Los Andes, Mérida, Venezuela.
[email protected]
Introduction
Espeletia nana is a dwarf resinous plant that grows above 3000 m of altitude at Paramo La Cristalina, Trujillo State,
Venezuela. The essential oil of the leaves of this plant, obtained by hydrodistillation, was analyzed by GC-MS which
allowed the identification of 24 components and antibacterial activity was tested against Gram-positive and Gramnegative bacteria using the disk agar diffusion method.
Materials and Methods
The aerial parts of Espeletia nana, were colleted in May 2010 at Paramo La Cristalina (09º 14’ 3.9” N, 70º 24´ 22.7” W),
Trujillo State, Venezuela at 3085 m above sea level. Fresh leaves (850 g) were cut into small pieces and subjected to
hydrodistillation for 3 h, using a Clevenger trap. The oil was dried over anhydrous sodium sulphate and stored at 4
ºC in nitrogen atmosphere. The yield (0.08 %) was calculated based on the fresh weight of the plant material. The
essential oil of the leaves of this plant, obtained by hydrodistillation, was analyzed by GC-MS and antibacterial activity
was tested against Gram-positive and Gram-negative bacteria using the disk agar diffusion method.
Results / Discussion and Conclusions
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Allowed the identification of 24 components, which made up 99.7% of the oil. The most abundant compounds
were α-pinene (38.10%), β-pinene (17.20%), myrcene (14.99%), spathulenol (4.20%), bicyclogermacrene (3.99%), azingiberene (3.97%), and g-himachalene (3.68%). Antibacterial activity was tested against Gram-positive and Gramnegative. Activity was observed only against Gram-positive bacteria. MIC values were determined for Staphyloccocus
aureus ATCC 25923(200 μg/mL) and Enteroccocus faecalis ATCC 29212 (600 μg/mL).
208
Financial Support: The authors would like to acknowledge the finantial support of Mision Ciencia (Proyecto ULA20070008881).
EVALUACIÓN FITOQUÍMICA PRELIMINAR Y ACTIVIDAD ANTIBACTERIANA
DEL EXTRACTO METANÓLICO DE LAS HOJAS DE LA OYEDAEA
VERBESINOIDES D. C. ASTERACEAE
Ramírez-González I.1, Mendoza F.1, Solórzano M.1, Villalobos D.1,
Villarreal S.1, Carmona J.2 Velasco J.3, Díaz T.3
1
Instituto de Investigaciones. 2 Herbario.
3
Departamento de Microbiología y Parasitología.
Facultad de Farmacia y Bioanálisis. Mérida. República Bolivariana de Venezuela.
[email protected]
Introducción
Dentro de los árboles nativos y pioneros, de los bosques nublados de la Cordillera de la Costa de Venezuela, se encuentra la especie Oyedaea verbesinoides (tara amarilla), de la familia Asteraceae. Este árbol alcanza una altura entre 5 y 12 m,
con flores vistosas amarillas, crecimiento rápido y vida corta, que se reproduce fácilmente por semilla. Esta especie ha
sido utilizada con éxito para reforestar parques nacionales de Venezuela, razón por la cual se recomienda utilizarla para
ese fin, en zonas con fuerte exposición a la luz solar. Sus flores poseen excelentes propiedades polenectaríferas, que hacen que esta especie sea altamente apreciada por los apicultores para la producción de miel de alta calidad. Debido a su
uso, se le ha evaluado su crecimiento y dependencia micorrízica. También, a una especie de Costa Rica, se le realizó un
estudio fitoquímico. En Venezuela, esta especie se encuentra en la región de Los Andes, con una frecuencia notoria. En
este trabajo se presentan resultados, tanto de la actividad antibacteriana, como de la evaluación fitoquímica preliminar,
del extracto metanólico de las hojas de la O. verbesinoides.
Metódos
El material vegetal fue recolectado en las cercanías de la ciudad de Mérida, una ciudad ubicada en Los Andes venezolanos. Un Voucher specimen, fue depositado en el herbario MERF de la Facultad de Farmacia y Bioanálisis, de la
Universidad de Los Andes, bajo el MSNº 01. Se separaron las hojas del resto del material, se secaron a la sombra y a
temperatura ambiente, se molieron y extrajeron con diclorometano, y luego con metanol. Cada uno de los extractos,
fueron concentrados en un rotavapor y se les evaluó la actividad antibacteriana, por el método de difusión en agar con
discos. Los microorganismos, que se ensayaron, son los siguientes: Staphylococcus aureus (ATCC 25923), Pseudomonas
aeruginosa (ATCC 27853), Enterococcus faecalis (ATCC 29212), Escherichia coli (ATCC 25922) y Klebsiella pneumoniae (ATCC 23357). El extracto metanólico se sometió a una cromatografia de columna. La misma, se eluyó con solventes
orgánicos y mezclas de ellos, en orden de polaridad creciente. Los compuestos aislados fueron identificados a partir del
análisis de sus espectros de RMN uni- y bidimensionales.
El extracto metanólico de las hojas inhibió el desarrollo de las bacterias grampositivas S. aureus. y no mostró actividad contra bacterias gramnegativas. Este resultado permite inferir, que el mecanismo de acción de la(s) sustancia(s)
activa(s) presente(s) en los mismos inhiben la síntesis de la pared celular bacteriana (petidoglicanos). De la cromatografía realizada al extracto metanólico, se aislaron dos compuestos, el epifriedelinol y el acetato de la β-amirina.
Esto se concluyó, luego del análisis de sus espectros de RMN, uni- y bidimensionales, y de la comparación de los
desplazamientos de las señales en los espectros de RMN-13C, obtenidos de cada uno de ellos, con los desplazamientos reportados en la literatura.
Agradecimiento
Al proyecto FA-436-08-08-B del Consejo de Desarrollo Científico, Humanístico y Tecnológico, de la Universidad de Los
Andes, de la República Bolivariana de Venezuela.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y Discusión
209
PIPER COMPOUNDS: AN ALTERNATIVE SOURCE IN CANCER CHEMOTHERAPY
André M. Marques1*, Ana Paula F. Trindade1, Leonardo M. da Fonseca2,
Leosvaldo S. M. Velozo1, Marcia A. M. Capella2, Maria Auxiliadora C. Kaplan1
1- Núcleo de Pesquisas de Produtos Naturais (NPPN), Universidade
Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
2- Instituto De Biofísica Carlos Chagas Filho, Programa de Oncobiologia, Universidade
Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. RJ, Brasil.
[email protected]
Introduction:
Cancer is a pool of many diseases diagnosed in thousands of people all over the world and represents the second
major cause of death worldwide. The loss of normal cell growth control is the main event in the development of
cancer and includes specific steps known as cell proliferation, differentiation and apoptosis. Natural products have
been the mainstay of cancer chemotherapy for the past 30 years. Despite the great development of organic synthesis,
currently 25% of prescribed drugs worldwide are still derived from plant sources. Many compounds have been used
as templates for the construction of novel compounds with enhanced biological properties. The aim of the present
study is to investigate antitumoral potentiality of many compounds isolated from 3 different species of Piperaceae
family.
Methods:
Seven different compounds previous isolated from P. claussenianum, P. truncatum and Ottonia anisum were evaluated
against human breast cancer cell line MCF-7 in concentrations varying from 1 to 100mM.
Results and discussion/conclusions:
The cytotoxicity evaluation has demonstrated a high potency for cell growth inhibition at low concentrations, below
10 mM, to the compounds 4 (chalcone), 5 (aristolactam) and 6 (lignan) showing a good concentration and effect
relationship. Natural products or their structural relatives still comprise about 50% of the drugs that are used for
cancer chemotherapy. These results enhance the importance of Piperaceae plants as a good source for screening of
new alternatives for chemotherapy.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Financial Support: CAPES and CNPq.
210
ACTIVIDAD ANTIINFLAMATORIAS DE DE LA MORA RUBUS ADENOTRICHUS
1
Silvia Quesada1,Gabriela Azofeifa1, Frederic Boudard,2, Alain Michel2
Departamento de Bioquímica, Escuela de Medicina, Universidad de Costa Rica,
2
Laboratoire d’immunologie, Faculté de Pharmacie, Université Montpellier I.
[email protected]
Introducción
Se ha demostrado que algunas variedades de mora (Rubus sp.) pueden atenuar determinados intermediarios del
proceso inflamatorio como nitritos, NK-kB o TNFα. El objetivo de este trabajo es evaluar el potencial anti-inflamatorio
de la mora (Rubus adenotrichus), conocida en Costa Rica como mora vino y que se consume ampliamente como
jugo.
Metodos
Se realizó una extracción de los polifenoles de mora con acetona y acetato de etilo, se purificaron en una columna
XAD-7. Se liofilizaron y se analizaron mediante HPLC.
La actividad anti-inflamatoria fue evaluada en la línea de macrófagos murinos J774. Para determinar el efecto inhibidor
de nitritos, los macrófagos fueron pre-tratados con el extracto de mora (3-100 mg /ml) por 4h o 24h y posteriormente
las células se expusieron por 24h a LPS (10ng/ml) y a IFNγ (10U/ml). Finalmente los nitritos fueron cuantificados en
el sobrenadante por medio de la reacción de Griess. En algunos experimentos el extracto fue eliminado previo al
tratamiento de LPS+ IFNγ.
Debido al rol de diferentes citoquinas en proceso de inflamación se determinó efecto del extracto de mora sobre la
síntesis de IL-6 y de TNFα en el mismo modelo de células J774 estimuladas con LPS+IFNγ.
Los compuestos fenólicos de mayor concentracón obtenidos en el extracto fueron antocianinas y elagitaninos.
El pretratamiento de los macrófagos por 4h disminuyó significativamente (p<0.05) la producción de nitritos a partir
de concentraciones de 25 mg /ml cuando el extracto es mantenido durante la estimulación con LPS+IFNγ. Sin
embargo cuando el extracto es eliminado previo al tratamiento con LPS+IFNγ la inhibición es significativa solo
a 100 mg /ml. Esto sugiere que con 4h de pre-incubación, el extracto únicamente tiene un efecto barredor de
los nitritos. En un segundo experimento, cuando el extracto es pre-incubado con las células por 24h, se observa
una disminución significativa (p<0.05) de los nitritos en concentraciones mayores a 12.5 mg /ml aún cuando los
polifenoles son eliminados previo al LPS+IFNγ. Lo anterior sugiere una regulación en la expresión proteica en las
células. Esta regulación es confirmada por westernblot al observar que la concentración de iNOS es disminuida en
células pre-tratadas con el extracto. Se observó una reducción de 29, 40, 74 y 79% a las concentraciones de 12.5, 25,
50 y 100 mg /ml respectivamente.
El extracto mostró un efecto significativo en la disminución de concentraciones de IL-6 a concentraciones mayores
de 50 mg/ml y en el caso del TNFα ninguna de las concentraciones probadas mostró diferencias significativas con
respecto al control sin extracto. Este potencial efecto anti-inflamatorio de la mora permite dar un valor agregado a
este producto y puede ser utilizado para promover su consumo.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión
211
DEVELOPMENT AND VALIDATION OF A NEW HPLCUV/VIS
METHOD FOR THE DIRECT DETERMINATION OF
OXYPRENYLATEDANTHRAQUINONES PRODUCED BY RHAMNUS SPP.
1
Locatelli M. 1, Genovese S 1, Carlucci G.1, Kremer D. 2, Epifano F.1
Dipartimento di Scienze del Farmaco, Università “G. D’Annunzio” Chieti-Pescara, Via dei
Vestini 31, 66100 Chieti Scalo (CH), Italy; 2Faculty of Pharmacy and Biochemistry,
University of Zagreb, A. Kovačića 1, 10000 Zagreb, Croatia
Introduction
Oxyprenylated natural products, a family of secondary metabolites that have been consider for years as biosynthetic
intermediates of the most abundant C-prenyl derivatives, were shown to exert in vitro and in vivo remarkable
anti-cancer and anti-inflammatory effects.1 Among the several subclasses comprised in this group of secondary
metabolites, oxyprenylated anthraquinones have been characterized so far in a very limited number of species. In
particular 3-isopentenyloxy-6-methyl-1,8-dihydroxyanthraquinone, known as madagascin, has been founded in
plants belonging to the genus Vismia and Psorospermum, and 3-geranyloxy-6-methyl-1,8-dihydroxyanthraquinone
has been isolated from Vismia and Cratoxylum spp.1
OH
O
OH
OH
CH3
O
O
Madagascin
O
OH
CH3
O
O
Geranyloxy-emodine
Methods
A new HPLC-UV/Vis method for the determination in the bark of selected Rhamnus spp. of five “classic”
anthraquinones and two oxyprenylated derivatives (madagascin or 3-isopentenyloxy-emodine and 3-geranyloxyemodine), discovered for the first time in this genus, was developed and validated. Plant samples were analysed after
extraction with n-hexane and methanol and the analytes were separated using a C18 column with a mobile phase
composed of double distilled water (1% formic acid): methanol (1% formic acid) = 35:65 (v/v) at 0.7 mL/min flow
rate in a gradient elution mode. Selective detection was performed by two different UV/Vis wavelengths, 435 nm for
quantitative analyses and 288 nm for qualitative ones.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
212
The limit of quantification (LOQ) was 0.5 mM for all cited analytes, with the only exception geranyloxy-emodine
for which the recorded value was 5.0 mM, and external matrix-matched standard curves showed linearity up to 125
mM. In the entire analytical range within- and between-batch precision (RSD%) values ranged from 0.2 % to 12.9
%. For all analytes within- and between-batch trueness (bias %) values ranged from 12.2 % to 12.7 %. The overall
recoveries were tested by optimisation of the extraction procedure. This method showed analytical performances
able to selectively identify and quantify analytes in natural sources and could be directly applied for this kind of
analyses in complex matrices.
References
1.
Epifano, F.; Genovese, S.; Menghini, L.; Curini, M. Phytochemistry 2007, 68, 939-953
ALCALOIDES INDÓLICOS ANTIPARASITARIOS DE
ASPIDOSPEMA RIGIDUM Y A. SCHULTESII
W. Ruiz M1., L. Ruiz M1., L. Arévalo E. 1, J. M. Ríos.R., M. Reina A.,
A. Gonzáles C. A.3 and R. A. Martínez Díaz4,
Universidad Nacional de la Amazonía Peruana, UNAP, Iquitos, Perú.
Instituto de Productos Naturales y Agrobiología, CSIC, Avda. Astrofísico Fco.
Sánchez, 3, 38206, La Laguna, Tenerife, Spain.
Instituto de Ciencias Agrarias CSIC, Madrid, Spain.
Departamento de. .Medicina Preventiva, Universidad Autónoma de Madrid, España.
[email protected]
Introducción.
La familia Apocinaceae está formada por 355 géneros y 3,700 especies, localizadas predominantemente en zonas
tropicales o subtropicales y menos frecuentemente en regiones templadas. El género Aspidosperma pertenece
a esta familia de plantas constituida por 260-300 especies que se encuentran distribuidas en zonas tropicales y
subtropicales entre México y Argentina,1t las cuales a su vez son conocidas por ser bioproductores de una gran
variedad de alcaloides indólicos. En las zonas tropicales de América del Sur se conoce aproximadamente 80 especies
de las cuales 14 se encuentran en Perú y 13 de ellas en el Departamento de Loreto.2,3
Métodos.
Las hojas (600 g.), corteza (1.76 Kg.) de A. rigidum y corteza de A. schultesii (2.56 Kg.) se extrajeron con etanol, por
un periodo de 15 días. A partir de los extractos etanólicos obtenidos (73,2, 97,4 y 165,9 g.) se obtuvieron los extractos
alcaloidales, el aislamiento y purificación se realizó mediante fraccionamiento cromatográfico, como fase estacionaria
se utilizó óxido de aluminio, silicio y en algunos casos Sephadex LH-20, y como fase móvil: hexano, acetato de etilo,
diclorometano, metanol de polaridad creciente. La elucidación estructural se realizó mediante la interpretación de
los datos espectroscópicos de RMN mono y bidimensional (1H-COSY, NOESY, HSQC, HMBC). Para los ensayos de
actividad leishmanicida de los extractos y compuestos aislados se empleó la Cepa PB75 de L. infantum, procedente
del Centro Nacional de Microbiología, Virología e Inmunología Sanitaria del Instituto de Salud Carlos III de Madrid
y para el ensayo tripanocida se empleó la cepa Y de T. cruzi, aislada por el Profesor Pedreira de Freítas en 1950 de un
caso humano agudo procedente de Marilia (Sao Paulo, Brasil).
De las hojas y corteza de A. rigidum se aislaron los alcaloides oxindólicos pentacíclicos Caboxina A y B, Isocaboxina
B, Carapanaubina e Isocarapanaubina y un alcaloide indólico haplocidina. De A. schultesii se asilaron dos
alcaloides indólicos conocidos (18-Oxo-aspidoalbina y 11-Hidroxitubotaiwina) y el nuevo alcaloide (-)-18-oxo-Ometilaspidoalbina. El alcaloide Caboxina A, a la dosis de 100 mg/ml es activo frente a L. infantum, mientras que caboxina
B es un tripanocida efectivo sin toxicidad asociada, los alcaloides 18-Oxo-aspidoalbina y 11-hidroxitubotaiwina
aislados de A. schultesii no presentaron una actividad significativa.
1
2
3
Lara Fonseca Barbosa; Ivo José Curcino Viera; Leda Mathias; Raimundo Braz Filho; Daniel Uchoa. 2006. Sociedade Brasileira de Química.
Rodolfo Vásquez Martinez. 1997. Flora de las Reservas Biológicas de Iquitos, Perú. Ed. Copyright, USA. 114-115.
Lois Brako and James L. 1993. Cataloque of Flowerning Plants and Gymnosperms. Ed. Copyright, USA. 58-59.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados.
213
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTILEISHMANIA DA
PIPER DIOSPYRIFOLIUM KUNTH1
Heredia Vieira, S.C.2, Ueda-Nakamura, T.3, Rocha, K.C.P.3, Garcia Cortez, D.A.4
1
Parte da dissertação de mestrado da primeira
autora - Ciências Farmacêuticas UEM
2
Doutoranda em Ciências Farmacêuticas da UNESP, Araraquara, SP, Brasil, E-mail:
3
Departamento de Ciências Básicas da Saúde da UEM, Maringá, PR, Brasil.
4
Departamento de Farmácia e Farmacologia da UEM, Maringá, PR, Brasil.
[email protected]
Introdução
No Brasil, as leishmanioses constituem importante problema de saúde pública e os medicamentos de primeira
escolha, antimoniais pentavalentes, apresentam elevada toxicidade. Com isso, buscam-se nas plantas medicinais
substâncias ativas a fim de desenvolver novos fitofármacos que apresentem alta eficácia e baixa toxicidade. O gênero
Piper L., o mais representativo das Piperaceae, inclui grande número de espécies que se caracterizam pela produção de
óleos essenciais, que têm sido investigadas quimicamente e ênfase especial é dada às diferentes classes de substâncias
que apresentam atividades biológicas. Com isso, o objetivo do trabalho foi avaliar a atividade antileishmania da
espécie P. diospyrifolium.
Metodologia
O extrato hidroalcoólico (etanol/água 90:10 v/v), obtido das folhas da P. diospyrifolium pelo processo de maceração
à frio, foi separado em fase aquosa e diclorometânica. A fase diclorometânica foi fracionada por cromatografia
em coluna de adsorção à pressão reduzida e eluída com solventes orgânicos de polaridade crescente e a fração
FDA3 (diclorometano:acetato de etila 50:50 v/v) por cromatografia em camada delgada preparativa. O extrato
hidroalcoólico, a fração FDA3 e a mistura de substâncias isoladas foram avaliadas quanto à atividade antileishmania
em Leishmania amazonensis. Para isto, formas promastigotas metacíclicas foram incubadas com as drogas a 26°C e
após 72 h verificou-se a porcentagem de inibição de 50% de crescimento em relação ao controle de células (IC50), por
contagem em câmara hematocitométrica. A citotoxicidade da fração FDA3 em macrófagos de linhagem contínua
J774G8 foi avaliada após 24 h de incubação a 37oC/5% CO2 pelo método colorimétrico da sulforrodamina B. A
porcentagem de células viáveis foi calculada em relação ao controle de células e o CC50 (concentração citotóxica
para 50% das células) foi calculado por regressão linear. Para análise dos resultados, considerou-se IC50 < 10 µg/mL,
ótima atividade, entre 10 e 50 µg/mL, boa atividade, entre 50 e 100 µg/mL, atividade moderada e >100 µg/mL, sem
atividade.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussões/conclusões
214
O extrato hidroalcoólico, fase diclorometânica, apresentou atividade antileishmania com IC50 de 26,66 μg/mL e uma
melhor atividade foi demonstrada após seu fracionamento. A fração FDA3 foi mais ativa, reduzindo o IC50 para 14
µg/mL. Porém, com a purificação da FDA3, a mistura de substâncias químicas isoladas apresentou atividade inferior
(IC50 de 57,5 μg/mL). Quanto à citotoxicidade, a FDA3 apresentou um CC50 de 24,3 μg/mL e com isso verificou-se
que a fração foi 1,7 vezes menos tóxica para as células J774G8 em relação às formas promastigotas, demonstrando
ausência de efeitos tóxicos para as células dos hospedeiros. Conclui-se que novos trabalhos, visando a purificação da
mistura e a avaliação do potencial antiproliferativo, devem ser realizados para esclarecer hipóteses como: a mistura
de substâncias isoladas não são as substâncias responsáveis pela atividade antileishmania da FDA3 ou que a atividade
da FDA3 seja determinada pelo sinergismo dos compostos presentes nesta fração.
Suporte financeiro: CAPES
EXOENDOMORFOLOGIA DE 3 ESPECIES LATINOAMERICANAS DE EQUISETUM
Di Bernardi T. 1, Valle C.1,2, Colares M. 1, Aquila S. 1, Debenedetti S. 2, Spegazzini E. 1,2
Farmacobotánica-LABRAM, Depto de Cs. Biológicas, Facultad de Ciencias Exactas,
Universidad Nacional de La Plata(UNLP), Argentina
2
Facultad de Ciencias Exactas y Naturales. Universidad de Belgrano(UB), Argentina
[email protected]
1
Introducción
El género Equisetum, división Pteridophytes, constituye el grupo más primitivo de los vegetales con verdaderos órganos
conocidas desde el período Silúrico, con 15 especies llamadas “cola de caballo” cuyos caracteres morfológicos son:
tallos monopodiales, fuertemente silicificados, fotosintetizadores con ramas verticiladas con nudos y entrenudos
notorios y hojas escamosas. Los esporangios se reúnen en los tallos fértiles en un “cono” de posición apical; plantas
herbáceas perennes, rizomatosas, distribuidas por todo el mundo con excepción de Oceanía. Tres de estas especies
americanas Equisetum giganteum., E. hyemale y E. bogotense son utilizadas en la medicina tradicional como diuréticas,
hemostáticas, depurativas, y en el tratamiento de trastornos renales y enfermedades reumáticas. El objetivo del
presente trabajo es establecer caracteres de identificación macro y microscópicos entre las tres especies para su
inclusión en las farmacopeas latinoamericanas.
Materiales y Métodos
Las partes aéreas de Equisetum giganteum L., E. hyemale L. y E. bogotense Kunth fueron recolectadas en la Pcia. de
Bs. As y en la Patagonia Argentina. Un ejemplar de cada una de las especies fue depositado en el Herbario y Museo
de Botánica y Farmacognosia “Carlos Spegazzini” (LPE). Sobre el material vegetal fijado e incluído en parafina, se
efectuaron cortes transversos los cuales se colorearon con Safranina - Fast Green. Muestras fragmentadas fueron
diafanizadas a fin de observar los caracteres epidérmicos.
Equisetum bogotense.: Hierbas erectas a poco postradas, tallos débiles, macizos 1-2 mm diám, con 4-7 valéculas
profundas, simples o irregular y ocasionalmente ramificados, vainas foliares sueltas, ensanchadas, con dientes
bicarenados. Estróbilos no apiculados con los esporangióforos distantes cuando maduros.En vista superficial, células
epidérmicas con paredes gruesas y cuerpos silíceos conspícuos. En corte transverso, tallo principal con 5 costillas y
ramificaciones con 4 costillas. Canales carinales y canales valeculares según grado de desarrollo del tallo. Presencia
de parénquima medular. Capa endodermoide envolviendo completamente al cilindro vascular. Tejido mecánico de
sostén subepidérmico continuo con mayor numero de capas en las costillas. Equisetum hyemale L.: Hierbas erectas
en forma de junco, generalmente no ramificadas, de tallos acanalados, de hasta 10 mm de diámetro; con hojas
diminutas, verticiladas, unidas en la base formando una vaina tan larga como ancha que presenta un anillo oscuro
en la base; estróbilos apiculados, negros en la punta con esporangióforos hexagonales, peltados.En vista superficial,
células epidérmicas con paredes gruesas, estomas con filetes. En corte transverso, tallo con numerosas costillas.
Canales valeculares y carinales. Parénquima medular fistuloso. Haz vascular rodeado de capa endodermoide. En
posición subepidérmica, tejido mecánico de sostén formando una capa continua. Equisetum giganteum L.: Plantas
palustres medianas a grandes, tallos cilíndricos, fistulosos, 5-15 mm diám, vainas cilíndricas ensanchadas en su
boca, urceoladas o ceñidas al tallo, estróbilos cilíndricos u ovoides, sésiles, apiculados. En vista superficial, células
epidérmicas con paredes gruesas, estomas con filetes.En corte transverso, tallo con 8 costillas. Canales valeculares
y carinales, haces vasculares rodedados de capa endodermoide, médula fistulosa. Tejido mecánico de sostén en
posición subepidérmica.
Se presentan microfotografías de cada una de las especies, en vista superficial y en corte transverso y clave dicotómica
para diferenciarlas, especialmente cuando las mismas se presentan fragmentadas o pulverizadas.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y Conclusiones
215
NUEVOS DERIVADOS AZUFRADOS OBTENIDOS POR MODIFICACIÓN
SINTÉTICA DE LOS ÁCIDOS KAURÉNICO
Peña Aa., Alarcón Lb., Usubillaga Ac., Aparicio, Rc., Villasmil Ta. & Rojas Jc.
Postgrado Interdisciplinario de Química Aplicada, Facultad de Ciencias.
Universidad de Los Andes. Mérida Venezuela.
b
Departamento de Biología y Química. Núcleo Universitario Rafael Rangel
Universidad de los Andes. Trujillo Venezuela.
c
Instituto de Investigaciones de la Facultad de Farmacia y Bioanálisis.
Universidad de Los Andes. Mérida Venezuela.
d
Postgrado de Química de Medicamentos. Facultad de Farmacia yBoanálisis.
Universidad de Los Andes. Mérida Venezuela.
[email protected]
a
Introducción.
En Venezuela los frailejones, plantas resinosas que tienen su hábitat en los páramos andinos, contienen cantidades
importantes de ent-kaurenos, siendo el ácido ent-kaur-16-en-19-oico [1] (ácido kaurénico) uno de los metabolitos
más abundantes presentes en su resina (Usubillaga et al., 2003). Se ha reportado que este ácido tiene una gran variedad de actividades biológicas, dentro de las que destacan la actividad citotoxica, antineoplásica y antimicrobiana
(Ruiz, et al., 2007; Hueso, et al., 2010; Cavalcanti et al., 2006; Henry et al., 2006; Ryu et al., 1996; Vieira et al., 2002, Batista
et al., 2007; Zgoda - Pols et al., 2002;Marques et al., 2003). Por lo que el presente trabajo se ha orientado en la obtención de nuevos derivados azufrados a partir de los ácidos ent-kaur-16-en-19-oico [1], 15-α-hidroxi-ent-kaur-16-en19-oico [2], 15-α-acetoxi-ent-kaur-16-en-19-oico [3] y 15-oxo-ent-kaur-16-en-19-oico [4], así como el estudio de su
actividad antibacteriana.
Materiales y Métodos.
Los ácidos [1], [2] y [3] fueron obtenidos de las partes aéreas de Espeletia nana colectada en el Páramo la Cristalina
Edo. Trujillo, la metodología fue las misma descrita por Visbal et al., 2004. Para la obtención del compuesto [4] se
sometió a oxidación el compuesto [2] con CrO3 en piridina. Para la reacción con DMSO se preparó una solución
del ácido correspondiente 200 mg (mmol) en un exceso de dimetilsulfoxido (10 mL) y fue sometido a reflujo por
un tiempo de dos horas. Al final se adicionó agua destilada y se separó por una extracción líquido-líquido con éter
etílico. La fracción orgánica fue secada con Na2SO4 anhidro y posteriormente fue evaporada en un rotavapor hasta
obtener un sólido. Los productos fueron purificados por columna flash isocrática usando como solvente hexano.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados/Discusión y Conclusiones.
216
Se obtuvieron los derivados ent-kaur-16-en-19-oxo-19-metilen, metilsulfoxido[5], 15-α-hidroxi-ent-kaur-16-en-19oxo-19-metilen, metilsulfoxido[6], 15-α-acetoxi-ent-kaur-16-en-19-oxo-19-metilen, metilsulfoxido[7], ent-kaur-16en-15,19-dioxo-19-metilen, metilsulfoxido[8]. Todos los compuestos fueron evaluados frente a diferentes cepas
Gram positiva y Gram negativa por el método de microdilución en caldo, sólo el compuesto [1] mostró actividad
antibacteriana contra cepas Gram positivas. La concentración mínima inhibitoria fue para Staphyloccocus aureus
ATCC 25923(100 μg/mL) y Enteroccocus faecalis ATCC 29212 (750 μg/mL). La presencia del grupo carboxilo en C-19
libre es fundamental para la actividad antibacteriana, razón por la cual todos los derivados fueron inactivos frente a
las cepas estudiadas. Sin embargo es importante destacar que es la primera vez que se reportan este tipo de derivados del ácido kaurénico azufrados, los mismos podrían ser compuestos comprometedores para ser evaluados en
otras actividades biológicas.
COMPOSICIÓN QUÍMICA Y ACTIVIDAD ANTIBACTERIANA DEL ACEITE
ESENCIAL DE LAS FLORES DE LANTANA TRIFOLIA L.
COLECTADA EN MÉRIDA, VENEZUELA
(Chemical composition and antibacterial activity of the essential oil from
flowers of Lantana trifolia L. collected from Mérida, Venezuela)
G. Meccia1, LB Rojas1 y ME Lucena2
1
Grupo Productos Naturales y Química Medicinal, Instituto de Investigaciones.
2
Departamento de Bioanálisis Clínico. Facultad de Farmacia y Bioanálisis.
Universidad de Los Andes, Mérida, Venezuela.
[email protected]
Introducción
El género Lantana (Verbenaceae) comprende unas 100 a 150 especies, 18 de las cuales se encuentran en Venezuela.
Las especies de este género crecen generalmente como plantas ornamentales en sembradíos públicos y jardines
privados, por sus vistosas flores y floración persistente. Diversos estudios han demostrado las propiedades terapéuticas
de algunas especies del género Lantana, las cuales han sido utilizadas en la medicina tradicional para el tratamiento
de heridas, desórdenes digestivos, reumatismo, asma, como analgésico, antidiabético y antimicrobiano.
Métodos
El aceite esencial obtenido por hidrodestilación de las flores (0,03 %) de Lantana trifolia (Verbenaceae) colectada en
el sector Campo Claro de la ciudad de Mérida, fue analizado por cromatografía de gases/espectrometría de masas
(CG/EM); posteriormente se determinó su actividad antibacteriana por el método de difusión en agar con discos
(Kirby-Bauer), utilizando cepas de referencia internacional (ATCC).
Resultados, discusión, conclusiones
Palabras claves: Lantana trifolia, Verbenaceae, aceite esencial, actividad antibacteriana.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
El análisis por GC/EM del aceite esencial permitió identificar un total de 17 componentes (94,96%), por comparación
de los espectros de masas con la base de datos Wiley GC-MS y por comparación de sus índices de retención con
los reportados en la literatura. Los componentes mayoritarios encontrados fueron: germacreno-D (36,86%), betacariofileno (23,86%), alfa-copaeno (7,97%) y delta-cadineno (4,12%). Solo se observó actividad antibacteriana frente
a las cepas Gram-positivas estudiadas, resultando más sensible el S. aureus, con un halo de inhibición de 12,5 mm,
mientras que E. faecalis presentó un halo de inhibición de 9 mm. La moderada actividad del aceite esencial de L.
trifolia probablemente se deba a su alto contenido de hidrocarburos sesquiterpénicos (91,25 %), los cuales presentan
poca actividad antibacteriana.
217
EVALUATION OF ANTIMICROBIAL ACTIVITY
OF THREE SPECIES OF ASPIDOSPERMA
Pessini G.L.1, Aquino P.G.V.1, Bernardo V.B.1, Costa M.A.2 Dias Filho B.P.3,
Nakamura C.V3, Sant’Ana A.E.G.4, Araújo-Júnior J.X.4
1 Postgraduate students
, Institute of Chemistry and Biotechnology, Federal of Alagoas
University, UFAL, Maceio, AL, Brazil.
2 Postgraduate student
, Program of Postgraduate in Pharmaceutical Sciences, State of
Maringá University, UEM, Maringá, PR, Brazil.
3 Microbiology of Laboratory
, Program of Postgraduate in Pharmaceutical Sciences,
State of Maringá University, UEM, Maringá, PR, Brazil.
4 Research Laboratory of
Natural Resources, Institute of Chemistry and Biotechnology,
Federal of Alagoas University, UFAL, Maceio, AL, Brazil.
[email protected]
Introduction
Several species of the genus Aspidosperma is used in folk medicine as a potential agent against malaria, leishmania,
antimicrobial and inflammatory process. For this study we selected the species Aspidosperma tomentosum,
A. macrocarpum and A. pyrifolium known species such as “peroba”. The aim of this study was to evaluate the
antimicrobial activity of extracts and fractions of these species against strains of GRAM positive bacteria, GRAM
negative bacteria and yeasts.
Methods
We used ethanol extracts of root bark, stem bark, stem and root of A. tomentosum, A. macrocarpum were used
ethanolic extracts of the twigs and stems, leaves, stem bark and stem, and the fractions obtained from crude extract
of the stem. For the species A. Pyrifolium was used crude ethanol extract of the fruit, flower, root, root bark, bark the
wood and timber, and the fractions of crude ethanol extract of the wood. The antimicrobial activity was observed
on strains of Gram positive (Staphylococcus aureus ATCC 25923 and Bacillus subtilis ATCC 6623), Gram negative
(Escherichia coli ATCC 25922 and Pseudomonas aeruginosa ATCC 15442) and Candida species (Candida albicans
ATCC 10231, C. parapsilosis ATCC 22019 and C. tropicalis), by broth microdilution test for determining the minimum
inhibitory concentration (MIC) and minimal bactericidal and fungicidal concentration (MBC/MFC).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
218
The extracts and fractions of A. macrocarpum showed no activity against the tested bacteria (MIC > 1000 µg/mL)
and ethyl acetate fraction (MIC 250 µg/mL) and the alkaloidal fraction (MIC 500 µg/mL) of the stem showed weak
activity for C. parapsilosis. The crude extract of root bark of A. tomentosum showed a weak antibacterial activity of
S. aureus and B. subtilis (MIC 1000 and 500 µg/mL, respectively) and showed no activity against yeasts (MIC > 1000
µg/mL). For the species A. pyrifolium only the alkaloidal fraction of the wood showed a moderate activity with
MIC of 125 and 250 µg/mL of S. aureus and B. subtilis, and the MBC was 1000 µg/mL for both bacteria. This fraction
also showed a weak activity against C. parapsilosis and C. tropicalis (MIC 500 µg/mL). Although there are reports
ethnopharmacological about the popular use of some species of Aspidosperma antimicrobial as this study found no
significant activity for this action in the extracts and fractions of A. tomentosum, A. macrocarpum and A. pyrifolium
against the tested microorganisms. Tests for verification of the action potential of these extracts on protozoa are
being conducted.
Financial Support: CAPES/CNPq
FRACCIONAMIENTO BIOGUIADO DEL EXTRACTO HIDROETANÓLICO DE
ARISTEGUIETIA GLUTINOSA LAM. Y ELUCIDACIÓN ESTRUCTURAL DE LOS
PRINCIPIOS ACTIVOS ANTITRYPANOSOMA CRUZI
Varela J.1 , Rodríguez A.2, Miño P.3,
Chiriboga X.3, Cerecetto H.1, González M.1
1 Grupo de Química Medicinal,
Laboratorio de Química Orgánica, Facultad de Ciencias-Facultad de
Química, 2 Química Analítica, Polo Tecnológico, Facultad de Química, Universidad de la
República, Montevideo, Uruguay. 3 Escuela de Bioquímica y Farmacia,
Facultad de Ciencias Químicas, Universidad Central, Ecuador
[email protected]
Introducción
La enfermedad de Chagas, causada por el protozoario flagelado Trypanosoma cruzi (T. cruzi), es una endemia
ampliamente difundida en América Central y del Sur que genera graves problemas sanitarios, económicos y sociales
en los países afectados. A más de un siglo de su descubrimiento no existe hasta el momento fármacos completamente
efectivos para su tratamiento. Aristeguietia glutinosa Lam. (“Matico”) es una de las plantas utilizadas en la medicina
tradicional ecuatoriana desde hace ya muchos años. Se ha identificado que el extracto hidro-etanólico de las
sumidades floridas y foliáceas de Matico posee importantes propiedades antivirales, antibacteriales y antifúngicas.
Dado que numerosos agentes antifúngicos han sido descritos como potentes inhibidores del crecimiento de T. cruzi,
se pensó que este extracto podría ser un buen agente para inhibir el crecimiento de este parásito.
Métodos
Se realiza el fraccionamiento bio-guiado del extracto hidro-etanólico de Matico. Como bioensayos se emplea la
inhibición de crecimiento de la forma epimastigote de T. cruzi, cepa Tulahuen 2, y la hemólisis de glóbulos rojos
humanos. Las estructuras químicas de los dos componentes más activos se elucidan por 1H RMN, 13C RMN, COSY,
NOESY, HSQC, HMBC, DEPT, IR, UV, MS y poder rotatorio específico.
Se encontró que el extracto hidro-etanólico de Aristeguietia glutinosa Lam. (´Matico´) presenta actividad anti-T. cruzi
(CI50 = 19.6 µg/mL) y cierta actividad hemolítica (CI50 < 12.2 µg/mL, índice de selectividad < 0.6). En el fraccionamiento
bioguiado se obtiene que la fracción diclorometánica conserva la actividad antiproliferativa (CI50 = 26.3 µg/mL). Ésta
se fraccionó en una componente metanólica y una n-hexánica, ambas con interesantes actividades anti-T. cruzi,
CI50 = 25.5 y 31.1 µg/mL, respectivamente. De la fracción metanólica, fracción que muestra mayor actividad, se
aislaron por cromatografía en columna dos compuestos puros con relevante actividad anti-T. cruzi. La elucidación
estructural de los mismos, por combinación de técnicas espectroscópicas, indicó que se trata de diterpenos tipo
copalanos, específicamente labd-7-en-13,12-ólido y 12-hidroxi-labd-7-en-13-al. Este último es el compuesto con
mayor actividad anti-T. cruzi aislado del extracto hidro-etanólico de Aristeguietia glutinosa Lam. (CI50 = 3.0 µg/mL, 12.0
µM) y con una menor actividad hemolítica de glóbulos rojos humanos (índice de selectividad = 2.2). Por otro lado,
esta es la primera vez que se describe el aislamiento de 12-hidroxi-labd-7-en-13-al de la naturaleza. Los resultados
obtenidos muestran que las hojas de Aristeguietia glutinosa Lam. pueden ser una fuente de nuevos fármacos con
actividad antiprotozoaria. Sin embargo, estudios adicionales in vitro e in vivo son necesarios para validar el uso de
Matico en el tratamiento de la enfermedad de Chagas.
Financial Support: RIDIMEDCHAG-CYTED, CSIC-UdelaR
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados, discusión y conclusiones
219
CITOTOXIC ACTIVITY OF EXTRACTS, FRACTIONS AND COMPOUNDS
OF SOLANUM LYCOCARPUM A. ST. HIL SOLANACEAE
Martins G.Z.1, Moreira R.R.D.1, Magalhães N.O.1, Santos L.E.1,
Queiroz G.M.2, Almeida A.E.2, Pietro R.C.L.R.2
1
Department of Natural Active Principles and Toxicology, 2 Department of Pharmacy and
Drugs, School of Pharmaceutical Science, UNESP, Araraquara, SP, Brazil.
[email protected]
Introduction
Solanum lycocarpum A. St. Hil belongs to the Solanaceae family, is a plant found in Brazilian Cerrado and known
as lobeira. The fruits of the lobeira are used in traditional medicine, presented different activities, such as in the
adjunctive treatment of diabetes, obesity and as hypocholesterolemica. Glycoalkaloids (solamargine, solasonine and
solasonine) are considered to be the most important chemical substances. The objective is to analyze the cytotoxicity
in macrophages of the crude extract of fruits of S. lycocarpum obtained by reflux and fractions.
Methods
Fruits of S. lycocarpum were collected in the city of Barretos, São Paulo, Brazil (SPFR 11,308), were dried and pulverized.
The ethanol extract was obtained by reflux of 35 g of fruit with ethanol 96 °GL, 4 hours. The crude extracts (EB) were
obtained after the evaporation under reduced pressure. The EB was partitioned with ethanol, hexane:ethyl acetate
(9:1), obtaining the ethanol (FE) and hexane fractions (FH). Through thin layer chromatography (TLC), described
by Almeida et. al. (1995), was analyzed the presence of solamargine (Sg) and solasonine (Sn) in EB, FE and FH, using
standard Sn and Sg. Glycoalkaloids purified from FE by column chromatography (GC), give the fractions F0 to F5.
Cytotoxicity tests were performed with murine macrophages (J774), maintained in RPMI-1640 (pH 7.0), incubated
at 37 oC, 5% CO2. After growth and collection the cells (1x105 cells/mL) were incubated in 96-well microplates at
37 oC, 5% CO2 for 24 h. After this period, samples EB, FE, FH, F2, Sg standard, Sn standard and mixture of Sn and
Sg (Sn+Sg) were serially diluted in concentration ranging from 2000 to 15.65 µg/mL. The tests were performed in
triplicate. The growth was acessed by addition of 15 µL of 0.1 mg/mL resazurin aqueous solution, incubating the
plate for additional 3 h. The reading was performed by the fluorescence of the reduced product resorufin reading
in a microplate spectrofluorometer (Spectra Flour Plus, Tecan) with excitation wavalength of 530 nm and 590 nm
emission. The 50% cytotoxic concentration (CC50) was calculated based on fluorescence analyzed by Magellin
software for correlation and regression.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
220
It was possible to obtain Sn (Rf = 0.46) and Sg (Rf = 0.59) of the fruits of S. lycocarpum using the reflow process. These
compounds were present in EB, FE, F2 and F3. The cytotoxicity results of the extracts, fractions and compounds were
as follows: EB = 15.65-31.25 µg/mL, FE = 500-1000 µg/mL, FH = > 2000 µg/mL, F2 = 15.65-31.25 µg/mL, Sg = > 2000 µg/
mL, Sn = 31.25-62.50 µg/mL and Sn+Sg = 125-250 µg/mL. From these results we can conclude that the Sn is more toxic
to macrophages than Sg and that when the compound is mixed there is a intermediary cytotoxicity. The fractions EB,
FE, F2, which contains Sn, have higher cytotoxicity than the fraction of FH, which lacks the compound, showing that
the cytotoxicity of the fractions is directly proportional to the presence of Sn. The cytotoxicity can be attained and
monitored dependent on the presence and quantity of Sn, suggesting that these compounds can be studied using as
antineoplasic agents.
IN VITRO INTERFERENCE OF THE ESSENTIAL OIL OF ROSMARINUS OFFICINALIS
L. ON THE ACTIVITY OF POLYENE AND NITROIMIDAZOLE
ANTIBIOTICS AGAINST CANDIDA SPP
Barreto, H.M.1*, Lima S.I.1, Braga M.F.B.M.2, Tavares, C.C.A.2, Tintino, S.R.2, Coutinho, H.D.M.2
1
Laboratory of Microbiology and Immunology,UFPI, Floriano,PI, Brazil.
2
Laboratory of Microbiology and Molecular Biology, URCA,Crato, CE, Brazil.
[email protected]
Introduction
Several studies have focused on the biological properties of the Rosmarinus officinalis L. essential oil (REO) and their
major constituents. The REO composition study has showed that the terpenes among them, camphor, 1,8-cineole,
α-pinene, camphene, α-terpineol and borneol, were the dominating constituents. Many studies have shown that
REO is among the most active medicinal plant products against a number of pathogenic microorganisms. In the
present study, we evaluated the direct antifungal activity of the REO alone and in combination with polyene and
nitroimidazole antibiotics against Candida albicans and Candida krusei.
Methods
Stock solutions of the test substances were prepared by dissolving 10 mg of the compound in 1 mL of dimethylsulfoxide (DMSO - MERCK), thus starting with an initial concentration of 10 mg/mL. The resulting solution was then diluted to 1024 μg/mL in sterile water. The minimal inhibitory concentration (MIC) of the REO was determined by the
microdilution assay in BHI broth with suspensions of 105 CFU/mL and drug concentrations varying from 8 to 1,024
μg/mL. MIC was defined as the lowest concentration of drug at which no growth of microorganisms was observed.
In the evaluation of the test substance for modulatory effect on antibiotic activity, the MIC of the antibiotics were
determined in the presence of REO at sub-inhibitory concentrations (MIC/8), and then the plates were incubated
at 37 ºC for 24 h.
The REO displayed no activity at clinically relevant concentrations tested against against Candida strains. No interference was observed when the REO was used in combination with poliene and nitroimidazol drugs against C. albicans
strain. With respect to the combination of REO with the amphotericin B, the modulatory effect observed was antagonistic, where there was an increase in MIC for the antifungal tested against the C. krusei. It is possible that the
merging of oil in the the phospholipid bilayer could be blocking the binding of the drug to the ergosterol, preventing
the formation of transmembrane channel. On the order hand, an unconventional synergistic modulatory effect was
verified when the REO was tested in combination with the benzoilmetronidazol against C. krusei strain. Antibiotics
nitroimidazoles such as benzoilmetronidazol, merges in the DNA molecule, interfering with the replication and transcription processes. In this case, it is likely that the increase in membrane permeability caused by oil components has
facilitated the entry of the drug into the cell, allowing its binding to its target.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
221
MODULATION OF ANTIBIOTIC RESISTANCE ON MULTIRESISTANT BACTERIAL
STRAINS BY ESSENTIAL OIL OF ROSMARINUS OFFICINALIS L.
Barreto, H.M.1*, Lima S.I.1, Braga M.F.B.M.2, Tavares, C.C.A.2, Tintino, S.R.2, Coutinho, H.D.M.2
1
Laboratory of Microbiology and Immunology,UFPI, Floriano,PI, Brazil.
2
Laboratory of Microbiology and Molecular Biology, URCA,Crato, CE, Brazil.
[email protected]
Introduction
Rosmarinus officinalis L., commonly known as rosemary, is a popular herb in many western countries with global
cultivation. The herb has a long list of uses in folk medicine, cosmetics and phytocosmetics. Many studies have
shown that R. officinalis essential oil (REO) is among the most active medicinal plant products against a number of
pathogenic microorganisms. In the present study, we evaluated the antibacterial activity of the rosemary essential oil
and their antibiotic modifying activity when combined with aminoglycoside antibiotics against multidrug-resistant
Staphylococcus aureus and Escherichia coli strains.
Methods
Stock solutions of the test substances were prepared by dissolving 10 mg of the compound in 1 mL of dimethylsulfoxide (DMSO - MERCK), thus starting with an initial concentration of 10 mg/mL. The resulting solution was then diluted to 1024 μg/mL in sterile water. The minimal inhibitory concentration (MIC) of the REO was determined by the
microdilution assay in BHI broth with suspensions of 105 CFU/mL and drug concentrations varying from 8 to 1,024
μg/mL. MIC was defined as the lowest concentration of drug at which no growth of microorganisms was observed.
In the evaluation of the test substance for modulatory effect on antibiotic activity, the MIC of the antibiotics were
determined in the presence of REO at sub-inhibitory concentrations (MIC/8), and then the plates were incubated
at 37 ºC for 24 h.
Results and discussion/conclusions
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The REO displayed no activity against both multidrug resistant bacterial strains and did not affect the antibacterial activity of the aminoglycoside antibiotics against the multidrug resistant S. aureus strain. However, a significant
modulatory effect was verified when the REO was used in association with all aminoglycoside antibiotics against the
multidrug resistant E. coli strain. It is possible that the merging of oil terpenes in the outer membrane and cytoplasmic membrane of Gram negative bacteria E. coli has increased the permeability of these membranes, facilitating the
entry of the antibiotic in the bacterial cell. The result obtained in this study show the high pharmacological potential
of REO as a modifying agent of resistance to aminoglycosides.
222
EVALUACION ANTIVIRAL IN VITRO DE CUATRO ESPECIES DE LA FLORA CUBANA
Fidalgo P.O.1, Monteagudo B.R.1, Vazquez T.E2, Echemendia A.O.1,
Almora H.E., Bolaños Q.G., González M.2 .
1
Departamento de Ensayos in Vitro, Instituto Finlay. La Habana, Cuba.
2
Departamento de Biología, Universidad de Oriente, Santiago de Cuba, Cuba.
[email protected]
Introducción
Existen en el mundo un grupo de drogas antivirales que son utilizadas en el tratamiento contra el Virus del Herpes
Simple tipo 1 y tipo 2. Entre ellos pudiéramos citar: Aciclovir, Famciclovir, Foscarnet, etc. Sin embargo, estos antivirales
sintéticos tradicionales, constituyen drogas tóxicas, muy costosas y que pueden llegar a producir resistencia en el
hospedero. Los productos de origen natural, particularmente las drogas secas y los extractos han vuelto a alcanzar
una presencia cada vez mayor en la medicina occidental tradicional. Este retorno ha sido propiciado por el regreso
a lo natural, pero también debido al descubrimiento de efectos adversos en algunos fármacos sintéticos, al mejor
conocimiento químico, farmacológico y clínico de las drogas vegetales, al desarrollo de métodos analíticos que
facilitan el control de calidad y al desarrollo de nuevas formas de preparación y administración de los medicamentos
fitoterapéuticos. Los propósitos de la ciencia actual llevan a la transformación del conocimiento tradicional en
científico, los hábitos y costumbres en terapias comprobadas y los preparados, remedios, infusiones y cocimientos
en suplementos nutricionales y productos farmacéuticos. Este trabajo describe el estudio de la posible actividad
antiviral de un grupo de extractos vegetales preparados a partir de las especies: Tagetes erecta L., Terminalia muelleri
B., Spondias mombin L. y Trichilia hirta L. frente al virus del Herpes Simple tipo 1 y 2.
Métodos
Los ensayos se realizaron en la línea celular Vero, determinando la Concentración Citotóxica Media (CC50), la
Concentración Efectiva Media antiviral (CE50) y el Índice Selectivo, según Freshny ,1994 . Diferentes diluciones de los
extractos fueron enfrentados a 100 TICD50 de los virus Herpes Simple tipo 1 (HHV-1) y tipo 2 (HHV-2) . Utilizando
el método cuantitativo mediante la tinción con 3-(4,5-dimetiltiazol-2-il)-2,5-bromido difeniltetrazolium (MTT)
(Freshny,1994) fue determinado el porcentaje de células viables. Finalmente fue calculado la CC50 y la CE50, a través
de un análisis de regresión lineal para un coeficiente de determinación ≥ 0.9.
Los extractos provenientes de Tagetes erecta (flor y hojas), Terminalia muelleri (fruto y flor) y Spondias mombin
(corteza de raíz y hojas), no resultaron ser tóxicos hasta una concentración de 1000 µg/mL, mientras que el extracto
de Trichilia hirta mostró una toxicidad media a una concentración de 732,32 µg/mL. Los extractos etanólicos de
Tagetes erecta (flor), Terminalia muelleri (flor y fruto) y Spondias mombin (corteza de raíz) mostraron actividad
antiviral frente al Virus del Herpes Simple tipo 1 y tipo 2 con Indices Selectivos superiores a 2 siendo superiores
cuando fueron enfrentados al HHV-2.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados, Discusión y Conclusiones.
223
VIRUCIDAL ACTIVITY OF COLOMBIAN VERBENACEAE AND LABIATAE FAMILY
ESSENTIAL OILS AND THEIR MAJOR COMPOUNDS ON HERPES
SIMPLEX VIRUS REPLICATION IN VITRO
Betancur-Galvis L.A 1,*, Agudelo-Gómez L.S 1, Brand Y. M1 , Gómez Ríos G.A 2,
Durán García D.C2, Stashenko E. 2,*
1
Grupo de Investigación Dermatológica. Facultad de Medicina. Departamento de Medicina
Interna. Universidad de Antioquia, Medellín, Colombia.
2
Centro de Investigación en Biomoléculas, CIBIMOL. Universidad Industrial de
Santander, Santander-Colombia
[email protected]
Introduction.
Essential oils are complex natural mixtures of volatile secondary metabolites, isolated from plants by distillation.
There is evidence that shows that essential oils from various herb species can directly inactivate the virus. Inhibition of
enveloped virus subsequent replication in vitro (herpes simplex virus, hepatitis B virus and human immunodeficiency
virus) is observed by incubation of the virus with essential oil before cell adsorption. Only few reports describe the
inhibition of viral replication for essential oils and their major compounds. Infusions of some species of Vervenaceae
and Labiatae family are used as a remedy for colds, influenza, bronchitis, coughs and asthma. The goal of the present
study is the evaluation of the antiviral activity of forty essential oils and their major constituents, against HHV-1 and
HHV-2 for incubation of the virus with essential oil before cell adsorption. Then essential oils with the most antiviral
activity and their major constituents were evaluated for virucidal assays.
Experimental.
Antiviral activity- two-fold dilutions of the essential oils and viral suspension of one TCDI50/0.1mL were mixed and
incubated for 0.5 h at 37 ºC before they were added to confluent monolayer cells and further incubated at 37 °C for
48 h. Virucidal activity- the virus (300 PFU/mL of HHV-2) was incubated before adsorption with two-fold dilutions
of the essential oil and their major constituents for two times, 0.5 or 2 h, at 37ºC. Vero cells were infected in triplicate
with treated virus. After a 2 h period at 37°C, the cells were washed twice, followed by the incubation at 37ºC
containing 1.5% carboxymethyl-cellulose. After six days of incubation at 37°C in a humidified 5%-CO2 atmosphere,
medium was removed and cell monolayers were fixed with a solution of formaldehy (3.5%) and crystal violet (0.3%).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and conclusions.
224
The essential oils with more antiviral activity showed a reduction factor Rf (Rf: ratio of the virus titer in the absence
over virus titer in the presence of the tested compound) of the viral titer between 1 x 101.5 and 1 x 101. Lippia Alba
and Thymus vulgaris essential oils showed virucidal activity of 100% in concentrations over 50ug/mL for only 0.5 h
of treatment. In contrast none of monoterpenes tested showed virucidal activity of 100% in concentrations over of
50ug/mL. It remains to be determined whether the inhibitory effect of essential oils is due to binding of the essential
oil to viral proteins involved in host cell adsorption and penetration.
Acknowledgments. Financial support came from COLCIENCIAS, Bogotá, Colombia (Grant RC 245-2011).
ATIVIDADE ANTILEISEMANIA DE EXTRATOS
ETANÓLICOS DE COSTUS ARABICUS
Andrade J.C.1, Cunha F.A.B.1, Figueirêdo-Leite N.1, Vega C.2, Coutinho H.D.M.1
1
Universidade Regional do Cariri-URCA, Crato,CE.
2
Centro para el Desarrollo de la Investigación Científica (CEDIC), Fundación Moisés
Bertoni/Laboratorios Díaz Gill. Asunción-Paraguay.
Introdução
As leishmanioses são doenças endêmicas causadas por protozoários do gênero Leishmania ocorrendo em várias
partes do mundo, ocasionando um elevado índice de morbidade e mortalidade. As dificuldades em relação à
terapêutica atual têm conduzido a estudos com o objetivo de avaliar terapias alternativas, como a fitoterapia. Frente
a isso, as plantas medicinais têm sido a fonte de muitos medicamentos que são aplicados na prática clínica. A família
Costaceae é constituída por quatro gêneros: Costus, Dimerocostus, Monocostus e Tapeinocheilas. Costus é o gênero
com maior número de espécies, tendo suas raízes e caules utilizados pela medicina tradicional como diurético e
contra a diabetes, gonorréia, sífilis, nefrite e outros problemas de saúde. Este trabalho teve como objetivo verificar
a atividade antileishemania do extrato etanólico do bulbo, folhas e raízes de Costus arabicus contra leishemania em
formas promastigota, sendo o primeiro relato dessa atividade com esse gênero.
Métodos
Na produção do extrato etanólico Costus arabicus (EERC) foi utilizado 228 g de bulbo, folha e raiz. O material foi
devidamente cortado em pequenas secções e posto para secar. Posteriormente extraído por maceração e colocado
em litro de etanol, o homogeneizado foi deixado em repouso por 72 horas à temperatura ambiente. Os extratos
foram filtrados e concentrados sob vácuo num evaporador rotativo, utilizando um banho de água quente. Culturas de
Leishmania spp. foram obtidos a partir IICS (Instituto de Investigaciones en Ciencias de La Salud, Assunção, Paraguai)
e identificadas por análise isoenzimática. A manutenção das linhagens, forma de cultivo e isolamento das formas
promatigotas de Leishmania spp., bem como os ensaios de atividade antipromastigota seguiram os procedimentos
descritos por Roldos et al. (2008).
Resultados e discussão/conclusões
Os extratos etanólicos da folha, bulbo e raiz de Costus arabicus, inibiram respectivamente 45%, 34% e 4% das
formas promastigotas de L. braziliensis testadas. Todas as amostras foram testadas em uma concentração de 500µL.
Sobretudo os extratos etanólicos de Costus arabicus demonstraram atividade antileishemania, destacando o extrato
etanólico das folhas que apresentou maior eficácia frente às formas promastigotas.
Roldos V, Nakayama H, Rolón M, Montero-Torres A, Trucco F, Torres S, Veja C, Marrero-Ponce Y, Heguaburu V, Yaluff
G, Gómez-Barrio A, Sanabria L, Ferreira ME, Arias AR, Pandolfi E (2008): Activity of a hydroxybibenzyl bryophyte
constituent against Leishmania spp. And Trypanosoma cruzi: In silico, in vitro and in vivo activity studies. Eur J Med
Chem 43: 1797-1807.
Suporte Financeiro: CNPq, FUNCAP.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Referências
225
ANTIOXIDANT ACTIVITY BY DPPH SCAVENGING ASSAY OF
TAGETES PATULA L. ASTERACEAE EXTRACTS
1
Politi, F.A.S.1, Pietro, R.C.L.R.1
Department of Drugs and Medicines, Laboratory of Pharmaceutical Biotechnology,
School of Pharmaceutical Science, UNESP, Araraquara, SP, Brazil.
Introduction
The genus Tagetes belongs to the Asteraceae family, which consists of several herbaceous species, annual, with
ornamental characteristics, and is also known for its medicinal and biocide properties. Several species have high
economic and commercial importance due to the production of secondary metabolites, mainly thiophenes and
terpenoids, which have a variety of properties, such as nematicide, bactericide, fungicide and insecticide. Moreover,
it is also reported possesses flavonoids and phenols, which are compounds with properties typically antioxidant and
show multiple biological functions, such as antimutagenic and anticarcinogenic. In this study, was evaluated the
antioxidant potential of ethanolic extracts of aerial parts (AP), aerial parts withour flowers (APWF), flowers (Fl) and
essential oil (EO) from Tagetes patula.
Methods
The assay of antioxidant activity of the extracts was based on the scavenging activity of 2.2-diphenyl-1-picrylhydrazyl
solution (DPPH). Gallic acid, rutin, quercetin and vitamin C were used as antioxidants patterns. To 1 mL of the sample
solutions (250 µg/mL), 2.5 mL of 0.004% DPPH in methanol solution were added. The resulting solutions were
homogenized by vortex and kept in the dark for 30 minutes at room temperature. A solution of DPPH in methanol
(2.5:1, v/v) was used as negative control, and methanol was used as blank. Absorbance was measured at 517 nm in a
Shimadzu-1603 spectrophotometer, with quartz cuvettes of 1 cm light pathway. The anti-radical activity was calculated
by the equation: percent radical scavenging activity = (Abscontrol - Abssample)/Abscontrol x 100, where Abs = absorbance.
The results were expressed as the average of three determinations ± standard deviation, performing analysis of variance
(ANOVA) with p < 0.05.
Results and discussion/conclusions
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The DPPH is a stable free radical that interacts with antioxidant substances, which transfer electrons or atoms of
hydrogen to DPPH, neutralizing the free radical. When this process happens, the color of the reaction agent changes
from violet to yellow and the absorbance at 517 nm is reduced. The ANOVA demonstrated that the tested extracts
showed similar scavenging activities among themselves (AP = 90.55%, APWF = 90.04 %, Fl = 93.35% and EO = 88.88 %)
and no significantly difference antioxidant levels from utilized standards. The high percentage of radical-scavenging
activity of extracts and essential oil of T. patula are related to the concentration of flavonoids in these samples.
226
Financial Support: FAPESP
EVALUATION OF TRYPANOCIDAL POTENTIAL OF VEGETABLE
EXTRACTIVES OF TAGETES PATULA L. ASTERACEAE
Politi, F.A.S.1, Vieira, G. A.L.2, Cicarelli, R.M.B.3, Pietro, R.C.L.R.1
Department of Drugs and Medicines, Laboratory of Pharmaceutical Biotechnology,
School of Pharmaceutical Science, UNESP, Araraquara, SP, Brazil.
2
Institute of Chemistry, UNESP, Araraquara, SP, Brazil.
3
Department of Biological Sciences, Laboratory of Immunology and Molecular Biology of
Parasites, School of Pharmaceutical Science, UNESP, Araraquara, SP, Brazil.
1
Introduction
The hemoflagellate protozoa Trypanosoma cruzi, transmitted mainly by the triatominae insects, congenital infection
or sanguineous transfusion, is the causative agent of Chagas disease. This is a serious parasitic illness that occurs in
Latin America, with considerable social and economic impact. In current literature there are few researches about
the trypanocidal activity of natural extracts, especially from plants. We carried this study with Tagetes patula L., a
species that belongs to the Asteraceae family, which consists of several herbaceous species, annual, with ornamental
characteristics, and is also known for its medicinal and biocide properties, and is recognized as a source of many
interesting biologically active products like carotenoids, used as food colorants or feed additives and possessing
anticancer and anti-ageing effects; essential oils known for their antibacterial and insecticidal properties; thiophenes
with a marked biocidal activity and flavonoids with several pharmacological properties such as antioxidant and
antimicrobial.
Methods
In this work, were used extracts from the aerial parts (AP), aerial parts without flowers (APWF), flowers (Fl) and
essential oil (EO) of Tagetes patula, diluted in DMSO (dimethyl sulfoxide). The aim was to evaluate the trypanocidal
potential of these extractives in the epimastigote form of Y strain from T. cruzi. The investigation was made using a
colorimetric method, through the reduction of MTT [3-(4,5-dimethyltiazol-2-yl)-2,5-diphenyltetrazolium bromide]
into formazan that have an easy and fast application for to determine the IC50 (inhibitory concentration 50%). As
a negative control, we used three wells from the microplate containing only culture medium with inoculum. The
concentrations ranged from 25-500 µg/mL to extracts and 1-100 µg/mL to essential oil.
Results and discussion/conclusions
Financial Support: FAPESP
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Although of the several pharmacological properties showed by the genus Tagetes and the high concentration of
flavonoids in the samples, the extractives tested in this study by MTT colorimetric method were not active in T. cruzi,
even at the highest tested concentration.
227
ATIVIDADE ANTILEISHMANIA DO EXTRATO
ETANÓLICO E FRAÇÕES DE PIPER ARBOREUM
Tintino S.R..1, Souza T.M.1, Figueirêdo-Leite M.N.1, Lima M.A.2, Vega C.3, Coutinho H.D.M.1
1
Universidade Regional do Cariri,URCA,Crato,CE
2
Universidade Federal da Paraíba,UEPA,João Pessoa,PB
3
Centro para el Desarrollo de la Investigación Científica (CEDIC), Fundación Moisés
Bertoni/Laboratorios Díaz Gill. Asunción-Paraguay.
[email protected]
Introdução
A espécie Piper arboreum tem sido utilizada na medicina popular para o tratamento de problemas estomacais, e suas
raízes, quando mastigadas, são úteis para anestesiar dores de dente. As espécies de Piperaceae têm sido extensivamente
investigadas como uma fonte de metabólitos secundários, que apresentam atividade leishmanicida. Em humanos,
existem três formas principais de Leishmaniose: cutânea, mucocutânea e visceral. Com isso, as plantas medicinais têm
sido a fonte de novos compostos ativos sendo aplicados na prática clínica. No presente estudo foi avaliada a atividade
antileishmania do extrato bruto etanólico e fração obtida de folhas de Piper arboreum em formas promastigota do
parasita Leishmania braziliensis.
Métodos
Folhas de Piper arboreum foram coletados no município de Bananeiras, Paraíba (PB). As folhas foram desidratados,
maceradas em etanol e solução obtida foi concentrada em evaporador rotativo, formando o extrato etanólico bruto.
Este extrato foi posteriormente fracionado, gerando as frações diclorometano, hexânica e hidroalcóolica. Culturas de
Leishmania spp. foram obtidos a partir IICS (Instituto de Investigaciones en Ciencias de La Salud, Assunção, Paraguai)
e identificadas por análise isoenzimática. A manutenção das linhagens, forma de cultivo e isolamento das formas
promatigotas de Leishmania spp., bem como os ensaios de atividade antipromastigota seguiram os procedimentos
descritos por Roldos et al. (2008).
Resultados e discussão/conclusões
A fração hexânica e o extrato etanólico nas concentrações de 250 e 500µg/mL eliminaram 100 e 99% de células
promastigotas, respectivamente. Estudos sobre a atividade antileishmania de plantas do gênero Piper já foram
descritas, confirmando com que foi visto nestes resultados. Esses resultados destacam que Piper arboreum, mostrase como uma alternativa na busca de fármacos com uma ação relevante no tratamento da leishmaniose.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Referências
228
Roldos V, Nakayama H, Rolón M, Montero-Torres A, Trucco F, Torres S, Veja C, Marrero-Ponce Y, Heguaburu V, Yaluff G, Gómez-Barrio A, Sanabria L, Ferreira ME,
Arias AR, Pandolfi E (2008): Activity of a hydroxybibenzyl bryophyte constituent against Leishmania spp. And Trypanosoma cruzi: In silico, in vitro and in vivo
activity studies. Eur J Med Chem 43: 1797-1807.
Suporte Financeiro: CNPq, FUNCAP.
ATIVIDADE CITOTÓXICA E TRIPANOCIDA DE EXTRATO
ETANÓLICO E FRAÇÕES DE PIPER ARBOREUM.
Tintino S.R..1, Santos K.K.A.1, Morais-Braga M.F.B.1, Lima M.A.2, Vega C.3, Coutinho H.D.M.1
1
Universidade Regional do Cariri-URCA, Crato,CE.
2
Universidade Federal da Paraíba-UFPB, João Pessoa-PB.
3
Centro para el Desarrollo de la Investigación Científica (CEDIC), Fundación Moisés
Bertoni/Laboratorios Díaz Gill. Asunción-Paraguay.
[email protected]
Introdução
Piper arboreum tem sido utilizada popularmente no Brasil, na forma de decocto para o tratamento de reumatismo,
bronquite, gripe e resfriado, além de também ser empregada contra doenças venéreas e do trato urinário. A doença
de Chagas, causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, é uma das mais graves endemias do Brasil. Devido à ampla
distribuição geográfica desta doença, à falta de tratamento eficaz e seguro, e às suas graves manifestações clínicas,
a procura de novas substâncias para a profilaxia e/ou tratamento desta endemia tem aumentado. Nesse contexto,
as plantas medicinais têm sido estudadas como uma fonte de novos compostos ativos e com baixa toxicidade. Este
trabalho teve como objetivo avaliar a atividade tripanocida do extrato etanólico de folhas de Piper arboreum contra
Trypanosoma cruzi e sua atividade citotóxica.
Métodos
Folhas de Piper arboreum foram coletados no município de Bananeiras, Paraíba (PB). As folhas foram desidratados,
maceradas em etanol e solução obtida foi concentrada em evaporador rotativo, formando o extrato etanólico bruto.
Este extrato foi posteriormente fracionado, gerando as frações diclorometano, hexânica e hidroalcóolica. Para os
ensaios de atividades tripanocida foi utilizado o clone CL-B5 de T. cruzi estavelmente transfectadas com gene de
Escherichia coli b-galactosidase (lacZ), segundo a metodologia decrita por Vega et al. (2005). A atividade citotóxica
foi realizada através de Fibroblastos, clone NCTC 929 e seguiu o procedimento descrito por Rolon et al. (2006).
Resultados e Discussão/Conclusões
A melhor atividade anti tripanocida foi observada no extrato etanólico e na fração hexânica, com 62% de inibição
em 500 e 250 µg/mL, respectivamente. Com relação a atividade citotóxica, todas as frações apresentaram alta
toxicidade, porém o extrato etanólico apresentou toxicidade moderada (40%). Diversos estudos de sobre a atividade
tripanocidica de plantas do gênero Piper já foram relatadas,concordando com que foi visto neste trabalho. Portanto
Piper arboreum,mostra-se como uma alternativa relevante na busca de fármacos, que possam ser usados contra esse
protozoário.
Rolón M, Seco E, Vega C, Nogal JJ, Escario JA, Gómez-Barrio A, Malpartida F (2006): Selective activity of polyene macrolides produced by genetically modified
Streptomyces on Trypanosoma cruzi. Int J Antimicrob Agents 28: 104-109.
Vega C, Rolón M, Martínez-Fernández AR, Escario JA, Gómez-Barrio A (2005): A new pharmacological screening assay with Trypanosoma cruzi epimastigotas
expressing beta-galactosidase. Parasitol Res 95: 296-298.
Suporte Financeiro: CNPq, FUNCAP.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Referências
229
ATIVIDADE CITOTÓXICA E TRIPANOCIDA DO EXTRATO
ETANÓLICO E FRAÇÃO DE PIPER MOLLICOMUM
Guedes G.M.M.1, Sobral-Souza C.E.1, Matias E.E.F.2, Lima M.A.3, Vega C.4,
Rojas de Arias A.4, Rolón M.4, Coutinho H.D.M.1
1
Departamento de Química Biológica,URCA, Crato, CE, Brasil.
2
Faculdade Leão Sampaio, FALS, Juazeiro do Norte, CE, Brasil.
3
Universidade Federal da Paraíba-UFPB, João Pessoa-PB.
4
Centro para el Desarrollo de la Investigación Científica (CEDIC), Fundación Moisés
Bertoni/Laboratorios Díaz Gill. Asunción-Paraguay.
Introdução
As espécies da família Piperaceae têm sido investigadas como uma fonte de metabólitos ativos, que apresentam
atividade tripanocida. A espécie Piper mollicomum tem sido utilizada para o tratamento de problemas estomacais
e são úteis para anestesiar dores de dente. Devido à ampla distribuição geográfica da doença de Chagas, causada
pelo protozoário Trypanosoma cruzi e as graves manifestações clínicas, aumentam a procura por novas substâncias
para o tratamento desta endemia. Neste trabalho foi avaliada a atividade tripanocida do extrato etanólico e da
fração de folhas de Piper mollicomum contra Trypanosoma cruzi em formas epimastigota e a atividade citotóxica em
fibroblastos.
Métodos
Folhas de Piper mollicomum foram coletados no município de Bananeiras, Paraíba (PB). As folhas foram
desidratados, maceradas em etanol e solução obtida foi concentrada em evaporador rotativo, formando o extrato
etanólico bruto. Este extrato foi posteriormente fracionado, gerando a fração clorofórmica. Para os ensaios de
atividades tripanocida foi utilizado o clone CL-B5 de T. cruzi estavelmente transfectadas com gene de Escherichia
coli b-galactosidase (lacZ), segundo a metodologia decrita por Vega et al. (2005). A atividade citotóxica foi realizada
através de Fibroblastos, clone NCTC 929 e seguiu o procedimento descrito por Rolon et al. (2006).
Resultados e discussão/conclusões
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
A melhor atividade antitripanocida foi observada no extrato etanólico e na fração hexânica, com 76% de inibição em 500
µg/mL, respectivamente. Com relação a atividade citotóxica, todos os produtos naturais apresentaram alta toxicidade.
Diversos estudos de sobre a atividade tripanocidica de plantas do gênero Piper já foram relatadas,concordando com
que foi visto neste trabalho. Portanto Piper mollicomum mostra-se como uma alternativa relevante na busca de
fármacos, que possam ser usados contra esse protozoário, necessitando para isso do isolamento e novas análises de
seus componentes isolados.
230
Referências
Rolón M, Seco E, Vega C, Nogal JJ, Escario JA, Gómez-Barrio A, Malpartida F (2006): Selective activity of polyene macrolides produced by genetically modified
Streptomyces on Trypanosoma cruzi. Int J Antimicrob Agents 28: 104-109.
Vega C, Rolón M, Martínez-Fernández AR, Escario JA, Gómez-Barrio A (2005): A new pharmacological screening assay with Trypanosoma cruzi epimastigotas
expressing beta-galactosidase. Parasitol Res 95: 296-298.
Suporte Financeiro: CNPq, FUNCAP.
ATIVIDADE ANTILEISHMANIA DO EXTRATO
ETANÓLICO E FRAÇÕES DE PIPER MOLLICOMUM
Guedes G.M.M.1, Sobral-Souza C.E.1, Matias E.E.F.2, Lima M.A.3, Vega C.4,
Rojas de Arias A.4, Rolón M.4, Coutinho H.D.M.1
1
Departamento de Química Biológica,URCA, Crato, CE, Brasil.
2
Faculdade Leão Sampaio, FALS, Juazeiro do Norte, CE, Brasil.
3
Universidade Federal da Paraíba-UFPB, João Pessoa-PB.
4
Centro para el Desarrollo de la Investigación Científica (CEDIC), Fundación Moisés
Bertoni/Laboratorios Díaz Gill. Asunción-Paraguay.
[email protected]
Introdução
A espécie Piper mollicomum tem sido utilizada na medicina popular para o tratamento de problemas estomacais, e suas
raízes, quando mastigadas, são úteis para anestesiar dores de dente. As espécies de Piperaceae têm sido extensivamente
investigadas como uma fonte de metabólitos secundários, que apresentam atividade leishmanicida. Em humanos,
existem três formas principais de Leishmaniose: cutânea, mucocutânea e visceral. Com isso, as plantas medicinais
têm sido a fonte de novos compostos ativos sendo aplicados na prática clínica. No presente estudo foi avaliada
a atividade antileishmania do extrato bruto etanólico e fração obtida de folhas de Piper mollicomum em formas
promastigota do parasita Leishmania braziliensis.
Métodos
Folhas de Piper mollicomum foram coletados no município de Bananeiras, Paraíba (PB). As folhas foram desidratados,
maceradas em etanol e solução obtida foi concentrada em evaporador rotativo, formando o extrato etanólico bruto.
Este extrato foi posteriormente fracionado, gerando a fração clorofórmica. Culturas de Leishmania spp. foram obtidos
a partir IICS (Instituto de Investigaciones en Ciencias de La Salud, Assunção, Paraguai) e identificadas por análise
isoenzimática. A manutenção das linhagens, forma de cultivo e isolamento das formas promatigotas de Leishmania
spp., bem como os ensaios de atividade antipromastigota seguiram os procedimentos descritos por Roldos et al.
(2008).
Resultados e discussão/conclusões
Referências
Roldos V, Nakayama H, Rolón M, Montero-Torres A, Trucco F, Torres S, Veja C, Marrero-Ponce Y, Heguaburu V, Yaluff G, Gómez-Barrio A, Sanabria L, Ferreira ME,
Arias AR, Pandolfi E (2008): Activity of a hydroxybibenzyl bryophyte constituent against Leishmania spp. And Trypanosoma cruzi: In silico, in vitro and in vivo
activity studies. Eur J Med Chem 43: 1797-1807.
Suporte Financeiro: CNPq, FUNCAP.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
A fração clorofórmica e o extrato etanólico na concentração de 500µg/mL eliminaram 19 e 80% de células
promastigotas, respectivamente. Estudos sobre a atividade antileishmania de plantas do gênero Piper já foram
descritas, confirmando com que foi visto nestes resultados. Esses resultados destacam que Piper mollicomum,
mostra-se como uma alternativa na busca de fármacos com uma ação relevante no tratamento da leishmaniose.
231
ANTIOXIDANT ACTIVITY OF CECROPIA PACHYSTACHYA BY
THIOBARBITURIC ACIDREACTIVESUBSTANCES ASSAY TBARS
Gabriela da Silva Gonçalves; Danielle Maria de Oliveira Aragão; Elita Scio.
Laboratory of Bioactive Natural Products - Department of Biochemistry - Institute of
Biological Sciences - Federal University of Juiz de Fora - Juiz de Fora - MG - Brazil.
Introduction
Currently, the research interest is focused on the potential role of antioxidants and antioxidant enzymes in the
treatment and prevention of atherosclerosis, heart failure, neurodegenerative disorders, aging, cancer, diabetes
mellitus and several other diseases. There is an increasing interest in the natural antioxidants present in medicinal
and dietary plants, which are candidates for the prevention of oxidative damage. Cecropia pachystachya Trécul,
popularly known as “embaúba”, is accepted in herbal medicine as a dietary supplement, used for treating cough and
asthma, and also as cardiotonic and diuretic. The present study focused to investigate the antioxidant effects of the
methanolic extract of the leaves of C. pachystachya.
Methods
Lipid peroxidation was determined as following: homogenates (HM) were prepared with ground beef, distilled water
and extracts concentrations of 0.075, 0.15 and 0.30 mg/mL or BHT at the same concentrations (positive controls).
The negative control contained only ground beef and distilled water. The experiment lasted five days. Every day 0.5
g of HM (with extracts or BHT) was mixed with 2.5 mL of a reaction mixture containing 20% (w/v) trichloroacetic
acid and 0.5% (w/v) 2-thiobarbituric acid (TBA). The misture was incubated at 100 °C for 30 min and the reaction
was immediately stopped after inserting the test tubes into crushed ice, and centrifuged at 4000×g for 10 min. The
concentration of MDA-TBA complex was calculated by measuring the absorbance at 532 nm. The results were then
compared with a standard curve of MDA.
Results and discussion/Conclusions
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Thiobarbituric acid-reactive-substances assay (TBARS) test is still the most commonly used assay for the measurement
of lipid peroxidation in biomaterials. In this study, the concentrations of MDA-TBA complex of the negative control
were significantly higher (P < 0.001) than the values observed for all extracts concentrations and positive controls,
at all tested times. HM with the lowest extract concentration (0.075 mg / mL) exhibited 81% inhibition of lipid
peroxidation at the end of five days demonstrating that, in this case, antioxidant activity was not dose dependent.
By the other side, no statistical difference was observed between the positive controls in all concentrations of BHT
(88% inhibition of lipid peroxidation at the end of five days of treatment). Thus, C. pachystachya demonstrated an
excellent antioxidant potential.
232
Financial Support: FAPEMIG, BIC/PROPESQ/UFJF
IN VITRO ANTITUMOR ACTIVITY OF EXTRACTS OF
MITRACARPUS FRIGIDUS RUBIACEAE
Jonatas Rodrigues Florêncio1, Rodrigo Luiz Fabri1, Gabriele Mendes
Matos Cardoso2, Elaine Maria de Souza-Fagundes2, Elita Scio1
1
Laboratory of Bioactive Natural Products - Department of Biochemistry - Institute of
Biological Sciences - Federal University of Juiz de Fora - Juiz de Fora - MG - Brazil.
2
Department of Physiology and Biophysics - Institute of Biological Sciences - Federal
University of Minas Gerais - Belo Horizonte - MG - Brazil.
[email protected]
Introduction
Cancer occurs as a result of stepwise accumulation of genetic changes, which follow the failure of the homeostatic
mechanisms that govern normal cell proliferation. An alteration of multi-genetic and epigenetic molecular events is
required for cancer development. Thus, it is a good strategy to prevent cancer using some compounds which are able
to arrest or reverse carcinogenic changes before the appearance of the malignant disease. A great quantity of new
techniques facilitates the fast and simultaneous screening of various novel compounds for their antitumor activities at
molecular and biochemical levels. Although sometimes the random screening of various substances seems pointless
and time-consuming, many anticancer agents from plants have been discovered recently. Mitracarpus frigidus is
an annual shrub commonly found in Brazil. Few reports on its chemical composition and biological activity were
found in the literature, which encouraged the study of this species. So, the aim of this study was to evaluate in vitro
antitumor activity of extracts of M. frigidus. Moreover, it was investigated their main groups of phytoconstituents.
Methods
The aerial parts of M. frigidus were collected in Juiz de Fora/MG and methanolic, hexane, dichloromethane,
ethyl acetate, n-butanol and hydromethanolic extracts were gotten. A portion of each extract was used for the
identification of the major secondary metabolites. The antiproliferative activity was evaluated against three human
tumor cell lines, Jurkat (human immortalized line of T lymphocyte), HL60 (human promyelocytic leukemia) and
MCF-7 (breast cancer). Cell viability was estimated by measuring the rate of mitochondrial reduction of tetrazolium–
dye (MTT). Cell cycle status and quantification of DNA fragmentation (hypodiploid DNA-content) were performed
by propidium iodide (PI). Cells were treated with the extracts at 20 µg/mL and analyzed by flow cytometry.
Phytochemical screening demonstrated that all extracts presented phenols and flavonoids. Alkaloids were only
found in the methanolic, hexane and dichlorometane extracts. The cell proliferation assay demonstrated that the
methanolic, hexane and dichlorometane were more effective against the two lines of leukemic cells, Jurkat and
HL60. By the other side, for MCF-7, only dichlorometane extract was active. Induction apoptotic cell death was
only observed for HL60, being the hexane and dichlorometane extracts the most active. In vivo studies must be
performed to confirm the therapeutical potential of M. frigidus.
Financial support: FAPEMIG and UFJF
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
233
IN VITRO SCHISTOSOMICIDAL ACTIVITY OF THE METHANOLIC EXTRACT
OF MITRACARPUS FRIGIDUS AERIAL PARTS
Rodrigo Luiz Fabri1, Ana Carolina Alves de Mattos2, Paulo Marcos Zech Coelho2, Eveline
Gomes Vasconcelos3, Priscila de Faria e Pinto3, Elita Scio1
1
Laboratory of Bioactive Natural Products - Department of Biochemistry - Institute of
Biological Sciences - Federal University of Juiz de Fora - Juiz de Fora - MG - Brazil.
2
Laboratory of Schistosomiasis - René Rachou Research Center FIOCRUZ/MG- Belo Horizonte - MG-Brazil.
3
Laboratory of Study of Protein Structure and Function - Department of Biochemistry Institute of Biological Sciences - Federal University of Juiz de Fora - Juiz de Fora - MG - Brazil.
Introduction
Schistosomiasis is a neglected tropical disease that has only praziquantel as the main drug of choice, which is effective
in treating all Schistosoma species. However, this drug presents several side effects. In this context, the search for
bioactive natural products against Schistosoma mansoni has great importance for establishing future strategies to
control schistosomiasis. Mitracarpus frigidus is an annual shrub commonly found in Brazil. Few reports on its chemical
composition and biological activity were found in the literature, which encouraged the study of this species. So, the
aim of this study was to evaluate the in vitro schistosomicidal activity of the methanolic extract of M. frigidus aerial
parts.
Methods
The aerial parts of M. frigidus were collected in Juiz de Fora/MG and methanolic extract was gotten. The in vitro
schistosomicidal activity was evaluated in increasing concentrations of M. frigidus extracts (100, 200 or 400 μg/mL).
The couples of Schistosoma worms obtained from infected mice were cultured in RPMI supplemented with fetal
bovine and antibiotics. The worms were exposed to extracts for 24 hours and, after that period, the worms were
washed three times with culture medium and maintained in culture for more than 48 hours. Throughout the test,
the worms were incubated at 37oC and 5% CO2. Analyses were performed on Olympus inverted microscope and
photographed on Canon digital camera.
Results and discussion/conclusions
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
The extract, in all the tested concentrations, presented schistosomicidal activity as demonstrated by analysis of
several aspects such as tegument darkening, absence of motility, incapacity of adhesion in culture plate, absence of
egg in culture medium. This profile of the damage caused by exposition of adult worms on methanolic extract of M.
frigidus suggested that the extract could be useful in the development of new schistosomicidal drugs. In vivo studies
must be performed to confirm the therapeutical potential of the plant.
234
Financial support: FAPEMIG and UFJF.
CARACTERIZAÇÃO ANATÔMICA E ESTUDO FITOQUÍMICO DE FOLHAS
ADULTAS DE PALICOUREA RIGIDA KUNTH. RUBIACEAE
1
Andrade L. F.1; Gonçalves D. C.1; Figueiredo A. D. L. 2
Curso de Ciências Biológicas, Universidade Estadual de Goiás (UEG - campus UnUCET),
Anápolis, GO, Brasil. 2 Universidade Estadual de Goiás
(UEG - campus UnUCET), Anápolis, GO, Brasil
[email protected]
Introdução
O Cerrado brasileiro localizado no Planalto Central é a segunda maior formação vegetal brasileira em extensão, o que
corresponde a cerca de 24% da área total do país. Estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS) relataram
que cerca de 80% da população dos países em desenvolvimento fazem uso de algum tipo de medicina tradicional
para cuidados básicos de saúde. Dentre as inúmeras espécies vegetais do cerrado utilizado pela medicina popular,
destacam-se a espécie Palicourea rigida Kunth. (Rubiaceae), popularmente conhecida como bate-caixa. Estudos
etnobotânicos mostram que essa espécie é utilizada por comunidades locais como depurativo, no tratamento de
doenças renais e de inflamações do aparelho reprodutor feminino, sendo feito o decocto ou infusão das folhas, raízes
e cascas do caule. O presente trabalho tem como propósito propiciar a identificação e controle da droga vegetal.
Material e Métodos
Neste estudo foram utilizadas folhas adultas de P. rigida Kunth. (Rubiaceae) coletadas na área do Campus da
Universidade Estadual de Goiás (UEG), depositada no Herbário da UEG. Para os estudos anatômicos foram coletadas
folhas opostas do primeiro nó de cada galho, no sentido leste (em que o sol bate pela manhã). Após a lavagem e
secagem das folhas, foram realizados cortes transversais e paradérmicos à mão livre de acordo com microtécnicas
usuais para anatomia vegetal, para produção de lâminas semi-permanentes. Para o estudo fitoquímico as folhas foram
dessecadas em estufa com circulação forçada de ar (modelo FABBE - PRIMAR) a 40ºC, em seguida sendo moído
em moinho de facas (modelo Tipo WILLYE TE-650 TECNAL) à forma de pó. Os testes fitoquímicos foram baseados
em metodologias adaptadas para detecção metabólitos secundários baseados em Costa (1982) e Matos (1988).
A determinação da umidade, cinzas totais e cinzas insolúveis em ácido foram realizadas, em triplicada, conforme
técnicas descritas na Farmacopéia Brasileira (2000).
As folhas adultas de P. rígida possuem hipoestomáticas com cutícula espessa e longos tricomas tectores unisseriados
e multicelulares. A epiderme possui paredes espessas e mesófilo do tipo dorsiventral. Apresenta hipoderme
e esclerênquima em torno dos vasos condutores. Na prospecção fitoquímica verificou-se a presença taninos,
heterosídeos flavonóides, esteróides, triterpenos, alcalóides, heterosídeos saponínicos e resinas, sendo negativos para
cumarinas e heterosídios antraquinônicos. Os resultados apresentados possibilitam os conhecimentos básicos para
controle de qualidade de amostras e futuros estudos multidisciplinares.
Financial Support: Laboratório de Química, UnUCET - UEG.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/Conclusão
235
ANÁLISIS FITOQUÍMICO PRELIMINAR DE LA
FLAVOPUNCTELIA FLAVENTIOR
1
Cóndor C. E.A. 1 , Teves B. 1
Facultad de Ciencias, Universidad Nacional de Ingeniería, Lima, Perú
[email protected]
Introducción
Las especies del género Flavopunctelia flaventior se caracteriza por la presencia de una variada y rica composición
química.
El Perú, país con diversos ecosistemas, existe una alta diversidad de líquenes, con muy pocos estudios químicos,
biológicos y fisicoquímicos a nivel de sus extractos y sus metabolitos. No obstante a nivel mundial, se sabe de la
utilización de los extractos para tratar algunas enfermedades en medicina tradicional, entre las que se destacan las
afecciones renales, respiratorias y estomacales. En cuanto a los metabolitos aislados sobresale la gran cantidad de
compuestos tipo fenólico, los cuales presentan un gran número de actividades biológicas en especial la antioxidante.
Del mismo modo existen reportes de los usos a nivel industrial para la elaboración de productos cosméticos.
En este trabajo se realizó el análisis fitoquímico del líquen Flavopunctelia flaventior, la muestra que fue colectado en
el departamento de Junín, provincia de Jauja (3 352 msnm).
Método
Se siguió el procedimiento experimental de Rodina & Coussio -1969.
- Maceración de 5 g de liquen por 20 horas, seguido de reflujo por 4 horas.
- Separación de 5 mL del extracto metanólico (fracción para pruebas de aminogrupos primarios y/o secundarios y
grupos fenólicos libres) y el resto llevar a sequedad.
-
Disolución del sólido obtenido anteriormente con HCl al 1% a 500C, filtrar (guardar para posterior tratamiento).
- Disolución del residuo obtenido anteriormente con cloroformo a 500C y filtrar. Secar la fase clorofórmica con
Na2SO4 anhidra (fracción para pruebas de triterpenos y esteroides).
- Alcalinización de la solución ácida (ca. 20 mL) hasta pH = 9 con NH3(ac), luego se procede a la extracción con
cloroformo (2x25 mL).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
- Lavar la fase orgânica con água destilada (10 mL). Secar la fase clorofórmica con Na2SO4 anhidra (fracción para
pruebas de alcaloides, triterpenos y esteroides).
236
-
Extración de la solución básica (ca. 25 mL) (3:2)(2x25 mL).
-
Lavado de la fase orgânica con agua destilada (10 mL). Secar la fase con Na2SO4 anhidra (fracción para pruebas de
flavonoides, alcaloides, leucoantocinidinas, y catequinas).
- La solución básica (ca. 25 mL) forma parte de La fracción donde se realizarán pruebas para flavnoides,
laucoantocinidinas y catequinas.
Conclusiones
Del liquen Flavopunctelia flaventior se detectó la presencia de: Aminogrupos primarios y/o secundarios (+), grupos
fenólicos libres (+), triterpenos y esteroides (+), alcaloides (+) y Leucoantocianidinas, catequinas (+).
AVALIAÇÃO INSETICIDA DOS EXTRATOS DE MINQUARTIA GUIANENSIS
CONTRA ADULTOS DE SITOPHILUS ZEAMAIS MOTSCHULSKY,
1855 COLEOPTERA: CURCULIONIDAE
Cursino L.M.C. 1, Oliveira T.A 2, Amaral, L.V.2, Teles, B.R.2, Nunez C.V. 1
Laboratório de Bioprospecção e Biotecnologia, Instituto Nacional de Pesquisas da
Amazônia, Av. André Araújo, 69060001, Manaus, AM, Brasil.
2
Coordenação de Pesquisas em Entomologia, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia,
Av. André Araújo, 69060000, Manaus, AM, Brasil.
[email protected]
1
Introdução
A espécie Minquartia guianensis (Olacaceae) é encontrada na região Amazônica e também na Nicarágua, Panamá
e Costa Rica, é conhecida como acariquara, acari, arariúba, entre outros. O ácido minquartinóico, um poliacetileno
citotóxico mostrou atividade moderada em ensaio in vitro frente ao Plasmodium falciparum e Leishmania major.
Eritrodiol, betulina, lichexantona, esqualeno, lupeol, taraxerol e lupen-3-ona foram isolados desta espécie. O objetivo
deste trabalho foi avaliar a atividade inseticida dos extratos metanólicos (MeOH) das folhas e dos galhos e aquoso
(H2O) das folhas contra adultos de Sitophilus zeamais Mots., 1855 (Coleoptera: Curculionidae), por contato em
superfície contaminada e por ingestão de grãos contaminados.
Metodologia
A coleta do material vegetal foi realizada na Reserva Ducke em datas distintas, sendo a primeira coletada em abril
de 2005 e a segunda coletada em julho de 2008. Os materiais vegetais foram secos à temperatura ambiente, moídos
e submetidos à extração com diclorometano, metanol e água em ordem crescente de polaridade. Utilizou-se ultrasom, por um período de 20 minutos para cada solvente. Cada extração foi repetida mais duas vezes. Após foi realizada
a evaporação dos solventes, utilizando rota-evaporador e liofilizador para obtenção dos extratos brutos. Pela via de
contato foi adicionado 1mL de cada extrato nas concentrações de cada tratamento. Após cinco dias foi realizada a
contagem dos indivíduos mortos. Por ingestão foram pesados 20 g de milho, sobre os quais foram pipetados 2 mL de
cada extrato nas concentrações de cada tratamento. A contagem dos indivíduos mortos foi realizada após 15 dias da
aplicação de cada extrato. Para as duas vias os extratos foram testados em quintuplicata nas concentrações de 0.001,
0.1, 1, 10, 30 e 50 mg/mL e em cada replicata foram adicionados 20 adultos de S. zeamais não-sexados com idade
entre 10 e 20 dias de idade. Nos controles, foi utilizado o solvente específico: MeOH para os extratos metanólicos e
H2O destilada para os aquosos.
Os extratos MeOH das folhas apresentaram resultado promissor pela via de contato, principalmente para a coleta de
julho de 2008, a qual chegou a 68 % de mortalidade na concentração de 50 mg/mL. No entanto, os extratos testados
não mostraram bons resultados pela via de ingestão, não ultrapassando 3 % de mortalidade na concentração de 0,1
mg/mL para o extrato H2O das folhas. Assim, infere-se que as substâncias inseticidas conseguem permear a camada
externa que reveste o inseto. Análises fitoquímicas estão sendo realizadas a fim de isolar as substâncias ativas.
Financiamento: CNPq/CT-Agro, PPBio/INPA/CNPq/MCT, FAPEAM.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussão
237
ESTUDO MICROBIOLÓGICO DE DIFERENTES
ESPÉCIES DE PIPER L.1
Heredia Vieira, S.C.2, Dias Filho, B.P.3, Koroishi, A.M.3, Garcia Cortez, D.A.4
1
Parte da dissertação de mestrado da primeira
autora - Ciências Farmacêuticas UEM
2
Doutoranda em Ciências Farmacêuticas da UNESP, Araraquara, SP, Brasil.
3
Departamento de Ciências Básicas da Saúde da UEM, Maringá, PR, Brasil.
4
Departamento de Farmácia e Farmacologia da UEM, Maringá, PR, Brasil.
[email protected]
Introdução
Na busca pela cura de algumas doenças, como infecções, as plantas medicinais são fontes promissoras de
substâncias ativas, importantes na terapêutica e que podem funcionar como protótipos para o desenvolvimento
de medicamentos mais potentes, seletivos e menos tóxicos. As plantas da família Piperaceae se destacam por
apresentarem em sua composição química uma diversidade de metabólitos secundários bioativos, dentre eles,
alcalóides, compostos fenólicos, lignanas, neolignanas, flavonóides, terpenos e esteróides. Neste contexto, realizouse um screening microbiológico com plantas Piperaceae para investigar o potencial terapêutico frente a diferentes
microorganismos.
Metodologia
Foram estudadas espécies nativas na região Noroeste do Paraná - Maringá (Piper arboreum, P. diospyrifolium, P.
hispidum, P. xylosteoides, P. crassinervium e P. aduncum) e nativas no Centro-Oeste do Mato Grosso do Sul - Dourados
(P. hispidum, P. amalago e P. sp.). Os extratos hidroalcoólicos (etanol/água 9:1 v/v) foram obtidos das folhas das
espécies pelo processo de maceração à frio e separados em fase aquosa e diclorometânica. Foram utilizadas as
bactérias Escherichia coli, Pseudomonas aeruginosa, Bacillus subtilis e Staphylococcus aureus e as leveduras Candida
albicans, Candida parapsilosis e Candida tropicalis, cultivadas em caldo Müeller Hinton e caldo Sabouraud,
respectivamente, a 37ºC por 24 a 48 h. Foram determinadas as concentrações mínimas inibitórias (MIC) dos extratos
e dos antimicrobianos de referência (tetraciclina, penicilina, vancomicina e nistatina) pela técnica de microdiluição,
sendo o MIC definido como a menor diluição capaz de inibir o crescimento, quando comparado com o controle.
Para determinação das concentrações bactericidas mínimas (MBC) ou das concentrações fungicidas mínimas (MFC)
foram realizados repiques de todos os poços onde ocorreu inibição do crescimento microbiano e do poço controle.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussões/conclusões
238
Apenas as fases diclorometânicas apresentaram resultados significativos. Foi considerada como atividade boa,
concentrações inferiores a 100 µg/mL, entre 100 e 500 µg/mL, atividade moderada, entre 500 e 1000 µg/mL, atividade
baixa e acima de 1000 µg/mL, inativo. A espécie P. hispidum apresentou o melhor resultado. A espécie nativa de
Maringá, apresentou boa atividade bactericida contra B. subtilis, à concentração de 31,25 µg/mL, e a nativa de
Dourados, atividade bacteriostática e bactericida contra S. aureus, à concentração de 31,25 µg/mL e 62,5 µg/mL,
respectivamente, e contra B. subtilis, à 31,25 µg/mL (bactericida). Com relação à atividade antifúngica, as espécies
P. arboreum e P. diospyrifolium foram as mais ativas e apenas contra C. tropicalis, à concentração de 62,5 µg/mL,
apresentando portanto, boa atividade antifúngica. Com base nos resultados, é possível observar que a espécie P.
hispidum não apresentou diferença significativa de atividade antibacteriana entre as amostras coletadas em diferentes
regiões. Posteriores estudos poderiam elucidar as substâncias potencialmente ativas da família estudada.
Suporte financeiro: CAPES
EVALUACIÓN DE LA ACTIVIDAD ANTIINFLAMATORIA DE LOS COMPUESTOS
MAYORITARIOS OBTENIDOS DE TAGETES LUCIDA, CYMBOPOGON
CITRATUS, LIPPIA ALBA Y EUCALYPTUS CITRIODORA
1
Sepúlveda-Arias J.C.1*, Veloza-Castiblanco L.A2, Escobar-Dávila L.M.1,
Orozco-Arboleda L.M.2, Lopera .I.A.1
Laboratorio de Fisiología Celular e Inmunología, Facultad de Ciencias de la Salud,
Universidad Tecnológica de Pereira, Pereira, Risaralda, Colombia.
2
Laboratorio de Fitoquímica, Escuela de Tecnología Química, Universidad
Tecnológica de Pereira, Pereira, Risaralda, Colombia.
[email protected]
Introducción
La inflamación es un proceso complejo de eventos que ocurre en respuesta a un estímulo nocivo, trauma o infección y
esa respuesta es orquestada por una respuesta coordinada entre mediadores de la inflamación y células inflamatorias,
la cual termina con la liberación de mediadores de la inflamación como algunas citoquinas y prostaglandinas. Debido
a la poca información disponible con relación al efecto antiinflamatorio de aceites esenciales y sus componentes, y
teniendo en cuenta la necesidad de identificar nuevos inhibidores selectivos de COX-2, el propósito de éste estudio
fue evaluar la actividad antiinflamatoria in vitro de los AEs extraidos de Tagetes lucida, Lippia alba, Cymbopogon
citratus, Eucalyptus citriodora y sus respectivos epóxidos generados con dimetildioxirano (DMDO).
Métodos
Los AEs se obtuvieron a partir de las hojas del material vegetal mediante hidrodestilación asistida por microondas.
Se aislaron los componentes mayoritarios y se obtuvieron sus epóxidos con DMDO. Se evaluó la citotoxicidad de
los AEs y sus epóxidos sobre la línea de macrófagos murinos RAW264.7 con el método del MTT (bromuro de 3
[4,5-dimetiltiazol-2-ilo]-2,5-difeniltetrazol) y se seleccionaron aquellos en los cuales la viabilidad celular fue mayor del
60%. Se procedió a estimular células RAW264.7 con lipopolisacárido bacteriano (LPS) a concentraciones de 5 y 10
ug/mL durante 12 o 18 horas, con el fin de determinar la producción de óxido nítrico (NO) empleando el reactivo
de Griess, prostaglandina E2 (PGE2) y Factor de necrosis tumoral alfa (TNF-a) mediante ELISA. Adicionalmente, se
determinó la expresión de los genes iNOS, COX-2 y TNF-a mediante reacción en cadena de la polimerasa con
transcripción reversa (RT-PCR).
Se determinó que la concentración final máxima de DMSO que no induce daño a los macrófagos murinos es 0.1%.
Los compuestos que indujeron la mayor inhibición tanto en la producción de NO como en la de PGE2 fueron: aceite
esencial de Tagetes lucida (0.25 g/L), epóxido del estragol (0.20 g/L), epóxido del citral (0.013 y 0.067 g/L), carvona
(0.23 g/L), epóxido de carvona (0.20 g/L) y epóxido del citronelal (0.05 g/L). Igualmente, se encontró que estos aceites
disminuyen la expresión de los ARNm de INOs y COX-2. No se encontraron diferencias en la producción de TNF-a.
En general, los epóxidos de los aceites esenciales analizados poseen actividad antiinflamatoria in vitro, superior a la de
los compuestos de partida.
Financial Support: Vicerrectoría de Investigaciones Innovación y Extensión, Universidad Tecnológica de
Pereira, Red Alma Mater, COLCIENCIAS-CENIVAM (Contrato RS-432-2004).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión/conclusiones
239
ANTIBACTERIAL AND ANTIFUNGAL ACTIVITY OF THE LICHEN
XANTHORIA PARIETINA L. TH.FR.
1Adriana Basile 2Sergio Sorbo 1Barbara Conte 3Silvana
Munzi 3Luca Paoli 3Stefano Loppi
11Sezione di Biologia Vegetale, Dipartimento delle Scienze Biologiche, University of
Napoli, Italy; 2Centro Interdipartimentale di Servizio per la Microscopia Elettronica
C.I.S.M.E., Università Federico II
3Department of Environmental science, University of Siena, Italy
[email protected]
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Lichens produce peculiar secondary metabolites, so called “lichen substances”, that serve to screen excessive sunlight,
deter herbivore and prevent colonization by pathogens. Usnic acid, vulpinic acid and atranorin are just a few of the
over 700 secondary compounds produced by lichens. Xanthoria parietina (L.) Th. Fr. is a common foliose lichen which
is distributed worlwide. In this study we tested the antimicrobial activities of X. parietina against bacterial, both as
American Type Culture Collection standard strains and clinically isolates, and fungal strains (one human pathogen and
two phytopathogens). Our aim was also to identify the active component(s) involved in the antibacterial and antifungal
activity of the extracts through activity-guided fractionation procedures. Acetonic extracts showed a high antibacterial
activity against the nine standard bacterial strains tested and the clinically isolated bacterial strains. Staphylococcus
aureus from both standard and clinical sources showed a very high sensitivity to extract (minimal inhibitory concentration
[MIC] = 7.8 µg/mL for standard strains and 15.6 µg/mL for clinical isolates), showing also good minimal bactericidal
concentration values. Among fungi tested, Rhyzoctonia solani was the most sensitive strain (MIC = 62.5 µg/mL).
240
COMPOSIZIONE CHIMICA DEGLI OLI ESSENZIALI DI ANTHEMIS MIXTA L.
Daniela Rigano1, Francesco Napolitano1, Sergio Landolfi1, Enrico Mignola1,
Felice Senatore1, Maurizio Bruno2, Sergio Rosselli2
1
Dipartimento di Chimica delle Sostanze Naturali, Università degli Studi di Napoli “Federico
II”, Via Domenico Montesano, 49 - I 80131 Napoli - Italia.
2
Dipartimento di Chimica Organica, Università degli Studi di Palermo,
Viale delle Scienze, Parco d’Orleans II - I 90128 Palermo - Italia.
[email protected]
Introduzione
La famiglia delle Asteraceae, a cui appartiene l’Anthemis mixta, è la più numerosa del mondo vegetale, e comprende
oltre 23000 specie distribuite su 1535 generi. Il genere Anthemis è composto da circa un centinaio di specie, delle quali
due dozzine circa fanno parte della flora spontanea italiana. Lo studio delle caratteristiche morfologiche e fitochimiche
delle diverse specie di Anthemis è particolarmente interessante, data la notevole complessità tassonomica del genere.
Per questo motivo ci siamo interessati dello studio fitochimico di Anthemis mixta L. una pianta aromatica simile alla
camomilla, alta 15-50 cm. Presenta fusti eretti, ramificati, foglie superiori dentate e capolini di 2.5 cm, con fiori del
raggio scanalati e dentati, bianchi con porzione centrale gialla o sfumata di giallo.
Metodi
In questa comunicazione riportiamo lo studio della composizione chimica dell’olio essenziale ottenuto per
idrodistillazione dalle parti aeree e dalle radici di A. mixta. La pianta è stata raccolta a Lami, sull’isola di Lipari, nell’Agosto
2009, a 400 m di altitudine. Dalle parti aeree e dalle radici sono stati estratti per idrodistillazione, come riportato nella
Farmacopea Europea, due oli essenziali dall’odore caratteristico, con una resa dello 0.11% e 0.14% rispettivamente. Gli
oli sono stati analizzati mediante GC e GC/MS e i costituenti chimici sono stati identificati calcolando i loro indici di
ritenzione in GC e per confronto dei loro spettri di massa con quelli riportati in letteratura e con quelli registrati nelle
librerie in dotazione al computer della GC/MS (Wiley 275, NIST 02).
Risultati
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
L’analisi GC e GC/MS ha permesso di identificare 56 e 16 componenti rispettivamente per l’olio ottenuto dalle
parti aeree (A) e dalle radici (R). A è costituito soprattutto da acido esadecanoico (15.2%), santolina alcol (11.7%),
t-cadinolo (6.7%), spatulenolo (6.5%) cariofillene ossido (3.8%) e artemisia alcol (3.8%) mentre R è ricco di acidi e
esteri, con abbondanza di acido esadecanoico (52%).
241
ATTIVITÀ ANTIPROLIFERATIVA E DIFFERENZIANTE INDOTTA DAL FRUTTO DI
PSIDIUM GUAJAVA IN CELLULE LEUCEMICHE UMANE
Daniela Rigano1, Carmen Formisano1, Paola Bontempo2, Antonella Doto2, Francesca Sdino2, Virginia Guerriero2, Perna Angelica2, Marco Miceli2, Angela Nebbioso2, Rossella Micaletti2, Lucia Altucci2
1
Dipartimento di Chimica delle Sostanze Naturali, Università degli Studi di
Napoli “Federico II”, Via D. Montesano, 49, I-80131 Napoli, IT
2
Dipartimento di Patologia generale, Seconda Università degli Studi di Napoli,
Vico L. de Crecchio 7, 80138, Napoli, IT;
[email protected]
Introduzione
Il frutto di Psidium guaiava L. (Guava), noto per le sue attività antibatterica ed antiossidante, è utilizzato nelle regioni
tropicali per il trattamento delle sindromi diarroiche acute, per i suoi benefici effetti sul sistema cardiovascolare e
nel trattamento del diabete. Oli essenziali estratti dalle radici e dalle foglie di Guava hanno una spiccata attività antiproliferativa in linee cellulari epiteliali e leucemiche. Questi dati ed il sempre crescente interesse per il naturale ci ha
indotto a studiare il potenziale effetto antiproliferativo del frutto di Guava.
Metodi
L’attività antineoplastica dell’estratto totale dei frutti di Guava, ottenuto mediante estrazione acetonica, è stata testata utilizzando le linee cellulari mieloidi NB4 ed U937 e blasti ottenuti da pazienti leucemici. Per ottenere la soluzione
d’uso, il residuo secco è stato risospeso con poche gocce di DMSO e PBS, tamponato a pH 7.5 ed utilizzato a concentrazioni e tempi diversi. Sulle cellule trattate è stata effettuata, mediante FACScalibur, l’analisi del ciclo. E’ stata valutata
l’induzione dell’apoptosi mediante l’analisi dell’attivazione dell’espressione delle caspasi in citofluorimetria a flusso
con il programma “Cell Quest”,e mediante Western blotting ed immunocitochimica è stata analizzata l’espressione
di p21 e p16.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Risultati e conclusioni
242
I risultati ottenuti evidenziano che l’estratto del frutto di Guava induce blocco della proliferazione ed arresto del ciclo
prevalentemente in fase G1 in tutte le linee cellulari trattate. La percentuale di cellule arrestate e delle cellule morte
è direttamente proporzionale all’aumento delle concentrazioni di estratto utilizzate nel trattamento. Il forte arresto
proliferativo e la mortalità elevata possono essere correlati ad un ripristino del programma apoptotico. Infatti, si
riscontra una forte induzione dell’inibitore del ciclo cellulare p21WAF1 e p16, ed una attivazione della via delle caspasi
evidenziata dall’aumento dell’espressione delle caspasi 3/7 coinvolte nella fase effettrice dell’apoptosi, e della caspasi
8 che rappresenta la caspasi iniziatrice del programma di morte cellulare. I nostri risultati dimostrano che l’estratto
totale del frutto di Guava possiede un’elevata attività antineoplastica. Nell’ambito delle prospettive future di ricerca
in campo oncologico, la capacità di indurre arresto proliferativo, differenziamento cellulare ed apoptosi dell’estratto
del frutto di Guava, potrebbe costituire un grosso potenziale terapeutico. A tal fine ci proponiamo di identificare le
parti del frutto responsabili delle suddette attività, di definire tramite frazionamento chimico quali componenti sono
necessarie per l’induzione della morte nelle cellule cancerose e di analizzare e caratterizzare i set genici coinvolti.
ATTIVITÀ ANTIFEEDANT DI METABOLITI SECONDARI DA
ONOPORDUM ILLYRICUM
1
Bruno M.1, Rosselli S.1, Maggio A.1, Canzoneri M.2, Simmonds M.S.J.3
Dipartimento di Scienze e Tecnologie Molecolari e Biomolecolari, STEMBIO, sezione di
Chimica Organica, Università di Palermo, Viale delle Scienze, 90128 Palermo, Italy.
2
Ente Sviluppo Agricolo - Dipartimento Regionale Azienda Foreste Demaniali,
Regione Siciliana, Via Libertà 97, Palermo, Italia.
3
Jodrell Laboratory, Royal Botanic Gardens, Kew, Richmond, Surrey TW9 3 AB, UK.
[email protected]
Introduction
L’Onopordum illyricum L. (Asteraceae) appartiene alla tribù delle Cinareae ed è conosciuta in Italia come Cardo
maggiore. E’ una specie biennale a fioritura estiva la cui lunghezza raggiunge i 2 m; predilige i terreni incolti o nelle
vicinanze di ruderi a altezze non superiori a 1200 m circa dal livello del mare.
Il genere Onopordum è impiegato tradizionalmente per le proprietà ipotensive ed emostatiche1. Il cespo di foglie
dall’O. illyricum, opportunamente trattato risulta commestibile2. Dal punto di vista farmacologico, il succo della foglia
veniva consumato per problemi correlati al cancro e veniva applicato sulle ulcere cutanee3.
Methods
L’estratto acetonico (260 g.) delle parti aeree (3 Kg.) secche di O. Illyricum, raccolto a Palermo (Monte Pellegrino) in
Sicilia, è stato sottoposto a numerose purificazioni cromatografiche su gel di silice. Sono stati isolati 5 prodotti già
noti e precisamente due eudesmani4 (1, 2); un germacranolide5 (3); e due elemanolidi: (4)6 e (5)7.
I composti 1, 2, 3 e 4 sono stati testati per la loro attività antifeedant contro larve di Spodoptera littoralis.
Results and discussion/conclusions
Un indagine precedente8 su O. illyricum raccolto in un’altra zona della Sicilia (Messina) ha mostrato la presenza
di sesquiterpeni diversi anche se strutturalmente simili a quelli ritrovati nel O. illyricum da noi studiato. Questa
chemodiversità potrebbe essere indizio di una biodiversità delle specie indagate. I composti 3 e 4 hanno mostrato
una discreta attività antifeedant.
Maugini E. Manuale di botanica farmaceutica; Piccin: Padova, (1994); 7th ed.; p 467.
Pignatti S. Flora d’Italia, vol I-II-III, ed Agricole, Bologna (1982).
Negri G. Erbario Figurato; Hoepli: Milano, (1943); p 421.
Rustaiyan A., Armadi B., Jakupovic J. Bohlmann F. Phytochemistry, (1986), 25, 1659.
Garcia B., Skaltsa H., Navarro F. I., Pedro J. R., Lazari D. Phytochemistry (1996), 25, 1659.
El- Masry S., Darwisch F. A., Abou-Donia A., Abou-Karam M. A., Grenz M. Phytochemistry (1985) 24, 999.
Rustaiyan A., Nazarians L., Bohlamnn F. Phytochemistry (1979) 18, 879
Braca A., De Tommasi N., Morelli I., Pizza C. J. Nat. Prod. (1999), 62, 1371
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
References
1
2
3
4
5
6
7
8
243
CONSTITUINTES DAS CASCAS DE MACHAERIUM HIRTUM FABACEAE
Miriam Sannomiya1*, Nelly C. V. de Souza-Maria1, Marcelo M.P. Tangerina2,
Raquel C. Santos3, Lourdes C. dos Santos2, Clelia A. Hiruma-Lima3e Wagner Vilegas2.
1
Universidade de São Paulo, Escola de Artes, Ciências e Humanidades,
Rua Ermelino Mattarazzo, São Paulo, CEP 03828-000.
2
Universidade Estadual Julio de Mesquita Filho, Instituto de Química, Araraquara-SP-Brasil.
3
Universidade Estadual Julio de Mesquita Filho, Instituto de Biociência, Botucatu-SP-Brasil.
[email protected]
O uso de espécies vegetais, com fins de tratamento e cura de doenças e sintomas, remonta ao início da civilização.
Esta prática milenar, atividade humana por excelência, ultrapassou todas as barreiras e obstáculos durante o processo
evolutivo e chegou até os dias atuais. Tem sido amplamente utilizada por grande parte da população mundial como
fonte de recurso terapêutico eficaz. O Brasil dispõe de uma vasta biodiversidade e cultura popular, implicando
em um considerável percentual da população fazendo o uso de plantas medicinais na cura de doenças ou males.
Algumas espécies pertencentes ao gênero Machaerium (Fabaceae) são de uso etnofarmacológico como é o caso de
Machaerium hirtum (Vell.) Stellfeld., a qual é uma planta cujas cascas são utilizadas popularmente contra diarréias,
tosse e câncer (Pott & Pott, 2004). É popularmente conhecida como adolfo e bico-de-andorinha. No entanto, pouco
se sabe sobre a química e farmacologia da mesma. O fracionamento por cromatografia em permeação em gel
(Sephadex LH-20) do extrato das cascas de M. hirtum (etanol 70%) resultou em 15 grupos de frações. O estudo de
duas destas frações em coluna (sílica 60G) permitiu a identificação de triterpenos e uma flavona dimetoxilada. A
literatura relata inúmeras atividades biológicas atribuídas a estas duas classes de compostos, as quais podem estar
envolvidas em sua ação farmacológica.
Referencias bibliográficas
Pott, A.; Pott, V.J. (2004). Plantas do Pantanal. Brasília: Embrapa, p. 175-176.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Agradecimentos: Fapesp
244
COMPOSITION OF AN APOLAR PAEONIA ROKII EXTRACT AND
EVALUATION OF ANTIPROLIFERATIVE ACTIVITY
Teresa Mencherini, Patrizia Picerno, Luca Rastrelli, Michela Festa, Francesca
Sansone, Paola Russo, Anna Capasso, Rita Aquino
Dipartimento di Scienze Farmaceutiche e BioMediche, Università di Salerno
[email protected]
The aim of our research is the investigation of chemical composition, biological and toxicological effects of plant
extracts for pharmaceutical and cosmetic uses. However, technological studies are also carried out to optimize
shelf-life, functional and organoleptic characteristics of the extracts. As a part of our project, the roots of Paeonia
rockii, one of the eight species of the genus Paeonia distributed in the northwest of China, were investigated. Tree
peonies are cultivated for their medicinal, ornamental, and economic values.1 The roots of various Paeonia species
(e.g. P. suffruticosa, P. lactiflora, P. albiflora, P. ovata) are used in the traditional Chinese medicine as analgesic, sedative,
antinflammatory and antimicrobial agents, and to treat cardiovascular and female genital diseases. The biological
effect could be primarily attributed to the characteristic chemotaxonomic markers, paeoniflorin and its derivatives,
which are monoterpenes with a pinane skeleton.2 Whereas investigation on Paeonia genus is extensive,3,4 up to now
informations on P. rockii are limited. Thus, we now describe the isolation and characterization of three new noroleanane triterpenoids 23-deoxypaeonenoide A (1), 3b,23-dihydroxy-30-nor-olean-12,20-dien-28-oic acid (2) e
3β,4β,23-trihydroxy-24-nor-olean-12-en-28-oic acid (3), and nineteen known phenolic and terpenoid compounds,
isolated from an apolar extract of the dried roots of P. rockii. The structures of new compounds were established by
spectroscopic data analysis. The concentrations of the chemotaxonomic markers, benzoic acid and the monoterpenes,
paeoniflorigenone and benzoylpaeoniflorin, reported from a number of Paeonia species, were determined by an
HPLC direct calibration method, as 10.4, 15.1 and 6.5% w/w of the extract, respectively. A significant concentrationdependent free-radical scavenging activity, evaluated by a DPPH test, was shown by the extract (EC50 = 57.3 mg/mL)
and may be correlated to its polyphenol content (110.0 mg/mg, expressed as benzoic acid equivalent), determined
by the Folin-Ciocalteau method. The effects of the whole extract and its major constituents on cell proliferation and
apoptosis of a panel of human cancer cells (melanoma, M-14; colon cancer, HT-29 and breast cancer, MCF-7) were
evaluated using the MTT bioassay and Propidium Iodide (PI) staining, respectively, in comparison with a cell line
derived from normal human tissue (Human Embryonic Kidney, HEK-293). Results showed that the extract exhibited
a significant (P<0.01) concentration-dependent inhibitory effect selectively on M-14 cell growth (IC50 = 96 mg/mL).
The activity seem due to the presence of betulinic acid, 23-hydroxybetulinic acid, oleanolic acid, and hederagenin
(IC50 values were 50, 50, 82, and 58 mM, respectively). Finally, involvement of caspase-3 in the apoptotic process,
induced by the extract and compounds, was established by western blotting analysis and the use of the caspaseinhibitor, z-VAD-fmk, in the M-14 melanoma cell line.5 Technological studies on P. rockii extract are now in progress.
Zhao, X. et al. J Syst Evol. 2008, 46(4), 563-672; 2Duan, W. J. et al. J. Nat. Prod. 2009, 72, 1579-1584; 3He, C. N. et al. Chem Biodivers.
2010, 7, 805-838; 4Wu, S. H. et al. Chem Biodivers. 2010, 7, 90-104; 5Mencherini, et al. J. Nat. Prod., 2011, in press.
1
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Bibliografia
245
PHOTODYNAMIC INACTIVATION OF YEAST AND BACTERIA BY ALKALOID
FRACTION FROM THE BARK OF GUATTERIA HISPIDA ANNONACEAE
Lourenço C.C.1, Andreazza N.L.1, Costa E.V.2, Pinheiro M.L.B.3, Atvars T.D.Z.4, Salvador M.J.1*
Curso de Farmácia, Departamento de Biologia Vegetal, Instituto de Biologia , UNICAMP, Campinas, SP, Brazil.
2
LABORGANICS, Departamento de Química, UFS, São Cristóvão, SE, Brazil.
3
Departamento de Química, UFAM, Manaus, AM, Brazil.
4
Departamento de Físico-Química, Instituto de Química, UNICAMP, Campinas, SP, Brazil.
[email protected]
1
Introduction
Photosensitization in biology is the process in which a molecule, termed the photosensitizer, absorbs light and
subsequently roduces reactive species that alter cellular molecules, initiate cellular responses, leading to an oxidative
stress and cell death. Therapeutic applications of light-induced cytotoxicity, especially against bacteria and yeast,
have increased recently due to its effectiveness in the inactivation of antibiotic and antifungus-resistant strains and
because it prevents to the development of new resistant forms of this pathogens. This study was under taken to
evaluate the effect of alkaloid fraction (GhAF) from the MeOH extract of Guatteria hispida (bark) in antimicrobial
photodynamic inactivation (PDI) on the viability of yeast and bacteria.
Methods
The MeOH extract from the bark of G. hispida was initially subjected to an acid-base extraction to give the CH2Cl2
alkaloid fraction (GhAF). The absorption and fluorescence emission spectra of GhFA (diluted in propilenoglycol)
were obtained in a Hewlett Packard 8452A spectrophotometer and ISS-PC1 spectrofluorimeter, respectively. Both
spectra were obtained using quartz cuvettes with 1 cm of optical path. The (GhAF) ability to produce singlete oxygen
was measured by 1.3DPBF scavenger method. The chemical profile of the extract was determined by ESI-MS analysis.
For bioassays, the fraction was tested (in subinhibitory concentration) against Staphylococcus aureus ATCC14458,
Staphylococcus epidermidis ATCC12228, and Candida dubliniensis ATCC778157 and C. dubliniensis ATCC777 (107
CFU/mL) in a 96-well microtiter plate (well cross section=0.38 cm2). In each assay (n=6), one plate was subjected to
irradiation, and one was not. The irradiation was with a 660 nm diode laser with an output power of 35 mW, which
was distributed through the well cross section yielding an energy dosage of 28 J/cm2. For each sample, the number of
colony-forming units per milliliter (CFU/mL) was obtained, and data were analyzed by the Tukey test.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
246
The GhFA absorption spectra presented a maximum band at 330nm and when irradiated in this wavelength
showed a high fluorescence intensity which was lower under irradiation at 660nm. At photoactivity assay the
1.3DPBF photodegradation was highly enhanced in the presence of GhFA indicating singlet oxygen production.
Oxoaporphine alkaloids were detected in the GhFA by ESI-MS analysis. The biological assays suggest inhibition of the
growth of all microorganisms tested when irradiated with laser in the presence of GhFA as photosensitizer. Neither
just laser irradiation just the fraction, significantly reduced the number of CFU/mL. Despite the positive results,
further investigations are necessary to confirm the potential of this natural product as photosensitizers in PDI.
Financial Support: Fapesp, Faepex-Unicamp, Capes and CNPq
ETHANOLIC EXTRACT FROM EUGENIA CHOROPHYLLA AS NATURAL
PHOTOSENSITIZER IN PHOTODYNAMIC ANTIMICROBIAL
CHEMOTHERAPY AGAINST BACTERIA AND YEAST
Lourenço C.C.1, Stefanello M.E.A.2, Atvars T.D.Z.4, Salvador M.J.1*
UNICAMP, Instituto de Biologia, Departamento de Biologia Vegetal,
Curso de Farmácia, Campinas,SP, Brasil.
2
UFPR, Departamento de Química, Curitiba, PR, Brasil.
3
UNICAMP, Instituto de Química, Departamento de Físico-Química, Campinas, SP, Brasil.
[email protected]
1
Introduction
Despite advances in treatment of infections is still concern the great number of microbial resistant to antibiotics.
Therefore, it is important to search for new techniques antimicrobial that does not permit the development of
microbial resistance. The Photodynamic Therapy (PDT) has been proposed as an alternative, being effective against
bacteria and yeast. This study investigated the effect of ethanol extract (ECE) from the leaves of Eugenia chlorophylla
(Myrtaceae), as photosensitizer in photodynamic antimicrobial chemotherapy against bacteria and yeast.
Methods
Crude ethanol extract (ECE) was produced by maceration. The absorption and fluorescence emission spectra
of ECE (diluted in propilenoglycol) were obtained in a Hewlett Packard 8452A spectrophotometer and ISS-PC1
spectrofluorimeter, respectively. Both spectra were obtained using quartz cuvettes with 1 cm of optical path. The
(ECE) ability to produce singlete oxygen was measured by 1.3DPBF scavenger method. The chemical profile of the
extract was determined by ESI-MS analysis. For bioassays, the extract was tested (at subinhibitory concentration)
against Staphylococcus epidermidis ATCC 12228, S. epidermidis field strain 6epi, Candida parapsilosis ATCC 22019
and Candida albicans ATCC 10231 (107 CFU/mL) in a 96-well microtiter plate (well cross section=0.38 cm2). The
irradiation was with a 660 nm diode laser with an output power of 35 mW, which was distributed through the well
cross section yielding an energy dosage of 28 J/cm2. In each assay (n=6), one plate was subjected to irradiation, and
one was not. For each active sample, the number of colony-forming units per milliliter (CFU/mL) was obtained, and
data were analyzed by the Tukey test.
The ECE absorption spectra presented a maximum band at 660nm and when irradiated in this wavelength showed
a high fluorescence intensity which was lower under irradiation at 660nm. At photoactivity assay the 1.3DPBF
photodegradation was highly enhanced in the presence of ECE indicating singlet oxygen production. Quinic acid
was detected in the extract by ESI-MS-MS analysis. The results of bioassays suggest inhibition of the growth of
S. epidermidis ATCC 12228, S. epidermidis 6epi, C. parapsilosis ATCC 22019 and C. albicans ATCC 10231 when
irradiated with a diode laser in the presence of ECE as photosensitizer. In conclusion, the photoactivation of ECE by
red laser radiation at 660 nm promoted an antimicrobial effect, showing that these natural products can be used as
photosensitizers in PDT. Despite the positive results, further investigations are necessary to confirm the potential of
these products for application as photosensitizers in PDT.
Financial support: CNPq, CAPES, FAPESP and FAEPEX-UNICAMP
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
247
ACTIVIDAD CITOTÓXICA Y ANTIVIRAL DE FRACCIONES
DE ERYTHROXYLUM MINUTIFOLIUM
Monteagudo B.R.1, Fidalgo P.O.1, Almora H.E.1, Echemendía A.O.1,
Bolaños Q.G.1, Lago A.V.1, García T.M.1, González J.A.2
1
Instituto Finlay, Centro de Investigación-Desarrollo-Producción de Vacunas, La Habana,
2
Centro de Química Bimolecular (CQB), La Habana
[email protected]
Introducción:
Cuba cuenta con un amplio potencial vegetal, a partir del cual se han obtenido extractos o compuestos puros con
actividad biológica. El tamizaje fitoquímico de la especie Erythroxylum minutifolium ha demostrado la presencia de
varios compuestos que pudieran actuar como antivirales, frente a los virus del Herpes simple. Este trabajo describe la
evaluación de la actividad citotóxica y antiviral in vitro de once fracciones químicas obtenidas a partir de la especie
Erythroxylum minutifolium frente a los virus del Herpes simple tipo 1 y 2.
Materiales y Métodos:
De la especie Erythroxylum minutifolium se evaluaron once fracciones y su composición química se identificaron
como: EM-C (extracto clorofórmico), EM-CM (extracto cloroformo-metanol), fracción FA-P (fracción polifenólica),
FA (palmitato de ß amirina, catequina, ßsitosterol, ácidos grasos y sus ésteres, fitol, tocoferol y triterpenos), FA-1
(palmitato de ß amirina, ßsitosterol), FA-2 (catequina, ácidos grasos y sus ésteres, fitol, tocoferol y triterpenos), FP
(taninos y azúcares), EX1 (ombuin 3 rutinósido 5 glucósido), EX2 (ombuin 3 rutinósido), EX3 (rutina) y P (mezcla de
EX1, EX2 y EX3)
Se evaluó la actividad citotóxica en las líneas celulares Vero y FPH y se determinó la Concentración Citotóxica Media
(CC50) empleando el método colorimétrico del MTT. La Concentración Efectiva Media (CE50) antiviral se determinó
en la línea celular Vero, enfrentando diferentes concentraciones de las fracciones con 100 Dosis Infecciosas en Cultivo
de Células (DICC50) de los virus Herpes simple tipo 1 y 2 (HHV-1, HHV-2). El efecto fue determinado mediante el
método colorimétrico del MTT.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y Discusión:
248
Las fracciones EM-C y EM-CM resultaron tóxicas a las concentraciones de 778,05 μg/mL y 792,63 μg/mL,
respectivamente, en la línea celular Vero, y a las concentraciones de 863,72 μg/mL y 898,06 μg/mL en la línea celular
FPH. Las fracciones FA-P, FA, FA-1, FA-2, FP, EX1, EX2, EX3 y P no mostraron toxicidad hasta la mayor concentración
empleada. Las fracciones FA-P, FA, FA-2, FP y EX-1 inhibieron el efecto del HHV-1, mientras que las fracciones EMC, EM-CM, FA-P, FA, FA-2, FP, P, EX2 y EX3 protegieron a las células frente al HHV-2. Los índices selectivos de las
fracciones que mostraron actividad antiviral fueron superiores a 10 para ambas cepas virales.
ATIVIDADE CITOTÓXICA E TRIPANOCIDA DE EXTRATOS
ETANÓLICOS DE COSTUS ARABICUS
Andrade J.C.1, Santos M.B.1, Freitas M.A.1, Cunha F.A.B1, Vega C.2, Coutinho H.D.M.1
1
Universidade Regional do Cariri-URCA, Crato,CE.
2
Centro para el Desarrollo de la Investigación Científica (CEDIC), Fundación
Moisés Bertoni/Laboratorios Díaz Gill. Asunción-Paraguay.
Introdução
A doença de Chagas, causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, é uma das mais graves endemias do Brasil. Devido
à ampla distribuição geográfica desta doença, à falta de tratamento eficaz e seguro, e às graves manifestações clínicas
que ocasiona a procura de novas substâncias para a profilaxia e/ou tratamento desta endemia. Nesse contexto, as
plantas medicinais têm sido a fonte de novos compostos ativos e com baixa toxicidade sendo aplicados na prática
clínica. A família Costaceae é constituída por quatro gêneros: Costus, Dimerocostus, Monocostus e Tapeinocheilas.
Costus é o gênero com maior número de espécies, tendo suas raízes e caules utilizados pela medicina tradicional
como diurético e contra a diabetes, gonorréia, sífilis, nefrite e outros problemas de saúde. Este trabalho teve como
objetivo avaliar a atividade tripanocida do extrato etanólico do bulbo, folhas e raízes de Costus arabicus contra
Trypanosoma cruzi em formas epimastigotas, além da atividade citotóxica que foi verificada em fibroblasto.
Métodos
Na produção do extrato etanólico Costus arabicus (EERC) foi utilizado 228 g de bulbo, folha e raiz. O material foi
devidamente cortado em pequenas secções e posto para secar. Posteriormente extraído por maceração e colocado
em litro de etanol, o homogeneizado foi deixado em repouso por 72 horas à temperatura ambiente. Os extratos
foram filtrados e concentrados sob vácuo num evaporador rotativo, utilizando um banho de água quente. Para os
ensaios de atividades tripanocida foi utilizado o clone CL-B5 de T. cruzi estavelmente transfectadas com gene de
Escherichia coli b-galactosidase (lacZ), segundo a metodologia descrita por Vega et al. (2005). A atividade citotóxica
foi realizada através de Fibroblastos, clone NCTC 929 e seguiu o procedimento descrito por Rolon et al. (2006).
Resultados e discussão/Conclusões
Referências
Rolón M, Seco E, Vega C, Nogal JJ, Escario JA, Gómez-Barrio A, Malpartida F (2006): Selective activity of polyene macrolides produced by genetically modified
Streptomyces on Trypanosoma cruzi. Int J Antimicrob Agents 28: 104-109.
Vega C, Rolón M, Martínez-Fernández AR, Escario JA, Gómez-Barrio A (2005): A new pharmacological screening assay with Trypanosoma cruzi epimastigotas
expressing beta-galactosidase. Parasitol Res 95: 296-298.
Suporte Financeiro: CNPq, FUNCAP.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
A atividade tripanocida foi demonstrada em todos os extratos etanólicos de Costus arabicus, os compostos foram
utilizados em concentração de 500µg/mL, observando morte de formas epimastigotas dos extratos do bulbo, raiz e
folha de 8%, 56% e 60%, respectivamente. O extrato etanólico das folhas foi o único que apresentou citotóxicidade
elevada (57 e 52% de fibroblastos mortos em 500 e 100 µg/mL, respectivamente). Assim Costus arabicus, apresenta-se
como uma alternativa relevante na busca de novos fármacos com utilização clínica, sendo necessários mais estudos
para a elaboração de um fitofármaco a partir desta planta.
249
EVALUACIÓN ANTIBACTERIANA DE CEPAS
HÍBRIDAS DE PLEUROTUS SPP
Valencia del Toro G.1, Cruz-Solorio, A.1 Garín-Aguilar M. E.2, Durán-Páramo, E.1
1
Unidad Profesional Interdisciplinaria de Biotecnología, IPN,
La Laguna Ticomán, D.F. 07340, México.
2
Facultad de Estudios Superiores Iztacala-UNAM, Av. de los Barrios Num. 1. Los Reyes
Iztacala, Tlalnepantla Edo. Méx. 54090, México
[email protected] ; [email protected]
Introducción
Los basidiomicetos son fuente de productos naturales y ofrecen grandes posibilidades para la obtención de nuevos
compuestos biológicamente activos. Las biotecnologías en la producción de hongos comestibles son cada vez más
eficientes, por lo que es posible obtener estos macromicetos durante todo el año sin necesidad de esperar la época
de lluvias para recolectarlos y proveerles de mejoramiento genético con el propósito de combinar características.
Estudios previos realizados en el laboratorio mostraron que algunas cepas híbridas de Pleurotus spp. mantienen o
superan la productividad y la actividad antibacteriana de las cepas progenitoras; por lo que en este estudio cepas
parentales e híbridas se cultivaron con el propósito de obtener a partir de extractos de carpóforos de ellas, las fracciones
que presenten propiedades antibacterianas, que en otro momento permitirán la obtención de biofármacos.
Métodos
Se utilizaron 4 cepas parentales de Pleurotus spp. y 8 cepas híbridas que fueron cultivadas y cosechadas para obtener
extractos hexánicos y metanólicos a partir de los cuerpos fructíferos frescos. El método de difusión en agar de Kirby
Bauer se empleó para determinar la actividad antibacteriana de los extractos sobre bacterias Gram positivas: Bacillus
subtilis, Staphylococcus aureus (ATCC 123989), Staphylococcus aureus aislamiento clínico (CINVESTAV-IPN) y Gram
negativas: Klebsiella pneumoniae (ATCC 13884), Enterobacter agglomerans (ATCC 27155), Yersinia enterocolitica,
Shigella dysenteriae (INDRE B2188) y Klebsiella rhinoescleromatis. El método de microdilución en placa se utilizó para
la determinación de la concentración mínima inhibitoria (CMI) del extracto metanólico y de sus fracciones obtenidas
por cromatografía en columna.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y discusión/conclusiones
250
El ANOVA de dos vías indicó que el extracto metanólico de la cepa híbrida PAPO presentó los diámetros de inhibición
más grandes (11 a 15 mm) y que las bacterias Gram positivas Staphylococcus aureus y Bacillus subtilis fueron los
microorganismos más sensibles. La fracción F9 del extracto metanólico de la cepa parental PCM presentó una CMI
de 2.3 y 2.65 mg/mL para las cepas de S. aureus, mientras que la fracción F28 tuvo valores de CMI=1.75 mg/mL tanto
para S. aureus como para K. pneumoniae. Por otro lado, la CMI de la fracción F4 del extracto metanólico de la cepa
parental POS fue de 2.65 mg/mL. El análisis fitoquímico practicado a los extractos metanólicos de las cepas POS, PCM
y PAPO reveló la presencia de azúcares reductores, glucósidos cardiacos, sesquiterpenlactonas, esteroles y triterpenos.
El análisis preliminar fitoquímico de la fracción F28 de la cepa parental PCM, que evidenció tener la mayor actividad
antimicrobiana frente a bacterias Gram positivas y Gram negativas, sugiere que esteroles y triterpenos pueden ser los
metabolitos responsables de la actividad antimicrobiana observada en las cepas de Pleurotus spp.
Apoyo Finaciero: Proyecto IPN-SIP: 20110977 y Proyecto CONACyT CB-2008-105683.
CHELATING ACTIVITY OF FOUR SPECIES OF THE GENUS CNIDOSCOLUS
EUPHORBIACEAE IN NORTHEASTERN BRAZIL
1
Peixoto Sobrinho T.J.S.1, Tavares E.A.1, Amorim E.L.C.1
Department of Pharmaceutical Sciences, UFPE, Recife, PE, Brazil.
Introduction
The prospection has become a worldwide trend in which researchers perform many tests to evaluate the therapeutic
potential, as the test of the ferrous ion chelating (FIC) that inhibits the process of peroxidation of biological molecules
to chelate transition metals which generate hydroxyl radicals through reactions of the Haber-Weiss and Fenton.
Ethnopharmacological surveys show a high number of plants used by Brazilian population, and among these, the
genus Cnidoscolus (Euphorbiaceae) are commonly indicated in these studies as anti-inflammatory and antitumor
urinary system. The aim of this study was to investigate the ferrous ion chelating activity of four species of the genus
Cnidoscolus (C. infestus Pax & K. Hoffm., C. pubescens Pohl, C. quercifolius Pohl and C. urens (L.) Arthur) referenced in
ethnopharmacological studies of Caatinga.
Methods
The samples were collected in the municipalities of Altinho, Buíque (both in the state of Pernambuco) and Soledade
(state of Paraíba). The FIC assay was carried out by method of Ferrozine reaction with ferrous sulfate compared
with positive control (EDTA EC50 = 6.36 ± 0.11 µg/mL). The results were evaluated by ANOVA: one way followed by
multiple comparisons by the Tukey test. We used a significance level of 95% (p<0.05).
Results and discussion/conclusions
The highest level of chelating activity were observed for the roots of C. pubescens with EC50 of 90.29 ± 7.12 µg/mL.
The roots of C. infestus and leaves of C. quercifolius showed the lowest activity with EC50 of 398.04 ± 19.24 µg/mL
and 361.73 ± 14.58 µg/mL, respectively. These results show that ethnopharmacological surveys can serve as a guide
to search for bioactive compounds and the results obtained for the genus Cnidoscolus Pohl led to the convening
of the isolation of active principle that may have enhanced their medicinal potential, enabling a reduction in the
concentration and increased efficiency of the compound.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Financial Support: FACEPE e PIBIC/PROPESQ
251
AVALIAÇÃO ANTIMICROBIANA DE EXTRATOS OBTIDOS DE SYZYGIUM
CUMINI CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS
1
Carneiro E.M.P.1 Diaz I.E.C.1, Suffredini I.B.1
Núcleo de Pesquisas em Biodiversidade, Laboratório de Microbiologia,
Universidade Paulista, UNIP, São Paulo, SP, Brasil.
[email protected]
Introdução
O presente trabalho se propõe a analisar o produto natural Acido Elágico, adquirido no mercado, contra bactérias
de importância patogênica para animais e humanos e comparar os resultados com extratos vegetais obtidos do
jambolão (Syzygium cumini). Os extratos foram feitos a partir da casca e das folhas, utilizando-se as técnicas de
percolação. Como resultado esperou-se obter a concentração inibitória mínima, a concentração bactericida
mínima (para ensaios antibacterianos), tanto do ácido elágico como dos extratos vegetais de jambolão. Foram
feitas cromatografias em camada delgada (CLAE) a fim de se verificar a presença do ácido elágico nos extratos de
jambolão. O composto apresenta um grande potencial terapêutico no tratamento de diversas doenças, dentre elas
as doenças tumorais e infecto-contagiosas, essa última ainda é causa morte de aproximadamente 4,5 milhões de
crianças, segundo dados da OMS.
Métodos
Os extratos etanólicos foram obtidos a partir da casca e folhas. Para os testes foram usados modelos de microdiluição
em caldo e de difusão em agar para análises microbianas, segundo os protocolos do Clinical Laboratory Standards
International (CLSI - 8ª Edição) e o modelo da sulforrodamina B, para ensaios de citotoxidade. Os ensaios
antibacterianos realizados com os extratos EMC 001, 002 e 003, com digluconato de clorexidina (CLD) em três
diferentes concentrações e com Periogard® apresentaram-se significantes ao serem analisados por ANOVA de uma
entrada, com pós teste de Tukey (p<0,0001) para as bactérias S. mutans e S. sanguinis, no modelo de disco difusão
em Agar.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
252
Os extratos EMC 001 e 002 não apresentaram atividade contra S. mutans, e EMC 003 inibiu o crescimento bacteriano
significantemente p<0,001). Em comparação com as substâncias de referência, tanto a CLD como Periogard® inibiram
mais o crescimento bacteriano em relação a EMC 003 (p<0,001). Todas as substâncias controle apresentaram-se
muito ativas (p<0,001), em particular, CLD 2% apresentou a maior aividade contra S. mutans. Na S. sanguinis os
três extratos de S. cumini apresentaram atividade. EMC 001 apresentou atividade antibacteriana mais significante
que EMC 002 (p<0,01) e CLD 0,12% (p<0,001) e similar a EMC 003 (p>0,05) e menos eficaz que CLD 1% (p<0,001),
CLD 2% (p<0,001) e Periogard® (p<0,001). EMC 002 apresentou-se mais efetivo que EMC 003 (p<0,05) e que CLD
0,12% (P<0,001). EMC 002 não se apresentou mais efetivo que os controles CLD 1% (p<0,001), CLD 2% (p<0,001)
e Periogard® (p<0,001). EMC 003 não apresentou atividade antibacteriana mais eficaz que os controles CLD 1%
(p<0,001), CLD 2% (p<0,001) e Periogard® (p<0,001), mais eficaz que CLD 0,12% (p<0,001). Nos controles, observouse mais eficácia antibacteriana na CLD 2% (p<0,001) e observou-se que CLD 1% e Periogard® possuem a mesma
capacidade de inibição de crescimento bacteriano neste modelo.
1.
Suporte Financeiro: UNIP - Vice-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, FAPESP 23008/58706-8
SEARCH OF BIOPESTICIDAL ACTIVITY OF SELECTED CHILEAN PLANTS:
CALCEOLARIA TALCANA SCROPHULARIACEAE AND CONDALIA
MICROPHYLLA CAV RHAMNACEAE
Carlos L. Cespedes1*, Evelyn Munoz1, Claudio Lamilla1, and J. Alarcon1.
Laboratorio de Fitoquimica-Ecologica, Departamento de Ciencias Basicas, Universidad
del Bio Bio, Av. Andres Bello s/n, Casilla 447, Chillan, Chile. [email protected],
www.carloscespedes.servidor-web.com
1
In this opportunity, we show the preliminary results on extracts and isolation of some alkaloids, and phenylpropanoids
as insecticidal, antifeedant, and insect growth regulators from Chilean plant sources. Methanolic, n-hexane,
dichloromethane, ethyl acetate and aqueous extracts were obtained from aerial parts of Calceolaria talcana, and
Condalia microphylla. These extracts exhibited stronger insecticidal activity against D. melanogaster and S. frugiperda.
The ethyl acetate was most active extracts obtained from aerial parts of C. talcana and C. microphylla. These extracts
showed strong inhibitory effects against both insect species feeding on the diets incorporated with 100.0 to 50.0
ppm of the extracts. The highest lethal concentrations to larvae ranged between 50.0 to 100.0 ppm of ethyl acetate
extracts of C. talcana and methanol extract from C. microphylla. At very low concentrations some of these extracts
show selective effects on sclerotization and darkening of the pupae formation showing a pre-emergence effect on
Lepidoptera and Coleopteran species. The results from these extracts were fully comparable in activity to those
IGR inhibitors extracts from Cedrela salvadorensis, Myrtillocactus geometrizans and Yucca periculosa used as positive
control. In summary, this study shows that these extracts may be useful as natural agents in insect pest control. We
are dissecting the active molecules from these extracts and determining the kinetics on enzyme assayed. Additionally,
we are doing hemisynthesis for SAR studies, and conventional phytochemistry of C. integrifolia and other species
of the C. integrifolia s.l. complex. Additionally, we are working in the dissection of antioxidant and antimicrobial
activities of these and other extracts, fraction and compounds from other Chilean plants.
Acknowledgements: Proyecto FONDECYT # 1101003. Direccion de Investigacion, Universidad del Bio-Bio, Proyecto:
091909 1/R.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Because of their low mammalian toxicity, low persistence and biodegradability in the environment, as well as the
potential to decrease the resistance of insect pest, the application of botanical pesticides with the above characteristics
may be greatly increased. The major goal of our research include: To evaluate the effects of extracts, fractions, and
majority compounds of selected plants, on growth (inhibitory and regulatory activity) against target organisms that
are by now several of the most important insect pests in Chile: Fruit fly (Drosophila melanogaster), Fall armyworm
(Spodoptera frugiperda), Raspberry weevil (Aegorhinus superciliosus); goldenhaired pine bark beetle (Hylurgus
ligniperda), appleworm and cranberry worm (Orgya antiqua), and dry bean weevil (Acanthoscelides obtectus) are
important pests of several crops and cause of millionaire lacking of agriculture products in Chile. These insects were
selected for use in our bioassays, because they are available on a continuing basis in our labs under artificial conditions.
The second goal is to determine that the plant-derived compounds have activity against an insect enzyme that is
key to insect development. The main enzymes in this investigation are tyrosinase and acetylcholinesterase. In a third
place to maximize the effects (by hemisynthesis, formulations, synergy, reduction of activity in mixtures, etc.), and
finally, by structurally optimizing the activity once we have an idea what compounds have the strongest activity.
Among the strategies for insect pest control are Biological Control and the use of bio-insecticides and insect growth
regulators of plant origin.
253
POTENCIAL ANTIOXIDANTE DE ARTOCARPUS ALTILLIS S. PARK FOSB Y PILEA
MICROPHYLLA L., DOS PLANTAS USADAS PARA CONTROLAR LA
DIABETES EN EL NOROCCIDENTE COLOMBIANO
Pino B N1, Rivas M K2, Prado GN3
Coordinadora Grupo de Investigación en Productos naturales. UTCH.
2
Estudiante Biología con énfasis en recursos naturales,
3
Medico, UCI –CAPRECOM, Quibdó
Bloque 6, Laboratorio 316, ciudadela Universitaria, Universidad
Tecnológica del Chocó, Quibdó, Chocó, Colombia.
[email protected]
1
Introducción
En las células de los organismos vivos ocurren constantemente reacciones químicas en que intervienen los radicales
libres, los cuales son estabilizados por especies químicas denominadas antioxidantes, pero cuando son favorecidos
los sistemas oxidantes sobre los antioxidantes en las células, pueden llegar a provocar un daño irreparable y ocasionar
enfermedades asociadas como el Parkinson, Alzheimer, disfunción cerebral, catarata, fibroplasia, cáncer de pulmón,
artritis reumatoidea, aterosclerosis, entre otras, tal como lo mencionan Finkel & Holbrook. Los antirradicales o
compuestos antioxidantes actúan principalmente en reacciones de terminación de cadenas oxidativas de radicales
libres y formación de especies reactivas de oxigeno, de manera que impiden la oxidación de macromoléculas
biológicas, por el mecanismo de donación de átomos de hidrógenos o transferencia de electrones neutralizando así
los radicales libres, evitando el estrés oxidativo y representando una alternativa terapéutica en el tratamiento de las
enfermedades asociadas. En este estudio se examina el potencial antioxidante de los extractos etanólicos obtenidos
de Artocarpus altillis (S. Park) Fosb y Pilea microphylla (L.).
Métodos
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Se usa el método del radical libre DPPH (2,2-difenil-1-picrilhidrazil), en el cual se evalúa la capacidad que tiene
un posible antioxidante para estabilizar un radical. El compuesto 2,2-difenil-1-picrilhidracilo (DPPH) es un radical
libre que presenta una intensa coloración violeta (picrilhidrazilo) y al tener contacto con una fuente de posibles
estabilizadores cambia a color amarillo (picrilhidrazina) con un máximo de absorción a 517 nm. En el análisis
estadístico los datos expresados son la media de tres repeticiones (n = 3) ± DS, el análisis de regresión lineal se aplica
para calcular la relación dosis-respuesta de los extractos vegetales y la vitamina E. una prueba ANOVA multifactorial
se utiliza para observar la presencia de diferencias significativa entre los extractos y el patrón de referencia, apoyado
con la aplicación de un test TUKEY (prueba de comparación múltiple) a través del programa STATGRAPHYCS
centurión XV
254
Resultados y Conclusiones
Los resultados de la evaluación muestran la funcionalidad en la estabilización del radical DPPH, con porcentajes de
inhibición de 89.67 y 72.52, para A. altillis y P. microphylla respectivamente, frente a la vitamina E con un 83.84 %. Los
extractos muestran un aumento del potencial antioxidante proporcional al incremento de la concentración, con
un efecto independiente que revela como extracto más efectivo a A. altillis con una diferencia significativa (P˂ 0.05)
sobre P. microphylla y la vitamina E. la interacción extracto-concentración muestra que el extracto de A. altillis es más
efectivo en todas las concentraciones, con CI50 de 2 µg/ml frente a la Vitamina E con CI50 de 5,71 µg/ml.
Financiación de la investigación: UTCH-COLCIENCIAS-CENIVAM
ANTIBACTERIAL ACTIVITY FROM LIMONIUM BRASILIENSE BOISS.
KUNTZE. PLUMBAGINACEAE
Rodriguez S.A 1,4*, Sueiro R.A.2, Murray A.P.1, Leiro J. M.3
INQUISUR, Departamento de Química, UNS, Pcia. Bs.As., Argentina.
2
IIAA, Laboratorio de Microbiología, USC, Santiago de Compostela, Spain
3
IIAA, Laboratorio de Parasitología, USC, Santiago de Compostela, Spain
4
Departamento de Farmacología, Fac. de Farmacia, USC, Sgo de Compostela, Spain
[email protected]
1
Introduction
Continuing our investigation of bioactive natural products on medicinal plants from southern Argentina and its
antibacterial activity against six bacteria species, we present the results obtained from the polar extract from roots of
Limonium brasiliense (Boiss.) Kuntze (Plumbaginaceae), growing in Bahía Blanca, Argentina.
Limonium brasiliense is a medicinal plant, known as “guaycuru”, distributed in Argentina. Infusions from the roots
are use in the treatment of hemorrhage, menstrual disorders, rheumatism and it is believed to have cardioprotective
properties.1
Methods
Dried roots from L. brasiliense were extracted with refluxing methanol. This extract was partitioned according to
previous reports2. The elucidation of the isolated compounds was determined by 1H and 13C NMR spectra and
confirmed by comparison with literature data3. The compounds isolated were myricetin, apigenin and taxifolin, as
also gallic acid that already was previously isolated and identified.
The methanolic extracts and the isolated compound obtained from roots of L. brasiliense were evaluated for their
antibacterial activities against six Gram-positive and Gram-negative pathogenic bacteria: Staphylococcus aureus,
Bacillus cereus, Escherichia coli, Salmonella enteriditis, Pseudomonas aeruginosa and Listeria monocitogenesis. The
extracts and the phytochemicals that showed antimicrobial activity were later tested to determine the Minimal
Inhibitory Concentration (MIC) for each bacterial sample, using broth microdilution method.4
According to the results, the methanolic extract was found to be active against all pathogenic bacteria, except P.
aeruginosa. The strongest antibacterial activity was against B. cereus with a MIC value 35 µg/ml followed by S. aureus
and E.coli with a MIC 50 µg/ml. While S. enteriditis, L. monocitogenesis and P. aeruginosa were lower activity MIC
between 100-250 µg/mL.
The best activity for aqueous sub-extract was against S. aureus and B. cereus with a MIC 25 µg/mL, the lowest activity
was against P.aeruginosa MIC 125 µg/ml, while S. enteriditis, L. monocitogenesis, and E. coli have a range between 50 75 µg/mL.
The antibacterial activities of methanol extract and aqueous sub-extract could be associated to the presence of
flavonoids like taxifolin, myricetin, gallic acid and principally of apigenin, which are all reported to have antibacterial
properties.5
This study shows that roots of L. brasiliense are a rich source of compounds with antibacterial activity. This may
support the popular use of the infusion from these roots against resistant bacteria and could be important tools in
antibacterial strategies.
Financial Support: CONICET - PIP Nº6056, UNS - PGI 24/Q009, ANPCYT - PICT Nº25775, EMECW 20091796/001-001-ECW and Xunta de Galicia, Spain.
1
2
3
4
5
Murray A.P. et al, (2004), Z. Naturforsch. 59c: 477-480
Benzi V.S. et al, (2010), 1st Latin American Meeting of Chemical Ecology, P7, 100
Agrawal P.K., (1989), Carbon-13 NMR of Flavonoids, Elsevier: New York
Ericcson H. M. & Sherris J. C., (1971), Acta Pathologica et Microbiologica Scandinavica, 217 (1)
Basile A. et al, (1999), Phytochemistry, 52, 1479-1482
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
255
COMPOSITION AND ANTINFLAMMATORY ACTIVITY FROM ATRIPLEX
UNDULATA MOQ D. DIETR. CHENOPODIACEAE
Rodriguez S.A 1,3*, Viña M. D.3, Murray A.P.1, Leiro J. M.2
INQUISUR, Departamento de Química, UNS, Pcia. Bs.As., Argentina.2 IIAA,
Laboratorio de Parasitología, USC, Santiago de Compostela, Spain
3
Departamento de Farmacología, Facultad de Farmacia, USC, Santiago de Compostela, Spain
[email protected]
1
Introduction
Atriplex undulata commonly known as Zampa crespa or Cachiyuyo, is an endemic species that is found in Patagonia
and the south of Buenos Aires province and which is tradicionally used as an astringent and antiequimotic. As a part
of our continuing search for biologically active compounds, we have attempted to isolate and characterize the active
principle responsible for antinflammatory activity from the ethanolic extract from the aerial parts of A. undulata,
growing wild in Bahía Blanca, Argentina.
Methods
Aerial parts from A. undulata, were extracted with ethanol. The ethanolic extract and its hexane, dichloromethane,
ethyl acetate, butanol partitions and the final aqueous residue were tested for antioxidant. The ethyl acetate partition,
which has presented a promising antioxidant and anti-inflammatory activity, was fractionated according to previous
reports1. The elucidation of the isolated compounds was determined by 1H and 13C NMR spectra and confirmed
by comparison with literature data2. The compounds isolated were quercetin, isorhamnetin, kaempferol and his
derivates.
Cell viability was assessed by MTT assay3. Cells were treated with different doses of the fractions and isolated
compounds to determine cytoxicity for 24hs (100–1000 µg/mL and 10–500 µM) respectively. These were not
cytotoxic against RAW 264.7 and HL60 cells lines.
We examined the inhibitory effects of the different fractions of A. undulata on Nitric Oxide (NO) overproduction
in LPS-IFNg-stimulated mouse macrophages cell line RAW 264.7 and was measured by the Griess reaction.4. The
best anti-inflammatory potency (IC50=32µg/ml) was provided by a fraction coming from the ethyl acetate subextract. Also, we investigated the effects of these fractions on inhibition of intracellular and extracellular production
of reactive oxygen species (ROS) during the respiratory burst response by both cells lines. These have inhibited
both ROS production. Further investigations will be carried out in our laboratory to identify the active compounds
inhibiting ROS.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
256
Based upon the results, it was found that the ethyl acetate partition showed the greatest antinflammatory activity
with a lower IC50 value than the other partitions. This antinflammatory effect could be explained, at least in part, by
the presence in this fraction of quercetin and kaempferol, which showed significantly inhibition of nitrite production5.
These results allow continuing with the chemical study and pharmacologist of this plant, especially if we think that
they did not find scientific studies of his anti-inflammatory activity.
Financial Support: CONICET - PIP Nº6056, UNS - PGI 24/Q009, ANPCYT - PICT Nº25775, EMECW 20091796/001-001-ECW and Xunta de Galicia, Spain.
1
2
3
4
5
Rodriguez S. and Murray A. P., XVIII SINAQO, Mendoza, Argentina, 14-18th November 2009
Agrawal P.K. Carbon-13 NMR of Flavonoids. Elsevier: New York; 1989.
Leiro J et al, (2004), J. Leukoc. Biol, 75: 1156-1165
Orallo F et al, (2002), Br. J. Pharmacol, 121: 1627-1636
Hisashi Matsuda et al, Biorganic and medical chemistry, 11 (2003) 1995-2000
EVALUATION OF ANTIMICROBIAL AND ANTIOXIDANT ACTIVITY OF THE
EXTRACT AND FRACTIONS OF SYZYGIUM CUMINI L. SKEELS FRUITS
1
Migliato K.F.1,2, Hakime-Silva R.A.2,3, Brunetti I.L.3, Salgado, H.R.N.1
Department of Drugs and Medicines, Schooll of Pharmaceutical Sciences, UNESP, Araraquara, SP, Brazil. 2
Centro Universitário Central Paulista - UNICEP - São Carlos - SP-Brazil.
3
Department of Biological Sciences, Scholl of Pharmaceutical Science,
UNESP, Araraquara, SP, Brazil.
[email protected]
Introduction
S. cumini (L.) Skeels (Synonym: S. jambolanum, Eugenia jambolana) (Myrtaceae), popularly known in Brazil as
“jambolão” (jambolan or java plum), is a native tree of the tropics, originally from India and SE Asia. It is widespread in
some states of North, Northeast and Southeast Brazil and it is used as a popular treatment against various diseases.
In Brazil, bark, fruits, seeds and leaves of this plant are used for the diabetes treatment and administered in many
pharmaceutical preparations (e.g., aqueous or alcoholic extract, decoctions or crude plant juice). Syzygium has shown
hypoglycemic and antioxidant activities in seeds. Syzygium species are reported to be very rich in tannins, flavonoids,
essential oils, anthocyanins and others phenolic constituents. The aim of the present investigation was to evaluate
the antimicrobial and antioxidant activity of the extract and fractions of S. cumini fruits cultivated in Brazil.
Methods
Standard powders of ciprofloxacin and amphotericin-B were used as the controls, respectively, for antibacterial and
antifungal tests. The stock solutions were prepared as described in the CLSI guidelines (M07-A6, 2003) for bacteria
and CLSI (M27-A2, 2002) for yeast. The crude extract and acetate, butanolic and aqueous fractions were dissolved in
5% DMSO. Stock solution was mixed with MH and RPMI 1640 broths, supplemented with 2% glucose, buffered to
pH 7.0 to obtain a concentration of 1,000 µg/ml; two-fold serial dilutions were used to give a final concentration from
500 to 3.9 µg/ml in sequential wells. Broth microdilution method was used in accordance to CLSI (M07-A6, 2003) for
bacteria and CLSI (M27-A2, 2002) for yeast guidelines. The antioxidant activity was evaluated by spectrophotometric
method through the discoloration of ABTS•+ radical with potassium persulphate and by DPPH method, which is
based on the reduction of DPPH• radical absorbance by antioxidant substances
The extract and fractions showed both bactericidal and fungicidal activity among the various microorganisms tested
(S. aureus, E. coli, P. aeruginosa, S. epidermidis, Salmonella sp., C. krusei, C. albicans, C. parapsilosis, C. neoformans) and
the MIC ranging from 32 to 250 µg/ml. The MIC, MBC and MFC values were similar for all the microorganisms.
Acetate fractions of fruit, the most active, with an EC50 value of 1.12±0.01 µg/mL, was comparable to quercetina
(EC50=0.45±0.01) and gallic acid (EC50=0.35±0.01), used as positive controls to the discoloration of ABTS•+ radical.
Extract and aqueous fractions of fruit from S. cumini, the most active, with an EC50 value of 34.36±1.01 and 28.74±1.58
µg/ml respectively, was comparable to quercetin (EC50=0.47±0.01) and gallic acid (EC50=0.24±0.46), used as positive
controls to the DPPH method. The extract could potentially be used in topical antimicrobial products. Thus, the
activity of extract and fractions was potent to bacteria and mainly to non-albicans species and C. neoformans.
Financial Support: FAPESP, CNPq INCT_if, PADC, FUNDUNESP.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
257
EVALUATION OF ANTIMICROBIAL AND ANTIHEMOLYTIC ACTIVITIES OF
EXTRACTS AND FRACTIONS OF MORUS NIGRA L. MORACEAE
Migliato-Turatti, K.F.2,4 ; Hakime-Silva, R.A.1; Gutierres, V.O.1; Barbosa, V.F.3;
Brunett, I.L.1; Salgado, H.R.N.2; Oliveira, O.M.M.F.1,3
1
Department of Biological Sciences, School of Pharmaceutical Sciences,
UNESP, Araraquara, SP, Brazil.
2
Department of Drugs and Medicines, School of Pharmaceutical Sciences,
UNESP, Araraquara, SP, Brazil.
3
Department of Biotechnology, Institute of Chemistry, State of Sao Paulo University,
UNESP, Araraquara, SP, Brazil.
4
Centro Universitário Central Paulista - UNICEP, São Carlos, SP, Brazil.
[email protected]
Introduction
The species Morus nigra L. (Black mulberry) is indigenous to Southeast Asia, with frequent generally in tropical
regions around the world. From the standpoint of ethnobotanical, M. nigra has been known to provide not only
food nutritional values, but it contains several compounds with therapeutic action as an anti-inflammatory and
antipyretic, purifying, antiseptic, hypoglycemic and used in the control of menopause, not only in fruits but also in
other plant parts like leaves and bark of the tree. The objective of this research was to evaluate the antimicrobial and
hemolytic potential of crude ethanol extract and fraction of leaves of M. nigra obtained by the maceration process.
Methods
The activity of pro-and anti-hemolytic was assessed by measurement of hemoglobin spectrophotometric released
after hemolysis in inducing and inducing HOCl and AAPH. Antimicrobial activity was tested by microdilution,
evaluated against the microorganisms S. aureus, S. epidermidis, P. aeruginosa, E. faecalis, E. coli, C. albicans and C. krusei.
Standard powders of ciprofloxacin and amphotericin-B were used as the controls, respectively, for antibacterial and
antifungal tests. The stock solutions were prepared as described in the CLSI guidelines (M07-A6, 2003) for bacteria
and CLSI (M27-A2, 2002) for yeast. The crude extract and acetate, butanolic and aqueous fractions were dissolved
in 5% DMSO. Stock solution was mixed with MH and RPMI 1640 broths, supplemented with 2% glucose, buffered
to pH 7.0 to obtain a concentration of MOPS 0,165 M (for yeast); two-fold serial dilutions were used to give a final
concentration from 250 a 0.49 µg/mL in sequential wells. Broth microdilution method was used in accordance to
CLSI (M07-A6, 2003) for bacteria and CLSI (M27-A2, 2002) for yeast guidelines.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
258
The results showed the anti-hemolytic activity of fractions acetate and n-butanol compared to the hemolyzing
agents OCl- (IC50 from 2.37mg/mL for FAcOET and 8.02 mg/mL for FBuOH) and AAPH (IC50 from 2.60 mg/mL for
FAcOET and 5.55 mg/mL for FBuOH), as well as a moderate antifungal activity against acetate fraction (MIC of 125
mg/mL) of strain C. albicans and C. krusei. The aqueous fraction showed weak activity against C. krusei (250 mg/mL),
without antibacterial activity. The study reveals a good potential anti-hemolytic and antifungal against C. albicans
and C. Kruzei of fractions acetate and butanol of the leaves of M. nigra. It is important to note that studies are being
conducted to elucidate the phytochemical composition of each fraction.
Financial Support: FAPESP, CNPq INCT_if, PADC, FUNDUNESP.
ATIVIDADE ANTILEISHMANIA DO EXTRATO ETANÓLICO OBTIDO DAS FOLHAS
DE HELIOTROPIUM ELONGATUM HOFFM. EX ROEM
Almeida A.L.R., Vilanova C.M.A., Ribeiro S.M., Leitão J.M.S.R.1, Carvalho F.A.A.1,
Neto B.M.1, Souza A.C.1, Amorim L.V.1 , Carneiro S.M.P.2
1
Programa de Pós-Graduação em Farmacologia, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil.
2
Programa de Pós graduação em Biotecnologia, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil.
[email protected]
Introdução
Mundialmente, muitas espécies de plantas medicinais são utilizadas para o tratamento de doenças. Em estudos
preliminares, a Heliotropium elongatum Hoffm. Ex Roem. popularmente conhecida como crista de galo, planta de
ocorrência nos cerrados maranhenses com atividade antiinflamatória comprovada, apresentou forte atividade
antileishmania. As leishmanioses são doenças provocadas por protozoários do gênero Leishmania, sendo endêmico
nas regiões Norte e Nordeste, devido às condições econômicas e aspectos culturais das populações. O presente
trabalho teve como objetivo avaliar in vitro a atividade biológica do extrato etanólico obtido das folhas de
Heliotropium elongatum Hoffm. Ex Roem. em formas promastigotas de Leishmania amazonensis.
Métodos
As folhas de Heliotropium elongatum Hoffm. Ex Roem. foram coletadas na cidade de Duque Bacelar- MA, identificadas
, secas e moídas. Posteriormente foram extraídas, sendo o extrato filtrado, concentrado sob pressão reduzida em
evaporador rotatório e em seguida, liofilizado. Para avaliar seu efeito no crescimento das formas promastigotas de L.
amazonensis (cepa LTB0016), este foi dissolvido em dimetilsulfóxido (DMSO), obtendo-se uma solução estoque de
80.000 μg/mL. As formas promastigotas em sua fase logarítmica de crescimento foram distribuídas em placas de 96
poços para cultivo celular, na quantidade de 1 x 106 leishmania por poço. Em seguida, o extrato foi adicionado aos
poços, em diluições seriadas na escala de 1:2. As placas foram incubadas a temperatura de 26oC e observadas por
24, 48 e 72 horas para o acompanhamento do respectivo crescimento e da viabilidade das leishmanias através da
contagem dos protozoários em câmara de Neubauer. Anfotericina B utilizado como controle positivo foi obtido de
Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda, Itapira, São Paulo, Brasil.
Um aumento progressivo no efeito antileishmania foi observado nos testes in vitro realizados para a avaliação da
atividade contra formas promastigotas. Nas primeiras 24horas o extrato etanólico de Heliotropium elongatum Hoffm. Ex
Roem apresentou concentração inibitória 50% (IC50) igual a 1253 μg/mL, após 48 h de cultivo mostrou concentração
inibitória 50% (IC50) igual a 199,36 μg/mL e com 72h de cultivo, esta concentração mostrou-se bastante reduzida
com um resultado de 31,82 μg/mL. Portanto, mostra-se uma fonte potencial para posteriores estudos objetivando o
desenvolvimento de produtos fitoterápicos com atividade para o tratamento das leishmanioses.
Apoio financeiro
CAPES / UFPI - Programa de pós-graduação de farmacologia da Universidade Federal do Piauí.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
259
TRIAGEM TOXICOLÓGICA ATRAVÉS DO BIOENSAIO COM ARTEMIA SALINA
LEACH DE PLANTAS MEDICINAIS EM JOÃO PESSOAPB
RAMALHO, J.A.2; BRANCO, A.C.S.C.1; DANTAS, J.G.2; XAVIER A.L.2; PITA, J.C.2;
SANTOS, H.B.2; ARAÚJO, M.S.T.2; MELO-DINIZ, M.F.F2.
1
Associação Teresinense de Ensino, Faculdade Santo Agostinho, Teresina-PI, Brasil.
2
Laboratório de Tecnologia Farmacêutica, Universidade
Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.
[email protected]
Introdução
As espécies vegetais são utilizadas para o tratamento de enfermidades e/ou como alimentos desde a antiguidade.
O grande uso das plantas medicinais leva a necessidade da investigação de seus potenciais tóxicos. Atualmente são
utilizados bioensaios para a avaliação da toxicidade de extratos de plantas, devido ao estímulo para o desenvolvimento
de métodos alternativos, como o bioensaio com Artemia salina L., que é rápido, prático, simples e de baixo custo.
Este trabalho teve como finalidade realizar uma avaliação toxicológica de chás em João Pessoa - PB.
Métodos
Neste estudo foi realizado o bioensaio com Artemia salina L. (Brine Shrimp Test) do Extrato Hidroalcoólico Bruto
(EHAB) das plantas medicinais: Matricaria recutita, Cymbopogon citratus, Pimpinela anisum, Peumus boldus e
Foeniculum vulgare. Utilizaram-se 25 mg de cistos de Artemia salina L., os quais foram incubados em um recipiente
dividido em dois compartimentos por uma parede vasada no centro, contendo água do mar à temperatura de
20 a 30oC e pH entre 8-9. Em um dos compartimentos havia incidência de uma lâmpada de 40 watt, para onde
migravam os metanáuplios obtidos com a eclosão dos cistos após 48 horas de incubação. Para cada espécie vegetal,
os ensaios foram realizados em triplicata, buscando-se a determinação da relação dose-resposta, com a realização
de três experimentos para cada amostra, a fim de obter-se uma maior reprodutibilidade dos resultados. Havia um
grupo controle, apenas com a água do mar, e os grupos teste, água do mar e EHAB. Em cada tubo colocavam-se entre
dez a dose larvas de Artemia salina L. e, após a incubação de 24 horas, eram contabilizados os números de mortos
e vivos, para o cálculo da concentração letal média (CL50) através do método estatístico de Probitos, com nível de
significância de 5%.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussões/Conclusões
260
Os extratos das plantas em análise mostraram valores de CL50 < 1000 μg/mL na seguinte ordem crescente:
Cymbopogon citratus D.C., Matricaria recutita L., Pimpinella anisum L., Peumus boldus M. e Foeniculum vulgare M. Isto
fornece indícios de toxicidade, pois para valores de CL50 abaixo de 1000 μg/mL, a substância é considerada bioativa.
Este estudo é um método alternativo para a determinação de atividade biológica (como a toxicidade) de composto
ou extrato natural, toxinas e contaminantes do meio ambiente, que vem sendo bastante utilizada devido ao seu
baixo custo, facilidade de implantação, manutenção e necessidade de pouca substância para o experimento. Estes
resultados fornecem indícios de toxicidade para as plantas em estudo, porém estudos toxicológicos adicionais são
necessários para uma maior investigação da toxicidade.
ESPECTRO DE ABSORÇÃO DO ULTRAVIOLETA E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DO
EXTRATO ETANÓLICO DA CASCA DE TERMINALIA CATAPPA
Vilanova, C.M.A.2, Matos, J.R.F.2, Paiva, M.P.2, Gonçalves Júnior, P.C.J. 2,
Martins, M.C.C.1, Nunes, P.H.M.1
1
Departamento de Biofísica e Fisiologia-CCS, UFPI, Teresina-PI, Brasil.
2
Curso de Graduação em Medicina, UFPI, Teresina-PI, Brasil.
[email protected]
Introdução
Há muitas evidências de que plantas da família Combretaceae apresentam atividade antioxidante (AA). Terminalia
pallida, Terminalia arjuna e Terminalia chebula apresentam AA e anti-ulcerogênica (AAU) em úlceras induzidas por
etanol. T. brasiliensis e T. fagifolia apresentam AA e AAU na casca e folha. Nesse contexto, o extrato aquoso de
folhas de Terminalia catappa, também já apresentou AA e hepatoprotetora. O objetivo deste estudo é determinar
o espectro de absorção da luz ultravioleta (UV) e avaliar a AA do extrato etanólico da casca de T. catappa (EETCc),
comparando-os com os dados da catequina e do tolueno hidroxibutilado (BHT).
Métodos
O espectro de absorção UV (200 a 400 nm) foi determinado em um espectrofotômetro de feixe único com cubetas
de quartzo de um centímetro de percurso óptico. A atividade antioxidante foi mensurada através do teste com
2,2-difenil-1-picril-hidrazila (DPPH). Para o teste estequiométrico soluções estoques de EETCc, catequina e BHT (2,4
mg/mL) foram diluídas para concentrações de 240, 120, 60, 30, 15 e 5 μg/mL, em metanol. Duzentos mL de cada
solução foi adicionado a 2 mL da solução metanólica de DPPH (40 μg/mL) e deixados a temperatura ambiente. Após
30 minutos mediu-se a absorvância em 516 nm, a qual foi utilizada para calcular a atividade antioxidante (AA%)
e a CE50 (Concentração do antioxidante necessária para diminuir em 50% a concentração do DPPH em 30 min).
A reatividade de cada amostra foi avaliada numa concentração de 60 μg/mL acompanhando-se a diminuição da
absorbância do DPPH em 516 nm por 60 min, utilizando-se os valores de absorvância para o cálculo da porcentagem
de DPPH residual e para a determinação do ET50 (Tempo necessário para que a concentração inicial de DPPH decresça
a 50%). Metanol (2 mL) mais solução de teste (200 μL) foi utilizado como branco. Solução de DPPH (2 mL) mais
metanol (200 μL) foi usada como controle. Os testes foram realizados em triplicata. Os valores da CE50 e do TE50 foram
calculados por regressão não-linear.
O EETCc e a catequina, ambos na concentração de 100 µg/mL, apresentaram dois picos de absorção na região
espectral do UV. O primeiro pico do EETCc foi em 238 nm e o da catequina em 232 nm. O segundo pico de ambos
ficou em torno de 280 nm. O BHT apresentou apenas um pico de absorção em 230 nm. O estudo demonstrou que
o EETCc possui AA com EC50 = 51,1 ± 5,11 µg/mL, igual à da catequina (46,3 ± 4,38 µg/mL) e bem maior que o do
BHT (305,7 ± 26,94 µg/mL). Entretanto, o EETCc apresentou uma reatividade (ET50 = 22,3 s) maior que a da catequina
(ET50 = 51,7 s). O BHT apresentou uma reatividade não mensurável no protocolo utilizado (ET50 >60 min). De modo
semelhante à catequina, o EETCc absorve intensamente na região C (200 a 290 nm) e bem menos na região B (290 a
320 nm) do espectro da luz UV, e apresenta AA igual à da catequina e maior que a do BHT. Os dados encontrados
apontam ainda para uma possível contribuição da catequina na absorção da luz UV pelo EETCc e na sua AA, uma
vez que a catequina foi encontrada no extrato etanólico de várias plantas que apresentam AA, inclusive nas folhas
de T. fagifolia.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão.
261
ANÁLISE DE FLAVONOIDES E TANINOS EM LOTUS
CORNICULATUS CORNICHÃO
1
Sobottka A.M.1, Wentz A.L.1
Instituto de Ciências Biológicas, Universidade de Passo Fundo, UPF, Passo Fundo, RS, Brasil.
[email protected]
Introdução
Este trabalho investiga a presença de taninos e flavonoides em uma espécie de Lotus (Lotus corniculatus) conhecida
como corninhão, uma leguminosa forrageira cultivada como pastagem, que se destaca por sua qualidade para
nutrição animal. Em espécies de Lotus, a literatura é unânime quanto à presença de taninos, sendo que estes, em
concentrações adequadas (2 a 4% de matéria seca), podem evitar a formação de espuma no rúmen, beneficiando os
ruminantes pela prevenção do timpanismo. Já em altas concentrações (5 a 10% de matéria seca), estes metabólitos
diminuem o consumo e a digestibilidade da forragem. Já os flavonoides, também encontrados em leguminosas,
possuem notável atividade biológica e desempenham importante papel na defesa contra micro-organismos
patogênicos. Em estudo realizado por Moro e colaboradores (2010) não foi detectada a presença de taninos no
cornichão. Neste caso, as plantas foram cultivadas em ambiente semi-protegido. Estes resultados, contrastantes com
a literatura, evidenciam a necessidade de estudos adicionais sobre o perfil fitoquímico desta planta, avaliando-se o
cultivo em diferentes ambientes. No presente trabalho a investigação de taninos e flavonoides foi realizada na planta
cultivada em ambiente livre.
Métodos
O material vegetal utilizado foi coletado na Universidade de Passo Fundo (UPF), localizada na cidade de Passo Fundo,
Rio Grande do Sul, em 17 de novembro de 2010. Este material, composto por caule e folhas, foi seco em estufa (25ºC)
e triturado até a obtenção de um pó homogêneo. Através de maceração com acetona:água (7:3) e metanol:água
(1:1), foram obtidos os extratos brutos. O primeiro foi particionado com acetato de etila e n-butanol e o segundo
com éter de petróleo, éter etílico e acetato de etila. As frações obtidas foram submetidas aos testes de cromatografia
em camada delgada e reações gerais de identificação de taninos e flavonoides. O teste de cromatografia em camada
delgada (CCD) baseou-se na metodologia descrita por Wagner & Bladt (1996). Já os testes de identificação foram
realizados a partir de técnicas descritas por Matos (2009) e por Cardoso (2009) e basearam-se em reações de
precipitação e mudança de coloração.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
262
Foram obtidas reações positivas para taninos e flavonoides em todas frações analisadas. Na CCD das frações obtidas
por partição com acetato de etila foram observadas manchas com o perfil cromatográfico semelhante aos padrões
rutina e catequina. Em relação à presença de taninos, os resultados demonstram que a planta cultivada em ambientes
livres pode possuir um perfil fitoquímico diferente daquela cultivada em ambiente protegido.
Referências
CARDOSO, C.M.Z. Manual de controle de qualidade de matérias-primas vegetais para farmácia magistral. São Paulo: Pharmabooks, 2009.
MATOS, F.J.A. Introdução à fitoquímica experimental. 3. ed. Fortaleza: UFC, 2009.
MORO, G.V. et al. Aspectos químicos do gênero Lotus L. com ênfase em metabólitos secundários. ARS Veterinaria, v. 26, n. 2, p. 113-119, 2010.
WAGNER, H.; BLADT, S. Plant drug analysis-A thin layer cromatography atlas. 2. ed. Berlim: Springer, 1996.
ANATOMICAL STUDY OF VEGETATIVE PARTS OF QUINA, COUTAREA
HEXANDRA JACQ. K. SCHUM., RUBIACEAE
1
Mauro C.¹, Lapini P.C.¹
Faculdade de Ciências da Saúde FACIS/IBEHE - Projeto de Iniciação Científica do Curso de
Ciências Biológicas. R. Bartholomeu de Gusmão, 86 - 04111-020 São Paulo, S.P.
[email protected]
Introduction
Coutarea hexandra is a tree with a height of 4,0 to 6,0 m, existing in practically the whole brazilian territory. It is
employed in popular medicine, due to the antinociceptive and anti-inflammatory properties of its bark, according
to Lorenzi & Matos1. Due to the paucity of anatomical and morphological data, the present work was developed,
consisting of the anatomical investigation of stems and leaves from this species.
Methods
Stems and leaves proceeding from plants from São Paulo, S.P., were fixated in F.A.A. and stored in 70% ethanol.
Transversal sections of stem, leaves and petiole and paradermic sections of leaves were submitted to clarification in
70% sodium hypochlorite, differentially stained with alcyan blue and basic fuchsin and prepared in semi-permanent
slides, for microscopical observation.
Results and discussion/conclusion
The foliar leaf presents a dorsiventral mesophyll, with a uniseriate epidermis, with frequent non-glandular unicellular
trychomes, while in the region of the central sheath, there are 4-5 layers of angular collenchyma on the cortical
region, as well as a collateral bundle. Paracytic stomata were evidenced on paradermic leaf sections, mainly on the
adaxial surface of the leaf. The canaliculated petiole, in transversal section, revealed a cortical angular collenchyma,
as well as frequent non-glandular unicellular trychomes. Transversal sections of the stem exhibited a well developed
secondary xylem and secondary phloem with abundant idioblasts, disposed on a straight line, with a yellow organic
content in its inside. There is also a young periderm, with lenticells. The above results are important for the vegetative
anatomical characterization of the species.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Bibliography 1. Lorenzi, H., Matos, F.J.A. Plantas Medicinais no Brasil - nativas e exóticas. 2ª. Edição, Nova Odessa, S.P.:
Instituto Plantarum, 2008.
263
ATIVIDADE ANTIMICROBIANA E
TOXICIDADE DE EUPHORBIA TIRUCALLI L.
Araújo, W.R.M.¹, Barros, C.S.¹, Rodrigues, K.A.F.¹, Moraes, D.F.C.², Vilanova C.M.², Lima, J.F.³
¹Alunos de Graduação em Farmácia da Universidade Federal do Maranhão, Brasil
²Professoras do Departamento de Farmácia da Universidade
Federal do Maranhão (UFMA), Brasil
³Microbiologista do Hospital Universitário Presidente Dutra, Brasil
[email protected]
Introdução
Euphorbia tirucalli L. (Euphorbiaceae) é um arbusto, conhecido popularmente no Maranhão como avelóz ou paupelado. Sua principal indicação popular é para o tratamento de verrugas. No entanto, o látex é cáustico e a há
registros de intoxicações pela sua ingestão. Neste trabalho foi realizada a avaliação da atividade antimicrobiana e
citotoxicidade da espécie.
Metodologia
Os ramos e folhas da espécie em estudo foram coletados no Campus do Bacanga na cidade de São Luís-MA, no
de mês de junho de 2009. A exsicata da espécie encontra-se registrada no Herbário Ático Seabra da UFMA (HSL
1373). Para os testes biológicos, a amostra foi submetida à turborlização e maceração com etanol a 70%, obtendose o extrato hidroalcoólico (EH). Para a avaliação de citotoxicidade do EH, utilizou-se o bioensaio com Artemia
salina, seguindo metodologia proposta por Meyer (1982), com modificações. O ensaio foi realizado em triplicatas e
monitorado pelo controle negativo (salina) e pelo controle positivo (K2Cr2O7) nas concentrações de 10, 100 e 1000
µg/mL. A atividade antimicrobiana do EH foi avaliada frente às cepas de bactérias gram-positivas (Staphylococcus
aureus) e gram-negativas (Eschericha coli e Pseudomana aeroginosas) e frente à cepa de fungo Candida albicans
seguiu a metodologias de difusão em disco (método qualitativo) e diluição em caldo - Macrodiluição (método
quantitativo) propostas por (CLS, 2009).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e Discussão/Conclusões
264
No teste de citotoxicidade, o extrato mostrou-se altamente tóxico com DL50 de 21,7 µg/mL, seguido os critérios
estabelecidos por Dolabela (1997). Este resultado demonstra a necessidade de cautela na utilização desse extrato,
mas também indica a possibilidade da presença no vegetal de princípios com atividade anticancerígena, já que o
teste frente A. salina apresenta correlação com esta ação (McLaughlin et al, 1998). O teste de difusão em disco
apresentou uma possível ação antibacteriana apenas para a cepa de bactéria gram-positiva e antifúngica para C.
albican. No teste quantitativo, a Concentração Inibitória Mínima (CIM), ou seja, a menor concentração do extrato
onde ocorreu inibição do crescimento das cepas, foi de 1,61 mg/mL para S. aureus; 12,9 mg/mL para E. coli; 51,6 mg/
mL para P. aeruginosa e de 51,6 mg/mL para C. albicans. Estes resultados mostram que todas as cepas testadas foram
sensíveis ao extrato hidroalcoólico de Euphorbia tirucalli.
DETERMINAÇÃO QUALITATIVA DO ÁCIDO ELÁGICO EM
SYZYGIUM CUMINI JAMBOLÃO
1
Carneiro E.M.P.1, Suffredini I.B.1, Diaz I.E.C.1
Núcleo de Pesquisas em Biodiversidade, Laboratório de Extração,
Universidade Paulista, UNIP, São Paulo, SP, Brasil.
[email protected]
Introdução
O presente trabalho tem como objetivo a determinação qualitativa do ácido elágico em extratos obtidos de Syzygium
cumini (L.) Skeels (jambolão) por cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE). Os extratos foram testados contra
agentes infecciosos de importância para humanos e animais. O ácido elágico é um depsídeo do ácido gálico, portanto
um tanino hidrolisável, que foi escolhido como agente marcador para a presente análise. O perfil cromatográfico
dos extratos obtidos de folhas e casca do tronco de três diferentes indivíduos foram obtidos e comparados por
CLAE, juntamente com o ácido elágico padrão, visando possibilitar o controle de qualidade dos extratos obtidos e
futuramente dos produtos fitoterápicos
Métodos
Para o preparo dos extratos, foram escolhidos três indivíduos da mesma espécie de diferentes idades. A exsicata foi
depositada sob nº 6.769 no Herbário UNIP, SP. Os extratos etanólicos foram obtidos por percolação até esgotamento,
de casca e folhas de jambolão e foram submetidos ao processo de partição líquido-líquido para se obter os resíduos
clorofórmico, butanólico e aquoso. Tanto os extratos brutos quanto os resíduos foram analisados por CLAE de modo
a se obter o perfil cromatográfico para qualificação do ácido elágico. O resíduo com maior massa foi submetido à
ressonância magnética nuclear de hidrogênio para confirmação da presença do ácido elágico.
As análises dos cromatogramas dos extratos brutos das folhas e seus resíduos apresentaram maior concentração
do ácido elágico nos resíduos butanólicos dos três indivíduos. Para as cascas observou-se uma discrepância entre os
indivíduos, embora o resíduo butanólico concentre o ácido elágico, esse não se manteve em maior porcentagem,
pois para as cascas se apresentou um composto a mais, ainda não identificado. Não houve variação concordante
do ácido elágico entre as idades dos indivíduos, pois o de tamanho intermediário apresentou a maior concentração
do mesmo no resíduo butanólico. O método usado, confirmado também por ressonância magnética, demonstrou
que a técnica de CLAE na obtenção do perfil cromatográfico para determinação da presença do ácido elágico em
resíduos e extratos brutos é eficaz e pode ser adotada para o controle de qualidade interno em laboratórios de
pesquisa de produtos naturais.
2.
1.
Suporte Financeiro: UNIP - Vice-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa,
FAPESP 23008/58706-8
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
265
COMPOSIÇÃO QUÍMICA E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DA FOLHA DO
JUCÁ CAESALPINIA FERREA VAR. CEARENSIS HUBER
Louchard B.O.1, Thé P. M. P.2, Leal L.K.A.M.1, Moreira-Silva L. I. M.2, Marinho D.R.S3., Telmos
B.M.A.2
1
Setor de Farmacognosia e Tecnologia de Produtos Naturais,
Departamento de Farmácia, Universidade Federal do Ceará
2
Setor de Bromatologia, Departamento de Farmácia, Universidade Federal do Ceará
3
Aluno do Curso de Farmácia, Universidade Federal do Ceará
[email protected]
Introdução
O jucá (Caesalpinia ferrea var. cearensis Huber) é uma árvore de pequeno porte, encontrada no sertão nordestino,
da Bahia até o Ceará, utilizada pela população rural, tanto para fins medicinais como na alimentação de rebanhos.
Em época de seca, as vagens, produzidas de outubro a dezembro, juntamente com a folhagem perene, podem
constituir a única fonte de alimento para os rebanhos. Apesar da escassez de alimentos nestas épocas, os animais
que se alimentam do jucá ganham peso. A despeito da grande utilidade desta planta no sertão, estudos sobre sua
composição química são escassos. Diante do exposto, o objetivo do presente trabalho foi investigar o valor nutritivo
das folhas do jucá, incluindo a determinação da umidade, cinzas, fibras, lipídeos, proteínas, açúcares e amido, além
da avaliação do potencial antioxidante.
Métodos
Análise bromatológica: Os teores de umidade, cinzas, lipídeos e proteínas foram determinados segundo metodologias
descritas pela ANVISA (2005). O teor de fibra bruta foi determinado pelo método descrito por Vande e Ginkel (1952).
A extração da fração glicídica foi feita pelo método de Lane-Enyon, citado pela AOAC (1992), e a determinação pela
técnica de Somogy, adaptada por Nelson (1944). Atividade antioxidante - teste DPPH (Saint-Cricq et al., 1999):
Aliquotas do extrato hidroalcoólico(EHA) (1; 10; 25; 50 e 125 mg/mL) e a-tocopherol (padrão; 50 mg/mL) foram
misturadas com 3,9 mL de DPPH (1,1-difenil-2-picril hidrazina; 0,3 mM em metanol:EtOH (1:1)). Após agitação e
decorridos 30 min. foi determinada a absorvância (517 nm) e calculada o percentual de inibição de radicais livres. As
análises foram realizadas em triplicata.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
266
Os resultados da composição química das folhas de jucá, expressos em percentagem de resíduo seco foram: 22,18%
de umidade, 6,45% de cinzas, 13,59% de fibras, 8,55% de lipídeos, 13,66% de proteínas, 0,68% de açúcares totais,
0,43% de açúcares redutores em glicose, 0,24% de açúcares não redutores em sacarose e 12,50% de amido. O EHA 1, 10, 25, 50 e 125 mg/mL (% inibição.: 17, 0 ±1,54; 48 ±0,91; 82,0 ±1,93; 95,0 ±0,41 e 94,0 ±0,13 %, respectivamente)
do jucá mostrou atividade antioxidante/seqüestradora de radicais livres, comparável ou até superior em relação a
vitamina E, 50 mg/mL (% inibição.: 90,0 ±8,19 %). Os resultados indicam um potencial nutricional elevado, devido
principalmente ao alto teor de proteínas (13,66%) e considerável teor de gordura e carboidratos, além de potente
atividade antioxidante.
Apoio Financeiro: CNPq , CAPES
ANTIFUNGAL ACTIVITY AND ISOLATION OF SECONDARY METABOLITES OF
NIPHOGETON DISSECTA, A MEDICINAL PLANT OF LOJA, ECUADOR
Cartuche Luis1*, Nuñez Lorena1, Morocho Vladimir1 and Malagón Omar1
1
Instituto de Química Aplicada, Universidad Técnica
Particular de Loja (UTPL), P.O. Box 11-01-608, Loja, Ecuador,
[email protected]
Introduccíon
In Ecuador, research about medicinal plant has been focused on their ethnobotanical uses for indigenous communities
and a few works have been conducted about the chemistry and the biological activity of plants. The “Instituto
de Química Aplicada - UTPL” maintains a program in search of antifungal active compounds from plant origin.
Niphogeton dissecta (Benth.) J. F. Macbr., is a native specie named locally as ‘Culantrillo de cerro’. Saraguro’s indigenous
people of Loja - Ecuador use this plant as infusion to treat diarrhea, vomiting, cold and uteri inflammation.
Metodologia
N. dissecta was collected at 3295 m.a.s.l. at Loma de Oro, Saraguro, Loja - Ecuador. For the biological assays 100
g of the plant were extracted with methanol and concentrated. Antifungal activity was measured according to
the procedures of the document M38-A2 of the Clinical and Laboratory Standards Institute. The MIC (Minimum
Inhibitory Concentration) value was determined by visual examination of the 96 well plates and it was considered to
be the minimum concentration of the extract at which no fungal growth is observed. Trichophyton mentagrophytes
(T.m.) ATCC 25185 and Trichophyton rubrum (T.r.) ATCC 25188 were used as fungal reference strains. The two-fold
dilution method was used to obtain a range of concentrations since 1000ug/ml to 7ug/ml in Sabourad dextrose
broth. The positive control was Itroconazol. Fungal inoculums were adjusted to a final concentration of 5 x 104 spores
per mL. The plates were incubated at 28 ºC for 4 days. Agar overlay bioautography method was used to identify the
Rf in a TLC plate (G60 F254) of the fraction responsible of the antifungal activity. 300 g of dried vegetal material was
macerated with hexane to discard non-polar compounds. The residue was macerated twice with ethyl acetate and
the extract obtained was filtered and concentrated under reduced pressure. The extract was fractionated on SG60
and a gradient elution of Hexane-Ethyl Acetate-Methanol. 1H NMR, 13C NMR and two-dimensional analysis were
carried out in a 400Mhz Varian equipment (400-MR).
The MIC value of the methanolic extract for T.m. was 125 ug/ml and for T. r. was 62,5 ug/ml. The active fraction was
located at Rf 0,6 (mobile phase 8:1:1; Ethyl acetate - methanol - water), where the fungal mycelium was strongly
inhibited to a concentration of 100 ug for T. m. and 40 ug for T.r. The antifungal activity of the ethyl acetate extract
was assessed. It was found that the MIC value for T.m and for T.r was 250 ug/ml. An amorphous substance (F13) was
obtained on a hexane-EtOAc 9:1 elution. The fraction had a melting point of 89-91 ºC. The H1 and C13 NMR spectra
of F13 suggest the presence of a coumarine framework revealed by the characteristics signal at dH 6,25 (C3); 8,14
(C4); 7,59 (C5); 6,95 (C6); 7,14 (C8); dC 161,4 (C2) compared with 7-prenyloxycoumarine data, reported in the work of
Razavi et al. (2010). The molecular formula has been hypothesized from the 1H and 13C NMR data as C16H14O3. There
are 2 methyl groups, 1 CH2O- (dC 69,87), 6 CH (aromatic protons), and 7 quaternary carbons. We thank Universidad
Técnica Particular de Loja for the entire financial support.
1
Razavi SM, Imanzadeh G, Davari M (2010) The Coumarins from Zosima absinthifolia seeds, with allelopatic effects. EurAsia J BioSci 4, 3, 17-22. DOI:10.5053/
ejobios.2010.4.0.3
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados y Discusión
267
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE LEISHMANICIDA DE METABÓLITOS ESPECIAIS
OBTIDOS DAS CASCAS DE CROTON CAJUCARA BENTH
SOBRE LEISHMANIA AMAZONENSIS
Lima GS1, Maciel MAM2, Moura LAS2, Echevarria A3
Bio-Manguinhos FIOCRUZ, Rio de Janeiro, RJ; 2Departamento de Química, UFRN, Natal,
RN; 3Departamento de Química da UFRRJ, Seropédica, RJ, Brazil
[email protected]
1
Introdução
A utilização de plantas com fins medicinais para tratamento, cura e prevenção de doenças, é uma das mais antigas
formas de prática medicinal da humanidade. A Organização Mundial de Saúde, em 2008, reafirmou que 80% da
população dos países em desenvolvimento dependiam das plantas medicinais como forma de acesso aos cuidados
básicos de saúde. Croton cajucara Benth, uma espécie da região Amazônica conhecida como sacaca, destaca-se
por sua potencialidade medicinal, sendo suas cascas muito utilizadas na medicina popular devido às propriedades
curativas que lhe são atribuídas. Os constituintes químicos de suas cascas apresentaram eficácia no tratamento
de diferentes doenças, tais como: combate à febre, distúrbios hepáticos, renais e intestinais, hipercolesterolemia,
úlceras gástricas, diabetes, dentre outros. A resistência de parasitas às quimioterapias atuais destaca a importância
do estudo dos componentes ativos e de óleos essenciais das plantas como novos agentes antiparasitários em novos
tratamentos através do uso de fitoterápicos, com menor toxidez e maior seletividade. O objetivo deste estudo foi
avaliar os efeitos de metabólitos especiais obtidos das cascas de C. cajucara frente à Leishmania amazonensis. Para
tanto, foram avaliados uma fração apolar contendo óleo fixo (CC-EHA-OF) rico em uma mistura de terpenoides de
baixo peso molecular, bem como diterpenos do tipo clerodano (DCTN e CTN) e um triterpeno ácido (AAA).
Métodos
O extrato hidroalcoólico bruto das cascas de C. cajucara (EHA) forneceu uma fração rica em óleo fixo (CC-EHAOF) que foi caracterizada por análises de CG-EM. Foram isolados os terpenos DCTN, CTN e AAA caracterizados
por análises espectroscópicas de RMN de 1H e de 13C e massas. A avaliação da atividade anti-leishmania frente a
L. amazonensis na forma de promastigotas, foi realizada em meio Schneider suplementado com 10% de soro fetal
bovino. As culturas em microplacas de 96 poços foram incubadas a 26 °C, por 24 h. A fração CC-EHA-OF e os
produtos naturais isolados foram avaliados em diferentes concentrações, dissolvidos em DMSO e os parasitas vivos
contados em câmara de Neubauer. Todos os ensaios foram realizados em triplicata em três ensaios independentes e
a pentamidina usada como controle positivo.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão / conclusões
268
Os terpenóides trans-desidrocrotonina (DCTN), ácido acetilaleuritólico (AAA) e trans-crotonina (CTN) foram
isolados, caracterizados e avaliados quanto a atividade leishmanicida, bem como a fração de óleo fixo CC-EHA-OF.
Os ensaios foram realizados com concentrações de 150, 75, 37,5, 18,75, e 9,38 µg/mL para AAA, CTN e, CC-EHAOF. Para a DCTN 50, 25, 12,5 6,25 e 3,125 µg/mL. Os resultados obtidos foram bastante promissores indicando
que o clerodano DCTN mais ativo com IC50=6,31mg/mL, o triterpeno AAA com IC50=41,7mg/mL e a CTN 48mg/
mL. A fração contendo o óleo fixo apresentou IC50=18mg/mL. Os resultados indicaram o diterpeno DCTN como
novo e promissor agente leishmanicida, bem como a fração CC-EHA-OF rica em monoterpenos e sesquiterpenos,
motivando a continuidade dos estudos para elucidar o possível mecanismo de ação da DCTN.
AISLAMIENTO DE ÁCIDO ÚSNICO Y PARIETINA DE
CALOPLACA SAXICOLA HOFFM
Díaz I.E.C.1, Castro M,O.N.2, Pastor de Abram A.V.2
Laboratório de Extração da Universidade Paulista. Av. Paulista 900,
Bela vista, C.E.P. 01310-100 São Paulo, Brasil.
2
Pontificia Universidad Católica del Perú, Departamento de Ciencias - Sección Química; Av.
Universitaria 1801, San Miguel, Lima 32, Perú
[email protected]
1
INTRODUCCIÓN
El liquen Caloplaca saxicola (Hoffm.) fue colectado cerca de la laguna de Chinchaycocha (Carhuamayo - Cerro de
Pasco), a una altitud de 4100 msnm. El interés en el teñido textil con pigmentos naturales demostró las antraquinonas
son los compuestos empleados para estos fines, por ello actualmente se están realizando investigación en el cultivo
de líquenes a partir de hongos. Del trabajo hecho en Rumex crispus, fue aislado la antraquinona parietina, la cual
presentó actividad antifúngica de 30 a 10 µg/mL, más eficiente que fenarimol y polioxin; y el ácido úsnico, un
metabolito secundario propio de líquenes, que presenta actividad analgésica, inhibidora de tumores, y también es
usado como conservante de cremas cosméticas.
El objetivo de este trabajo es abordar la identificación de los componentes mayoritarios del liquen C. saxicola.
MÉTODOS
De la muestra limpia, seca y molida (240 g), fue preparado un extracto acetónica por maceración, dos veces; el
extracto fue concentrado hasta la obtención de un extracto pastoso (2,35 g), el que fue sometido a cromatografía
en columna usando como fase estacionaria sílica gel y como fase móvil la mezcla de solventes cloroformo:acetona,
con polaridad creciente, obteniéndose 80 fracciones; fue reunidas las fracciones desde 23 hasta 34 y desde 65 hasta
72 por separado, las que proporcionaron dos compuestos cristalinos en forma de agujas de color amarillo y naranja
respectivamente.
RESULTADOS Y DISCUSIÓN
Los cristales con forma de agujas de color amarillo (300 mg) son provenientes de la reunión de las fracciones 23-34 y
solubles en CHCl3, poco soluble en MeOH, Me2CO, con punto de fusión de 203-204°C; el espectro de RMN 1H y el
espectro de RMN 13C, confirmaron que es ácido úsnico.
El aislamiento e identificación por técnicas espectroscópicas de los compuestos mayoritario presentes en el líquen
Caloplaca saxicola Hoffm. tuvo una eficiencia de 0,125% para el ácido úsnico y 0,053% para la antraquinona parietina.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Los cristales con forma de agujas de color anaranjado (126 mg) son provenientes de la reunión de las fracciones 6572, solubles en CHCl3, MeOH y Me2CO; el espectro RMN 1H y el espectro de RMN 13C confirmaron que es parietina,
también llamada de fiscion (1,8-dihidroxi-6-metoxi-3-metil-9,10-antracenediona).
269
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIBACTERIANA DO ÓLEO ESSENCIAL
DA CITRONELA CYMBOPOGON NARDUS L. FRENTE ÀS ESPÉCIES
STAPHYLOCOCCUS AUREUS E SALMONELLA SP
Lima C.G.1, Silva W.M.A.1, Cordeiro, M.S.F. 1, Costa Júnior J.D.C.1,
Cordeiro R.P. 1, Melo A.F.M.11 Faculdade ASCES, Caruaru, PE, Brasil.
[email protected]
Introdução
Os óleos essenciais constituem uma mistura de compostos voláteis extraída de plantas. Muitos desses óleos são
responsáveis pela ação antimicrobiana das espécies, por isso tornam-se matérias-primas de importância para as
indústrias farmacêutica, cosmética e alimentícia. Estudos tem demonstrado atividade frente a várias espécies
bacterianas corroborando que os óleos são ativos contra bactérias Gram positivas e Gram negativas. Ainda, tem
sido relatado na literatura propriedades antifúngicas para 60% dos óleos essenciais. O óleo essencial da Citronela
(Cymbopogon nardus L.), cujos constituintes majoritários são o citronelal e geraniol, é utilizado na fabricação de
perfumes e cosméticos; aplica-se como ótimo repelente de insetos, além de apresentar atividade bactericida. Por essa
razão, objetivou-se a investigação da ação inibitória do referido óleo frente a algumas espécies patogênicas.
Métodos
Os ensaios foram conduzidos nos laboratórios de Tecnologia Farmacêutica e Microbiologia da Faculdade ASCES no
período de março a junho de 2011. Para realização do experimento, empregou-se o Método de Diluição em Caldo
compreendendo as concentrações 1/2; 1/4; 1/8; 1/16 e 1/32, com utilização de controles positivo e negativo. O óleo
essencial de Cymbopogon nardus L. foi obtido por extração em Soxhlet, sendo o material vegetal usado para tal fim,
cedido pela própria Instituição. As bactérias Staphylococcus aureus (ATCC 25923) e Salmonella sp. de origem clínica
foram semeados para crescimento em Agar Muller Hinton (MH) e diluídas em solução salina 0,9%. De cada amostra
de bactéria, realizaram-se diluições sucessivas em caldo MH até obter a concentração 10³ UFC/ml. Dessa mesma
suspensão, foi adicionada uma alíquota de 0,5 ml em todos os tubos, exceto no controle negativo. As amostras foram
plaqueadas e após solidificação, conduzidas à estufa por 24 h. A contagem bacteriana ocorreu comparando-se o
padrão com o crescimento das demais placas.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusões
270
O padrão de S. aureus apresentou crescimento referente a 132 colônias, enquanto que a placa de Salmonella sp.
demonstrou reprodução 77. Tomando-se esses resultados como referência (100%), e comparando ao crescimento
das demais placas contendo o óleo essencial em diferentes concentrações, foi observado que não houve crescimento para S. aureus, demonstrando que o óleo essencial de Cymbopogon nardus L. foi 100% efetivo na inibição
dessa espécie. Para Salmonella sp., houve crescimento de 4,05% na concentração 1/32, evidenciando que o óleo teve
atividade de 95,95% frente à Salmonella sp. Os resultados comprovam a eficácia dos óleos essenciais como agentes
antibacterianos e justifica o aumento de estudos de plantas medicinais com essa atividade, pelo fato de ser crescente
a resistência de microrganismos aos antibióticos, e por esses agentes apresentarem ainda efeitos colaterais significativos. Embora os resultados tenham sido satisfatórios, é recomendado estudos mais aprofundados para viabilizar o
emprego desse vegetal no controle das infecções humanas ocasionadas pelas espécies estudadas.
Apoio Financeiro: Faculdade ASCES.
ATIVIDADE ANTIBACTERIANA DO EXTRATO DE SALVIA OFFICINALIS L.
FRENTE A CEPAS DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS, PELO MÉTODO
DE DIFUSÃO EM ÁGAR COM DISCO
Tatiane Vieira Braga1*, Maria de Fátima de Almeida1, Renata Antunes1, Rosymeire Pereira
Lima1, Lucélia Grace Gonçalves Pereira1, Juliana Tensol Pinto2, Márcia Noelle2,
Cristina Amaral Calixto1, Rosana Gonçalves Rodrigues das Dores2.
1
Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte, Minas Gerais.
2
Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP , Minas Gerais.
[email protected]
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
A busca novas substâncias com propriedades antimicrobianas, devido à resistência das bactérias tanto no âmbito
comunitário quanto hospitalar, tem como importante alternativa o uso de produtos de origem natural. Staphylococcus
aureus apresenta elevada importância no quadro de infecções hospitalares e comunitárias tendo sua patogenicidade
associada a fatores de virulência e capacidade de mutação para formas mais resistentes. Na atualidade esta espécie é
considerada um dos principais problemas clínicos e epidemiológicos em hospitais, e a resistência aos antimicrobianos
é cada vez maior, dificultando uma terapêutica eficaz. Salvia officinalis L. é utilizada na medicina popular como
cicatrizante e bactericida. Na espécie foram identificados os constituintes 1,8-cineol, cânfora e monoterpenos. O
presente estudo avaliou a atividade antibacteriana do extrato metanólico das folhas de Salvia officinalis L. frente
a cepas de Staphylococcus aureus ATCC (25923), pelo método de difusão em ágar com disco. Folhas totalmente
expandidas do terço médio de caule de Salvia officinalis L. provenientes de cultivo orgânico, foram coletadas no
período da manhã, no mês de Setembro de 2008, no horto botânico da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP),
Minas Gerais. A identificação do material vegetal foi realizada no Herbário José Badini da Universidade Federal de
Ouro Preto e depositado um material testemunho (exsicata), sob número OUPR 8377. O teste foi realizado em ágar
Mueller-Hinton inoculado com cepa de Staphylococcus aureus ATCC (25923), partindo da suspensão direta das
colônias (escala 0,5 de McFarland). Discos de papel de filtro impregnados com 10μL do extrato metanólico 50mg/
mL foram avaliados em 6 repetições. O controle positivo foi Oxacilina 1μg (Unsidisc) e o controle negativo metanol.
Após a incubação da placa em estufa a 35ºC por 18 horas, mensurou-se o halo de inibição ao redor dos discos. O
halo de inibição de crescimento foi 11,52 ± 0,2mm, para o extrato metanólico 50mg/mL de Salvia officinalis L. Na
avaliação da atividade antibacteriana de extratos vegetais são considerados ativos os extratos que exibem halo de
inibição maior ou igual a 7mm, sendo assim fica evidente a importância da continuidade dos estudos com esta
espécie vegetal.
271
AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES ANTIBACTERIANA E ANTIADERENTE
IN VITRO DO EXTRATO ETANÓLICO DAS CASCAS DO BACURI
PLATONIA INSIGNIS MART. SOBRE STREPTOCOCCUS MUTANS
Quelemes P.V.1, Matos C.V.2, Sousa C.M.M.3, Chaves M.H.3, Soares M.J.S.1,4
1. Programa de Pós-Graduação em Farmacologia (Núcleo de Pesquisas em
Plantas Medicinais - NPPM), CCS, UFPI, Teresina, PI, Brasil.
2. Iniciação Científica, Graduação em Odontologia, CCS, UFPI.
3. Programa de Pós-Graduação em Química, CCN, UFPI.
4. Departamento de Morfofisiologia Veterinária, CCA, UFPI.
[email protected]
Introdução
O Streptococcus mutans é considerado o principal agente etiológico da cárie dental. A formação de biofilme nas
superfícies dentárias por esta bactéria gera um nicho acidogênico que provoca desmineralização e dá início ao
processo carioso. Além dos procedimentos de prevenção da cárie dental como: remoção do biofilme, adequação
da dieta e o uso do flúor, tem sido pesquisada a utilização de antimicrobianos oriundos de produtos naturais, que
inibem o crescimento desta bactéria ou agem sobre seus fatores de virulência. Este estudo avaliou as atividades
antibacteriana e antiaderente in vitro do extrato etanólico das cascas do bacuri (Platonia insignis Mart.) sobre o S.
mutans, por meio da determinação das concentrações inibitória e bactericida mínimas (CIM/CBM) e da concentração
inibitória mínima de aderência (CIMA).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Metodologia
272
A determinação da CIM foi realizada pelo método de macrodiluição utilizando-se tubos contendo 2 mL de caldo
Mueller-Hinton (MH) e concentrações do extrato em diluições seriadas que variaram de 1000-31,25 μg/mL. A cepa
de S. mutans ATCC 25175 foi inoculada a uma concentração aproximada de 1-2x105 UFC/mL em cada tudo, sendo
estes incubados sob microaerofilia (m.a.) a 35ºC por 24 horas. Foi considerada a CIM, a menor concentração do
extrato que apresentou uma absorvância < 0,05 a 625nm, sob leitura espectrofotométrica. Os dados foram analisados
pela variância ANOVA, utilizando-se o programa Graph Pad Prism, versão 3.0. Para a determinação da CBM foram
utilizadas placas de Petri contendo ágar BHI com adição de 5% de extrato de levedura e inóculos bacterianos obtidos
dos tubos com absorvância < 0,05. As placas foram incubadas sob m.a. a 35ºC por 24 horas. Foi considerada a
CBM, a menor concentração do extrato que inviabilizou o crescimento bacteriano. Para determinar a CIMA, foram
utilizados tubos de vidro contendo 2 mL de caldo MH com adição de 5% de sacarose, nos quais foram adicionadas
as concentrações do extrato variando de 1/2 a 1/8 do valor da CIM obtida, em seguida foi inoculada a suspensão
bacteriana. Os tubos foram inclinados em um ângulo de 30º e incubados sob m.a a 35ºC por 24 horas. A leitura
foi realizada por meio da inspeção visual, após coloração com fucsina a 0,25%. A CIMA foi definida como a menor
concentração do extrato que impediu a aderência bacteriana ao tubo. Os experimentos foram realizados em triplicata
e os controles positivo e negativo foram, respectivamente, clorexidina e dimetil sufóxido.
Resultados e discussão/Conclusão
A CIM do extrato foi de 250 μg/mL, porém nenhuma das concentrações testadas foi bactericida (CBM >1000 μg/
mL). A formação de biofilme sobre a superfície do tubo foi inibida na concentração de 125 μg/mL (CIMA), sugerindo
uma atuação sobre os mecanismos de virulência responsáveis por sua formação. Os resultados apontam que o
extrato etanólico das cascas do bacuri pode ser um promissor agente antibacteriano/ antibiofilme contra o principal
fator etiológico da cárie dental.
Apoio financeiro: UFPI, FAPEPI/CNPq.
PHENOLIC CONTENT AND MORPHOLOGICAL TRAITS COMPARED WITH
THE RESULTS OF GENOMIC ANALYSIS PERFORMED WITH RAPD
AND AFLP MARKERS IN SMALLANTHUS SONCHIFOLIUS
1
Milella L.* 1, Martelli G.1, Padula M.C.1, Salava J.2, E. Fernandez3, J. Ovesna´2, I. Greco1
Department of Biology, University of Basilicata, v.le dell’ateneo Lucano, 85100 Potenza, Italy.
2
Division of Plant Health, Crop Research Institute, Prague, Czech Republic.
3
Institute of Tropical and Subtropical Agriculture,
Czech University of Agriculture, Prague, Czech Republic.
[email protected]
Introduction
Yacon [Smallanthus sonchifolius (Poepp. et Endl.) H. Robinson; Asteraceae] is a periennal herb originally cultivated
in South America. This species has received attention because of the high content of fructo-oligosaccharides in its
roots. Medicinally, yacon has been used as an auxiliary in the treatment of diabetes and digestive disorders. Aybar
et al. (2001) demonstrated the hypoglycemic effect of the aqueous extract of yacon leaves in diabetic rats. Recently,
analysis of the leaf and tuber extracts showed that both parts of the yacon plant represented a rich source of
phenolic acids and other radical scavenging compounds, suggesting antioxidant proprieties (Valentova et al., 2005).
But nothing was reported on the genomic analysis compared with phenolic content and phenotypic parameters.
Methods
Five landraces of yacon were collected in four different countries and selected for their different morphological traits
and then grown in the same environmental conditions in the Czech Republic, where morphological traits were
observed.
Total phenolic content was determined using the Folin-Ciocalteau method. Genomic DNA was extracted from
approximately 500 mg of young leaf tissue. Ten-mers were used as random primers in the RAPD procedure and AFLP
analyses were done according to the AFLPTM Plant Mapping Protocol (Applied Biosystems, FosterCity, USA).
RAPD and AFLP markers were analyzed separately and they produce a similar percentage of polymorphism (23.4%).
Six morphological parameters were described. Total phenolic content varied twofold among the five landraces
analyzed, ranging from 3,494 to 6,849 mg/g. Each type of molecular marker resolved two main groups that included
the same genotypes, but with different within-group relationships among genotypes. The two groups are consistent
with some phenotypic characters but they do not reflect faithfully their geographical origin. Most notably, the
two groups comprise landraces with higher and lower total phenolic content, respectively. Dendrograms based
on the two molecular data sets graphically depicted the ability of both methods to differentiate all the cultivars
studied. Data obtained suggest that the two molecular markers applied are useful to investigate intra-specific genetic
variability in Smallanthus sonchifolius, and predict the total phenolic content of each landrace (Milella et al. 2011)
References:
Aybar, M. J.; Riera, A. N.S.; Grau, A. and Sanchez, S.S. (2001), Hypoglycemic effect of the water extract of Smallanthus sonchifolius (yacon) leaves in normal and
diabetic rats. J. Ethnopharmacol., 74, 125-132.
Valentova, K.; Moncion, A.; de Waziers, I. and Ulrichova, J (2005), The effect of Smallanthus sonchifolius leaf extracts on rat hepatic metabolism. Cell Biol. Toxicol.,
20, 109-120.
Milella L.; Martelli G.; Salava J.; Fernandez E.; Ovesna J.; Greco I. (2011), Total phenolic content, RAPDs, AFLPs and morphological traits for the analysis of variability
in Smallanthus sonchifolius. Genet Resour Crop Evol 58:545–551.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
273
ANÁLISE DO POTENCIAL ANTIOXIDANTE E CITOTÓXICO DA FRAÇÃO
DICLOROMETANO DA CAMPOMANESIA LINEATIFOLIA
MYRTACEAE, PELO MÉTODO DO DPPH
Machado J.L.1, Oliveira G.L.S.1, Almeida R.C.1, Brito M.F.F.1,
Bezerra J.R.A.1, Moura I.R.21Lic. em Biologia. Lab. de Genética e Toxicologia - Instituto
Federal do Piauí, Teresina-PI, Brasil.
2Departamento de Formação de Professores, Ciências e Letras - Lab. de Genética e
Toxicologia - Instituto Federal do Piauí, Teresina-PI, Brasil
[email protected]
Introdução
A espécie Campomanesia lineatifolia, popularmente conhecida por guabiraba, pertence à família Myrtaceae Juss.
Várias propriedades terapêuticas têm sido atribuídas à espécie, tais como: antiinflamatória e anti-reumática. Sendo
assim, o presente trabalho tem como objetivo a avaliação da atividade antioxidante do extrato diclorometano através
do método do seqüestro do radical livre estável 2,2-difenil-1-picril-hidrazil (DPPH) e citotóxico utilizando o teste de
letalidade frente Artemia salina das folhas da espécie C. lineatifolia.
Métodos
As folhas utilizadas da C. lineatifolia foram coletadas no Parque Ambiental do Mocambinho, no município de TeresinaPI, no período de agosto de 2010. As folhas foram trituradas, moídas e extraídas 3 vezes com diclorometano durante
16 dias e assim o extrato foi obtido por turboextração. Para avaliação do Potencial antioxidante foram preparadas
concentrações finais de 200, 150, 100, 50 e 25 µg.mL-1. As medidas das absorbâncias das misturas reacionais (0,3
mL da solução da amostra ou do controle positivo e 2,7 mL da solução estoque de DPPH), foram feitas a 517 nm
para o extrato e controles no tempo 30 minutos. Os valores de absorbância foram convertidos em porcentagem de
atividade antioxidante (AA%). A análise estatística foi realizada usando o Software Origin®. Para análise do potencial
citotóxico foi utilizada a metodologia descrita por Meyer et al. (1982). Para obtenção dos valores de DL50, foi utilizada
a análise PROBIT, através do software SPSS com 95 % de índice de confiança.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
274
A análise do potencial antioxidante da amostra diclorometano foi comparada aos padrões ácido elágico, ácido gálico,
BHT e rutina. O extrato apresentou atividade antioxidante, comparando-se com os padrões de 25% na concentração
de 200 µg.ml, podendo esse extrato atuar por meio da redução de radicais livres e inibição da peroxidação lipídica,
o que pode contribuir para a prevenção ou redução do desenvolvimento de patologias associadas ao estresse
oxidativo. Para análise do potencial citotóxico, a utilização do bioensaio de letalidade da A. salina foi simples e
eficiente, e através da análise estatística obteve-se DL50=89,8 ppm para o extrato da C. lineatifolia, indicando alta
atividade citotóxica na avaliação do extrato em diferentes concentrações, já que a dose letal foi baixa.
Apoio Finançeiro: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí - IFPI
ANTIOXIDANT ACTIVITY, IN VITRO CYTOTOXICITY AND INHIBITORY
ACTION OF ESSENTIAL OIL OF CINNAMOMUM ZEYLANICUM
ON LEUKOCYTES CHEMOTAXIS
Grespan R.1, Aguiar R.P.1, Miranda C. 1, Dantas J.A. 1,Fachin F.C.1, Kummer R. 1,
Silva E.L. 2, Bersani-Amado C.A. 1, Cuman R.K.N. 1.
1
Department of Pharmacology and Therapeutics, State University of Maringá, Maringá, Pr,
Brazil. 2 Department of Chemistry, State University of Maringá, Maringá, Pr, Brazil.
Introduction
The essential oil of Cinnamomum zeylanicum (EOC) has been used in ethno-medicine, preservation, food flavoring
and has been showed some biological effects such as antibacterial and anticancer agent. However, there is not study
demonstrating the EOC effect on leukocytes chemotaxis. This way, we evaluated the EOC effect on antioxidant
activity and their effect on in vitro cytotoxicity assay and on leukocytes recruitment.
Methods
The EOC was extracted from distillation by Clevenger apparatus. The antioxidant effect of EOC was evaluated by
lipid peroxidation assay. The EOC (1, 10 or 50 µg/mL) were mixed with egg yolk homogenate. Ferrous sulfate was
added to induce lipid peroxidation and the mixture incubated for 30 min. Then, acetic acid and thiobarbituric acid
were added and the resulting mixture was vortexed and then heated at 95 ºC for 60 min. After cooling, 1-butanol
were added to tube and centrifuged at 5000 rpm for 15 min. The organic layer was collected and the absorbance
at 532 nm was measured by spectrophotometer. Ascorbic acid was used as a positive control. In the in vitro MTT
[3-(4,5-dimethylthiazol-2-yl)-2,5-diphenyl-2H-tetrazolium bromide] assay, the neutrophils (1x106 cells/mL) were
treated or not with EOC (1, 3, 10, 30 or 90 µg/mL) and then the cell viability was measured by spectrometry and
expressed in terms of relative absorbance of EOC-treated cells in comparison with not treated cells. In the leukocytes
migration experiment, the cells were harvested from the peritoneal cavity of Balb/c mice, 4 hours after injection
with zymosan (1mg/cavity, i.p). The leukocytes (1x106 cells/mL) were pretreated with EOC (1, 3, 10 or 30 µg/mL)
for 30 min. Then, the cells were placed in the chemotaxis Boyden chamber (NeuroProbe) with fMLP (10-6M) as
chemotactic stimuli and RPMI medium (control of migration). The cells were incubated for 1 h at 37 °C, and then,
the membrane was stained with Instant Prov (Newprove). Leukocytes were counted by optical microscope (1000X),
five fields in each well. The results were expressed as the number of leukocytes/field (mean ± SEM). The means from
different treatments were compared by ANOVA with Tukey’s correction. Statistical significance was set at P ≤ 0.05.
The protocol (number 066/2010) was approved by the commission of ethics in animal research (State University of
Maringá).
The EOC showed a significant antioxidant activity, where the inhibition activity of the EOC (1, 10 and 50 µg/mL)
on lipid peroxidation was the 54.92%, 55.45 and 59.25%, respectively. Moreover, the inhibitory scavenging activity of
the ascorbic acid was 65%. In the MTT assay, leukocytes presented 90 to 93% of viability in the presence of EOC (1,
3, 10, 30 and 90 µg/mL). The chemotaxis induced by fMLP (47 ± 1.0 cells/field) was inhibited by EOC 3µg/ml: 40 ± 1.09
cells/field*; EOC 10µg/ml: 32.8 ± 0.3 cells/field* and by EOC 30µg/ml: 7.7 ± 0.43 cells/field*, but not by EOC 1µg/ml: 42.75 ± 3.3
cells/field, RPMI (negative control): 8.0 ± 0.43 cells/field. This way, our study indicates important biological activities
of cinnamom, such as: inhibition of lipid peroxidation and of leukocytes recruitment, suggesting a possible use as
antioxidant and anti-inflammatory. Besides, it is important to investigate the components present in this essential oil
that are responsible by these effects.
Financial Support: CAPES.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
275
PROSPECÇÃO FITOQUÍMICA E ÁNÁLISE DO POTENCIAL ANTIOXIDANTE DA
CAMPOMANESIA LINEATIFOLIAMYRTACEAE
PELO MÉTODO DO ABTS
Oliveira G.L.S.1, Almeida R.C.1, Júnior C.F.L.1, Nunes J.N.1, Texeira N.I.M.1, Oliveira Filho J.W.G.2
Lic. em Biologia. Lab. de Genética e Toxicologia - Instituto Federal do Piauí, Teresina-PI, Brasil.
2
Departamento de Formação de Professores, Ciências e Letras - Lab. de Genética
e Toxicologia - Instituto Federal do Piauí, Teresina-PI, Brasil
[email protected]
1
Introdução
A espécie Campomanesia lineatifolia, popularmente conhecida por guabiraba, pertence à família Myrtaceae Juss.
Várias propriedades terapêuticas têm sido atribuídas à espécie, tais como: antiinflamatória e anti-reumática. Sendo
assim, o presente trabalho tem como objetivo o estudo farmacognósticos, utilizando a prospecção fitoquímica para
análises dos constituintes químicos existentes e a avaliação do potencial antioxidante do extrato etanólico através do
método do seqüestro do radical livre estável 2,2´-azinobis(3-etilbenzotiazolina-6-ácido sulfônico) ABTS•+, das folhas
da espécie C. lineatifolia visando o isolamento dos metabólitos especiais responsáveis por atividades medicinais.
Métodos
As folhas utilizadas da C. lineatifolia foram coletadas no Parque Ambiental do Mocambinho, no município de
Teresina-PI, no período de agosto de 2010. As folhas foram trituradas, moídas e extraídas quatro vezes com etanol 99%
durante 16 dias. O material dissolvido em etanol foi filtrado e concentrado parcialmente em evaporador rotatório
sob pressão reduzida e determinado o peso seco. Para a composição fitoquímica foram realizados testes segundo
Matos et al,(1997) e SIMÕES. (1999). Foram realizados testes para a detecção de flavonóides, alcalóides, saponinas,
taninos, catequinas, esteróides e triterpenóides, cumarinas, derivados antraquinônicos livres e ácidos orgânicos. Para
a determinação da atividade antioxidante, usou-se a metodologia descrita por Re et AL. (1999) Inicialmente, formouse o radical ABTS•+, preparou as concentrações finais do extrato de 200, 150, 100, 50 e 25 µg.mL-1. Para realizar as
medidas, foram adicionados 40 µL da amostra diluída a 1960 µL da solução contendo o radical, determinando-se
a absorbância em espectrofotômetro (Hitachi UV-2800®), a 734 nm, nos tempos de 1, 4, 6 minutos de reação. Os
valores de absorbância foram convertidos em porcentagem de atividade antioxidante (AA%).
Resultados e discussão/conclusão
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
A análise da prospecção fitoquímica do extrato das folhas da C. lineatifolia indicou a presença de importantes classes
de compostos para tratamentos medicinais como flavonóides, saponinas, gomas, taninos, cumarinas, esteróides e
triterpenóides. A análise do potencial antioxidante mostrou que a partir da menor concentração até a maior, 200 µg/
mL, o radical ABTS•+ foi reduzido em 25% no tempo de 6 minutos em comparação ao controle acido gálico.
276
Apoio Finançeiro: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí - IFPI
ESTUDO DA ATIVIDADE ANTICOLINESTERÁSICA DA PLANTA
CAMPOMANESIA LINEATIFOLIAMYRTACEAE
Oliveira G.L.S.1, Almeida R.C.1, Medeiros E.C.N1, Brito M.F.F.1, Oliveira Filho J.W.G.2
Lic. em Biologia. Lab. de Genética e Toxicologia - Instituto Federal do Piauí, Teresina-PI, Brasil.
2
Departamento de Formação de Professores, Ciências e Letras - Lab. de Genética e Toxicologia - Instituto
Federal do Piauí, Teresina-PI, Brasil
[email protected]
1
Introdução
A espécie Campomanesia lineatifolia, popularmente conhecida por guabiraba, pertence à família Myrtaceae Juss.
Várias propriedades terapêuticas têm sido atribuídas à espécie, tais como: antiinflamatória e anti-reumática. A
doença de Alzheimer é uma desordem neurológica degenerativa, que acomete milhões de pessoas em todo o
mundo. O estudo da ativididade anticolinesterásica é de grande importância, principalmente, na prevenção do mal
de Alzheimer. Este trabalho tem como objetivo avaliar a atividade inibitória da enzima acetilcolinesterase no extrato
etanóico e as frações hexânico/Diclorometano das folhas da planta C. lineatifolia.
Métodos
As folhas utilizadas da C. lineatifolia foram coletadas no Parque Ambiental do Mocambinho, no município de
Teresina-PI, no período de agosto de 2010. As folhas foram trituradas, moídas e extraídas exaustivamente quatro
vezes utilizandos os solventes hexano, diclorometano e etanol 99% durante 16 dias. Os materiais dissolvidos foram
filtrados e concentrados parcialmente em evaporador rotatório sob pressão reduzida e determinado o peso seco de
cada extrato. As frações obtidas foram submetidas ao teste de medida de inibição da atividade de acetilcolinesterase
(AchE). No ensaio de inibição da acetilcolinesterase seguiu-se a metodologia de Elmann, adaptada por Rhee et al.
(2001), para cromatografia em camada delgada. Neste ensaio, utilizou-se a solução dos reagentes ácido 5,5-ditiobis-2nitrobenzóico (DTNB), iodeto de acetilcolina (ATCI) em tampão e solução da enzima acetilcolinesterase. A cafeína
foi utilizada como padrão positivo.
Resultados e discussão/conclusão
Apoio Finançeiro: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí - IFPI
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Para o teste de medida de inibição da atividade de acetilcolinesterase (AchE), os resultados apresentados pelo extrato
etanóico e as frações hexano/diclorometano das folhas da planta C. lineatifolia mostraram resultados com capacidade
inibitória da acetilcolinesterase (AChE) com o surgimento de um halo de inibição de 6,0 mm para as frações hexano/
diclorometano e de 9,0 mm para o extrato etanóico. Diante da análise das folhas da planta C. lineatifolia, os resultados
mostraram se bastante promissoras para isolamento e caracterização de compostos inibidores da acetilcolinesterase
(AchE) que possam auxiliar no tratamento do mal de Alzheimer.
277
ANTIOXIDANT CAPACITY AND PHENOLIC CONTENT OF ANNONA CACANS
1
Siqueira C.A.T.1, Pascoal A.C.R.F.1, Salvador M.J.1
Pharmacy Course, Department of Plant Biology, Institute of Biology, State University of
Campinas - UNICAMP, São Paulo, Brazil.
[email protected]
Introduction
Free radicals are responsible by lipid peroxydation occurred during production and storage of nutrients and are
directly involved in some cancers, cardiovascular disorders, diabetes, Alzheimer’s disease, atherosclerosis and others
human pathologies. In animal organism, different biochemical routes of the normal metabolism involve free radicals
formation. Exogenous antioxidant compounds can be auxiliary function in this defense processes, blocking the free
radicals formation by different ways and establish important control function in some oxidative stress diseases and
in food conservation. Annonaceae comprise a large number of genera and species, mostly native to tropical or
subtropical regions. Annona cacans is known as cortição. It is distributed in the southeast and southern of Brazil, is
used in folk medicine for the cathartic activity and its main constituents are alkaloids, flavonoids and acetogenins. In
this study, the antioxidant capacity and the phenolic content of methanol extract from the leaves of Annona cacans
were evaluated.
Methods
Dried and powdered leaves collected in Campinas (SP), Brazil, were extracted by maceration with methanol at
room temperature. The antioxidant capacity of the methanolic extract was assessed through the oxygen radical
absorbance capacity (ORAC) assay. The ORAC assay is based upon the inhibition of the peroxylradical - induced
oxidation initiated by decomposition of a biological relevant peroxyl radical (2,2’-azobis(2-amidino-propane)
dihydrochloride (AAPH), using fluorescein as the fluorescent probe. Total phenolic compounds were quantified by
the Folin-Ciocalteu (FCR) assay, which involves the reduction of reactive compounds by phenolic samples forming
a blue complex. These assays were performed with described by Salvador et al. (2011).
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
278
The methanol extract showed 1401 µmol of trolox equivalent/g in the ORACFL assay and the total phenols was
46.11 mg of gallic acid equivalent/g in FCR assay. Thus, the results documented in this study demonstrated that
the extract analyzed showed antioxidant capacity measured and this activity presents a positive correlation with
the total phenolic content. Phenolic compounds has been presented as important substances in combating free
radical production mainly due to its chemical structure and redox capacity, allowing them to act as reducing agents,
hydrogen donating, neutralizing free radicals, chelating of transition metals and inhibiting lipid peroxidation. The
phytochemical characterization of active extract of A. cacans, aiming isolation of the major antioxidant constituents
are in progress.
Financial Support: Agency Funding of Work FAPESP, CAPES, CNPq e FAEPEX-UNICAMP
Reference
SALVADOR et al., Natural Product Communications, 6: 977-982, 2011.
EVALUATION OF ANTIMICROBIAL ACTIVITY OF ANNONA PARVIFLORA,
ANNONA MUCOSA AND GUATTERIA FRIESIANA ANNONACEAE
Siqueira C.A.T.1, Lourenço C.C.2, Andreazza N.L.2, Costa E.V.3, Pinheiro M.L.B.4, Salvador M.J.1
1
Pharmacy Course, Department of Plant Biology, Institute of Biology, State University of
Campinas - UNICAMP, São Paulo, Brazil.
2
Department of Plant Biology, Institute of Biology, State University of
Campinas - UNICAMP, São Paulo, Brazil.
3
LABORGANICS, Department of Chemistry, Federal University of
Sergipe - UFS, São Cristóvão, SE, Brazil.
4
Department of Chemistry, Federal University of Amazonas - UFAM, Manaus, AM, Brazil.
[email protected]
Introduction
Currently, microbial resistance to drugs is a consequence of antibiotics overuse. Several plants are used for prophylactic
and therapeutic purposes. Among them are species of the Annonaceae family chemically characterized by the
presence of alkaloids and acetogenins. Thus, many studies have been conducted for the search of new compounds
with antimicrobial activity. Therefore, the aim of this study was to evaluate the antimicrobial activity of aqueous,
ethanolic, and water-ethanolic crude extratcs of Annona parviflora, Annona mucosa and Guatteria friesiana, by agar
diffusion method (well technique in double layer).
Methods
A. parviflora (leaves), A. mucosa (fruit) and G. friesiana (leaves) were collected in Jundiaí (SP), Campinas (SP) and
Manaus (AM), Brazil, respectively, dried (40 °C) and submitted to maceration with water, ethanol and ethanol 70%
in the ratio of 1:20 (w/v), to obtain the aqueous, alcoholic and hydroalcoholic crude extracts. The extracts were
evaluated for alkaloids detection by Dragendorff reagent in TLC plates. It was considered positive when after the
reagent application was possible to observe the color orange-brown at the application site. The antimicrobial activity
(n=2) was determined by the agar diffusion method (well technique in double layer, f well=6mm). Gram-negative and
gram-positive bacteria and yeasts were used as biological indicators. The test drugs were prepared in propilenoglicol/
H2O (1:19) at the concentrations of 5mg/mL. This diluent was used as negative control, and the positive controls
were bacitracin (200 UI/mL) and ketoconazole (0.1 mg/mL), for bacteria and yeast respectively.
All of crude extracts tested showed antibacterial activity against gram-positive strains. For gram negative strains of
bacteria, the aqueous crude extract of A. parviflora was active against Salmonella typhimurium and Proteus vulgaris,
with inhibition zone of 13mm and 14mm, respectively. The hydroalcoholic extract of G. friesiana and ethanol extract
of A. mucosa were active against E. coli ATCC 10799 with inhibition zones of 9 mm and 11mm, respectively. None of
the extracts showed antifungal activity in the tests. The results suggested that the antibacterial activity detected is
related to the alkaloidal constituents in the bioactive extracts.
Financial Support: FAPESP, CAPES, CNPq e FAEPEX-Unicamp.
Reference
SALVADOR, M. J. et al., Phytomedicine, v.9, p.566-571, 2002.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
279
ATIVIDADE MODULATÓRIA POR CONTATO GASOSO DO ÓLEO ESSENCIAL
DO ALLIUM SATIVUM NAS ESPÉCIES STAPHYLOCOCCUS AUREUS
ATCC 12692 E PSEUDOMONAS AERUGINOSA
Figueirêdo F.R.S.D.N. 1, Almeida C.G.L1, Rodrigues S.E.S. 1, Carvalho P.G.O. 1,
Rodrigues F.F.G. 1,2, Costa J.G.M. 1,2, Galvão R.F.F. 2
1
Faculdade de Ciências Aplicadas Dr. Leão Sampaio, Juazeiro do Norte, CE, Brasil.
2
Laboratório de Pesquisa de Produtos Naturais,
Universidade Regional do Cariri, URCA, Crato, CE, Brasil.
[email protected]
Introdução
Allium sativum, conhecido como alho, é uma espécie de origem asiática. Utilizado na culinária mundial como
condimento, é reconhecido pelo Ministério da Saúde e pelo Food and Drug Administration devido a efeitos
terapêuticos. Em estudos realizados observaram-se evidências farmacológicas que justificam o uso do alho como
anti-hipertensivo, antifúngico, antimicrobiano, antitrombótico, anti-hiperglicêmico e antilipemiante. Atualmente
existem diversos métodos para avaliação da atividade antimicrobiana de óleos essenciais. O método de contato
gasoso consiste na utilização de discos de antibióticos conhecidos, associados aos compostos voláteis do óleo
essencial, que juntos, modulam a atividade bacteriana em temperatura determinada. A proposta deste trabalho foi
de avaliar a atividade modulatória pelo método de contato gasoso utilizando o óleo essencial de Allium sativum nas
espécies bacterianas Staphylococcus aureus (ATCC 12692) e Pseudomonas aeruginosa.
Métodos
Realizou-se o semeio das espécies bacterianas em placas de Petri (90 mm) com meio ágar Mueller-Hinton. Foram
utilizados discos dos antibióticos: neomicina, gentamicina e tetraciclina (30, 10 e 30μg, respectivamente). O óleo
essencial, extraído da espécie Allium sativum foi utilizado em quatro concentrações 50, 25, 12,5 e 6% obtidas através
da diluição em dimetilsulfóxido (DMSO). No semeio da placa foi testada a eficácia do protocolo com duas espécies
bacterianas, Staphylococcus aureus (ATCC 12692) e Pseudomonas aeruginosa. O procedimento determinado para
cada concentração preconiza a utilização de 12 placas, divididas em dois grupos de seis, designados para as duas
espécies bacterianas. Destas, três placas para o controle (cepa bacteriana e antibiótico) e três para o teste (cepa
bacteriana, antibiótico e óleo essencial). Foram colocados 25μL do óleo essencial do alho na tampa das placas
designadas ao teste, sendo posteriormente, incubadas em estufa a 37ºC/24h. Findo o tempo, realizou-se a leitura
com o auxílio de uma régua obtendo o diâmetro do halo de inibição.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
280
O valor do halo de inibição reflete a sensibilidade da bactéria ao antibiótico e ao óleo essencial, portanto, quanto
maior o halo, maior a sensibilidade. Uma vez mensurado o tamanho do halo de inibição do controle e teste (em
milímetros), foi analisado se o halo do teste tem diâmetro inferior (efeito antagônico do óleo com o antibiótico) ou
superior (efeito sinérgico do óleo com o antibiótico) ao apresentado nas placas controle. Houve sinergismo dos
tipos de antibióticos com o óleo nas porcentagens de 50, 25, 12,5 e 6% no semeio com Staphylococcus aureus (ATCC
12692). No semeio com Pseudomonas aeruginosa somente as porcentagens de óleo de 50% e 25% foi verificado
sinergismo dos antibióticos com o óleo, exceto a tetraciclina que na porcentagem de 50%, não apresentou resultado
significativo diante o método. Conclui-se a relevância que o método de contato gasoso possui em evidenciar e
ressaltar a atividade antibacteriana de Allium sativum frente às espécies estudadas.
ANTIBACTERIAL ACTIVITY STUDY OF SELECTED
BOLIVIAN MEDICINAL PLANTS
1
Melgarejo M.M.1, 2, Sterner Olov2
Instituto de Investigaciones Químicas, San Andrés University (UMSA), La Paz-Bolivia
2
Division of Organic Chemistry, Lund University, Lund-Sweden
[email protected]
Introduction
There is continuous need of new antimicrobial medicinal natural products due to rapid emergence of multidrug
resistant pathogens and explosive dreadful infectious diseases. Plants are still an untapped source of antimicrobial
agents. Recent reviews indicate that there is a great potential to find compounds leading to production of new
antibiotics from plants sources. Traditional medicines use a wide variety of plants to treat different health ailments.
In many countries in the world, traditional medicine still plays a major role in primary health care. Due to the lack of
studies on the medicinal properties of Bolivian species, two related taxa Salvia and Lepichinia species were chosen to
validate the claims made by traditional medicine practitioners.
Methods
Ethanol extracts of plant material from S. haenkei, S. personata, L. meyenni, L. graveolens and L. bella were assayed in
vitro by Agar ditch diffusion method against the strains E. coli ATCC 25922 (sensible), E coli ATCC 35218 (resistant),
S. aureus ATCC 25923 (sensible), S. aureus ATCC 29213 (resistant), L. monocytogenes ATCC 7644, P. aeruginosa ATCC
27853 (sensible), K. pneumoniae ATCC 70063 (resistant), B. subtilis ATCC 6636, S. flexneri ATCC 12022 and S. typhi
(clinical isolated) for measure the antibacterial activity. Microbial growth was determined by measuring the diameter
of the zone of inhibition.
Agar ditch diffusion assay of activities, the ethanol extracts showed a variable clear zone of inhibition of each strain. The
ethanol extract from S. haenkei is the only plant that showed activity against K. pneumoniae ATCC 70063 (resistant).
The ethanol extract from L. bella is the only plant that showed activity against E. coli ATCC 35218 (resistant). The
ethanol extracts from S. haenkei, S. personata, L. meyenni, L. graveolens and L. bella showed activity against S. aureus
ATCC 25923 (sensible), S. aureus ATCC 29213 (resistant), L. monocytogenes ATCC 7644, B. subtilis ATCC 6636, S.
flexneri ATCC 12022 and S. typhi (clinical isolate). The results presented clearly prove that these plants are promising
sources of new antimicrobial agents. It should be mentioned that there are no previous reports on the antibacterial
activity of S. haenkei, L. meyenni, L. graveolens and L. bella. Presented results of antibacterial activity of S. personata
are consistent with only one report published. In conclusion this study supports the use of natural products as
medicines because active bio molecules in plant extracts exhibit antibacterial activity to a considerable extent. It
provides the basis for the present rapidly increasing interest for the use of natural antimicrobials.
Financial Support
This study was supported by the Swedish Institute with the Cooperation Program UMSA–ASDI/TB –BRC.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Results and discussion/conclusions
281
INVESTIGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E REVISÃO DO USO POPULAR
E DA ATIVIDADE FARMACOLÓGICA DE PÓLEN DE APIS
MELLIFERA DE BELA VISTA PI
Citó A.M.G.L.1, Lustosa M.C.G.1, Lustosa R.G.1, Lopes J.A.D.1, De Lima S.G.1, Pinto da Luz C.F.2
1
Departamento de Química, UFPI, Teresina, Pi, Brasil.
2
Laboratory of Palynology, Dicotiledôneas, Instituto de Botânica,
Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo, SP, Brasil.
[email protected]
Introdução
O pólen apícola é o órgão masculino das flores, coletado pelas abelhas e armazenado nos alvéolos da colmeia,
utilizado como alimento após fermentação. Sua composição química é bem variada, contendo carboidratos,
proteínas, lipídios, minerais e vitaminas. O estudo palinológico do pólen identificou a espécie Machaerium (95,09%)
como o tipo polínico dominante. Pelo homem, o pólen é utilizado como complemento alimentar, na fabricação
de cosméticos, no tratamento de infecções respiratórias, desordens endócrinas, enterites, colites, constipação,
fortalecimento do sistema imunológico, anemia. Estudos têm relatado atividade antitumoral, imunomodulatória,
antioxidante, atividade leucogênica e antimicrobiana (LIMA NETO, 2009). O objetivo deste trabalho foi avaliar a
composição química por CG/EM do pólen apícola e pesquisar na literatura o uso popular e a comprovação científica
da atividade biológica.
Métodos
Amostras de pólen foram submetidas à micro-hidrodestilação para análise dos voláteis por CG/EM. O decocto foi
seco, extraído com solventes em ordem crescente de polaridade: hexano, éter, acetato de etila e metanol/água. Os
extratos foram secos em e submetidos à derivatização segundo HEGAZI e ABD EL HADY 2002 utilizando BSTFA e
analisados também por CG/EM.
Resultado e discussão
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
A análise dos voláteis por CG/EM identificou, dentre outros constituintes, timol e carvacrol que justificam a
atividade antimicrobiana. Na fração hexânica extraiu-se cerca de 20 compostos sendo que cerca de 57,40% eram
alcanos superiores, que são constituintes de ceras e ácidos alifáticos e seus ésteres. O extrato etéreo apresentou:
ácidos alifáticos 39,49%, dentre eles: palmítico, linoléico, esteárico, e outros compostos como: glicerol, ácido lático e
o β-sitosterol. Alguns compostos foram comuns as frações etérea, acetato e metanólica, como:glicerol, ácido lático,
hirocarbonetos. Na fração acetato foram identificados: ácido D-lático, ácido propanóico, ácido manônico, ácido
2-ceto-glicônico. Os principais componentes do extrato metanólico foram os carboidratos, sorbitol, xilopiranose e
monossacarídeos, que justifica o seu valor nutritivo.
282
Suporte Financeiro: UFPI/ CNPq/LAPETRO/CAPES
Referências bibliográficas:
LIMA NETO, J.S. Pólen de abelha sem ferrão (Scaptotrigona sp) de Monsenhor Gil-Pi: análise palinológica, constituintes químicos e estudo cinético frente ao
DPPH. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Universidade Federal do Piauí, 2009.
HEGAZI, A.G.; ABD EL HADY, F. K. Egyptian propolis: 3. Antioxidant, antimicrobial activity and chemical composition of Propolis from reclaimed lands.
Z.Naturforsch. v. 57 c, p. 395-402, 2002.
PRÓPOLIS MARROM E VERMELHA: ATIVIDADE
ANTILEISHMANIA E TEOR DE FENÓIS TOTAIS
1
Citó,A.M.G.L.1Santana,L.C.R.2, Carneiro,S.M.P.2, Nunes, L.C.C.2,
Carvalho,F.A.A.1, Caland Neto, L.B.1, Araujo,B.Q.1
Departamento de Química, Universiddade Federal do Piauí, UFPI,Teresina,PI, Brazil 2
Departamento de Bioquímica e Farmacologia, Universiddade
Federal do Piauí, UFPI,Teresina,PI, Brazil.
[email protected]
Introdução
A leishmaniose é um problema de saúde em todo o mundo, sendo a Leishmania amazonensis um
dos principais agentes causadores da leishmaniose cutânea. O controle da leishmaniose continua a ser
um problema, pois não existe vacina eficaz e as drogas usadas atualmente, tais como os antimoniais
pentavalentes e anfotericina B, possuem uma utilização limitada devido a resistência do parasita e
toxicidade. Esses fatores levam a necessidade de procura por novas terapêuticas contra a leishmaniose.
A própolis é um produto elaborado na colméia a partir de substâncias resinosas, gomosas e balsâmicas, coletado
pelas abelhas, da espécie Apis mellifera, de brotos de flores e exsudados de plantas, acrescida de secreções salivares,
cera e pólen. As abelhas utilizam a própolis para recobrir a parede da colméia, reforçar os favos, preencher as fissuras,
restringir a entrada, e embalsamar animais, que tenham sido mortos após invasão da colméia. O objetivo desse
estudo foi investigar atividade dos extratos de própolis contra formas promastigotas e amastigotas de leishmania
comparando os dois tipos de própolis testadas.
Método
Utilizou-se promastigotas de L. amazonensis (1x106), cultivadas em placas de 96 poços em meio de Schneider’s,
acrescido do extrato hidroalcoólico (ETOH/H2O- 80/20) de própolis marron piauiense, da cidade de Pio IX e
própolis vermelha de área de mangue próximo à cidade de Goiana-PE, diluídos em dimetil-sulfóxido (DMSO) a uma
concentração máxima de 0,5% nos grupos experimentais, e Schneider’s com DMSO a 0,5% como controle negativo
ou com Anfotericina B como controle positivo. As concentrações das g/mL foram: 400; 200; 100; 50; 25 12,5, 6,25 e
3,12. Após amostras testadas em 24, 48 e 72 horas de incubação em estufa B.O.D. a temperatura de 26ºC, procedeu-se
à contagem de promastigotas viáveis em câmara de Neubauer. A concentração inibitória média (CI50) de cada teste
foi calculada por meio de análise de probitos, utilizando o programa SPSS 13.0. O teor de fenóis totais nos extratos
hidroalcoolicos pelo método Folin-Ciocalteau, utilizou-se uma curva padrão de ácido gálico na faixa de 0,4-3,9 mg/L
e os teores foram expressos em equivalente de ácido gálico por grama da amostra (mg de EAG/g de amostra).
A CI50 em g/mL sobre L. amazonensis: própolis marrom piauiense 26,12 (24h); 20,05 (48h) e 7,80m (72h), e a amostra
de própolis vermelha de Pernambuco 8,60(24h); 10,74 (48h) e 7,24m (72h). E os valores de fenóis totais obtidos
foram 80,12 e 80,39 mg de EAG/g de amostra respectivamente para a própolis marrom e vermelha. Pelos resultados,
constata-se que ambas as amostras de própolis apresentaram-se promissoras para serem utilizadas contra leishmania,
sendo a própolis vermelha mais ativa nas concentrações de 24 e 48h. E os teores de fenóis totais foram muito
próximos para ambas.
Suporte financeiro: CNPQ, UFPI, CAPES.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Resultados e discussão/conclusão
283
ESTUDO FITOQUÍMICO DE ASPIDOSPERMA RIGIDUM RUSBY
Araújo R.B.1, Ramos A.S.1, Ferreira J.L.P.1,2, Basso S.L.3, Silva J.R. de A.4, Amaral A.C.F.1
1
Laboratório de Plantas Medicinais e Derivados,
Farmanguinhos, FIOCRUZ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
2
Laboratório de Farmacognosia, MAF, Faculdade de Farmácia, UFF, Niterói, RJ, Brasil
3
Laboratório de Produtos Naturais, FUNTAC, Rio Branco, AC, Brasil
4
Laboratório de Cromatografia, Depto. de Química, UFAM, Manaus, AM, Brasil
[email protected]
Introdução
No Brasil, Aspidosperma rigidum Rusby é conhecida como “carapanaúba amarela”, sendo indicada popularmente para
o tratamento da malária e doenças hepáticas. O gênero Aspidosperma é caracterizado pela presença de alcalóides
indólicos com importantes atividades biológicas. Neste contexto, o objetivo deste trabalho consiste em estudar a
composição fitoquímica de frações de A. rigidum por meio de cromatografia gasosa acoplada a espectrometria de
massas (CG-EM).
Métodos
Amostras de cascas moídas de A. rigidum foram coletadas no estado do Acre (Brasil). As cascas foram submetidas a
um processo de maceração em etanol/ água 9:1 e o extrato bruto foi particionado com hexano e diclorometano. As
frações foram analisadas por CG-EM (70 eV) sob as seguintes condições: coluna HP-5MS no intervalo de temperaturas
entre 40 ºC e 300 ºC (4 ºC/ min) e hélio como gás de arraste (0,5 mL/ min).
Resultados e discussão/ Conclusões
Na fração em hexano, foram identificados ésteres e ácidos graxos com 42,0% da área total do cromatograma. Na
mesma fração também foram detectados: lupeol (12,5%), gama-sitosterol (9,2%), sitostenone (2,9%), alfa-amirina
(6,7%), estigmasterol (5,9%), e delta-5-ergostenol (4,2%). Entre os alcalóides, reserpilina predominou na fração em
diclorometano, correspondendo a 75% desta fração. Adicionalmente, nas frações em hexano e diclorometano, foi
identificado o alcalóide o-desmetilaspidospermina. As substâncias encontradas corroboram com o uso popular da
espécie como antimalárica.
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Suporte financeiro: CNPq-Brasil e FAPEAM.
284
USO DE BACCHARIS TRIMERA CARQUEJA COMO BIOINDICADOR
DE METAIS PESADOS NO AMBIENTE
Machado, A. J. B.¹, Santos. J.F.L.¹, Silva, R.M.G.²
¹ Coordenação de Produtos Naturais e Bioativos, Fundação de Medicina
Tropical do Tocantins, Araguaína/TO
² Centro Universitário de Patos de Minas, Patos de Minas/MG.
[email protected]
Introdução
Bioindicadores naturais tem como principal finalidade avaliar a presença e quantificar metais pesados contribuindo
assim para o monitoramento ambiental de substâncias acumulativas de metais pesados capazes de interagir e atuar
direta ou indiretamente nos organismos vegetais e animais. O presente trabalho tem por objetivo avaliar a presença
de possíveis metais pesados em amostras de Baccharis trimera (carqueja) utilizando o método de absorção atômica,
afim de avaliar a presença de possíveis metais pesados nas folhas e caules da planta.
Método
O material foi coletado em diferentes áreas na região urbana de Patos de Minas. Os experimentos foram conduzidos
no Laboratório de Fisiologia Vegetal e Biotecnologia da Faculdade de Ciências Agrárias do Centro Universitário de
Patos de Minas. O material seco foi triturado e pulverizado, duas amostras de extrato bruto (M1: 9,897g; M2: 2,4 g)
foram obtidas por meio de Soxhlet com solvente orgânico, álcool etílico absoluto na proporção de 1:10 peso/vol.; e
uma amostra utilizada(M3: 3 g) da planta triturada (caule e folha).
O extrato obtido foi evaporado em aparelho rotavapor até secura total, posteriormente o extrato seco permitiu
quantificar e diluir as concentrações para a realização do teste de absorção atômica, seguida da eliminação da matéria orgânica para leitura no aparelho de absorção atômica com lâmpada de cátodo oco de zinco nos padrões de
leitura (0,189 - 0,377 - 0,485 - 0,624). Cada leitura foi feita em triplicata. O delineamento experimental foi inteiramente
casualizado, com três repetições para cada amostra. Para as análises o teste T com α ≤ 5% foi aplicado.
Resultados/Discussão e Conclusão
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
Esta espécie se caracteriza como um importante bioindicador de acúmulo de metais pesados, sendo quantificadas
as concentrações das amostras em mg/L, M1( Cu-0,756; Zn-0,101; Cd-0,27); M2( Cu-0,221; Zn-0,042; Cd-0,008) e
M3( Cu-0,773; Zn-1,918; Cd-0,044). A amostra M3 apresentou maior concentração dos metais pesados Cu e Zn em
relação a M1 e M2.
Conclui-se que além do seu uso terapêutico, a carqueja demonstrou-se como um importante bioindicador para
detectar alterações ambientais provocadas pelas atividades humanas.
285
COMPOSIÇÃO QUÍMICA E ATIVIDADE MOLUSCICIDA DO ÓLEO
ESSENCIAL DAS FOLHAS DE EUGENIA UNIFLORA L.
Freitas Junior, L.M.F.¹; Dias, C.N.2; Maia, J.G.3; Amaral, F.M.M.4;
Rosa, I.G.2; Monteiro, O.J.5; Moraes, D.F.C.4.
1
Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Avenida dos Portugueses s/n, Prédio do Integrado, Campus
do Bacanga, CEP 65085-580,, tel.: +55 98 33018592; São Luís, Maranhão, Brasil.
²Aluna de Mestrado do Programa de Pós-Graduação da Universidade
Federal do Maranhão (UFMA), São Luís-MA, Brasil.
3
Professor da Faculdade de Engenharia Química da Universidade
Federal do Pará, Belém-PA, Brasil.
4
Professoras do Departamento de Farmácia da UFMA,São Luís-MA, Brasil.
5
Professor do Departamento de Química da UFMA, São Luís-MA, Brasil.
[email protected]
Introdução
Eugenia uniflora L. (Myrtaceae), popularmente conhecida como pitangueira, é uma pequena árvore ou arbusto,
utilizada na medicina popular para o tratamento de hipertensão, febre e desordens digestivas. A esquistossomose é
uma doença parasitária endêmica em 74 países em desenvolvimento e pode ser controlada pela interrupção do ciclo
de vida do parasito causador, através da eliminação ou redução do número de caramujos Biomphalaria glabrata,
seus hospedeiros intermediários. Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de avaliar a composição química e a
atividade tóxica contra a espécie de caramujo Biomphalaria glabrata do óleo das folhas de Eugenia uniflora.
Metodologia
As folhas de E. uniflora foram coletadas em janeiro de 2010 no bairro do Bacanga na cidade de São Luís-MA e a
espécie foi identificada no Herbário Ático Seabra-UFMA. O óleo essencial das folhas foi extraído pelo método de
hidrodestilação, utilizando aparelho de Clevenger. A análise química do óleo foi realizada em cromatógrafo gasoso
acoplado a um espectrômetro de massa. O óleo foi avaliado quanto à atividade moluscicida na concentração de 100
µg/mL, utilizando-se protocolo estabelecido pela OMS (WHO, Bul. of the, 33, 1983).
Resultados e Discussão / Conclusão:
19 a 22 de Setembro de 2011 • Fortaleza - Ceará - Brasil
O óleo essencial de E. uniflora apresentou rendimento de 1,5% e a análise por CG-EM demonstrou a presença de 32
constituintes, sendo o curzereno (47,3%), o componente majoritário. No teste biológico, este óleo demonstrou uma
taxa de mortalidade dos caramujos de apenas 55%, assim considerado fracamente ativo, segundo o que determina
a OMS (1983).
286
Financiamento: CNPq
AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA
DO ÓLEO DE ORBIGNYA PHALERATA MART
Castro, A. T. O. 1; Ribeiro, M. N. S. 1; Amaral, F. M. M. 1,2; Neiva, V. A. 1; Barroso, W. A. 1;
Freitas Junior, L. M. 1; Barboza, J. R. 1; Maciel, M. C. G.2.
1
Laboratório de Farmacognosia I, Departamento de Farmácia, Centro de Ciências
Biológicas e da Saúde, Universidade Federal do Maranhão, Avenida dos Portugueses s/n,
Prédio do Integrado, Campus do Bacanga, CEP 65085-580, São Luís, MA, Brasil, tel.: +55
98 33018592; 2 Laboratório de Imunofisiologia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde,
Universidade Federal do Maranhão.
[email protected]
Introdução
A utilização de plantas e/ou seus produtos derivados como recurso terapêutico encontra-se em expansão
mundialmente, refletindo o difícil acesso de grande parte da população aos serviços de saúde e a tendência da
sociedade em utilizar produtos naturais de origem vegetal na recuperação e/ou preservação da saúde, estimulada
pelas propriedades terapêuticas milagrosas atribuídas empiricamente a tais produtos; situação preocupante,
considerando os riscos associados a utilização de produtos para fins medicinais de má qualidade. Orbignya phalerata
Mart. (babaçu), representa palmeira nativa de grande ocorrência nas regiões Norte, Nordeste e Centro-oeste do Brasil,
sendo constatado amplo emprego na prática popular do óleo de babaçu na cicatrização de feridas, como vermífugo
e no tratamento de gripe. Visando contribuição efetiva na implantação da Fitoterapia na Assistência a Saúde no
estado do Maranhão, em atendimento as diretrizes da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares,
este estudo objetiva avaliar a qualidade microbiológica do óleo de Orbignya phalerata Mart.
Métodos
Amostras do óleo de Orbignya phalerata Mart. (babaçu), foram adquiridas em municípios do estado do MaranhãoBrasil, em separado, submetidas à pesquisa de bactérias e fungos. Alíquotas de 10 µL das amostras foram semeadas
em placa de petri com meio ágar Mueller Hinton, ágar MacConkey e ágar BHI sólido para cultivo de bactérias, e meios
ágar Candida e ágar Mycosel